SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS
COMPORTAMENTO ANTI SOCIAL
INFANTIL
• A reciprocidade refere-se à capacidade de os
membros coordenarem suas atividades um
com o outro, o que favorece a aquisição de
habilidades interativas e a noção de
interdependência, estimula os participantes a
se engajarem em padrões mais complexos de
interação e produz importantes efeitos para
o desenvolvimento cognitivo.
Desenvolvimento e socialização da criança
• O desenvolvimento humano não pode ser
considerado apenas em relação ás características
intrapessoais dos sujeitos;
• Os contextos sociais onde nos movemos e os
processos interativos que ocorrem são essenciais
para o desenvolvimento integral dos sujeitos;
• A família, enquanto contexto social de referência,
assume papel determinante no desenvolvimento
cognitivo e psicossocial dos seus elementos;
Desenvolvimento e socialização da criança
• A forma adotada por cada famíIia para
relacionar-se com os filhos, são consideradas
variáveis de relevância no desenvolvimento
da criança;
• Na última década, tem sido adotado por
muitos pesquisadores o termo Estilos
Educativos parentais para se referir á forma
como pais relacionam-se com seus filhos,
Processo de socialização da criança
• No processo de socialização da criança, podem ser
citadas três grandes fontes de influencia:
⮚O contexto social
⮚A família
⮚Os grupos aos quais o individuo pertence ou se
envolve no decorrer da vida
• A “aprendizagem social”, oriunda de cada uma dessas
fontes de influência serão determinantes para as
habilidades sociais adquiridas e pelo desempenho
social do indivíduo;
Processo de socialização da criança
• Mesmo existindo variação cultural nos valores e
comportamentos parentais, a proteção, o treino
e o controle social existem em todas as
sociedades para assegurar que crianças
atendam satisfatoriamente ás demandas sociais;
• Na maioria das sociedades são os pais que têm a
responsabilidade de orientar a criança na direção
desejada, através de supervisão, ensino e
disciplina;
Objetivo do processo de socialização da criança
• Adequar indivíduos às normas, competências,
comportamentos, enfim ao papel que se espera que
um determinado indivíduo desempenhe na
sociedade;
• Variáveis que atuam sobre a socialização da criança:
• A parentalidade;
• A influencia ambiental que agiu no passado sobre a
socialização dos pais, incidindo sobre os processos
cognitivos dos envolvidos;
• A qualidade da interação pais-criança;
Práticas e estilos educativos
• Os processos cognitivos parentais englobam
conhecimentos, pensamentos, idéias,
expectativas, atribuições, valores, crenças e
percepções que os pais têm sobre o
desenvolvimento e educação dos seus filhos,
determinando os estilos educativos e práticas
que adotarão;
• Práticas educativas parentais e estilos educativos
parentais são termos que embora estejam
relacionados não devem ser usados como
sinônimos;
Práticas e estilos educativos
• Práticas educativas parentais são entendidos como
comportamentos específicos adotados por pais orientados por
objetivos de socialização de seus filhos(ex.conselhos, castigos
físicos, etc...)
• O estilo educativo parental é uma característica do
comportamento parental, comunica uma atitude “afetiva” frente
à criança, podendo moderar as práticas educativas;
Ex: Expressão facial, gestos, tom de voz, ou outros
comportamentos que transmitem o modo como os pais se sentem
em relação ao comportamento dos filhos demonstrando através
da forma como agem, amor, aceitação, preocupação X indiferença
e/ou hostilidade)
Práticas Educativas e comportamento
• Dependendo da freqüência e intensidade
com que o casal parental utiliza
determinadas práticas educativas
relacionadas a transmissão de regras e
padrões sociais, poderão contribuir para o
desenvolvimento de comportamentos pró-
sociais e/ou anti-sociais,
Comportamentos pró e anti-sociais
• Para conviver bem socialmente, espera-se que os
indivíduos adquiram comportamentos pró-sociais,
caracterizados pela capacidade para ajudar ou
beneficiar outros voluntariamente, sem influencia
de pressões externas, sem expectativa de prêmios ou
recompensas materiais;
• Por outro lado, comportamentos anti-sociais, são
caracterizados pela ausência de desenvolvimento
moral, distorção de valores humanos, desprezo,
descumprimento de normas sociais,etc.. quando
presentes no repertório das pessoas, promovem
prejuízos significativos á todos o grupo;
Práticas educativas parentais
• Vários pesquisadores tem estudados a influência
de práticas educativas e estilos educativos
parentais na educação de crianças;
• Entre eles, Gomide, 2003, pesquisadora da UEL,
que, estudando o assunto apontou 08 práticas
educativas parentais, a saber:
• Monitoria positiva, Comportamento Moral,
Abuso físico, abuso psicológico e sexual, Punição
inconsistente, Disciplina Relaxada, Negligência, e
Monitoria Negativa
Monitoria positiva
• Medidas que representam esforços parentais no
