SlideShare uma empresa Scribd logo
Anatomia e
Morfologia de Folha
Alexandre Barcelos
IFNMG
Folha
 Origem: gêmula do embrião
 Origem exógena
 É uma expansão lateral e laminar do
caule
 Órgão adaptado ás funções
metabólicas da planta
 Realiza: transpiração, fotossíntese,
respiração, assimilações, gutação,
proteção das gemas, reserva de
nutrientes, captura de alimentos.
Estrutura Anatomica
 Três tecidos:
dérmico,
fundamental e
vascular
 Suceptíveis ao
ambiente em que a
planta vive.
 Pecíolo e Lâmina
foliar (limbo)
 Estípulas: folhas
reduzidas (2)
Epiderme
 Unisseriada
 Cúticula, estômatos e tricomas.
 Classificação quanto a posição do
estômato (anfiestomática,
epiestomática, hipoestomática)
Mesófilo
 Entre epiderme
e feixes
vasculares
 Hipoderme
 parênquima
clorofiliano
Nerium oleander (nervura mediana)
Cephalostemon angustatus.
Secção transversal da bainha da
folha
Sistema vascular
 Periciclo, xilema e floema
 Organiza-se em feixes
 Floema próximo á superfície abaxial
Morfologia externa
 Classificação quanto a nervação:
 Uninérvea - com única nervura (sagu-de-jardim).
 Paralelinérvea - com nervuras secundárias
paralelas a principal (graminea).
 Peninérveas - com nervuras secundárias ao longo
da principal (vinca).
 Palminérvea ou digitinérvea - nervuras saem do
mesmo ponto e divergem em várias direções
(mamoeiro, brinco-de-princesa).
 Peltinérveas - Nervura das folhas peltadas
(chagas).
Anatomia e morfologia de folha
Posição do pecíolo
 Peciolada: quando o pecíolo está presente. Ex: jasmim-
manga.
 Peltada: quando o pecíolo está preso no meio da lâmina
foliar. Ex: mamona
 Séssil: quando o pecíolo está ausente e a lâmina foliar
prende-se diretamente ao caule. Ex: coração-roxo.
Folhas incompletas podem ser
classificadas :
 Folha peciolada: quando a folha apresenta apenas o
limbo e o pecíolo. Exemplo: flor-de-São-João.
 Folha invaginante: é quando a bainha envolve o caule
em grande extensão, geralmente de um nó ao outro.
Exemplo: grama.
 Folha com lígula (pequena língua): quando ocorre
uma formação membranosa entre o limbo e a bainha.
Exemplo: lírio-do-brejo.
 Folha adunada: é quando duas folhas opostas,
apresentam-se soldadas pela base, parecendo ser
perfuradas pelo caule.
Lirio-do-Brejo e Flor-de-São Jorge
Filotaxia: tipos básicos
Filotaxia: espalhamento
 Espiralada
 Dística: folhas distantes 180º
 Trística: folhas distantes 120º
Quanto á superfície
 Glabra: quando se apresenta desprovida de tricomas.
Exemplo: laranjeira.
 Lisa: com o limbo liso, sem acidentes. Ex: cana-índica.
 Pilosa: com a superfície revestida de tricomas. Ex:
violeta.
 Rugosa: quando se apresenta enrugada.
Quanto a coloração
 Bicolor: quando a face ventral é de cor diferente da face
dorsal. Exemplo: coração-roxo.
 Listada: apresenta riscas de tonalidades diferentes. Ex:
sanderiana.
 Maculada: se as manchas são concêntricas. Ex: coração-
de-maria
 Variegada: quando há manchas irregulares amarelas e
brancas sobre um fundo verde. Ex: comigo-ninguém-pode
Quanto a Consistência
 Carnosa ou suculenta: folha grossa com reserva de
água. Exemplo: Cactaceae em geral.
 Coriácea: mesófilo e epiderme mais espessa, mas não
muito grossos, flexível, lembrando a consistência de
couro.
 Membranácea: epiderme e mesófilo pouco espesso, a
folha apresenta a consistência de uma membrana, sutil,
delicada e flexível. Ex: laranjeira.
 Rígida: é uma folha bem grossa, não flexível. Ex: clúsia.
Forma básica
 Orbicular: com o contorno
aproximadamente circular e o
pecíolo inserido na margem
do limbo. Ex: aguapé.
 Peltada: semelhante a um
escudo, contorno circular e o
pecíolo inserido no centro do
limbo (fig. 2). Ex: chagas
 Ovada ou oval: com a forma
de um ovo mais larga perto
da base. Ex: laranja
 Obovada: a mesma forma da
ovada, mas neste caso a
parte mais larga é próxima
ao ápice do limbo. Ex: clúsia.
 Cordiforme: lembra a forma
de um coração, a base é
bem mais larga, com uma
reentrância e com os lobos
arredondados. Ex:
campainha
 Obcordada: semelhante ao
anterior, neste caso a parte
mais larga é a voltada para o
ápice
 Deltóide: com forma de um
“delta” ou um triângulo; o
ápice da folha corresponde
ao ápice do triângulo. Ex:
espinafre.
 Obdeltóide: forma de um
delta invertido
 Elíptica: lembra uma elipse,
mais larga no meio e o
comprimento duas vezes a
largura. Ex: ficus
 Reniforme: com aspecto de
um rim. Ex: begônia
 Oblonga: forma
aproximadamente retangular,
com pólos arredondados.
 Romboidal ou rombóide: a
forma da folha lembra a forma
de um losango. Ex: hibisco
 Sagitada: em forma de seta
com a base reentrante e os
lobos pontiagudos, voltados
para baixo. Ex: copo-de-leite.
 Hastada: semelhante à
sagitada, apenas os lobos
pontiagudos que são
divergentes.
