SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
Centro de Ensino Urbano Rocha
Professora: Mary Alvarenga
1. Leia o texto, escrito pelo filósofo grego Aristóteles, que viveu entre 348 – 322 a.C., e responda às
questões:
[...] É indispensável, portanto, que a cidade seja organizada de maneira a dispor destes serviços;
consequentemente ela deve possuir um número de agricultores suficiente para assegurar o suprimento dos
alimentos, além de artífices, militares, homens ricos, sacerdotes e juízes para decidirem o que for necessário e
conveniente.
[...] Na cidade melhor constituída e, naquela dotada de homens absolutamente justos [...], os cidadãos não
devem viver uma vida de trabalho trivial ou de negócios (estes tipos de vida são ignóbeis e incompatíveis com as
qualidades morais); tampouco devem ser agricultores os aspirantes à cidadania, pois o lazer é indispensável ao
desenvolvimento das qualidades morais e à prática das atividades políticas. [...]
Aristóteles (século IV a.C.), citado por Teresa Van Acker Grécia. Avida cotidiana
na cidade-Estado. São Paulo: Atual, 2003, p. 33. Adaptado
a) De acordo com Aristóteles, como deveria ser uma cidade bem organizada?
Para Aristóteles uma cidade bem organizada deveria dispor de vários serviços e de um número de
agricultores suficiente para assegurar o suprimento dos alimentos, além de artífices, militares, homens
ricos, sacerdotes e juízes.
b) Que qualidade eram desejáveis a um cidadão em condições de atuar politicamente?
O cidadão que atuasse politicamente deveria ser justo, ter qualidades morais e ser abstrato (de modo
que não precisasse trabalhar e pudesse usufruir de tempo ocioso e lazer.)
2. Consulte o mapa ao lado para responder: o que motivou a expansão territorial promovida pelos
gregos entre os séculos VIII a.C. e VII a. C. ?
Os gregos precisaram se expandir porque em seu território as terras eram montanhosas e pouco
férteis . Eles se espalharam a partir do século VIII a. C. por toda costa mediterrânea, ocupando várias
ilhas, como se pode observar no mapa.
3. Leia o texto a seguir e responda as questões propostas:
 Texto 1
Os ofícios que se chamam de artesanais [...] arruínam fisicamente os que a eles se dedicam e que a
eles se ocupam, obrigando-os a viver sentados e a sombra, às vezes mesmo a passar o dia inteiro junto ao
fogo. Os corpos ficando assim maltratados, as almas, por sua vez, tornam-se bem menos robustas. Além
disso e sobretudo, os ofícios chamados artesanais não deixam a quem os pratica nenhum ócio para
cultivarem os amigos e a cidade. Dessa forma, passam por maus amigos e medíocres defensores de sua
pátria [...]
(Xenofonte – Econômica)
 Texto 2
[...] Sólon, que adaptava as leis às coisas, em lugar de adaptar as coisas, as leis, e via a pobreza
natural do território, que somente oferecia uma subsistência medíocre aos cultivadores e era incapaz de
alimentar uma multidão indolente e ociosa, exaltou os ofícios e levou o Areópago, a examinar de onde
cada um tirava seus recursos e a punir os preguiçosos.
(Plutarco – Vidas paralelas – Sólon)
a) Por que o trabalho braçal era menosprezado na Grécia antiga?
Porque acreditavam que essa atividade arruinava tanto o corpo como a alma, impedindo a vida social
e o cultivo das amizades.
b) Que razões Sólon alega para defender os “ofícios”? Que outras medidas esse legislador propôs em
favor dos setores não aristocráticos da sociedade?
Para defender os ofícios, Sólon destacou a pobreza reinante no território e a impossibilidade de o
trabalho de poucos alimentar uma “multidão ociosa”
Em favor dos setores não aristocráticos, ele propôs reformas de grande alcance social e politico,
como a proibição da escravidão por dividas e a criação da assembleia popular e o conselho dos 400.
4. Considere a seguinte descrição de uma cidade grega:
[...] Havia uma parte urbana, em geral
protegida por muralhas, e dentro dela uma
parte alta (acrópole) e outra baixa (asty).
Na parte alta, estavam os templos e se
reuniam os representantes de algumas
instituições, como o conselho de anciãos.
Na parte baixa existia uma praça, que servia