sentido de orientar filhos envolvendo atenção,
estabelecimento de limites, posicionamentos claros
em relação a regras, direitos, deveres e suas
consequências;
• Nesse caso os pais procuram saber onde estão os
filhos, conhecer suas atividades, seus amigos, a
quantia de dinheiro que possuem, quanto gastam,
como gastam, como utilizam o tempo livre, etc...
• Envolve relacionamento estreito com os membros da
família;
Comportamento Moral
• Nessa prática educativa pais procuram transmitir
valores culturais importantes presentes nos costumes,
crenças, práticas tais como honestidade, generosidade,
justiça, compaixão, etc..
• Valores culturais são transmitidos por agentes
socializadores dentre os quais os pais são os mais
importantes;
• Da solidez (ou não) do comportamento moral
introduzido pelos pais dependerá boa parte da
atuação social ética do indivíduo;
Comportamento Moral
• Dependendo da forma como tais valores forem
transmitidos poderão suscitar dois tipos de moral:
⮚A moral da autonomia e do respeito mútuo, que
surge quando a criança pode viver relações
verdadeiras, experenciar a cooperação entre iguais;
⮚A moral do dever e da obediencia: Onde predominam
as relações do respeito unilateral , da coação do mais
forte ao mais fraco; do medo; temor, etc...
COMPORTAMENTO MORAL
• Segundo pesquisadores da área, as noções de
justiça como subordinada á autoridade
adulta, só serão efetivas se transmitidas até
7-8 anos,
• Depois dessa idade, passam a ser
determinadas pelas experiências do próprio
indivíduo;
Abuso físico
• Há diferença entre punição corporal e abuso físico. No
primeiro caso há a intenção de corrigir ou controlar
comportamentos através do uso da força física, com a
intenção de que a criança sinta alguma dor mas não
seja machucada;
• No abuso físico, a tentativa de controle do
comportamento ocorre através da utilização de técnicas
que provoquem dor física tais como espancamento,
chutes, socos, amarrar, queimar, etc... enfim qualquer
forma utilizada por pais que possam causar trauma
físico á criança;
Abuso físico
• Geralmente o abuso físico é acompanhado do
abuso verbal onde xingamentos, insultos e
ameaças estão presentes;
• A criança que é espancada frequentemente não
discrimina o certo do errado em seu
comportamento, ficando sem ação diante das
surras ás quais é submetido;
ABUSO FÍSICO
• Embora a punição corporal, sem causar danos físicos á
criança tais como palmadas e tapas, possa ser considerada
como um método educativo podem ultrapassar a linha para
o abuso físico;
• Estudos demonstram que quanto mais severamente os pais
foram punidos com agressão, mais abusivos se tornam com
seus filhos; portanto ocorre transmissão transgeracional de
violência;
• Muitas crianças submetidas a abuso físico na adolescência e
idade adulta podem apresentar comportamentos
delinquenciais e/ou disturbios psiquiátricos;
Abuso físico
• Referencias à criminalidade, abuso de substâncias,
prostituição, dissolução, promiscuidade são alguns
dos resultados frequentes de tal prática educativa;
• A utilização da prática é extremamente prejudicial
ao desenvolvimeto infantil pois atinge a criança e
não o “mau comportamento” por ela exibido;
• Gomide e outros pesquisadores salientam que tais
praticas podem gerar crianças apáticas, medrosas,
desinteressadas, com deficits cognitivos e
socioemocionais, igualmente violentas no futuro;
Abuso fisico
• O abuso sexual, faz parte do abuso físico, deixando claro
que muitas vezes familiares ou pessoas próximas a
familiares, ultrapassam a linha divisória entre práticas
educativas negativa para uma das formas mais destrutivas
de coerção ao outro, e dominação do outro;
• O abuso sexual, quando ocorre, deixa sequelas graves e
profundas, funcionando como uma ferida aberta dificicl de
cicatrizar.
• Tras sentimentos como vergonha, culpa, medo, asco,
insegurança, depressão, podendo trazer problemas
sexuais em relacionamentos íntimos na vida adulta;
ABUSO PSICOLÓGICO OU EMOCIONAL
• Abuso psicológico ou emocional: Caracteriza-se por um padrão
de comportamento verbal (ou não), que tem como intenção
causar sofrimento psicológico em uma outra pessoa;
• As práticas utilizadas podem ser ameaças, confinamento em
espaço pequeno, humilhação individual ou em publico,
rejeição, depreciação, discriminação, desprezo;
• Trata-se de uma agressão que não deixa marcas corporais
visíveis mas marca emocionalmente, causa cicatrizes para a
vida toda;
• Aparece na literatura com menor frequência por ser mais sutil
e de difícil mensuração;
DISCIPLINA RELAXADA
• Nesse caso há o não cumprimento de regras pré-
estabelecidas pelos responsáveis pela criança;
• Pais (ou responsáveis), ameaçam, estabelecem regras e
quando se confrontam com comportamentos opositores e
agressivos os filhos, abrem mão de seu papel educativo para
evitar confronto;
• Nesses casos geralmente temos pais que não são capazes de
cumprir metas educativas, que encaram a agressividade e