 Espatulada: em forma de
espata; oblonga ou obovada
no ápice com uma base
longamente atenuada.
 Linear: com a forma estreita e
comprida, apresenta apenas
uma nervura.
 Runcinada: folha oblanceolada
com margem partida ou
lacerada.
 Lanceolada: o aspecto
lembra o de uma lança.
Exemplo: espirradeira.
 Oblanceolada: a folha tem a
forma lanceolada, mas
invertida com a parte mais
larga no ápice.
 Falciforme: em forma de
foice.
 Assimétrica: quando há um
desenvolvimento desigual
das duas metades do limbo
Ex: trombeta-de-anjo
Quanto ao Ápice
 Aculeado: quando apresenta no ápice um acúleo
(falso espinho)
 Acuminado: o limbo estreita-se gradualmente
para o ápice, terminando em ponta
excessivamente aguda.
 Agudo: a região apical termina em ângulo agudo
de maneira abrupta.
 Aristado: no ápice existe uma ponta longa e
delgada.
 Arredondado: o ápice forma um arco suave
Quanto ao ápice
 Emarginado: ápice do limbo termina com uma
reentrância pouco profunda, aguda com bordos
arredondados.
 Obtuso: os bordos da lâmina formam no ápice um
ângulo obtuso.
 Retuso: ápice truncado e ligeiramente emarginado, ou
seja, com uma ligeira reentrância central.
 Truncado: ápice do limbo parecendo ter sido cortado
transversalmente.
Quanto a base
 Aguda: quando os bordos na inserção com o pecíolo
formam um ângulo agudo. Exemplo: hibisco
 Amplexicaule: base abraçando completamente o caule
 Atenuada: com a região basal do limbo estreitando-se
gradualmente.
 Auriculada: base termina por um par de pequenos
lobos, cada um dos lobos semelhante a uma orelha
humana.
 Cordada: base reentrante com os lobos arredondados
dando à base a forma de um coração
 Decorrente: a base se estende além do ponto de
inserção no caule, tornando-o alado. Ex: laranjeira.
Anatomia e morfologia de folha
 Hastada: base reentrante com lobos agudos e voltados
para o lado.
 Invaginante: estrutura tubular envolvendo o caule abaixo
da aparente inserção da lâmina ou pecíolo. Ex: milho.
 Oblíqua: base termina por lados desiguais assimétricos.
 Obtusa: os bordos na inserção do pecíolo formam
ângulo obtuso. Ex: hibisco.
 Perfoliada: base envolve completamente o caule.
 Sagitada: base reentrante e lobos pontiagudos voltados
para baixo.
 Truncada: os bordos na inserção com o pecíolo parecem
ter sido cortados.
Anatomia e morfologia de folha
Quanto a margem
Folha Composta
 Apresenta o limbo segmentado.
 As unidades que formam o limbo são denominadas
folíolos e pode apresentar um pequeno pecíolo
chamado peciólulo. A região correspondente à nervura
central recebe o nome de raque.
 As folhas compostas podem ser classificadas de acordo
com a disposição e o número de folíolos que integram o
limbo composto.
Barbatimão
Classificação de Folha
Composta
 Palmadas ou digitadas: com
folíolos apenas na porção
final do pecíolo. Ex: cheflera-
pequena.
 Estas podem ser classificadas
em:
 Bifoliolada: com apenas dois
folíolos terminais.
 Trifoliolada: quando há três
folíolos. Ex: feijão.
 Polifoliolada: com mais de três
folíolos. Ex: paineira.
 Penadas: com folíolos em
toda a extensão da raque.
 Podem ser classificadas em:
 Imparipenada: quando há um
número ímpar de folíolos. Ex:
rosa.
 Paripenada: quando um
número par de folíolos se
dispõe ao longo da raque.
Exemplo: maria-preta.
Recomposta ou duplamente
composta
 Do raque principal sai ramificações secundárias,
denominadas de raquilas e estas é que sustentam
os foliólos, em disposição penada e que podem ser
peciolados ou sésseis.
 Vários membros da família Fabaceae apresentam
folhas recompostas. Ex: pau-brasil
Morfoses Foliares
 Cotilédones
São as primeiras folhas formadas ainda no embrião no
interior da semente. Em alguns casos, acumulam
reservas ou funcionam como um órgão de transferência
de reservas do albúmem para o embrião.
 Escamas ou catáfilos: proteção da gema durante o
inverno. Os catáfilos podem ser órgãos de reserva.
 Brácteas
vistosas ou atrativas, auxiliam na polinização. Exemplo:
primavera
 Gavinhas
São estruturas que têm a função de prender a planta em
um suporte ou enrolando-se nele (tigmotropismo).
 Espinhos
 Folhas coletoras
São aquelas que ocorrem em plantas epífitas, as quais
desenvolvem folhas especiais que servem como
reservatório de substância húmica e detritos. Exemplo:
chifre-de-veado
 Filódio
Folha é muito reduzida, o pecíolo adquire a forma e a
função do limbo, realizando até mesmo fotossíntese e,
durante o desenvolvimento da plântula, pode se ver essa
transformação. Ex: acácia.
 Pulvino
Em representantes da família Fabaceae podem ser
observados intumescimentos nos eixos da folha e
folíolo; estas estruturas são responsáveis por
movimento násticos. Exemplo: dormideira
 Folhas das plantas carnívoras
Ex: Drosera sp. e Dionaea

