SlideShare uma empresa Scribd logo
MITOLOGIA E
FILOSOFIA
A transição entre o pensamento
mítico e a filosofia no ocidente
O que são Mitos?
Mitos são histórias contadas de geração em geração, usadas para
explicar os fenômenos da natureza, as origens do mundo e do ser
humano, a origem dos males, entre outros temas.
Os mitos explicavam fatos que a ciência ainda não havia explicado,
de maneira simbólica e fantasiosa, comentando sobre personagens
sobrenaturais, deuses e heróis. Eles constituem uma forma de
conhecimento não racional sobre o mundo e os seres.
Tentativa de responder questões
Os mitos tentavam responder questões que as pessoas tinham
sobre a natureza, tais como:
● Por que existe o dia e a noite?
● O que causa um trovão?
● Por que chove?
Para explicar os fenômenos da natureza, a origem do mundo e dos
seres humanos os gregos antigos criaram mitos, bem antes do
surgimento da filosofia, por volta do Período Arcaico (800-500 a.C.).
Ordenar a experiência de mundo
Os mitos contavam histórias de deuses e semideuses de outros
tempos, misturando sabedoria e procedimentos práticos da vida.
Orientavam a vida das pessoas e promoviam uma maneira de
compreender o mundo.
As crenças que transmitidas ajudavam a comunidade a criar uma
base de compreensão da realidade. Parece difícil para a maioria
das pessoas conceber um mundo sem ordens e caótico, sem
causas ou explicações. O papel dos mitos era dar essas respostas.
Mitologia Grega
● Heróis: filhos de deuses com seres humanos.
● Ninfas: seres femininos que habitavam os campos e bosques.
● Sátiros: figura com corpo de homem, chifres e patas de bode.
● Centauros: corpo com uma metade de homem e outra de cavalo.
● Sereias: mulheres com metade do corpo de peixe.
● Górgonas: mulheres como monstros, com cabelos de serpentes.
● Quimera: mistura de leão e cabra que soltava fogo pelas ventas.
● Zeus: deus de todos os deuses, senhor do Céu.
● Afrodite: deusa do amor, sexo e beleza.
● Poseidon: deus dos mares
● Hades: deus das almas dos mortos, dos cemitérios e subterrâneo.
● Hera: deusa dos casamentos e da maternidade.
● Apolo: deus da luz e das obras de artes.
● Ártemis: deusa da caça e da vida selvagem.
● Ares: divindade da guerra.
● Atena: deusa da sabedoria e da serenidade, protetora de Atenas.
● Cronos: deus da agricultura que também simbolizava o tempo.
● Hermes: mensageiro dos deuses (comércio e das comunicações).
● Hefesto: divindade do fogo e do trabalho.
Alguns Deuses da Mitologia Grega
Alguns Mitos...
Medusa
A Medusa é uma figura da mitologia da Grécia Antiga, representada
por uma mulher com serpentes na cabeça. As lendas contavam que
ela tinha o poder de transformar em estátuas de pedra as pessoas
que olhassem diretamente em seus olhos.
Era uma das três irmãs górgonas, filha divindades marinhas. Foi
transformada em monstro pela deusa Atena. Na Grécia Antiga, as
pessoas tinham muito medo da Medusa. De acordo com a
mitologia, ela habitava o extremo ocidente da Grécia, em
companhia de suas irmãs.
Pandora
Os deuses criaram uma mulher encantadora, Pandora, e a ela foi
entregue uma caixa que conteria coisas maravilhosas, mas que
nunca deveria ser aberta.
Pandora foi enviada aos humanos e, cheia de curiosidade decidiu
abrir a caixa. Dela saíram todas as desgraças, doenças, pestes,
guerras e, sobretudo, a morte. Com esse mito, explica-se, a origem
dos males do mundo.
Questionamentos sobre os Mitos
No séc. VI a.C. a Grécia viveu um período de muito movimento por
meio do comércio, o contato com outros povos possibilitou maior
conhecimento, e a produção artística era muito ativa.
Haviam os jogos olímpicos, o uso da linguagem, a moeda como
meio de troca e a tecnologia (de arquitetura e militar), gerando uma
nova tentativa de responder os questionamentos sobre o mundo,
não se contentando mais com as explicações mitológicas,
buscando respostas fora dos mitos, diretamente na natureza.
Condições para o
surgimento da
Filosofia
Viagens Marítimas
Permitiram aos povos descobrir que os locais que a mitologia dizia
ser habitados por deuses, titãs e heróis eram, na verdade,
habitados por outros seres humanos. As regiões dos mares que os
mitos diziam ser habitadas por monstros e seres fabulosos não
haviam nada de monstros ou seres fabulosos.
As viagens possibilitaram o desencantamento e a desmitificação do
mundo, passando assim a buscar novas explicações que os mitos já
não poderiam mais fornecer.
A Invenção do Calendário
O uso do calendário corresponde a uma forma de calcular e
entender o tempo segundo algumas regularidades, como: as
estações do ano, as horas do dia, os fatos importantes que se
repetem, revelando uma nova capacidade de abstração,
possibilitando uma percepção do tempo como algo natural e não
como um poder divino incompreensível.
A Invenção da Moeda
A invenção da moeda possibilitou uma nova forma de troca, que
