SlideShare uma empresa Scribd logo
7ª Ano-Atividade de revisão: UNIDADE 3 TEMAS 1 E 2 (Pag. 68 a 73)
1) A partir do século X foram desenvolvidas na Europa Medieval novas técnicas agrícolas.
Faça um comentário sobre cada uma abaixo:
a) criação de charrua. 2
Tipo de arado que utiliza relhas de ferro no lugar de relhas de madeira.
b) rotação trienal de culturas. 2
Consistia em alternar cultivos de culturas diferentes de modo que o solo tivesse descanso
evitando seus esgotamentos.
c) nova forma de atrelar os animais. 3
O atrelamento dos equipamentos agrícolas aos animais passou a ser feito pelo peito e não
mais pelo pescoço, isso aumentava a força de tração.
2) Monte abaixo o esquema de funcionamento da Rotação Trienal de Culturas?
3) O que proporcionou o excedente agrícola na Europa? 5
A criação da charrua; o desenvolvimento da rotação trienal de culturas; uma nova forma de
atrelar animais, redução das guerras feudais e o fim das invasões externas.
4) Quais as atividades econômicas desenvolvidas pelos burgueses? 4
Os burgueses dedicavam-se à produção de artigos nas oficinas artesanais, à atividade
comercial e aos empréstimos de dinheiro a juros.
5) O que entendemos por produtividade? 2
Capacidade de obter a máxima produção no menor tempo e com os menores custos.
6) Quais os seguimentos sociais que habitavam as cidades? 4
Os trabalhadores das oficinas artesanais e os pequenos comerciantes formavam a
grande maioria da população das cidades. Abaixo uma população heterogênea que não
tinha trabalho fixo.
7) Quem eram os mestres de ofício?
Eram os donos das oficinas e de todos os instrumentos de trabalho. Eles formavam a
camada mais privilegiada do sistema artesanal.
8) Qual função dos aprendizes? 3
Eram jovens livres que dependiam do mestre para trabalhar e aprender o ofício. Tinham
em media 12 anos e não recebiam salário.
9) Em que trabalhavam os jornaleiros? 3
Eram trabalhadores especializados que exerciam uma atividade por jornada, recebendo
uma remuneração correspondente.
10) O que foram as “corporações de ofício”? 3
Eram associações que controlava a qualidade e o preço dos produtos e protegia os
artesãos da concorrência.
11) Qual a região que se destacou como feira e com quem comercializava? 3
Champagne na França, localizada entre duas grandes áreas de comércio internacional: o
norte da Península Itálica e a região da Flandres.
12) O que ocasionou o declínio das grandes feiras? 3
As cidades se desenvolviam e a atividade comercial se expandia, criaram-se nos centros
urbanos estruturas mercantis permanentes.
13) Explique o que eram as “letras de câmbio”? 3
Um tipo de ordem de pagamento em que os comerciantes podiam viajar sem ter que
levar grandes quantidades de dinheiro.
14) O que ocasionou o surgimento das Cruzadas? 3
Em 1076, Jerusalém cidade sagrada dos cristãos, foi tomada pelos turcos muçulmanos.
Assim o papa Urbano II convocou os cristãos para reconquistar Jerusalém.
15) Por que o nome Cruzada recebeu essa denominação? 3
Por causa da vestimenta dos cristãos, que costuravam cruzes em sua roupa.
16) O que levaram os comerciantes a participarem das Cruzadas? 4
Comerciantes das cidades de Gênova e Veneza monopolizavam as atividades comerciais
no Mar Mediterrâneo, também pretendiam controlar os portos do Oriente.
17) O que almejavam os nobres ao participarem das Cruzadas? 3
Os nobres buscavam riquezas e terras no Oriente, uma vez que o aumento populacional
deixou muitos deles sem terras.
18) De que maneira as Cruzadas contribuiu para o enfraquecimento do Sistema
feudal? 3
Os senhores endividaram-se para montar seus exércitos e muitos servos que
participaram das Cruzadas com seus senhores não retornaram.
19) Qual a importância das Cruzadas para o comércio? 3
Aumentou o comércio entre o Oriente e o Ocidente, principalmente pelos portos de
Gênova e Veneza, usados pelos cruzados para embarcar para o Oriente.
20) Descreva o cotidiano das Cruzadas? 3
Não foram apenas clérigos, peregrinos, comerciantes e cavaleiros que participaram das
Cruzadas. Crianças, doentes, mulheres e aventureiros seguiam as expedições.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 - A crise do feudalismo
Aula 2 -  A crise do feudalismoAula 2 -  A crise do feudalismo
Aula 2 - A crise do feudalismo
profnelton
 
Feudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade MédiaFeudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade Média
Edenilson Morais
 
Mudanças no Feudalismo
Mudanças no FeudalismoMudanças no Feudalismo
Mudanças no Feudalismo
Dalton Lopes Reis Jr.
 
Baixa idade media 7º anos
Baixa idade media   7º anosBaixa idade media   7º anos
Baixa idade media 7º anos
Íris Ferreira
 
Aula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade médiaAula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade média
De Janks
 
Mudanças na europa
Mudanças na europaMudanças na europa
Mudanças na europa
Alcidon Cunha
 
O renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbanoO renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbano
Nelia Salles Nantes
 
A baixa idade média
A baixa idade médiaA baixa idade média
A baixa idade média
Deborah Borges
 
Feudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade MédiaFeudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade Média
Valeria Kosicki
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
profcacocardozo
 
Aula 7 mudanças na europa séc. xiv e xv
Aula 7   mudanças na europa séc. xiv e xvAula 7   mudanças na europa séc. xiv e xv
Aula 7 mudanças na europa séc. xiv e xv
Dalton Lopes Reis Jr.
 
A Crise do Feudalismo
A Crise do FeudalismoA Crise do Feudalismo
A Crise do Feudalismo
secretaria estadual de educação
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Médiawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
Annalu Jannuzzi
 
Slide cruzadas
Slide cruzadasSlide cruzadas
Slide cruzadas
Isabel Aguiar
 
Idade média baixa idade média (séc. xi-xv)
Idade média   baixa idade média (séc. xi-xv)Idade média   baixa idade média (séc. xi-xv)
Idade média baixa idade média (séc. xi-xv)
Privada
 
Mudança na europa feudal
Mudança na europa feudalMudança na europa feudal
Mudança na europa feudal
PROFºWILTONREIS
 
Séculos finais da idade média
Séculos finais da idade médiaSéculos finais da idade média
Séculos finais da idade média
Marilia Pimentel
 
Feudalimo baixaidademedia2
Feudalimo baixaidademedia2Feudalimo baixaidademedia2
Feudalimo baixaidademedia2
Eduardo Gomes
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
profcacocardozo
 
Baixa Idade Media - Prof Iair
Baixa Idade Media - Prof IairBaixa Idade Media - Prof Iair
Baixa Idade Media - Prof Iair
Tricia Carnevale
 

Mais procurados (20)

Aula 2 - A crise do feudalismo
Aula 2 -  A crise do feudalismoAula 2 -  A crise do feudalismo
Aula 2 - A crise do feudalismo
 
Feudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade MédiaFeudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade Média
 
Mudanças no Feudalismo
Mudanças no FeudalismoMudanças no Feudalismo
Mudanças no Feudalismo
 
Baixa idade media 7º anos
Baixa idade media   7º anosBaixa idade media   7º anos
Baixa idade media 7º anos
 
Aula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade médiaAula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade média
 
Mudanças na europa
Mudanças na europaMudanças na europa
Mudanças na europa
 
O renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbanoO renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbano
 
