SlideShare uma empresa Scribd logo
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
Ruído em Circuitos Analógicos
Prof. Jader A. De Lima
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• Em eletrônica, o ruído é uma
flutuação aleatória superposta ao
sinal elétrico
• O ruído é uma característica de
todos os circuitos eletrônicos. Seu
valor varia muito, uma vez que
pode ser produzido por distintas
fontes.
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
Fontes de ruído
Intrínsico – ruído randônico, gerado pelos próprios
componentes eletrônicos, dá origem a um “sinal” extra.
Geralmente, modelado via análise de pequenos sinais.
Induzido – de motores e equipamentos, são captados
pela PCB e pelo circuito em si, os quais atuam como
antena receptora.
Crosstalk – o mesmo acima, mas entre dois fios ou
trilhas.
Impulsivos - Spikes de linhas de alimentação,
descargas elétricas (relâmpagos), etc.
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• O ruído limita o mínimo nível de sinal que um circuito
pode processar com qualidade aceitável
T
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
SNR indica a força do sinal em relação ao ruído gerado
pelo circuito de processamento.
SNR é expressado como uma razão entre as potências
(ou amplitude) de sinal e de ruído
Geralmente dado em dB and referido como SNRdB.
Relação Sinal/Ruído (Signal-to-Noise Ratio)
(SNR)
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
Two cases of SNR: a high SNR and a low SNR
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
A relação sinal-ruído indica também a faixa dinâmica (dynamic
range) do equipamento, ou seja, a gama de intensidade de
sinal que pode ser processado: do menor sinal ("piso" do ruído)
até o máximo sinal com THD aceitável.
Faixa Dinâmica (exemplos):
• CD player (90dB)
• gravador cassete: (55dB)
• ouvido humano: (120dB)
• equipamentos de som profissionais: (> 96dB)
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
Ex: Potência do sinal é 10 mW e a potência de ruído é 1 μW;
dB
uV
mVx
SNRdB 3.80
17
250707.0
log20 =





=
Ex: A tensão rms do ruído à entrada de um amplificador é 17uV e
a máxima amplitude de sinal é 250mV
dB
W
mW
SNRdB 40
1
10
log10 =





=
µ
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
source: Razavi
sinal determinístico
sinal randônico
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• De modo geral, a potência de ruído de componentes eletrônicos
depende da frequência
deve-se considerar uma densidade espectral de potência Sx(f)
• Sx(f) deve ser integrado ao longo da banda passante BW
do circuito para o cálculo da tensão de ruído equivalente
Densidade Espectral de Potência de Ruído (PSD)
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
RL = 1Ω
mean square value
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• resistor
• o ruído térmico do resistor é associado ao movimento brauniano
dos elétrons devido à temperatura, o qual causa uma flutuação no
valor nominal da resistência R
Ruído Intrinseco em Componentes Básicos
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
Sv(f) é a densidade espectral de ruído, expressa em V2
/Hz.
onde k = 1.38x10-23
J/K : constante de Boltzman
T : temperatura absoluta
Ex: 50-Ohm resistor @ 300o
K 8.28 x 10-19
V2
/Hz (potència de ruído por unidade de
largura de banda)
Se BW = 10MHZ, V_noise = √(8.28 x 10-19
x 107
)= 2.87uVrms
BW = 10KHZ, V_noise = = √(8.28 x 10-19
x 104
)= 90nVrms
Ruído térmico do resistor (ruído branco)
kTRfSv 4v)( 2
n ==
mean square value
http:www.sengpielaudio.com/calculator-noise.htm
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
No caso de dois resistores R1 e R2 em série, tem-se
222
n2n121n vv)(4v +=+= RRkT
as potências de ruído se somam (não as tensões rms de ruído)
Similarmente, para R1 e R2 em paralelo, tem-se
222
n2n121n ii)(4i +=+= GGkT
[V2
/Hz] [A2
/Hz]
kTR4v 2
n = kTG4i 2
n =
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• MOSFET
Potência de ruído depende da frequência (ruído flicker+ ruído térmico)
[V2
/Hz] [A2
/Hz]
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• Ruído 1/f (flicker noise)
coeficiente flicker
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
http://www.silvaco.com/content/kbase/noise_modeling.pdf
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• Na interface SiO2 – Si, há ligações covalentes incompletas
(dangling bondings)
• Quando portadores fluem pelo canal, alguns são momentaneamente
armadilhados nessas ligações, sendo posteriormente liberados
• Essa flutuação de carga na interface SiO2 – Si depende da frequência do sinal,
e causa uma variação momentânea na tensão de limiar do MOSFET, e por
consequência, na corrente de dreno
channel
current flow
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
[ ]2
THGSDS (t)VVμCox
L
W
2
1
(t)I −