não se realizava mais por meio das coisas e dos objetos concretos,
que antes eram trocados por semelhança, mas uma troca abstrata,
feita pelo cálculo do valor semelhante das coisas diferentes,
revelando, portanto, uma nova capacidade de abstração e de
generalização.
Vida Urbana
O desenvolvimento do comércio e do artesanato, por meio de
novas técnicas de fabricação e de troca, diminuiu o prestígio e o
valor das famílias da aristocracia proprietária de terras, por quem os
mitos eram difundidos, e possivelmente até criados, gerando novos
questionamentos.
Invenção da Escrita Alfabética
O uso da escrita alfabética revela o aumento da capacidade de
abstração e de generalização, uma vez que a escrita alfabética ou
fonética, diferentemente de outras escritas — como, por exemplo,
os hieróglifos dos egípcios ou os ideogramas dos chineses — supõe
que não se represente uma imagem da coisa tal como está sendo
dita, mas a ideia dela, o que dela se pensa e se transcreve.
Invenção da Política
A ideia da lei como expressão da vontade de uma coletividade
humana, que decide por si mesma o que é melhor para todos,
definindo suas relações internas, juntamente com o surgimento de
um espaço público, faz aparecer um novo tipo de palavra ou de
discurso, diferente daquele que era proferido pelo mito.
O direito de cada cidadão de emitir em público sua opinião,
discuti-la com os outros, como decisão racional e exposição dos
motivos ou das razões para fazer ou não fazer alguma coisa.
Indagações sobre o Mundo
O surgimento da Filosofia foi associado a um novo modo de
pensamento, a uma nova maneira do ser humano indagar-se sobre
o mundo e buscar novas respostas para antigas perguntas.
A partir do século V a.C., os gregos viveram experiências que
modificaram suas formas de vida. A cidade passou a ser constituída
da união de seus membros e os dos sentimentos que aproximavam
os cidadãos entre si, como resultado de uma vida coletiva.
O surgimento da filosofia como forma de pensamento é fruto do
espanto e da admiração. Aquilo que “todo mundo” considera
normal foi colocado em questão e em dúvida, as verdades
tradicionais passaram a ser questionadas. A filosofia não aceita
passivamente as imposições do mundo sem antes investigá-las e
refletir sobre elas.
Surgimento da Filosofia
"Foi por conta do espanto
e do assombro
que os homens começaram
a filosofar e,
pelo mesmo motivo,
filosofam até hoje."
(Aristóteles)
Questões da Filosofia
Os mitos tentavam responder questões fundamentais para o
homem, como a origem e o fim de todas as coisas, a condição do
homem e as suas relações com a natureza, com o outro e com o
mundo, o sentido de existir. Esses continuaram sendo os problemas
e questões da filosofia no decorrer de sua história, porém de
maneira racional e empírica, sem aceitar respostas prontas como
verdades, como por exemplo, “os meninos de rua são pobres
porque são”, ou “os políticos são corruptos porque é assim”.
Filosofia como questionamento
A filosofia questiona o motivo da pobreza, da corrupção e dos
modos de ser, para a possibilidade de mudar o rumo da história,
criando meios de convivência mais respeitosa e digna para todos.
Por isso, é importante que cada indivíduo assuma uma atitude
filosófica, se coloque a refletir sobre o que envolve sua existência,
não apenas para dar respostas ou explicações, mas para rever o
que foi aprendido.
Origem do termo “Filosofia”
A palavra filosofia tem origem grega. O termo “philos” significa
amizade e “sophia”, sabedoria. Sendo então, a “amizade pela
sabedoria”, o desejo de estar próximo do saber, do conhecimento
verdadeiro.
Repare que a filosofia não é o “saber em si”, mas o desejo de se
aproximar dele, isso demonstra uma postura um tanto humilde do
filósofo, que não detém a verdade, mas busca saber.
Filosofia é o ato de refletir, a investigação curiosa para descobrir.
“A verdadeira filosofia é
reaprender a ver o mundo.”
(Merleau-Ponty)
por Bruno Carrasco
Psicoterapeuta existencial e professor, graduado em Psicologia,
licenciado em Filosofia e Pedagogia, pós-graduado em Ensino de
Filosofia e especializado em Psicoterapia Fenomenológico-Existencial.
Em seu trabalho valoriza de cada pessoa em seu modo de ser singular,
colaborando para lidar com suas dificuldades e ampliar suas
possibilidades de escolha perante a vida.
www.brunopsicoterapeuta.tk
www.fb.com/brunopsicoterapeuta
ex-isto
Espaço online destinado ao estudo e pesquisa sobre o
existencialismo e sua relação com a psicologia, filosofia,
psicoterapia, fenomenologia, literatura e artes, iniciado em 2016.
Compartilha conteúdos para compreensão dos temas existenciais,
por meio de uma linguagem acessível, possibilitando reflexões
sobre a existência humana, suas possibilidades e potencialidades.
www.ex-isto.site
www.fb.com/existosendo
ex-isto
www.ex-isto.site
www.fb.com/existosendo
www.youtube.com/existo
2019

