SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
Nadir Afonso
Nadir Afonso Rodrigues
nasceu em 4 de Dezembro de
1920, no lugar dos Codeçais.
Filho do poeta Artur Maria
Afonso e de Palmira Rodrigues
Afonso, testemunho do
sentimento romântico de seus
pais.
Criança apaixonada, impulsiva,
banhada pela irrealidade do
sonho o «Riri», como era
conhecido na infância, ansiava
ardentemente ter asas,
sonhava ser «Rei» (...)
Depois, pouco a pouco, surgiu o mundo das artes.
Aos quatro anos pintava o seu primeiro «quadro»: um círculo
vermelho na parede do seu quarto (...)
«A obra de arte é um espetáculo de exatidão», escreveria mais
tarde, «a lei das formas geométricas é o mais belo encontro da
minha vida».
Aos sete anos, entra para a Escola Régia e aos onze ingressa no
Liceu Fernão de Magalhães. ( ... )
Nadir Afonso pinta aos catorze anos os seus primeiros trabalhos a
óleo, percorrendo a cidade com o seu cavalete: «vejo o perfil
destes horizontes através de olhares antepassados, como uma
dádiva hereditária e sobrenatural». ( ... )
Forte de S. Francisco (aguarela), 1937
Toda a sua atividade se concentra então na prática da pintura.
Ganha o 2.° prémio no concurso "Qual o mais belo trecho da paisagem
portuguesa?“, em 1937.
Dirige-se à Escola de Belas-Artes do Porto munido de meia folha de papel
selado em que pede a inscrição no curso de pintura.
Porém, matricula-se em arquitetura também.
O Porto, com a sua arquitetura barroca, debruçado sobre o Douro, impressiona-
o. Percorre a cidade, pintando.
«Eu encontrei o expressionismo na pintura ao longo de um
caminho que percorri absolutamente só».
Estreitando as relações com os seus colegas das Belas-Artes, faz parte do
grupo dos Independentes do Porto, expondo em todas as suas exposições até
1946.
Por volta de 1943, Nadir Afonso redige os seus primeiros estudos.
O fenómeno da geometria e da ótica que sempre o apaixonou, revela-se mais
claramente.
A sua obra «A Ribeira» do Porto, dá entrada no Museu de Arte Contemporânea
de Lisboa. Nadir Afonso tem apenas 24 anos.
No Verão do mesmo ano, é convidado como arquiteto, a tomar parte numa
missão estética na cidade de Évora. ( ... )
Em Abril de 1946, então com 25 anos de idade, Nadir Afonso vai para
Paris.
Em Paris, obtém, por intermédio de Portinari, uma bolsa de estudo do
governo francês.
Matricula-se no curso de pintura da École des Beaux-Arts.
Toma contacto com o grande mundo da Arte.
Trabalhar na arquitectura para publicar um livro com as suas pinturas, era
o seu objectivo imediato.
Colabora com o arquitecto francês Le Corbusier. Le Corbusier concedeu-
lhe as manhãs livres para pintar.
Em 1948 é admitido em Paris no Salão "Moins de trinte ans" ..
Em 1948 defende tese na cidade do Porto com um projecto executado em
Paris sob a orientação de Le Corbusier.
Nos princípios de 1949, retira-se de Paris.
No dia 4 de Dezembro de 1951, Nadir escreve à sua família:
«faço hoje 31 anos de idade e encontro-me em Veneza, no
meio de uma ponte, debruçado sobre o Grande Canal.
Dum lado está Paris e a Europa, e do outro a América do
Sul, no dia 14 embarco em Génova para o Rio de Janeiro».
Em 1953 regressa a Paris e retoma o contacto com artistas, desenvolvendo
os seus estudos de estética e da obra que denomina «Espacillimité».
Em Paris alterna o seu trabalho entre períodos de pintura e períodos de
arquitectura.
A história da vida de Nadir Afonso é a de um homem que traz consigo uma
mensagem: uma visão original da estética e uma obra de características
invulgares.
Nadir Afonso acentua o rumo da sua vida exclusivamente dedicada
à criação duma obra.
Desenvolve os seus escritos sobre a Geometria que considera a
essência da arte.
Uma primeira publicação - La Sensibilité Plastique - aparece em
1958 em Paris. É um pequeno trabalho de análise das leis naturais
suscetíveis de revolucionar toda a estética tradicional.
