SlideShare uma empresa Scribd logo
ENSINO RELIGIOSO – ERE
PROF. ANTONIO SOARES
Texto – 1
Mas afinal o que é e para que serve a religião?
- “Quem eliminar a religião eliminará todo e qualquer fundamento da sociedade” Platão.
- “A ciência sem a religião é manca, e a religião sem a ciência é cega”. Einstein.
- “Porque é mais belo o risco ao lado da esperança que a certeza ao lado de um universo frio e sem sentido.”
Rubem Alves.
- “O homem vive a espiritualidade diversas formas, mas todos com o mesmo objetivo: a união com o sagrado,
transcendente.
O que vem a ser religião?
2.1 - Definição etimológica:
 Cícero afirma que a palavra “religião” vem de re – legere (re – ler): considerar atentamente o que
pertence ao culto divino, ler de novo, ou então reunir. Temos aqui o aspecto comunidade.
 Lactâncio: re – ligare (re – ligar): ligar o homem de novo a Deus. O Homem vai a Deus e Deus vem ao
homem.
 Agostinho: re – eligere (re – eleger): tornar a escolher Deus, perdido pelo pecado. A história da
palavra religião parece corroborar o significado da posição de Cícero.
2.2 - Definição filosófica (Pensadores)
• - Alguns representantes das mais variadas correntes filosóficas definem religião das mais distintas
maneiras, enfocando seus próprios conceitos sobre o tema, baseados no tipo de pensamento filosófico
que representam:
• Emanuel Kant: “Religião é a moral em relação a Deus, como legislador. É o reconhecimento dos nossos
deveres considerados como mandamentos divinos”.
• Feurbach: “Religião é o sonho da mente humana”.
• Schleimacher: “Religião é o sentimento do fato de dependência absoluta do juiz invisível do nosso
destino, acompanhado do desejo consciente de entrar e em relações harmoniosas com Ele”.
• Helmuth Vou G: “A religião é a convicção de que existem poderes transcendentes, pessoais ou
impessoais, que atuam no mundo, e se expressa por meio de pensamento, sentimento, intenção e
ação”.
• Agostinho: “ Religião procura significar novamente alguma coisa que se havia perdido”.
2.4 - Definição genérica:
- Existem alguns vocábulos, como “Justiça, Beleza, Verdade”, que são muito ricos em interpretação, os quais
não podem definir de maneira absoluta, o máximo que se consegue nestes casos é reunir uma série de
discrições relacionados com eles, que embora incompletos em si mesmos, se reunidas, conseguem
determinar ideias gerais sobre os assuntos enfocados por tais vocábulos. Nesta categoria podemos
enquadrar o vocábulo “RELIGIÃO”, para o qual não existe de fato uma definição absolutamente
determinados, havendo, porém conceitos gerais sobre ele, que nos conduzem à compreensão precisa do real
significado, entre os quais podemos mencionar:
• A religião é um sistema de ideias, de fé e de culto, como é o caso da fé Cristã.
• A religião consiste em crenças e práticas organizadas, formando algum sistema privado ou coletivo,
mediante o qual uma pessoal ou um grupo de pessoas são influenciados.
• A religião é uma instituição com um corpo autorizado de comungantes,os quais se reúnem
regularmente para efeito de adoração,aceitando um conjunto de doutrinas.
• Uma definição eclética e funcional de religião “é o reconhecimento da existência de algum poder
superior invisível. é uma atitude de reverente dependência a esse poder na conduta da vida, e
manifestação por meio de atos especiais, como ritos, orações, atos de misericórdia.
• A religião é um sistema de crenças que estabelece e regula entre os seres humanos e as divindades.
Porque estudar sobre Religião?
1 - É uma área do conhecimento humano;
2 - Proporciona uma formação Integral (total do ser humano);
- Cultural
- Social
- Histórico
- Racional
- Afetivo
- Espiritual/ Religioso
3 - Fornece valores preciosos para a vida pessoal e profissional;
4 - Proporciona uma reflexão sobre o sentido da vida;
5 - Proporciona uma viagem cultural ás crenças, costumes e filosofias da humanidade;
6 - Por que somos todos iguais, porém diferentes.
Mas afinal para que serve a religião?
Desde que existe no mundo, o ser humano sempre teve algum tipo de religião. Deuses, espíritos,
forças da natureza – em todos os tempos, a humanidade acreditou em alguma coisa.
Mas o que é uma religião? Será que é possível achar uma só forma de explicar algo complexo e rico?
Podemos seguir algumas pistas... Por exemplo, geralmente as pessoas procuram na religião a resposta
a certas perguntas muito difíceis, mas que todo ser humano gostaria de ver respondidas: porque existe o
mundo?Quem criou o Universo?Para que nascemos?Existe vida depois da morte?...Essas e outras
perguntas estão no imaginário do ser humano.
As religiões possibilitamque as pessoas se relacionemcom forças ou seres que elas não vêem, mas nos
quais acreditam: deuses, espíritos ou então um só Deus – como é o caso do Judaísmo, do Cristianismo e
do Islamismo, por isso chamados religiões monoteístas.
Muitas vezes as pessoas sentem medo; outras vezes, experimentam amor, adoração, emoção para
algo invisível. Sentem que, além daquilo que podem ver, ouvir e tocar, existe esse “algo”. É esse “algo” –
misterioso e comovente – que faz parte das religiões.
O mais importante de tudo é que as religiões nos ensinam uma forma melhor de viver. Elas nos dão
princípios. Solidariedade, amor ao próximo, piedade e justiça, por exemplo, são idéias que as religiões
propõem. Podemos, então, dizer que as religiões em geral ensinam ao ser humano que ele é capaz de
melhorar, ser mais feliz, conquistar a si mesmo e ser mais solidário com o outro!
Você pode pensar: mas tantas vezes aconteceram e ainda acontecem terríveis guerras religiões; tanta
gente matou e ainda mata em nome da religião! Ou você pode, ainda, lembrar-se de alguém que segue
uma religião e mesmo assim é uma pessoa que pratica atos maus e desonestos.
Será que isso quer dizer que as religiões são ruins? Não; de modo algum! É que às vezes as pessoas
estragam as coisas mais sagradas. A responsabilidade é delas e não das religiões.
Nestes nossos estudos vamos conhecer algumas pessoas de quem falaremos fundaram religiões: é o
caso de Jesus, Buda e Maomé. Outras apenas seguiram alguma religião, mas assumiram tão bem a fé que
vale a pena nos inspirarmos nelas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aborto - Uma Visão Ética Cristã
Aborto - Uma Visão Ética CristãAborto - Uma Visão Ética Cristã
Aborto - Uma Visão Ética Cristã
Daniel de Carvalho Luz
 