=
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
Frequência de corner fc: aquela em que o ruído filcker (1/f)
se iguala ao ruído térmico
γ ≅ 2/3
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• BJT
BJT shot noise (white noise)
• Quando portadores (carga móvel) atravessam a barreira de
potencial, atingem o outro lado da junção em tempos discertos,
dando origem ao “shot noise”
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
Ruído equivalente à entrada do opamp (Ex: JFET TLV2772)
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
http://pdf.datasheetcatalog.com/datasheets2/65/654204_1.pdf
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
@1khz
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
ganho pequenos sinais
2
v
out,n
in,n
A
v
v
2
2
=
• Tensão equivalente de ruído à entrada do circuito Vn
2
,in [V2
/Hz]
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• Cálculo da tensão equivalente de ruído à entrada do circuito
1)Curto-circuitar a fonte de sinal à entrada
2)Considerar, à saída do circuito, o efeito individual da fonte de
ruído de cada componente
3)Aplicando superposição, calcular a densidade espectral de
potência de ruído total à saída Vn
2
_out [V2
/Hz]
4)Referenciar o ruído à entrada, dividindo Vn
2
_out por AV
2
, onde Av é
o ganho de pequenos sinais do circuito
5)Integrar o ruído ao longo da banda passante BW do circuito
6)Calcular o valor rms da tensão de ruído Vn_rms_in [V]
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
Ex: cálculo ruído intrínseco em amplificador diferencial a opamp
http://www.ti.com/lit/an/slva043b/slva043b.pdf
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• 1) ruído térmico devido aos resistores (princípio da superposição)
2
4
2
3
2
2
2
1Rrms_outE EEEE +++=
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
( )∫ 




















 +






+
+













 +






+
++














=
BW
df
R
RR
RR
R
kTR
R
RR
RR
R
kTRkTR
R
R
kTR
0
2
1
21
2
43
3
4
2
1
21
2
43
4
32
2
1
2
1Rrms_out 4444E
∫ 




















 +






+
+













 +






+
++=
BW
df
R
RR
RR
R
R
R
RR
RR
R
RR
R
R
kT
0
2
1
21
2
43
3
4
2
1
21
2
43
4
32
1
2
Rrms_out
2
4E
BW
R
R
kTRdf
R
R
kTR
BW






+=





+= ∫ 1
2
2
0
1
2
2Rrms_out 1818E
Geralmente, tem-se R1 = R3 e R2 = R4
2
4
2
3
2
2
2
1Rrms_outE EEEE +++=
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• ruído flicker (1/f) devido ao opamp
222
oa_rms_outE nnnpn EEE ++=
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
( )∫ 


















 +
+=
BW
df
R
RR
eninR
0
2
1
212
2oa_rms_out 2E
Geralmente, tem-se R1 = R3 e R2 = R4.. Admitindo-se também inn = inp = in,
222
oa_rms_outE nnnpn EEE ++
( )( ) ( ) df
R
RR
en
R
RR
RR
RR
inpRinn
BW
∫ 


















 +
+










 +






+
+=
0
2
1
21
2
1
21
43
432
2oa_rms_outE
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• compondo-se as duas parcelas de ruído, tem-se o ruído intrínseco total,
à saída do amplificador
• o ruído intrínseco total, à entrada do amplificador, será Etot_rms_out
dividido pelo ganho do amplificador (R2/R1)
( ) df
R
RR
kTR
R
RR
eninR
BW
∫ 












 +
+










 +
+=
0
1
21
2
2
1
212
2ttot_rms_ou 82E
2
op_rms_out
2
Rrms_outttot_rms_ou EEE +=
( ) df
R
RR
kTR
R
RR
eninR
R
R
BW
∫ 












 +
+










 +
+=
0
1
21
2
2
1
212
2
2
1
tot_rms_in 82E
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
Exemplo: calcular o ruído rms à entrada do amplificador diferencial
Seja BW = 1KHz e
R1 = R3 = 10KΩ
R2 = R4 = 330KΩ
• Admitir que o ruído à entrada do opamp
seja branco com en2
= 4 x 10-14
V2
/Hz e
inn2
=inp2
= 2.2 x 10-22
A2
/Hz
• Ruído (rms) à saída do amplificador devido aos resistores:
BW
R
R
kTRdf
R
R
kTRrmsE
BW
R 





+=





+= ∫ 1
2
2
0
1
2
2 1818_
( ) VBWkxxrmsER µµ 3.19100061.0331330x3001.38x108_ -23
==+=
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• Ruído (rms) à saída do amplificador devido ao opamp:
• Ruído (rms) combinado à saída do amplificador:
( ) ( ) VVVrmsEOUT µµµ 3073063.19_
22
=+=
• Ruído (rms) à entrada do amplificador:
VV
R
R
rmsE
rmsE
OUT
IN µµ 3.9
33
307_
_
1
2
===
ruído devido ao opamp dominante!
ganho do amplificador diferencial
( ) ( )[ ] BWxkxxxrmsEOP
214222
3410.4330102.22_ −−
+=
[ ] VBWxxrmsEOP µµ 30610007.91062.4108.4_ 1111
==+= −−
( ) ( ) BW
R
RR
eninRdf
R
RR
eninRrmsE
BW
OP