Nadir não é apenas um arquiteto: reúne numa síntese audaciosa as
suas qualidades de pintor, de esteta e de geometria.
Em 1960 vem com a família para Portugal e trabalha na arquitetura,
em Chaves e em Coimbra.
Em 1970 publicou "Mécanismes de la Création Artistique", que foi
tema de uma exposição retrospetiva no Centre Culturel Portugais da
Fundação Calouste Gulbenkian, em Paris, repetida na Fundação
Calouste Gulbenkian em Lisboa.
Em 16 de janeiro de 2009 teve lugar a apresentação pública do projeto
da Fundação Nadir Afonso, um projeto do arquiteto Siza Vieira, assim
como o Centro de Artes, em Boticas desenhado pela arquiteta
americana Louise Braverman.
Em 2010 realizou-se uma grandiosa exposição da sua obra intitulada
"Nadir Afonso Sem Limites", comissariada por Adelaide Ginga e
patente no Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto, e no Museu
Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, em Lisboa. O Museu da
Presidência também lhe dedicou a exposição "Absoluto 2010".
Em 2011 foi convidado a ilustrar a capa do 147.º aniversário do Diário
de Notícias e em janeiro de 2012 foi homenageado no Teatro Nacional
S. João, com a estreia do filme de Jorge Campos "Nadir Afonso - O
Tempo não Existe“.
A 5 de novembro de 2012 foi homenageado pela Universidade do Porto
com a atribuição do título de Doutor Honoris Causa.
Faleceu em Cascais, onde vivia com a sua família, no dia 11 de
dezembro de 2013, aos 93 anos de idade.
Poemas do poeta
Artur Maria Afonso (pai do pintor)
ilustrados por Nadir Afonso
Artur Maria Afonso
Cidade de Chaves
Rio Tâmega
Rio gentil de margens verdejantes
Em que retinam cantos de sereia!
Águas rolando por lençóis d'areia,
De pérolas translúcidas, brilhantes!
Junto de ti, os rouxinóis vibrantes
Entoam sonorosa melopeia.
E quando sobre tudo o Sol vagueia,
Tens notas de beleza fascinantes!
Dás alegria a quem te vê passar
Beijando relvas e movendo azenhas
Subindo em baldes para ir regar.
Mas tens o teu reverso! Se embraveces
Uivando de revolta, arrastas penhas,
Submerges as campinas! Entonteces!
Chaves - Canto do Rio - 1936 - Nadir Afonso
O Banho
Tempo de banho. Distinta e cativante,
Aos primeiros raios dos clarões nascentes,
Corres banhar-te nas Iímpidas correntes,
Inda o sol não aparece e vem distante.
Treme o Tâmega de gozo palpitante,
Só de lhe tocarem nos areais dormentes
Muito ao de leve, teus pés alvinitentes,
E o teu corpo contornado e provocante.
Mordem-se de inveja, as rosas pela margem,
Vendo o terno enleio com que beija a aragem
Tua negra trança tão comprida e farta,
Espreitam-te as aves vendo-te tão bela ...
Eu, finalmente chamando-te uma estrela
Não sei mais meu amor que pôr na carta.
Banhistas
Poema do filho Artur Afonso
dedicado ao pai
Oh meu bom velho pai
Oh meu bom velho pai
Que olhar cabisbaixo é esse que te acompanha?
Homem de perseverança errante,
Homem grande.
Carregas contigo um percurso pando
E agora?
Tantas histórias,
tantos acontecimentos passados,
tanta desaventurança!
Penaste nessa errância
com pobres de espírito te invejando
com gente te silenciando ...
(E só porque lhes fazias sombra ... )
Apodera-se de mim uma enorme fúria
Não pai, não vou esquecer ...
Não pai, como poderei esquecer?
Não me peçam que deixe de sentir essa dor,
esse desassossego!
Vale-te a pintura, a escrita,
e o conforto de saber que a tua obra, essa, fica!
Porque estás cabisbaixo meu velho pai?
Sossega meu pai ...
Artur Afonso
Gôndolas
Bibliografia:
Artur Maria Afonso Poesia / Pintura [de] Nadir Afonso, Poesia [de] Artur Afonso
;Coordenação: Laura Afonso - Chaves : Fundação Nadir Afonso, 2009.
Textos retirados da brochura Notas biográficas de Janeiro de 93 - Escola
Preparatória Nadir Afonso
Webgrafia:
https://sigarra.up.pt/up/pt/web_base.gera_pagina?p_pagina=antigos%20estudant
es%20ilustres%20-%20nadir%20afonso

