SlideShare uma empresa Scribd logo
TODA A BÍBLIA EM UM ANO
Estudo 3: ÊXODO
DEUS LIBERTA SEU POVO
1
ESCOLA BÍBLICA VIRTUAL
CLASSE: A BÍBLIA EM UM ANO
PROFº: FRANCISCO TUDELA
PIBPENHA –SP - 2017
AUTORIA: MOISÉS
Jesus confirma que Moisés é o autor do livro de
Êxodo em Jo 7.19;5.46,47
Os eventos anteriores a Moisés lhe foram relatados
por Deus (Ex 27.34; 24.1).
Moisés os transmitiu oralmente e assim também o
foram os eventos subsequentes a sua morte.
2
SOBRE O MOISÉS
Mósis, em egípcio, significa "filho“, para os judeus, Moshê ,
significa "retirado das águas".
Pai: Anrão, filho de Coate, 2.º filho de Levi
Mãe: Joquebede, Tia de Anrão
Esposa: Ziporá, ou Seforá(em hebraico Tzipora).
Sogro: Jetro
Irmãos: Miriam e Aron ou Arão
Tempo de Vida: 120 anos
Local de Morte: Monte Nebo, Planíce de Moabe
Cronologia da vida de Moisés
1570 a.C. Início da escravidão dos Judeus no Egito
1526 a.C. Nasce Moisés / 40 anos de estudo na corte egípcia
1486 a.C. Mata um egípcio / 40 anos de exílio em Midiã
1447 a.C. Moisés fica 40 dias com Deus no Monte Sinai
1446 a.C. Sacrifício do Cordeiro Pascal / Saída do Egito –
Êxodo / Travessia do Mar Vermelho
1406 a.C. Morte de Moisés / Chegada a Canaã - (Dt 34,1-12)
4
Estamos no ano 5777 do calendário judaico até 02/10/17
(contagem a partir do nascimento de Adão) e no ano 2017
do calendário gregoriano (contagem a partir do nascimento de Jesus).
PROPÓSITOS
1. Registrar a libertação do povo de Israel da
escravidão no Egito.
2. Apresentar os fatos históricos acerca da
origem da nação dos hebreus e de suas
cerimônias religiosas.
3. Registrar a outorga da Lei de Deus para o
povo de Israel.
5
6
1. O cativeiro do povo Hebreu
2. O nascimento de Moisés, seu exílio em Midiã e
retorno como líder de Israel.
3. A Sarça ardente
4. As dez pragas do Egito
5. A Páscoa
6. A saída do povo do Egito
7. A travessia do Mar Vermelho
8. A caminhada até o Sinai
9. Os Dez Mandamentos
10.As Leis de Deus
11.O estabelecimento dos métodos de adoração, do
sacerdócio e do tabernaculo.
TEMAS PRINCIPAIS
7
Êxodo - significa: “são estes, pois, os nomes”, ou “saída”
1 - Cenário Histórico – escrito em 1440 aC durante a primeira
parte da peregrinação do povo judeu pelo deserto de Cades–
Barnéia. (data do êxodo 1445 aC).
Faraós da época de Moisés (datas aproximadas):
AMENHOTEP (1546-1525 ) Escravos no Egito
TUTMÉS I (1525-1508) Nasce Moisés, matança das crianças.
Hatshepsut (1504-1482) filha de Tutmés I, é provável
que tenha sido a mãe adotiva de Moisés (Ex 2.5-10).
TUTMÉS II (1508-1504) faraó de quem Moisés fugiu.
TUTMÉS III (1482-1450).
AMENHOTEP II (1450-1425) Êxodo
8
2 - Cenário Religioso - no Egito se adoravam deuses.
Deuses relacionados a natureza, por ex.: RÁ-
AMON-RÁ ao sol; OSIRIS ao rio Nilo; HORUS ao céu.
JOSÉ É VENDIDO COMO ESCRAVO NO EGITO Gn 37.28
FOME E IDA DOS HEBREUS PARA O EGITO Gn 41
A POPULAÇÃO DE HEBREUS CRESCE Gn 47.27
A ESCRAVIDÃO E OPRESSÃO DO POVO Ex 8
NASCIMENTO DE MOISÉS Ex 2
DOS PATRIARCAS AO ÊXODO
A PRAGAS CONTRA O EGITO Ex 7a11
OS HEBREUS SÃO LIBERTOS E DEPOIS
PERSEGUIDOS
Ex 12
ATRAVESSANDO O MAR DE JUNCOS Ex 13a15
RECEBENDO OS 10 MANDAMENTOS Ex 20
ISRAEL VAGUEIA PELO DESERTO POR 40 ANOS Nm 14
ÊXODO PARA CANAÃ
2 exodo
Os hebreus eram pastores nômades da Mesopotâmia.
No séc. XIX a. C., guiados por Abraão, deslocaram-se para a
Palestina, em busca da Terra Prometida.
3.17 Leite (alimento básico) simboliza a provisão de Deus nas
necessidades mínimas, mel (artigo de luxo) simboliza
bênçãos abundantes.
Juntos esses dois elementos tratam do compromisso de Deus
para sustentar seu povo no novo lar.
No livro da história egipcia, Aventuras de Sinué de 1900 aC,
confirma-se a descrição de que em Canaã “havia figos e
uvas. Havia mais vinho que água. Seu mel era abundante,
suas oliveiras eram copiosas. Havia todos os tipos de
árvores. Cevada e trigo havia lá, e rebanhos sem fim de
todos os tipos.” 12
13
Depois de Abraão, a liderança foi passando de
pai para filho - patriarcal.
De Abraão foi para Isaque e depois para Jacó.
Jacó teve seu nome mudado para Israel, e de
doze de seus filhos originaram-se as doze
tribos de Israel.
14
15
Jaco teve conflitos com vizinhos, porém o que o obrigou a
migrar para o Egito foi a seca. Gn 41.57
O Egito, nesta ocasião, era dominado pelos hicsos (1730-
1580), semitas (descendente de Sem) provenientes da
Palestina, daí um escravo como José, um semita, ter
chegado a posição de destaque no governo.
16O novo faraó desconhecia os feitos do Deus de José
(1635 - 1491 a.C.) - da morte de José ao Êxodo.
Permaneceram por 430 anos no Egito (12.40).
1.5 Eram 70 os descendentes de Jacó.
1.6 Morrem Jose e seus irmaos.
1.10 Agora são mais de dois milhões (em aprox. 370 anos),
um número assustador para os egípcios
1.12,13 Temendo uma virada na balança do poder o Faraó
decide escravizá-los.
1.22; 2.3; 2.10 Por meio de uma série de acontecimentos
notáveis, um menino hebreu, chamado Moisés, veio a ser
príncipe no palácio do Faraó, mais tarde um exilado em
terras desérticas e finalmente o líder do povo hebreu.
1.17 Não praticaram o aborto por temerem a Deus.
17
a) Os primeiros 40 anos de Moisés foram no palácio do Faraó,
onde recebeu educação religiosa, conhecimento
intelectual, político e treinamento militar.
b) 2.11-15 Assassinou um egípcio, pensou que ninguém havia
visto, porém a notícia se espalhou. Dos 40 aos 80 anos
exilou-se em Midiã, fugindo do faraó.
c) 4.12,13 Deus o chama, mostra milagres, mas Moisés está
desmotivado; se acha incapaz(4.10); Deus dá a solução
