Biossegurana 2012

180 visualizações

Publicada em

trabalho

Publicada em: Mídias sociais
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
180
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Biossegurana 2012

  1. 1. 1 Biossegurança Profª.Ms. Ana Célia Cavalcante Lima
  2. 2. 2 Objetivo da aula Após o termino da aula o aluno deverá ser capaz de: Definir biossegurança; Conhecer os riscos de contaminação hospitalar; Métodos de higienização; Conhecer os EPIs, utilizados no hospital
  3. 3. 3 Biossegurança Ciência surgida no século XX, voltada para o controle e a minimização de risco advindos da prática de diferentes tecnologias. (ComissãoTécnica Nacional de Biossegurança – CTNBio).
  4. 4. 4 Biossegurança na Saúde Significa um conjunto de normas relativas à segurança do trabalhador de saúde, submetido ao risco potencial de acidente com material ou instrumentos contaminados com material biológico.
  5. 5. 5 Atividade de risco são as capazes de proporcionar dano, doença ou morte. RISCO e PERIGO RISCO é o perigo mediado pelo conhecimento que se tem da situação. É o que temos como prevenir. PERIGO existe enquanto não se conhece a situação. É o desconhecido ou mal conhecido.
  6. 6. 6 Biossegurança No ambiente hospitalar há RISCOS FÍSICOS , QUÍMICOS e BIOLÓGICOS e para cada um deles há NORMAS específicas disponíveis visando proteger a CLIENTELA dos estabelecimentos a saber: o paciente, o trabalhador de saúde, o acompanhante e a preservação do meio ambiente.
  7. 7. 7 Riscos Físicos (formas de energia como ruídos, vibrações, pressões anormais, radiações ionizantes ou não, ultra e infra- som (NR-09 e NR-15). Riscos Biológicos: bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoários, vírus, etc (NR- 09)
  8. 8. 8 Riscos Químicos (substâncias, compostos ou produtos que podem penetrar no organismo por via respiratória, absorvidos pela pele ou por ingestão, na forma de gases, vapores, neblinas, poeiras ou fumos (NR-09, NR- 15 e NR-32).
  9. 9. 9 Mais procedimentos nos paciente Mais tempo com o ambiente Maior equipe dos servidores de saúde Equipe de enfermagem: maior nº de Exposição entre os profissionais EXPOSIÇÕES PROFISSIONAIS
  10. 10. 10 EXPOSIÇÕES PROFISSIONAIS Os odontólogos também são uma categoria profissional com grande risco de exposição a material biológico. Os estudos mostram que a maioria dos dentistas (quase 85%) tem pelo menos uma exposição percutânea a cada período de cinco anos.
  11. 11. 11 EXPOSIÇÕES PROFISSIONAIS  Médicos = varia com as especialidades.  Médicos de enfermarias clínicas:  Exposições percutâneas = 0,5 a 3,0 ao ano;  Exposições mucocutâneas = 0,5 a 7,0 ao ano  Médicos cirurgiões: São estimados 80 a 135 contatos com sangue por ano, sendo 8 a 15 exposições percutâneas.
  12. 12. 12 COMO NOS PROTEGER DURANTE O TRABALHO EM SAÚDE - Cuidados PRECAUÇÕES PADRÃO Lavagem das Mãos Manipulação de Instrumentos e Materiais Manipulação de Materiais Cortantes e de Punção Ambiente e Equipamentos Roupas e Campos de Uso no Paciente Vacinação
  13. 13. 13 Manipulação de Instrumentos e Materiais Cortantes e de Punção Instrumentos pérfuro-cortantes devem ser descartados em caixas apropriadas, rígidas e impermeáveis que devem ser colocadas próximo a área em que os materiais são usados.
  14. 14. 14
  15. 15. 15 Manipulação de Instrumentos e Materiais Cortantes e de Punção  Nunca deve-se reencapar agulhas após o uso.  Não remover com as mãos agulhas usadas das seringas descartáveis e não as quebrar ou entortar.  Para a reutilização de seringa anestésica descartável reencapar a agulha introduzindo-a no interior da tampa e pressionando a tampa ao encontro da parede da bandeja clínica de forma a nunca utilizar a mão
  16. 16. 16 BIOSSEGURANÇA
  17. 17. 17 Como e quando usar luvas?  Usar luvas de procedimento, não estéril, quando houver possibilidade de tocar em sangue, fluídos corporais, membranas mucosas, pele não íntegra e qualquer item contaminado, de todos os clientes;  Lavar as mãos imediatamente após a retirada das luvas;  Trocar as luvas entre um procedimento e outro;  Calçar as luvas imediatamente antes do cuidado a ser executado, evitando contaminação prévia das mesmas;