A baixa idade média
A baixa idade médiaA baixa idade média
A baixa idade média
 
Feudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade MédiaFeudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade Média
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Aula 7 mudanças na europa séc. xiv e xv
Aula 7   mudanças na europa séc. xiv e xvAula 7   mudanças na europa séc. xiv e xv
Aula 7 mudanças na europa séc. xiv e xv
 
A Crise do Feudalismo
A Crise do FeudalismoA Crise do Feudalismo
A Crise do Feudalismo
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Médiawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
 
Slide cruzadas
Slide cruzadasSlide cruzadas
Slide cruzadas
 
Idade média baixa idade média (séc. xi-xv)
Idade média   baixa idade média (séc. xi-xv)Idade média   baixa idade média (séc. xi-xv)
Idade média baixa idade média (séc. xi-xv)
 
Mudança na europa feudal
Mudança na europa feudalMudança na europa feudal
Mudança na europa feudal
 
Séculos finais da idade média
Séculos finais da idade médiaSéculos finais da idade média
Séculos finais da idade média
 
Feudalimo baixaidademedia2
Feudalimo baixaidademedia2Feudalimo baixaidademedia2
Feudalimo baixaidademedia2
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Baixa Idade Media - Prof Iair
Baixa Idade Media - Prof IairBaixa Idade Media - Prof Iair
Baixa Idade Media - Prof Iair
 

Destaque

Aula 6 (slides) primeira revolução agrícola moderna
Aula 6 (slides)   primeira revolução agrícola modernaAula 6 (slides)   primeira revolução agrícola moderna
Aula 6 (slides) primeira revolução agrícola moderna
Larissa Santos
 
Saber e fazer 7º ano aluno
Saber e fazer 7º ano   alunoSaber e fazer 7º ano   aluno
Saber e fazer 7º ano aluno
Caroline Barbosa
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
Isabel Aguiar
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
Isabel Aguiar
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO I
Isabel Aguiar
 
Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blog
Isabel Aguiar
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIX
Isabel Aguiar
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
Isabel Aguiar
 
Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro
Isabel Aguiar
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889
Isabel Aguiar
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
Isabel Aguiar
 

Destaque (15)

Aula 6 (slides) primeira revolução agrícola moderna
Aula 6 (slides)   primeira revolução agrícola modernaAula 6 (slides)   primeira revolução agrícola moderna
Aula 6 (slides) primeira revolução agrícola moderna
 
Saber e fazer 7º ano aluno
Saber e fazer 7º ano   alunoSaber e fazer 7º ano   aluno
Saber e fazer 7º ano aluno
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO I
 
Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blog
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIX
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
 
Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
 

Semelhante a 7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp

8ª ano revisão unidade 2 temas 3 e 4 resp
8ª ano revisão unidade 2 temas 3 e 4 resp8ª ano revisão unidade 2 temas 3 e 4 resp
8ª ano revisão unidade 2 temas 3 e 4 resp
SEMEC
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Carlos Vieira
 
Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1
pravda78
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Carlos Vieira
 
Mapa Mental historia
Mapa Mental historiaMapa Mental historia
Mapa Mental historia
Paula Munhoz Massi
 
Aula 7 ano fortalecimento-do-poder-dos-reis
Aula 7 ano   fortalecimento-do-poder-dos-reisAula 7 ano   fortalecimento-do-poder-dos-reis
Aula 7 ano fortalecimento-do-poder-dos-reis
Alcidon Cunha
 
O feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoO feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismo
Eryka Fernanda
 
As feiras medievais e o surgimento da burguesia 6º ano.pdf
As feiras medievais e o surgimento da burguesia 6º ano.pdfAs feiras medievais e o surgimento da burguesia 6º ano.pdf
As feiras medievais e o surgimento da burguesia 6º ano.pdf
Lívia De Paula
 
Comércio e navegações
Comércio e navegaçõesComércio e navegações
Comércio e navegações
Kerol Brombal
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
Forte militar
Forte militarForte militar
Forte militar
Íris Ferreira
 
