SlideShare uma empresa Scribd logo
ÊXODO
Redenção e organização de Israel
    como Povo da Aliança
"




    Êxodo
Introdução
    •Título
    1. Os hebreus deram-lhe o nome de “We’elleh”
       devido à sua primeira frase, “São estes os
       nomes”.

    2. Os tradutores da Septuaginta chamaram-no de
       “Êxodo” (Saída) devido ao fato de seu tema
       central das ações redentoras de Deus para o seu
       povo.
"
    Autoria
  Como em Gênesis, a autoria de Moisés é
confirmada pela estreita conexão e unidade com os
livros restantes do Pentateuco. Neste livro,
entretanto, Moisés coloca-se como centro de todas
as ações (17.14; 24.4; 25.9; 36.1).
"


    Cenário Histórico
    • DATA DA ESCRITA – 1440 a.C., APROXIDAMENTE.
    Se Moisés escreveu Gênesis nesta data, deve tê-lo
    feito durante a primeira parte da sua peregrinação
    com o povo judeu pelo deserto de Cades-Barnéia.

    • DATA DO ÊXODO – 1445 A.C., APROXIDAMENTE.
    1. I Reis 6.1 coloca o êxodo 480 anos antes de
       Salomão começar a construir o templo, o que
       está fixado em 967 a.C.

    2. Juízes 11.26 coloca a conquista da Transjordânia
       300 antes da época de Jefté (que viveu ao redor
       de 1100 a.C.).
"




    4. Atos 13.17-20 dá o período aproximadamente do
       êxodo a Samuel como sendo de 450 anos.
       Samuel morreu por volta de 1020 a.C.

    5. O nome “Ramissés” deriva do deus-sol “Ra”, e é
       provável que tenha sido usado muito antes do
       nascimento desse Faraó popular e forte.
"

    A VIDA DE MOISÉS – TRÊS
    PERÍODOS DE QUARENTA ANOS.
1. Os primeiros quarenta anos de
   sua vida Moisés passou no lar
   dos seus pais e no palácio do
   Faraó. Nascido em Gósen mais
   ou menos em 1525 a.C., foi o
   segundo filho de Anrão e
   Joquebede, da tribo de Levi. No
   lar paterno Moisés recebeu a
   sua formação religiosa, e na
   corte do faraó adquiriu
   conhecimento intelectual e
   político, além de treinamento
   militar.
"


    2. Os segundos quarenta anos passaram exilado em
       Midiã, fugindo do Faraó, meditando e
       trabalhando como pastor. Casou-se com Zípora,
       filha de Jetro, o sacerdote, e nasceram-lhe dois
       filhos Gérson e Eliezer (Êxodo 18.34).

    3. Os últimos quarenta anos de sua vida ele os
       viveu no Egito e no deserto, na condição de
       primeiro líder de Israel. Serviu ao senhor como
       profeta, sacerdote e rei, muito antes de esses
       cargos serem estabelecidos entre os judeus.
       Ensinou a todos como profeta; como um
       sacerdote intercedeu por eles quando caíram na
       idolatria e, como líder, retirou-os da servidão e
       os organizou como povo da aliança de Deus.
"
                     O Egito antigo consistia em
GEOGRAFIA DO EGITO   duas partes: Baixo Egito,
                     com a larga região do
                     delta, e o Alto Egito, com
                     sua estreita faixa de terra
                     (mais ou menos 19 km de
                     largura) ao longo do rio
                     Nilo, numa extensão de
                     966 km ao sul.
"
     O Egito dependia
    inteiramente do Nilo. Este
    recebia água de diversos rios
    e lagos do interior da África.
    Em setembro, o Nilo
    transbordava, irrigando e
    fertilizando o vale com os
    ricos depósitos de águas
    aluviais, o que tornava o país
    o “celeiro” do Oriente
    Médio. Sua posição isolada
    também contribuiu para a
    tranqüilidade e o progresso
    pacífico da nação em muitos
    períodos da história.
4. êxodo
4. êxodo
4. êxodo
4. êxodo
"

       POLÍTICA DO EGITO
          Dividido
    administrativamente em duas
    regiões, Norte e Sul, sua capital
    teve de ser mudada várias vezes,
    funcionado ora em Tebas (Nô-
    Amon), no Alto Egito, ao Sul, ora
    em Mênfis (Nofe ou Ramissés) ou
    Avaris, no Delta do Baixo Egito. O
    nome bíblico para o país dos
    Faraós é “Mizraim”, que significa
    “dois Egitos”.
"



     FARAÓS
    1. AMOSIS I (1580-1558) não somente continuou a
       opressão sobre os judeus, como aumentou
       devido à formação estrangeira de Israel e seu
       crescimento demográfico ameaçador.



    2. TUTMÉS (1539-1514) ordenou a matança dos
       meninos na época em que Moisés nasceu.
"


    3. A Rainha HATSHEPSUT (1504-1450), filha de
       TUTMÉS I e esposa de TUTMÉS II (1520-1504)
       usurpou o trono depois da morte deste, e foi
       provavelmente a filha de Faraó que adotou
       Moisés em 1525.