 +
+=













 +
+= ∫
2
1
2122
2
0
2
1
2122
2 22_
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
Exercício: repetir o cáclulo do ruído rms à entrada de um amplificador
a opamp em configiração
i)inversora
ii)não-inversora
Assumir as mesmas figuras de ruído do opamp do caso anterior,
assim como
BW = 1KHz
R1 = 10KΩ
R2 = 330KΩ
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
Ex: Simulação ruído intrínseco em amplificador BJT a 2 estágios
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
dB
V/(Hz**0.5)
BW = 100KHz: Vnoise_input ~ 15.4nV * (100K)**0.5 = 4.9µV
BW = 1KHz: Vnoise_input ~ 15.4nV * (1K)**0.5 = 0.49µV
V/(Hz**0.5)
ganho
ruído
à saída
ruído
à entrada
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
Ex: cálculo ruído intrínseco em amplificador CE
Superposição: independentemente, cada fonte de ruído gera uma componente de
ruído à saida. Neste caso, as demais fontes são curto-circuitadas (tensão) ou
colocadas em aberto (corrente)
R1 = R2 = 5.1KΩ
RE = 2.7KΩ
RC = 1.5KΩ
β = 300
IC = 2mA
re = 25mV/2mA = 12.5Ω
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• fonte de ruído associada a R1
• fonte de ruído associada a R2 (idêntico a R1)
Com a base de Q1 aterrada em ac, a fonte refrente a R1 não gera ruído á saída
V2
Hz
• fonte de ruído associada a RE
Com a base de Q1 aterrada, não há efeito de R1 e/ou R2 no cálculo da resistência vista pelo
emissor do BJT.
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• fonte de ruído associada a RC
V2
Hz
No caso de ro →∞, tem-se ix = 0
sendo a única olução possível Ve = 0; Assim ie = io = 0 e Vout = Vnc.
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
• fonte de ruído associada ao BJT
No caso de ro →∞, tem-se ix = 0
coout Riv −=
eemnxo ivgiii =−+=
p
e
e
R
v
i =
p
e
emnx
R
v
vgii =−+
0g
R
1
vi m
p
en =





+−
m
p
n
g
R
1
i
ve
+
=
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
pm
Cn
p
C
m
p
n
p
C
eceout
Rg1
Ri
R
R
g
R
1
i
R
R
vRiv
+
−=
+
−=−=−=
( )
2
C
2
pm
2
n2
nout R
Rg1
i
v
+
=
Rp = βre//RE= (300 x 12.5)//2700 = 1.57KΩ
gm= 1/re = 0.08A/V
1 + gmRp = 126.6
Vn_out_Q1
2
= 2qIC x RC
2
/(1+gmRp)2
= 2 x 1.6 x 10-19
x 2m x 15002
/126. 62
= 9 x 10-20
V2
/Hz
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
Densidade espectral de potência de ruido total à saída:
Densidade spectral de potência de ruido total à entrada:
Tensão de ruído (rms) à entrada:
V2
/Hz

2017172
outn 100.91048.21038.100_v −−−
++++= xxx
172
outn 1086.3_v −
= x V2
/Hz
162
inn 1025.1_v −
= x V2
/Hz Hz11nV/Vn_in_rms =
1.1uV10KHz@BWVn_in_rms ==
0.35uV1KHz@BWVn_in_rms ==
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
Simulação LTSPICE da densidade de potência de ruido à entrada
(T = 27o
C)
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
Comentários sobre simulação LTSPICE:
• Contribuições de ruído devido a R1 e R2 à saída mostraram-se praticamente nulas
(2.4x 10-22
V2
/Hz)
• LTSPICE usa modelos mais precisos para o BJT do que aquele utilizado para o valor calculado
(shot noise)
• A densidade de potência de ruído à entrada (rms) simulada corresponde a 11.9nV/√Hz,
contra um valor calculado de 11nV/√Hz.
• Embora o cálculo manual a partir de modelos de primeira ordem preveja, para esse caso, uma
densidade de ruído 8% abaixo do simulado, o mesmo permite ao projetista uma análise mais
incisa sobre quais componentes e características do circuito que mais influenciam o ruído
equivalente à entrada. Certamente, o uso de um simulador elétrico facilita consideravelmente tal
análise.
EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
REFERÊNCIAS:
• Fundamentals of Microelectronics, B. Razavi, John Wiley
and Sons, 2006
• Microelectronic Circuits, A. Sedra and K. Smith, Oxford
university Press, 5th Edition, 2003

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Amplificadores multietapa
Amplificadores multietapaAmplificadores multietapa
Amplificadores multietapa
KarenAche
 
Corrente continua e leis
Corrente continua e leisCorrente continua e leis
Corrente continua e leis
João Ferreira
 
circuitos RCL, Factor Q y Pasabanda
circuitos RCL, Factor Q y Pasabandacircuitos RCL, Factor Q y Pasabanda
circuitos RCL, Factor Q y Pasabanda
maria arellano
 
17 circuitos ca em paralelo
17 circuitos ca em paralelo17 circuitos ca em paralelo
17 circuitos ca em paralelo
Pedro Barros Neto
 
08 amplificador operacional
08 amplificador operacional08 amplificador operacional
08 amplificador operacional
Universidade Federal de Santa Catarina
 
Receptores De AM
Receptores De AMReceptores De AM
Receptores De AM
Mao Mos!
 
Informe 4 - Laboratorio de elecrónica B
Informe 4 - Laboratorio de elecrónica BInforme 4 - Laboratorio de elecrónica B
Informe 4 - Laboratorio de elecrónica B
Juan Lucin
 
Eletrodinamica corrente eletrica
Eletrodinamica corrente eletricaEletrodinamica corrente eletrica
Eletrodinamica corrente eletrica
Karen Carvalho
 
Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)
Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)
Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)
Tuane Paixão
 
Apostila conversão eletromecânica de energia
Apostila conversão eletromecânica de energia Apostila conversão eletromecânica de energia
Apostila conversão eletromecânica de energia
Teodoro Silva
 
Amplificadores Multietapa
Amplificadores MultietapaAmplificadores Multietapa
Amplificadores Multietapa
Jonathan Ruiz de Garibay
 
Informe final de circuitos electronicos i xd
Informe final de circuitos electronicos i xdInforme final de circuitos electronicos i xd
Informe final de circuitos electronicos i xd
diegoedwin258
 