Hist. do brasil
Hist. do brasilHist. do brasil
Hist. do brasil
callll
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedade
João Lima
 
Comércio e escoamento da produção
Comércio e  escoamento da produçãoComércio e  escoamento da produção
Comércio e escoamento da produção
fadoleta
 
Uma definição de capitalismo
Uma definição de capitalismoUma definição de capitalismo
Uma definição de capitalismo
Agla Santos
 
Baixa Idade Média
Baixa Idade MédiaBaixa Idade Média
Baixa Idade Média
Washington Luiz Celestino
 
AULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdf
AULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdfAULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdf
AULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdf
MisslenePereira1
 
7 ano ativ Absolutismo Grandes Navegacoes.docx
7 ano ativ Absolutismo Grandes Navegacoes.docx7 ano ativ Absolutismo Grandes Navegacoes.docx
7 ano ativ Absolutismo Grandes Navegacoes.docx
Paola Oniesko
 
O mercantilismo
O mercantilismoO mercantilismo
O mercantilismo
EmanuelRadamel
 

Semelhante a 7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp (20)

8ª ano revisão unidade 2 temas 3 e 4 resp
8ª ano revisão unidade 2 temas 3 e 4 resp8ª ano revisão unidade 2 temas 3 e 4 resp
8ª ano revisão unidade 2 temas 3 e 4 resp
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
Mapa Mental historia
Mapa Mental historiaMapa Mental historia
Mapa Mental historia
 
Aula 7 ano fortalecimento-do-poder-dos-reis
Aula 7 ano   fortalecimento-do-poder-dos-reisAula 7 ano   fortalecimento-do-poder-dos-reis
Aula 7 ano fortalecimento-do-poder-dos-reis
 
O feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoO feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismo
 
As feiras medievais e o surgimento da burguesia 6º ano.pdf
As feiras medievais e o surgimento da burguesia 6º ano.pdfAs feiras medievais e o surgimento da burguesia 6º ano.pdf
As feiras medievais e o surgimento da burguesia 6º ano.pdf
 
Comércio e navegações
Comércio e navegaçõesComércio e navegações
Comércio e navegações
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
Forte militar
Forte militarForte militar
Forte militar
 
Hist. do brasil
Hist. do brasilHist. do brasil
Hist. do brasil
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedade
 
Comércio e escoamento da produção
Comércio e  escoamento da produçãoComércio e  escoamento da produção
Comércio e escoamento da produção
 
Uma definição de capitalismo
Uma definição de capitalismoUma definição de capitalismo
Uma definição de capitalismo
 
Baixa Idade Média
Baixa Idade MédiaBaixa Idade Média
Baixa Idade Média
 
AULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdf
AULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdfAULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdf
AULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdf
 
7 ano ativ Absolutismo Grandes Navegacoes.docx
7 ano ativ Absolutismo Grandes Navegacoes.docx7 ano ativ Absolutismo Grandes Navegacoes.docx
7 ano ativ Absolutismo Grandes Navegacoes.docx
 
O mercantilismo
O mercantilismoO mercantilismo
O mercantilismo
 

Mais de SEMEC

7ª Ano Und 4 Resp p116 e 117
7ª Ano Und 4 Resp p116 e 1177ª Ano Und 4 Resp p116 e 117
7ª Ano Und 4 Resp p116 e 117
SEMEC
 
unidade 2 Respostas p.66 e 67
unidade 2 Respostas  p.66 e 67unidade 2 Respostas  p.66 e 67
unidade 2 Respostas p.66 e 67
SEMEC
 
Resposta Und 2 p58 59
Resposta Und 2 p58 59Resposta Und 2 p58 59
Resposta Und 2 p58 59
SEMEC
 