para o comércio e para as reuniões dos
cidadãos (Ágora), onde também estavam as
casas. Fora das muralhas estavam o campo
(khora) . Ali viviam os camponeses,
agrupados em aldeias. Ambas as partes,
urbanas e rural, constituíam a pólis, [...]
a) Localize na planta baixa os espaços citados no texto
A ágora, o Partenon e os templos de Zeus de Efesto, além dos campos fora dos muros da polis.
b) Explique como a disposição dos espaços públicos e dos lugares de poderes na pólis grega
relacionam politica com igreja.
Na parte alta e mais protegida da cidade (acrópole) se concentravam os templos e as principais
instituições politicas.
5. Segundo a Teogonia, de Hesíodo, Pandora era o nome da primeira mulher que existiu, criada por
Zeus. Essa criação, entretanto, fora um castigo de Zeus aos homens, uma represália ao delito cometido
por Prometeu, que havia roubado o segredo do fogo do Olimpo para que os mortais usufruíssem da
sabedoria ate então exclusiva dos deuses. Pandora surgiu da terra, esculpida por Hefesto, um deus –
artesão, que a dotou de rara beleza para encantar e perturbar os homens.
a) Observe as imagens a seguir, extraídas da cerâmica grega clássica, e identifique a cena
correspondente à criação de Pandora. Justifique sua escolha.
O mito da Pandora é representado na cerâmica de número 1. Na cena uma figura feminina surge da
terra; ao seu lado está Hefesto, que segura o instrumento com o qual a teria esculpido.
b) Pesquise o mito de Pandora. O que essa narrativa mítica representa em relação ao lugar da mulher na
sociedade grega antiga?
A narrativa reforça o lugar subalterno da mulher na sociedade grega, uma vez que a primeira mulher
foi criada como um castigo, uma tentação “carnal” que desafiava e se contrapunha à sabedoria cobiçada
por Prometeu.
A caixa de Pandora é um mito grego no qual a existência da mulher e dos vários males do mundo
são explicados. Tudo começa quando Zeus, o deus de todos os deuses, resolveu arquitetar um plano para
se voltar contra a ousadia de Prometeu – que entregara aos homens a capacidade de controlar o fogo. Para
tanto, Zeus decide criar uma mulher repleta de dotes oferecidos pelos deuses e a oferece a Epimeteu,
irmão de Prometeu.
Antes disso, Prometeu recusou a jovem Pandora de Zeus temendo que ela fizesse parte de algum
plano de vingança da divindade roubada. Ao aceitar Pandora, Epimeteu também ganhou uma caixa onde
estavam contidos vários males físicos e espirituais que poderiam acometer o mundo. Desconhecedor do
conteúdo, ele foi somente alertado de que aquela caixa não poderia ser aberta em nenhuma hipótese. Com
isso, o artefato era mantido em segurança, no fundo de sua morada, cercado por duas gralhas barulhentas.
Aproveitando de sua beleza, Pandora convenceu o marido a se livrar das gralhas que lhe causavam
espanto. Após atender ao pedido da esposa, Epimeteu manteve relações com ela e caiu em um sono
profundo. Nesse instante, não suportando a própria curiosidade, Pandora abriu a caixa proibida para
espiar o seu conteúdo. Naquele momento, ela acabou libertando várias doenças e sentimentos que
atormentariam a existência do Homem no mundo. Zeus assim concluía o seu plano de vingança contra
Prometeu.
Logo percebendo o erro que cometera, Pandora se apressou em fechar a caixa. Com isso, ela
conseguiu preservar o único dom positivo que fora depositado naquele recipiente: a esperança. Dessa
forma, o mito da Caixa de Pandora explica como o Homem é capaz de manter-se perseverante mesmo
quando as situações se mostram bastante adversas. Além disso, esse mesmo mito explora a construção da
identidade feminina como sendo marcada pela sensualidade e o poder de dissimulação.
 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA
NAPOLITANO, Marcos. História para o Ensino Médio: vol.1/ Marcos Napolitano, Mariana Villaça - 1ª ed. - São Paulo:
Saraiva, 2013.
Boa Sorte!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cruzadinha sobre o Egito Antigo para 6º ano
Cruzadinha sobre o Egito Antigo para 6º anoCruzadinha sobre o Egito Antigo para 6º ano
Cruzadinha sobre o Egito Antigo para 6º anoMichele Wilbert
 
