SlideShare uma empresa Scribd logo
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 1
As Folhas
- Tipos de folha e sua função fotossintética
Em botânica, as folhas são órgãos das plantas especializados na captação de luz e trocas
gasosas com a atmosfera para realizar a fotossíntese e respiração. Salvo raras exceções,
associadas a plantas de climas áridos, as folhas tendem a maximizar a superfície em
relação ao volume, de modo a aumentar tanto a área da planta exposta à luz, quanto a
área da planta onde as trocas gasosas são possíveis por estar exposta à atmosfera.
Espécies diferentes de plantas têm folhas diferentes, e existem vários tipos
especializados de folhas, com fins diferentes dos das folhas comuns, como por exemplo
as pétalas das flores.
Anatomia das folhas das plantas vasculares
As folhas possuem três estruturas diferentes:
 Bainha – Estrutura que liga a folha ao caule;
 Pecíolo – Estrutura, semelhante a um pedúnculo; e
 Limbo – A parte laminar ou mais evidenciada da folha.
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 2
Em algumas plantas, as folhas podem não apresentar uma ou mais destas estruturas. Do
ponto de vista da histologia, ou seja, dos tecidos e outras formações da folha, este órgão
é formado por:
 Epiderme
 Mesofilo
A epiderme é uma camada de células transparentes muitas vezes recoberta por uma
cutícula de um material semelhante à cera que reduz a perda de água por transpiração.
Nas plantas de climas áridos, a cutícula pode ser tão espessa que dá às folhas uma
consistência coriácea.
As trocas gasosas entre a folha e o meio ambiente são efetuadas principalmente através
de pequenos orifícios na epiderme chamados estomatos, que são formados por duas
células em forma de rim ou feijão, que podem controlar a abertura e fecho para, por
exemplo, reduzir a transpiração. Os estomatos são geralmente mais numerosos na parte
inferior da folha.
Muitas plantas apresentam ainda na epiderme (não só das folhas, mas também do caule
ou das flores) apêndices formados por tricomas, ou seja "cabelos" que podem ser uni –
ou multicelulares e podem ter origem não apenas na epiderme, mas noutros tecidos da
folha. O conjunto destes apêndices chama-se indumento. Algumas destas estruturas
podem ter funções especiais, como por exemplo, a produção de compostos químicos
que podem servir para proteger a planta contra os animais ou para os atrair (por
exemplo, para a polinização).
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 3
O interior da folha, o mesofilo, é formado por parênquima, um tecido de células
semelhantes e muito permeáveis que possuem normalmente grande quantidade de
cloroplastos, caso em que o tecido passa a chamar-se clorênquima. A função principal
deste tecido é realizar a fotossíntese e produzir as substâncias nutritivas que
permitem a vida da planta. Este tecido pode também possuir células especializadas
na reserva de água ou outros fluidos - folhas carnudas, como as das Crassuláceas.
O mesofilo pode estar diferenciado em dois tipos diferentes de parênquima:
 O tecido em paliçada, formado por células alongadas e dispostas
transversalmente à superfície da folha, para lhe dar consistência; e
 O tecido esponjoso, formado por células mais arredondadas.
Os canais dos estomas atravessam a paliçada e terminam no tecido esponjoso.
A cor das folhas pode variar, de acordo com os pigmentos existentes nas suas células.
Estas diferentes colorações podem ser características da própria espécie ou ser causadas
por vírus ou ainda por deficiências nutritivas. Nos climas temperados e boreais, as
folhas de muitas espécies podem mudar de coloração com as estações do ano e soltar-se
(morrer) – folhas caducas ou decíduas – na época em que existe menos luz e em que a
temperatura é baixa; a planta sem folhas irá passar o inverno num estado de
metabolismo reduzido, alimentando-se das reservas nutritivas que tiver acumulado.
No interior das folhas das plantas vasculares existem ainda nervuras onde se encontram
os canais por onde circula a seiva – os tecidos vasculares, o xilema e o floema.
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 4
Forma das folhas das plantas vasculares
A forma das folhas é geralmente característica das espécies, embora com grandes
variações. As formas típicas de folha das plantas vasculares são:
 Arredondada ou sub-circular;
 Obovada (quando a parte mais estreita da lâmina foliar se encontra perto do
pecíolo ou da bainha);
 Ovada (quando a parte mais larga se encontra perto do pecíolo ou da bainha);
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 5
 Lanceolada – em forma de lança;
 Acicular – em forma de agulha;
 Alongada – como as folhas das gramíneas ou capins.
A forma da margem também mostra algumas variantes:
 Lisa – como as folhas do cafeeiro;
 Dentada – como a folha das roseiras;
 Crenada – o oposto de dentada;
 Lobada – dividida em lobos;
 Fendida – como as folhas do sobreiro; ou
 Partida ou secta – em que a divisão do limbo chega até à nervura central.
A lâmina das folhas também pode encontrar-se dividida em Pinas ou pínulas subiguais -
folhas compostas ou recompostas, como são os casos das folhas (frondes) dos fetos ou
das palmeiras. Nestes casos também se usa a notação:
 1-pinada – sem divisões ou folha inteira;
 2-pinada – dividida em Pinas, como no Polipódio;
 3-pinada (igual a "recomposta"); etc.
Nestes casos, o eixo da folha, ou seja, a nervura central pode ser mais grossa, formando
um ráquis.
As folhas compostas também podem ser palmiformes, quando as Pinas saem todas do
mesmo pecíolo (como na mandioca).
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 6
Formas de inserção das folhas das plantas vasculares
Filotaxia:
A -Alternadas
b – Opostas cruzadas
c – Opostas dísticas
d – Verticiladas.
Agulhas de pinheiro Folhas alaranjadas
Quanto à sua inserção no caule, as folhas podem ser:
 Alternadas (uma folha por nó), com duas opções:
o Oposto-cruzada (rotação 90 °), e
o Oposto-dística (não girada);
 Opostas (duas folhas saindo do mesmo nó);
 Verticiladas (várias folhas saindo do mesmo nó ou verticilo);
 Em roseta (várias folhas saindo da extremidade dum caule, como na Gerbera).
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 7
Outras classificações das folhas
 Quanto à situação:
o Aérea;
o Aquática;
o Subterrânea.




