SlideShare uma empresa Scribd logo
SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ:
Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã
SECADEC
A HISTORIA E IMPORTANCIA DA EBD
Profº Pb Antônio Soares
INTRODUÇÃO
Nossa primeira plenária, vai se desdobrar em dois momentos a saber:
1 – Vamos destacar a origem, as raízes, aspectos históricos da Escola Bíblica Dominical;
2 – Destacar a importância da Escola Bíblica Dominical.
A Escola Bíblica Dominical é a única instituição que evangeliza enquanto ensina.(Antônio Gilberto) Ou
seja:
 Instrui o povo do Senhor,
 No dia do Senhor,
 Estudando a palavra do Senhor
 Na casa do Senhor.
 A Escola Bíblica Dominical devidamente aparelhada é um instrumento de formação moral e
espiritual para adultos, jovens e as crianças desde a mais tenra idade, proporcionando uma vida
cristã sempre frutífera e abundante.
I – O QUE VENHA A SER ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL?
 A Escola Dominical é a maior e mais acessível agência de educação religiosa da igreja.
 “O registro bíblico e também da igreja nos ensina, que evangeliza enquanto ensina, ou seja,
há uma conjugação dos dois lados da grande comissão dada por Jesus” (Mt 28.20 e Mc
16.15).
 Há quem diga também com muita clareza a escola dominical é um ministério pessoal para
alcançar crianças, jovens, adultos, as famílias e a comunidade inteira, tal como fazia a igreja
dos tempos apostólicos.
 Por isso, ela é um fator determinante na formação espiritual, moral, social e cultural das
famílias. A Escola Dominical, quando bem estruturada, torna-se um dos meios mais eficazes
de evangelização.
 É notório que missionários pastores e demais obreiros e obreiras, passaram pela Escola
Dominical e continuam a frequentá-la zelosamente, pois nela o caráter cristão é desenvolvido
segundo a Bíblia Sagrada.
PLENÁRIA – 01
“A Escola Dominical não é uma parte da igreja; é a própria igreja
ministrando ensino bíblico metódico” Antônio Gilberto.
SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ:
Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã
SECADEC
II – A HISTÓRIA DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
1. Raízes bíblicas da Escola Dominical.
A – NOS DIAS DE MOISÉS.
A Escola Dominical, tal como a temos hoje, é uma instituição moderna, mas tem suas raízes
aprofundadas desde da época das páginas do Antigo Testamento nas prescrições dadas por Deus aos
patriarcas e ao povo e Israel.
A Escola Dominical não existia, mas havia o principio fundamental – o do ensino bíblico determinado por
Deus aos fiéis e aos estranhos ao seu redor . Sempre pesou sobre o povo de Deus a responsabilidade de
ensinar a lei divina.
Conforme ensina-nos o pastor Antônio Gilberto em seu Manual da Escola Dominical, esse educandário
tem as suas raízes desde as páginas do Antigo testamento e Novo Testamento.
Observe - O desenvolvimento da instrução religiosa (EBD) se deu em duas fases a saber:
1 – A fase dos tempos bíblicos;
2 – A fase dos tempos modernos.
Examinando o Pentateuco, vemos que no principio, entre o povo de Deus, os próprios pais eram os
responsáveis pelo ensino da revelação divina no lar. O lar era de fato uma escola, onde os filhos
aprendiam a temer e amar a Deus (Dt 6.7;11.18,19).
Havia reuniões públicas, das quais participavam homens, mulheres e crianças, aprendendo a lei divina. (Dt
31.12,13).
(Dt 31.12,13) “Ajunta o povo, homens, e mulheres, e meninos, e os teus estrangeiros que estão dentro
das tuas portas, para que ouçam, e aprendam, e temam ao SENHOR, vosso Deus, e tenham cuidado de
fazer todas as palavras desta Lei; e que seus filhos que a não souberem ouçam e aprendam a temer ao
SENHOR, vosso Deus, todos os dias que viverdes sobre a terra, a que ides, passando o Jordão, para possuí-
la”
B – NA ÉPOCA DOS SACERDOTES, REIS E PROFETAS DE ISRAEL.
 Os sacerdotes, além do culto divino, tinham o encargo do ensino da Lei (Dt 24.8;1Sm 12.23;2Cr
15.3;Jr 18.18).
• Eles eram intermediários entre o povo e Deus assim como os profetas era intermediário entre
Deus e o povo.
 Os reis de Judá, quando pidedoso,aliavam-se aos sacerdotes na promoção do ensino bíblico.
 Temos um exemplo disto no bom rei Josafá, que enviou líderes, levitas e sacerdotes por toda a
terra de Judá para ensinarem ao povo a lei do Senhor (2Cr 17.7-9).
 pela época dos sacerdotes, reis e profetas de Israel
 (Dt 24.8) “Guarda-te da praga da lepra e tem grande cuidado de fazer conforme tudo o que te
ensinarem os sacerdotes levitas; como lhes tenho ordenado, terás cuidado de o fazer”
 (1 Sm 12.23) “E, quanto a mim, longe de mim que eu peque contra o SENHOR, deixando de orar
por vós; antes, vos ensinarei o caminho bom e direito” (Jr 18.18) “Então, disseram: Vinde, e
maquinemos projetos contra Jeremias; porquanto não perecerá a lei do sacerdote, nem o
conselho do sábio, nem a palavra do profeta; vinde, e firamo-lo com a língua e não escutemos
nenhuma das suas palavras”
 (2 Cr 15.3) “E Israel esteve por muitos dias sem o verdadeiro Deus, e sem sacerdote que o
ensinasse, e sem lei”
SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ:
Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã
SECADEC
C - DURANTE E APÓS O CATIVEIRO BABILÔNICO (NE 8).
Nessa época, os judeus no exilio, privados do seu grandioso templo em Jerusalém, instruíram as
sinagogas tão mencionadas no NT.
A Sinagoga era usada como escola bíblica, casa de cultos e escola pública. O historiador
Phillo,falecido em 50 d.c.,com seu testemunho insuspeito, afirma que “ as sinagogas eram casas de
ensino, tanto para crianças como para adultos” – Benson.
Na sinagoga, a criança recebia instrução religiosa dos cincos aos dez anos de idade; aos 15 anos
continua a instrução religiosa, agora com o auxilio dos comentários e tradições dos rabinos. Aos
sábados, a principal era a matutina. Incluindo jovens e adultos.
D – NO PÓS CATIVEIROS (Ne 8).
Nos dias de Esdras e Neemias, lemos que quando o povo voltou do cativeiro, um grande avivamento
espiritual teve lugar entre os Israelitas. Esse despertamento teve origem numa intensiva
disseminação da palavra de Deus, ou seja, o ensino bíblico, metódico e similar ao da Escola bíblica
Dominical.
O Cap. 8 do Livro de Neemias dá um relato de como era popular a escola bíblica de então – ou como
chamamos hoje: EBD. Esdras era superintendente (Ne 8.2), o livro- texto era a Bíblia (V.3) e os alunos
eram homens, mulheres e crianças (v,3;12.43). Havia vários professores e auxiliares ajudando Esdras.
O horário ia da manhã ao meio dia (v,3). Afirma o v.8 que os professores liam e explicavam a palavra
de DEUS.
E – NOS DIAS DE JESUS.
Jesus foi o Grande Mestre, glorificando assim a missão de ensinar. Grande parte do ministério de
nosso Senhor foi ocupado com o ensino. Ver Lucas 20.1; Mt 4.23,9.35. Sua última comissão à Igreja foi
“Ide e ensinai” (Mt 28.19,20). Sua ordem é clara.
A quem e onde Jesus ensinava?
 Nas Sinagogas (Mc 6.2);
 Em casas particulares (Lc 5.17;Mc 2.1)