    4. Foi de TUTMÉS III (1504-1450) que Moisés
       fugiu para o deserto de Midiã (apesar de
       Hatsheptsu, na época dessa fuga ainda estar
       viva).
"




    5.    AMENOFIS II (1450-1426) foi o faraó com
    quem Moisés se confrontou e a quem Deus mandou
    as pragas. O Faraó seguinte (TUTMÉS IV) não era
    herdeiro natural, mas um filho nascido tarde, o que
    sugere que o primogênito tenha morrido.
CENÁRIO RELIGIOSO DO EGITO
"



    Os egípcios eram muito
    religiosos, adorando uma
    infinidade de divindades.
    Tinham deuses locais e
    nacionais, além de
    acreditarem em diversas
    manifestações da
    natureza.
    Eis exemplos de seus
    deuses principais:
    Ra e Amom-Ra = deuses
    do sol.
    Osíris = deus do Nilo
    (senhor da fertilidade e
    da vida).
     Hórus, também um deus
    do sol, representado por
    um falcão.
"
    •Os egípcios acreditavam que em cada ser ou
    objeto da natureza habitava um espírito que
    tinha escolhido aquela forma para se expressar.
    Essa idéia levou-os à adoração de animais como
    o gato, o touro, a vaca e o crocodilo.




    •Todas as religiões praticadas no Egito defendiam
    a crença na vida após a morte. Tal crença levou
    os egípcios a se preocupar, como nenhum outro,
    com os preparativos para o sepultamento.
4. êxodo
4. êxodo
4. êxodo
4. êxodo
4. êxodo
4. êxodo
4. êxodo
PIRÂMEDE
DE QUÉOPS
4. êxodo
"
    A RELIGIÃO DE ISRAEL NO EGITO

    • José exerceu grande influência espiritual sobre
    Israel até 1804 a.C., data da sua morte. Liderou
    espiritualmente aquele povo durante 51 anos. O
    isolamento em Gósen também contribuiu para
    proteger os israelitas da idolatria do Egito.

    • Houve uma época em que os descendentes de Jacó
    aderiram aos deuses egípcios, e a corrupção tomou
    conta de quase todos eles (Ezequiel 20.6-10). Talvez
    isso explique a causa de Israel ter sido tão oprimido
    no Egito.
"
    TEMA: REDENÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE ISRAEL
    COMO POVO DA ALIANÇA.
    •É um livro de libertação, de redenção, e o caminho,
    o meio sempre apontado aqui é o sangue. Neste
    êxodo, libertação virá sempre através do Sangue. É
    seu tema e anúncio profético da obra de Jesus.

    VERSO-CHAVE
    Êx. 3.10 – “Vem agora e eu te enviarei a Faraó para
    que tires meu povo, os filhos de Israel, do Egito”.
"

    OBJETIVO DO LIVRO

     O principal objetivo é descrever como Deus livrou
    Israel da servidão e da idolatria do Egito,
    conduzindo-o a um lugar de destaque na condição
    de povo exclusivo seu, num relacionamento de
    aliança teocrática. Três grandes acontecimentos
    definem o objetivo didático do livro:

    1. A saída do Egito
    2. A entrega da Lei
    3. A construção do Tabernáculo.
"



    Esboço do Livro
    Redenção e Organização de Israel como Povo da Aliança
    A.    A SAÍDA – ÊNFASE DO PODER DE DEUS............................................ (1-18)
    1.    Aflição de Israel no Egito...................................................................... 1-11
    2.    Livramento de Israel........................................................................... 12-15
    3.    Jornada de Israel até o monte Sinai................................................... 16-18

    B.    A LEI – ÊNFASE DOS PRINCÍPIOS DE DEUS...................................... (19-24)
    1.    A Aliança proposta pelo Senhor.............................................................. 19
    2.    Mandamentos Espirituais e Morais........................................................ 20
    3.    Ordenanças Civis e Sociais................................................................. 21-23
    4.    Aliança aceita por Israel........................................................................... 24

    C.   O TABERNÁCULO – ÊNFASE DA PRESENÇA DE DEUS........................ (25-40)
    1.   O plano de Deus para o Tabernáculo.................................................... 25-31
    2.   Punição de Deus para a idolatria do povo............................................ 32-34
    3.   Presença de Deus no término do Tabernáculo..................................... 35-40
Contribuições singulares de Êxodo
   1. Origem da nação de Israel.
       Descreve o seu princípio em terra estranha sob pesada e
       cruel servidão, o livramento divino e a pronta
       organização do povo com um conjunto de leis
       espirituais, sociais e civis para o governo da
       comunidade.
2. Primeiros milagres da Bíblia.
   Com exceção dos julgamentos
   sobrenaturais de Gênesis, as
   pragas do Egito são a primeira
   demonstração de milagres ou
   sinais sobrenaturais
   executados por homens. Foi
   esse um modo singular de
   Deus se manifestar ao mundo
   e ao seu povo.
3. Instituição da Páscoa.
"