impulsividade da criança como características altamente
aversivas a eles;
DISCIPLINA RELAXADA
• A falta de efetividade parental aumenta o
comportamento de hostilidade e é
frequentemente seguida por redução de
esforço parental em monitorar e disciplinar
seus filhos;
• Também nesse caso há aumento da
possibilidade da criança vir a ter problemas
de conduta futuros;
MONITORIA NEGATIVA
• Monitoria negativa (ou supervisão estressante):
Caracteriza-se pelo excesso de fiscalização na
vida dos filhos e pela grande quantidade de
instruções repetitivas que em sua maioria não
são seguidas pelos filhos,
• Causa ambientes familiares estressados e sem
diálogo onde os filhos podem fazer uso de
comportamentos agressivos para manter sua
privacidade;
MONITORI NEGATIVA
• inibe ou interfere na independência e
autodirecionamento da criança, impedindo a
emergência de autonomia psicológica,
• Gera uma relação pais/filhos baseada na
hostilidade, insegurança, mentiras e/ou
surgimento de comportamentos desadaptados
tais como retraimento, insegurança, sentimentos
de inadaquação, ansiedade, enurese, gagueira,
etc...
NEGLIGENCIA
• Pais negligentes são aqueles não responsivos,
pouco exigentes, pouco afetivos, pouco
envolvidos com o ensinamento de regras e
limites, que não aceitam suas responsabilidades
para com a educação e cuidados com a criança;
• Deixam-nas fazer o que querem e quando
chegam ao limitem tentam controlar
exageradamente punindo ou premiando;
Negligencia
• Pais negligentes:
⮚ Tendem Ignorar a maioria dos comportamentos dos filhos,
⮚ Respondem muito pouco ás suas iniciativas de
comunicação,
⮚ Costumam apresentar constantes feedbacks negativos á
realizações deles;
⮚ São considerados ausentes, muitas vezes esperando que
sejam os filhos atendam suas necessidades;
⮚ São poucos presentes na vida dos filhos,
⮚ Não tem tolerância,
⮚ Aborrecem-se facilmente com as crianças,
NEGLIGÊNCIA
⮚É frequente que os filhos apresentem sentimentos de
insegurança, vulnerabilidade, hostilidade, agressão
em ambiente social;
⮚Na adolescência e vida adulta frequentemente
surgem problemas afetivos, comportamentais,sociais
(ex. abuso de substâncias, início de vida sexual
precoce, ocorrências de DSTS, maiores probilidades
de depressão entre outros transtornos ;
⮚ Formam famílias instáveis com separações,
conciliações frequentes, recasamentos, etc...
PUNIÇÃO INCONSISTENTE
• Caracteriza-se pela punição dependente do humor
dos pais e não em consequência ao comportamento
da criança;
• Frequentemente leva crianças a testar suas chances,
ora obedecendo ora não obedecendo, pois nunca
sabe qual será a consequência dessa vez;
• A criança aprende a discriminar mais o humor dos
pais do que a forma errada ou correta de agir;
Punição inconsistente
• Tem reflexos sobre a percepção do indivíduo,
prejudicando sua avaliação no que se refere
aos efeitos que suas ações tem sobre os
outros e sobre o meio;
• Dificulta a interiorização de valores éticos e
morais tão importantes para o bom convívio
social;
Conclusões
• Os estudos indicam claramente que o comportamento
parental influencia o desenvolvimento da criança durante
o a infância e consequentemente no período escolar,
repercutindo no seu percurso desenvolvimental posterior;
• A saúde mental dos pais está associada a um menor
envolvimento, responsividade e sensibilidade parentais,
• Estilos educativos parentais negativos, caracterizados pelo
uso de técnicas de controle hostis e negligentes, tem tido
preço cada vez mais alto não só para a criança como para
toda sociedade;
CONCLUSÕES
• Conclusões: Os comportamentos anti-sociais exibidos por
pessoas que desrespeitam e burlam regras sociais,
frequentemente são produtos de modelos parentais de
monitoria negativa;
• Estudos demonstram grandes relações entre a sociopatia e os
estilos parentais de monitoria negativa;
(Sociopatia: Condição na qual o indivíduo despreza francamente
ás leis e a sociedade, tornando-se insensível aos sentimentos
alheios, desrespeitando normas, regras, obrigações,
estabelecendo e rompendo facilmente relações, exibindo baixa
tolerância á frustração com freqüentes rompantes de violência e
incapacidade para assumir culpa ou aprender com seus erros e
com as punições ás quais é submetido);
Referências Bibliográficas
• GOMIDE, P. I. Estilos parentais e comportamento anti-social. IN: DEL
PRETTE, Almir e DEL PRETTE, Zilda; (Orgs). Habilidades sociais,
desenvolvimento e aprendizagem. Questões conceituais, avaliação e
intervenção. Campinas, S.P., Editora Alinea, 2003.;
• COCCENELLO, A.M. e cols. Práticas Educativas, estilos parentais e abuso
físico no contexto familiar. Revista Psicologia em Estudos, Maringá, Vol
8, n. esp. Pg. 45-54, 2003
• CARLO, G & KOLLER, S.H. Desenvolvimento pro-social em crianças e
adolescentes: Aspectos conceituais, metodológicos e pesquisas no Brasil.
Revista Teoria e Pesquisa, vol.2, pg. 161-172.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx

Linhas Orientadoras de Acção - 2º Ciclo
Linhas Orientadoras de Acção - 2º CicloLinhas Orientadoras de Acção - 2º Ciclo
Linhas Orientadoras de Acção - 2º CicloCristina Couto Varela
 
O comportamento do seu filho na escola é semelhante ao que tem em casa?
O comportamento do seu filho na escola é semelhante ao que tem em casa?O comportamento do seu filho na escola é semelhante ao que tem em casa?
O comportamento do seu filho na escola é semelhante ao que tem em casa?pr_afsalbergaria
 
a-educacao-sexual-em-meio-escolar-o-papel-dos-professores.pptx
a-educacao-sexual-em-meio-escolar-o-papel-dos-professores.pptxa-educacao-sexual-em-meio-escolar-o-papel-dos-professores.pptx
a-educacao-sexual-em-meio-escolar-o-papel-dos-professores.pptxAnaMargaridaCariano
 
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)efaesan
 
Sexualidade Infantil - Claudinéia da Silva Barbosa. Curso de Psicologia Escol...
Sexualidade Infantil - Claudinéia da Silva Barbosa. Curso de Psicologia Escol...Sexualidade Infantil - Claudinéia da Silva Barbosa. Curso de Psicologia Escol...
Sexualidade Infantil - Claudinéia da Silva Barbosa. Curso de Psicologia Escol...Claudinéia Barbosa
 
Interação pais-filhos pelas lentes de uma psicóloga!
Interação pais-filhos pelas lentes de uma psicóloga!Interação pais-filhos pelas lentes de uma psicóloga!
Interação pais-filhos pelas lentes de uma psicóloga!Taís Calheiros
 
Psicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e EducacionalPsicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e Educacionalmluisavalente
 
tica-141014092411-conversion-gate02.pptx
tica-141014092411-conversion-gate02.pptxtica-141014092411-conversion-gate02.pptx
tica-141014092411-conversion-gate02.pptxDeboraCaroline16
 
EducaçãO Sexual Nas Escolas
EducaçãO Sexual Nas EscolasEducaçãO Sexual Nas Escolas
EducaçãO Sexual Nas EscolasAlbina Dinis
 
Desenvolvimento psicossocial na terceira infância
Desenvolvimento psicossocial na terceira infânciaDesenvolvimento psicossocial na terceira infância
Desenvolvimento psicossocial na terceira infânciaAdilson Rodrigues Furtado
 
Resumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisResumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisJorge Barbosa
 
Apresentação sobre Bulling - que fazemos com isso? Dra Daniela Vital Neurolog...
Apresentação sobre Bulling - que fazemos com isso? Dra Daniela Vital Neurolog...Apresentação sobre Bulling - que fazemos com isso? Dra Daniela Vital Neurolog...
Apresentação sobre Bulling - que fazemos com isso? Dra Daniela Vital Neurolog...Clínica Neurológica Vida Piracicaba
 
Apresentacao bullying (1)
Apresentacao bullying (1)Apresentacao bullying (1)
Apresentacao bullying (1)LucasDantas98
 

Semelhante a 12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx (20)