 No templo (Mc 12.35)
 Nas multidões, ou nos pequenos grupos (Mc 6.34)
O ministério de Jesus era tríplice: Ele pregava, ensinava (Mc 2.21) e curava, pois era um ministério de
poder e de milagres. Pelo ensino, edificava a fé dos que criam, e pelos milagres, manifestava o seu
poder.
Chegando aos dias de Jesus, sendo Ele o Mestre dos mestres (Mc 2.1,2) “E, alguns dias depois, entrou
outra vez em Cafarnaum, e soube-se que estava em casa. E logo se ajuntaram tantos, que nem ainda
nos lugares junto à porta eles cabiam; e anunciava-lhes a palavra” (Mc 6.2,6,34) “E, chegando o
sábado, começou a ensinar na sinagoga; e muitos, ouvindo-o, se admiravam, dizendo: De onde lhe
vêm essas coisas? E que sabedoria é esta que lhe foi dada? E como se fazem tais maravilhas por suas
mãos?”
“E aconteceu que, em um daqueles dias, estava ensinando, e estavam ali assentados fariseus e
doutores da lei que tinham vindo de todas as aldeias da Galileia, e da Judéia, e de Jerusalém. E a
virtude do Senhor estava com ele para curar” (Lc 24.27) “E, começando por Moisés e por todos os
profetas, explicava-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras”
SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ:
Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã
SECADEC
F – NOS DIAS DA IGREJA.
 Após a ascensão do Senhor, os apóstolos e discípulos continuaram a ensinar.
 A Igreja Primitiva dava muita importância a esse ministério (At 5.41,42).
 O apóstolo Paulo, um grande mestre, foi maravilhosamente usado por Deus nesse mister. Suas
epístolas contêm sublimidades de ensino variado. Ali, tanto há alimento para adultos como para
criancinhas espirituais.
 Ele e Barnabé, por exemplo, passaram um ano todo ensinando na igreja em Antioquia (At 11.26).
Em Efeso,ficou três anos ensinando (A 20.20,31). Em corinto, ficou um ano e seis meses (At
18.11).
 Seus últimos dias em Roma foram ocupados com o ensino da Palavra (At 28.31).
 A Igreja do primeiro século até os nossos dias (Mc 6.30) “E os apóstolos ajuntaram-se a Jesus e
contaram-lhe tudo, tanto o que tinham feito como o que tinham ensinado” (At 5.21)
 “E, ouvindo eles isto, entraram de manhã cedo no templo e ensinavam. Chegando, porém, o
sumo sacerdote e os que estavam com ele, convocaram o conselho e a todos os anciãos dos filhos
de Israel e enviaram servidores ao cárcere, para que de lá os trouxessem” (At 5.41,42)
“Retiraram-se, pois, da presença do conselho, regozijando-se de terem sido julgados dignos de
padecer afronta pelo nome de Jesus. E todos os dias, no templo e nas casas, não cessavam de
ensinar e de anunciar a Jesus Cristo”.
2 - Raízes nos tempos Modernos.
 A origem da Escola Dominical. A fase moderna da Escola Dominical, assim como a conhecemos,
teve início em um domingo de 1780. O jornalista britânico, Robert Raikes, desejava escrever um
editorial sobre a melhoria do sistema carcerário de sua cidade.
Ao perceber que muitas crianças ficavam na rua falando palavrões e brigando, mudou de ideia e escreveu
sobre como levar aqueles meninos à igreja, visando alfabetizá-los e evangelizá-los. A maioria das crianças
não sabia ler nem escrever, pois durante a semana eram forçadas a trabalhar em fábricas; algo bem
comum durante a Revolução Industrial. E, no domingo, perambulavam pelas ruas.
A maioria das crianças não sabia ler nem escrever, pois durante semana eram forçadas a trabalhar em
frábricas;algo bem comum durante a revolução industrial.
SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ:
Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã
SECADEC
a) O projeto.(Origem da Escola Dominical).
Raikes divulgou o projeto de alfabetizar as crianças, ensinando-lhes gramática, matemática e a Bíblia.
Apelou às pessoas a fim de que, voluntariamente, ajudassem-no a tirar as crianças das ruas, educando-as
nos lares e na igreja.
b) Semeando lições de vida.
As professoras voluntárias, além de alfabetizá-las, ensinavam-lhes noções de ética, moral e histórias
bíblicas. Era uma verdadeira educação integral. Quatro anos depois, após espalhar-se por várias cidades, a
Escola Dominical já contava com 250 mil alunos.
No Brasil, ela foi fundada em 19 de agosto de 1855 pelo casal de missionários escoceses, Robert e Sarah
Kalley.
3. O que é Escola Dominical. É uma escola que ministra o ensino da Palavra de Deus de forma acessível
a todos os alunos - desde o berçário aos adultos - contemplando todas as faixas etárias.
A Escola Dominical é gratuita e conta com o apoio de homens e mulheres que, voluntariamente, lecionam
a Palavra de Deus.
É o maior trabalho que se pode realizar na igreja. Os seus professores e organizadores não têm qualquer
retorno financeiro a não ser a alegria de saber que são instrumentos de Deus para abençoar vidas através
do ensino da Bíblia Sagrada. Os que exercem este ministério sabem que esta é a maior recompensa
SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ:
Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã
SECADEC
III – A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOMINICAL
 Por que ela tem uma missão nobre.
1 - Ganhar almas para Jesus
 E disse-lhes: ide por todo mundo, pregai o evangelho a toda criatura (Mc 16.15).
 “O fruto do justo é a árvore da vida e o que ganha almas sábio é” (Prov. 11:30).
 Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que
anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz (I Pe. 2:9).
2. Desenvolver a espiritualidade dos alunos e o caráter cristão.
3. Treinar o cristão para o serviço do mestre.
 É o único departamento que envolve todas as faixas etárias e ainda o público não cristão
 É um instrumento eficaz para a edificação do povo de Deus
 Promove o crescimento e desenvolvimento espiritual do cristão;
 Abre uma janela que permite à igreja perceber a condição do mundo ao redor;
 Nenhuma instituição de ensino tem efeito tão benéfico sobre a Sociedade e família como a
Escola Bíblica Dominical. Nos países onde ela é valorizada, sempre há testemunhos de pessoas
que se tornaram úteis à sociedade e ao mundo.
IV- CARACTERÍSTICAS DE UMA ESCOLA DOMINICAL DINÂMICA.
4.1- Valoriza o ensino como nos exemplos bíblicos.
a) Josafá (2Cr 17.7-9,12). Ele convidou seus príncipes, os levitas e os sacerdotes a saírem pelas
cidades de Judá e a ensinarem ao povo o livro da lei do Senhor. E a Palavra de Deus diz: “E o
Senhor foi com Josafá... E o Senhor confirmou o reino em suas mãos... Cresceu,pois,Josafá,e se
engrandeceu extremamente... (vv.3,5,12).
b) Esdras (Ne 8.2-8). Ele trouxe a Lei perante a congregação, léu nela, diante da praça a manhã toda,
declarando e explanando o sentido para que entendessem. E os ouvidos de todo o povo estavam
atentos ao livro da Lei.
c) Paulo e Barnabé (At 11.26;20.2-21;18.11). Em Antioquia eles passaram um ano ensinando a muita
gente a palavra de Deus. E foi lá que os discípulos foram, ela primeira vez, chamados cristãos.
4.2 – O líder da igreja é pessoalmente comprometido.