  18. 18. 18  Estando de luvas, não manipule objetos fora do campo de trabalho;  Retirar as luvas imediatamente após o término da atividade;  Removê-las sem tocar na parte externa das mesmas;  Usar luvas adequadas para cada procedimento. - Luvas cirúrgicas estéreis; - Luvas de procedimentos não estéreis.
  19. 19. 19 Luvas Luvas de procedimentos Luvas de borracha  Luvas cirúrgicas
  20. 20. 20 Aventais, máscaras, óculos, calçados e gorros.
  21. 21. 21 O uso do Jaleco hospitalar é uma exigência das Comissões de Infecções hospitalares
  22. 22. A MELHOR PREVENÇÃOA MELHOR PREVENÇÃO É NÃOÉ NÃO SE ACIDENTAR!SE ACIDENTAR! BIOSSEGURANÇA
  23. 23. 23 Higienização das mãos
  24. 24. 24 O QUE É HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS? É a medida individual mais simples e menos dispendiosa para prevenir a propagação das infecções relacionadas à assistência à saúde. Higienização das mãos = lavagem das mãos
  25. 25. 25 Indicação da lavagem das mãos após tocar fluidos, secreções e itens contaminados; após a retirada das luvas; antes de procedimentos no paciente; entre contatos com pacientes; entre procedimentos num mesmo paciente; antes e depois de atos fisiológicos; antes do preparo de soros e medicações.
  26. 26. 26 As técnicas de higienização das mãos podem variar, dependendo do objetivo ao qual se destinam. Podem ser divididas em: Higienização simples das mãos. Higienização anti-séptica das mãos. Fricção de anti-séptico nas mãos. Anti-sepsia cirúrgica ou preparo pré- operatório A eficácia da higienização das mãos depende da duração e da técnica empregada.
  27. 27. 27 Antes de iniciar qualquer uma dessas técnicas, é necessário retirar jóias (anéis, pulseiras, relógio), pois sob tais objetos podem acumular microrganismos. (Exigência da NR-32)
  28. 28. 28 Higienização Simples das Mãos Finalidade Remover os microrganismos que colonizam as camadas superficiais da pele, assim como o suor, a oleosidade e as células mortas, retirando a sujidade que propícia à permanência e à proliferação de microrganismos. Duração do procedimento: 40 a 60 seg.
  29. 29. 29 Lavagem das mãos Na lavagem rotineira das mão o uso de sabão neutro é o suficiente para a remoção da sujeira, da flora transitória e parte da flora residente. Maior concentração bacteriana: pontas dos dedos, meio dos dedos e polegares.
  30. 30. 30 Higienização Anti-séptica das Mãos Finalidade Promover a remoção de sujidades e de microrganismos, reduzindo a carga microbiana das mãos, com auxílio de um anti-séptico. Duração do procedimento: 40 a 60 segundos
  31. 31. 31 Técnica A técnica de higienização anti-séptica é igual àquela utilizada para higienização simples das mãos, substituindo-se o sabão por um anti-séptico.  Exemplo: anti-séptico degermante.
  32. 32. 32 Fricção anti-séptica das mãos (com preparações alcoólicas) Álcool Gel ou álcool glicerinado Finalidade  Reduzir a carga microbiana das mãos (não há remoção de sujidades). A utilização de gel alcoólico a 70% ou de solução alcoólica a 70% com 1-3% de glicerina pode substituir a higienização com água e sabão quando as mãos não estiverem visivelmente sujas.  Duração do Procedimento: 20 a 30 segundos.
  33. 33. 33 Anti-sepsia das mãos A anti-sepsia é a utilização de um anti- séptico com ação bactericida ou bacteriostática que irá agir na flora residente da pele. Os anti-sépticos são indicados para a anti-sepsia das mãos dos profissionais e para pele ou mucosa do paciente em áreas onde serão realizados procedimentos invasivos ou cirúrgicos.
  34. 34. 34 Agentes anti-sépticos São substâncias aplicadas à pele para reduzir o número de agentes da microbiota transitória e residente. Entre os principais anti-sépticos utilizados para a higienização das mãos, destacam- se: Álcoois, Clorexidina, Compostos de iodo, Iodóforos e Triclosan.
  35. 35. 35
  36. 36. 36
  37. 37. 37
  38. 38. 38
  39. 39. 39
  40. 40. 40
  41. 41. 41
  42. 42. 42
  43. 43. 43
  44. 44. 44
  45. 45. 45 Importante No caso de torneiras com contato manual para fechamento, sempre utilize papel- toalha
  46. 46. 46
  47. 47. 47 BIOSSEGURANÇA
  48. 48. 48 BIBLIOGRAFIA OPPERMANN, Carla Maria, Lia Capsi Pires. Manual de biossegurança para serviços de saúde. Porto Alegre,PMPA / SMS/CGVS, 2003. PIANUCCI. Ana, Saber cuidar – Procedimentos Básicos em Enfermagem. Senac – SP, 2003.

×