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificação das folhas características e tipos ii
Classificação das folhas   características e tipos iiClassificação das folhas   características e tipos ii
Classificação das folhas características e tipos ii
Welton Fontes
 
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino MédioAnatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Camila Rossi
 
Folhas e flores
Folhas e floresFolhas e flores
Folhas e flores
Vitor Morais
 
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Marcos Albuquerque
 
Folhas 2012 aula
Folhas 2012 aulaFolhas 2012 aula
Folhas 2012 aula
Priscila Belintani
 
Hormônios Vegetais
Hormônios VegetaisHormônios Vegetais
Hormônios Vegetais
Turma Olímpica
 
Folhas
FolhasFolhas
Semente e germinação
Semente e germinaçãoSemente e germinação
Semente e germinação
Marcos Albuquerque
 
Aula flor
Aula florAula flor
Aula flor
Francione Gomes
 
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Marcos Albuquerque
 
1 introdução à botânica
1 introdução à botânica1 introdução à botânica
1 introdução à botânica
Cristóvão Lopes
 
Morfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescênciaMorfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescência
Joseanny Pereira
 
Morfologia: Raiz, Caule e Folhas
Morfologia: Raiz, Caule e FolhasMorfologia: Raiz, Caule e Folhas
Morfologia: Raiz, Caule e Folhas
Aline Souza
 
Aula 6 Prof. Guth Berger
Aula 6 Prof. Guth BergerAula 6 Prof. Guth Berger
Aula 6 Prof. Guth Berger
Matheus Yuri
 
Classif
ClassifClassif
Classif
Alfredo Cossa
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
Fatima Comiotto
 
Classificação das folhas
Classificação das folhasClassificação das folhas
Classificação das folhas
00367p
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e FrutosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
Turma Olímpica
 
Folhas
FolhasFolhas
Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 

Mais procurados (20)