 Quanto a consistência:
o Membranácea;
o Coriácea;
o Crassa.
1 – Flor – da - Páscoa, folha – de - sangue, e poinsétia, a
euphorbia é um arbusto semi-lenhoso
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 8
2-Medronheiro (Couro)
3- Tabernaemontana crassa.
 Quanto ao posicionamento de suas nervuras:
o Ramificadas (ex. folha da macieira);
o Paralelas (ex. folha do milho).
Nervuras ramificadas Nervuras paralelas
 Quanto a coloração:
o Maculada;
o Bicolor;
o Variegada;
o Listrada;
o Concolor.
Adaptações especiais das folhas
Algumas plantas, como os catos, têm as folhas transformadas em espinhos; são os
caules, carnudos e achatados, que exercem a função fotossintética.
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 9
As folhas dos caules subterrâneos, como na cebola, podem estar transformados em
órgãos de reserva de nutrientes.
O caso mais extremo parece ser das plantas carnívoras, em que a folha está
transformada numa armadilha, como se de um predador se tratasse.
Função Clorofilina; Fotossíntese ou Cloracarbonização.
A luz solar é a fonte primária de toda a energia que mantém a biosfera de nosso planeta.
Por meio da fotossíntese, as plantas, algas e alguns tipos de bactérias convertem a
energia física da luz solar em energia química, e esse processo é essencial para a
manutenção de todas a formas de vida aqui existentes.
A fotossíntese pode ser definida como um processo físico-químico, mediante o qual os
organismos fotossintéticos sintetizam compostos orgânicos a partir de matéria-prima
inorgânica, na presença de luz solar. O processo fotossintético das plantas ocorre nos
cloroplastos e resulta na libertação de oxigénio molecular (o) e na captura de dióxido
de carbono da atmosfera (CO2), que é utilizado para sintetizar carbonatos (Figura 1).
Figura 1. Esquema simplificado da fotossíntese
A fotossíntese pode ser representada pela seguinte equação empírica:
CO2 + H2O + Energia luminosa =====> [CH2O] + O2 + H2O
em que, [CH2O] representa carbonato (açúcares). A síntese de carbonatos a partir de
dióxido de carbono e água requer um grande ingresso de energia. A energia livre para a
redução de um mol de CO2 até o nível de glicose é de 478 kJ mol-1
.
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 10
A fotossíntese é um processo muito complexo que compreende muitas reações físicas e
químicas, que ocorrem de maneira coordenada em sistemas de proteínas, pigmentos e
outros compostos associados a membranas. Em geral, o processo fotossintético é
analisado em duas etapas interdependentes e simultâneas: 1) a etapa fotoquímica,
antigamente chamada de fase "luminosa" e 2) a etapa química, também chamada de
ciclo fotossintético redutivo do carbono, antigamente chamada de fase "escura".
Os produtos primários da etapa fotoquímica são o ATP e o NADPH2. Nessa etapa,
também ocorre a liberação do oxigénio, como subproduto da dissociação da molécula
da água. A etapa química da fotossíntese é uma etapa basicamente enzimática, na qual o
CO2 é fixado e reduzido até carbonatos, utilizando o NADPH2 e o ATP produzidos na
etapa fotoquímica (Figura 2).
Todas as plantas e animais respiram e por meio desse processo que ocorre no citoplasma
e mitocôndrios, os carbonatos e outros constituintes celulares são convertidos em
dióxido de carbono e água com a liberação de energia. Assim, a fotossíntese e a
respiração são processos importantes na regulação dos teores de oxigénio e dióxido de
carbono da atmosfera terrestre.
2. Cloroplastos: Estrutura e Organização e função
Nas plantas, o processo fotossintético ocorre dentro dos cloroplastos, que são plastídeos
localizados em células especializadas das folhas (células do mesofilo paliçádico e do
mesofilo lacunoso). O número de cloroplastos por célula varia de um a mais de cem,
dependendo do tipo de planta e das condições de crescimento. Os cloroplastos têm
forma discóide com diâmetro de 5 a 10 micras, limitado por uma dupla membrana
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 11
(externa e interna). A membrana interna atua como uma barreira controlando o fluxo de
moléculas orgânicas e íons dentro e fora do cloroplasto. Moléculas pequenas como CO2,
O2 e H2O passam livremente através das membranas do cloroplasto.
Endereços de referencia:
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 12
http://pt.wikipedia.org/wiki/Folha
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/folha/folhas-3.php
http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAUfwAC/fotossintese