Religiões do Mundo
Religiões do MundoReligiões do Mundo
Religiões do Mundo
ESP
 
Thomas Hobbes, Locke e o empirismo
 Thomas Hobbes, Locke e o empirismo Thomas Hobbes, Locke e o empirismo
Thomas Hobbes, Locke e o empirismo
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Resumo a cidade antiga
Resumo a cidade antigaResumo a cidade antiga
Resumo a cidade antiga
Ana Paula Lozano
 
Religiões Proféticas
Religiões ProféticasReligiões Proféticas
Religiões Proféticas
escolamaxcolin
 
6 pilares da autoestima
6 pilares da autoestima6 pilares da autoestima
Cartilha Educativa sobre Bioética
Cartilha Educativa sobre BioéticaCartilha Educativa sobre Bioética
Cartilha Educativa sobre Bioética
Mayara Mônica
 
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Keiler Vasconcelos
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
fespiritacrista
 
Todos diferentes, Todos iguais - escola de todos"
Todos diferentes, Todos iguais - escola de todos"Todos diferentes, Todos iguais - escola de todos"
Todos diferentes, Todos iguais - escola de todos"
alexitf
 
Salmo 91 Explicado (Biblia Sagrada)
Salmo 91 Explicado (Biblia Sagrada)Salmo 91 Explicado (Biblia Sagrada)
Salmo 91 Explicado (Biblia Sagrada)
Rogerio Sena
 
Conflitos familiares
Conflitos familiaresConflitos familiares
Conflitos familiares
Victor Passos
 
1º encontro Quem sou eu?
1º encontro   Quem sou eu?1º encontro   Quem sou eu?
1º encontro Quem sou eu?
Juliana Cristina M. Muniz
 
Aspectos importantes na obra leviatã
Aspectos importantes na obra leviatãAspectos importantes na obra leviatã
Aspectos importantes na obra leviatã
Rony Stayllon
 
Id.Ego.Super
Id.Ego.SuperId.Ego.Super
Id.Ego.Super
Camila Munari
 
Calvinismo x Arminianismo
Calvinismo x ArminianismoCalvinismo x Arminianismo
Calvinismo x Arminianismo
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
Espaço Emrc
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
Luiz Costa Junior
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimento
Joao Balbi
 