     Apesar das muitas festas e
     comemorações de Israel, nenhuma
     era tão importante quanta aquela
     que abria o ano religioso (em
     meados do primeiro mês), a
     Páscoa. Tinha ela três finalidades:
1. Comemorar a salvação e o resgate
     físico dos primogênitos pela morte
     do cordeiro;
2. Lembrar a cada pessoa a
     necessidade de se alcançar
     redenção espiritual do pecado pelo
     sacrifício de um cordeiro
     substituto, indicando desse modo a
     provisão futura prometida por
     Deus na aliança Abraâmica.
  3. Ensina-nos o significado da morte
     de Cristo, que desempenhou
     aquele tipo como o "Cordeiro de
     Deus" (João 1.29). O cordeiro da
     páscoa foi o maior tipo da
     redenção no Antigo Testamento.
4. Construção do Tabernáculo
"




  Israel permaneceu no monte Sinai
  até o final do primeiro ano,
  ocupado com a construção do
  Tabernáculo designado por Deus.
  Do mesmo modo como a Lei
  retratava a santidade de Deus e a
  separação do homem por causa da
  desobediência, o Tabernáculo
  retratava a graça de Deus, ao
  prover um lugar de encontro e
  comunhão pelo sacrifício de
  sangue.
  Tipicamente, o Tabernáculo retrata
  Cristo como a única maneira de o
  homem se aproximar de Deus. As
  diferentes peças de mobília
  descrevem, numa forma visual, os
  muitos propósitos cumpridos na
  vida e morte de Jesus, a fim de
  capacitar as pessoas a se
  aproximarem dele e terem
  comunhão com ele (Hb. 9.1-14).
MAR VERMELHO
MAR VERMELHO
4. êxodo
TRAVESSIA DO
    MAR
 VERMELHO
4. êxodo
"


     O Senhor Revela-se em Êxodo

1.  O “Eu Sou” da sarça ardente .....(3) – Um Deus que mantém aliança
2.  As pragas ............................................(8-12) – Um Deus de punição
3.  A Páscoa ..............................................(12) – Um Deus de redenção
4.  A travessia do ...........................................(14) – Um Deus de poder
5.  A jornada até o Sinai (fome, sede e guerra) ....................(16-17) –
    Um Deus de provisão
6. A Lei..............................................(19-24) – Um Deus de santidade
7. Tabernáculo, Sacerdotes, Ofertas .(25-30) – Um Deus de comunhão
8. A punição devido ao bezerro de ouro ..(32) – Um Deus de disciplina
9. A renovação da Aliança .............................(33) – Um Deus de Graça
10. A vinda da Glória.......................................(40) – Um Deus de glória
"


    CRISTOLOGIA EM ÊXODO
     1. Arão, o sumo sacerdote, tipificou Cristo em muitos
        aspectos do sacerdócio (Hb. 5,7)

     2. O cordeiro da páscoa foi, no Antigo testamento, um
        notável tipo de Cristo como o Cordeiro de Deus, que
        derramou o seu sangue para a Salvação               Jo.
        1.29; I Cor. 5.7

     3. Cristo declarou que o maná era o seu tipo,
        dádiva gratuita dos céus a ser recebida pelo
        povo para sustento e vida espiritual (Jo. 6.32,33 58)

     4. O Tabernáculo e os móveis tipificavam com nitidez a obra
        de Cristo, a única que proporcionou ao homem uma
        aproximação de Deus.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3 aula profetas menores
3 aula profetas menores3 aula profetas menores
3 aula profetas menores
RODRIGO FERREIRA
 
35. O Profeta Joel
35. O Profeta Joel35. O Profeta Joel
32. O Profeta Ezequiel
32. O Profeta Ezequiel32. O Profeta Ezequiel
32. O Profeta Ezequiel
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Panorama do AT - Levítico
Panorama do AT - LevíticoPanorama do AT - Levítico
Panorama do AT - Levítico
Respirando Deus
 
Escatologia 3
Escatologia 3Escatologia 3
Escatologia 3
Jovens Do Caminho
 
Pentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodoPentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodo
RODRIGO FERREIRA
 
5 periodo dos patriarcas
5  periodo dos patriarcas5  periodo dos patriarcas
5 periodo dos patriarcas
PIB Penha
 
Livros Históricos
Livros  HistóricosLivros  Históricos
Livros Históricos
Moisés Sampaio
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)
LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)
LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptx
Rubens Sohn
 
29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Periodo interbiblico
Periodo interbiblicoPeriodo interbiblico
Periodo interbiblico
Magrão Silva
 
geografia bíblica, hidrografia de israel.
geografia bíblica, hidrografia de israel.geografia bíblica, hidrografia de israel.
geografia bíblica, hidrografia de israel.
RODRIGO FERREIRA
 
1. período interbíblico
1. período interbíblico1. período interbíblico
1. período interbíblico
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Reis e Profetas - Aula 3
Reis e Profetas - Aula 3Reis e Profetas - Aula 3
Reis e Profetas - Aula 3
Moisés Sampaio
 