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3 morfologia vegetal_folhas
3 morfologia vegetal_folhas3 morfologia vegetal_folhas
3 morfologia vegetal_folhas
rrodrigues57
 
Ciências da natureza3
Ciências da natureza3Ciências da natureza3
Ciências da natureza3
ARARA17
 
Morfologia dos órgãos vegetativos folha
Morfologia dos órgãos vegetativos  folhaMorfologia dos órgãos vegetativos  folha
Morfologia dos órgãos vegetativos folha
ernandes damasceno
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
Fatima Comiotto
 
Anatofisiologia vegetal
Anatofisiologia vegetalAnatofisiologia vegetal
Anatofisiologia vegetal
le_firmino
 

Mais procurados (20)

Trabalho sobre folhas - Duarte
Trabalho sobre folhas - DuarteTrabalho sobre folhas - Duarte
Trabalho sobre folhas - Duarte
 
3 morfologia vegetal_folhas
3 morfologia vegetal_folhas3 morfologia vegetal_folhas
3 morfologia vegetal_folhas
 
Ciências da natureza3
Ciências da natureza3Ciências da natureza3
Ciências da natureza3
 
Plano 7
Plano 7Plano 7
Plano 7
 
Morfologia dos órgãos vegetativos folha
Morfologia dos órgãos vegetativos  folhaMorfologia dos órgãos vegetativos  folha
Morfologia dos órgãos vegetativos folha
 
As folhas
As folhasAs folhas
As folhas
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
 
Morfologia externas das angiospermas
Morfologia externas das angiospermasMorfologia externas das angiospermas
Morfologia externas das angiospermas
 