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Do mito ao logos
Do mito ao logosDo mito ao logos
Do mito ao logos
João Paulo Rodrigues
 
Passagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofiaPassagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofia
Pedro Almeida
 
Aula revisão - Filosofia
Aula revisão - FilosofiaAula revisão - Filosofia
Aula revisão - Filosofia
erickxk
 
Filosofia Medieval
Filosofia MedievalFilosofia Medieval
Filosofia Medieval
Fernando Augusto
 
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Elizeu Nascimento Silva
 
Filosofia medieval e cristianismo
Filosofia medieval e cristianismoFilosofia medieval e cristianismo
Filosofia medieval e cristianismo
Keiler Vasconcelos
 
Filosofia analitica
Filosofia analiticaFilosofia analitica
Filosofia analitica
Vanessa Nogueira
 
Filósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticosFilósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticos
Juliana Corvino de Araújo
 
Aula O nascimento da filosofia 2015
Aula  O nascimento da filosofia 2015Aula  O nascimento da filosofia 2015
Aula O nascimento da filosofia 2015
Andreia Regina Moura Mendes
 
Patristica e escolastica
Patristica e escolasticaPatristica e escolastica
Patristica e escolastica
Over Lane
 
Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científica
cattonia
 
Filosofia Renascentista
Filosofia  RenascentistaFilosofia  Renascentista
Filosofia Renascentista
Juliana Corvino de Araújo
 
História da filosofia antiga
História da filosofia antigaHistória da filosofia antiga
História da filosofia antiga
rafaforte
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
Luci Bonini
 
A DEMOCRACIA GREGA
A DEMOCRACIA GREGAA DEMOCRACIA GREGA
A DEMOCRACIA GREGA
Isabel Aguiar
 
Renascimento - Filosofia
Renascimento - FilosofiaRenascimento - Filosofia
Renascimento - Filosofia
Carson Souza
 
Filósofos Iluministas
Filósofos IluministasFilósofos Iluministas
Filósofos Iluministas
EuniceCarmo
 
Política antiga e medieval aula - 3º ano
Política antiga e medieval   aula  - 3º anoPolítica antiga e medieval   aula  - 3º ano
Política antiga e medieval aula - 3º ano
José Antonio Ferreira da Silva
 
Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
Juliana Corvino de Araújo
 
A Ética Através dos Séculos
A Ética Através dos SéculosA Ética Através dos Séculos
A Ética Através dos Séculos
Mauro de Oliveira
 

Mais procurados (20)

Do mito ao logos
Do mito ao logosDo mito ao logos
Do mito ao logos
 
Passagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofiaPassagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofia
 
Aula revisão - Filosofia
Aula revisão - FilosofiaAula revisão - Filosofia
Aula revisão - Filosofia
 
Filosofia Medieval
Filosofia MedievalFilosofia Medieval
Filosofia Medieval
 
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
 
Filosofia medieval e cristianismo
Filosofia medieval e cristianismoFilosofia medieval e cristianismo
Filosofia medieval e cristianismo
 
Filosofia analitica
Filosofia analiticaFilosofia analitica
Filosofia analitica
 
Filósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticosFilósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticos
 
Aula O nascimento da filosofia 2015
Aula  O nascimento da filosofia 2015Aula  O nascimento da filosofia 2015
Aula O nascimento da filosofia 2015
 
Patristica e escolastica
Patristica e escolasticaPatristica e escolastica
Patristica e escolastica
 
Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científica
 
Filosofia Renascentista
Filosofia  RenascentistaFilosofia  Renascentista
Filosofia Renascentista
 
História da filosofia antiga
História da filosofia antigaHistória da filosofia antiga
História da filosofia antiga
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
A DEMOCRACIA GREGA
A DEMOCRACIA GREGAA DEMOCRACIA GREGA
A DEMOCRACIA GREGA
 
Renascimento - Filosofia
Renascimento - FilosofiaRenascimento - Filosofia
Renascimento - Filosofia
 
Filósofos Iluministas
Filósofos IluministasFilósofos Iluministas
Filósofos Iluministas
 
Política antiga e medieval aula - 3º ano
Política antiga e medieval   aula  - 3º anoPolítica antiga e medieval   aula  - 3º ano
Política antiga e medieval aula - 3º ano
 
Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
 
A Ética Através dos Séculos
A Ética Através dos SéculosA Ética Através dos Séculos
A Ética Através dos Séculos
 

Semelhante a Mitologia e Filosofia

Mitologia e Filosofia - diferenças
Mitologia e Filosofia - diferençasMitologia e Filosofia - diferenças
Mitologia e Filosofia - diferenças
Bruno Carrasco
 
Mito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptxMito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptx
WelisClemente1
 
2a. apostila-de-filosofia
2a. apostila-de-filosofia2a. apostila-de-filosofia
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
Ricardogomes123
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
Ricardogomes123
 
Antropologia modificado
Antropologia modificadoAntropologia modificado
Antropologia modificado
Cleberson Alves
 
Antropologia modificado
Antropologia modificadoAntropologia modificado
Antropologia modificado
Cleberson Alves
 
Antropologia
Antropologia Antropologia
Antropologia
Cleberson Alves
 
PASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdf
PASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdfPASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdf
PASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdf
MARCELACARNEIROGOMES
 
Origem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofiaOrigem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofia
Colégio Tiradentes III
 
A origem e o nascimento da Filosofia e.pptx
A origem e o nascimento da Filosofia e.pptxA origem e o nascimento da Filosofia e.pptx
A origem e o nascimento da Filosofia e.pptx
LaryssaMendes17
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
biel Anchietta
 
A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.
PatriciaKarla
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Filosofia e Matrix: Temet Nosce
Filosofia e Matrix: Temet NosceFilosofia e Matrix: Temet Nosce
Filosofia e Matrix: Temet Nosce
Polyanna Camelo
 
FILOSOFIA ORIGENS E TEMAS resumo das principais ideias
FILOSOFIA ORIGENS E TEMAS resumo das principais ideiasFILOSOFIA ORIGENS E TEMAS resumo das principais ideias
FILOSOFIA ORIGENS E TEMAS resumo das principais ideias
ThaisRibeiro971223
 