Prova Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho Gabarito
Prova Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho GabaritoProva Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho Gabarito
Prova Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho GabaritoJana Bento
 
Atividades adaptadas- História.6º ano - Cópia.1.pdf
Atividades adaptadas- História.6º ano - Cópia.1.pdfAtividades adaptadas- História.6º ano - Cópia.1.pdf
Atividades adaptadas- História.6º ano - Cópia.1.pdfWenderson Santos Couto
 
Atividades de História Astecas
Atividades de História  Astecas Atividades de História  Astecas
Atividades de História Astecas Doug Caesar
 
22032114 lista-de-exericio-ii-com-gabarito
22032114 lista-de-exericio-ii-com-gabarito22032114 lista-de-exericio-ii-com-gabarito
22032114 lista-de-exericio-ii-com-gabaritoNádia Preciso
 

Mais procurados (20)

Avaliação Revolução Industrial
Avaliação Revolução IndustrialAvaliação Revolução Industrial
Avaliação Revolução Industrial
 
Cruzadinha sobre o Egito Antigo para 6º ano
Cruzadinha sobre o Egito Antigo para 6º anoCruzadinha sobre o Egito Antigo para 6º ano
Cruzadinha sobre o Egito Antigo para 6º ano
 
Avaliação período regencial
Avaliação período regencialAvaliação período regencial
Avaliação período regencial
 
Avaliação Era Vargas
Avaliação Era VargasAvaliação Era Vargas
Avaliação Era Vargas
 
Avaliação História - Grécia Antiga
Avaliação História - Grécia Antiga Avaliação História - Grécia Antiga
Avaliação História - Grécia Antiga
 
Prova Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho Gabarito
Prova Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho GabaritoProva Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho Gabarito
Prova Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho Gabarito
 
Atividades de independencia do brasil 2013
Atividades de independencia do brasil 2013Atividades de independencia do brasil 2013
Atividades de independencia do brasil 2013
 
Atividades adaptadas- História.6º ano - Cópia.1.pdf
Atividades adaptadas- História.6º ano - Cópia.1.pdfAtividades adaptadas- História.6º ano - Cópia.1.pdf
Atividades adaptadas- História.6º ano - Cópia.1.pdf
 
Prova de historia 1 ano brasil colonia
Prova de historia 1 ano brasil coloniaProva de historia 1 ano brasil colonia
Prova de historia 1 ano brasil colonia
 
Atividades de História Astecas
Atividades de História  Astecas Atividades de História  Astecas
Atividades de História Astecas
 
Avaliação Idade Média
Avaliação Idade MédiaAvaliação Idade Média
Avaliação Idade Média
 
Mesopotamia cruzadinha
Mesopotamia cruzadinhaMesopotamia cruzadinha
Mesopotamia cruzadinha
 
Cuzadinha sobre a era vargas
Cuzadinha sobre a era vargasCuzadinha sobre a era vargas
Cuzadinha sobre a era vargas
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Prova historia 2 ano conflitos 1 republica
Prova historia 2 ano conflitos 1 republicaProva historia 2 ano conflitos 1 republica
Prova historia 2 ano conflitos 1 republica
 
Atividades feudalismo na idade média
Atividades   feudalismo na idade médiaAtividades   feudalismo na idade média
Atividades feudalismo na idade média
 
Atividades Revolução Francesa
Atividades   Revolução FrancesaAtividades   Revolução Francesa
Atividades Revolução Francesa
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
22032114 lista-de-exericio-ii-com-gabarito
22032114 lista-de-exericio-ii-com-gabarito22032114 lista-de-exericio-ii-com-gabarito
22032114 lista-de-exericio-ii-com-gabarito
 