Linhas Orientadoras de Acção - 2º Ciclo
Linhas Orientadoras de Acção - 2º CicloLinhas Orientadoras de Acção - 2º Ciclo
Linhas Orientadoras de Acção - 2º Ciclo
 
O comportamento do seu filho na escola é semelhante ao que tem em casa?
O comportamento do seu filho na escola é semelhante ao que tem em casa?O comportamento do seu filho na escola é semelhante ao que tem em casa?
O comportamento do seu filho na escola é semelhante ao que tem em casa?
 
a-educacao-sexual-em-meio-escolar-o-papel-dos-professores.pptx
a-educacao-sexual-em-meio-escolar-o-papel-dos-professores.pptxa-educacao-sexual-em-meio-escolar-o-papel-dos-professores.pptx
a-educacao-sexual-em-meio-escolar-o-papel-dos-professores.pptx
 
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
0 pais relações
0 pais relações0 pais relações
0 pais relações
 
Sexualidade Infantil - Claudinéia da Silva Barbosa. Curso de Psicologia Escol...
Sexualidade Infantil - Claudinéia da Silva Barbosa. Curso de Psicologia Escol...Sexualidade Infantil - Claudinéia da Silva Barbosa. Curso de Psicologia Escol...
Sexualidade Infantil - Claudinéia da Silva Barbosa. Curso de Psicologia Escol...
 
Interação pais-filhos pelas lentes de uma psicóloga!
Interação pais-filhos pelas lentes de uma psicóloga!Interação pais-filhos pelas lentes de uma psicóloga!
Interação pais-filhos pelas lentes de uma psicóloga!
 
Psicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e EducacionalPsicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e Educacional
 
tica-141014092411-conversion-gate02.pptx
tica-141014092411-conversion-gate02.pptxtica-141014092411-conversion-gate02.pptx
tica-141014092411-conversion-gate02.pptx
 
EducaçãO Sexual Nas Escolas
EducaçãO Sexual Nas EscolasEducaçãO Sexual Nas Escolas
EducaçãO Sexual Nas Escolas
 
Bullying.pptx
Bullying.pptxBullying.pptx
Bullying.pptx
 
Palestra.pdf
Palestra.pdfPalestra.pdf
Palestra.pdf
 
Setembro-Amarelo.pdf
Setembro-Amarelo.pdfSetembro-Amarelo.pdf
Setembro-Amarelo.pdf
 
Sexualidade infantil
Sexualidade infantil Sexualidade infantil
Sexualidade infantil
 
7 janeiro
7 janeiro7 janeiro
7 janeiro
 
Desenvolvimento psicossocial na terceira infância
Desenvolvimento psicossocial na terceira infânciaDesenvolvimento psicossocial na terceira infância
Desenvolvimento psicossocial na terceira infância
 
Resumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisResumo Relações Interpessoais
Resumo Relações Interpessoais
 
Apresentação sobre Bulling - que fazemos com isso? Dra Daniela Vital Neurolog...
Apresentação sobre Bulling - que fazemos com isso? Dra Daniela Vital Neurolog...Apresentação sobre Bulling - que fazemos com isso? Dra Daniela Vital Neurolog...
Apresentação sobre Bulling - que fazemos com isso? Dra Daniela Vital Neurolog...
 
Apresentacao bullying (1)
Apresentacao bullying (1)Apresentacao bullying (1)
Apresentacao bullying (1)
 

Último

O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdfLEANDROSPANHOL1
 
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdfMICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdfkathleenrichardanton
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptfernandoalvescosta3
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfanalucia839701
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (14)

O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
 
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdfMICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 