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A arte de naif
A arte de naifA arte de naif
A arte de naif
JNR
 
Poesias De CecíLia Meireles
Poesias De CecíLia MeirelesPoesias De CecíLia Meireles
Poesias De CecíLia Meireles
Romy23
 
Trabalho de artes , caravaggio
Trabalho de artes , caravaggioTrabalho de artes , caravaggio
Trabalho de artes , caravaggio
RafinhaMeireles
 

Mais procurados (20)

Pablo Picasso
Pablo PicassoPablo Picasso
Pablo Picasso
 
Surrealismo Literatura
Surrealismo LiteraturaSurrealismo Literatura
Surrealismo Literatura
 
Naif
NaifNaif
Naif
 
Impressionismo 01
Impressionismo   01Impressionismo   01
Impressionismo 01
 
Vanguarda I - Surrealismo
Vanguarda I - SurrealismoVanguarda I - Surrealismo
Vanguarda I - Surrealismo
 
A arte de naif
A arte de naifA arte de naif
A arte de naif
 
Poesias De CecíLia Meireles
Poesias De CecíLia MeirelesPoesias De CecíLia Meireles
Poesias De CecíLia Meireles
 
François Boucher
François BoucherFrançois Boucher
François Boucher
 
Trabalho de artes , caravaggio
Trabalho de artes , caravaggioTrabalho de artes , caravaggio
Trabalho de artes , caravaggio
 
Edgar Degas
Edgar DegasEdgar Degas
Edgar Degas
 
CEAL/Mac
CEAL/MacCEAL/Mac
CEAL/Mac
 
Trabalhopaul
TrabalhopaulTrabalhopaul
Trabalhopaul
 
Francois Boucher
Francois BoucherFrancois Boucher
Francois Boucher
 
Impressionismo.2 novo
Impressionismo.2 novoImpressionismo.2 novo
Impressionismo.2 novo
 
Picasso
PicassoPicasso
Picasso
 
Jose Regio
Jose RegioJose Regio
Jose Regio
 
Leonardo da vinci
Leonardo da vinciLeonardo da vinci
Leonardo da vinci
 
Surrealismo
Surrealismo Surrealismo
Surrealismo
 
Picasso
PicassoPicasso
Picasso
 
Picasso
Picasso Picasso
Picasso
 

Semelhante a 1.ª Paragem Todos aLeR+2027

Artistas Plásticos e Músicos da República
Artistas Plásticos e Músicos da RepúblicaArtistas Plásticos e Músicos da República
Artistas Plásticos e Músicos da República
Michele Pó
 
Aula sobre Parnasianismo
Aula sobre ParnasianismoAula sobre Parnasianismo
Aula sobre Parnasianismo
Érika Lúcia
 
Almada Negreiros
Almada NegreirosAlmada Negreiros
Almada Negreiros
Gabyvb
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Blog Estudo
 
Arm alves 119 2013 t
Arm alves 119 2013  tArm alves 119 2013  t
Arm alves 119 2013 t
Francisco Pereira Coutinho
 
Pedro alexandrino borges
Pedro alexandrino borgesPedro alexandrino borges
Pedro alexandrino borges
deniselugli2
 

Semelhante a 1.ª Paragem Todos aLeR+2027 (20)

Escultor Fernandes de Sá
Escultor Fernandes de SáEscultor Fernandes de Sá
Escultor Fernandes de Sá
 
Primeira geração
Primeira geraçãoPrimeira geração
Primeira geração
 
Primeira geração
Primeira geraçãoPrimeira geração
Primeira geração
 
Artistas Plásticos e Músicos da República
Artistas Plásticos e Músicos da RepúblicaArtistas Plásticos e Músicos da República
Artistas Plásticos e Músicos da República
 
A Linguagem do Modernismo.docx
A Linguagem do Modernismo.docxA Linguagem do Modernismo.docx
A Linguagem do Modernismo.docx
 
Tendências culturais em Portugal
Tendências culturais em PortugalTendências culturais em Portugal
Tendências culturais em Portugal
 
Tarsila do amaral
Tarsila do amaralTarsila do amaral
Tarsila do amaral
 
Apostila vanguardas2
Apostila vanguardas2Apostila vanguardas2
Apostila vanguardas2
 