Ética e religião
Ética e religiãoÉtica e religião
Ética e religião
Marcel Gois
 

Mais procurados (20)

Aborto - Uma Visão Ética Cristã
Aborto - Uma Visão Ética CristãAborto - Uma Visão Ética Cristã
Aborto - Uma Visão Ética Cristã
 
Religiões do Mundo
Religiões do MundoReligiões do Mundo
Religiões do Mundo
 
Thomas Hobbes, Locke e o empirismo
 Thomas Hobbes, Locke e o empirismo Thomas Hobbes, Locke e o empirismo
Thomas Hobbes, Locke e o empirismo
 
Resumo a cidade antiga
Resumo a cidade antigaResumo a cidade antiga
Resumo a cidade antiga
 
Religiões Proféticas
Religiões ProféticasReligiões Proféticas
Religiões Proféticas
 
6 pilares da autoestima
6 pilares da autoestima6 pilares da autoestima
6 pilares da autoestima
 
Cartilha Educativa sobre Bioética
Cartilha Educativa sobre BioéticaCartilha Educativa sobre Bioética
Cartilha Educativa sobre Bioética
 
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
 
Todos diferentes, Todos iguais - escola de todos"
Todos diferentes, Todos iguais - escola de todos"Todos diferentes, Todos iguais - escola de todos"
Todos diferentes, Todos iguais - escola de todos"
 
Salmo 91 Explicado (Biblia Sagrada)
Salmo 91 Explicado (Biblia Sagrada)Salmo 91 Explicado (Biblia Sagrada)
Salmo 91 Explicado (Biblia Sagrada)
 
Conflitos familiares
Conflitos familiaresConflitos familiares
Conflitos familiares
 
1º encontro Quem sou eu?
1º encontro   Quem sou eu?1º encontro   Quem sou eu?
1º encontro Quem sou eu?
 
Aspectos importantes na obra leviatã
Aspectos importantes na obra leviatãAspectos importantes na obra leviatã
Aspectos importantes na obra leviatã
 
Id.Ego.Super
Id.Ego.SuperId.Ego.Super
Id.Ego.Super
 
Calvinismo x Arminianismo
Calvinismo x ArminianismoCalvinismo x Arminianismo
Calvinismo x Arminianismo
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimento
 
Ética e religião
Ética e religiãoÉtica e religião
Ética e religião
 

Semelhante a Para que serve a religião

Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
roberto mosca junior
 
Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
roberto mosca junior
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Conhecimento Religioso
Gilberto75
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
PIBJA
 
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
Virna Salgado Barra
 
Ensino religioso
Ensino religiosoEnsino religioso
Ensino religioso
Eponina Alencar
 
Diálogo inter religioso
Diálogo inter religiosoDiálogo inter religioso
Diálogo inter religioso
luciano
 
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptxensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
FrancimaraCerqueira
 
O Problema Religioso e a Origem da religião
O Problema Religioso e a Origem da religiãoO Problema Religioso e a Origem da religião
O Problema Religioso e a Origem da religião
Silas Bruno Mps
 
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abntMicrosoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
Herick Braga
 
Introdução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religiosoIntrodução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religioso
Jarley Fernandes
 
Introducaoaofenomenoreligiosos
IntroducaoaofenomenoreligiososIntroducaoaofenomenoreligiosos
Introducaoaofenomenoreligiosos
Fernanda Picao
 
Religiões da humanidade
Religiões da humanidadeReligiões da humanidade
Religiões da humanidade
Over Lane
 
Homo religiosus
Homo religiosusHomo religiosus
Homo religiosus
Silas Bruno Mps
 
Estudo das Religiões
Estudo das ReligiõesEstudo das Religiões
Estudo das Religiões
César Augusto Fernandes
 
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
Diego Góes
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Lei de Adoração evolução espiritual do ser
Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser
Lei de Adoração evolução espiritual do ser
Claudio Macedo
 
Espiritualidade e Materialismo Espiritual
Espiritualidade e Materialismo EspiritualEspiritualidade e Materialismo Espiritual
Espiritualidade e Materialismo Espiritual
floresnoar
 
Aula 2 - Teologia Sistemática IV
Aula 2 - Teologia Sistemática IVAula 2 - Teologia Sistemática IV
Aula 2 - Teologia Sistemática IV
ssuser54efaa
 

Semelhante a Para que serve a religião (20)

Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
 
Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Conhecimento Religioso
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
 