Diversidade das plantas
Diversidade das plantasDiversidade das plantas
Diversidade das plantas
 
Reino Vegetal Tema:Folha
Reino Vegetal Tema:FolhaReino Vegetal Tema:Folha
Reino Vegetal Tema:Folha
 
Anatofisiologia vegetal
Anatofisiologia vegetalAnatofisiologia vegetal
Anatofisiologia vegetal
 
Folha
FolhaFolha
Folha
 
Tipos de folhas
Tipos de folhasTipos de folhas
Tipos de folhas
 
Folhas
FolhasFolhas
Folhas
 
Slides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia VegetalSlides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia Vegetal
 
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta... Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Caule 2012 aula
Caule 2012 aulaCaule 2012 aula
Caule 2012 aula
 
Anatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folhaAnatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folha
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Folha
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre FolhaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Folha
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Folha
 

Semelhante a 3 morfologia vegetal_folhas

Gabriele alana folhas botanicas
Gabriele alana folhas botanicasGabriele alana folhas botanicas
Gabriele alana folhas botanicas
juninhowwave
 
1 reino das plantas
1 reino das plantas 1 reino das plantas
1 reino das plantas
Pelo Siro
 
Vi translocacao de_solutos
Vi translocacao de_solutosVi translocacao de_solutos
Vi translocacao de_solutos
Rodrigo Marques
 

Semelhante a 3 morfologia vegetal_folhas (20)

Folhas angiospermas
Folhas angiospermasFolhas angiospermas
Folhas angiospermas
 
Folhas e flores
Folhas e floresFolhas e flores
Folhas e flores
 
Folhas
FolhasFolhas
Folhas
 
Gabriele alana folhas botanicas
Gabriele alana folhas botanicasGabriele alana folhas botanicas
Gabriele alana folhas botanicas
 
Histologia vegetal
Histologia vegetal Histologia vegetal
Histologia vegetal
 
1 reino das plantas
1 reino das plantas 1 reino das plantas
1 reino das plantas
 
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptxMorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Reino plantae[1]
Reino plantae[1]Reino plantae[1]
Reino plantae[1]
 
Plano 6
Plano 6Plano 6
Plano 6
 
Plano 6
Plano 6Plano 6
Plano 6
 
Partes da planta
Partes da plantaPartes da planta
Partes da planta
 
Parênquima
ParênquimaParênquima
Parênquima
 
Apostila botânica-pronta.107.193
Apostila botânica-pronta.107.193Apostila botânica-pronta.107.193
Apostila botânica-pronta.107.193
 
Apostila botânica-pronta.107.193
Apostila botânica-pronta.107.193Apostila botânica-pronta.107.193
Apostila botânica-pronta.107.193
 
Apostila botanica
Apostila botanicaApostila botanica
Apostila botanica
 
Translocacao de solutos
Translocacao de solutosTranslocacao de solutos
Translocacao de solutos
 
TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMATRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
 
Reinodasplantas 130731180649-phpapp01
Reinodasplantas 130731180649-phpapp01Reinodasplantas 130731180649-phpapp01
Reinodasplantas 130731180649-phpapp01
 
Vi translocacao de_solutos
Vi translocacao de_solutosVi translocacao de_solutos
Vi translocacao de_solutos
 

Mais de rrodrigues57

O estudo dos solos
O estudo dos solosO estudo dos solos
O estudo dos solos
rrodrigues57
 
6 morfologia vegetal_hormonas
6 morfologia vegetal_hormonas6 morfologia vegetal_hormonas
6 morfologia vegetal_hormonas
rrodrigues57
 
5 morfologia vegetal_sementes
5 morfologia vegetal_sementes5 morfologia vegetal_sementes
5 morfologia vegetal_sementes
rrodrigues57
 
4 morfologia vegetal_flores
4 morfologia vegetal_flores4 morfologia vegetal_flores
4 morfologia vegetal_flores
rrodrigues57
 
2 morfologia vegetal_caule
2 morfologia vegetal_caule2 morfologia vegetal_caule
2 morfologia vegetal_caule
rrodrigues57
 