Choque Eletrico
Choque EletricoChoque Eletrico
Choque Eletrico
Zero.Com Blogspot
 
Utp pds_l5_transformada discreta de fourier
 Utp pds_l5_transformada discreta de fourier Utp pds_l5_transformada discreta de fourier
Utp pds_l5_transformada discreta de fourier
jcbenitezp
 
Transistor fet
Transistor fetTransistor fet
Transistor fet
Bárbara Pulcineli
 
Aula 3 corrente contínua e corrente alternada
Aula 3 corrente contínua e corrente alternadaAula 3 corrente contínua e corrente alternada
Aula 3 corrente contínua e corrente alternada
Vander Bernardi
 
Rms
RmsRms
blake sample-problems
blake sample-problemsblake sample-problems
blake sample-problems
John Joel Martinez
 
Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
Palloma Cidrim
 
Amplificador sinais
Amplificador sinaisAmplificador sinais
Amplificador sinais
Andre da Silva Barbosa
 

Mais procurados (20)

Amplificadores multietapa
Amplificadores multietapaAmplificadores multietapa
Amplificadores multietapa
 
Corrente continua e leis
Corrente continua e leisCorrente continua e leis
Corrente continua e leis
 
circuitos RCL, Factor Q y Pasabanda
circuitos RCL, Factor Q y Pasabandacircuitos RCL, Factor Q y Pasabanda
circuitos RCL, Factor Q y Pasabanda
 
17 circuitos ca em paralelo
17 circuitos ca em paralelo17 circuitos ca em paralelo
17 circuitos ca em paralelo
 
08 amplificador operacional
08 amplificador operacional08 amplificador operacional
08 amplificador operacional
 
Receptores De AM
Receptores De AMReceptores De AM
Receptores De AM
 
Informe 4 - Laboratorio de elecrónica B
Informe 4 - Laboratorio de elecrónica BInforme 4 - Laboratorio de elecrónica B
Informe 4 - Laboratorio de elecrónica B
 
Eletrodinamica corrente eletrica
Eletrodinamica corrente eletricaEletrodinamica corrente eletrica
Eletrodinamica corrente eletrica
 
Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)
Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)
Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)
 
Apostila conversão eletromecânica de energia
Apostila conversão eletromecânica de energia Apostila conversão eletromecânica de energia
Apostila conversão eletromecânica de energia
 
Amplificadores Multietapa
Amplificadores MultietapaAmplificadores Multietapa
Amplificadores Multietapa
 
Informe final de circuitos electronicos i xd
Informe final de circuitos electronicos i xdInforme final de circuitos electronicos i xd
Informe final de circuitos electronicos i xd
 
Choque Eletrico
Choque EletricoChoque Eletrico
Choque Eletrico
 
Utp pds_l5_transformada discreta de fourier
 Utp pds_l5_transformada discreta de fourier Utp pds_l5_transformada discreta de fourier
Utp pds_l5_transformada discreta de fourier
 
Transistor fet
Transistor fetTransistor fet
Transistor fet
 
Aula 3 corrente contínua e corrente alternada
Aula 3 corrente contínua e corrente alternadaAula 3 corrente contínua e corrente alternada
Aula 3 corrente contínua e corrente alternada
 
Rms
RmsRms
Rms
 
blake sample-problems
blake sample-problemsblake sample-problems
blake sample-problems
 
Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
 
Amplificador sinais
Amplificador sinaisAmplificador sinais
Amplificador sinais
 

Semelhante a 03 ruído em circuitos analógicos

08 resposta em frequencia de amplificadores
08 resposta em frequencia de amplificadores08 resposta em frequencia de amplificadores
08 resposta em frequencia de amplificadores
Universidade Federal de Santa Catarina
 
01 amplificadores elementares transistorizados
01 amplificadores elementares transistorizados01 amplificadores elementares transistorizados
01 amplificadores elementares transistorizados
Universidade Federal de Santa Catarina
 
Amplificadores de instrumentacao veronica e andre
Amplificadores de instrumentacao   veronica e andreAmplificadores de instrumentacao   veronica e andre
Amplificadores de instrumentacao veronica e andre
Fernando Ortolano
 
11 osciladores
11 osciladores11 osciladores
09 sistemas realimentados
09 sistemas realimentados09 sistemas realimentados
09 sistemas realimentados
Universidade Federal de Santa Catarina
 
05 voltage & current references
05 voltage & current references05 voltage & current references
05 voltage & current references
Universidade Federal de Santa Catarina
 
05 amplificador diferencial
05 amplificador diferencial05 amplificador diferencial
05 amplificador diferencial
Universidade Federal de Santa Catarina
 
Eletr_Pot1_3 (1).pdf
Eletr_Pot1_3 (1).pdfEletr_Pot1_3 (1).pdf
Eletr_Pot1_3 (1).pdf
FERNANDOMATIASDOSSAN2
 
Eletr pot1 20
Eletr pot1 20Eletr pot1 20
Eletr pot1 20
Josihel Silva
 
Apostila projeto fisico_de_magneticos
Apostila projeto fisico_de_magneticosApostila projeto fisico_de_magneticos
Apostila projeto fisico_de_magneticos
Emerson de Andrade Ifce
 
Cabeamento 5 componentes do cabeamento estruturado
Cabeamento 5   componentes do cabeamento estruturadoCabeamento 5   componentes do cabeamento estruturado
Cabeamento 5 componentes do cabeamento estruturado
Paulo Fonseca
 