Mito e-razão
Mito e-razãoMito e-razão
Mito e-razão
Márcia Quirino
 
Professora Vanúcia Moreira - O Surgimento da filosofia
Professora Vanúcia Moreira - O Surgimento da filosofiaProfessora Vanúcia Moreira - O Surgimento da filosofia
Professora Vanúcia Moreira - O Surgimento da filosofia
Vanúcia Moreira
 
Filosofos
FilosofosFilosofos
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docxA ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
Alynne Souto
 

Semelhante a Mitologia e Filosofia (20)

Mitologia e Filosofia - diferenças
Mitologia e Filosofia - diferençasMitologia e Filosofia - diferenças
Mitologia e Filosofia - diferenças
 
Mito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptxMito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptx
 
2a. apostila-de-filosofia
2a. apostila-de-filosofia2a. apostila-de-filosofia
2a. apostila-de-filosofia
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 
Antropologia modificado
Antropologia modificadoAntropologia modificado
Antropologia modificado
 
Antropologia modificado
Antropologia modificadoAntropologia modificado
Antropologia modificado
 
Antropologia
Antropologia Antropologia
Antropologia
 
PASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdf
PASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdfPASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdf
PASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdf
 
Origem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofiaOrigem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofia
 
A origem e o nascimento da Filosofia e.pptx
A origem e o nascimento da Filosofia e.pptxA origem e o nascimento da Filosofia e.pptx
A origem e o nascimento da Filosofia e.pptx
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 
A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Filosofia e Matrix: Temet Nosce
Filosofia e Matrix: Temet NosceFilosofia e Matrix: Temet Nosce
Filosofia e Matrix: Temet Nosce
 
FILOSOFIA ORIGENS E TEMAS resumo das principais ideias
FILOSOFIA ORIGENS E TEMAS resumo das principais ideiasFILOSOFIA ORIGENS E TEMAS resumo das principais ideias
FILOSOFIA ORIGENS E TEMAS resumo das principais ideias
 
Mito e-razão
Mito e-razãoMito e-razão
Mito e-razão
 
Professora Vanúcia Moreira - O Surgimento da filosofia
Professora Vanúcia Moreira - O Surgimento da filosofiaProfessora Vanúcia Moreira - O Surgimento da filosofia
Professora Vanúcia Moreira - O Surgimento da filosofia
 
Filosofos
FilosofosFilosofos
Filosofos
 
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docxA ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
 

Último

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 

Último (20)