9ª AnoUnd 01 Resp p34
9ª AnoUnd 01 Resp p349ª AnoUnd 01 Resp p34
9ª AnoUnd 01 Resp p34
SEMEC
 
8ª Ano Und 01 Resp p26 e_27
8ª Ano Und 01 Resp p26 e_278ª Ano Und 01 Resp p26 e_27
8ª Ano Und 01 Resp p26 e_27
SEMEC
 
7ª ano Und 01 resp p 20 e 21
7ª ano Und 01 resp p 20 e 217ª ano Und 01 resp p 20 e 21
7ª ano Und 01 resp p 20 e 21
SEMEC
 
9ª ano Und 01 Resp p22 e p270
9ª ano Und 01 Resp p22 e p2709ª ano Und 01 Resp p22 e p270
9ª ano Und 01 Resp p22 e p270
SEMEC
 
8ª Ano Und 1 Resp p15 p20 p259
8ª Ano Und 1 Resp p15 p20 p2598ª Ano Und 1 Resp p15 p20 p259
8ª Ano Und 1 Resp p15 p20 p259
SEMEC
 
8ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6 resp
8ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6 resp8ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6 resp
8ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6 resp
SEMEC
 
9ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6 resp-
9ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6  resp-9ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6  resp-
9ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6 resp-
SEMEC
 
8ª Ano Unidade 4 Resp p248
8ª Ano Unidade 4 Resp p2488ª Ano Unidade 4 Resp p248
8ª Ano Unidade 4 Resp p248
SEMEC
 
9ª Ano Unidade 4 Resp p279
9ª Ano Unidade 4 Resp p2799ª Ano Unidade 4 Resp p279
9ª Ano Unidade 4 Resp p279
SEMEC
 
9ª Ano Unidade 4 Resp p276: Guerra
9ª Ano Unidade 4 Resp p276: Guerra9ª Ano Unidade 4 Resp p276: Guerra
9ª Ano Unidade 4 Resp p276: Guerra
SEMEC
 
Unidade 4 Resp p272
Unidade 4 Resp p272Unidade 4 Resp p272
Unidade 4 Resp p272
SEMEC
 
9ª Ano unidade 4 Resp p 118
9ª Ano unidade 4 Resp p 1189ª Ano unidade 4 Resp p 118
9ª Ano unidade 4 Resp p 118
SEMEC
 
8ª Ano Unidade 4 Resp p 112
8ª Ano Unidade 4 Resp p 1128ª Ano Unidade 4 Resp p 112
8ª Ano Unidade 4 Resp p 112
SEMEC
 
8ª Ano Unidade 4 Resp p100
8ª Ano Unidade 4 Resp p1008ª Ano Unidade 4 Resp p100
8ª Ano Unidade 4 Resp p100
SEMEC
 
8ª ano revisão unidade 4 tema 1 resp
8ª ano revisão unidade 4 tema 1 resp8ª ano revisão unidade 4 tema 1 resp
8ª ano revisão unidade 4 tema 1 resp
SEMEC
 
Resp p76_7ª_ano
Resp p76_7ª_anoResp p76_7ª_ano
Resp p76_7ª_ano
SEMEC
 
8ª ano revisão unidade 3 temas 3, 4 e 5 resp
8ª ano revisão unidade 3 temas 3, 4 e 5 resp8ª ano revisão unidade 3 temas 3, 4 e 5 resp
8ª ano revisão unidade 3 temas 3, 4 e 5 resp
SEMEC
 

Mais de SEMEC (20)

7ª Ano Und 4 Resp p116 e 117
7ª Ano Und 4 Resp p116 e 1177ª Ano Und 4 Resp p116 e 117
7ª Ano Und 4 Resp p116 e 117
 
unidade 2 Respostas p.66 e 67
unidade 2 Respostas  p.66 e 67unidade 2 Respostas  p.66 e 67
unidade 2 Respostas p.66 e 67
 