(4.14,15).
d) 2.22; 4.24-26 Como pai israelita não circuncidara seu filho,
o que mostra seu despreparo para a tarefa de líder judeu.
Escolheríamos Moisés para líder?
Tinha preparo, mas seu caráter!!!
É Deus quem transforma as pessoas para sua obra. 18
1.ª PRAGA – AGUA TRANSFORMADA EM SANGUE (7.14-25)
Um golpe contra Hapi, o deus protetor do Rio Nilo.
Deus mostra que esse deus não tem poder, pois não pode
impedir que suas águas apodrecessem e cheirassem mal.
2.ª PRAGA – A INVASÃO DE RÃS (8.1-15)
Os egípcios relacionavam as rãs com a deusa da fertilidade.
Todos que queriam a fertilidade invocavam tal divindade.
Deus mostra que esse deus também não tem poder, pois não
consegue impedir que o Egito fosse invadido por rãs.
19
20
3.ª PRAGA – A INVASÃO DE PIOLHOS (8.16-19)
O pó da terra, considerado sagrado, era usado para curar as
pessoas e Deus o converte em insetos importunadores.
Esse pó considerado sagrado agora causava grandes feridas.
Os sacerdotes egípcios, ao ministrarem nos lugares sagrados,
usavam vestes brancas de linho, raspavam a cabeça e antes
de entrar no lugar sagrado, examinavam com cuidado, não
podiam ter no corpo ou nas vestes qualquer inseto.
Devido a essa praga os sacerdotes
egípcios ficaram impossibilitados de
cumprirem seus rituais.
Mostra que Deus tem poder sobre
Oculto a outros deuses.
4.ª PRAGA – A INVASÃO DE MOSCAS (8.20-32)
O deus Belzebu era poderoso contra as moscas.
Enxames de moscas cobriram a terra.
Clamaram a Belzebu e nada aconteceu.
Mais um deus desmoralizado.
5.ª PRAGA – PESTE NOS ANIMAIS (9.1-7)
Um golpe contra Amom, protetor dos rebanhos que tinha a
forma de um carneiro, animal sagrado.
Foi incapaz de proteger o rebanho egípcio.
21
22
6.ª PRAGA – ÚLCERAS (9.8-12)
Contra o deus Tifon que protegia das feridas.
Os magos foram os primeiros a serem infectados.
7.ª PRAGA – GRANIZO (9.13-35)
Serafis era a protetora da lavoura.
A tempestade de trovões, raios e granizo
destruiu as colheitas de cevada e de linho
e matou os animais.
8ª PRAGA – INVASÃO DE GAFANHOTOS (10.1-20)
Isis e Serafis deveriam proteger a vegetação.
A praga de gafanhotos trazida por um vento
oriental consumiu a vegetação que havia
sobrado da tempestade da 7ª praga.
Isis e Serafis foram impotentes para
proteger o Egito dos gafanhotos. 23
9.ª PRAGA – TREVAS (10.21-29)
As trevas encobriram todo o Egito de tal modo que um
homem não conseguia ver o outro, mesmo a um palmo a
frente, exceto na terra de Gósen, onde Israel habitava.
Grande golpe no deus Rá, o deus do sol.
Os luminares celestes, objetos de culto, eram incapazes de
penetrar na densa escuridão.
Um golpe direto contra o Faraó, que se intitulava filho de Rá.
O Faraó era chamado “O FILHO DO SOL”.
24
25
10.ª PRAGA – A MORTE DOS PRIMOGÊNITOS (11.1-12.36)
O Egito estava completamente arruinado (10.7).
Após um ano desde a primeira praga cumpre-se a justiça
retributiva.
Os egípcios haviam matado as crianças dos judeus, agora eles
mesmos colhiam do que plantaram.
Moisés e seu povo (2 a 3 milhões) tiveram permissão para sair
e lhes foram dados suprimentos para esta jornada.
fonte:http://gracamaior.com.br/mensagens/as-10-pragas-do-egito-e-sua-relacao-com-as-divindades-pagas-egi.html
26
(1491 - 1451 a.C.) - do Êxodo a Deuteronômio.
13.3 Instituída a Páscoa.
13.21; 14.19,25 Deus guia e preserva o povo
14.21 No texto hebraico “mar de juncos”.
14.22 Nossa sociedade só acredita no que é feito pelo homem
e naquilo que entende a partir dos métodos das ciências.
Fé em Deus e pé na água.
27
15.19-21 Pela travessia milagrosa, Miriam toca, dança e canta
ao Senhor, seguida do coro das mulheres; referindo-se a este
versículo o Sl 150.4 emprega o termo “tamborins e danças”.
19.5 A aliança é com o povo de Israel, que não se cumpriu por
não manterem a fidelidade, não é válida para nós cristãos.
19.18 Deus esteve na terra, no monte Sinai, por 40 dias com
Moisés.
28
20.8 Jesus violou o
sábado (Jo 5.18),
mas tinha o costume
de ir à Sinagoga no
sábado (Lc 4.16), e
os 1º cristãos iam
todos os dias (At
2.46).
Rm 14.6 Podemos
dedicar um dia para
cultuar e congregar.
20.7 Isto é: nunca
viva como se Deus
não existisse.
29
Jesus cita os
dois maiores
mandamentos
Sobre a lei
O tipo de lei mostra o tipo de pessoa que a fez, assim Deus
faz uma lei que revela o tipo de pessoa que Ele é.
Por exemplo, se criminosos fizessem leis, legalizariam o
crime.
1. A primeira função da lei é revelar Deus.
A lei é também chamada a Palavra de Deus.
As palavras são o meio pelo qual uma pessoa se revela.
A Lei trata do relacionamento do povo, tanto com Deus como
entre si, devendo refletir, na pratica, o caráter de Deus.
2. A segunda funcao e mostrar que somos pecadores
Antes da lei não percebíamos o nosso problema, pois não
tínhamos necessidade de espelharmos o caráter de Deus.30
31
21.24 Ser justo de maneira equitativa.
25.18 Dois querubins – Deus condena a idolatria e não a arte.
26.1 O Tabernáculo era um pátio de 45 x 22,5m, tamanho de
uma quadra de futebol, nele o Templo de 13,5 x 4,5m e
dentro duas alas: o santo e em separado o santíssimo, onde
ficava a arca e sobre sua tampa (aquilo que
cobre = propiciatório) Deus se encontraria
com Moisés (25.22). (curiosidade 20.26).
32.1-4 Por 40 dias Moisés ficou no topo do Sinai, recebendo
as instruções sobre o Tabernáculo, e seu irmão lá embaixo
acha que Deus os abandonara e faz um ídolo substui-Lo.
32.5,6 Num sincretismo religioso dedicam uma festa a Deus e
ao bezerro (simboliza a fertilidade masculina, uma orgia
sexual no deserto).
32