Classificação das folhas características e tipos ii
Classificação das folhas   características e tipos iiClassificação das folhas   características e tipos ii
Classificação das folhas características e tipos ii
 
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino MédioAnatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
 
Folhas e flores
Folhas e floresFolhas e flores
Folhas e flores
 
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
 
Folhas 2012 aula
Folhas 2012 aulaFolhas 2012 aula
Folhas 2012 aula
 
Hormônios Vegetais
Hormônios VegetaisHormônios Vegetais
Hormônios Vegetais
 
Folhas
FolhasFolhas
Folhas
 
Semente e germinação
Semente e germinaçãoSemente e germinação
Semente e germinação
 
Aula flor
Aula florAula flor
Aula flor
 
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
 
1 introdução à botânica
1 introdução à botânica1 introdução à botânica
1 introdução à botânica
 
Morfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescênciaMorfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescência
 
Morfologia: Raiz, Caule e Folhas
Morfologia: Raiz, Caule e FolhasMorfologia: Raiz, Caule e Folhas
Morfologia: Raiz, Caule e Folhas
 
Aula 6 Prof. Guth Berger
Aula 6 Prof. Guth BergerAula 6 Prof. Guth Berger
Aula 6 Prof. Guth Berger
 
Classif
ClassifClassif
Classif
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
 
Classificação das folhas
Classificação das folhasClassificação das folhas
Classificação das folhas
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e FrutosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
 
Folhas
FolhasFolhas
Folhas
 
Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule
 

Destaque

Classificação das folhas características e tipos
Classificação das folhas   características e tiposClassificação das folhas   características e tipos
Classificação das folhas características e tipos
Welton Fontes
 
Morfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raizMorfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raiz
Joseanny Pereira
 
Anatomia foliar
Anatomia foliarAnatomia foliar
Anatomia foliar
profatatiana
 
Folhas
FolhasFolhas
Folha
FolhaFolha
As Folhas - Classificação
As Folhas - ClassificaçãoAs Folhas - Classificação
As Folhas - Classificação
Rita Arantes
 
Anatomia do caule
Anatomia do cauleAnatomia do caule
Anatomia do caule
Géssica Guarani-Kaiowá
 
Plantas
PlantasPlantas
Plantas
betantunes
 

Destaque (8)

Classificação das folhas características e tipos
Classificação das folhas   características e tiposClassificação das folhas   características e tipos
Classificação das folhas características e tipos
 
Morfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raizMorfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raiz
 
Anatomia foliar
Anatomia foliarAnatomia foliar
Anatomia foliar
 
Folhas
FolhasFolhas
Folhas
 
Folha
FolhaFolha
Folha
 
As Folhas - Classificação
As Folhas - ClassificaçãoAs Folhas - Classificação
As Folhas - Classificação
 
Anatomia do caule
Anatomia do cauleAnatomia do caule
Anatomia do caule
 
Plantas
PlantasPlantas
Plantas
 

Semelhante a Anatomia e morfologia de folha

Folha agronomia
Folha  agronomiaFolha  agronomia
Folha agronomia
Henrique Zini
 
Folha
FolhaFolha
Folha
nando_ngd
 
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptxMorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
ManuelAlbertoBizeque
 
MorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.pptMorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.ppt
Sabrina Nascimento
 
Reino vegetal
Reino vegetalReino vegetal
óRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetaisóRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetais
aulasdoaris
 
óRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetaisóRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetais
aulasdoaris
 
O Caule
O CauleO Caule
Flores 2012 aula
Flores 2012 aulaFlores 2012 aula
Flores 2012 aula
Priscila Belintani
 
Morfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.mMorfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.m
le_firmino
 
Samambaias
SamambaiasSamambaias
Samambaias
Emerson Silva
 
Reino Vegetal Tema:Folha
Reino Vegetal Tema:FolhaReino Vegetal Tema:Folha
Reino Vegetal Tema:Folha
Luiz Zampieri
 
Reino plantae[1]
Reino plantae[1]Reino plantae[1]
Reino plantae[1]
Roberto Bagatini
 
Caule 2012 aula
Caule 2012 aulaCaule 2012 aula
Caule 2012 aula
Priscila Belintani
 
Plantas PT
Plantas PTPlantas PT
Plantas PT
Valentim1712
 
Raiz, caule e folha aula alex ppt
Raiz, caule e folha   aula alex pptRaiz, caule e folha   aula alex ppt
Raiz, caule e folha aula alex ppt
Gaspar Neto
 
