SlideShare uma empresa Scribd logo
Palestra 
“Redes Industriais” 
Carlos Mandolesi Jundiaí/SP – 16/10/2014
Sobre mim: CARLOS MANDOLESI 
Engenheiro eletricista, formado na UNIFEI (Universidade Federal de Itajubá) em 1992 
Pós-graduado em Gestão de Negócios, USF, 2005 
Trabalhei por 10 anos na General Electric em diversas áreas 
Moro em Itatiba/SP 
Minha empresa a Sigmma, atua na área de representação comercial, treinamentos, consultoria e marketing digital e irá completar 10 anos neste ano 
Sou diretor de um entidade profissional sem fins lucrativos, onde promovemos eventos e troca de conhecimento (www.isacampinas.org.br)
Sobre minha empresa: SIGMMA 
Sigmma, atua na área de representação comercial, treinamentos, consultoria e marketing digital e irá completar 10 anos neste ano
Redes de Comunicação 
Uma rede de computadores é basicamente um conjunto de dispositivos micro processados ligados entre si de forma a possibilitar o armazenamento, recuperação, e compartilhamento de informação pelos seus usuários.
Redes de Comunicação 
Os dispositivos envolvidos numa rede podem ser: 
Computadores, 
Servidores, 
Impressoras, 
Dispositivos de armazenamento de dados e 
Controladores Lógicos Programáveis entre outros.
O que é uma Rede Industrial 
Rede industrial é uma Rede de comunicação dedicada à troca de dados e informações entre equipamentos no ambiente industrial.
Equipamentos de uma rede industrial: 
Computadores 
CLP’s 
Robôs 
Terminais de válvulas 
Balanças 
Sensores 
Atuadores 
Inversores 
Centros de Comando de motores (CCMs)
Padrões de Redes 
É fundamental existirem padrões para a comunicação entre equipamentos.
Padrões de Redes 
Órgãos e associações atuam na padronização de redes: 
ISA – International Society of Automation 
IEEE – Institute of Electrial and Electronic Engineering 
ISO – International Organization for Standarization 
EIA – Electronic Industries Association 
ANSI – American National Standards Institute. EUA. Ligado a ISO.
Tipos de Padrões de Redes 
Aberto ou de Domínio público: Estabelecido por órgãos oficiais de normatização, padronização 
Proprietário: Estabelecido por algum fabricante e restrito aos seus equipamentos.
Curiosidade
Modelo de Camadas OSI
Protocolos de Comunicação 
Protocolos de comunicação são convenções ou regras utilizadas por um programa ou sistema operacional para a comunicação entre dois ou mais equipamentos. 
Para integrar em rede a diversidade de computadores ou outros dispositivos microprocessados gerados pela filosofia de sistemas abertos, foram criados padrões de camadas para os protocolos. 
Existem protocolos proprietários e abertos. 
Exemplos de protocolos do dia-a-dia: HTTP, TCP/IP, POP, SMTP
Redes Determinísticas 
O determinismo está relacionado à capacidade em se estimar com precisão exata quanto tempo levará para transmitir uma mensagem de uma estação até o recebimento por outra estação, ou seja, existe previsibilidade nos tempos de transmissão.
Topologia de Redes - Barramento
Topologia de Redes - Anel
Topologia de Redes - Estrela
Meios Físicos – Par Trançado
Meios Físicos – Fibra Ótica
Meios Físicos – Fibra Ótica
Tipos de Conexão
Conexão Multiponto
Redes sem Fio (Wireless)
Curiosidade – Cabos Submarinos
Redes Industriais Seriais 
O setor de comunicação industrial conta atualmente com uma quantidade muito grande de produtos e protocolos usados nas comunicações entre as plataformas de computadores e os dispositivos usados nas aplicações de automação industrial. Muitos destes dispositivos utilizam os padrões EIA RS 232, RS 422 e RS 485 entre os computadores e dispositivos microprocessados. Erroneamente tem-se o conceito de que estes padrões definem protocolos de comunicação específicos.
Redes Industriais Seriais
Redes Ethernet 
A rede Ethernet foi o primeiro grande sistema de rede a ser oferecido sem o uso de protocolos proprietários. A rede Ethernet foi criada em conjunto pelas empresas Xerox, DEC e Intel. Trata-se de uma rede usada mundialmente tanto para a área industrial como para escritórios. 
Outra grande vantagem desta rede é o grande número de fabricantes que colocam no mercado produtos compatíveis com a rede Ethernet.
Redes Ethernet - Padrões
Switches Industriais
Switches Industriais x Escritório 
INDUSTRIAIS 
PADRÃO ESCRITÓRIO 
Projetados para ambiente industrial, suportando altas temperaturas, poeira, vibração, imunidade a ruídos e EMC 
Projetados para ambientes de escritório 
Alta disponibilidade 
Disponibilidade padrão 
Alimentação redundante em 24Vcc 
Alimentação 110/220 Vca 
Permite topologia em anel com tempo de recuperação inferiores a 300ms 
Tempo na ordem de segundos 
Usados em aplicações em tempo real (determinístico) 
Aplicações de e-mail, web, rede (não determinístico) 
Compatibilidade com padrões de comunicação industriais OPC 
Não disponível 
Integração com sistemas de supervisão 
Não disponível 
Homologados pelos principais fornecedores de automação 
Não disponível 
Participação ativa em associações ligadas às redes industriais: ODVA, IAONA, PROFIBUS, FIELDBUS FOUNDATION, IEEE, United Networx 
Não tem participação e conhecimento dos protocolos industriais
Instalação Tradicional (via cabos)
Uso de Redes Industriais 
X 
Tradicional 
Rede
Benefícios das Redes Industriais 
A utilização de redes e protocolos digitais prevê um significativo avanço nas seguintes áreas: 
Custos de instalação, operação e manutenção 
Procedimentos de manutenção com gerenciamento de ativos 
Fácil expansão e upgrades 
Informação de controle e qualidade 
Determinismo 
Baixos tempos de ciclos 
Várias topologias 
Padrões abertos 
Redundância em diversos níveis 
Menor variabilidade nas medições 
Medições multivariáveis
Qualidade da Instalação de Redes 
Estes são alguns dos aspectos que devem ser observados durante a instalação de uma rede industrial: 
Tipos de cabos 
Interligação dos cabos 
Encaminhamento dos cabos 
Conectores e prensa-cabos 
Aterramento 
Configuração dos dispositivos de rede 
Documentação da rede
Certificação de Redes
Softwares para Gerenciamento de Redes
Evolução das Redes Industriais
Principais Redes Industriais 
Modbus 
Modbus TCP 
Hart 
ASI 
Profibus-DP 
Profibus-PA 
Profinet 
Devicenet 
Ethernet/IP 
Fieldbus Foundation
O protocolo MODBUS desenvolvida pela Modicon em 1979 
Dispositivos mestre-escravo / cliente- servidor 
Ele é um padrão de fato 
Poder ser RS232, RS-485 
Velocidade até 115K 
Rede Modbus Serial (ou Modbus RTU)
Modbus - Funcionamento
Modbus - Exemplo
Modbus TCP 
Tipo de Rede: 
Rede Ethernet-TCP/IP, do tipo cliente/servidor, protocolos 