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 

Mitologia e Filosofia

  • 1. MITOLOGIA E FILOSOFIA A transição entre o pensamento mítico e a filosofia no ocidente
  • 2. O que são Mitos? Mitos são histórias contadas de geração em geração, usadas para explicar os fenômenos da natureza, as origens do mundo e do ser humano, a origem dos males, entre outros temas. Os mitos explicavam fatos que a ciência ainda não havia explicado, de maneira simbólica e fantasiosa, comentando sobre personagens sobrenaturais, deuses e heróis. Eles constituem uma forma de conhecimento não racional sobre o mundo e os seres.
  • 3. Tentativa de responder questões Os mitos tentavam responder questões que as pessoas tinham sobre a natureza, tais como: ● Por que existe o dia e a noite? ● O que causa um trovão? ● Por que chove? Para explicar os fenômenos da natureza, a origem do mundo e dos seres humanos os gregos antigos criaram mitos, bem antes do surgimento da filosofia, por volta do Período Arcaico (800-500 a.C.).
  • 4. Ordenar a experiência de mundo Os mitos contavam histórias de deuses e semideuses de outros tempos, misturando sabedoria e procedimentos práticos da vida. Orientavam a vida das pessoas e promoviam uma maneira de compreender o mundo. As crenças que transmitidas ajudavam a comunidade a criar uma base de compreensão da realidade. Parece difícil para a maioria das pessoas conceber um mundo sem ordens e caótico, sem causas ou explicações. O papel dos mitos era dar essas respostas.
  • 5. Mitologia Grega ● Heróis: filhos de deuses com seres humanos. ● Ninfas: seres femininos que habitavam os campos e bosques. ● Sátiros: figura com corpo de homem, chifres e patas de bode. ● Centauros: corpo com uma metade de homem e outra de cavalo. ● Sereias: mulheres com metade do corpo de peixe. ● Górgonas: mulheres como monstros, com cabelos de serpentes. ● Quimera: mistura de leão e cabra que soltava fogo pelas ventas.
  • 6. ● Zeus: deus de todos os deuses, senhor do Céu. ● Afrodite: deusa do amor, sexo e beleza. ● Poseidon: deus dos mares ● Hades: deus das almas dos mortos, dos cemitérios e subterrâneo. ● Hera: deusa dos casamentos e da maternidade. ● Apolo: deus da luz e das obras de artes. ● Ártemis: deusa da caça e da vida selvagem. ● Ares: divindade da guerra. ● Atena: deusa da sabedoria e da serenidade, protetora de Atenas. ● Cronos: deus da agricultura que também simbolizava o tempo. ● Hermes: mensageiro dos deuses (comércio e das comunicações). ● Hefesto: divindade do fogo e do trabalho. Alguns Deuses da Mitologia Grega
  • 8. Medusa A Medusa é uma figura da mitologia da Grécia Antiga, representada por uma mulher com serpentes na cabeça. As lendas contavam que ela tinha o poder de transformar em estátuas de pedra as pessoas que olhassem diretamente em seus olhos. Era uma das três irmãs górgonas, filha divindades marinhas. Foi transformada em monstro pela deusa Atena. Na Grécia Antiga, as pessoas tinham muito medo da Medusa. De acordo com a mitologia, ela habitava o extremo ocidente da Grécia, em companhia de suas irmãs.
  • 9.
  • 10. Pandora Os deuses criaram uma mulher encantadora, Pandora, e a ela foi entregue uma caixa que conteria coisas maravilhosas, mas que nunca deveria ser aberta. Pandora foi enviada aos humanos e, cheia de curiosidade decidiu abrir a caixa. Dela saíram todas as desgraças, doenças, pestes, guerras e, sobretudo, a morte. Com esse mito, explica-se, a origem dos males do mundo.
  • 11.
  • 12. Questionamentos sobre os Mitos No séc. VI a.C. a Grécia viveu um período de muito movimento por meio do comércio, o contato com outros povos possibilitou maior conhecimento, e a produção artística era muito ativa. Haviam os jogos olímpicos, o uso da linguagem, a moeda como meio de troca e a tecnologia (de arquitetura e militar), gerando uma nova tentativa de responder os questionamentos sobre o mundo, não se contentando mais com as explicações mitológicas, buscando respostas fora dos mitos, diretamente na natureza.
  • 14. Viagens Marítimas Permitiram aos povos descobrir que os locais que a mitologia dizia ser habitados por deuses, titãs e heróis eram, na verdade, habitados por outros seres humanos. As regiões dos mares que os mitos diziam ser habitadas por monstros e seres fabulosos não haviam nada de monstros ou seres fabulosos. As viagens possibilitaram o desencantamento e a desmitificação do mundo, passando assim a buscar novas explicações que os mitos já não poderiam mais fornecer.
  • 15.
  • 16. A Invenção do Calendário O uso do calendário corresponde a uma forma de calcular e entender o tempo segundo algumas regularidades, como: as estações do ano, as horas do dia, os fatos importantes que se repetem, revelando uma nova capacidade de abstração, possibilitando uma percepção do tempo como algo natural e não como um poder divino incompreensível.
  • 17.