2 caule e folhas
2 caule e folhas2 caule e folhas
2 caule e folhas
Cristóvão Lopes
 
A folha
A folhaA folha
TIPOS DE CAULES/Morfologia
TIPOS DE CAULES/MorfologiaTIPOS DE CAULES/Morfologia
TIPOS DE CAULES/Morfologia
Andreza Campos
 
dendrologia Folha.pptx
dendrologia Folha.pptxdendrologia Folha.pptx
dendrologia Folha.pptx
ssuser6126cd
 

Semelhante a Anatomia e morfologia de folha (20)

Folha agronomia
Folha  agronomiaFolha  agronomia
Folha agronomia
 
Folha
FolhaFolha
Folha
 
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptxMorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
 
MorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.pptMorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.ppt
 
Reino vegetal
Reino vegetalReino vegetal
Reino vegetal
 
óRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetaisóRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetais
 
óRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetaisóRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetais
 
O Caule
O CauleO Caule
O Caule
 
Flores 2012 aula
Flores 2012 aulaFlores 2012 aula
Flores 2012 aula
 
Morfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.mMorfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.m
 
Samambaias
SamambaiasSamambaias
Samambaias
 
Reino Vegetal Tema:Folha
Reino Vegetal Tema:FolhaReino Vegetal Tema:Folha
Reino Vegetal Tema:Folha
 
Reino plantae[1]
Reino plantae[1]Reino plantae[1]
Reino plantae[1]
 
Caule 2012 aula
Caule 2012 aulaCaule 2012 aula
Caule 2012 aula
 
Plantas PT
Plantas PTPlantas PT
Plantas PT
 
Raiz, caule e folha aula alex ppt
Raiz, caule e folha   aula alex pptRaiz, caule e folha   aula alex ppt
Raiz, caule e folha aula alex ppt
 
2 caule e folhas
2 caule e folhas2 caule e folhas
2 caule e folhas
 
A folha
A folhaA folha
A folha
 
TIPOS DE CAULES/Morfologia
TIPOS DE CAULES/MorfologiaTIPOS DE CAULES/Morfologia
TIPOS DE CAULES/Morfologia
 
dendrologia Folha.pptx
dendrologia Folha.pptxdendrologia Folha.pptx
dendrologia Folha.pptx
 

Último

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 

Último (20)