TCP/UDP/IP, Layer 3-4 
Topologia: 
Muito flexível: estrela, árvore ou linha 
Todas as topologias que podem ser implementadas com o padrão Ethernet incluindo redes com switches. 
Instalação : 
Padrões 10, 100 or 1000 Mbit/s Ethernet baseados em cabos de cobre, fibra ótica ou wireless podem ser usadas. 
Velocidade : 
10, 100, 1000 Mbit/s/s 
Máx. Estações : 
Praticamente ilimitada 
Dados: 
Até 1.500 Byte por Telegrama 
Total: praticamente ilimitada
Hart 
“HART” é a sigla em inglês para “Highway Addressable Remote Transducer” (Via de Dados Endereçável por Transdutor Remoto). O protocolo HART utiliza o padrão Bell 202 de Chaveamento por Deslocamento de Frequência (FSK) para sobrepor os sinais de comunicação digital sobre o sinal de 4-20 mA.
Hart - Funcionamento
Hart Exemplo
Rede Asi 
O protocolo AS-Interface, comumente referenciado somente como AS-i (proveniente de Interface Sensor Atuador) foi criado por conjunto de onze empresas ligadas a setores de automação, através de um consórcio fundado em 1990, denominado “ASI consortium”. 
Uma das principais ideias do projeto AS-i era levar ao nível de sensores e atuadores os benefícios já alcançados nos níveis superiores da hierarquia de automação industrial. 
Desta forma, a rede AS-i foi concebida para complementar os demais sistemas e tornar mais simples e rápida as conexões dos sensores e atuadores com os seus respectivos controladores.
Rede Asi 
Transferência de dados 
Mestre escravo com polling cíclico. 
Endereçamento 
Os escravos recebem um endereço enviado pelo mestre ou um terminal de configuração. 
Estrutura da rede 
Barramento, anel, estrela, ou árvore. 
Meio físico 
Dois cabos não trançados e nem blindados para dados e energia (24V DC), tipicamente até 200mA por escravo e 8A por rede. 
Comprimento de cabo 
Máximo 100m. Maiores distâncias podem ser obtidas com repetidores. Não é necessário nenhum tipo de terminador. 
Número de escravos 
31 escravos. 
Número de sensores e atuadores 
4 sensores e 4 atuadores por escravos. Máximo de 248 participantes binários por rede. 
Tempo de ciclo 
5ms para uma rede completa, com 31 escravos. Cada escravo pode utilizar até 150μs do tempo da rede por ciclo. Os dados transmitidos são limitado a 4 bits por escravos que podem ser trocados a cada ciclo. Mensagens longas podem ser transmitidas dividindo-as em vários ciclos. 
Taxa de transferência 
A taxa de transferência no AS-i é de 167kbit/s, resultando em 6μs como o tempo gasto de transmissão de um bit (tempo de bit).
Asi - Cabo
Asi - Exemplo
Profibus DP 
A transmissão RS 485 é a tecnologia de transmissão mais utilizada no PROFIBUS, embora a fibra ótica possa ser usada em casos de longas distâncias (maior do que 80Km). Seguem as principais características: 
Transmissão Assíncrona NRZ. 
Baud rates de 9.6 kBit/s a 12 Mbit/s, selecionável. 
Par trançado com blindagem. 
32 estações por segmento, máx. 127 estações. 
Distância dependente da taxa de transmissão (tabela 1). 
12 MBit/s = 100 m; 1.5 MBit/s = 400m; < 187.5 kBit/s = 1000 m. 
Distância expansível até 10Km com o uso de repetidores. 
9 PIN, D-Sub conector.
Profibus – Cabo e Distâncias 
Baud rate (kbit/s) 
9.6 
19.2 
93.75 
187.5 
500 
1500 
2000 
Comprimento / Segmento (m) 
1200 
1200 
1200 
1000 
400 
200 
100
Profibus – PA 
O protocolo digital Profibus-PA é uma variação do protocolo Profibus que foi desenvolvido para atender as necessidades da automação e controle de processos. O PROFIBUS PA tem as seguintes características: 
É um protocolo de comunicação dedicado para equipamentos de campo, tais como transmissores, posicionadores de válvulas, atuadores, conversores, etc. 
Possibilidades de uso em áreas classificadas (Intrinsecamente Seguro). 
A camada física está de acordo com o padrão IEC 61158- 2, variante H1. 
Baud rate: 31.25 kbit/s; 
Topologia: Barramento, árvore/estrela, ponto a ponto. 
Permite no máximo 32 equipamentos(non-”Ex”) por segmento, num total de 126 equipamentos. 
Aproximadamente 9 equipamentos(Explosion Group IIC). 
Aproximadamente 23 equipamentos(Explosion Group IIB). 
Cabeamento máximo de 1900m, sem repetidores. 
Permite 4 repetidores: distâncias de até 10Km
Profibus-PA Cabos e Equipamentos
Profinet 
O Profinet é uma rede padronizada pela Associação Profibus Internacional como uma das quatorze redes de Ethernet industrial. 
A norma que regulamenta o Profinet é a IEC61158-5 e IEC61158-6, sendo o décimo protocolo incluso nessa norma. 
Basicamente, há dois tipos de redes Profinet: Profinet IO e Profinet CBA. O Profinet IO é utilizado em aplicações em tempo real (rápidas) e o Profinet CBA é utilizado em aplicações onde o tempo não é crítico, por exemplo, na conversão para rede Profibus DP.
Crescimento do uso do Profinet
Devicenet 
A rede DeviceNet é uma rede de baixo nível que proporciona comunicações utilizando o mesmo meio físico entre equipamentos, desde os mais simples (como sensores e atuadores), até os mais complexos, como Controladores Lógicos Programáveis (CLP) e microcomputadores. 
A rede DeviceNet possui o protocolo aberto, tendo um número expressivo de fornecedores de equipamentos que adotaram o protocolo. 
A ODVA (Open DeviceNet Vendor Association), é uma organização independente com objetivo de divulgar, padronizar e difundir a rede DeviceNet visando seu crescimento mundial.
Características
Ethernet I/P 
O protocolo EtherNet/IP (Industrial Protocol) é um rede industrial Ethernet TCP/IP aberta com recursos de controle em tempo real, que foi introduzida no mercado em 2001. 
O EtherNet/IP estende o protocolo Ethernet padrão de mercado até o Common Industrial Protocol (CIP) - o mesmo protocolo de camada superior e modelo de objeto encontrado no DeviceNet. 
O CIP permite ao aos desenvolvedores de produtos EtherNet/IP e produtos DeviceNet, integradores de sistemas e usuários a aplicar os mesmos objetos e perfis de interoperabilidade plug- and-play entre os dispositivos de vários fornecedores e em várias sub-redes.
Exemplo
Comparação entre Redes
Uso de Redes Industriais
Uso Ethernet Industrial (2009)
Como escolher?
Como escolher?
Como escolher?
O Futuro
(11) 4594-1849 
(11) 98609-3771 
Entre em contato comigo: 
br.linkedin.com/in/mandolesi/ 
https://www.facebook.com/carlos.mandolesi.9 www.sigmma.com.br 
carlos@sigmma.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Protocolo de rede industrial
Protocolo de rede industrialProtocolo de rede industrial
Protocolo de rede industrial
Agenor Filho
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
Jakson Silva
 