Panorama do AT - Josué
Panorama do AT - JosuéPanorama do AT - Josué
Panorama do AT - Josué
Respirando Deus
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Panorama do AT - Números
Panorama do AT - NúmerosPanorama do AT - Números
Panorama do AT - Números
Respirando Deus
 

Mais procurados (20)

3 aula profetas menores
3 aula profetas menores3 aula profetas menores
3 aula profetas menores
 
35. O Profeta Joel
35. O Profeta Joel35. O Profeta Joel
35. O Profeta Joel
 
32. O Profeta Ezequiel
32. O Profeta Ezequiel32. O Profeta Ezequiel
32. O Profeta Ezequiel
 
Panorama do AT - Levítico
Panorama do AT - LevíticoPanorama do AT - Levítico
Panorama do AT - Levítico
 
Escatologia 3
Escatologia 3Escatologia 3
Escatologia 3
 
Pentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodoPentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodo
 
5 periodo dos patriarcas
5  periodo dos patriarcas5  periodo dos patriarcas
5 periodo dos patriarcas
 
Livros Históricos
Livros  HistóricosLivros  Históricos
Livros Históricos
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
 
LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)
LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)
LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptx
 
29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías
 
Periodo interbiblico
Periodo interbiblicoPeriodo interbiblico
Periodo interbiblico
 
geografia bíblica, hidrografia de israel.
geografia bíblica, hidrografia de israel.geografia bíblica, hidrografia de israel.
geografia bíblica, hidrografia de israel.
 
1. período interbíblico
1. período interbíblico1. período interbíblico
1. período interbíblico
 
Reis e Profetas - Aula 3
Reis e Profetas - Aula 3Reis e Profetas - Aula 3
Reis e Profetas - Aula 3
 
Panorama do AT - Josué
Panorama do AT - JosuéPanorama do AT - Josué
Panorama do AT - Josué
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
 
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
 
Panorama do AT - Números
Panorama do AT - NúmerosPanorama do AT - Números
Panorama do AT - Números
 

Semelhante a 4. êxodo

Introdução ao estudo do evangelho
Introdução ao estudo do evangelhoIntrodução ao estudo do evangelho
Introdução ao estudo do evangelho
Cláudio Fajardo
 
Povo hebreu
Povo hebreuPovo hebreu
Povo hebreu
Eliatan Sousa
 
O judaísmo - By Eloy Bezerra
O judaísmo - By Eloy BezerraO judaísmo - By Eloy Bezerra
O judaísmo - By Eloy Bezerra
Eloy Bezerra
 
18 Homens mais importantes da Bíblia.pptx
18 Homens mais importantes da Bíblia.pptx18 Homens mais importantes da Bíblia.pptx
18 Homens mais importantes da Bíblia.pptx
LuisFernandoMachado6
 
Rastros de luz 01
Rastros de luz 01Rastros de luz 01
Rastros de luz 01
MRS
 
Bíblia – antigo testamento
Bíblia – antigo testamentoBíblia – antigo testamento
Bíblia – antigo testamento
ilton2
 
Bíblia – antigo testamento
Bíblia – antigo testamentoBíblia – antigo testamento
Bíblia – antigo testamento
ilton1
 
Lição 13 o legado de moisés
Lição 13   o legado de moisésLição 13   o legado de moisés
Lição 13 o legado de moisés
JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Jesus o homem (alcione moreno)
Jesus o homem (alcione moreno)Jesus o homem (alcione moreno)
Jesus o homem (alcione moreno)
Jônata Barbosa
 
A HistóRia Dos Hebreus
A HistóRia Dos Hebreus A HistóRia Dos Hebreus
A HistóRia Dos Hebreus
Sílvia Mendonça
 
aula_1_evangelhos.pptx
aula_1_evangelhos.pptxaula_1_evangelhos.pptx
aula_1_evangelhos.pptx
AMILTON gomes Gomes
 
Primeiras Civilizações - Os Hebreu
Primeiras Civilizações - Os HebreuPrimeiras Civilizações - Os Hebreu
Primeiras Civilizações - Os Hebreu
Diego Bian Filo Moreira
 
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4
Rubens Sohn
 
Conhecendo a biblia lição 4 - 28-05-17
Conhecendo a biblia   lição 4 - 28-05-17Conhecendo a biblia   lição 4 - 28-05-17
Conhecendo a biblia lição 4 - 28-05-17
PIB Penha
 
A EXPANSÃO DO EVANGELHO FORA DE JERUSALÉM
A EXPANSÃO DO EVANGELHO FORA DE JERUSALÉMA EXPANSÃO DO EVANGELHO FORA DE JERUSALÉM
A EXPANSÃO DO EVANGELHO FORA DE JERUSALÉM
Enerliz
 
Lição 13 - O Messias: O Legado de Israel
Lição 13 - O Messias: O Legado de IsraelLição 13 - O Messias: O Legado de Israel
Lição 13 - O Messias: O Legado de Israel
Éder Tomé
 