Apostila vanguardas2
Apostila vanguardas2Apostila vanguardas2
Apostila vanguardas2
 
Picasso
PicassoPicasso
Picasso
 
Modernismo e mail
Modernismo e mailModernismo e mail
Modernismo e mail
 
Modernismo2019
Modernismo2019Modernismo2019
Modernismo2019
 
Aula sobre Parnasianismo
Aula sobre ParnasianismoAula sobre Parnasianismo
Aula sobre Parnasianismo
 
Almada Negreiros
Almada NegreirosAlmada Negreiros
Almada Negreiros
 
A semana de arte moderna
A semana de arte modernaA semana de arte moderna
A semana de arte moderna
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
 
Arm alves 119 2013 t
Arm alves 119 2013  tArm alves 119 2013  t
Arm alves 119 2013 t
 
Arm alves 119 2013 t
Arm alves 119 2013  tArm alves 119 2013  t
Arm alves 119 2013 t
 
Dacosta, milton
Dacosta, miltonDacosta, milton
Dacosta, milton
 
Pedro alexandrino borges
Pedro alexandrino borgesPedro alexandrino borges
Pedro alexandrino borges
 

Mais de bibliotecasjuliomartins

Mais de bibliotecasjuliomartins (20)

Vencedores Quadras de São Martinho 2020
Vencedores Quadras de São Martinho 2020Vencedores Quadras de São Martinho 2020
Vencedores Quadras de São Martinho 2020
 
Regulamento Concurso Ortografia 2020/2021
Regulamento Concurso Ortografia 2020/2021Regulamento Concurso Ortografia 2020/2021
Regulamento Concurso Ortografia 2020/2021
 
Regulamento do Concurso Quadras de São Martinho
Regulamento do Concurso Quadras de São MartinhoRegulamento do Concurso Quadras de São Martinho
Regulamento do Concurso Quadras de São Martinho
 
Regulamento concurso ortografia_1ciclo_2019_2020
Regulamento concurso ortografia_1ciclo_2019_2020Regulamento concurso ortografia_1ciclo_2019_2020
Regulamento concurso ortografia_1ciclo_2019_2020
 
Regulamento concurso ortografia_1ciclo_2018.19
Regulamento concurso ortografia_1ciclo_2018.19Regulamento concurso ortografia_1ciclo_2018.19
Regulamento concurso ortografia_1ciclo_2018.19
 
Regulamento BE 2017.18(1)
Regulamento BE 2017.18(1)Regulamento BE 2017.18(1)
Regulamento BE 2017.18(1)
 
Regimento bibliotecas escolares 2017.18
Regimento bibliotecas escolares 2017.18Regimento bibliotecas escolares 2017.18
Regimento bibliotecas escolares 2017.18
 
Guia utilizador BE
Guia utilizador BEGuia utilizador BE
Guia utilizador BE
 
PAA Bibliotecas Escolares 2017.18
PAA Bibliotecas Escolares 2017.18PAA Bibliotecas Escolares 2017.18
PAA Bibliotecas Escolares 2017.18
 
Violência de género
Violência de géneroViolência de género
Violência de género
 
Concurso de fotografia Tradições e património cultural
Concurso de fotografia Tradições e património culturalConcurso de fotografia Tradições e património cultural
Concurso de fotografia Tradições e património cultural
 
Achas que sabes ler?
Achas que sabes ler?Achas que sabes ler?
Achas que sabes ler?
 
Atividades que constam do PAA do Agrupamento
Atividades que constam do PAA do AgrupamentoAtividades que constam do PAA do Agrupamento
Atividades que constam do PAA do Agrupamento
 
Chumbo, o fiel inimigo
Chumbo, o fiel inimigoChumbo, o fiel inimigo
Chumbo, o fiel inimigo
 
A verdadeira história do átomo
A verdadeira história do átomoA verdadeira história do átomo
A verdadeira história do átomo
 
O universo de einstein
O universo de einsteinO universo de einstein
O universo de einstein
 
O passado secreto da química!
O passado secreto da química!O passado secreto da química!
O passado secreto da química!
 