Modelo OSI
Modelo OSIModelo OSI
Modelo TCP/IP
Modelo TCP/IPModelo TCP/IP
Apostila de telecomunicação
Apostila de telecomunicação Apostila de telecomunicação
Apostila de telecomunicação
WELLINGTON MARTINS
 
Componentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadoresComponentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadores
Felipe Silva
 
Curso ensaios eletricos
Curso ensaios eletricosCurso ensaios eletricos
Curso ensaios eletricos
fabiofds
 
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redesRedes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Leonardo Bruno
 
Simplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-DuplexSimplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Yohana Alves
 
Aula 05 introducao aos sistemas estruturados
Aula 05   introducao aos sistemas estruturadosAula 05   introducao aos sistemas estruturados
Aula 05 introducao aos sistemas estruturados
Capacitações.com.br Altemar Galvão
 
Aula 01 meios de comunicação de dados
Aula 01 meios de comunicação de dadosAula 01 meios de comunicação de dados
Aula 01 meios de comunicação de dados
Jorge Ávila Miranda
 
Projeto: Montagem de uma rede local
Projeto: Montagem de uma rede local Projeto: Montagem de uma rede local
Projeto: Montagem de uma rede local
Verônica Veiga
 
Aula1 historia das redes
Aula1   historia das redesAula1   historia das redes
Aula1 historia das redes
Berenildo Felix JR
 
Redes 2 padronização e arquitetura de redes
Redes 2 padronização e arquitetura de redesRedes 2 padronização e arquitetura de redes
Redes 2 padronização e arquitetura de redes
Mauro Pereira
 
Rede de computadores
Rede de computadoresRede de computadores
Rede de computadores
Jairo Soares Dolores Mosca
 
Curso de redes de computadores Parte 1
Curso de redes de computadores Parte 1Curso de redes de computadores Parte 1
Curso de redes de computadores Parte 1
Djayllton Moraes
 