32.20,27,28,35 A reação de Moisés foi terrível.
34.1,10 Deus renova a aliança apesar do episódio do bezerro.
34.28 Duas tabuas, com os 10 mandamentos, escritas dos dois
lados (3.18;32.15) por Deus, quebradas em 32.19, agora são
refeitas por Moisés.
As instruções sobre o tabernáculo vão do cap 25 ao 31 e sua
construção do 35 ao 40.
Assim como a Lei mostra a santidade de Deus e a separação do
homem por causa do pecado, o Tabernáculo mostrava a Graça de
Deus que permitia, através dos sacrifícios, purificação e conduta
santa: um novo modo de voltarem a ter comunhão com Êle e de O
terem vivendo entre eles (25.8).
36.2 Dois engenheiros artistas construíram o tabernáculo.
40.36-38 Deus acompanhando o povo no deserto.
Deus se revela em 3.14 “Eu Sou”
Deus “é”; eles, os animais, “são” e o homem “é” parcialmente
A incompletude (não estar pronto) do homem é ver-se como
um ser que pode completar-se e ser diferente daquilo que é.
Progresso é o processo cumulativo no qual o estágio mais
recente é preferível e melhor, ou seja, qualitativamente
superior, ao que o precedeu.
É uma palavra que só faz sentido para o homem, não faz
sentido para Deus nem para os animais que estão completos.
O homem espera completar-se e pode escolher como fazê-lo.
Há pessoas que se fazem piores daquilo que são (regridem).
A melhor escolha é fazer-se melhor (progredir).
O caminhar do cristão, neste sentido, se chama santificação.33
34
35
PÔ, MOISÉS,
MANERA NÉ?!
Toda a Bíblia em um ano: De Gênesis a Neemias; Dusilek, Darci; 9ª Ed. Rio de
Janeiro; Ed. Horizonal, 2006
Manual Bíblico SBB; trad. Noronha, Lailah; São Paulo; Ed. Sociedade Bíblica do
Brasil; 2008
Textos Bíblicos extraídos: Bíblia Sagrada Nova Versão Internacional; São
Paulo; Ed. Vida; 2001
Bíblia De Estudo NVI, Barker; São Paulo; Ed. Vida; 2003
MacDonald, Willian, Comentário Bíblico Popular, São Paulo, Ed. Mundo Cristão,
1ª edição, 2008
BRUCCE, F. F. Comentário Bíblico NVI. São Paulo, Ed. Vida, 1ª edição, 2008
Reflexões extraídas da World Wide Web
Programa ROTA 66 – Sayão, Luiz – Rádio transmundial
37
Até este momento o local de culto era centrado na família,
adoração doméstica.
O culto no tabernáculo: no altar de pedras e com o sacrifício
de animais as pessoas voltavam a se reconciliar com Deus.
Israel permaneceu no Monte Sinai até o final do primeiro ano,
ocupado com a construção do Tabernáculo.
O propósito do Tabernáculo:
Assim como a Lei retratava a santidade de Deus e a
separação do homem por causa do pecado, o Tabernáculo
mostrava a Graça de Deus que permitia, através dos
sacrifícios, purificação e conduta santa: um novo modo de
voltarem a ter comunhão com Deus e de O terem vivendo
entre eles (25.8) 38
39
2 exodo
MILAGRES NO LIVRO DE ÊXODO
41
MILAGRE PROPÓSITO LOCAL REF.
1. Sarça ardente que não
se consumia
O chamado de
Moisés
Horebe Ex 3.2
2. Vara de Moisés se
transforma em serpente
Confirmar sua
fé
Horebe Ex 4.2-5
42
MILAGRE PROPÓSITO LOCAL REF.
3. A mão de Moisés fica
leprosa e é curada
Confirmar sua fé Horebe Ex 4.6-7
4. A vara de Arão é
transformada em
serpente
Convencer o faraó
de que Deus os
enviara
Egito Ex 7.10-12
5. As 10 pragas Obrigar o faraó a
liberar os israelitas
e derrotar seus
deuses
Egito Ex 7-12
43
MILAGRE PROPÓSITO LOCAL REF.
6. A coluna de nuvem
de dia e a coluna de
fogo de noite
Guiar os israelitas Próximo ao
Egito
Ex 13.20-21
7. Forte vento
empurra as águas do
mar de juncos.
Abrir caminho p/
Israel e deter os
egípcios
Próximo ao
Egito
Ex 14.2
8. As águas de Mara
se tornam doces
Suprir o povo com
água potável
Mara Ex 15.24-25
44
MILAGRE PROPÓSITO LOCAL REF.
9. O envio de carne de
codorna e o maná
Suprir os israelitas
de alimento
O deserto Ex 16.13-35
10. A água sai da rocha Suprir os israelitas
de água
Horebe e
meribá
Ex 17.5-7
Nm 20.8-12
A Lei
1. Não terás outros deuses além de mim.
2. Não farás para ti nenhum ídolo, nenhuma
imagem.
3. Não tomarás em vão o nome do SENHOR, o
teu Deus.
4. Lembra-te do dia de sábado, para santificá-
lo.
5. Honra teu pai e tua mãe.
6. Não matarás.
7. Não adulterarás.
8. Não furtarás.
9. Não darás falso testemunho contra o teu
próximo.
10. Não cobiçarás a casa do teu próximo. 45
São princípios
éticos e teológicos
válidos para o
cristão
46
Aí, no Monte Sinai, Moisés recebeu de Deus as
Tábuas da Lei, contendo os Dez Mandamentos.
(curiosidade 20.26)
Estrutura do livro: A presença de Deus
1. Libertação da escravidão do Egito – 1.1 a 13.16
2. Jornada para o Sinai – 13.17 a 18.27
3. Aliança no Sinai – 19.1 a 24.18
4. Regras do tabernáculo e sacerdotes - 25.1 a 31.18
5. Disciplina e perdão de Deus – 32.1 a 34.35
6. Construção do tabernáculo – 35.1 a 40.38
47
1) Revela os princípios espirituais e morais de Deus ao povo
como um modo de vida, e não como um meio de salvação.
2) Era um acordo ou aliança entre Deus e seu povo.
Era condicional, serviria para saber se aceitavam a Deus como
o Senhor da Aliança (19.5)
Deveria motivá-los à santidade, estabelecendo uma base
para a bênção ou punição, na medida que se tornavam uma
Nação Teocrática (Dt 5.32,33) 48
A palavra hebraica traduzida como Lei,
Torá, significa instrução ou orientação.
A Lei de Deus não era considerada uma vara de
disciplina, mas um guia prático de como viver a
vida da melhor maneira.
A lei revela nossa pecaminosidade.
A lei mostra que constantemente a quebramos,
para que depois de quebrada nos convençamos
da necessidade de ajuda.
A Lei Mosaica terminou na Cruz quando Jesus se
tornou o Sumo Sacerdote, eliminando o
Sacerdócio Araônico e toda a Lei 49