Quando o pastor da Igreja valoriza a ED com investimento e com sua presença assídua na medida do
possível, de forma pontual, como seu diretor, dá um grande exemplo às demais lideranças e alunos de sua
igreja( Jo 10.4). Não se pode admitir que evangelistas, presbíteros e diáconos e demais cooperadores da
obra de Deus não gostei, amem a escola dominical. O Sucesso dela depende muito da liderança. O
superintendente, os coordenadores, professores e demais líderes devem ser modelos de interesse pela
Escola.
SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ:
Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã
SECADEC
4.3 – É uma ferramenta da Grande Comissão.
a) Considerando-a como fonte de inspiração ao crescimento. A contemplação dos objetivos da ED e o
conceito de que é “a escola de ensino bíblico que evangeliza enquanto ensina”, a arremete ao “Ide e
pregai” e ao “Ide e Ensinai” de Jesus. Ken Hemphill disse que a Escola Dominical na maioria das igrejas é
uma mina de ouro evangelística inexplorada e que, corretamente posicionada, pode ser a ferramenta de
crescimento mais poderoso da igreja.
b) Adotando-a como pré-requisito para docente. Não somente para expressar a função de professor, mas
para qualquer cargo na Igreja, pertencer à Escola Dominical e ter consciência da necessidade de lutar pela
obediência à grande comissão, deveria ser, em todas as igrejas, condição indispensável.
c) Não tendo medo de inovar. O leite tem sido oferecido e vendido como produto indispensável nas mais
diversas embalagens, no transcorrer dos anos. Mas sua composição natural não pode mudar. Criemos
novas maneiras de evangelizar, pregar, discipular e ensinar a Palavra, sem alterá-la.
4.4 – Tem Jesus como modelo de ensinador.
a) Valoriza as crianças (Mc 10.13-16).
b) Adolescente, já interessado pelo ensino (Lc 2.42-47).
c) Ensinava no Templo (Mc 12.35; 6.2).
d) Ensinava nas casas particulares (Mc 2.1;Lc 5.17).
e) Ensinava ao ar-livre (Mt 5.1-2).
f) Ia ao encontro de alunos duvidosos (Lc 24.15-27).
g) Visitava pessoalmente ao faltoso (Jo 9.35).
h) Dividia seus aluno em grupos para evangelizar (Mc 6.7;Lc 10.1).
i) Variava os métodos de ensino (Mt 5.13-15;24-27;22.42-45,27,32).
j) Utilizava recursos visuais (Mt 6.22,26,28;Jo 15.5;Mt 18.2,3).
4.5 - Promove uma verdadeira adoração.
Quem só contempla os benefícios recebidos louva bem. Mas para adorar é preciso conhecer a Deus. A
capacidade de adoração ao Senhor vem do verdadeiro conhecimento de sua maravilhosa pessoa, sua
obra por nós e seu maravilhoso amor, aprendidos na Escola Dominical. A ED deve oportunizar a adoração,
no seu espaço, com bastante música sacra.
4.6 – Faz plano de ação anual.
a) Contemplando os objetivos da Escola.
b) Estabelecendo metas de crescimento.
c) Controlando mensalmente as realizações.
d) Considerando a gestão de pessoas.
4.7 – Seu foco é o aluno.
a) Fazendo a graduação por idade.Crianças, adolescentes, jovens e adultos.
b) Buscando conhecer os alunos.
Observando as características físicas, mentais, sociais, emocionais e espirituais desse aluno,
segundo as faixas etárias,e,também, o estado de conversão, seu ambiente social e interesse
etc.,pois,afinal,objetiva-se uma transformação em sua vida. É preciso conhecer seu estado atual
para, então, propor e alcançar esse alvo.
c) Atendendo as necessidades do aluno.
 Com currículo adequado;
SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ:
Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã
SECADEC
 Com ambiente agradável;
 Com tratamento pessoal;
 Com métodos criativos de ensino;
 Com treinamento para a evangelismo;
 Com atividade extraclasses;
4.8 – Detém recursos para investimento.
- Seja com recursos da própria Escola Dominical, seja com outros liberados pela Igreja, a escola se
desenvolve quando investe:
a) Na capacidade dos professores;
b) Na obtenção dos recursos audiovisuais;
c) Na melhoria ou ampliação das instalações etc.
4.9 - É prioridade na Igreja, nunca sendo substituída nem reduzida.
4.10 – Atende a necessidades espirituais, sociais, físicas e emocionais.
Sem dúvida as nossas lições, da CPAD atendem bem as necessidades espirituais dos nossos alunos.
V – ALGUMAS IDEIAS PARA DINAMIZAR SUA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL.
1 – Planejar crescimento anual estabelecendo metas.
2 – Estabelecer a meta da frequência de alunos e dos visitantes.
3 – Controlar as metas para alimentar novos planejamentos.
4 – Ter um bom sistema de informações com uma secretaria bem organizada.
5 – Evitar cancelamento de matricula dos faltosos sem visitá-los.
6 – Formalizar detalhadamente de tarefas para todos os níveis da ED.
7 – Criar programa sistemático de visitas a faltosos e frequentes.
8 – Planejar cultos evangelísticos sistemáticos dirigidos pelas classes.
9 – Atender necessidades especifica com reuniões nas casas dos alunos.
10 – Incentivar a aula para professores, preparando-os para o domingo.
11 – Participar ou criar curso de capacitação como esta que está sendo desenvolvida.
12 – Reunir-se periodicamente com coordenadores e professores para troca de ideias.
13 - Entregar cartão ao visitantes revelando satisfação de recebimento.
14 - Entregar cartão ao aluno aniversariante com felicitações é extremamente relevante.
15 – Abrir espaço na Igreja para culto especial para novo convertidos.
16 – Fazer apelo evangelístico após o período do ensino dominical.
17 - Criar conjunto vocal para novos convertidos.
18 - Estabelecer programa de oração sistemática pela Escola.
19 - Promover a capacitação sobrenatural e a oração para os professores.
20 – Criar e manter biblioteca para apoio ao corpo docente da Escola.
Obs: São apenas algumas sugestões para dinamizar a ED.
Portanto, ao estudarmos as contribuições da EBD para o crescimento na palavra e no Espirito
depreendemos que o lema da EBD deve ser:
 Cada aluno um crente salvo;
 Cada aluno salvo, um crente bem capacitado;
 Cada aluno capacitado, um crente ativo, diligente e dinâmico.
“ Dá instrução ao sábio e, ele se fará mais sábio: ensina ao justo, e ele crescerá em entendimento” (Pv
9.9).
SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ:
Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã
SECADEC
BIBLIOGRAFIA
GILBERTO, Antônio. Manual da Escola Dominical, CPAD,RJ.
HEMPHILL,Ken. Redescobrindo a Alegria das Manhãs de Domingo,Exodus,SP.
BRINER,Bob. Os Métodos de Administração de Jesus,Ed Mundo Cristão,SP.
CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração, McGraw-Hill do Brasil.
CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA – Fundação para o Prêmio Nacional de Qualidade,SP.
4º CONGRESSO, Nacional de Escola Dominical, Centro de Convenções Anhembo,SP,2004.
TULER, Marcos – Manual do Professor de Escola Dominical, CPAD, RJ,2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Suplemento De Apoio Ao Professor Da Ebd
Suplemento De Apoio Ao Professor Da EbdSuplemento De Apoio Ao Professor Da Ebd
Suplemento De Apoio Ao Professor Da Ebd
Eduardo Sales de lima
 