Uma régua não mede tudo
Uma régua não mede tudoUma régua não mede tudo
Uma régua não mede tudo
 
Descobertas de caçadores de estrelas
Descobertas de caçadores de estrelasDescobertas de caçadores de estrelas
Descobertas de caçadores de estrelas
 
O universo já foi tão pequeno...
O universo já foi tão pequeno...O universo já foi tão pequeno...
O universo já foi tão pequeno...
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 

Último (20)

662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 

1.ª Paragem Todos aLeR+2027

  • 1.
  • 3. Nadir Afonso Rodrigues nasceu em 4 de Dezembro de 1920, no lugar dos Codeçais. Filho do poeta Artur Maria Afonso e de Palmira Rodrigues Afonso, testemunho do sentimento romântico de seus pais. Criança apaixonada, impulsiva, banhada pela irrealidade do sonho o «Riri», como era conhecido na infância, ansiava ardentemente ter asas, sonhava ser «Rei» (...)
  • 4. Depois, pouco a pouco, surgiu o mundo das artes. Aos quatro anos pintava o seu primeiro «quadro»: um círculo vermelho na parede do seu quarto (...) «A obra de arte é um espetáculo de exatidão», escreveria mais tarde, «a lei das formas geométricas é o mais belo encontro da minha vida». Aos sete anos, entra para a Escola Régia e aos onze ingressa no Liceu Fernão de Magalhães. ( ... ) Nadir Afonso pinta aos catorze anos os seus primeiros trabalhos a óleo, percorrendo a cidade com o seu cavalete: «vejo o perfil destes horizontes através de olhares antepassados, como uma dádiva hereditária e sobrenatural». ( ... )
  • 5. Forte de S. Francisco (aguarela), 1937 Toda a sua atividade se concentra então na prática da pintura. Ganha o 2.° prémio no concurso "Qual o mais belo trecho da paisagem portuguesa?“, em 1937.
  • 6. Dirige-se à Escola de Belas-Artes do Porto munido de meia folha de papel selado em que pede a inscrição no curso de pintura. Porém, matricula-se em arquitetura também. O Porto, com a sua arquitetura barroca, debruçado sobre o Douro, impressiona- o. Percorre a cidade, pintando. «Eu encontrei o expressionismo na pintura ao longo de um caminho que percorri absolutamente só». Estreitando as relações com os seus colegas das Belas-Artes, faz parte do grupo dos Independentes do Porto, expondo em todas as suas exposições até 1946. Por volta de 1943, Nadir Afonso redige os seus primeiros estudos. O fenómeno da geometria e da ótica que sempre o apaixonou, revela-se mais claramente. A sua obra «A Ribeira» do Porto, dá entrada no Museu de Arte Contemporânea de Lisboa. Nadir Afonso tem apenas 24 anos. No Verão do mesmo ano, é convidado como arquiteto, a tomar parte numa missão estética na cidade de Évora. ( ... )
  • 7. Em Abril de 1946, então com 25 anos de idade, Nadir Afonso vai para Paris. Em Paris, obtém, por intermédio de Portinari, uma bolsa de estudo do governo francês. Matricula-se no curso de pintura da École des Beaux-Arts. Toma contacto com o grande mundo da Arte. Trabalhar na arquitectura para publicar um livro com as suas pinturas, era o seu objectivo imediato. Colabora com o arquitecto francês Le Corbusier. Le Corbusier concedeu- lhe as manhãs livres para pintar. Em 1948 é admitido em Paris no Salão "Moins de trinte ans" .. Em 1948 defende tese na cidade do Porto com um projecto executado em Paris sob a orientação de Le Corbusier. Nos princípios de 1949, retira-se de Paris.
  • 8. No dia 4 de Dezembro de 1951, Nadir escreve à sua família: «faço hoje 31 anos de idade e encontro-me em Veneza, no meio de uma ponte, debruçado sobre o Grande Canal. Dum lado está Paris e a Europa, e do outro a América do Sul, no dia 14 embarco em Génova para o Rio de Janeiro». Em 1953 regressa a Paris e retoma o contacto com artistas, desenvolvendo os seus estudos de estética e da obra que denomina «Espacillimité». Em Paris alterna o seu trabalho entre períodos de pintura e períodos de arquitectura. A história da vida de Nadir Afonso é a de um homem que traz consigo uma mensagem: uma visão original da estética e uma obra de características invulgares.