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Panorama do AT - Gênesis
Panorama do AT - GênesisPanorama do AT - Gênesis
Panorama do AT - Gênesis
Respirando Deus
 
Daniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneoDaniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneo
Moisés Sampaio
 
Deuteronomio 1
Deuteronomio 1Deuteronomio 1
Deuteronomio 1
Elisa Schenk
 
O Livro de Números
O Livro de NúmerosO Livro de Números
O Livro de Números
Élida Rolim
 
32. O Profeta Ezequiel
32. O Profeta Ezequiel32. O Profeta Ezequiel
32. O Profeta Ezequiel
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Panorama do pentateuco
Panorama do pentateucoPanorama do pentateuco
Panorama do pentateuco
Paulo Ferreira
 
Pentateuco
PentateucoPentateuco
Pentateuco
Rogério Nunes
 
Livro de Juízes Antigo Testamento
Livro de Juízes Antigo TestamentoLivro de Juízes Antigo Testamento
Livro de Juízes Antigo Testamento
Leandro Nazareth Souto
 
Aula 1 - Gênesis
Aula 1 - GênesisAula 1 - Gênesis
Aula 1 - Gênesis
ibrdoamor
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
Alberto Simonton
 
Ezequiel (moody)
Ezequiel (moody)Ezequiel (moody)
Ezequiel (moody)
leniogravacoes
 
Disciplina de Arqueologia Bíblica
Disciplina de Arqueologia BíblicaDisciplina de Arqueologia Bíblica
Disciplina de Arqueologia Bíblica
faculdadeteologica
 
Deuteronomio
DeuteronomioDeuteronomio
Deuteronomio
Marcianno Teofilo
 
69 estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)
69   estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)69   estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)
69 estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)
Robson Tavares Fernandes
 
Estudo 1 - Reino dividido
Estudo 1 - Reino divididoEstudo 1 - Reino dividido
Estudo 1 - Reino dividido
Correios
 
Estudo do Livro de números, pentateuco
Estudo do Livro de números, pentateucoEstudo do Livro de números, pentateuco
Estudo do Livro de números, pentateuco
RODRIGO FERREIRA
 
Lição 11 - As festas de Israel e o Ano do Jubileu
Lição 11 - As festas de Israel e o Ano do JubileuLição 11 - As festas de Israel e o Ano do Jubileu
Lição 11 - As festas de Israel e o Ano do Jubileu
Éder Tomé
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
Alberto Simonton
 
O livro de êxodo e o cativeiro de Israel no Egito
O livro de êxodo e o cativeiro de Israel no EgitoO livro de êxodo e o cativeiro de Israel no Egito
O livro de êxodo e o cativeiro de Israel no Egito
Moisés Sampaio
 
Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2
Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2
Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2
Respirando Deus
 

Mais procurados (20)

Panorama do AT - Gênesis
Panorama do AT - GênesisPanorama do AT - Gênesis
Panorama do AT - Gênesis
 
Daniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneoDaniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneo
 
Deuteronomio 1
Deuteronomio 1Deuteronomio 1
Deuteronomio 1
 
O Livro de Números
O Livro de NúmerosO Livro de Números
O Livro de Números
 
32. O Profeta Ezequiel
32. O Profeta Ezequiel32. O Profeta Ezequiel
32. O Profeta Ezequiel
 
Panorama do pentateuco
Panorama do pentateucoPanorama do pentateuco
Panorama do pentateuco
 
Pentateuco
PentateucoPentateuco
Pentateuco
 
Livro de Juízes Antigo Testamento
Livro de Juízes Antigo TestamentoLivro de Juízes Antigo Testamento
Livro de Juízes Antigo Testamento
 
Aula 1 - Gênesis
Aula 1 - GênesisAula 1 - Gênesis
Aula 1 - Gênesis
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
 
Ezequiel (moody)
Ezequiel (moody)Ezequiel (moody)
Ezequiel (moody)
 
Disciplina de Arqueologia Bíblica
Disciplina de Arqueologia BíblicaDisciplina de Arqueologia Bíblica
Disciplina de Arqueologia Bíblica
 
Deuteronomio
DeuteronomioDeuteronomio
Deuteronomio
 
69 estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)
69   estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)69   estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)
69 estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)
 
Estudo 1 - Reino dividido
Estudo 1 - Reino divididoEstudo 1 - Reino dividido
Estudo 1 - Reino dividido
 
Estudo do Livro de números, pentateuco
Estudo do Livro de números, pentateucoEstudo do Livro de números, pentateuco
Estudo do Livro de números, pentateuco
 
Lição 11 - As festas de Israel e o Ano do Jubileu
Lição 11 - As festas de Israel e o Ano do JubileuLição 11 - As festas de Israel e o Ano do Jubileu
Lição 11 - As festas de Israel e o Ano do Jubileu
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
 
O livro de êxodo e o cativeiro de Israel no Egito
O livro de êxodo e o cativeiro de Israel no EgitoO livro de êxodo e o cativeiro de Israel no Egito
O livro de êxodo e o cativeiro de Israel no Egito
 
Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2
Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2
Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2
 

Semelhante a 2 exodo

7 a jornada de moises - 7 aula
7   a jornada de moises - 7 aula7   a jornada de moises - 7 aula
7 a jornada de moises - 7 aula
PIB Penha
 