Automatos programaveis
Automatos programaveisAutomatos programaveis
Automatos programaveis
Francisco Manuel Oliveira Fernandes
 
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de DadosRedes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Mauro Tapajós
 
inversor de frequencia
inversor de frequenciainversor de frequencia
inversor de frequencia
Renato Amorim
 
Aula 1 fundamentos de redes de computadores
Aula 1   fundamentos de redes de computadoresAula 1   fundamentos de redes de computadores
Aula 1 fundamentos de redes de computadores
wab030
 

Mais procurados (20)

Protocolo de rede industrial
Protocolo de rede industrialProtocolo de rede industrial
Protocolo de rede industrial
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
 
Modelo OSI
Modelo OSIModelo OSI
Modelo OSI
 
Modelo TCP/IP
Modelo TCP/IPModelo TCP/IP
Modelo TCP/IP
 
Apostila de telecomunicação
Apostila de telecomunicação Apostila de telecomunicação
Apostila de telecomunicação
 
Componentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadoresComponentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadores
 
Curso ensaios eletricos
Curso ensaios eletricosCurso ensaios eletricos
Curso ensaios eletricos
 
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redesRedes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redes
 
Simplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-DuplexSimplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-Duplex
 
Aula 05 introducao aos sistemas estruturados
Aula 05   introducao aos sistemas estruturadosAula 05   introducao aos sistemas estruturados
Aula 05 introducao aos sistemas estruturados
 
Aula 01 meios de comunicação de dados
Aula 01 meios de comunicação de dadosAula 01 meios de comunicação de dados
Aula 01 meios de comunicação de dados
 
Projeto: Montagem de uma rede local
Projeto: Montagem de uma rede local Projeto: Montagem de uma rede local
Projeto: Montagem de uma rede local
 
Aula1 historia das redes
Aula1   historia das redesAula1   historia das redes
Aula1 historia das redes
 
Redes 2 padronização e arquitetura de redes
Redes 2 padronização e arquitetura de redesRedes 2 padronização e arquitetura de redes
Redes 2 padronização e arquitetura de redes
 
Rede de computadores
Rede de computadoresRede de computadores
Rede de computadores
 
Curso de redes de computadores Parte 1
Curso de redes de computadores Parte 1Curso de redes de computadores Parte 1
Curso de redes de computadores Parte 1
 
Automatos programaveis
Automatos programaveisAutomatos programaveis
Automatos programaveis
 
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de DadosRedes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
 
inversor de frequencia
inversor de frequenciainversor de frequencia
inversor de frequencia
 
Aula 1 fundamentos de redes de computadores
Aula 1   fundamentos de redes de computadoresAula 1   fundamentos de redes de computadores
Aula 1 fundamentos de redes de computadores
 

Destaque

Rede ethernet
Rede ethernetRede ethernet
Rede ethernet
redesinforma
 
Apostila do treinamento profibus instalação
Apostila do treinamento profibus   instalaçãoApostila do treinamento profibus   instalação
Apostila do treinamento profibus instalação
confidencial
 
protocolos industriais
protocolos industriais protocolos industriais
protocolos industriais
Renato Campos
 
Arquitetura control logix
Arquitetura control logixArquitetura control logix
Arquitetura control logix
Saddam Lande
 
Pitch for video
Pitch for videoPitch for video
Pitch for video
Jake Numan
 
Curso para utilização do conversor ethernet cs ethernet
Curso para utilização do conversor ethernet cs ethernetCurso para utilização do conversor ethernet cs ethernet
Curso para utilização do conversor ethernet cs ethernet
Alfacomp Automação Industrial Ltda.
 
Tutorial Beaglebone Black
Tutorial Beaglebone BlackTutorial Beaglebone Black
Tutorial Beaglebone Black
Lojamundi
 
7Masters OpenHardware - BeagleBone Black : O que existe de open por aí?
7Masters OpenHardware -  BeagleBone Black : O que existe de open por aí?7Masters OpenHardware -  BeagleBone Black : O que existe de open por aí?
7Masters OpenHardware - BeagleBone Black : O que existe de open por aí?
Diego Sueiro
 
Protocolos modbus
Protocolos modbusProtocolos modbus
Protocolos modbus
redesinforma
 
Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...
Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...
Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...
senaimais
 
Slide share unip 2014 1
Slide share unip 2014 1Slide share unip 2014 1
Slide share unip 2014 1
Angelastillos
 
Instalação
InstalaçãoInstalação
Instalação
confidencial
 
S7 avançado
S7 avançadoS7 avançado
S7 avançado
confidencial
 
1.2a power flex750 r2
1.2a power flex750 r21.2a power flex750 r2
1.2a power flex750 r2
confidencial
 
Apostila pcs7 v8.0 v2
Apostila pcs7 v8.0 v2Apostila pcs7 v8.0 v2
Apostila pcs7 v8.0 v2
confidencial
 
Dispositivos e redes de comunicaçãos
Dispositivos e redes de comunicaçãosDispositivos e redes de comunicaçãos
Dispositivos e redes de comunicaçãos
confidencial
 
CLP S7 300 E S7 400
CLP S7 300 E S7 400CLP S7 300 E S7 400
CLP S7 300 E S7 400
confidencial
 
RIP - Routing Information Protocol
RIP - Routing Information ProtocolRIP - Routing Information Protocol
RIP - Routing Information Protocol
Jean Pimentel
 
Sitrain introdução a ihm
Sitrain introdução a ihmSitrain introdução a ihm
Sitrain introdução a ihm
confidencial
 