Avaliação de historia
Avaliação de historiaAvaliação de historia
Avaliação de historia
 

Semelhante a A Grécia Antiga

Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]Lúcia Texeira
 
Lista UFSC - Idade Antiga
Lista UFSC - Idade AntigaLista UFSC - Idade Antiga
Lista UFSC - Idade AntigaElton Zanoni
 
6 ano 3 trimestre exercicios rev provao
6 ano 3 trimestre exercicios rev provao6 ano 3 trimestre exercicios rev provao
6 ano 3 trimestre exercicios rev provaoCarlos Zaranza
 
Questões simulado 2 bimestre.docx
Questões simulado 2 bimestre.docxQuestões simulado 2 bimestre.docx
Questões simulado 2 bimestre.docxDiego Rocha
 
Mitologia e Filosofia
Mitologia e FilosofiaMitologia e Filosofia
Mitologia e Filosofiaex isto
 
03-Egito.ppt.pdf
03-Egito.ppt.pdf03-Egito.ppt.pdf
03-Egito.ppt.pdfProfNILO
 
2.º teste 7 a 2014 2015 - correção
2.º teste 7 a 2014 2015 - correção2.º teste 7 a 2014 2015 - correção
2.º teste 7 a 2014 2015 - correçãovaltervnunes
 
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentadoemanuel
 
Simuladão de história para o paebes 9º ano
Simuladão de história para o paebes 9º anoSimuladão de história para o paebes 9º ano
Simuladão de história para o paebes 9º anoMerigrei
 
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaCidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaJonas Araújo
 

Semelhante a A Grécia Antiga (20)

Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]
 
Mundo greco romano
Mundo greco romanoMundo greco romano
Mundo greco romano
 
Lista UFSC - Idade Antiga
Lista UFSC - Idade AntigaLista UFSC - Idade Antiga
Lista UFSC - Idade Antiga
 
Caderno Diário O modelo ateniense
Caderno Diário O modelo atenienseCaderno Diário O modelo ateniense
Caderno Diário O modelo ateniense
 
6 ano 3 trimestre exercicios rev provao
6 ano 3 trimestre exercicios rev provao6 ano 3 trimestre exercicios rev provao
6 ano 3 trimestre exercicios rev provao
 
Questões simulado 2 bimestre.docx
Questões simulado 2 bimestre.docxQuestões simulado 2 bimestre.docx
Questões simulado 2 bimestre.docx
 
PISM MÓDULO I
PISM MÓDULO IPISM MÓDULO I
PISM MÓDULO I
 
Mitologia e Filosofia
Mitologia e FilosofiaMitologia e Filosofia
Mitologia e Filosofia
 
Correcoes livro
Correcoes livroCorrecoes livro
Correcoes livro
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
CIVILIZAÇÃO GREGA
CIVILIZAÇÃO GREGACIVILIZAÇÃO GREGA
CIVILIZAÇÃO GREGA
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 
03-Egito.ppt.pdf
03-Egito.ppt.pdf03-Egito.ppt.pdf
03-Egito.ppt.pdf
 
2.º teste 7 a 2014 2015 - correção
2.º teste 7 a 2014 2015 - correção2.º teste 7 a 2014 2015 - correção
2.º teste 7 a 2014 2015 - correção
 
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
 
A cultura grega
A cultura gregaA cultura grega
A cultura grega
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
Simuladão de história para o paebes 9º ano
Simuladão de história para o paebes 9º anoSimuladão de história para o paebes 9º ano
Simuladão de história para o paebes 9º ano
 
Os Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo VOs Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo V
 
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaCidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
 

Mais de Mary Alvarenga

Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Atividade - Letra da música Esperando na Janela.
Atividade -  Letra da música Esperando na Janela.Atividade -  Letra da música Esperando na Janela.
Atividade - Letra da música Esperando na Janela.Mary Alvarenga
 