6 exodo 1 12
6 exodo 1 126 exodo 1 12
6 exodo 1 12
PIB Penha
 
INTRODUÇÃO AOS LIVROS BIBLICOS - PENTETEUCO.pdf
INTRODUÇÃO AOS LIVROS BIBLICOS - PENTETEUCO.pdfINTRODUÇÃO AOS LIVROS BIBLICOS - PENTETEUCO.pdf
INTRODUÇÃO AOS LIVROS BIBLICOS - PENTETEUCO.pdf
fcmidias85
 
5 panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd
5   panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd5   panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd
5 panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd
PIB Penha
 
Lição 3 As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de Faraó
Lição 3   As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de FaraóLição 3   As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de Faraó
Lição 3 As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de Faraó
Pr. Andre Luiz
 
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
PIB Penha - SP
 
Aula 3 - Êxodo
Aula 3 - ÊxodoAula 3 - Êxodo
Aula 3 - Êxodo
ibrdoamor
 
Introdução ao estudo do evangelho
Introdução ao estudo do evangelhoIntrodução ao estudo do evangelho
Introdução ao estudo do evangelho
Cláudio Fajardo
 
Estudo do pentateuco
Estudo do pentateucoEstudo do pentateuco
Estudo do pentateuco
Flavia Araujo Batista Santos
 
Escravidão e Terror no Egito
Escravidão e Terror no EgitoEscravidão e Terror no Egito
Escravidão e Terror no Egito
Rogério Nunes
 
Seminario Sagrada Escritura.pptx
Seminario Sagrada Escritura.pptxSeminario Sagrada Escritura.pptx
Seminario Sagrada Escritura.pptx
EuripedesNeto3
 
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
Rogerio Sena
 
Uma festa no deserto!
Uma festa no deserto!Uma festa no deserto!
Pentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodoPentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodo
RODRIGO FERREIRA
 
PANORAMA_DO_AT_1.ppt
PANORAMA_DO_AT_1.pptPANORAMA_DO_AT_1.ppt
PANORAMA_DO_AT_1.ppt
Lisanro Cronje
 
2. genesis 1 NM.pptx
2. genesis 1 NM.pptx2. genesis 1 NM.pptx
2. genesis 1 NM.pptx
PIB Penha
 
O Livro de Êxodo a 1 Samuel Disponível em: www.portadesiao.blogspot.com
O Livro de Êxodo a 1 Samuel Disponível em: www.portadesiao.blogspot.comO Livro de Êxodo a 1 Samuel Disponível em: www.portadesiao.blogspot.com
O Livro de Êxodo a 1 Samuel Disponível em: www.portadesiao.blogspot.com
leitemel
 
4 números
4 números4 números
4 números
PIB Penha
 
13 numeros 1 10
13 numeros 1   1013 numeros 1   10
13 numeros 1 10
PIB Penha
 
Israel - A historia do Povo de Deus
Israel - A historia do Povo de Deus Israel - A historia do Povo de Deus
Israel - A historia do Povo de Deus
Taisa
 

Semelhante a 2 exodo (20)

7 a jornada de moises - 7 aula
7   a jornada de moises - 7 aula7   a jornada de moises - 7 aula
7 a jornada de moises - 7 aula
 
6 exodo 1 12
6 exodo 1 126 exodo 1 12
6 exodo 1 12
 
INTRODUÇÃO AOS LIVROS BIBLICOS - PENTETEUCO.pdf
INTRODUÇÃO AOS LIVROS BIBLICOS - PENTETEUCO.pdfINTRODUÇÃO AOS LIVROS BIBLICOS - PENTETEUCO.pdf
INTRODUÇÃO AOS LIVROS BIBLICOS - PENTETEUCO.pdf
 
5 panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd
5   panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd5   panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd
5 panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd
 
Lição 3 As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de Faraó
Lição 3   As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de FaraóLição 3   As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de Faraó
Lição 3 As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de Faraó
 
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
 
Aula 3 - Êxodo
Aula 3 - ÊxodoAula 3 - Êxodo
Aula 3 - Êxodo
 
Introdução ao estudo do evangelho
Introdução ao estudo do evangelhoIntrodução ao estudo do evangelho
Introdução ao estudo do evangelho
 
Estudo do pentateuco
Estudo do pentateucoEstudo do pentateuco
Estudo do pentateuco
 
Escravidão e Terror no Egito
Escravidão e Terror no EgitoEscravidão e Terror no Egito
Escravidão e Terror no Egito
 
Seminario Sagrada Escritura.pptx
Seminario Sagrada Escritura.pptxSeminario Sagrada Escritura.pptx
Seminario Sagrada Escritura.pptx
 
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
 
Uma festa no deserto!
Uma festa no deserto!Uma festa no deserto!
Uma festa no deserto!
 
Pentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodoPentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodo
 
PANORAMA_DO_AT_1.ppt
PANORAMA_DO_AT_1.pptPANORAMA_DO_AT_1.ppt
PANORAMA_DO_AT_1.ppt
 
2. genesis 1 NM.pptx
2. genesis 1 NM.pptx2. genesis 1 NM.pptx
2. genesis 1 NM.pptx
 
O Livro de Êxodo a 1 Samuel Disponível em: www.portadesiao.blogspot.com
O Livro de Êxodo a 1 Samuel Disponível em: www.portadesiao.blogspot.comO Livro de Êxodo a 1 Samuel Disponível em: www.portadesiao.blogspot.com
O Livro de Êxodo a 1 Samuel Disponível em: www.portadesiao.blogspot.com
 
4 números
4 números4 números
4 números
 
13 numeros 1 10
13 numeros 1   1013 numeros 1   10
13 numeros 1 10
 
Israel - A historia do Povo de Deus
Israel - A historia do Povo de Deus Israel - A historia do Povo de Deus
Israel - A historia do Povo de Deus
 

Último

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 

Último (15)