Aula 01 CURTO CIRCUITO PU.pdf
Aula 01 CURTO CIRCUITO PU.pdfAula 01 CURTO CIRCUITO PU.pdf
Aula 01 CURTO CIRCUITO PU.pdf
José Batista S. filh Batista
 
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissãoCabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
Paulo Fonseca
 
Espelhos de corrente
Espelhos de correnteEspelhos de corrente
Vestimentas conforme nr10
Vestimentas conforme nr10 Vestimentas conforme nr10
Vestimentas conforme nr10
Cosmo Palasio
 
Ge protecao diferencial
Ge protecao diferencialGe protecao diferencial
Ge protecao diferencial
Leonardo Ferreira
 
Elétrica amplificador operacional - amp-op
Elétrica   amplificador operacional - amp-opElétrica   amplificador operacional - amp-op
Elétrica amplificador operacional - amp-op
TAG EQUIPAMENTOS & SOLUÇÕES LTDA
 
Amp operacionais PPT
Amp operacionais PPTAmp operacionais PPT
Amp operacionais PPT
Elias Freire Azeredo
 
21 pt6456 (1)
21 pt6456 (1)21 pt6456 (1)
21 pt6456 (1)
Domingo Cordova
 
Procurando e identificando fontes de ruído (el041)
Procurando e identificando fontes de ruído (el041)Procurando e identificando fontes de ruído (el041)
Procurando e identificando fontes de ruído (el041)
Ademir Puhl
 

Semelhante a 03 ruído em circuitos analógicos (20)

08 resposta em frequencia de amplificadores
08 resposta em frequencia de amplificadores08 resposta em frequencia de amplificadores
08 resposta em frequencia de amplificadores
 
01 amplificadores elementares transistorizados
01 amplificadores elementares transistorizados01 amplificadores elementares transistorizados
01 amplificadores elementares transistorizados
 
Amplificadores de instrumentacao veronica e andre
Amplificadores de instrumentacao   veronica e andreAmplificadores de instrumentacao   veronica e andre
Amplificadores de instrumentacao veronica e andre
 
11 osciladores
11 osciladores11 osciladores
11 osciladores
 
09 sistemas realimentados
09 sistemas realimentados09 sistemas realimentados
09 sistemas realimentados
 
05 voltage & current references
05 voltage & current references05 voltage & current references
05 voltage & current references
 
05 amplificador diferencial
05 amplificador diferencial05 amplificador diferencial
05 amplificador diferencial
 
Eletr_Pot1_3 (1).pdf
Eletr_Pot1_3 (1).pdfEletr_Pot1_3 (1).pdf
Eletr_Pot1_3 (1).pdf
 
Eletr pot1 20
Eletr pot1 20Eletr pot1 20
Eletr pot1 20
 
Apostila projeto fisico_de_magneticos
Apostila projeto fisico_de_magneticosApostila projeto fisico_de_magneticos
Apostila projeto fisico_de_magneticos
 
Cabeamento 5 componentes do cabeamento estruturado
Cabeamento 5   componentes do cabeamento estruturadoCabeamento 5   componentes do cabeamento estruturado
Cabeamento 5 componentes do cabeamento estruturado
 
Aula 01 CURTO CIRCUITO PU.pdf
Aula 01 CURTO CIRCUITO PU.pdfAula 01 CURTO CIRCUITO PU.pdf
Aula 01 CURTO CIRCUITO PU.pdf
 
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissãoCabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
 
Espelhos de corrente
Espelhos de correnteEspelhos de corrente
Espelhos de corrente
 
Vestimentas conforme nr10
Vestimentas conforme nr10 Vestimentas conforme nr10
Vestimentas conforme nr10
 
Ge protecao diferencial
Ge protecao diferencialGe protecao diferencial
Ge protecao diferencial
 
Elétrica amplificador operacional - amp-op
Elétrica   amplificador operacional - amp-opElétrica   amplificador operacional - amp-op
Elétrica amplificador operacional - amp-op
 
Amp operacionais PPT
Amp operacionais PPTAmp operacionais PPT
Amp operacionais PPT
 
21 pt6456 (1)
21 pt6456 (1)21 pt6456 (1)
21 pt6456 (1)
 
Procurando e identificando fontes de ruído (el041)
Procurando e identificando fontes de ruído (el041)Procurando e identificando fontes de ruído (el041)
Procurando e identificando fontes de ruído (el041)
 

Mais de Universidade Federal de Santa Catarina

06 amplificadores de potência
06 amplificadores de potência06 amplificadores de potência
06 amplificadores de potência
Universidade Federal de Santa Catarina
 
Circuitos básicos a transistor bipolar (bjt)
Circuitos básicos a transistor bipolar (bjt)Circuitos básicos a transistor bipolar (bjt)
Circuitos básicos a transistor bipolar (bjt)
Universidade Federal de Santa Catarina
 
Circuitos básicos a diodos
Circuitos básicos a diodosCircuitos básicos a diodos
Circuitos básicos a diodos
Universidade Federal de Santa Catarina
 
Mixed mode ch4_v1
Mixed mode ch4_v1Mixed mode ch4_v1
Mixed mode ch5_v1
Mixed mode ch5_v1Mixed mode ch5_v1
Design of Mixed-Mode ICs - Module 3
Design of Mixed-Mode ICs - Module 3Design of Mixed-Mode ICs - Module 3
Design of Mixed-Mode ICs - Module 3
Universidade Federal de Santa Catarina
 