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
 
Ensino religioso
Ensino religiosoEnsino religioso
Ensino religioso
 
Diálogo inter religioso
Diálogo inter religiosoDiálogo inter religioso
Diálogo inter religioso
 
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptxensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
 
O Problema Religioso e a Origem da religião
O Problema Religioso e a Origem da religiãoO Problema Religioso e a Origem da religião
O Problema Religioso e a Origem da religião
 
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abntMicrosoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
 
Introdução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religiosoIntrodução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religioso
 
Introducaoaofenomenoreligiosos
IntroducaoaofenomenoreligiososIntroducaoaofenomenoreligiosos
Introducaoaofenomenoreligiosos
 
Religiões da humanidade
Religiões da humanidadeReligiões da humanidade
Religiões da humanidade
 
Homo religiosus
Homo religiosusHomo religiosus
Homo religiosus
 
Estudo das Religiões
Estudo das ReligiõesEstudo das Religiões
Estudo das Religiões
 
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Conhecimento Religioso
 
Lei de Adoração evolução espiritual do ser
Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser
Lei de Adoração evolução espiritual do ser
 
Espiritualidade e Materialismo Espiritual
Espiritualidade e Materialismo EspiritualEspiritualidade e Materialismo Espiritual
Espiritualidade e Materialismo Espiritual
 
Aula 2 - Teologia Sistemática IV
Aula 2 - Teologia Sistemática IVAula 2 - Teologia Sistemática IV
Aula 2 - Teologia Sistemática IV
 

Mais de Antonio Filho

Por que crer na bíblia(01)
Por que crer na bíblia(01)Por que crer na bíblia(01)
Por que crer na bíblia(01)
Antonio Filho
 
A realidade do inferno.
A realidade do inferno.A realidade do inferno.
A realidade do inferno.
Antonio Filho
 
Exposições bíblicas e temáticas
Exposições bíblicas e temáticasExposições bíblicas e temáticas
Exposições bíblicas e temáticas
Antonio Filho
 
A importância de conhecer a deus.
A importância de conhecer a deus.A importância de conhecer a deus.
A importância de conhecer a deus.
Antonio Filho
 
O caráter inclusivo da expressão “em cristo”
O caráter inclusivo da expressão “em cristo”O caráter inclusivo da expressão “em cristo”
O caráter inclusivo da expressão “em cristo”
Antonio Filho
 
Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017
Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017
Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017
Antonio Filho
 
Lição 12(o mundo vindouro)2017
Lição 12(o mundo vindouro)2017Lição 12(o mundo vindouro)2017
Lição 12(o mundo vindouro)2017
Antonio Filho
 
Aula( a segunda vinda de cristo)2017
Aula( a segunda vinda de cristo)2017Aula( a segunda vinda de cristo)2017
Aula( a segunda vinda de cristo)2017
Antonio Filho
 
Princípios para vida
Princípios para vidaPrincípios para vida
Princípios para vida
Antonio Filho
 
Cultivar virtudes
Cultivar virtudesCultivar virtudes
Cultivar virtudes
Antonio Filho
 
A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)
Antonio Filho
 
A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)
Antonio Filho
 
Inferno – destino eterno dos ímpios
Inferno – destino eterno dos ímpiosInferno – destino eterno dos ímpios
Inferno – destino eterno dos ímpios
Antonio Filho
 
A igreja de cristo
A igreja de cristoA igreja de cristo
A igreja de cristo
Antonio Filho
 
Lição 07 (ebd)2017
Lição 07 (ebd)2017Lição 07 (ebd)2017
Lição 07 (ebd)2017
Antonio Filho
 
Aula(sistema de numeração) 6º ano
Aula(sistema de numeração) 6º anoAula(sistema de numeração) 6º ano
Aula(sistema de numeração) 6º ano
Antonio Filho
 
Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)
Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)
Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)
Antonio Filho
 
O verdadeiro sentido da páscoa (2)
O verdadeiro sentido da páscoa (2)O verdadeiro sentido da páscoa (2)
O verdadeiro sentido da páscoa (2)
Antonio Filho
 
A historia e importancia da ebd(plenária – 01)
A historia e importancia da ebd(plenária – 01)A historia e importancia da ebd(plenária – 01)
A historia e importancia da ebd(plenária – 01)
Antonio Filho
 
Equação 2º grau
Equação 2º grauEquação 2º grau
Equação 2º grau
Antonio Filho
 

Mais de Antonio Filho (20)

Por que crer na bíblia(01)
Por que crer na bíblia(01)Por que crer na bíblia(01)
Por que crer na bíblia(01)
 
A realidade do inferno.
A realidade do inferno.A realidade do inferno.
A realidade do inferno.
 