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 

2 exodo

  • 1. TODA A BÍBLIA EM UM ANO Estudo 3: ÊXODO DEUS LIBERTA SEU POVO 1 ESCOLA BÍBLICA VIRTUAL CLASSE: A BÍBLIA EM UM ANO PROFº: FRANCISCO TUDELA PIBPENHA –SP - 2017
  • 2. AUTORIA: MOISÉS Jesus confirma que Moisés é o autor do livro de Êxodo em Jo 7.19;5.46,47 Os eventos anteriores a Moisés lhe foram relatados por Deus (Ex 27.34; 24.1). Moisés os transmitiu oralmente e assim também o foram os eventos subsequentes a sua morte. 2
  • 3. SOBRE O MOISÉS Mósis, em egípcio, significa "filho“, para os judeus, Moshê , significa "retirado das águas". Pai: Anrão, filho de Coate, 2.º filho de Levi Mãe: Joquebede, Tia de Anrão Esposa: Ziporá, ou Seforá(em hebraico Tzipora). Sogro: Jetro Irmãos: Miriam e Aron ou Arão Tempo de Vida: 120 anos Local de Morte: Monte Nebo, Planíce de Moabe
  • 4. Cronologia da vida de Moisés 1570 a.C. Início da escravidão dos Judeus no Egito 1526 a.C. Nasce Moisés / 40 anos de estudo na corte egípcia 1486 a.C. Mata um egípcio / 40 anos de exílio em Midiã 1447 a.C. Moisés fica 40 dias com Deus no Monte Sinai 1446 a.C. Sacrifício do Cordeiro Pascal / Saída do Egito – Êxodo / Travessia do Mar Vermelho 1406 a.C. Morte de Moisés / Chegada a Canaã - (Dt 34,1-12) 4 Estamos no ano 5777 do calendário judaico até 02/10/17 (contagem a partir do nascimento de Adão) e no ano 2017 do calendário gregoriano (contagem a partir do nascimento de Jesus).
  • 5. PROPÓSITOS 1. Registrar a libertação do povo de Israel da escravidão no Egito. 2. Apresentar os fatos históricos acerca da origem da nação dos hebreus e de suas cerimônias religiosas. 3. Registrar a outorga da Lei de Deus para o povo de Israel. 5
  • 6. 6 1. O cativeiro do povo Hebreu 2. O nascimento de Moisés, seu exílio em Midiã e retorno como líder de Israel. 3. A Sarça ardente 4. As dez pragas do Egito 5. A Páscoa 6. A saída do povo do Egito 7. A travessia do Mar Vermelho 8. A caminhada até o Sinai 9. Os Dez Mandamentos 10.As Leis de Deus 11.O estabelecimento dos métodos de adoração, do sacerdócio e do tabernaculo. TEMAS PRINCIPAIS
  • 7. 7 Êxodo - significa: “são estes, pois, os nomes”, ou “saída” 1 - Cenário Histórico – escrito em 1440 aC durante a primeira parte da peregrinação do povo judeu pelo deserto de Cades– Barnéia. (data do êxodo 1445 aC). Faraós da época de Moisés (datas aproximadas): AMENHOTEP (1546-1525 ) Escravos no Egito TUTMÉS I (1525-1508) Nasce Moisés, matança das crianças. Hatshepsut (1504-1482) filha de Tutmés I, é provável que tenha sido a mãe adotiva de Moisés (Ex 2.5-10). TUTMÉS II (1508-1504) faraó de quem Moisés fugiu. TUTMÉS III (1482-1450). AMENHOTEP II (1450-1425) Êxodo
  • 8. 8 2 - Cenário Religioso - no Egito se adoravam deuses. Deuses relacionados a natureza, por ex.: RÁ- AMON-RÁ ao sol; OSIRIS ao rio Nilo; HORUS ao céu.
  • 9. JOSÉ É VENDIDO COMO ESCRAVO NO EGITO Gn 37.28 FOME E IDA DOS HEBREUS PARA O EGITO Gn 41 A POPULAÇÃO DE HEBREUS CRESCE Gn 47.27 A ESCRAVIDÃO E OPRESSÃO DO POVO Ex 8 NASCIMENTO DE MOISÉS Ex 2 DOS PATRIARCAS AO ÊXODO
  • 10. A PRAGAS CONTRA O EGITO Ex 7a11 OS HEBREUS SÃO LIBERTOS E DEPOIS PERSEGUIDOS Ex 12 ATRAVESSANDO O MAR DE JUNCOS Ex 13a15 RECEBENDO OS 10 MANDAMENTOS Ex 20 ISRAEL VAGUEIA PELO DESERTO POR 40 ANOS Nm 14 ÊXODO PARA CANAÃ
  • 12. Os hebreus eram pastores nômades da Mesopotâmia. No séc. XIX a. C., guiados por Abraão, deslocaram-se para a Palestina, em busca da Terra Prometida. 3.17 Leite (alimento básico) simboliza a provisão de Deus nas necessidades mínimas, mel (artigo de luxo) simboliza bênçãos abundantes. Juntos esses dois elementos tratam do compromisso de Deus para sustentar seu povo no novo lar. No livro da história egipcia, Aventuras de Sinué de 1900 aC, confirma-se a descrição de que em Canaã “havia figos e uvas. Havia mais vinho que água. Seu mel era abundante, suas oliveiras eram copiosas. Havia todos os tipos de árvores. Cevada e trigo havia lá, e rebanhos sem fim de todos os tipos.” 12
  • 13. 13
  • 14. Depois de Abraão, a liderança foi passando de pai para filho - patriarcal. De Abraão foi para Isaque e depois para Jacó. Jacó teve seu nome mudado para Israel, e de doze de seus filhos originaram-se as doze tribos de Israel. 14
  • 15. 15
  • 16. Jaco teve conflitos com vizinhos, porém o que o obrigou a migrar para o Egito foi a seca. Gn 41.57 O Egito, nesta ocasião, era dominado pelos hicsos (1730- 1580), semitas (descendente de Sem) provenientes da Palestina, daí um escravo como José, um semita, ter chegado a posição de destaque no governo. 16O novo faraó desconhecia os feitos do Deus de José
  • 17. (1635 - 1491 a.C.) - da morte de José ao Êxodo. Permaneceram por 430 anos no Egito (12.40). 1.5 Eram 70 os descendentes de Jacó. 1.6 Morrem Jose e seus irmaos. 1.10 Agora são mais de dois milhões (em aprox. 370 anos), um número assustador para os egípcios 1.12,13 Temendo uma virada na balança do poder o Faraó decide escravizá-los. 1.22; 2.3; 2.10 Por meio de uma série de acontecimentos notáveis, um menino hebreu, chamado Moisés, veio a ser príncipe no palácio do Faraó, mais tarde um exilado em terras desérticas e finalmente o líder do povo hebreu. 1.17 Não praticaram o aborto por temerem a Deus. 17
  • 18. a) Os primeiros 40 anos de Moisés foram no palácio do Faraó, onde recebeu educação religiosa, conhecimento intelectual, político e treinamento militar. b) 2.11-15 Assassinou um egípcio, pensou que ninguém havia visto, porém a notícia se espalhou. Dos 40 aos 80 anos exilou-se em Midiã, fugindo do faraó. c) 4.12,13 Deus o chama, mostra milagres, mas Moisés está desmotivado; se acha incapaz(4.10); Deus dá a solução (4.14,15). d) 2.22; 4.24-26 Como pai israelita não circuncidara seu filho, o que mostra seu despreparo para a tarefa de líder judeu. Escolheríamos Moisés para líder? Tinha preparo, mas seu caráter!!! É Deus quem transforma as pessoas para sua obra. 18