1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raiz1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raiz
rrodrigues57
 
Grelha de avaliação
Grelha de avaliaçãoGrelha de avaliação
Grelha de avaliação
rrodrigues57
 
Grelha de avaliação
Grelha de avaliaçãoGrelha de avaliação
Grelha de avaliação
rrodrigues57
 
Aromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientadaAromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientada
rrodrigues57
 
Aromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientadaAromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientada
rrodrigues57
 

Mais de rrodrigues57 (13)

O estudo dos solos
O estudo dos solosO estudo dos solos
O estudo dos solos
 
6 morfologia vegetal_hormonas
6 morfologia vegetal_hormonas6 morfologia vegetal_hormonas
6 morfologia vegetal_hormonas
 
5 morfologia vegetal_sementes
5 morfologia vegetal_sementes5 morfologia vegetal_sementes
5 morfologia vegetal_sementes
 
4 morfologia vegetal_flores
4 morfologia vegetal_flores4 morfologia vegetal_flores
4 morfologia vegetal_flores
 
2 morfologia vegetal_caule
2 morfologia vegetal_caule2 morfologia vegetal_caule
2 morfologia vegetal_caule
 
1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raiz1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raiz
 
Grelha de avaliação
Grelha de avaliaçãoGrelha de avaliação
Grelha de avaliação
 
Grelha de avaliação
Grelha de avaliaçãoGrelha de avaliação
Grelha de avaliação
 
Aromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientadaAromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientada
 
Aromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientadaAromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientada
 
Reflexão
ReflexãoReflexão
Reflexão
 
Reflexão
ReflexãoReflexão
Reflexão
 
Pãezinhos
PãezinhosPãezinhos
Pãezinhos
 

Último

5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 

Último (20)

Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 

3 morfologia vegetal_folhas

  • 1. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 1 As Folhas - Tipos de folha e sua função fotossintética Em botânica, as folhas são órgãos das plantas especializados na captação de luz e trocas gasosas com a atmosfera para realizar a fotossíntese e respiração. Salvo raras exceções, associadas a plantas de climas áridos, as folhas tendem a maximizar a superfície em relação ao volume, de modo a aumentar tanto a área da planta exposta à luz, quanto a área da planta onde as trocas gasosas são possíveis por estar exposta à atmosfera. Espécies diferentes de plantas têm folhas diferentes, e existem vários tipos especializados de folhas, com fins diferentes dos das folhas comuns, como por exemplo as pétalas das flores. Anatomia das folhas das plantas vasculares As folhas possuem três estruturas diferentes:  Bainha – Estrutura que liga a folha ao caule;  Pecíolo – Estrutura, semelhante a um pedúnculo; e  Limbo – A parte laminar ou mais evidenciada da folha.
  • 2. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 2 Em algumas plantas, as folhas podem não apresentar uma ou mais destas estruturas. Do ponto de vista da histologia, ou seja, dos tecidos e outras formações da folha, este órgão é formado por:  Epiderme  Mesofilo A epiderme é uma camada de células transparentes muitas vezes recoberta por uma cutícula de um material semelhante à cera que reduz a perda de água por transpiração. Nas plantas de climas áridos, a cutícula pode ser tão espessa que dá às folhas uma consistência coriácea. As trocas gasosas entre a folha e o meio ambiente são efetuadas principalmente através de pequenos orifícios na epiderme chamados estomatos, que são formados por duas células em forma de rim ou feijão, que podem controlar a abertura e fecho para, por exemplo, reduzir a transpiração. Os estomatos são geralmente mais numerosos na parte inferior da folha. Muitas plantas apresentam ainda na epiderme (não só das folhas, mas também do caule ou das flores) apêndices formados por tricomas, ou seja "cabelos" que podem ser uni – ou multicelulares e podem ter origem não apenas na epiderme, mas noutros tecidos da folha. O conjunto destes apêndices chama-se indumento. Algumas destas estruturas podem ter funções especiais, como por exemplo, a produção de compostos químicos que podem servir para proteger a planta contra os animais ou para os atrair (por exemplo, para a polinização).
  • 3. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 3 O interior da folha, o mesofilo, é formado por parênquima, um tecido de células semelhantes e muito permeáveis que possuem normalmente grande quantidade de cloroplastos, caso em que o tecido passa a chamar-se clorênquima. A função principal deste tecido é realizar a fotossíntese e produzir as substâncias nutritivas que permitem a vida da planta. Este tecido pode também possuir células especializadas na reserva de água ou outros fluidos - folhas carnudas, como as das Crassuláceas. O mesofilo pode estar diferenciado em dois tipos diferentes de parênquima:  O tecido em paliçada, formado por células alongadas e dispostas transversalmente à superfície da folha, para lhe dar consistência; e  O tecido esponjoso, formado por células mais arredondadas. Os canais dos estomas atravessam a paliçada e terminam no tecido esponjoso. A cor das folhas pode variar, de acordo com os pigmentos existentes nas suas células. Estas diferentes colorações podem ser características da própria espécie ou ser causadas por vírus ou ainda por deficiências nutritivas. Nos climas temperados e boreais, as folhas de muitas espécies podem mudar de coloração com as estações do ano e soltar-se (morrer) – folhas caducas ou decíduas – na época em que existe menos luz e em que a temperatura é baixa; a planta sem folhas irá passar o inverno num estado de metabolismo reduzido, alimentando-se das reservas nutritivas que tiver acumulado. No interior das folhas das plantas vasculares existem ainda nervuras onde se encontram os canais por onde circula a seiva – os tecidos vasculares, o xilema e o floema.
  • 4. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 4 Forma das folhas das plantas vasculares A forma das folhas é geralmente característica das espécies, embora com grandes variações. As formas típicas de folha das plantas vasculares são:  Arredondada ou sub-circular;  Obovada (quando a parte mais estreita da lâmina foliar se encontra perto do pecíolo ou da bainha);  Ovada (quando a parte mais larga se encontra perto do pecíolo ou da bainha);
  • 5. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 5  Lanceolada – em forma de lança;  Acicular – em forma de agulha;  Alongada – como as folhas das gramíneas ou capins. A forma da margem também mostra algumas variantes:  Lisa – como as folhas do cafeeiro;  Dentada – como a folha das roseiras;  Crenada – o oposto de dentada;  Lobada – dividida em lobos;  Fendida – como as folhas do sobreiro; ou  Partida ou secta – em que a divisão do limbo chega até à nervura central. A lâmina das folhas também pode encontrar-se dividida em Pinas ou pínulas subiguais - folhas compostas ou recompostas, como são os casos das folhas (frondes) dos fetos ou das palmeiras. Nestes casos também se usa a notação:  1-pinada – sem divisões ou folha inteira;  2-pinada – dividida em Pinas, como no Polipódio;  3-pinada (igual a "recomposta"); etc. Nestes casos, o eixo da folha, ou seja, a nervura central pode ser mais grossa, formando um ráquis. As folhas compostas também podem ser palmiformes, quando as Pinas saem todas do mesmo pecíolo (como na mandioca).