As Ideias Mestras Da Antiga AliançA
As Ideias Mestras Da Antiga AliançAAs Ideias Mestras Da Antiga AliançA
As Ideias Mestras Da Antiga AliançA
DimensaoCatolica
 
Capítulo 5 - Hebreus, fenícios e persas
Capítulo 5 - Hebreus, fenícios e persasCapítulo 5 - Hebreus, fenícios e persas
Capítulo 5 - Hebreus, fenícios e persas
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Bianco tributos na biblia
Bianco tributos na bibliaBianco tributos na biblia
Bianco tributos na biblia
Erivaldo Ramos hipertrofia
 
PANORAMA_DO_AT_4.ppt
PANORAMA_DO_AT_4.pptPANORAMA_DO_AT_4.ppt
PANORAMA_DO_AT_4.ppt
Lisanro Cronje
 

Semelhante a 4. êxodo (20)

Introdução ao estudo do evangelho
Introdução ao estudo do evangelhoIntrodução ao estudo do evangelho
Introdução ao estudo do evangelho
 
Povo hebreu
Povo hebreuPovo hebreu
Povo hebreu
 
O judaísmo - By Eloy Bezerra
O judaísmo - By Eloy BezerraO judaísmo - By Eloy Bezerra
O judaísmo - By Eloy Bezerra
 
18 Homens mais importantes da Bíblia.pptx
18 Homens mais importantes da Bíblia.pptx18 Homens mais importantes da Bíblia.pptx
18 Homens mais importantes da Bíblia.pptx
 
Rastros de luz 01
Rastros de luz 01Rastros de luz 01
Rastros de luz 01
 
Bíblia – antigo testamento
Bíblia – antigo testamentoBíblia – antigo testamento
Bíblia – antigo testamento
 
Bíblia – antigo testamento
Bíblia – antigo testamentoBíblia – antigo testamento
Bíblia – antigo testamento
 
Lição 13 o legado de moisés
Lição 13   o legado de moisésLição 13   o legado de moisés
Lição 13 o legado de moisés
 
Jesus o homem (alcione moreno)
Jesus o homem (alcione moreno)Jesus o homem (alcione moreno)
Jesus o homem (alcione moreno)
 
A HistóRia Dos Hebreus
A HistóRia Dos Hebreus A HistóRia Dos Hebreus
A HistóRia Dos Hebreus
 
aula_1_evangelhos.pptx
aula_1_evangelhos.pptxaula_1_evangelhos.pptx
aula_1_evangelhos.pptx
 
Primeiras Civilizações - Os Hebreu
Primeiras Civilizações - Os HebreuPrimeiras Civilizações - Os Hebreu
Primeiras Civilizações - Os Hebreu
 
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4
 
Conhecendo a biblia lição 4 - 28-05-17
Conhecendo a biblia   lição 4 - 28-05-17Conhecendo a biblia   lição 4 - 28-05-17
Conhecendo a biblia lição 4 - 28-05-17
 
A EXPANSÃO DO EVANGELHO FORA DE JERUSALÉM
A EXPANSÃO DO EVANGELHO FORA DE JERUSALÉMA EXPANSÃO DO EVANGELHO FORA DE JERUSALÉM
A EXPANSÃO DO EVANGELHO FORA DE JERUSALÉM
 
Lição 13 - O Messias: O Legado de Israel
Lição 13 - O Messias: O Legado de IsraelLição 13 - O Messias: O Legado de Israel
Lição 13 - O Messias: O Legado de Israel
 
As Ideias Mestras Da Antiga AliançA
As Ideias Mestras Da Antiga AliançAAs Ideias Mestras Da Antiga AliançA
As Ideias Mestras Da Antiga AliançA
 
Capítulo 5 - Hebreus, fenícios e persas
Capítulo 5 - Hebreus, fenícios e persasCapítulo 5 - Hebreus, fenícios e persas
Capítulo 5 - Hebreus, fenícios e persas
 
Bianco tributos na biblia
Bianco tributos na bibliaBianco tributos na biblia
Bianco tributos na biblia
 
PANORAMA_DO_AT_4.ppt
PANORAMA_DO_AT_4.pptPANORAMA_DO_AT_4.ppt
PANORAMA_DO_AT_4.ppt
 

Mais de mbrandao7

Os livros de Esdras e Neemias
Os livros de Esdras e NeemiasOs livros de Esdras e Neemias
Os livros de Esdras e Neemias
mbrandao7
 
Os livros de crônicas
Os livros de crônicasOs livros de crônicas
Os livros de crônicas
mbrandao7
 
2012 a relevância da bíblia no contexto pós-moderno
2012   a relevância da bíblia no contexto pós-moderno2012   a relevância da bíblia no contexto pós-moderno
2012 a relevância da bíblia no contexto pós-moderno
mbrandao7
 
Os livros de samuel
Os livros de samuelOs livros de samuel
Os livros de samuel
mbrandao7
 