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte IITreinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Ana Paula Baptista
 
História e os objetivos da escola bíblica dominical
História e os objetivos da escola bíblica dominicalHistória e os objetivos da escola bíblica dominical
História e os objetivos da escola bíblica dominical
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Apresentação evangelismo
Apresentação evangelismoApresentação evangelismo
Apresentação evangelismo
Ines Pozzagnolo
 
Culto e Liturgia
Culto e LiturgiaCulto e Liturgia
A excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominicalA excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominical
Filipe Rhuan
 
O professor (ebd) precisa saber - DINAMIZAR UMA EBD
O professor (ebd) precisa saber - DINAMIZAR UMA EBDO professor (ebd) precisa saber - DINAMIZAR UMA EBD
O professor (ebd) precisa saber - DINAMIZAR UMA EBD
Valdinar Viana
 
33
3333
02 principio-da-evangelizacao-discipuladora
02 principio-da-evangelizacao-discipuladora02 principio-da-evangelizacao-discipuladora
02 principio-da-evangelizacao-discipuladora
Herisson Gonçalves
 
Lição 10 - O Processo da Salvação
Lição 10 - O Processo da SalvaçãoLição 10 - O Processo da Salvação
Lição 10 - O Processo da Salvação
Éder Tomé
 
Lição 7 Evangelização: A missão máxima da igreja
Lição 7   Evangelização: A missão máxima da igrejaLição 7   Evangelização: A missão máxima da igreja
Lição 7 Evangelização: A missão máxima da igreja
Wander Sousa
 
Seminário - A Escola Dominical e a Família
Seminário - A Escola Dominical e a FamíliaSeminário - A Escola Dominical e a Família
Seminário - A Escola Dominical e a Família
Sergio Silva
 
TREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBD
TREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBDTREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBD
TREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBD
MARCELO SIPRIANO
 
Curso de capacitação de professores da EBD
Curso de capacitação de professores da EBDCurso de capacitação de professores da EBD
Curso de capacitação de professores da EBD
Sergio Silva
 
Métodos de ensino para a EBD
Métodos de ensino para a EBDMétodos de ensino para a EBD
Métodos de ensino para a EBD
Amor pela EBD
 
Apostila 1º encontro de professores ebd 2013
Apostila 1º encontro de professores ebd 2013Apostila 1º encontro de professores ebd 2013
Apostila 1º encontro de professores ebd 2013
Marcelo Borges
 
10 motivos
10 motivos10 motivos
10 motivos
jouvacy
 
Curso de capacitação e atualização para professores da EBD
Curso de capacitação e atualização para professores da EBDCurso de capacitação e atualização para professores da EBD
Curso de capacitação e atualização para professores da EBD
Márcio Melânia
 
Estudo sobre evangelismo
Estudo sobre evangelismoEstudo sobre evangelismo
Estudo sobre evangelismo
rodrigocristao84
 
Escola bíblica dominical
Escola bíblica dominicalEscola bíblica dominical
Escola bíblica dominical
Vilmar Nascimento
 

Mais procurados (20)

Suplemento De Apoio Ao Professor Da Ebd
Suplemento De Apoio Ao Professor Da EbdSuplemento De Apoio Ao Professor Da Ebd
Suplemento De Apoio Ao Professor Da Ebd
 
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte IITreinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
 
História e os objetivos da escola bíblica dominical
História e os objetivos da escola bíblica dominicalHistória e os objetivos da escola bíblica dominical
História e os objetivos da escola bíblica dominical
 
Apresentação evangelismo
Apresentação evangelismoApresentação evangelismo
Apresentação evangelismo
 
Culto e Liturgia
Culto e LiturgiaCulto e Liturgia
Culto e Liturgia
 
A excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominicalA excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominical
 
O professor (ebd) precisa saber - DINAMIZAR UMA EBD
O professor (ebd) precisa saber - DINAMIZAR UMA EBDO professor (ebd) precisa saber - DINAMIZAR UMA EBD
O professor (ebd) precisa saber - DINAMIZAR UMA EBD
 
33
3333
33
 
02 principio-da-evangelizacao-discipuladora
02 principio-da-evangelizacao-discipuladora02 principio-da-evangelizacao-discipuladora
02 principio-da-evangelizacao-discipuladora
 
Lição 10 - O Processo da Salvação
Lição 10 - O Processo da SalvaçãoLição 10 - O Processo da Salvação
Lição 10 - O Processo da Salvação
 
Lição 7 Evangelização: A missão máxima da igreja
Lição 7   Evangelização: A missão máxima da igrejaLição 7   Evangelização: A missão máxima da igreja
Lição 7 Evangelização: A missão máxima da igreja
 
Seminário - A Escola Dominical e a Família
Seminário - A Escola Dominical e a FamíliaSeminário - A Escola Dominical e a Família
Seminário - A Escola Dominical e a Família
 
TREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBD
TREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBDTREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBD
TREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBD
 
Curso de capacitação de professores da EBD
Curso de capacitação de professores da EBDCurso de capacitação de professores da EBD
Curso de capacitação de professores da EBD
 
Métodos de ensino para a EBD
Métodos de ensino para a EBDMétodos de ensino para a EBD
Métodos de ensino para a EBD
 
Apostila 1º encontro de professores ebd 2013
Apostila 1º encontro de professores ebd 2013Apostila 1º encontro de professores ebd 2013
Apostila 1º encontro de professores ebd 2013
 
10 motivos
10 motivos10 motivos
10 motivos
 
Curso de capacitação e atualização para professores da EBD
Curso de capacitação e atualização para professores da EBDCurso de capacitação e atualização para professores da EBD
Curso de capacitação e atualização para professores da EBD
 
Estudo sobre evangelismo
Estudo sobre evangelismoEstudo sobre evangelismo
Estudo sobre evangelismo
 
Escola bíblica dominical
Escola bíblica dominicalEscola bíblica dominical
Escola bíblica dominical
 

Semelhante a A historia e importancia da ebd(plenária – 01)

Aula Da Ebd
Aula Da EbdAula Da Ebd
Aula Da Ebd
Silas Duarte Jr
 
História da EBD.pptx
História da EBD.pptxHistória da EBD.pptx
História da EBD.pptx
AssembliadeDeusMinis5
 
Auladaebd 090915135914-phpapp02
Auladaebd 090915135914-phpapp02Auladaebd 090915135914-phpapp02
Auladaebd 090915135914-phpapp02
Fernando Neves
 
A função de discipulado da igreja
A função de discipulado da igrejaA função de discipulado da igreja
A função de discipulado da igreja
Pr. Carlos Magno Ramos
 
Lição 9 - A Missão Ensinadora da Igreja
Lição 9 - A Missão Ensinadora da IgrejaLição 9 - A Missão Ensinadora da Igreja
Lição 9 - A Missão Ensinadora da Igreja
Erberson Pinheiro
 
Seminário de missões modernas
Seminário de missões modernasSeminário de missões modernas
Seminário de missões modernas
Marcelo Eduardo
 
Áreas de Influência da Sociedade
Áreas de Influência da SociedadeÁreas de Influência da Sociedade
Áreas de Influência da Sociedade
Marcelo Eduardo
 
"Haja dedicação ao ensino - O Ministério do Ensino"
"Haja dedicação ao ensino - O Ministério do Ensino""Haja dedicação ao ensino - O Ministério do Ensino"
"Haja dedicação ao ensino - O Ministério do Ensino"
JUERP
 
O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR Lição10 2°Trimestre 2014
O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR Lição10 2°Trimestre 2014O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR Lição10 2°Trimestre 2014
O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR Lição10 2°Trimestre 2014
Pr. Andre Luiz
 
2013 2 tri - lição 11 - a família e a escola dominical
2013   2 tri - lição 11 - a família e a escola dominical2013   2 tri - lição 11 - a família e a escola dominical
2013 2 tri - lição 11 - a família e a escola dominical
Natalino das Neves Neves
 
Fundamentos bíblicos do ministério de ensino
Fundamentos bíblicos do ministério de ensinoFundamentos bíblicos do ministério de ensino
Fundamentos bíblicos do ministério de ensino
Eduardo Braz
 
1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx
1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx
1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx
PIB Penha - SP
 