  • 19. 1.ª PRAGA – AGUA TRANSFORMADA EM SANGUE (7.14-25) Um golpe contra Hapi, o deus protetor do Rio Nilo. Deus mostra que esse deus não tem poder, pois não pode impedir que suas águas apodrecessem e cheirassem mal. 2.ª PRAGA – A INVASÃO DE RÃS (8.1-15) Os egípcios relacionavam as rãs com a deusa da fertilidade. Todos que queriam a fertilidade invocavam tal divindade. Deus mostra que esse deus também não tem poder, pois não consegue impedir que o Egito fosse invadido por rãs. 19
  • 20. 20 3.ª PRAGA – A INVASÃO DE PIOLHOS (8.16-19) O pó da terra, considerado sagrado, era usado para curar as pessoas e Deus o converte em insetos importunadores. Esse pó considerado sagrado agora causava grandes feridas. Os sacerdotes egípcios, ao ministrarem nos lugares sagrados, usavam vestes brancas de linho, raspavam a cabeça e antes de entrar no lugar sagrado, examinavam com cuidado, não podiam ter no corpo ou nas vestes qualquer inseto. Devido a essa praga os sacerdotes egípcios ficaram impossibilitados de cumprirem seus rituais. Mostra que Deus tem poder sobre Oculto a outros deuses.
  • 21. 4.ª PRAGA – A INVASÃO DE MOSCAS (8.20-32) O deus Belzebu era poderoso contra as moscas. Enxames de moscas cobriram a terra. Clamaram a Belzebu e nada aconteceu. Mais um deus desmoralizado. 5.ª PRAGA – PESTE NOS ANIMAIS (9.1-7) Um golpe contra Amom, protetor dos rebanhos que tinha a forma de um carneiro, animal sagrado. Foi incapaz de proteger o rebanho egípcio. 21
  • 22. 22 6.ª PRAGA – ÚLCERAS (9.8-12) Contra o deus Tifon que protegia das feridas. Os magos foram os primeiros a serem infectados.
  • 23. 7.ª PRAGA – GRANIZO (9.13-35) Serafis era a protetora da lavoura. A tempestade de trovões, raios e granizo destruiu as colheitas de cevada e de linho e matou os animais. 8ª PRAGA – INVASÃO DE GAFANHOTOS (10.1-20) Isis e Serafis deveriam proteger a vegetação. A praga de gafanhotos trazida por um vento oriental consumiu a vegetação que havia sobrado da tempestade da 7ª praga. Isis e Serafis foram impotentes para proteger o Egito dos gafanhotos. 23
  • 24. 9.ª PRAGA – TREVAS (10.21-29) As trevas encobriram todo o Egito de tal modo que um homem não conseguia ver o outro, mesmo a um palmo a frente, exceto na terra de Gósen, onde Israel habitava. Grande golpe no deus Rá, o deus do sol. Os luminares celestes, objetos de culto, eram incapazes de penetrar na densa escuridão. Um golpe direto contra o Faraó, que se intitulava filho de Rá. O Faraó era chamado “O FILHO DO SOL”. 24
  • 25. 25 10.ª PRAGA – A MORTE DOS PRIMOGÊNITOS (11.1-12.36) O Egito estava completamente arruinado (10.7). Após um ano desde a primeira praga cumpre-se a justiça retributiva. Os egípcios haviam matado as crianças dos judeus, agora eles mesmos colhiam do que plantaram. Moisés e seu povo (2 a 3 milhões) tiveram permissão para sair e lhes foram dados suprimentos para esta jornada. fonte:http://gracamaior.com.br/mensagens/as-10-pragas-do-egito-e-sua-relacao-com-as-divindades-pagas-egi.html
  • 26. 26 (1491 - 1451 a.C.) - do Êxodo a Deuteronômio. 13.3 Instituída a Páscoa. 13.21; 14.19,25 Deus guia e preserva o povo 14.21 No texto hebraico “mar de juncos”. 14.22 Nossa sociedade só acredita no que é feito pelo homem e naquilo que entende a partir dos métodos das ciências. Fé em Deus e pé na água.
  • 27. 27 15.19-21 Pela travessia milagrosa, Miriam toca, dança e canta ao Senhor, seguida do coro das mulheres; referindo-se a este versículo o Sl 150.4 emprega o termo “tamborins e danças”. 19.5 A aliança é com o povo de Israel, que não se cumpriu por não manterem a fidelidade, não é válida para nós cristãos. 19.18 Deus esteve na terra, no monte Sinai, por 40 dias com Moisés.
  • 28. 28 20.8 Jesus violou o sábado (Jo 5.18), mas tinha o costume de ir à Sinagoga no sábado (Lc 4.16), e os 1º cristãos iam todos os dias (At 2.46). Rm 14.6 Podemos dedicar um dia para cultuar e congregar. 20.7 Isto é: nunca viva como se Deus não existisse.
  • 29. 29 Jesus cita os dois maiores mandamentos
  • 30. Sobre a lei O tipo de lei mostra o tipo de pessoa que a fez, assim Deus faz uma lei que revela o tipo de pessoa que Ele é. Por exemplo, se criminosos fizessem leis, legalizariam o crime. 1. A primeira função da lei é revelar Deus. A lei é também chamada a Palavra de Deus. As palavras são o meio pelo qual uma pessoa se revela. A Lei trata do relacionamento do povo, tanto com Deus como entre si, devendo refletir, na pratica, o caráter de Deus. 2. A segunda funcao e mostrar que somos pecadores Antes da lei não percebíamos o nosso problema, pois não tínhamos necessidade de espelharmos o caráter de Deus.30
  • 31. 31 21.24 Ser justo de maneira equitativa. 25.18 Dois querubins – Deus condena a idolatria e não a arte. 26.1 O Tabernáculo era um pátio de 45 x 22,5m, tamanho de uma quadra de futebol, nele o Templo de 13,5 x 4,5m e dentro duas alas: o santo e em separado o santíssimo, onde ficava a arca e sobre sua tampa (aquilo que cobre = propiciatório) Deus se encontraria com Moisés (25.22). (curiosidade 20.26). 32.1-4 Por 40 dias Moisés ficou no topo do Sinai, recebendo as instruções sobre o Tabernáculo, e seu irmão lá embaixo acha que Deus os abandonara e faz um ídolo substui-Lo. 32.5,6 Num sincretismo religioso dedicam uma festa a Deus e ao bezerro (simboliza a fertilidade masculina, uma orgia sexual no deserto).