Componentes de uma rede
Componentes de uma rede   Componentes de uma rede
Componentes de uma rede
AnaRitaFerreiraPereira
 

Destaque (20)

Rede ethernet
Rede ethernetRede ethernet
Rede ethernet
 
Apostila do treinamento profibus instalação
Apostila do treinamento profibus   instalaçãoApostila do treinamento profibus   instalação
Apostila do treinamento profibus instalação
 
protocolos industriais
protocolos industriais protocolos industriais
protocolos industriais
 
Arquitetura control logix
Arquitetura control logixArquitetura control logix
Arquitetura control logix
 
Pitch for video
Pitch for videoPitch for video
Pitch for video
 
Curso para utilização do conversor ethernet cs ethernet
Curso para utilização do conversor ethernet cs ethernetCurso para utilização do conversor ethernet cs ethernet
Curso para utilização do conversor ethernet cs ethernet
 
Tutorial Beaglebone Black
Tutorial Beaglebone BlackTutorial Beaglebone Black
Tutorial Beaglebone Black
 
7Masters OpenHardware - BeagleBone Black : O que existe de open por aí?
7Masters OpenHardware -  BeagleBone Black : O que existe de open por aí?7Masters OpenHardware -  BeagleBone Black : O que existe de open por aí?
7Masters OpenHardware - BeagleBone Black : O que existe de open por aí?
 
Protocolos modbus
Protocolos modbusProtocolos modbus
Protocolos modbus
 
Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...
Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...
Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...
 
Slide share unip 2014 1
Slide share unip 2014 1Slide share unip 2014 1
Slide share unip 2014 1
 
Instalação
InstalaçãoInstalação
Instalação
 
S7 avançado
S7 avançadoS7 avançado
S7 avançado
 
1.2a power flex750 r2
1.2a power flex750 r21.2a power flex750 r2
1.2a power flex750 r2
 
Apostila pcs7 v8.0 v2
Apostila pcs7 v8.0 v2Apostila pcs7 v8.0 v2
Apostila pcs7 v8.0 v2
 
Dispositivos e redes de comunicaçãos
Dispositivos e redes de comunicaçãosDispositivos e redes de comunicaçãos
Dispositivos e redes de comunicaçãos
 
CLP S7 300 E S7 400
CLP S7 300 E S7 400CLP S7 300 E S7 400
CLP S7 300 E S7 400
 
RIP - Routing Information Protocol
RIP - Routing Information ProtocolRIP - Routing Information Protocol
RIP - Routing Information Protocol
 
Sitrain introdução a ihm
Sitrain introdução a ihmSitrain introdução a ihm
Sitrain introdução a ihm
 
Componentes de uma rede
Componentes de uma rede   Componentes de uma rede
Componentes de uma rede
 

Semelhante a Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP

RedesIndustriais-unlocked.pdf
RedesIndustriais-unlocked.pdfRedesIndustriais-unlocked.pdf
RedesIndustriais-unlocked.pdf
filipeisep
 
Clp automacao redes_protocolos
Clp automacao redes_protocolosClp automacao redes_protocolos
Clp automacao redes_protocolos
Wellington barbosa
 
Tecnologia da informacao
Tecnologia da informacaoTecnologia da informacao
Tecnologia da informacao
Luiz
 
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742fTcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
João Bispo
 
1 - Revisão - Redes de Computadores.pdf
1 - Revisão - Redes de Computadores.pdf1 - Revisão - Redes de Computadores.pdf
1 - Revisão - Redes de Computadores.pdf
EDUARDAREGINACARVALH1
 
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptxGestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
HJesusMiguel
 
Comunicação de Dados - Modulo 5
 Comunicação de Dados - Modulo 5 Comunicação de Dados - Modulo 5
Comunicação de Dados - Modulo 5
Mariana Hiyori
 
Cabeamento Estruturado - final.pptx
Cabeamento Estruturado - final.pptxCabeamento Estruturado - final.pptx
Cabeamento Estruturado - final.pptx
mauricio381833
 
Redes industriais
Redes industriais Redes industriais
Redes industriais
ubirata paulo
 
Redes industriais
Redes industriais Redes industriais
Redes industriais
ubirata paulo
 
Mini curso redes_computadores
Mini curso redes_computadoresMini curso redes_computadores
Mini curso redes_computadores
elgi.elgi
 
Curso de redes_cisco
Curso de redes_ciscoCurso de redes_cisco
Curso de redes_cisco
Leandro Frezarini
 
Apresentação redes computacionais
Apresentação redes computacionaisApresentação redes computacionais
Apresentação redes computacionais
kylsonestellfran
 
Redes Industriais
Redes IndustriaisRedes Industriais
Redes Industriais
Jim Naturesa
 
Tecnologia Dr4 Stc Marco1
Tecnologia Dr4 Stc Marco1Tecnologia Dr4 Stc Marco1
Tecnologia Dr4 Stc Marco1
guest564c19
 
Tecnologia Dr4 Stc Marco
Tecnologia Dr4 Stc MarcoTecnologia Dr4 Stc Marco
Tecnologia Dr4 Stc Marco
mega
 
Doctecnico redes schneider
Doctecnico redes schneiderDoctecnico redes schneider
Doc tecnico redes
Doc tecnico redesDoc tecnico redes
Doc tecnico redes
Dirceu Rodrigues
 
Redes industriais introducao
Redes industriais introducaoRedes industriais introducao
Redes industriais introducao
MarcioRodrigues173060
 