OS LIVROS DE SAMUEL
OS LIVROS DE SAMUELOS LIVROS DE SAMUEL
OS LIVROS DE SAMUEL
mbrandao7
 
O livro de rute
O livro de ruteO livro de rute
O livro de rute
mbrandao7
 
O livro de rute
O livro de ruteO livro de rute
O livro de rute
mbrandao7
 
O livro de juízes
O livro de juízesO livro de juízes
O livro de juízes
mbrandao7
 
O livro de juízes
O livro de juízesO livro de juízes
O livro de juízes
mbrandao7
 
O livro de josué
O livro de josuéO livro de josué
O livro de josué
mbrandao7
 
O livro de deuteronômio
O livro de deuteronômioO livro de deuteronômio
O livro de deuteronômio
mbrandao7
 
Introd. livros historicos
Introd. livros historicosIntrod. livros historicos
Introd. livros historicos
mbrandao7
 
5. levítico
5. levítico5. levítico
5. levítico
mbrandao7
 
3. gênesis
3. gênesis3. gênesis
3. gênesis
mbrandao7
 
2. apresentação
2. apresentação2. apresentação
2. apresentação
mbrandao7
 
1. Apêndice
1. Apêndice1. Apêndice
1. Apêndice
mbrandao7
 

Mais de mbrandao7 (16)

Os livros de Esdras e Neemias
Os livros de Esdras e NeemiasOs livros de Esdras e Neemias
Os livros de Esdras e Neemias
 
Os livros de crônicas
Os livros de crônicasOs livros de crônicas
Os livros de crônicas
 
2012 a relevância da bíblia no contexto pós-moderno
2012   a relevância da bíblia no contexto pós-moderno2012   a relevância da bíblia no contexto pós-moderno
2012 a relevância da bíblia no contexto pós-moderno
 
Os livros de samuel
Os livros de samuelOs livros de samuel
Os livros de samuel
 
OS LIVROS DE SAMUEL
OS LIVROS DE SAMUELOS LIVROS DE SAMUEL
OS LIVROS DE SAMUEL
 
O livro de rute
O livro de ruteO livro de rute
O livro de rute
 
O livro de rute
O livro de ruteO livro de rute
O livro de rute
 
O livro de juízes
O livro de juízesO livro de juízes
O livro de juízes
 
O livro de juízes
O livro de juízesO livro de juízes
O livro de juízes
 
O livro de josué
O livro de josuéO livro de josué
O livro de josué
 
O livro de deuteronômio
O livro de deuteronômioO livro de deuteronômio
O livro de deuteronômio
 
Introd. livros historicos
Introd. livros historicosIntrod. livros historicos
Introd. livros historicos
 