ESTUDO TEOLOGIA - IBADEP - Educacao Crista.pdf
ESTUDO TEOLOGIA - IBADEP - Educacao Crista.pdfESTUDO TEOLOGIA - IBADEP - Educacao Crista.pdf
ESTUDO TEOLOGIA - IBADEP - Educacao Crista.pdf
RaylemDeivemRFerreir
 
Mt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimento
Mt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimentoMt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimento
Mt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimento
Natalino das Neves Neves
 
2021 1º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
2021 1º Trimestre Adulto Lição 12.pptx2021 1º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
2021 1º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
Joel Silva
 
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
PIB Penha - SP
 
Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)
Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)
Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)
Éder Tomé
 
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORALição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
Andrew Guimarães
 
Lição 10 - O discípulo e o discipulado
Lição 10 - O discípulo e o discipuladoLição 10 - O discípulo e o discipulado
Lição 10 - O discípulo e o discipulado
Erberson Pinheiro
 
lio9-pdf-170224210739.pptx
lio9-pdf-170224210739.pptxlio9-pdf-170224210739.pptx
lio9-pdf-170224210739.pptx
Tiago Silva
 

Semelhante a A historia e importancia da ebd(plenária – 01) (20)

Aula Da Ebd
Aula Da EbdAula Da Ebd
Aula Da Ebd
 
História da EBD.pptx
História da EBD.pptxHistória da EBD.pptx
História da EBD.pptx
 
Auladaebd 090915135914-phpapp02
Auladaebd 090915135914-phpapp02Auladaebd 090915135914-phpapp02
Auladaebd 090915135914-phpapp02
 
A função de discipulado da igreja
A função de discipulado da igrejaA função de discipulado da igreja
A função de discipulado da igreja
 
Lição 9 - A Missão Ensinadora da Igreja
Lição 9 - A Missão Ensinadora da IgrejaLição 9 - A Missão Ensinadora da Igreja
Lição 9 - A Missão Ensinadora da Igreja
 
Seminário de missões modernas
Seminário de missões modernasSeminário de missões modernas
Seminário de missões modernas
 
Áreas de Influência da Sociedade
Áreas de Influência da SociedadeÁreas de Influência da Sociedade
Áreas de Influência da Sociedade
 
"Haja dedicação ao ensino - O Ministério do Ensino"
"Haja dedicação ao ensino - O Ministério do Ensino""Haja dedicação ao ensino - O Ministério do Ensino"
"Haja dedicação ao ensino - O Ministério do Ensino"
 
O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR Lição10 2°Trimestre 2014
O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR Lição10 2°Trimestre 2014O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR Lição10 2°Trimestre 2014
O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR Lição10 2°Trimestre 2014
 
2013 2 tri - lição 11 - a família e a escola dominical
2013   2 tri - lição 11 - a família e a escola dominical2013   2 tri - lição 11 - a família e a escola dominical
2013 2 tri - lição 11 - a família e a escola dominical
 
Fundamentos bíblicos do ministério de ensino
Fundamentos bíblicos do ministério de ensinoFundamentos bíblicos do ministério de ensino
Fundamentos bíblicos do ministério de ensino
 
1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx
1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx
1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx
 
ESTUDO TEOLOGIA - IBADEP - Educacao Crista.pdf
ESTUDO TEOLOGIA - IBADEP - Educacao Crista.pdfESTUDO TEOLOGIA - IBADEP - Educacao Crista.pdf
ESTUDO TEOLOGIA - IBADEP - Educacao Crista.pdf
 
Mt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimento
Mt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimentoMt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimento
Mt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimento
 
2021 1º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
2021 1º Trimestre Adulto Lição 12.pptx2021 1º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
2021 1º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
 
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
 
Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)
Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)
Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)
 
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORALição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
 
Lição 10 - O discípulo e o discipulado
Lição 10 - O discípulo e o discipuladoLição 10 - O discípulo e o discipulado
Lição 10 - O discípulo e o discipulado
 
lio9-pdf-170224210739.pptx
lio9-pdf-170224210739.pptxlio9-pdf-170224210739.pptx
lio9-pdf-170224210739.pptx
 

Mais de Antonio Filho

Por que crer na bíblia(01)
Por que crer na bíblia(01)Por que crer na bíblia(01)
Por que crer na bíblia(01)
Antonio Filho
 
A realidade do inferno.
A realidade do inferno.A realidade do inferno.
A realidade do inferno.
Antonio Filho
 
Exposições bíblicas e temáticas
Exposições bíblicas e temáticasExposições bíblicas e temáticas
Exposições bíblicas e temáticas
Antonio Filho
 
A importância de conhecer a deus.
A importância de conhecer a deus.A importância de conhecer a deus.
A importância de conhecer a deus.
Antonio Filho
 
O caráter inclusivo da expressão “em cristo”
O caráter inclusivo da expressão “em cristo”O caráter inclusivo da expressão “em cristo”
O caráter inclusivo da expressão “em cristo”
Antonio Filho
 
Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017
Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017
Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017
Antonio Filho
 
Lição 12(o mundo vindouro)2017
Lição 12(o mundo vindouro)2017Lição 12(o mundo vindouro)2017
Lição 12(o mundo vindouro)2017
Antonio Filho
 
Aula( a segunda vinda de cristo)2017
Aula( a segunda vinda de cristo)2017Aula( a segunda vinda de cristo)2017
Aula( a segunda vinda de cristo)2017
Antonio Filho
 
Princípios para vida
Princípios para vidaPrincípios para vida
Princípios para vida
Antonio Filho
 
Cultivar virtudes
Cultivar virtudesCultivar virtudes
Cultivar virtudes
Antonio Filho
 
A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)
Antonio Filho
 
A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)
Antonio Filho
 
Inferno – destino eterno dos ímpios
Inferno – destino eterno dos ímpiosInferno – destino eterno dos ímpios
Inferno – destino eterno dos ímpios
Antonio Filho
 
A igreja de cristo
A igreja de cristoA igreja de cristo
A igreja de cristo
Antonio Filho
 
Lição 07 (ebd)2017
Lição 07 (ebd)2017Lição 07 (ebd)2017
Lição 07 (ebd)2017
Antonio Filho
 
Aula(sistema de numeração) 6º ano
Aula(sistema de numeração) 6º anoAula(sistema de numeração) 6º ano
Aula(sistema de numeração) 6º ano
Antonio Filho
 
Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)
Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)
Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)
Antonio Filho
 
Para que serve a religião
Para que serve a religiãoPara que serve a religião
Para que serve a religião
Antonio Filho
 
O verdadeiro sentido da páscoa (2)
O verdadeiro sentido da páscoa (2)O verdadeiro sentido da páscoa (2)
O verdadeiro sentido da páscoa (2)
Antonio Filho
 
Equação 2º grau
Equação 2º grauEquação 2º grau
Equação 2º grau
Antonio Filho
 

Mais de Antonio Filho (20)

Por que crer na bíblia(01)
Por que crer na bíblia(01)Por que crer na bíblia(01)
Por que crer na bíblia(01)
 
A realidade do inferno.
A realidade do inferno.A realidade do inferno.
A realidade do inferno.
 
Exposições bíblicas e temáticas
Exposições bíblicas e temáticasExposições bíblicas e temáticas
Exposições bíblicas e temáticas
 
A importância de conhecer a deus.
A importância de conhecer a deus.A importância de conhecer a deus.
A importância de conhecer a deus.
 