Redes_Industriais_Introducao (2021_01_24 20_56_02 UTC).pdf
Redes_Industriais_Introducao (2021_01_24 20_56_02 UTC).pdfRedes_Industriais_Introducao (2021_01_24 20_56_02 UTC).pdf
Redes_Industriais_Introducao (2021_01_24 20_56_02 UTC).pdf
Alan Coelho
 

Semelhante a Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP (20)

RedesIndustriais-unlocked.pdf
RedesIndustriais-unlocked.pdfRedesIndustriais-unlocked.pdf
RedesIndustriais-unlocked.pdf
 
Clp automacao redes_protocolos
Clp automacao redes_protocolosClp automacao redes_protocolos
Clp automacao redes_protocolos
 
Tecnologia da informacao
Tecnologia da informacaoTecnologia da informacao
Tecnologia da informacao
 
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742fTcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
 
1 - Revisão - Redes de Computadores.pdf
1 - Revisão - Redes de Computadores.pdf1 - Revisão - Redes de Computadores.pdf
1 - Revisão - Redes de Computadores.pdf
 
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptxGestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
 
Comunicação de Dados - Modulo 5
 Comunicação de Dados - Modulo 5 Comunicação de Dados - Modulo 5
Comunicação de Dados - Modulo 5
 
Cabeamento Estruturado - final.pptx
Cabeamento Estruturado - final.pptxCabeamento Estruturado - final.pptx
Cabeamento Estruturado - final.pptx
 
Redes industriais
Redes industriais Redes industriais
Redes industriais
 
Redes industriais
Redes industriais Redes industriais
Redes industriais
 
Mini curso redes_computadores
Mini curso redes_computadoresMini curso redes_computadores
Mini curso redes_computadores
 
Curso de redes_cisco
Curso de redes_ciscoCurso de redes_cisco
Curso de redes_cisco
 
Apresentação redes computacionais
Apresentação redes computacionaisApresentação redes computacionais
Apresentação redes computacionais
 
Redes Industriais
Redes IndustriaisRedes Industriais
Redes Industriais
 
Tecnologia Dr4 Stc Marco1
Tecnologia Dr4 Stc Marco1Tecnologia Dr4 Stc Marco1
Tecnologia Dr4 Stc Marco1
 
Tecnologia Dr4 Stc Marco
Tecnologia Dr4 Stc MarcoTecnologia Dr4 Stc Marco
Tecnologia Dr4 Stc Marco
 
Doctecnico redes schneider
Doctecnico redes schneiderDoctecnico redes schneider
Doctecnico redes schneider
 
Doc tecnico redes
Doc tecnico redesDoc tecnico redes
Doc tecnico redes
 
Redes industriais introducao
Redes industriais introducaoRedes industriais introducao
Redes industriais introducao
 
Redes_Industriais_Introducao (2021_01_24 20_56_02 UTC).pdf
Redes_Industriais_Introducao (2021_01_24 20_56_02 UTC).pdfRedes_Industriais_Introducao (2021_01_24 20_56_02 UTC).pdf
Redes_Industriais_Introducao (2021_01_24 20_56_02 UTC).pdf
 

Último

Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 

Último (8)

Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 

Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP

  • 1. Palestra “Redes Industriais” Carlos Mandolesi Jundiaí/SP – 16/10/2014
  • 2. Sobre mim: CARLOS MANDOLESI Engenheiro eletricista, formado na UNIFEI (Universidade Federal de Itajubá) em 1992 Pós-graduado em Gestão de Negócios, USF, 2005 Trabalhei por 10 anos na General Electric em diversas áreas Moro em Itatiba/SP Minha empresa a Sigmma, atua na área de representação comercial, treinamentos, consultoria e marketing digital e irá completar 10 anos neste ano Sou diretor de um entidade profissional sem fins lucrativos, onde promovemos eventos e troca de conhecimento (www.isacampinas.org.br)
  • 3. Sobre minha empresa: SIGMMA Sigmma, atua na área de representação comercial, treinamentos, consultoria e marketing digital e irá completar 10 anos neste ano
  • 4. Redes de Comunicação Uma rede de computadores é basicamente um conjunto de dispositivos micro processados ligados entre si de forma a possibilitar o armazenamento, recuperação, e compartilhamento de informação pelos seus usuários.
  • 5. Redes de Comunicação Os dispositivos envolvidos numa rede podem ser: Computadores, Servidores, Impressoras, Dispositivos de armazenamento de dados e Controladores Lógicos Programáveis entre outros.
  • 6. O que é uma Rede Industrial Rede industrial é uma Rede de comunicação dedicada à troca de dados e informações entre equipamentos no ambiente industrial.
  • 7. Equipamentos de uma rede industrial: Computadores CLP’s Robôs Terminais de válvulas Balanças Sensores Atuadores Inversores Centros de Comando de motores (CCMs)
  • 8. Padrões de Redes É fundamental existirem padrões para a comunicação entre equipamentos.
  • 9. Padrões de Redes Órgãos e associações atuam na padronização de redes: ISA – International Society of Automation IEEE – Institute of Electrial and Electronic Engineering ISO – International Organization for Standarization EIA – Electronic Industries Association ANSI – American National Standards Institute. EUA. Ligado a ISO.
  • 10. Tipos de Padrões de Redes Aberto ou de Domínio público: Estabelecido por órgãos oficiais de normatização, padronização Proprietário: Estabelecido por algum fabricante e restrito aos seus equipamentos.
  • 13. Protocolos de Comunicação Protocolos de comunicação são convenções ou regras utilizadas por um programa ou sistema operacional para a comunicação entre dois ou mais equipamentos. Para integrar em rede a diversidade de computadores ou outros dispositivos microprocessados gerados pela filosofia de sistemas abertos, foram criados padrões de camadas para os protocolos. Existem protocolos proprietários e abertos. Exemplos de protocolos do dia-a-dia: HTTP, TCP/IP, POP, SMTP
  • 14. Redes Determinísticas O determinismo está relacionado à capacidade em se estimar com precisão exata quanto tempo levará para transmitir uma mensagem de uma estação até o recebimento por outra estação, ou seja, existe previsibilidade nos tempos de transmissão.
  • 15. Topologia de Redes - Barramento
  • 17. Topologia de Redes - Estrela
  • 18. Meios Físicos – Par Trançado
  • 19. Meios Físicos – Fibra Ótica
  • 20. Meios Físicos – Fibra Ótica
  • 23. Redes sem Fio (Wireless)
  • 24. Curiosidade – Cabos Submarinos
  • 25. Redes Industriais Seriais O setor de comunicação industrial conta atualmente com uma quantidade muito grande de produtos e protocolos usados nas comunicações entre as plataformas de computadores e os dispositivos usados nas aplicações de automação industrial. Muitos destes dispositivos utilizam os padrões EIA RS 232, RS 422 e RS 485 entre os computadores e dispositivos microprocessados. Erroneamente tem-se o conceito de que estes padrões definem protocolos de comunicação específicos.
  • 27. Redes Ethernet A rede Ethernet foi o primeiro grande sistema de rede a ser oferecido sem o uso de protocolos proprietários. A rede Ethernet foi criada em conjunto pelas empresas Xerox, DEC e Intel. Trata-se de uma rede usada mundialmente tanto para a área industrial como para escritórios. Outra grande vantagem desta rede é o grande número de fabricantes que colocam no mercado produtos compatíveis com a rede Ethernet.
  • 28. Redes Ethernet - Padrões
  • 30. Switches Industriais x Escritório INDUSTRIAIS PADRÃO ESCRITÓRIO Projetados para ambiente industrial, suportando altas temperaturas, poeira, vibração, imunidade a ruídos e EMC Projetados para ambientes de escritório Alta disponibilidade Disponibilidade padrão Alimentação redundante em 24Vcc Alimentação 110/220 Vca Permite topologia em anel com tempo de recuperação inferiores a 300ms Tempo na ordem de segundos Usados em aplicações em tempo real (determinístico) Aplicações de e-mail, web, rede (não determinístico) Compatibilidade com padrões de comunicação industriais OPC Não disponível Integração com sistemas de supervisão Não disponível Homologados pelos principais fornecedores de automação Não disponível Participação ativa em associações ligadas às redes industriais: ODVA, IAONA, PROFIBUS, FIELDBUS FOUNDATION, IEEE, United Networx Não tem participação e conhecimento dos protocolos industriais
  • 32. Uso de Redes Industriais X Tradicional Rede
  • 33. Benefícios das Redes Industriais A utilização de redes e protocolos digitais prevê um significativo avanço nas seguintes áreas: Custos de instalação, operação e manutenção Procedimentos de manutenção com gerenciamento de ativos Fácil expansão e upgrades Informação de controle e qualidade Determinismo Baixos tempos de ciclos Várias topologias Padrões abertos Redundância em diversos níveis Menor variabilidade nas medições Medições multivariáveis
  • 34. Qualidade da Instalação de Redes Estes são alguns dos aspectos que devem ser observados durante a instalação de uma rede industrial: Tipos de cabos Interligação dos cabos Encaminhamento dos cabos Conectores e prensa-cabos Aterramento Configuração dos dispositivos de rede Documentação da rede
  • 37. Evolução das Redes Industriais
  • 38. Principais Redes Industriais Modbus Modbus TCP Hart ASI Profibus-DP Profibus-PA Profinet Devicenet Ethernet/IP Fieldbus Foundation
  • 39. O protocolo MODBUS desenvolvida pela Modicon em 1979 Dispositivos mestre-escravo / cliente- servidor Ele é um padrão de fato Poder ser RS232, RS-485 Velocidade até 115K Rede Modbus Serial (ou Modbus RTU)