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 

Anatomia e morfologia de folha

  • 1. Anatomia e Morfologia de Folha Alexandre Barcelos IFNMG
  • 2. Folha  Origem: gêmula do embrião  Origem exógena  É uma expansão lateral e laminar do caule  Órgão adaptado ás funções metabólicas da planta  Realiza: transpiração, fotossíntese, respiração, assimilações, gutação, proteção das gemas, reserva de nutrientes, captura de alimentos.
  • 3. Estrutura Anatomica  Três tecidos: dérmico, fundamental e vascular  Suceptíveis ao ambiente em que a planta vive.  Pecíolo e Lâmina foliar (limbo)  Estípulas: folhas reduzidas (2)
  • 4. Epiderme  Unisseriada  Cúticula, estômatos e tricomas.  Classificação quanto a posição do estômato (anfiestomática, epiestomática, hipoestomática)
  • 5. Mesófilo  Entre epiderme e feixes vasculares  Hipoderme  parênquima clorofiliano
  • 6. Nerium oleander (nervura mediana) Cephalostemon angustatus. Secção transversal da bainha da folha
  • 7. Sistema vascular  Periciclo, xilema e floema  Organiza-se em feixes  Floema próximo á superfície abaxial
  • 8. Morfologia externa  Classificação quanto a nervação:  Uninérvea - com única nervura (sagu-de-jardim).  Paralelinérvea - com nervuras secundárias paralelas a principal (graminea).  Peninérveas - com nervuras secundárias ao longo da principal (vinca).  Palminérvea ou digitinérvea - nervuras saem do mesmo ponto e divergem em várias direções (mamoeiro, brinco-de-princesa).  Peltinérveas - Nervura das folhas peltadas (chagas).
  • 10. Posição do pecíolo  Peciolada: quando o pecíolo está presente. Ex: jasmim- manga.  Peltada: quando o pecíolo está preso no meio da lâmina foliar. Ex: mamona  Séssil: quando o pecíolo está ausente e a lâmina foliar prende-se diretamente ao caule. Ex: coração-roxo.
  • 11. Folhas incompletas podem ser classificadas :  Folha peciolada: quando a folha apresenta apenas o limbo e o pecíolo. Exemplo: flor-de-São-João.  Folha invaginante: é quando a bainha envolve o caule em grande extensão, geralmente de um nó ao outro. Exemplo: grama.  Folha com lígula (pequena língua): quando ocorre uma formação membranosa entre o limbo e a bainha. Exemplo: lírio-do-brejo.  Folha adunada: é quando duas folhas opostas, apresentam-se soldadas pela base, parecendo ser perfuradas pelo caule.
  • 14. Filotaxia: espalhamento  Espiralada  Dística: folhas distantes 180º  Trística: folhas distantes 120º
  • 15. Quanto á superfície  Glabra: quando se apresenta desprovida de tricomas. Exemplo: laranjeira.  Lisa: com o limbo liso, sem acidentes. Ex: cana-índica.  Pilosa: com a superfície revestida de tricomas. Ex: violeta.  Rugosa: quando se apresenta enrugada.
  • 16. Quanto a coloração  Bicolor: quando a face ventral é de cor diferente da face dorsal. Exemplo: coração-roxo.  Listada: apresenta riscas de tonalidades diferentes. Ex: sanderiana.  Maculada: se as manchas são concêntricas. Ex: coração- de-maria  Variegada: quando há manchas irregulares amarelas e brancas sobre um fundo verde. Ex: comigo-ninguém-pode
  • 17. Quanto a Consistência  Carnosa ou suculenta: folha grossa com reserva de água. Exemplo: Cactaceae em geral.  Coriácea: mesófilo e epiderme mais espessa, mas não muito grossos, flexível, lembrando a consistência de couro.  Membranácea: epiderme e mesófilo pouco espesso, a folha apresenta a consistência de uma membrana, sutil, delicada e flexível. Ex: laranjeira.  Rígida: é uma folha bem grossa, não flexível. Ex: clúsia.
  • 18. Forma básica  Orbicular: com o contorno aproximadamente circular e o pecíolo inserido na margem do limbo. Ex: aguapé.  Peltada: semelhante a um escudo, contorno circular e o pecíolo inserido no centro do limbo (fig. 2). Ex: chagas  Ovada ou oval: com a forma de um ovo mais larga perto da base. Ex: laranja
  • 19.  Obovada: a mesma forma da ovada, mas neste caso a parte mais larga é próxima ao ápice do limbo. Ex: clúsia.  Cordiforme: lembra a forma de um coração, a base é bem mais larga, com uma reentrância e com os lobos arredondados. Ex: campainha  Obcordada: semelhante ao anterior, neste caso a parte mais larga é a voltada para o ápice
  • 20.  Deltóide: com forma de um “delta” ou um triângulo; o ápice da folha corresponde ao ápice do triângulo. Ex: espinafre.  Obdeltóide: forma de um delta invertido  Elíptica: lembra uma elipse, mais larga no meio e o comprimento duas vezes a largura. Ex: ficus
  • 21.  Reniforme: com aspecto de um rim. Ex: begônia  Oblonga: forma aproximadamente retangular, com pólos arredondados.  Romboidal ou rombóide: a forma da folha lembra a forma de um losango. Ex: hibisco  Sagitada: em forma de seta com a base reentrante e os lobos pontiagudos, voltados para baixo. Ex: copo-de-leite.