Design of Mixed-Mode ICs - Module 2
Design of Mixed-Mode ICs - Module 2Design of Mixed-Mode ICs - Module 2
Design of Mixed-Mode ICs - Module 2
Universidade Federal de Santa Catarina
 
Design of Mixed-Mode ICs - Module 1
Design of Mixed-Mode ICs - Module 1Design of Mixed-Mode ICs - Module 1
Design of Mixed-Mode ICs - Module 1
Universidade Federal de Santa Catarina
 

Mais de Universidade Federal de Santa Catarina (8)

06 amplificadores de potência
06 amplificadores de potência06 amplificadores de potência
06 amplificadores de potência
 
Circuitos básicos a transistor bipolar (bjt)
Circuitos básicos a transistor bipolar (bjt)Circuitos básicos a transistor bipolar (bjt)
Circuitos básicos a transistor bipolar (bjt)
 
Circuitos básicos a diodos
Circuitos básicos a diodosCircuitos básicos a diodos
Circuitos básicos a diodos
 
Mixed mode ch4_v1
Mixed mode ch4_v1Mixed mode ch4_v1
Mixed mode ch4_v1
 
Mixed mode ch5_v1
Mixed mode ch5_v1Mixed mode ch5_v1
Mixed mode ch5_v1
 
Design of Mixed-Mode ICs - Module 3
Design of Mixed-Mode ICs - Module 3Design of Mixed-Mode ICs - Module 3
Design of Mixed-Mode ICs - Module 3
 
Design of Mixed-Mode ICs - Module 2
Design of Mixed-Mode ICs - Module 2Design of Mixed-Mode ICs - Module 2
Design of Mixed-Mode ICs - Module 2
 
Design of Mixed-Mode ICs - Module 1
Design of Mixed-Mode ICs - Module 1Design of Mixed-Mode ICs - Module 1
Design of Mixed-Mode ICs - Module 1
 

Último

AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
RafaelDantas32562
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 

Último (11)

AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 

03 ruído em circuitos analógicos

  • 1. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 Ruído em Circuitos Analógicos Prof. Jader A. De Lima
  • 2. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • Em eletrônica, o ruído é uma flutuação aleatória superposta ao sinal elétrico • O ruído é uma característica de todos os circuitos eletrônicos. Seu valor varia muito, uma vez que pode ser produzido por distintas fontes.
  • 3. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 Fontes de ruído Intrínsico – ruído randônico, gerado pelos próprios componentes eletrônicos, dá origem a um “sinal” extra. Geralmente, modelado via análise de pequenos sinais. Induzido – de motores e equipamentos, são captados pela PCB e pelo circuito em si, os quais atuam como antena receptora. Crosstalk – o mesmo acima, mas entre dois fios ou trilhas. Impulsivos - Spikes de linhas de alimentação, descargas elétricas (relâmpagos), etc.
  • 4. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
  • 5. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • O ruído limita o mínimo nível de sinal que um circuito pode processar com qualidade aceitável T
  • 6. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 SNR indica a força do sinal em relação ao ruído gerado pelo circuito de processamento. SNR é expressado como uma razão entre as potências (ou amplitude) de sinal e de ruído Geralmente dado em dB and referido como SNRdB. Relação Sinal/Ruído (Signal-to-Noise Ratio) (SNR)
  • 7. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 Two cases of SNR: a high SNR and a low SNR
  • 8. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 A relação sinal-ruído indica também a faixa dinâmica (dynamic range) do equipamento, ou seja, a gama de intensidade de sinal que pode ser processado: do menor sinal ("piso" do ruído) até o máximo sinal com THD aceitável. Faixa Dinâmica (exemplos): • CD player (90dB) • gravador cassete: (55dB) • ouvido humano: (120dB) • equipamentos de som profissionais: (> 96dB)
  • 9. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 Ex: Potência do sinal é 10 mW e a potência de ruído é 1 μW; dB uV mVx SNRdB 3.80 17 250707.0 log20 =      = Ex: A tensão rms do ruído à entrada de um amplificador é 17uV e a máxima amplitude de sinal é 250mV dB W mW SNRdB 40 1 10 log10 =      = µ
  • 10. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 source: Razavi sinal determinístico sinal randônico
  • 11. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • De modo geral, a potência de ruído de componentes eletrônicos depende da frequência deve-se considerar uma densidade espectral de potência Sx(f) • Sx(f) deve ser integrado ao longo da banda passante BW do circuito para o cálculo da tensão de ruído equivalente Densidade Espectral de Potência de Ruído (PSD)
  • 12. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 RL = 1Ω mean square value
  • 13. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • resistor • o ruído térmico do resistor é associado ao movimento brauniano dos elétrons devido à temperatura, o qual causa uma flutuação no valor nominal da resistência R Ruído Intrinseco em Componentes Básicos
  • 14. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 Sv(f) é a densidade espectral de ruído, expressa em V2 /Hz. onde k = 1.38x10-23 J/K : constante de Boltzman T : temperatura absoluta Ex: 50-Ohm resistor @ 300o K 8.28 x 10-19 V2 /Hz (potència de ruído por unidade de largura de banda) Se BW = 10MHZ, V_noise = √(8.28 x 10-19 x 107 )= 2.87uVrms BW = 10KHZ, V_noise = = √(8.28 x 10-19 x 104 )= 90nVrms Ruído térmico do resistor (ruído branco) kTRfSv 4v)( 2 n == mean square value http:www.sengpielaudio.com/calculator-noise.htm
  • 15. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 No caso de dois resistores R1 e R2 em série, tem-se 222 n2n121n vv)(4v +=+= RRkT as potências de ruído se somam (não as tensões rms de ruído) Similarmente, para R1 e R2 em paralelo, tem-se 222 n2n121n ii)(4i +=+= GGkT [V2 /Hz] [A2 /Hz] kTR4v 2 n = kTG4i 2 n =
  • 16. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • MOSFET Potência de ruído depende da frequência (ruído flicker+ ruído térmico) [V2 /Hz] [A2 /Hz]
  • 17. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • Ruído 1/f (flicker noise) coeficiente flicker
  • 18. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 http://www.silvaco.com/content/kbase/noise_modeling.pdf
  • 19. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • Na interface SiO2 – Si, há ligações covalentes incompletas (dangling bondings) • Quando portadores fluem pelo canal, alguns são momentaneamente armadilhados nessas ligações, sendo posteriormente liberados • Essa flutuação de carga na interface SiO2 – Si depende da frequência do sinal, e causa uma variação momentânea na tensão de limiar do MOSFET, e por consequência, na corrente de dreno channel current flow
  • 20. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 [ ]2 THGSDS (t)VVμCox L W 2 1 (t)I −      =
  • 21. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 Frequência de corner fc: aquela em que o ruído filcker (1/f) se iguala ao ruído térmico γ ≅ 2/3
  • 22. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
  • 23. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • BJT BJT shot noise (white noise) • Quando portadores (carga móvel) atravessam a barreira de potencial, atingem o outro lado da junção em tempos discertos, dando origem ao “shot noise”
  • 24. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 Ruído equivalente à entrada do opamp (Ex: JFET TLV2772)
  • 25. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 http://pdf.datasheetcatalog.com/datasheets2/65/654204_1.pdf
  • 26. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 @1khz
  • 27. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 ganho pequenos sinais 2 v out,n in,n A v v 2 2 = • Tensão equivalente de ruído à entrada do circuito Vn 2 ,in [V2 /Hz]
  • 28. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • Cálculo da tensão equivalente de ruído à entrada do circuito 1)Curto-circuitar a fonte de sinal à entrada 2)Considerar, à saída do circuito, o efeito individual da fonte de ruído de cada componente 3)Aplicando superposição, calcular a densidade espectral de potência de ruído total à saída Vn 2 _out [V2 /Hz] 4)Referenciar o ruído à entrada, dividindo Vn 2 _out por AV 2 , onde Av é o ganho de pequenos sinais do circuito 5)Integrar o ruído ao longo da banda passante BW do circuito 6)Calcular o valor rms da tensão de ruído Vn_rms_in [V]
  • 29. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 Ex: cálculo ruído intrínseco em amplificador diferencial a opamp http://www.ti.com/lit/an/slva043b/slva043b.pdf