CRUZADINHA - Leitura e escrita dos números
CRUZADINHA   -   Leitura e escrita dos números CRUZADINHA   -   Leitura e escrita dos números
CRUZADINHA - Leitura e escrita dos números Mary Alvarenga
 
Música Meu Abrigo - Texto e atividade
Música   Meu   Abrigo  -   Texto e atividadeMúsica   Meu   Abrigo  -   Texto e atividade
Música Meu Abrigo - Texto e atividadeMary Alvarenga
 
Bullying - Atividade com caça- palavras
Bullying   - Atividade com  caça- palavrasBullying   - Atividade com  caça- palavras
Bullying - Atividade com caça- palavrasMary Alvarenga
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Ciclo de vida do mosquito Aedes aegypti e cruzadinha
Ciclo de vida do mosquito Aedes aegypti  e cruzadinhaCiclo de vida do mosquito Aedes aegypti  e cruzadinha
Ciclo de vida do mosquito Aedes aegypti e cruzadinhaMary Alvarenga
 
Mat - Casos prováveis de dengue (2023 - 2024)
Mat - Casos  prováveis de dengue (2023 - 2024)Mat - Casos  prováveis de dengue (2023 - 2024)
Mat - Casos prováveis de dengue (2023 - 2024)Mary Alvarenga
 
Cruzadinha da dengue - Mosquito Aedes aegypti
Cruzadinha da dengue - Mosquito Aedes aegyptiCruzadinha da dengue - Mosquito Aedes aegypti
Cruzadinha da dengue - Mosquito Aedes aegyptiMary Alvarenga
 
Poema sobre o mosquito Aedes aegipyti -
Poema sobre o mosquito Aedes aegipyti  -Poema sobre o mosquito Aedes aegipyti  -
Poema sobre o mosquito Aedes aegipyti -Mary Alvarenga
 

Mais de Mary Alvarenga (20)

Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Atividade - Letra da música Esperando na Janela.
Atividade -  Letra da música Esperando na Janela.Atividade -  Letra da música Esperando na Janela.
Atividade - Letra da música Esperando na Janela.
 
CRUZADINHA - Leitura e escrita dos números
CRUZADINHA   -   Leitura e escrita dos números CRUZADINHA   -   Leitura e escrita dos números
CRUZADINHA - Leitura e escrita dos números
 
Música Meu Abrigo - Texto e atividade
Música   Meu   Abrigo  -   Texto e atividadeMúsica   Meu   Abrigo  -   Texto e atividade
Música Meu Abrigo - Texto e atividade
 
Bullying, sai pra lá
Bullying,  sai pra láBullying,  sai pra lá
Bullying, sai pra lá
 
Bullying - Atividade com caça- palavras
Bullying   - Atividade com  caça- palavrasBullying   - Atividade com  caça- palavras
Bullying - Atividade com caça- palavras
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Ciclo de vida do mosquito Aedes aegypti e cruzadinha
Ciclo de vida do mosquito Aedes aegypti  e cruzadinhaCiclo de vida do mosquito Aedes aegypti  e cruzadinha
Ciclo de vida do mosquito Aedes aegypti e cruzadinha
 
Mat - Casos prováveis de dengue (2023 - 2024)
Mat - Casos  prováveis de dengue (2023 - 2024)Mat - Casos  prováveis de dengue (2023 - 2024)
Mat - Casos prováveis de dengue (2023 - 2024)
 
Cruzadinha da dengue - Mosquito Aedes aegypti
Cruzadinha da dengue - Mosquito Aedes aegyptiCruzadinha da dengue - Mosquito Aedes aegypti
Cruzadinha da dengue - Mosquito Aedes aegypti
 
Poema sobre o mosquito Aedes aegipyti -
Poema sobre o mosquito Aedes aegipyti  -Poema sobre o mosquito Aedes aegipyti  -
Poema sobre o mosquito Aedes aegipyti -
 

Último

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptElifabio Sobreira Pereira
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 

Último (20)