12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx

  • 2. • A reciprocidade refere-se à capacidade de os membros coordenarem suas atividades um com o outro, o que favorece a aquisição de habilidades interativas e a noção de interdependência, estimula os participantes a se engajarem em padrões mais complexos de interação e produz importantes efeitos para o desenvolvimento cognitivo.
  • 3. Desenvolvimento e socialização da criança • O desenvolvimento humano não pode ser considerado apenas em relação ás características intrapessoais dos sujeitos; • Os contextos sociais onde nos movemos e os processos interativos que ocorrem são essenciais para o desenvolvimento integral dos sujeitos; • A família, enquanto contexto social de referência, assume papel determinante no desenvolvimento cognitivo e psicossocial dos seus elementos;
  • 4. Desenvolvimento e socialização da criança • A forma adotada por cada famíIia para relacionar-se com os filhos, são consideradas variáveis de relevância no desenvolvimento da criança; • Na última década, tem sido adotado por muitos pesquisadores o termo Estilos Educativos parentais para se referir á forma como pais relacionam-se com seus filhos,
  • 5. Processo de socialização da criança • No processo de socialização da criança, podem ser citadas três grandes fontes de influencia: ⮚O contexto social ⮚A família ⮚Os grupos aos quais o individuo pertence ou se envolve no decorrer da vida • A “aprendizagem social”, oriunda de cada uma dessas fontes de influência serão determinantes para as habilidades sociais adquiridas e pelo desempenho social do indivíduo;
  • 6. Processo de socialização da criança • Mesmo existindo variação cultural nos valores e comportamentos parentais, a proteção, o treino e o controle social existem em todas as sociedades para assegurar que crianças atendam satisfatoriamente ás demandas sociais; • Na maioria das sociedades são os pais que têm a responsabilidade de orientar a criança na direção desejada, através de supervisão, ensino e disciplina;
  • 7. Objetivo do processo de socialização da criança • Adequar indivíduos às normas, competências, comportamentos, enfim ao papel que se espera que um determinado indivíduo desempenhe na sociedade; • Variáveis que atuam sobre a socialização da criança: • A parentalidade; • A influencia ambiental que agiu no passado sobre a socialização dos pais, incidindo sobre os processos cognitivos dos envolvidos; • A qualidade da interação pais-criança;
  • 8. Práticas e estilos educativos • Os processos cognitivos parentais englobam conhecimentos, pensamentos, idéias, expectativas, atribuições, valores, crenças e percepções que os pais têm sobre o desenvolvimento e educação dos seus filhos, determinando os estilos educativos e práticas que adotarão; • Práticas educativas parentais e estilos educativos parentais são termos que embora estejam relacionados não devem ser usados como sinônimos;
  • 9. Práticas e estilos educativos • Práticas educativas parentais são entendidos como comportamentos específicos adotados por pais orientados por objetivos de socialização de seus filhos(ex.conselhos, castigos físicos, etc...) • O estilo educativo parental é uma característica do comportamento parental, comunica uma atitude “afetiva” frente à criança, podendo moderar as práticas educativas; Ex: Expressão facial, gestos, tom de voz, ou outros comportamentos que transmitem o modo como os pais se sentem em relação ao comportamento dos filhos demonstrando através da forma como agem, amor, aceitação, preocupação X indiferença e/ou hostilidade)
  • 10. Práticas Educativas e comportamento • Dependendo da freqüência e intensidade com que o casal parental utiliza determinadas práticas educativas relacionadas a transmissão de regras e padrões sociais, poderão contribuir para o desenvolvimento de comportamentos pró- sociais e/ou anti-sociais,
  • 11. Comportamentos pró e anti-sociais • Para conviver bem socialmente, espera-se que os indivíduos adquiram comportamentos pró-sociais, caracterizados pela capacidade para ajudar ou beneficiar outros voluntariamente, sem influencia de pressões externas, sem expectativa de prêmios ou recompensas materiais; • Por outro lado, comportamentos anti-sociais, são caracterizados pela ausência de desenvolvimento moral, distorção de valores humanos, desprezo, descumprimento de normas sociais,etc.. quando presentes no repertório das pessoas, promovem prejuízos significativos á todos o grupo;
  • 12. Práticas educativas parentais • Vários pesquisadores tem estudados a influência de práticas educativas e estilos educativos parentais na educação de crianças; • Entre eles, Gomide, 2003, pesquisadora da UEL, que, estudando o assunto apontou 08 práticas educativas parentais, a saber: • Monitoria positiva, Comportamento Moral, Abuso físico, abuso psicológico e sexual, Punição inconsistente, Disciplina Relaxada, Negligência, e Monitoria Negativa