O caráter inclusivo da expressão “em cristo”
O caráter inclusivo da expressão “em cristo”O caráter inclusivo da expressão “em cristo”
O caráter inclusivo da expressão “em cristo”
 
Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017
Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017
Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017
 
Lição 12(o mundo vindouro)2017
Lição 12(o mundo vindouro)2017Lição 12(o mundo vindouro)2017
Lição 12(o mundo vindouro)2017
 
Aula( a segunda vinda de cristo)2017
Aula( a segunda vinda de cristo)2017Aula( a segunda vinda de cristo)2017
Aula( a segunda vinda de cristo)2017
 
Princípios para vida
Princípios para vidaPrincípios para vida
Princípios para vida
 
Cultivar virtudes
Cultivar virtudesCultivar virtudes
Cultivar virtudes
 
A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)
 
A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)
 
Inferno – destino eterno dos ímpios
Inferno – destino eterno dos ímpiosInferno – destino eterno dos ímpios
Inferno – destino eterno dos ímpios
 
A igreja de cristo
A igreja de cristoA igreja de cristo
A igreja de cristo
 
Lição 07 (ebd)2017
Lição 07 (ebd)2017Lição 07 (ebd)2017
Lição 07 (ebd)2017
 
Aula(sistema de numeração) 6º ano
Aula(sistema de numeração) 6º anoAula(sistema de numeração) 6º ano
Aula(sistema de numeração) 6º ano
 
Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)
Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)
Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)
 
Para que serve a religião
Para que serve a religiãoPara que serve a religião
Para que serve a religião
 
O verdadeiro sentido da páscoa (2)
O verdadeiro sentido da páscoa (2)O verdadeiro sentido da páscoa (2)
O verdadeiro sentido da páscoa (2)
 
Equação 2º grau
Equação 2º grauEquação 2º grau
Equação 2º grau
 

Último

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 

A historia e importancia da ebd(plenária – 01)