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 

A Grécia Antiga

  • 1. Centro de Ensino Urbano Rocha Professora: Mary Alvarenga 1. Leia o texto, escrito pelo filósofo grego Aristóteles, que viveu entre 348 – 322 a.C., e responda às questões: [...] É indispensável, portanto, que a cidade seja organizada de maneira a dispor destes serviços; consequentemente ela deve possuir um número de agricultores suficiente para assegurar o suprimento dos alimentos, além de artífices, militares, homens ricos, sacerdotes e juízes para decidirem o que for necessário e conveniente. [...] Na cidade melhor constituída e, naquela dotada de homens absolutamente justos [...], os cidadãos não devem viver uma vida de trabalho trivial ou de negócios (estes tipos de vida são ignóbeis e incompatíveis com as qualidades morais); tampouco devem ser agricultores os aspirantes à cidadania, pois o lazer é indispensável ao desenvolvimento das qualidades morais e à prática das atividades políticas. [...] Aristóteles (século IV a.C.), citado por Teresa Van Acker Grécia. Avida cotidiana na cidade-Estado. São Paulo: Atual, 2003, p. 33. Adaptado a) De acordo com Aristóteles, como deveria ser uma cidade bem organizada? Para Aristóteles uma cidade bem organizada deveria dispor de vários serviços e de um número de agricultores suficiente para assegurar o suprimento dos alimentos, além de artífices, militares, homens ricos, sacerdotes e juízes. b) Que qualidade eram desejáveis a um cidadão em condições de atuar politicamente? O cidadão que atuasse politicamente deveria ser justo, ter qualidades morais e ser abstrato (de modo que não precisasse trabalhar e pudesse usufruir de tempo ocioso e lazer.) 2. Consulte o mapa ao lado para responder: o que motivou a expansão territorial promovida pelos gregos entre os séculos VIII a.C. e VII a. C. ?
  • 2. Os gregos precisaram se expandir porque em seu território as terras eram montanhosas e pouco férteis . Eles se espalharam a partir do século VIII a. C. por toda costa mediterrânea, ocupando várias ilhas, como se pode observar no mapa. 3. Leia o texto a seguir e responda as questões propostas:  Texto 1 Os ofícios que se chamam de artesanais [...] arruínam fisicamente os que a eles se dedicam e que a eles se ocupam, obrigando-os a viver sentados e a sombra, às vezes mesmo a passar o dia inteiro junto ao fogo. Os corpos ficando assim maltratados, as almas, por sua vez, tornam-se bem menos robustas. Além disso e sobretudo, os ofícios chamados artesanais não deixam a quem os pratica nenhum ócio para cultivarem os amigos e a cidade. Dessa forma, passam por maus amigos e medíocres defensores de sua pátria [...] (Xenofonte – Econômica)  Texto 2 [...] Sólon, que adaptava as leis às coisas, em lugar de adaptar as coisas, as leis, e via a pobreza natural do território, que somente oferecia uma subsistência medíocre aos cultivadores e era incapaz de alimentar uma multidão indolente e ociosa, exaltou os ofícios e levou o Areópago, a examinar de onde cada um tirava seus recursos e a punir os preguiçosos. (Plutarco – Vidas paralelas – Sólon) a) Por que o trabalho braçal era menosprezado na Grécia antiga? Porque acreditavam que essa atividade arruinava tanto o corpo como a alma, impedindo a vida social e o cultivo das amizades. b) Que razões Sólon alega para defender os “ofícios”? Que outras medidas esse legislador propôs em favor dos setores não aristocráticos da sociedade? Para defender os ofícios, Sólon destacou a pobreza reinante no território e a impossibilidade de o trabalho de poucos alimentar uma “multidão ociosa” Em favor dos setores não aristocráticos, ele propôs reformas de grande alcance social e politico, como a proibição da escravidão por dividas e a criação da assembleia popular e o conselho dos 400. 4. Considere a seguinte descrição de uma cidade grega: [...] Havia uma parte urbana, em geral protegida por muralhas, e dentro dela uma parte alta (acrópole) e outra baixa (asty). Na parte alta, estavam os templos e se reuniam os representantes de algumas instituições, como o conselho de anciãos. Na parte baixa existia uma praça, que servia para o comércio e para as reuniões dos cidadãos (Ágora), onde também estavam as casas. Fora das muralhas estavam o campo (khora) . Ali viviam os camponeses, agrupados em aldeias. Ambas as partes, urbanas e rural, constituíam a pólis, [...] a) Localize na planta baixa os espaços citados no texto A ágora, o Partenon e os templos de Zeus de Efesto, além dos campos fora dos muros da polis.