  • 42. Modbus TCP Tipo de Rede: Rede Ethernet-TCP/IP, do tipo cliente/servidor, protocolos TCP/UDP/IP, Layer 3-4 Topologia: Muito flexível: estrela, árvore ou linha Todas as topologias que podem ser implementadas com o padrão Ethernet incluindo redes com switches. Instalação : Padrões 10, 100 or 1000 Mbit/s Ethernet baseados em cabos de cobre, fibra ótica ou wireless podem ser usadas. Velocidade : 10, 100, 1000 Mbit/s/s Máx. Estações : Praticamente ilimitada Dados: Até 1.500 Byte por Telegrama Total: praticamente ilimitada
  • 43. Hart “HART” é a sigla em inglês para “Highway Addressable Remote Transducer” (Via de Dados Endereçável por Transdutor Remoto). O protocolo HART utiliza o padrão Bell 202 de Chaveamento por Deslocamento de Frequência (FSK) para sobrepor os sinais de comunicação digital sobre o sinal de 4-20 mA.
  • 46. Rede Asi O protocolo AS-Interface, comumente referenciado somente como AS-i (proveniente de Interface Sensor Atuador) foi criado por conjunto de onze empresas ligadas a setores de automação, através de um consórcio fundado em 1990, denominado “ASI consortium”. Uma das principais ideias do projeto AS-i era levar ao nível de sensores e atuadores os benefícios já alcançados nos níveis superiores da hierarquia de automação industrial. Desta forma, a rede AS-i foi concebida para complementar os demais sistemas e tornar mais simples e rápida as conexões dos sensores e atuadores com os seus respectivos controladores.
  • 47. Rede Asi Transferência de dados Mestre escravo com polling cíclico. Endereçamento Os escravos recebem um endereço enviado pelo mestre ou um terminal de configuração. Estrutura da rede Barramento, anel, estrela, ou árvore. Meio físico Dois cabos não trançados e nem blindados para dados e energia (24V DC), tipicamente até 200mA por escravo e 8A por rede. Comprimento de cabo Máximo 100m. Maiores distâncias podem ser obtidas com repetidores. Não é necessário nenhum tipo de terminador. Número de escravos 31 escravos. Número de sensores e atuadores 4 sensores e 4 atuadores por escravos. Máximo de 248 participantes binários por rede. Tempo de ciclo 5ms para uma rede completa, com 31 escravos. Cada escravo pode utilizar até 150μs do tempo da rede por ciclo. Os dados transmitidos são limitado a 4 bits por escravos que podem ser trocados a cada ciclo. Mensagens longas podem ser transmitidas dividindo-as em vários ciclos. Taxa de transferência A taxa de transferência no AS-i é de 167kbit/s, resultando em 6μs como o tempo gasto de transmissão de um bit (tempo de bit).
  • 50. Profibus DP A transmissão RS 485 é a tecnologia de transmissão mais utilizada no PROFIBUS, embora a fibra ótica possa ser usada em casos de longas distâncias (maior do que 80Km). Seguem as principais características: Transmissão Assíncrona NRZ. Baud rates de 9.6 kBit/s a 12 Mbit/s, selecionável. Par trançado com blindagem. 32 estações por segmento, máx. 127 estações. Distância dependente da taxa de transmissão (tabela 1). 12 MBit/s = 100 m; 1.5 MBit/s = 400m; < 187.5 kBit/s = 1000 m. Distância expansível até 10Km com o uso de repetidores. 9 PIN, D-Sub conector.
  • 51. Profibus – Cabo e Distâncias Baud rate (kbit/s) 9.6 19.2 93.75 187.5 500 1500 2000 Comprimento / Segmento (m) 1200 1200 1200 1000 400 200 100
  • 52. Profibus – PA O protocolo digital Profibus-PA é uma variação do protocolo Profibus que foi desenvolvido para atender as necessidades da automação e controle de processos. O PROFIBUS PA tem as seguintes características: É um protocolo de comunicação dedicado para equipamentos de campo, tais como transmissores, posicionadores de válvulas, atuadores, conversores, etc. Possibilidades de uso em áreas classificadas (Intrinsecamente Seguro). A camada física está de acordo com o padrão IEC 61158- 2, variante H1. Baud rate: 31.25 kbit/s; Topologia: Barramento, árvore/estrela, ponto a ponto. Permite no máximo 32 equipamentos(non-”Ex”) por segmento, num total de 126 equipamentos. Aproximadamente 9 equipamentos(Explosion Group IIC). Aproximadamente 23 equipamentos(Explosion Group IIB). Cabeamento máximo de 1900m, sem repetidores. Permite 4 repetidores: distâncias de até 10Km
  • 53. Profibus-PA Cabos e Equipamentos
  • 54. Profinet O Profinet é uma rede padronizada pela Associação Profibus Internacional como uma das quatorze redes de Ethernet industrial. A norma que regulamenta o Profinet é a IEC61158-5 e IEC61158-6, sendo o décimo protocolo incluso nessa norma. Basicamente, há dois tipos de redes Profinet: Profinet IO e Profinet CBA. O Profinet IO é utilizado em aplicações em tempo real (rápidas) e o Profinet CBA é utilizado em aplicações onde o tempo não é crítico, por exemplo, na conversão para rede Profibus DP.
  • 55. Crescimento do uso do Profinet
  • 56. Devicenet A rede DeviceNet é uma rede de baixo nível que proporciona comunicações utilizando o mesmo meio físico entre equipamentos, desde os mais simples (como sensores e atuadores), até os mais complexos, como Controladores Lógicos Programáveis (CLP) e microcomputadores. A rede DeviceNet possui o protocolo aberto, tendo um número expressivo de fornecedores de equipamentos que adotaram o protocolo. A ODVA (Open DeviceNet Vendor Association), é uma organização independente com objetivo de divulgar, padronizar e difundir a rede DeviceNet visando seu crescimento mundial.
  • 58. Ethernet I/P O protocolo EtherNet/IP (Industrial Protocol) é um rede industrial Ethernet TCP/IP aberta com recursos de controle em tempo real, que foi introduzida no mercado em 2001. O EtherNet/IP estende o protocolo Ethernet padrão de mercado até o Common Industrial Protocol (CIP) - o mesmo protocolo de camada superior e modelo de objeto encontrado no DeviceNet. O CIP permite ao aos desenvolvedores de produtos EtherNet/IP e produtos DeviceNet, integradores de sistemas e usuários a aplicar os mesmos objetos e perfis de interoperabilidade plug- and-play entre os dispositivos de vários fornecedores e em várias sub-redes.
  • 61. Uso de Redes Industriais
  • 67.
  • 68. (11) 4594-1849 (11) 98609-3771 Entre em contato comigo: br.linkedin.com/in/mandolesi/ https://www.facebook.com/carlos.mandolesi.9 www.sigmma.com.br carlos@sigmma.com.br