  • 1. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ: Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã SECADEC A HISTORIA E IMPORTANCIA DA EBD Profº Pb Antônio Soares INTRODUÇÃO Nossa primeira plenária, vai se desdobrar em dois momentos a saber: 1 – Vamos destacar a origem, as raízes, aspectos históricos da Escola Bíblica Dominical; 2 – Destacar a importância da Escola Bíblica Dominical. A Escola Bíblica Dominical é a única instituição que evangeliza enquanto ensina.(Antônio Gilberto) Ou seja:  Instrui o povo do Senhor,  No dia do Senhor,  Estudando a palavra do Senhor  Na casa do Senhor.  A Escola Bíblica Dominical devidamente aparelhada é um instrumento de formação moral e espiritual para adultos, jovens e as crianças desde a mais tenra idade, proporcionando uma vida cristã sempre frutífera e abundante. I – O QUE VENHA A SER ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL?  A Escola Dominical é a maior e mais acessível agência de educação religiosa da igreja.  “O registro bíblico e também da igreja nos ensina, que evangeliza enquanto ensina, ou seja, há uma conjugação dos dois lados da grande comissão dada por Jesus” (Mt 28.20 e Mc 16.15).  Há quem diga também com muita clareza a escola dominical é um ministério pessoal para alcançar crianças, jovens, adultos, as famílias e a comunidade inteira, tal como fazia a igreja dos tempos apostólicos.  Por isso, ela é um fator determinante na formação espiritual, moral, social e cultural das famílias. A Escola Dominical, quando bem estruturada, torna-se um dos meios mais eficazes de evangelização.  É notório que missionários pastores e demais obreiros e obreiras, passaram pela Escola Dominical e continuam a frequentá-la zelosamente, pois nela o caráter cristão é desenvolvido segundo a Bíblia Sagrada. PLENÁRIA – 01 “A Escola Dominical não é uma parte da igreja; é a própria igreja ministrando ensino bíblico metódico” Antônio Gilberto.
  • 2. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ: Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã SECADEC II – A HISTÓRIA DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 1. Raízes bíblicas da Escola Dominical. A – NOS DIAS DE MOISÉS. A Escola Dominical, tal como a temos hoje, é uma instituição moderna, mas tem suas raízes aprofundadas desde da época das páginas do Antigo Testamento nas prescrições dadas por Deus aos patriarcas e ao povo e Israel. A Escola Dominical não existia, mas havia o principio fundamental – o do ensino bíblico determinado por Deus aos fiéis e aos estranhos ao seu redor . Sempre pesou sobre o povo de Deus a responsabilidade de ensinar a lei divina. Conforme ensina-nos o pastor Antônio Gilberto em seu Manual da Escola Dominical, esse educandário tem as suas raízes desde as páginas do Antigo testamento e Novo Testamento. Observe - O desenvolvimento da instrução religiosa (EBD) se deu em duas fases a saber: 1 – A fase dos tempos bíblicos; 2 – A fase dos tempos modernos. Examinando o Pentateuco, vemos que no principio, entre o povo de Deus, os próprios pais eram os responsáveis pelo ensino da revelação divina no lar. O lar era de fato uma escola, onde os filhos aprendiam a temer e amar a Deus (Dt 6.7;11.18,19). Havia reuniões públicas, das quais participavam homens, mulheres e crianças, aprendendo a lei divina. (Dt 31.12,13). (Dt 31.12,13) “Ajunta o povo, homens, e mulheres, e meninos, e os teus estrangeiros que estão dentro das tuas portas, para que ouçam, e aprendam, e temam ao SENHOR, vosso Deus, e tenham cuidado de fazer todas as palavras desta Lei; e que seus filhos que a não souberem ouçam e aprendam a temer ao SENHOR, vosso Deus, todos os dias que viverdes sobre a terra, a que ides, passando o Jordão, para possuí- la” B – NA ÉPOCA DOS SACERDOTES, REIS E PROFETAS DE ISRAEL.  Os sacerdotes, além do culto divino, tinham o encargo do ensino da Lei (Dt 24.8;1Sm 12.23;2Cr 15.3;Jr 18.18). • Eles eram intermediários entre o povo e Deus assim como os profetas era intermediário entre Deus e o povo.  Os reis de Judá, quando pidedoso,aliavam-se aos sacerdotes na promoção do ensino bíblico.  Temos um exemplo disto no bom rei Josafá, que enviou líderes, levitas e sacerdotes por toda a terra de Judá para ensinarem ao povo a lei do Senhor (2Cr 17.7-9).  pela época dos sacerdotes, reis e profetas de Israel  (Dt 24.8) “Guarda-te da praga da lepra e tem grande cuidado de fazer conforme tudo o que te ensinarem os sacerdotes levitas; como lhes tenho ordenado, terás cuidado de o fazer”  (1 Sm 12.23) “E, quanto a mim, longe de mim que eu peque contra o SENHOR, deixando de orar por vós; antes, vos ensinarei o caminho bom e direito” (Jr 18.18) “Então, disseram: Vinde, e maquinemos projetos contra Jeremias; porquanto não perecerá a lei do sacerdote, nem o conselho do sábio, nem a palavra do profeta; vinde, e firamo-lo com a língua e não escutemos nenhuma das suas palavras”  (2 Cr 15.3) “E Israel esteve por muitos dias sem o verdadeiro Deus, e sem sacerdote que o ensinasse, e sem lei”
  • 3. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ: Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã SECADEC C - DURANTE E APÓS O CATIVEIRO BABILÔNICO (NE 8). Nessa época, os judeus no exilio, privados do seu grandioso templo em Jerusalém, instruíram as sinagogas tão mencionadas no NT. A Sinagoga era usada como escola bíblica, casa de cultos e escola pública. O historiador Phillo,falecido em 50 d.c.,com seu testemunho insuspeito, afirma que “ as sinagogas eram casas de ensino, tanto para crianças como para adultos” – Benson. Na sinagoga, a criança recebia instrução religiosa dos cincos aos dez anos de idade; aos 15 anos continua a instrução religiosa, agora com o auxilio dos comentários e tradições dos rabinos. Aos sábados, a principal era a matutina. Incluindo jovens e adultos. D – NO PÓS CATIVEIROS (Ne 8). Nos dias de Esdras e Neemias, lemos que quando o povo voltou do cativeiro, um grande avivamento espiritual teve lugar entre os Israelitas. Esse despertamento teve origem numa intensiva disseminação da palavra de Deus, ou seja, o ensino bíblico, metódico e similar ao da Escola bíblica Dominical. O Cap. 8 do Livro de Neemias dá um relato de como era popular a escola bíblica de então – ou como chamamos hoje: EBD. Esdras era superintendente (Ne 8.2), o livro- texto era a Bíblia (V.3) e os alunos eram homens, mulheres e crianças (v,3;12.43). Havia vários professores e auxiliares ajudando Esdras. O horário ia da manhã ao meio dia (v,3). Afirma o v.8 que os professores liam e explicavam a palavra de DEUS. E – NOS DIAS DE JESUS. Jesus foi o Grande Mestre, glorificando assim a missão de ensinar. Grande parte do ministério de nosso Senhor foi ocupado com o ensino. Ver Lucas 20.1; Mt 4.23,9.35. Sua última comissão à Igreja foi “Ide e ensinai” (Mt 28.19,20). Sua ordem é clara. A quem e onde Jesus ensinava?  Nas Sinagogas (Mc 6.2);  Em casas particulares (Lc 5.17;Mc 2.1)  No templo (Mc 12.35)  Nas multidões, ou nos pequenos grupos (Mc 6.34) O ministério de Jesus era tríplice: Ele pregava, ensinava (Mc 2.21) e curava, pois era um ministério de poder e de milagres. Pelo ensino, edificava a fé dos que criam, e pelos milagres, manifestava o seu poder. Chegando aos dias de Jesus, sendo Ele o Mestre dos mestres (Mc 2.1,2) “E, alguns dias depois, entrou outra vez em Cafarnaum, e soube-se que estava em casa. E logo se ajuntaram tantos, que nem ainda nos lugares junto à porta eles cabiam; e anunciava-lhes a palavra” (Mc 6.2,6,34) “E, chegando o sábado, começou a ensinar na sinagoga; e muitos, ouvindo-o, se admiravam, dizendo: De onde lhe vêm essas coisas? E que sabedoria é esta que lhe foi dada? E como se fazem tais maravilhas por suas mãos?” “E aconteceu que, em um daqueles dias, estava ensinando, e estavam ali assentados fariseus e doutores da lei que tinham vindo de todas as aldeias da Galileia, e da Judéia, e de Jerusalém. E a virtude do Senhor estava com ele para curar” (Lc 24.27) “E, começando por Moisés e por todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras”
  • 4. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ: Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã SECADEC F – NOS DIAS DA IGREJA.  Após a ascensão do Senhor, os apóstolos e discípulos continuaram a ensinar.  A Igreja Primitiva dava muita importância a esse ministério (At 5.41,42).  O apóstolo Paulo, um grande mestre, foi maravilhosamente usado por Deus nesse mister. Suas epístolas contêm sublimidades de ensino variado. Ali, tanto há alimento para adultos como para criancinhas espirituais.  Ele e Barnabé, por exemplo, passaram um ano todo ensinando na igreja em Antioquia (At 11.26). Em Efeso,ficou três anos ensinando (A 20.20,31). Em corinto, ficou um ano e seis meses (At 18.11).  Seus últimos dias em Roma foram ocupados com o ensino da Palavra (At 28.31).  A Igreja do primeiro século até os nossos dias (Mc 6.30) “E os apóstolos ajuntaram-se a Jesus e contaram-lhe tudo, tanto o que tinham feito como o que tinham ensinado” (At 5.21)  “E, ouvindo eles isto, entraram de manhã cedo no templo e ensinavam. Chegando, porém, o sumo sacerdote e os que estavam com ele, convocaram o conselho e a todos os anciãos dos filhos de Israel e enviaram servidores ao cárcere, para que de lá os trouxessem” (At 5.41,42) “Retiraram-se, pois, da presença do conselho, regozijando-se de terem sido julgados dignos de padecer afronta pelo nome de Jesus. E todos os dias, no templo e nas casas, não cessavam de ensinar e de anunciar a Jesus Cristo”. 2 - Raízes nos tempos Modernos.  A origem da Escola Dominical. A fase moderna da Escola Dominical, assim como a conhecemos, teve início em um domingo de 1780. O jornalista britânico, Robert Raikes, desejava escrever um editorial sobre a melhoria do sistema carcerário de sua cidade. Ao perceber que muitas crianças ficavam na rua falando palavrões e brigando, mudou de ideia e escreveu sobre como levar aqueles meninos à igreja, visando alfabetizá-los e evangelizá-los. A maioria das crianças não sabia ler nem escrever, pois durante a semana eram forçadas a trabalhar em fábricas; algo bem comum durante a Revolução Industrial. E, no domingo, perambulavam pelas ruas. A maioria das crianças não sabia ler nem escrever, pois durante semana eram forçadas a trabalhar em frábricas;algo bem comum durante a revolução industrial.