5. levítico
5. levítico5. levítico
5. levítico
 
3. gênesis
3. gênesis3. gênesis
3. gênesis
 
2. apresentação
2. apresentação2. apresentação
2. apresentação
 
1. Apêndice
1. Apêndice1. Apêndice
1. Apêndice
 

4. êxodo

  • 1. ÊXODO Redenção e organização de Israel como Povo da Aliança
  • 2. " Êxodo Introdução •Título 1. Os hebreus deram-lhe o nome de “We’elleh” devido à sua primeira frase, “São estes os nomes”. 2. Os tradutores da Septuaginta chamaram-no de “Êxodo” (Saída) devido ao fato de seu tema central das ações redentoras de Deus para o seu povo.
  • 3. " Autoria Como em Gênesis, a autoria de Moisés é confirmada pela estreita conexão e unidade com os livros restantes do Pentateuco. Neste livro, entretanto, Moisés coloca-se como centro de todas as ações (17.14; 24.4; 25.9; 36.1).
  • 4. " Cenário Histórico • DATA DA ESCRITA – 1440 a.C., APROXIDAMENTE. Se Moisés escreveu Gênesis nesta data, deve tê-lo feito durante a primeira parte da sua peregrinação com o povo judeu pelo deserto de Cades-Barnéia. • DATA DO ÊXODO – 1445 A.C., APROXIDAMENTE. 1. I Reis 6.1 coloca o êxodo 480 anos antes de Salomão começar a construir o templo, o que está fixado em 967 a.C. 2. Juízes 11.26 coloca a conquista da Transjordânia 300 antes da época de Jefté (que viveu ao redor de 1100 a.C.).
  • 5. " 4. Atos 13.17-20 dá o período aproximadamente do êxodo a Samuel como sendo de 450 anos. Samuel morreu por volta de 1020 a.C. 5. O nome “Ramissés” deriva do deus-sol “Ra”, e é provável que tenha sido usado muito antes do nascimento desse Faraó popular e forte.
  • 6. " A VIDA DE MOISÉS – TRÊS PERÍODOS DE QUARENTA ANOS. 1. Os primeiros quarenta anos de sua vida Moisés passou no lar dos seus pais e no palácio do Faraó. Nascido em Gósen mais ou menos em 1525 a.C., foi o segundo filho de Anrão e Joquebede, da tribo de Levi. No lar paterno Moisés recebeu a sua formação religiosa, e na corte do faraó adquiriu conhecimento intelectual e político, além de treinamento militar.
  • 7. " 2. Os segundos quarenta anos passaram exilado em Midiã, fugindo do Faraó, meditando e trabalhando como pastor. Casou-se com Zípora, filha de Jetro, o sacerdote, e nasceram-lhe dois filhos Gérson e Eliezer (Êxodo 18.34). 3. Os últimos quarenta anos de sua vida ele os viveu no Egito e no deserto, na condição de primeiro líder de Israel. Serviu ao senhor como profeta, sacerdote e rei, muito antes de esses cargos serem estabelecidos entre os judeus. Ensinou a todos como profeta; como um sacerdote intercedeu por eles quando caíram na idolatria e, como líder, retirou-os da servidão e os organizou como povo da aliança de Deus.
  • 8. " O Egito antigo consistia em GEOGRAFIA DO EGITO duas partes: Baixo Egito, com a larga região do delta, e o Alto Egito, com sua estreita faixa de terra (mais ou menos 19 km de largura) ao longo do rio Nilo, numa extensão de 966 km ao sul.
  • 9. " O Egito dependia inteiramente do Nilo. Este recebia água de diversos rios e lagos do interior da África. Em setembro, o Nilo transbordava, irrigando e fertilizando o vale com os ricos depósitos de águas aluviais, o que tornava o país o “celeiro” do Oriente Médio. Sua posição isolada também contribuiu para a tranqüilidade e o progresso pacífico da nação em muitos períodos da história.
  • 14. " POLÍTICA DO EGITO Dividido administrativamente em duas regiões, Norte e Sul, sua capital teve de ser mudada várias vezes, funcionado ora em Tebas (Nô- Amon), no Alto Egito, ao Sul, ora em Mênfis (Nofe ou Ramissés) ou Avaris, no Delta do Baixo Egito. O nome bíblico para o país dos Faraós é “Mizraim”, que significa “dois Egitos”.
  • 15. " FARAÓS 1. AMOSIS I (1580-1558) não somente continuou a opressão sobre os judeus, como aumentou devido à formação estrangeira de Israel e seu crescimento demográfico ameaçador. 2. TUTMÉS (1539-1514) ordenou a matança dos meninos na época em que Moisés nasceu.
  • 16. " 3. A Rainha HATSHEPSUT (1504-1450), filha de TUTMÉS I e esposa de TUTMÉS II (1520-1504) usurpou o trono depois da morte deste, e foi provavelmente a filha de Faraó que adotou Moisés em 1525. 4. Foi de TUTMÉS III (1504-1450) que Moisés fugiu para o deserto de Midiã (apesar de Hatsheptsu, na época dessa fuga ainda estar viva).
  • 17. " 5. AMENOFIS II (1450-1426) foi o faraó com quem Moisés se confrontou e a quem Deus mandou as pragas. O Faraó seguinte (TUTMÉS IV) não era herdeiro natural, mas um filho nascido tarde, o que sugere que o primogênito tenha morrido.
  • 18. CENÁRIO RELIGIOSO DO EGITO " Os egípcios eram muito religiosos, adorando uma infinidade de divindades. Tinham deuses locais e nacionais, além de acreditarem em diversas manifestações da natureza. Eis exemplos de seus deuses principais: Ra e Amom-Ra = deuses do sol. Osíris = deus do Nilo (senhor da fertilidade e da vida). Hórus, também um deus do sol, representado por um falcão.
  • 19. " •Os egípcios acreditavam que em cada ser ou objeto da natureza habitava um espírito que tinha escolhido aquela forma para se expressar. Essa idéia levou-os à adoração de animais como o gato, o touro, a vaca e o crocodilo. •Todas as religiões praticadas no Egito defendiam a crença na vida após a morte. Tal crença levou os egípcios a se preocupar, como nenhum outro, com os preparativos para o sepultamento.
  • 29. " A RELIGIÃO DE ISRAEL NO EGITO • José exerceu grande influência espiritual sobre Israel até 1804 a.C., data da sua morte. Liderou espiritualmente aquele povo durante 51 anos. O isolamento em Gósen também contribuiu para proteger os israelitas da idolatria do Egito. • Houve uma época em que os descendentes de Jacó aderiram aos deuses egípcios, e a corrupção tomou conta de quase todos eles (Ezequiel 20.6-10). Talvez isso explique a causa de Israel ter sido tão oprimido no Egito.