Exposições bíblicas e temáticas
Exposições bíblicas e temáticasExposições bíblicas e temáticas
Exposições bíblicas e temáticas
 
A importância de conhecer a deus.
A importância de conhecer a deus.A importância de conhecer a deus.
A importância de conhecer a deus.
 
O caráter inclusivo da expressão “em cristo”
O caráter inclusivo da expressão “em cristo”O caráter inclusivo da expressão “em cristo”
O caráter inclusivo da expressão “em cristo”
 
Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017
Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017
Lição 13 (sobre a família e a sua natureza)ebd 2017
 
Lição 12(o mundo vindouro)2017
Lição 12(o mundo vindouro)2017Lição 12(o mundo vindouro)2017
Lição 12(o mundo vindouro)2017
 
Aula( a segunda vinda de cristo)2017
Aula( a segunda vinda de cristo)2017Aula( a segunda vinda de cristo)2017
Aula( a segunda vinda de cristo)2017
 
Princípios para vida
Princípios para vidaPrincípios para vida
Princípios para vida
 
Cultivar virtudes
Cultivar virtudesCultivar virtudes
Cultivar virtudes
 
A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)
 
A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)A importancia de conhecer a deus (2)
A importancia de conhecer a deus (2)
 
Inferno – destino eterno dos ímpios
Inferno – destino eterno dos ímpiosInferno – destino eterno dos ímpios
Inferno – destino eterno dos ímpios
 
A igreja de cristo
A igreja de cristoA igreja de cristo
A igreja de cristo
 
Lição 07 (ebd)2017
Lição 07 (ebd)2017Lição 07 (ebd)2017
Lição 07 (ebd)2017
 
Aula(sistema de numeração) 6º ano
Aula(sistema de numeração) 6º anoAula(sistema de numeração) 6º ano
Aula(sistema de numeração) 6º ano
 
Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)
Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)
Aula(a importancia de (ere)introdução) (3)
 
O verdadeiro sentido da páscoa (2)
O verdadeiro sentido da páscoa (2)O verdadeiro sentido da páscoa (2)
O verdadeiro sentido da páscoa (2)
 
A historia e importancia da ebd(plenária – 01)
A historia e importancia da ebd(plenária – 01)A historia e importancia da ebd(plenária – 01)
A historia e importancia da ebd(plenária – 01)
 
Equação 2º grau
Equação 2º grauEquação 2º grau
Equação 2º grau
 

Último

000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 

Último (20)