  • 9. Nadir Afonso acentua o rumo da sua vida exclusivamente dedicada à criação duma obra. Desenvolve os seus escritos sobre a Geometria que considera a essência da arte. Uma primeira publicação - La Sensibilité Plastique - aparece em 1958 em Paris. É um pequeno trabalho de análise das leis naturais suscetíveis de revolucionar toda a estética tradicional. Nadir não é apenas um arquiteto: reúne numa síntese audaciosa as suas qualidades de pintor, de esteta e de geometria. Em 1960 vem com a família para Portugal e trabalha na arquitetura, em Chaves e em Coimbra.
  • 10. Em 1970 publicou "Mécanismes de la Création Artistique", que foi tema de uma exposição retrospetiva no Centre Culturel Portugais da Fundação Calouste Gulbenkian, em Paris, repetida na Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa. Em 16 de janeiro de 2009 teve lugar a apresentação pública do projeto da Fundação Nadir Afonso, um projeto do arquiteto Siza Vieira, assim como o Centro de Artes, em Boticas desenhado pela arquiteta americana Louise Braverman. Em 2010 realizou-se uma grandiosa exposição da sua obra intitulada "Nadir Afonso Sem Limites", comissariada por Adelaide Ginga e patente no Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto, e no Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, em Lisboa. O Museu da Presidência também lhe dedicou a exposição "Absoluto 2010".
  • 11. Em 2011 foi convidado a ilustrar a capa do 147.º aniversário do Diário de Notícias e em janeiro de 2012 foi homenageado no Teatro Nacional S. João, com a estreia do filme de Jorge Campos "Nadir Afonso - O Tempo não Existe“. A 5 de novembro de 2012 foi homenageado pela Universidade do Porto com a atribuição do título de Doutor Honoris Causa. Faleceu em Cascais, onde vivia com a sua família, no dia 11 de dezembro de 2013, aos 93 anos de idade.
  • 12. Poemas do poeta Artur Maria Afonso (pai do pintor) ilustrados por Nadir Afonso
  • 15. Rio Tâmega Rio gentil de margens verdejantes Em que retinam cantos de sereia! Águas rolando por lençóis d'areia, De pérolas translúcidas, brilhantes! Junto de ti, os rouxinóis vibrantes Entoam sonorosa melopeia. E quando sobre tudo o Sol vagueia, Tens notas de beleza fascinantes! Dás alegria a quem te vê passar Beijando relvas e movendo azenhas Subindo em baldes para ir regar. Mas tens o teu reverso! Se embraveces Uivando de revolta, arrastas penhas, Submerges as campinas! Entonteces!
  • 16. Chaves - Canto do Rio - 1936 - Nadir Afonso
  • 17. O Banho Tempo de banho. Distinta e cativante, Aos primeiros raios dos clarões nascentes, Corres banhar-te nas Iímpidas correntes, Inda o sol não aparece e vem distante. Treme o Tâmega de gozo palpitante, Só de lhe tocarem nos areais dormentes Muito ao de leve, teus pés alvinitentes, E o teu corpo contornado e provocante. Mordem-se de inveja, as rosas pela margem, Vendo o terno enleio com que beija a aragem Tua negra trança tão comprida e farta, Espreitam-te as aves vendo-te tão bela ... Eu, finalmente chamando-te uma estrela Não sei mais meu amor que pôr na carta.
  • 19. Poema do filho Artur Afonso dedicado ao pai
  • 20. Oh meu bom velho pai Oh meu bom velho pai Que olhar cabisbaixo é esse que te acompanha? Homem de perseverança errante, Homem grande. Carregas contigo um percurso pando E agora? Tantas histórias, tantos acontecimentos passados, tanta desaventurança! Penaste nessa errância com pobres de espírito te invejando com gente te silenciando ... (E só porque lhes fazias sombra ... ) Apodera-se de mim uma enorme fúria Não pai, não vou esquecer ... Não pai, como poderei esquecer? Não me peçam que deixe de sentir essa dor, esse desassossego! Vale-te a pintura, a escrita, e o conforto de saber que a tua obra, essa, fica! Porque estás cabisbaixo meu velho pai? Sossega meu pai ... Artur Afonso
  • 22. Bibliografia: Artur Maria Afonso Poesia / Pintura [de] Nadir Afonso, Poesia [de] Artur Afonso ;Coordenação: Laura Afonso - Chaves : Fundação Nadir Afonso, 2009. Textos retirados da brochura Notas biográficas de Janeiro de 93 - Escola Preparatória Nadir Afonso Webgrafia: https://sigarra.up.pt/up/pt/web_base.gera_pagina?p_pagina=antigos%20estudant es%20ilustres%20-%20nadir%20afonso