  • 18. A Invenção da Moeda A invenção da moeda possibilitou uma nova forma de troca, que não se realizava mais por meio das coisas e dos objetos concretos, que antes eram trocados por semelhança, mas uma troca abstrata, feita pelo cálculo do valor semelhante das coisas diferentes, revelando, portanto, uma nova capacidade de abstração e de generalização.
  • 19.
  • 20. Vida Urbana O desenvolvimento do comércio e do artesanato, por meio de novas técnicas de fabricação e de troca, diminuiu o prestígio e o valor das famílias da aristocracia proprietária de terras, por quem os mitos eram difundidos, e possivelmente até criados, gerando novos questionamentos.
  • 21.
  • 22. Invenção da Escrita Alfabética O uso da escrita alfabética revela o aumento da capacidade de abstração e de generalização, uma vez que a escrita alfabética ou fonética, diferentemente de outras escritas — como, por exemplo, os hieróglifos dos egípcios ou os ideogramas dos chineses — supõe que não se represente uma imagem da coisa tal como está sendo dita, mas a ideia dela, o que dela se pensa e se transcreve.
  • 23.
  • 24. Invenção da Política A ideia da lei como expressão da vontade de uma coletividade humana, que decide por si mesma o que é melhor para todos, definindo suas relações internas, juntamente com o surgimento de um espaço público, faz aparecer um novo tipo de palavra ou de discurso, diferente daquele que era proferido pelo mito. O direito de cada cidadão de emitir em público sua opinião, discuti-la com os outros, como decisão racional e exposição dos motivos ou das razões para fazer ou não fazer alguma coisa.
  • 25.
  • 26. Indagações sobre o Mundo O surgimento da Filosofia foi associado a um novo modo de pensamento, a uma nova maneira do ser humano indagar-se sobre o mundo e buscar novas respostas para antigas perguntas. A partir do século V a.C., os gregos viveram experiências que modificaram suas formas de vida. A cidade passou a ser constituída da união de seus membros e os dos sentimentos que aproximavam os cidadãos entre si, como resultado de uma vida coletiva.
  • 27. O surgimento da filosofia como forma de pensamento é fruto do espanto e da admiração. Aquilo que “todo mundo” considera normal foi colocado em questão e em dúvida, as verdades tradicionais passaram a ser questionadas. A filosofia não aceita passivamente as imposições do mundo sem antes investigá-las e refletir sobre elas. Surgimento da Filosofia
  • 28. "Foi por conta do espanto e do assombro que os homens começaram a filosofar e, pelo mesmo motivo, filosofam até hoje." (Aristóteles)
  • 29. Questões da Filosofia Os mitos tentavam responder questões fundamentais para o homem, como a origem e o fim de todas as coisas, a condição do homem e as suas relações com a natureza, com o outro e com o mundo, o sentido de existir. Esses continuaram sendo os problemas e questões da filosofia no decorrer de sua história, porém de maneira racional e empírica, sem aceitar respostas prontas como verdades, como por exemplo, “os meninos de rua são pobres porque são”, ou “os políticos são corruptos porque é assim”.
  • 30. Filosofia como questionamento A filosofia questiona o motivo da pobreza, da corrupção e dos modos de ser, para a possibilidade de mudar o rumo da história, criando meios de convivência mais respeitosa e digna para todos. Por isso, é importante que cada indivíduo assuma uma atitude filosófica, se coloque a refletir sobre o que envolve sua existência, não apenas para dar respostas ou explicações, mas para rever o que foi aprendido.
  • 31. Origem do termo “Filosofia” A palavra filosofia tem origem grega. O termo “philos” significa amizade e “sophia”, sabedoria. Sendo então, a “amizade pela sabedoria”, o desejo de estar próximo do saber, do conhecimento verdadeiro. Repare que a filosofia não é o “saber em si”, mas o desejo de se aproximar dele, isso demonstra uma postura um tanto humilde do filósofo, que não detém a verdade, mas busca saber. Filosofia é o ato de refletir, a investigação curiosa para descobrir.
  • 32. “A verdadeira filosofia é reaprender a ver o mundo.” (Merleau-Ponty)
  • 33. por Bruno Carrasco Psicoterapeuta existencial e professor, graduado em Psicologia, licenciado em Filosofia e Pedagogia, pós-graduado em Ensino de Filosofia e especializado em Psicoterapia Fenomenológico-Existencial. Em seu trabalho valoriza de cada pessoa em seu modo de ser singular, colaborando para lidar com suas dificuldades e ampliar suas possibilidades de escolha perante a vida. www.brunopsicoterapeuta.tk www.fb.com/brunopsicoterapeuta
  • 34. ex-isto Espaço online destinado ao estudo e pesquisa sobre o existencialismo e sua relação com a psicologia, filosofia, psicoterapia, fenomenologia, literatura e artes, iniciado em 2016. Compartilha conteúdos para compreensão dos temas existenciais, por meio de uma linguagem acessível, possibilitando reflexões sobre a existência humana, suas possibilidades e potencialidades. www.ex-isto.site www.fb.com/existosendo