  • 3. b) Explique como a disposição dos espaços públicos e dos lugares de poderes na pólis grega relacionam politica com igreja. Na parte alta e mais protegida da cidade (acrópole) se concentravam os templos e as principais instituições politicas. 5. Segundo a Teogonia, de Hesíodo, Pandora era o nome da primeira mulher que existiu, criada por Zeus. Essa criação, entretanto, fora um castigo de Zeus aos homens, uma represália ao delito cometido por Prometeu, que havia roubado o segredo do fogo do Olimpo para que os mortais usufruíssem da sabedoria ate então exclusiva dos deuses. Pandora surgiu da terra, esculpida por Hefesto, um deus – artesão, que a dotou de rara beleza para encantar e perturbar os homens. a) Observe as imagens a seguir, extraídas da cerâmica grega clássica, e identifique a cena correspondente à criação de Pandora. Justifique sua escolha. O mito da Pandora é representado na cerâmica de número 1. Na cena uma figura feminina surge da terra; ao seu lado está Hefesto, que segura o instrumento com o qual a teria esculpido. b) Pesquise o mito de Pandora. O que essa narrativa mítica representa em relação ao lugar da mulher na sociedade grega antiga? A narrativa reforça o lugar subalterno da mulher na sociedade grega, uma vez que a primeira mulher foi criada como um castigo, uma tentação “carnal” que desafiava e se contrapunha à sabedoria cobiçada por Prometeu.
  • 4. A caixa de Pandora é um mito grego no qual a existência da mulher e dos vários males do mundo são explicados. Tudo começa quando Zeus, o deus de todos os deuses, resolveu arquitetar um plano para se voltar contra a ousadia de Prometeu – que entregara aos homens a capacidade de controlar o fogo. Para tanto, Zeus decide criar uma mulher repleta de dotes oferecidos pelos deuses e a oferece a Epimeteu, irmão de Prometeu. Antes disso, Prometeu recusou a jovem Pandora de Zeus temendo que ela fizesse parte de algum plano de vingança da divindade roubada. Ao aceitar Pandora, Epimeteu também ganhou uma caixa onde estavam contidos vários males físicos e espirituais que poderiam acometer o mundo. Desconhecedor do conteúdo, ele foi somente alertado de que aquela caixa não poderia ser aberta em nenhuma hipótese. Com isso, o artefato era mantido em segurança, no fundo de sua morada, cercado por duas gralhas barulhentas. Aproveitando de sua beleza, Pandora convenceu o marido a se livrar das gralhas que lhe causavam espanto. Após atender ao pedido da esposa, Epimeteu manteve relações com ela e caiu em um sono profundo. Nesse instante, não suportando a própria curiosidade, Pandora abriu a caixa proibida para espiar o seu conteúdo. Naquele momento, ela acabou libertando várias doenças e sentimentos que atormentariam a existência do Homem no mundo. Zeus assim concluía o seu plano de vingança contra Prometeu. Logo percebendo o erro que cometera, Pandora se apressou em fechar a caixa. Com isso, ela conseguiu preservar o único dom positivo que fora depositado naquele recipiente: a esperança. Dessa forma, o mito da Caixa de Pandora explica como o Homem é capaz de manter-se perseverante mesmo quando as situações se mostram bastante adversas. Além disso, esse mesmo mito explora a construção da identidade feminina como sendo marcada pela sensualidade e o poder de dissimulação.  BIBLIOGRAFIA CONSULTADA NAPOLITANO, Marcos. História para o Ensino Médio: vol.1/ Marcos Napolitano, Mariana Villaça - 1ª ed. - São Paulo: Saraiva, 2013. Boa Sorte!!!