  • 30. " TEMA: REDENÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE ISRAEL COMO POVO DA ALIANÇA. •É um livro de libertação, de redenção, e o caminho, o meio sempre apontado aqui é o sangue. Neste êxodo, libertação virá sempre através do Sangue. É seu tema e anúncio profético da obra de Jesus. VERSO-CHAVE Êx. 3.10 – “Vem agora e eu te enviarei a Faraó para que tires meu povo, os filhos de Israel, do Egito”.
  • 31. " OBJETIVO DO LIVRO O principal objetivo é descrever como Deus livrou Israel da servidão e da idolatria do Egito, conduzindo-o a um lugar de destaque na condição de povo exclusivo seu, num relacionamento de aliança teocrática. Três grandes acontecimentos definem o objetivo didático do livro: 1. A saída do Egito 2. A entrega da Lei 3. A construção do Tabernáculo.
  • 32. " Esboço do Livro Redenção e Organização de Israel como Povo da Aliança A. A SAÍDA – ÊNFASE DO PODER DE DEUS............................................ (1-18) 1. Aflição de Israel no Egito...................................................................... 1-11 2. Livramento de Israel........................................................................... 12-15 3. Jornada de Israel até o monte Sinai................................................... 16-18 B. A LEI – ÊNFASE DOS PRINCÍPIOS DE DEUS...................................... (19-24) 1. A Aliança proposta pelo Senhor.............................................................. 19 2. Mandamentos Espirituais e Morais........................................................ 20 3. Ordenanças Civis e Sociais................................................................. 21-23 4. Aliança aceita por Israel........................................................................... 24 C. O TABERNÁCULO – ÊNFASE DA PRESENÇA DE DEUS........................ (25-40) 1. O plano de Deus para o Tabernáculo.................................................... 25-31 2. Punição de Deus para a idolatria do povo............................................ 32-34 3. Presença de Deus no término do Tabernáculo..................................... 35-40
  • 33. Contribuições singulares de Êxodo 1. Origem da nação de Israel. Descreve o seu princípio em terra estranha sob pesada e cruel servidão, o livramento divino e a pronta organização do povo com um conjunto de leis espirituais, sociais e civis para o governo da comunidade. 2. Primeiros milagres da Bíblia. Com exceção dos julgamentos sobrenaturais de Gênesis, as pragas do Egito são a primeira demonstração de milagres ou sinais sobrenaturais executados por homens. Foi esse um modo singular de Deus se manifestar ao mundo e ao seu povo.
  • 34. 3. Instituição da Páscoa. " Apesar das muitas festas e comemorações de Israel, nenhuma era tão importante quanta aquela que abria o ano religioso (em meados do primeiro mês), a Páscoa. Tinha ela três finalidades: 1. Comemorar a salvação e o resgate físico dos primogênitos pela morte do cordeiro; 2. Lembrar a cada pessoa a necessidade de se alcançar redenção espiritual do pecado pelo sacrifício de um cordeiro substituto, indicando desse modo a provisão futura prometida por Deus na aliança Abraâmica. 3. Ensina-nos o significado da morte de Cristo, que desempenhou aquele tipo como o "Cordeiro de Deus" (João 1.29). O cordeiro da páscoa foi o maior tipo da redenção no Antigo Testamento.
  • 35. 4. Construção do Tabernáculo " Israel permaneceu no monte Sinai até o final do primeiro ano, ocupado com a construção do Tabernáculo designado por Deus. Do mesmo modo como a Lei retratava a santidade de Deus e a separação do homem por causa da desobediência, o Tabernáculo retratava a graça de Deus, ao prover um lugar de encontro e comunhão pelo sacrifício de sangue. Tipicamente, o Tabernáculo retrata Cristo como a única maneira de o homem se aproximar de Deus. As diferentes peças de mobília descrevem, numa forma visual, os muitos propósitos cumpridos na vida e morte de Jesus, a fim de capacitar as pessoas a se aproximarem dele e terem comunhão com ele (Hb. 9.1-14).
  • 39. TRAVESSIA DO MAR VERMELHO
  • 41. " O Senhor Revela-se em Êxodo 1. O “Eu Sou” da sarça ardente .....(3) – Um Deus que mantém aliança 2. As pragas ............................................(8-12) – Um Deus de punição 3. A Páscoa ..............................................(12) – Um Deus de redenção 4. A travessia do ...........................................(14) – Um Deus de poder 5. A jornada até o Sinai (fome, sede e guerra) ....................(16-17) – Um Deus de provisão 6. A Lei..............................................(19-24) – Um Deus de santidade 7. Tabernáculo, Sacerdotes, Ofertas .(25-30) – Um Deus de comunhão 8. A punição devido ao bezerro de ouro ..(32) – Um Deus de disciplina 9. A renovação da Aliança .............................(33) – Um Deus de Graça 10. A vinda da Glória.......................................(40) – Um Deus de glória
  • 42. " CRISTOLOGIA EM ÊXODO 1. Arão, o sumo sacerdote, tipificou Cristo em muitos aspectos do sacerdócio (Hb. 5,7) 2. O cordeiro da páscoa foi, no Antigo testamento, um notável tipo de Cristo como o Cordeiro de Deus, que derramou o seu sangue para a Salvação Jo. 1.29; I Cor. 5.7 3. Cristo declarou que o maná era o seu tipo, dádiva gratuita dos céus a ser recebida pelo povo para sustento e vida espiritual (Jo. 6.32,33 58) 4. O Tabernáculo e os móveis tipificavam com nitidez a obra de Cristo, a única que proporcionou ao homem uma aproximação de Deus.