  • 30. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • 1) ruído térmico devido aos resistores (princípio da superposição) 2 4 2 3 2 2 2 1Rrms_outE EEEE +++=
  • 31. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 ( )∫                       +       + +               +       + ++               = BW df R RR RR R kTR R RR RR R kTRkTR R R kTR 0 2 1 21 2 43 3 4 2 1 21 2 43 4 32 2 1 2 1Rrms_out 4444E ∫                       +       + +               +       + ++= BW df R RR RR R R R RR RR R RR R R kT 0 2 1 21 2 43 3 4 2 1 21 2 43 4 32 1 2 Rrms_out 2 4E BW R R kTRdf R R kTR BW       +=      += ∫ 1 2 2 0 1 2 2Rrms_out 1818E Geralmente, tem-se R1 = R3 e R2 = R4 2 4 2 3 2 2 2 1Rrms_outE EEEE +++=
  • 32. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • ruído flicker (1/f) devido ao opamp 222 oa_rms_outE nnnpn EEE ++=
  • 33. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 ( )∫                     + += BW df R RR eninR 0 2 1 212 2oa_rms_out 2E Geralmente, tem-se R1 = R3 e R2 = R4.. Admitindo-se também inn = inp = in, 222 oa_rms_outE nnnpn EEE ++ ( )( ) ( ) df R RR en R RR RR RR inpRinn BW ∫                     + +            +       + += 0 2 1 21 2 1 21 43 432 2oa_rms_outE
  • 34. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • compondo-se as duas parcelas de ruído, tem-se o ruído intrínseco total, à saída do amplificador • o ruído intrínseco total, à entrada do amplificador, será Etot_rms_out dividido pelo ganho do amplificador (R2/R1) ( ) df R RR kTR R RR eninR BW ∫               + +            + += 0 1 21 2 2 1 212 2ttot_rms_ou 82E 2 op_rms_out 2 Rrms_outttot_rms_ou EEE += ( ) df R RR kTR R RR eninR R R BW ∫               + +            + += 0 1 21 2 2 1 212 2 2 1 tot_rms_in 82E
  • 35. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 Exemplo: calcular o ruído rms à entrada do amplificador diferencial Seja BW = 1KHz e R1 = R3 = 10KΩ R2 = R4 = 330KΩ • Admitir que o ruído à entrada do opamp seja branco com en2 = 4 x 10-14 V2 /Hz e inn2 =inp2 = 2.2 x 10-22 A2 /Hz • Ruído (rms) à saída do amplificador devido aos resistores: BW R R kTRdf R R kTRrmsE BW R       +=      += ∫ 1 2 2 0 1 2 2 1818_ ( ) VBWkxxrmsER µµ 3.19100061.0331330x3001.38x108_ -23 ==+=
  • 36. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • Ruído (rms) à saída do amplificador devido ao opamp: • Ruído (rms) combinado à saída do amplificador: ( ) ( ) VVVrmsEOUT µµµ 3073063.19_ 22 =+= • Ruído (rms) à entrada do amplificador: VV R R rmsE rmsE OUT IN µµ 3.9 33 307_ _ 1 2 === ruído devido ao opamp dominante! ganho do amplificador diferencial ( ) ( )[ ] BWxkxxxrmsEOP 214222 3410.4330102.22_ −− += [ ] VBWxxrmsEOP µµ 30610007.91062.4108.4_ 1111 ==+= −− ( ) ( ) BW R RR eninRdf R RR eninRrmsE BW OP               + +=               + += ∫ 2 1 2122 2 0 2 1 2122 2 22_
  • 37. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 Exercício: repetir o cáclulo do ruído rms à entrada de um amplificador a opamp em configiração i)inversora ii)não-inversora Assumir as mesmas figuras de ruído do opamp do caso anterior, assim como BW = 1KHz R1 = 10KΩ R2 = 330KΩ
  • 38. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 Ex: Simulação ruído intrínseco em amplificador BJT a 2 estágios
  • 39. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
  • 40. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
  • 41. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 dB V/(Hz**0.5) BW = 100KHz: Vnoise_input ~ 15.4nV * (100K)**0.5 = 4.9µV BW = 1KHz: Vnoise_input ~ 15.4nV * (1K)**0.5 = 0.49µV V/(Hz**0.5) ganho ruído à saída ruído à entrada
  • 42. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 Ex: cálculo ruído intrínseco em amplificador CE Superposição: independentemente, cada fonte de ruído gera uma componente de ruído à saida. Neste caso, as demais fontes são curto-circuitadas (tensão) ou colocadas em aberto (corrente) R1 = R2 = 5.1KΩ RE = 2.7KΩ RC = 1.5KΩ β = 300 IC = 2mA re = 25mV/2mA = 12.5Ω
  • 43. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • fonte de ruído associada a R1 • fonte de ruído associada a R2 (idêntico a R1) Com a base de Q1 aterrada em ac, a fonte refrente a R1 não gera ruído á saída V2 Hz • fonte de ruído associada a RE Com a base de Q1 aterrada, não há efeito de R1 e/ou R2 no cálculo da resistência vista pelo emissor do BJT.
  • 44. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • fonte de ruído associada a RC V2 Hz No caso de ro →∞, tem-se ix = 0 sendo a única olução possível Ve = 0; Assim ie = io = 0 e Vout = Vnc.
  • 45. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 • fonte de ruído associada ao BJT No caso de ro →∞, tem-se ix = 0 coout Riv −= eemnxo ivgiii =−+= p e e R v i = p e emnx R v vgii =−+ 0g R 1 vi m p en =      +− m p n g R 1 i ve + =
  • 46. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 pm Cn p C m p n p C eceout Rg1 Ri R R g R 1 i R R vRiv + −= + −=−=−= ( ) 2 C 2 pm 2 n2 nout R Rg1 i v + = Rp = βre//RE= (300 x 12.5)//2700 = 1.57KΩ gm= 1/re = 0.08A/V 1 + gmRp = 126.6 Vn_out_Q1 2 = 2qIC x RC 2 /(1+gmRp)2 = 2 x 1.6 x 10-19 x 2m x 15002 /126. 62 = 9 x 10-20 V2 /Hz
  • 47. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 Densidade espectral de potência de ruido total à saída: Densidade spectral de potência de ruido total à entrada: Tensão de ruído (rms) à entrada: V2 /Hz  2017172 outn 100.91048.21038.100_v −−− ++++= xxx 172 outn 1086.3_v − = x V2 /Hz 162 inn 1025.1_v − = x V2 /Hz Hz11nV/Vn_in_rms = 1.1uV10KHz@BWVn_in_rms == 0.35uV1KHz@BWVn_in_rms ==
  • 48. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 Simulação LTSPICE da densidade de potência de ruido à entrada (T = 27o C)
  • 49. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016
  • 50. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 Comentários sobre simulação LTSPICE: • Contribuições de ruído devido a R1 e R2 à saída mostraram-se praticamente nulas (2.4x 10-22 V2 /Hz) • LTSPICE usa modelos mais precisos para o BJT do que aquele utilizado para o valor calculado (shot noise) • A densidade de potência de ruído à entrada (rms) simulada corresponde a 11.9nV/√Hz, contra um valor calculado de 11nV/√Hz. • Embora o cálculo manual a partir de modelos de primeira ordem preveja, para esse caso, uma densidade de ruído 8% abaixo do simulado, o mesmo permite ao projetista uma análise mais incisa sobre quais componentes e características do circuito que mais influenciam o ruído equivalente à entrada. Certamente, o uso de um simulador elétrico facilita consideravelmente tal análise.
  • 51. EEL 7303 – Circuitos Eletrônicos AnalógicosJader A. De Lima UFSC, 2016 REFERÊNCIAS: • Fundamentals of Microelectronics, B. Razavi, John Wiley and Sons, 2006 • Microelectronic Circuits, A. Sedra and K. Smith, Oxford university Press, 5th Edition, 2003