  • 13. Monitoria positiva • Medidas que representam esforços parentais no sentido de orientar filhos envolvendo atenção, estabelecimento de limites, posicionamentos claros em relação a regras, direitos, deveres e suas consequências; • Nesse caso os pais procuram saber onde estão os filhos, conhecer suas atividades, seus amigos, a quantia de dinheiro que possuem, quanto gastam, como gastam, como utilizam o tempo livre, etc... • Envolve relacionamento estreito com os membros da família;
  • 14. Comportamento Moral • Nessa prática educativa pais procuram transmitir valores culturais importantes presentes nos costumes, crenças, práticas tais como honestidade, generosidade, justiça, compaixão, etc.. • Valores culturais são transmitidos por agentes socializadores dentre os quais os pais são os mais importantes; • Da solidez (ou não) do comportamento moral introduzido pelos pais dependerá boa parte da atuação social ética do indivíduo;
  • 15. Comportamento Moral • Dependendo da forma como tais valores forem transmitidos poderão suscitar dois tipos de moral: ⮚A moral da autonomia e do respeito mútuo, que surge quando a criança pode viver relações verdadeiras, experenciar a cooperação entre iguais; ⮚A moral do dever e da obediencia: Onde predominam as relações do respeito unilateral , da coação do mais forte ao mais fraco; do medo; temor, etc...
  • 16. COMPORTAMENTO MORAL • Segundo pesquisadores da área, as noções de justiça como subordinada á autoridade adulta, só serão efetivas se transmitidas até 7-8 anos, • Depois dessa idade, passam a ser determinadas pelas experiências do próprio indivíduo;
  • 17. Abuso físico • Há diferença entre punição corporal e abuso físico. No primeiro caso há a intenção de corrigir ou controlar comportamentos através do uso da força física, com a intenção de que a criança sinta alguma dor mas não seja machucada; • No abuso físico, a tentativa de controle do comportamento ocorre através da utilização de técnicas que provoquem dor física tais como espancamento, chutes, socos, amarrar, queimar, etc... enfim qualquer forma utilizada por pais que possam causar trauma físico á criança;
  • 18. Abuso físico • Geralmente o abuso físico é acompanhado do abuso verbal onde xingamentos, insultos e ameaças estão presentes; • A criança que é espancada frequentemente não discrimina o certo do errado em seu comportamento, ficando sem ação diante das surras ás quais é submetido;
  • 19. ABUSO FÍSICO • Embora a punição corporal, sem causar danos físicos á criança tais como palmadas e tapas, possa ser considerada como um método educativo podem ultrapassar a linha para o abuso físico; • Estudos demonstram que quanto mais severamente os pais foram punidos com agressão, mais abusivos se tornam com seus filhos; portanto ocorre transmissão transgeracional de violência; • Muitas crianças submetidas a abuso físico na adolescência e idade adulta podem apresentar comportamentos delinquenciais e/ou disturbios psiquiátricos;
  • 20. Abuso físico • Referencias à criminalidade, abuso de substâncias, prostituição, dissolução, promiscuidade são alguns dos resultados frequentes de tal prática educativa; • A utilização da prática é extremamente prejudicial ao desenvolvimeto infantil pois atinge a criança e não o “mau comportamento” por ela exibido; • Gomide e outros pesquisadores salientam que tais praticas podem gerar crianças apáticas, medrosas, desinteressadas, com deficits cognitivos e socioemocionais, igualmente violentas no futuro;
  • 21. Abuso fisico • O abuso sexual, faz parte do abuso físico, deixando claro que muitas vezes familiares ou pessoas próximas a familiares, ultrapassam a linha divisória entre práticas educativas negativa para uma das formas mais destrutivas de coerção ao outro, e dominação do outro; • O abuso sexual, quando ocorre, deixa sequelas graves e profundas, funcionando como uma ferida aberta dificicl de cicatrizar. • Tras sentimentos como vergonha, culpa, medo, asco, insegurança, depressão, podendo trazer problemas sexuais em relacionamentos íntimos na vida adulta;
  • 22. ABUSO PSICOLÓGICO OU EMOCIONAL • Abuso psicológico ou emocional: Caracteriza-se por um padrão de comportamento verbal (ou não), que tem como intenção causar sofrimento psicológico em uma outra pessoa; • As práticas utilizadas podem ser ameaças, confinamento em espaço pequeno, humilhação individual ou em publico, rejeição, depreciação, discriminação, desprezo; • Trata-se de uma agressão que não deixa marcas corporais visíveis mas marca emocionalmente, causa cicatrizes para a vida toda; • Aparece na literatura com menor frequência por ser mais sutil e de difícil mensuração;
  • 23. DISCIPLINA RELAXADA • Nesse caso há o não cumprimento de regras pré- estabelecidas pelos responsáveis pela criança; • Pais (ou responsáveis), ameaçam, estabelecem regras e quando se confrontam com comportamentos opositores e agressivos os filhos, abrem mão de seu papel educativo para evitar confronto; • Nesses casos geralmente temos pais que não são capazes de cumprir metas educativas, que encaram a agressividade e impulsividade da criança como características altamente aversivas a eles;