  • 32. 32 32.20,27,28,35 A reação de Moisés foi terrível. 34.1,10 Deus renova a aliança apesar do episódio do bezerro. 34.28 Duas tabuas, com os 10 mandamentos, escritas dos dois lados (3.18;32.15) por Deus, quebradas em 32.19, agora são refeitas por Moisés. As instruções sobre o tabernáculo vão do cap 25 ao 31 e sua construção do 35 ao 40. Assim como a Lei mostra a santidade de Deus e a separação do homem por causa do pecado, o Tabernáculo mostrava a Graça de Deus que permitia, através dos sacrifícios, purificação e conduta santa: um novo modo de voltarem a ter comunhão com Êle e de O terem vivendo entre eles (25.8). 36.2 Dois engenheiros artistas construíram o tabernáculo. 40.36-38 Deus acompanhando o povo no deserto.
  • 33. Deus se revela em 3.14 “Eu Sou” Deus “é”; eles, os animais, “são” e o homem “é” parcialmente A incompletude (não estar pronto) do homem é ver-se como um ser que pode completar-se e ser diferente daquilo que é. Progresso é o processo cumulativo no qual o estágio mais recente é preferível e melhor, ou seja, qualitativamente superior, ao que o precedeu. É uma palavra que só faz sentido para o homem, não faz sentido para Deus nem para os animais que estão completos. O homem espera completar-se e pode escolher como fazê-lo. Há pessoas que se fazem piores daquilo que são (regridem). A melhor escolha é fazer-se melhor (progredir). O caminhar do cristão, neste sentido, se chama santificação.33
  • 34. 34
  • 36. Toda a Bíblia em um ano: De Gênesis a Neemias; Dusilek, Darci; 9ª Ed. Rio de Janeiro; Ed. Horizonal, 2006 Manual Bíblico SBB; trad. Noronha, Lailah; São Paulo; Ed. Sociedade Bíblica do Brasil; 2008 Textos Bíblicos extraídos: Bíblia Sagrada Nova Versão Internacional; São Paulo; Ed. Vida; 2001 Bíblia De Estudo NVI, Barker; São Paulo; Ed. Vida; 2003 MacDonald, Willian, Comentário Bíblico Popular, São Paulo, Ed. Mundo Cristão, 1ª edição, 2008 BRUCCE, F. F. Comentário Bíblico NVI. São Paulo, Ed. Vida, 1ª edição, 2008 Reflexões extraídas da World Wide Web Programa ROTA 66 – Sayão, Luiz – Rádio transmundial
  • 37. 37
  • 38. Até este momento o local de culto era centrado na família, adoração doméstica. O culto no tabernáculo: no altar de pedras e com o sacrifício de animais as pessoas voltavam a se reconciliar com Deus. Israel permaneceu no Monte Sinai até o final do primeiro ano, ocupado com a construção do Tabernáculo. O propósito do Tabernáculo: Assim como a Lei retratava a santidade de Deus e a separação do homem por causa do pecado, o Tabernáculo mostrava a Graça de Deus que permitia, através dos sacrifícios, purificação e conduta santa: um novo modo de voltarem a ter comunhão com Deus e de O terem vivendo entre eles (25.8) 38
  • 39. 39
  • 41. MILAGRES NO LIVRO DE ÊXODO 41 MILAGRE PROPÓSITO LOCAL REF. 1. Sarça ardente que não se consumia O chamado de Moisés Horebe Ex 3.2 2. Vara de Moisés se transforma em serpente Confirmar sua fé Horebe Ex 4.2-5
  • 42. 42 MILAGRE PROPÓSITO LOCAL REF. 3. A mão de Moisés fica leprosa e é curada Confirmar sua fé Horebe Ex 4.6-7 4. A vara de Arão é transformada em serpente Convencer o faraó de que Deus os enviara Egito Ex 7.10-12 5. As 10 pragas Obrigar o faraó a liberar os israelitas e derrotar seus deuses Egito Ex 7-12
  • 43. 43 MILAGRE PROPÓSITO LOCAL REF. 6. A coluna de nuvem de dia e a coluna de fogo de noite Guiar os israelitas Próximo ao Egito Ex 13.20-21 7. Forte vento empurra as águas do mar de juncos. Abrir caminho p/ Israel e deter os egípcios Próximo ao Egito Ex 14.2 8. As águas de Mara se tornam doces Suprir o povo com água potável Mara Ex 15.24-25
  • 44. 44 MILAGRE PROPÓSITO LOCAL REF. 9. O envio de carne de codorna e o maná Suprir os israelitas de alimento O deserto Ex 16.13-35 10. A água sai da rocha Suprir os israelitas de água Horebe e meribá Ex 17.5-7 Nm 20.8-12
  • 45. A Lei 1. Não terás outros deuses além de mim. 2. Não farás para ti nenhum ídolo, nenhuma imagem. 3. Não tomarás em vão o nome do SENHOR, o teu Deus. 4. Lembra-te do dia de sábado, para santificá- lo. 5. Honra teu pai e tua mãe. 6. Não matarás. 7. Não adulterarás. 8. Não furtarás. 9. Não darás falso testemunho contra o teu próximo. 10. Não cobiçarás a casa do teu próximo. 45 São princípios éticos e teológicos válidos para o cristão
  • 46. 46 Aí, no Monte Sinai, Moisés recebeu de Deus as Tábuas da Lei, contendo os Dez Mandamentos. (curiosidade 20.26)
  • 47. Estrutura do livro: A presença de Deus 1. Libertação da escravidão do Egito – 1.1 a 13.16 2. Jornada para o Sinai – 13.17 a 18.27 3. Aliança no Sinai – 19.1 a 24.18 4. Regras do tabernáculo e sacerdotes - 25.1 a 31.18 5. Disciplina e perdão de Deus – 32.1 a 34.35 6. Construção do tabernáculo – 35.1 a 40.38 47
  • 48. 1) Revela os princípios espirituais e morais de Deus ao povo como um modo de vida, e não como um meio de salvação. 2) Era um acordo ou aliança entre Deus e seu povo. Era condicional, serviria para saber se aceitavam a Deus como o Senhor da Aliança (19.5) Deveria motivá-los à santidade, estabelecendo uma base para a bênção ou punição, na medida que se tornavam uma Nação Teocrática (Dt 5.32,33) 48
  • 49. A palavra hebraica traduzida como Lei, Torá, significa instrução ou orientação. A Lei de Deus não era considerada uma vara de disciplina, mas um guia prático de como viver a vida da melhor maneira. A lei revela nossa pecaminosidade. A lei mostra que constantemente a quebramos, para que depois de quebrada nos convençamos da necessidade de ajuda. A Lei Mosaica terminou na Cruz quando Jesus se tornou o Sumo Sacerdote, eliminando o Sacerdócio Araônico e toda a Lei 49