  • 5. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ: Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã SECADEC a) O projeto.(Origem da Escola Dominical). Raikes divulgou o projeto de alfabetizar as crianças, ensinando-lhes gramática, matemática e a Bíblia. Apelou às pessoas a fim de que, voluntariamente, ajudassem-no a tirar as crianças das ruas, educando-as nos lares e na igreja. b) Semeando lições de vida. As professoras voluntárias, além de alfabetizá-las, ensinavam-lhes noções de ética, moral e histórias bíblicas. Era uma verdadeira educação integral. Quatro anos depois, após espalhar-se por várias cidades, a Escola Dominical já contava com 250 mil alunos. No Brasil, ela foi fundada em 19 de agosto de 1855 pelo casal de missionários escoceses, Robert e Sarah Kalley. 3. O que é Escola Dominical. É uma escola que ministra o ensino da Palavra de Deus de forma acessível a todos os alunos - desde o berçário aos adultos - contemplando todas as faixas etárias. A Escola Dominical é gratuita e conta com o apoio de homens e mulheres que, voluntariamente, lecionam a Palavra de Deus. É o maior trabalho que se pode realizar na igreja. Os seus professores e organizadores não têm qualquer retorno financeiro a não ser a alegria de saber que são instrumentos de Deus para abençoar vidas através do ensino da Bíblia Sagrada. Os que exercem este ministério sabem que esta é a maior recompensa
  • 6. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ: Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã SECADEC III – A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOMINICAL  Por que ela tem uma missão nobre. 1 - Ganhar almas para Jesus  E disse-lhes: ide por todo mundo, pregai o evangelho a toda criatura (Mc 16.15).  “O fruto do justo é a árvore da vida e o que ganha almas sábio é” (Prov. 11:30).  Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz (I Pe. 2:9). 2. Desenvolver a espiritualidade dos alunos e o caráter cristão. 3. Treinar o cristão para o serviço do mestre.  É o único departamento que envolve todas as faixas etárias e ainda o público não cristão  É um instrumento eficaz para a edificação do povo de Deus  Promove o crescimento e desenvolvimento espiritual do cristão;  Abre uma janela que permite à igreja perceber a condição do mundo ao redor;  Nenhuma instituição de ensino tem efeito tão benéfico sobre a Sociedade e família como a Escola Bíblica Dominical. Nos países onde ela é valorizada, sempre há testemunhos de pessoas que se tornaram úteis à sociedade e ao mundo. IV- CARACTERÍSTICAS DE UMA ESCOLA DOMINICAL DINÂMICA. 4.1- Valoriza o ensino como nos exemplos bíblicos. a) Josafá (2Cr 17.7-9,12). Ele convidou seus príncipes, os levitas e os sacerdotes a saírem pelas cidades de Judá e a ensinarem ao povo o livro da lei do Senhor. E a Palavra de Deus diz: “E o Senhor foi com Josafá... E o Senhor confirmou o reino em suas mãos... Cresceu,pois,Josafá,e se engrandeceu extremamente... (vv.3,5,12). b) Esdras (Ne 8.2-8). Ele trouxe a Lei perante a congregação, léu nela, diante da praça a manhã toda, declarando e explanando o sentido para que entendessem. E os ouvidos de todo o povo estavam atentos ao livro da Lei. c) Paulo e Barnabé (At 11.26;20.2-21;18.11). Em Antioquia eles passaram um ano ensinando a muita gente a palavra de Deus. E foi lá que os discípulos foram, ela primeira vez, chamados cristãos. 4.2 – O líder da igreja é pessoalmente comprometido. Quando o pastor da Igreja valoriza a ED com investimento e com sua presença assídua na medida do possível, de forma pontual, como seu diretor, dá um grande exemplo às demais lideranças e alunos de sua igreja( Jo 10.4). Não se pode admitir que evangelistas, presbíteros e diáconos e demais cooperadores da obra de Deus não gostei, amem a escola dominical. O Sucesso dela depende muito da liderança. O superintendente, os coordenadores, professores e demais líderes devem ser modelos de interesse pela Escola.
  • 7. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ: Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã SECADEC 4.3 – É uma ferramenta da Grande Comissão. a) Considerando-a como fonte de inspiração ao crescimento. A contemplação dos objetivos da ED e o conceito de que é “a escola de ensino bíblico que evangeliza enquanto ensina”, a arremete ao “Ide e pregai” e ao “Ide e Ensinai” de Jesus. Ken Hemphill disse que a Escola Dominical na maioria das igrejas é uma mina de ouro evangelística inexplorada e que, corretamente posicionada, pode ser a ferramenta de crescimento mais poderoso da igreja. b) Adotando-a como pré-requisito para docente. Não somente para expressar a função de professor, mas para qualquer cargo na Igreja, pertencer à Escola Dominical e ter consciência da necessidade de lutar pela obediência à grande comissão, deveria ser, em todas as igrejas, condição indispensável. c) Não tendo medo de inovar. O leite tem sido oferecido e vendido como produto indispensável nas mais diversas embalagens, no transcorrer dos anos. Mas sua composição natural não pode mudar. Criemos novas maneiras de evangelizar, pregar, discipular e ensinar a Palavra, sem alterá-la. 4.4 – Tem Jesus como modelo de ensinador. a) Valoriza as crianças (Mc 10.13-16). b) Adolescente, já interessado pelo ensino (Lc 2.42-47). c) Ensinava no Templo (Mc 12.35; 6.2). d) Ensinava nas casas particulares (Mc 2.1;Lc 5.17). e) Ensinava ao ar-livre (Mt 5.1-2). f) Ia ao encontro de alunos duvidosos (Lc 24.15-27). g) Visitava pessoalmente ao faltoso (Jo 9.35). h) Dividia seus aluno em grupos para evangelizar (Mc 6.7;Lc 10.1). i) Variava os métodos de ensino (Mt 5.13-15;24-27;22.42-45,27,32). j) Utilizava recursos visuais (Mt 6.22,26,28;Jo 15.5;Mt 18.2,3). 4.5 - Promove uma verdadeira adoração. Quem só contempla os benefícios recebidos louva bem. Mas para adorar é preciso conhecer a Deus. A capacidade de adoração ao Senhor vem do verdadeiro conhecimento de sua maravilhosa pessoa, sua obra por nós e seu maravilhoso amor, aprendidos na Escola Dominical. A ED deve oportunizar a adoração, no seu espaço, com bastante música sacra. 4.6 – Faz plano de ação anual. a) Contemplando os objetivos da Escola. b) Estabelecendo metas de crescimento. c) Controlando mensalmente as realizações. d) Considerando a gestão de pessoas. 4.7 – Seu foco é o aluno. a) Fazendo a graduação por idade.Crianças, adolescentes, jovens e adultos. b) Buscando conhecer os alunos. Observando as características físicas, mentais, sociais, emocionais e espirituais desse aluno, segundo as faixas etárias,e,também, o estado de conversão, seu ambiente social e interesse etc.,pois,afinal,objetiva-se uma transformação em sua vida. É preciso conhecer seu estado atual para, então, propor e alcançar esse alvo. c) Atendendo as necessidades do aluno.  Com currículo adequado;
  • 8. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ: Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã SECADEC  Com ambiente agradável;  Com tratamento pessoal;  Com métodos criativos de ensino;  Com treinamento para a evangelismo;  Com atividade extraclasses; 4.8 – Detém recursos para investimento. - Seja com recursos da própria Escola Dominical, seja com outros liberados pela Igreja, a escola se desenvolve quando investe: a) Na capacidade dos professores; b) Na obtenção dos recursos audiovisuais; c) Na melhoria ou ampliação das instalações etc. 4.9 - É prioridade na Igreja, nunca sendo substituída nem reduzida. 4.10 – Atende a necessidades espirituais, sociais, físicas e emocionais. Sem dúvida as nossas lições, da CPAD atendem bem as necessidades espirituais dos nossos alunos. V – ALGUMAS IDEIAS PARA DINAMIZAR SUA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL. 1 – Planejar crescimento anual estabelecendo metas. 2 – Estabelecer a meta da frequência de alunos e dos visitantes. 3 – Controlar as metas para alimentar novos planejamentos. 4 – Ter um bom sistema de informações com uma secretaria bem organizada. 5 – Evitar cancelamento de matricula dos faltosos sem visitá-los. 6 – Formalizar detalhadamente de tarefas para todos os níveis da ED. 7 – Criar programa sistemático de visitas a faltosos e frequentes. 8 – Planejar cultos evangelísticos sistemáticos dirigidos pelas classes. 9 – Atender necessidades especifica com reuniões nas casas dos alunos. 10 – Incentivar a aula para professores, preparando-os para o domingo. 11 – Participar ou criar curso de capacitação como esta que está sendo desenvolvida. 12 – Reunir-se periodicamente com coordenadores e professores para troca de ideias. 13 - Entregar cartão ao visitantes revelando satisfação de recebimento. 14 - Entregar cartão ao aluno aniversariante com felicitações é extremamente relevante. 15 – Abrir espaço na Igreja para culto especial para novo convertidos. 16 – Fazer apelo evangelístico após o período do ensino dominical. 17 - Criar conjunto vocal para novos convertidos. 18 - Estabelecer programa de oração sistemática pela Escola. 19 - Promover a capacitação sobrenatural e a oração para os professores. 20 – Criar e manter biblioteca para apoio ao corpo docente da Escola. Obs: São apenas algumas sugestões para dinamizar a ED. Portanto, ao estudarmos as contribuições da EBD para o crescimento na palavra e no Espirito depreendemos que o lema da EBD deve ser:  Cada aluno um crente salvo;  Cada aluno salvo, um crente bem capacitado;  Cada aluno capacitado, um crente ativo, diligente e dinâmico. “ Dá instrução ao sábio e, ele se fará mais sábio: ensina ao justo, e ele crescerá em entendimento” (Pv 9.9).
  • 9. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO CRISTÃ: Princípios e Ferramentas para a Educação Cristã SECADEC BIBLIOGRAFIA GILBERTO, Antônio. Manual da Escola Dominical, CPAD,RJ. HEMPHILL,Ken. Redescobrindo a Alegria das Manhãs de Domingo,Exodus,SP. BRINER,Bob. Os Métodos de Administração de Jesus,Ed Mundo Cristão,SP. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração, McGraw-Hill do Brasil. CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA – Fundação para o Prêmio Nacional de Qualidade,SP. 4º CONGRESSO, Nacional de Escola Dominical, Centro de Convenções Anhembo,SP,2004. TULER, Marcos – Manual do Professor de Escola Dominical, CPAD, RJ,2002.