Resposta Und 2 p58 59
Resposta Und 2 p58 59Resposta Und 2 p58 59
Resposta Und 2 p58 59
 
9ª AnoUnd 01 Resp p34
9ª AnoUnd 01 Resp p349ª AnoUnd 01 Resp p34
9ª AnoUnd 01 Resp p34
 
8ª Ano Und 01 Resp p26 e_27
8ª Ano Und 01 Resp p26 e_278ª Ano Und 01 Resp p26 e_27
8ª Ano Und 01 Resp p26 e_27
 
7ª ano Und 01 resp p 20 e 21
7ª ano Und 01 resp p 20 e 217ª ano Und 01 resp p 20 e 21
7ª ano Und 01 resp p 20 e 21
 
9ª ano Und 01 Resp p22 e p270
9ª ano Und 01 Resp p22 e p2709ª ano Und 01 Resp p22 e p270
9ª ano Und 01 Resp p22 e p270
 
8ª Ano Und 1 Resp p15 p20 p259
8ª Ano Und 1 Resp p15 p20 p2598ª Ano Und 1 Resp p15 p20 p259
8ª Ano Und 1 Resp p15 p20 p259
 
8ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6 resp
8ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6 resp8ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6 resp
8ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6 resp
 
9ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6 resp-
9ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6  resp-9ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6  resp-
9ª ano revisão unidade 4 temas 4, 5 e 6 resp-
 
8ª Ano Unidade 4 Resp p248
8ª Ano Unidade 4 Resp p2488ª Ano Unidade 4 Resp p248
8ª Ano Unidade 4 Resp p248
 
9ª Ano Unidade 4 Resp p279
9ª Ano Unidade 4 Resp p2799ª Ano Unidade 4 Resp p279
9ª Ano Unidade 4 Resp p279
 
9ª Ano Unidade 4 Resp p276: Guerra
9ª Ano Unidade 4 Resp p276: Guerra9ª Ano Unidade 4 Resp p276: Guerra
9ª Ano Unidade 4 Resp p276: Guerra
 
Unidade 4 Resp p272
Unidade 4 Resp p272Unidade 4 Resp p272
Unidade 4 Resp p272
 
9ª Ano unidade 4 Resp p 118
9ª Ano unidade 4 Resp p 1189ª Ano unidade 4 Resp p 118
9ª Ano unidade 4 Resp p 118
 
8ª Ano Unidade 4 Resp p 112
8ª Ano Unidade 4 Resp p 1128ª Ano Unidade 4 Resp p 112
8ª Ano Unidade 4 Resp p 112
 
8ª Ano Unidade 4 Resp p100
8ª Ano Unidade 4 Resp p1008ª Ano Unidade 4 Resp p100
8ª Ano Unidade 4 Resp p100
 
8ª ano revisão unidade 4 tema 1 resp
8ª ano revisão unidade 4 tema 1 resp8ª ano revisão unidade 4 tema 1 resp
8ª ano revisão unidade 4 tema 1 resp
 
Resp p76_7ª_ano
Resp p76_7ª_anoResp p76_7ª_ano
Resp p76_7ª_ano
 
8ª ano revisão unidade 3 temas 3, 4 e 5 resp
8ª ano revisão unidade 3 temas 3, 4 e 5 resp8ª ano revisão unidade 3 temas 3, 4 e 5 resp
8ª ano revisão unidade 3 temas 3, 4 e 5 resp
 