000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 

Para que serve a religião

  • 1. ENSINO RELIGIOSO – ERE PROF. ANTONIO SOARES Texto – 1 Mas afinal o que é e para que serve a religião? - “Quem eliminar a religião eliminará todo e qualquer fundamento da sociedade” Platão. - “A ciência sem a religião é manca, e a religião sem a ciência é cega”. Einstein. - “Porque é mais belo o risco ao lado da esperança que a certeza ao lado de um universo frio e sem sentido.” Rubem Alves. - “O homem vive a espiritualidade diversas formas, mas todos com o mesmo objetivo: a união com o sagrado, transcendente. O que vem a ser religião? 2.1 - Definição etimológica:  Cícero afirma que a palavra “religião” vem de re – legere (re – ler): considerar atentamente o que pertence ao culto divino, ler de novo, ou então reunir. Temos aqui o aspecto comunidade.  Lactâncio: re – ligare (re – ligar): ligar o homem de novo a Deus. O Homem vai a Deus e Deus vem ao homem.  Agostinho: re – eligere (re – eleger): tornar a escolher Deus, perdido pelo pecado. A história da palavra religião parece corroborar o significado da posição de Cícero. 2.2 - Definição filosófica (Pensadores) • - Alguns representantes das mais variadas correntes filosóficas definem religião das mais distintas maneiras, enfocando seus próprios conceitos sobre o tema, baseados no tipo de pensamento filosófico que representam: • Emanuel Kant: “Religião é a moral em relação a Deus, como legislador. É o reconhecimento dos nossos deveres considerados como mandamentos divinos”. • Feurbach: “Religião é o sonho da mente humana”. • Schleimacher: “Religião é o sentimento do fato de dependência absoluta do juiz invisível do nosso destino, acompanhado do desejo consciente de entrar e em relações harmoniosas com Ele”. • Helmuth Vou G: “A religião é a convicção de que existem poderes transcendentes, pessoais ou impessoais, que atuam no mundo, e se expressa por meio de pensamento, sentimento, intenção e ação”. • Agostinho: “ Religião procura significar novamente alguma coisa que se havia perdido”. 2.4 - Definição genérica: - Existem alguns vocábulos, como “Justiça, Beleza, Verdade”, que são muito ricos em interpretação, os quais não podem definir de maneira absoluta, o máximo que se consegue nestes casos é reunir uma série de
  • 2. discrições relacionados com eles, que embora incompletos em si mesmos, se reunidas, conseguem determinar ideias gerais sobre os assuntos enfocados por tais vocábulos. Nesta categoria podemos enquadrar o vocábulo “RELIGIÃO”, para o qual não existe de fato uma definição absolutamente determinados, havendo, porém conceitos gerais sobre ele, que nos conduzem à compreensão precisa do real significado, entre os quais podemos mencionar: • A religião é um sistema de ideias, de fé e de culto, como é o caso da fé Cristã. • A religião consiste em crenças e práticas organizadas, formando algum sistema privado ou coletivo, mediante o qual uma pessoal ou um grupo de pessoas são influenciados. • A religião é uma instituição com um corpo autorizado de comungantes,os quais se reúnem regularmente para efeito de adoração,aceitando um conjunto de doutrinas. • Uma definição eclética e funcional de religião “é o reconhecimento da existência de algum poder superior invisível. é uma atitude de reverente dependência a esse poder na conduta da vida, e manifestação por meio de atos especiais, como ritos, orações, atos de misericórdia. • A religião é um sistema de crenças que estabelece e regula entre os seres humanos e as divindades. Porque estudar sobre Religião? 1 - É uma área do conhecimento humano; 2 - Proporciona uma formação Integral (total do ser humano); - Cultural - Social - Histórico - Racional - Afetivo - Espiritual/ Religioso 3 - Fornece valores preciosos para a vida pessoal e profissional; 4 - Proporciona uma reflexão sobre o sentido da vida; 5 - Proporciona uma viagem cultural ás crenças, costumes e filosofias da humanidade; 6 - Por que somos todos iguais, porém diferentes. Mas afinal para que serve a religião? Desde que existe no mundo, o ser humano sempre teve algum tipo de religião. Deuses, espíritos, forças da natureza – em todos os tempos, a humanidade acreditou em alguma coisa. Mas o que é uma religião? Será que é possível achar uma só forma de explicar algo complexo e rico? Podemos seguir algumas pistas... Por exemplo, geralmente as pessoas procuram na religião a resposta a certas perguntas muito difíceis, mas que todo ser humano gostaria de ver respondidas: porque existe o mundo?Quem criou o Universo?Para que nascemos?Existe vida depois da morte?...Essas e outras perguntas estão no imaginário do ser humano. As religiões possibilitamque as pessoas se relacionemcom forças ou seres que elas não vêem, mas nos quais acreditam: deuses, espíritos ou então um só Deus – como é o caso do Judaísmo, do Cristianismo e do Islamismo, por isso chamados religiões monoteístas. Muitas vezes as pessoas sentem medo; outras vezes, experimentam amor, adoração, emoção para algo invisível. Sentem que, além daquilo que podem ver, ouvir e tocar, existe esse “algo”. É esse “algo” – misterioso e comovente – que faz parte das religiões. O mais importante de tudo é que as religiões nos ensinam uma forma melhor de viver. Elas nos dão princípios. Solidariedade, amor ao próximo, piedade e justiça, por exemplo, são idéias que as religiões
  • 3. propõem. Podemos, então, dizer que as religiões em geral ensinam ao ser humano que ele é capaz de melhorar, ser mais feliz, conquistar a si mesmo e ser mais solidário com o outro! Você pode pensar: mas tantas vezes aconteceram e ainda acontecem terríveis guerras religiões; tanta gente matou e ainda mata em nome da religião! Ou você pode, ainda, lembrar-se de alguém que segue uma religião e mesmo assim é uma pessoa que pratica atos maus e desonestos. Será que isso quer dizer que as religiões são ruins? Não; de modo algum! É que às vezes as pessoas estragam as coisas mais sagradas. A responsabilidade é delas e não das religiões. Nestes nossos estudos vamos conhecer algumas pessoas de quem falaremos fundaram religiões: é o caso de Jesus, Buda e Maomé. Outras apenas seguiram alguma religião, mas assumiram tão bem a fé que vale a pena nos inspirarmos nelas.