  • 22.  Hastada: semelhante à sagitada, apenas os lobos pontiagudos que são divergentes.  Espatulada: em forma de espata; oblonga ou obovada no ápice com uma base longamente atenuada.  Linear: com a forma estreita e comprida, apresenta apenas uma nervura.  Runcinada: folha oblanceolada com margem partida ou lacerada.
  • 23.  Lanceolada: o aspecto lembra o de uma lança. Exemplo: espirradeira.  Oblanceolada: a folha tem a forma lanceolada, mas invertida com a parte mais larga no ápice.  Falciforme: em forma de foice.  Assimétrica: quando há um desenvolvimento desigual das duas metades do limbo Ex: trombeta-de-anjo
  • 24. Quanto ao Ápice  Aculeado: quando apresenta no ápice um acúleo (falso espinho)  Acuminado: o limbo estreita-se gradualmente para o ápice, terminando em ponta excessivamente aguda.  Agudo: a região apical termina em ângulo agudo de maneira abrupta.  Aristado: no ápice existe uma ponta longa e delgada.  Arredondado: o ápice forma um arco suave
  • 26.  Emarginado: ápice do limbo termina com uma reentrância pouco profunda, aguda com bordos arredondados.  Obtuso: os bordos da lâmina formam no ápice um ângulo obtuso.  Retuso: ápice truncado e ligeiramente emarginado, ou seja, com uma ligeira reentrância central.  Truncado: ápice do limbo parecendo ter sido cortado transversalmente.
  • 27. Quanto a base  Aguda: quando os bordos na inserção com o pecíolo formam um ângulo agudo. Exemplo: hibisco  Amplexicaule: base abraçando completamente o caule  Atenuada: com a região basal do limbo estreitando-se gradualmente.  Auriculada: base termina por um par de pequenos lobos, cada um dos lobos semelhante a uma orelha humana.  Cordada: base reentrante com os lobos arredondados dando à base a forma de um coração  Decorrente: a base se estende além do ponto de inserção no caule, tornando-o alado. Ex: laranjeira.
  • 29.  Hastada: base reentrante com lobos agudos e voltados para o lado.  Invaginante: estrutura tubular envolvendo o caule abaixo da aparente inserção da lâmina ou pecíolo. Ex: milho.  Oblíqua: base termina por lados desiguais assimétricos.  Obtusa: os bordos na inserção do pecíolo formam ângulo obtuso. Ex: hibisco.  Perfoliada: base envolve completamente o caule.  Sagitada: base reentrante e lobos pontiagudos voltados para baixo.  Truncada: os bordos na inserção com o pecíolo parecem ter sido cortados.
  • 32. Folha Composta  Apresenta o limbo segmentado.  As unidades que formam o limbo são denominadas folíolos e pode apresentar um pequeno pecíolo chamado peciólulo. A região correspondente à nervura central recebe o nome de raque.  As folhas compostas podem ser classificadas de acordo com a disposição e o número de folíolos que integram o limbo composto. Barbatimão
  • 33. Classificação de Folha Composta  Palmadas ou digitadas: com folíolos apenas na porção final do pecíolo. Ex: cheflera- pequena.  Estas podem ser classificadas em:  Bifoliolada: com apenas dois folíolos terminais.  Trifoliolada: quando há três folíolos. Ex: feijão.  Polifoliolada: com mais de três folíolos. Ex: paineira.
  • 34.  Penadas: com folíolos em toda a extensão da raque.  Podem ser classificadas em:  Imparipenada: quando há um número ímpar de folíolos. Ex: rosa.  Paripenada: quando um número par de folíolos se dispõe ao longo da raque. Exemplo: maria-preta.
  • 35. Recomposta ou duplamente composta  Do raque principal sai ramificações secundárias, denominadas de raquilas e estas é que sustentam os foliólos, em disposição penada e que podem ser peciolados ou sésseis.  Vários membros da família Fabaceae apresentam folhas recompostas. Ex: pau-brasil
  • 36. Morfoses Foliares  Cotilédones São as primeiras folhas formadas ainda no embrião no interior da semente. Em alguns casos, acumulam reservas ou funcionam como um órgão de transferência de reservas do albúmem para o embrião.  Escamas ou catáfilos: proteção da gema durante o inverno. Os catáfilos podem ser órgãos de reserva.
  • 37.  Brácteas vistosas ou atrativas, auxiliam na polinização. Exemplo: primavera  Gavinhas São estruturas que têm a função de prender a planta em um suporte ou enrolando-se nele (tigmotropismo).  Espinhos
  • 38.  Folhas coletoras São aquelas que ocorrem em plantas epífitas, as quais desenvolvem folhas especiais que servem como reservatório de substância húmica e detritos. Exemplo: chifre-de-veado  Filódio Folha é muito reduzida, o pecíolo adquire a forma e a função do limbo, realizando até mesmo fotossíntese e, durante o desenvolvimento da plântula, pode se ver essa transformação. Ex: acácia.
  • 39.  Pulvino Em representantes da família Fabaceae podem ser observados intumescimentos nos eixos da folha e folíolo; estas estruturas são responsáveis por movimento násticos. Exemplo: dormideira  Folhas das plantas carnívoras Ex: Drosera sp. e Dionaea