Último

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp

  • 1. 7ª Ano-Atividade de revisão: UNIDADE 3 TEMAS 1 E 2 (Pag. 68 a 73) 1) A partir do século X foram desenvolvidas na Europa Medieval novas técnicas agrícolas. Faça um comentário sobre cada uma abaixo: a) criação de charrua. 2 Tipo de arado que utiliza relhas de ferro no lugar de relhas de madeira. b) rotação trienal de culturas. 2 Consistia em alternar cultivos de culturas diferentes de modo que o solo tivesse descanso evitando seus esgotamentos. c) nova forma de atrelar os animais. 3 O atrelamento dos equipamentos agrícolas aos animais passou a ser feito pelo peito e não mais pelo pescoço, isso aumentava a força de tração. 2) Monte abaixo o esquema de funcionamento da Rotação Trienal de Culturas? 3) O que proporcionou o excedente agrícola na Europa? 5 A criação da charrua; o desenvolvimento da rotação trienal de culturas; uma nova forma de atrelar animais, redução das guerras feudais e o fim das invasões externas. 4) Quais as atividades econômicas desenvolvidas pelos burgueses? 4 Os burgueses dedicavam-se à produção de artigos nas oficinas artesanais, à atividade comercial e aos empréstimos de dinheiro a juros. 5) O que entendemos por produtividade? 2 Capacidade de obter a máxima produção no menor tempo e com os menores custos. 6) Quais os seguimentos sociais que habitavam as cidades? 4 Os trabalhadores das oficinas artesanais e os pequenos comerciantes formavam a grande maioria da população das cidades. Abaixo uma população heterogênea que não tinha trabalho fixo. 7) Quem eram os mestres de ofício? Eram os donos das oficinas e de todos os instrumentos de trabalho. Eles formavam a camada mais privilegiada do sistema artesanal. 8) Qual função dos aprendizes? 3 Eram jovens livres que dependiam do mestre para trabalhar e aprender o ofício. Tinham em media 12 anos e não recebiam salário. 9) Em que trabalhavam os jornaleiros? 3 Eram trabalhadores especializados que exerciam uma atividade por jornada, recebendo uma remuneração correspondente. 10) O que foram as “corporações de ofício”? 3 Eram associações que controlava a qualidade e o preço dos produtos e protegia os artesãos da concorrência. 11) Qual a região que se destacou como feira e com quem comercializava? 3 Champagne na França, localizada entre duas grandes áreas de comércio internacional: o norte da Península Itálica e a região da Flandres. 12) O que ocasionou o declínio das grandes feiras? 3 As cidades se desenvolviam e a atividade comercial se expandia, criaram-se nos centros urbanos estruturas mercantis permanentes.
  • 2. 13) Explique o que eram as “letras de câmbio”? 3 Um tipo de ordem de pagamento em que os comerciantes podiam viajar sem ter que levar grandes quantidades de dinheiro. 14) O que ocasionou o surgimento das Cruzadas? 3 Em 1076, Jerusalém cidade sagrada dos cristãos, foi tomada pelos turcos muçulmanos. Assim o papa Urbano II convocou os cristãos para reconquistar Jerusalém. 15) Por que o nome Cruzada recebeu essa denominação? 3 Por causa da vestimenta dos cristãos, que costuravam cruzes em sua roupa. 16) O que levaram os comerciantes a participarem das Cruzadas? 4 Comerciantes das cidades de Gênova e Veneza monopolizavam as atividades comerciais no Mar Mediterrâneo, também pretendiam controlar os portos do Oriente. 17) O que almejavam os nobres ao participarem das Cruzadas? 3 Os nobres buscavam riquezas e terras no Oriente, uma vez que o aumento populacional deixou muitos deles sem terras. 18) De que maneira as Cruzadas contribuiu para o enfraquecimento do Sistema feudal? 3 Os senhores endividaram-se para montar seus exércitos e muitos servos que participaram das Cruzadas com seus senhores não retornaram. 19) Qual a importância das Cruzadas para o comércio? 3 Aumentou o comércio entre o Oriente e o Ocidente, principalmente pelos portos de Gênova e Veneza, usados pelos cruzados para embarcar para o Oriente. 20) Descreva o cotidiano das Cruzadas? 3 Não foram apenas clérigos, peregrinos, comerciantes e cavaleiros que participaram das Cruzadas. Crianças, doentes, mulheres e aventureiros seguiam as expedições.