  • 6. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 6 Formas de inserção das folhas das plantas vasculares Filotaxia: A -Alternadas b – Opostas cruzadas c – Opostas dísticas d – Verticiladas. Agulhas de pinheiro Folhas alaranjadas Quanto à sua inserção no caule, as folhas podem ser:  Alternadas (uma folha por nó), com duas opções: o Oposto-cruzada (rotação 90 °), e o Oposto-dística (não girada);  Opostas (duas folhas saindo do mesmo nó);  Verticiladas (várias folhas saindo do mesmo nó ou verticilo);  Em roseta (várias folhas saindo da extremidade dum caule, como na Gerbera).
  • 7. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 7 Outras classificações das folhas  Quanto à situação: o Aérea; o Aquática; o Subterrânea.      Quanto a consistência: o Membranácea; o Coriácea; o Crassa. 1 – Flor – da - Páscoa, folha – de - sangue, e poinsétia, a euphorbia é um arbusto semi-lenhoso
  • 8. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 8 2-Medronheiro (Couro) 3- Tabernaemontana crassa.  Quanto ao posicionamento de suas nervuras: o Ramificadas (ex. folha da macieira); o Paralelas (ex. folha do milho). Nervuras ramificadas Nervuras paralelas  Quanto a coloração: o Maculada; o Bicolor; o Variegada; o Listrada; o Concolor. Adaptações especiais das folhas Algumas plantas, como os catos, têm as folhas transformadas em espinhos; são os caules, carnudos e achatados, que exercem a função fotossintética.
  • 9. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 9 As folhas dos caules subterrâneos, como na cebola, podem estar transformados em órgãos de reserva de nutrientes. O caso mais extremo parece ser das plantas carnívoras, em que a folha está transformada numa armadilha, como se de um predador se tratasse. Função Clorofilina; Fotossíntese ou Cloracarbonização. A luz solar é a fonte primária de toda a energia que mantém a biosfera de nosso planeta. Por meio da fotossíntese, as plantas, algas e alguns tipos de bactérias convertem a energia física da luz solar em energia química, e esse processo é essencial para a manutenção de todas a formas de vida aqui existentes. A fotossíntese pode ser definida como um processo físico-químico, mediante o qual os organismos fotossintéticos sintetizam compostos orgânicos a partir de matéria-prima inorgânica, na presença de luz solar. O processo fotossintético das plantas ocorre nos cloroplastos e resulta na libertação de oxigénio molecular (o) e na captura de dióxido de carbono da atmosfera (CO2), que é utilizado para sintetizar carbonatos (Figura 1). Figura 1. Esquema simplificado da fotossíntese A fotossíntese pode ser representada pela seguinte equação empírica: CO2 + H2O + Energia luminosa =====> [CH2O] + O2 + H2O em que, [CH2O] representa carbonato (açúcares). A síntese de carbonatos a partir de dióxido de carbono e água requer um grande ingresso de energia. A energia livre para a redução de um mol de CO2 até o nível de glicose é de 478 kJ mol-1 .
  • 10. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 10 A fotossíntese é um processo muito complexo que compreende muitas reações físicas e químicas, que ocorrem de maneira coordenada em sistemas de proteínas, pigmentos e outros compostos associados a membranas. Em geral, o processo fotossintético é analisado em duas etapas interdependentes e simultâneas: 1) a etapa fotoquímica, antigamente chamada de fase "luminosa" e 2) a etapa química, também chamada de ciclo fotossintético redutivo do carbono, antigamente chamada de fase "escura". Os produtos primários da etapa fotoquímica são o ATP e o NADPH2. Nessa etapa, também ocorre a liberação do oxigénio, como subproduto da dissociação da molécula da água. A etapa química da fotossíntese é uma etapa basicamente enzimática, na qual o CO2 é fixado e reduzido até carbonatos, utilizando o NADPH2 e o ATP produzidos na etapa fotoquímica (Figura 2). Todas as plantas e animais respiram e por meio desse processo que ocorre no citoplasma e mitocôndrios, os carbonatos e outros constituintes celulares são convertidos em dióxido de carbono e água com a liberação de energia. Assim, a fotossíntese e a respiração são processos importantes na regulação dos teores de oxigénio e dióxido de carbono da atmosfera terrestre. 2. Cloroplastos: Estrutura e Organização e função Nas plantas, o processo fotossintético ocorre dentro dos cloroplastos, que são plastídeos localizados em células especializadas das folhas (células do mesofilo paliçádico e do mesofilo lacunoso). O número de cloroplastos por célula varia de um a mais de cem, dependendo do tipo de planta e das condições de crescimento. Os cloroplastos têm forma discóide com diâmetro de 5 a 10 micras, limitado por uma dupla membrana
  • 11. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 11 (externa e interna). A membrana interna atua como uma barreira controlando o fluxo de moléculas orgânicas e íons dentro e fora do cloroplasto. Moléculas pequenas como CO2, O2 e H2O passam livremente através das membranas do cloroplasto. Endereços de referencia:
  • 12. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 12 http://pt.wikipedia.org/wiki/Folha http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/folha/folhas-3.php http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAUfwAC/fotossintese