  • 24. DISCIPLINA RELAXADA • A falta de efetividade parental aumenta o comportamento de hostilidade e é frequentemente seguida por redução de esforço parental em monitorar e disciplinar seus filhos; • Também nesse caso há aumento da possibilidade da criança vir a ter problemas de conduta futuros;
  • 25. MONITORIA NEGATIVA • Monitoria negativa (ou supervisão estressante): Caracteriza-se pelo excesso de fiscalização na vida dos filhos e pela grande quantidade de instruções repetitivas que em sua maioria não são seguidas pelos filhos, • Causa ambientes familiares estressados e sem diálogo onde os filhos podem fazer uso de comportamentos agressivos para manter sua privacidade;
  • 26. MONITORI NEGATIVA • inibe ou interfere na independência e autodirecionamento da criança, impedindo a emergência de autonomia psicológica, • Gera uma relação pais/filhos baseada na hostilidade, insegurança, mentiras e/ou surgimento de comportamentos desadaptados tais como retraimento, insegurança, sentimentos de inadaquação, ansiedade, enurese, gagueira, etc...
  • 27. NEGLIGENCIA • Pais negligentes são aqueles não responsivos, pouco exigentes, pouco afetivos, pouco envolvidos com o ensinamento de regras e limites, que não aceitam suas responsabilidades para com a educação e cuidados com a criança; • Deixam-nas fazer o que querem e quando chegam ao limitem tentam controlar exageradamente punindo ou premiando;
  • 28. Negligencia • Pais negligentes: ⮚ Tendem Ignorar a maioria dos comportamentos dos filhos, ⮚ Respondem muito pouco ás suas iniciativas de comunicação, ⮚ Costumam apresentar constantes feedbacks negativos á realizações deles; ⮚ São considerados ausentes, muitas vezes esperando que sejam os filhos atendam suas necessidades; ⮚ São poucos presentes na vida dos filhos, ⮚ Não tem tolerância, ⮚ Aborrecem-se facilmente com as crianças,
  • 29. NEGLIGÊNCIA ⮚É frequente que os filhos apresentem sentimentos de insegurança, vulnerabilidade, hostilidade, agressão em ambiente social; ⮚Na adolescência e vida adulta frequentemente surgem problemas afetivos, comportamentais,sociais (ex. abuso de substâncias, início de vida sexual precoce, ocorrências de DSTS, maiores probilidades de depressão entre outros transtornos ; ⮚ Formam famílias instáveis com separações, conciliações frequentes, recasamentos, etc...
  • 30. PUNIÇÃO INCONSISTENTE • Caracteriza-se pela punição dependente do humor dos pais e não em consequência ao comportamento da criança; • Frequentemente leva crianças a testar suas chances, ora obedecendo ora não obedecendo, pois nunca sabe qual será a consequência dessa vez; • A criança aprende a discriminar mais o humor dos pais do que a forma errada ou correta de agir;
  • 31. Punição inconsistente • Tem reflexos sobre a percepção do indivíduo, prejudicando sua avaliação no que se refere aos efeitos que suas ações tem sobre os outros e sobre o meio; • Dificulta a interiorização de valores éticos e morais tão importantes para o bom convívio social;
  • 32. Conclusões • Os estudos indicam claramente que o comportamento parental influencia o desenvolvimento da criança durante o a infância e consequentemente no período escolar, repercutindo no seu percurso desenvolvimental posterior; • A saúde mental dos pais está associada a um menor envolvimento, responsividade e sensibilidade parentais, • Estilos educativos parentais negativos, caracterizados pelo uso de técnicas de controle hostis e negligentes, tem tido preço cada vez mais alto não só para a criança como para toda sociedade;
  • 33. CONCLUSÕES • Conclusões: Os comportamentos anti-sociais exibidos por pessoas que desrespeitam e burlam regras sociais, frequentemente são produtos de modelos parentais de monitoria negativa; • Estudos demonstram grandes relações entre a sociopatia e os estilos parentais de monitoria negativa; (Sociopatia: Condição na qual o indivíduo despreza francamente ás leis e a sociedade, tornando-se insensível aos sentimentos alheios, desrespeitando normas, regras, obrigações, estabelecendo e rompendo facilmente relações, exibindo baixa tolerância á frustração com freqüentes rompantes de violência e incapacidade para assumir culpa ou aprender com seus erros e com as punições ás quais é submetido);
  • 34. Referências Bibliográficas • GOMIDE, P. I. Estilos parentais e comportamento anti-social. IN: DEL PRETTE, Almir e DEL PRETTE, Zilda; (Orgs). Habilidades sociais, desenvolvimento e aprendizagem. Questões conceituais, avaliação e intervenção. Campinas, S.P., Editora Alinea, 2003.; • COCCENELLO, A.M. e cols. Práticas Educativas, estilos parentais e abuso físico no contexto familiar. Revista Psicologia em Estudos, Maringá, Vol 8, n. esp. Pg. 45-54, 2003 • CARLO, G & KOLLER, S.H. Desenvolvimento pro-social em crianças e adolescentes: Aspectos conceituais, metodológicos e pesquisas no Brasil. Revista Teoria e Pesquisa, vol.2, pg. 161-172.