SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
CASO CONCRETO A SER ANALISADO

        Cláudio, manuseando imprudentemente uma arma de fogo, acabou por
provocar um disparo que matou seu vizinho Agenor e causou lesão corporal
no sobrinho deste, de acordo com os autos todas as circunstancias judiciais
estavam a seu favor, ele confessou espontaneamente, mas Agenor era pessoa
enferma. Cláudio teve sua pena calculada em 4 anos e cumpriu em regime
semi-aberto.

        Consideramos neste caso a pena calculada fora do limite legal da
individualização da pena, uma vez que o réu possui circunstâncias que o beneficiam
e o mesmo deveria cumprir a pena em regime aberto de acordo com o art.33,§2º, do
C.P, analisaremos passo a passo com observações que buscam respaldar a
afirmação de que houve rigidez do juiz competente de tal sentença.

        Em primeiro lugar consideramos que o juiz verificou a ocorrência de um
concurso de crimes:

           1º crime: Art. 121,§3º - Homicídio culposo – Pena 1 a 3 anos.

        2º crime: Art. 129,§6 –Lesão corporal culposa – Pena 2 meses à 1 ano.

        O critério adotado neste caso deve ser o da exasperação, ou seja, se pega a
pena mais grave e aumenta de 1/6 até 1/2 (Art. 70 do C.P). Neste caso verificasse
uma causa de aumento de pena.

        Em segundo lugar consideramos que o juiz verificou nos autos que todas as
circunstâncias judiciais contidas no Art. 59 do C.P, são favoráveis ao réu.

        Em terceiro lugar consideramos que o juiz considerou a atenuante contida
no Art. 65, III, d do C.P (Houve confissão espontânea).

        Obs. O fato de Agenor ser pessoa enferma, ao nosso entendimento não foi
levado em consideração pelo juiz pelo fato do crime ter sido praticado na forma
culposa.

        Após recolhidas essas informações pelo juiz competente, acreditamos que o
mesmo partiu para a aplicação de fato da pena, através do sistema trifásico que se
encontra no Art. 68 do C.P e, é o adotado pelo ordenamento jurídico Brasileiro.
1ª FASE: PENA BASE (Na primeira fase o juiz deve ao aplicar a pena base,
deve se atentar para as circunstâncias judiciais do Art. 59 e estipular um “quantum”
de pena proporcional ao caso concreto).

        Neste caso o juiz aplicou a pena base em 3 anos.(De acordo com o nosso
entendimento aqui começa a rigidez do juiz competente, uma vez que todas as
circunstâncias são favoráveis ao réu acreditamos que a pena deveria ser fixado no
mínimo legal respeitando o principio da individualização da pena, da legalidade.
Lembrando tais referências estão baseadas no critério da exasperação da pena).

        2ª FASE: PENA PROVISÓRIA (Neste caso o juiz deve verificar as
circunstâncias atenuantes e agravantes contida no caso concreto, aqui acreditamos
que o mesmo agiu dentro do critério legal ao não levar em consideração a agravante
de enfermidade, uma vez que o crime foi de caráter culposo e aplicou
acertadamente a atenuante referente à confissão espontânea, mas ainda sim o
“quantum” da pena se encontra acima do defendido por nós).

        O juiz aplicou a pena provisória de 2 anos.(Ao nosso ver aqui nesta fase a
pena continuaria no mínimo legal, uma vez que a corrente majoritária e a sumula
615 do STF entende que não se pode levar a pena aquém do limite mínimo legal,
por isso continuaria em 1 ano).

        3ª FASE: PENA DEFINITIVA (Nesta fase o juiz deve considerar as causas
de aumento e de diminuição contidas no caso concreto, neste caso há a do art.70
referente ao concurso de crimes, aumentada de 1/6 a 1/2).

        O juiz definiu a pena do réu em 4 anos em regime semi-aberto, usando a
metade, como critério de aumento.(Nesta fase acreditamos que foi o maior equivoco
do referido juiz, pois os autos não falam sobre outros atributos do réu, neste caso
usa-se o princípio do “in dubio pro réu” e neste caso acreditamos que houve uma
conduta rígida e prejudicial ao réu ao aplicar-se a causa de aumento mais danosa).

        Nesta fase acreditamos que 1/6 era o mais razoável e estipularíamos sua
pena em 1 ano e dois meses em regime aberto.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Recurso em sentido estrito
Recurso em sentido estritoRecurso em sentido estrito
Recurso em sentido estritomikagomes
 
Direito penal iii uneb - crimes contra a honra
Direito penal iii   uneb - crimes contra a honraDireito penal iii   uneb - crimes contra a honra
Direito penal iii uneb - crimes contra a honraUrbano Felix Pugliese
 
O homicídio modalidades continuação
O homicídio   modalidades continuaçãoO homicídio   modalidades continuação
O homicídio modalidades continuaçãoProfPedreira
 
Direito penal ii uneb - causas extintivas de punibilidade
Direito penal ii   uneb - causas extintivas de punibilidadeDireito penal ii   uneb - causas extintivas de punibilidade
Direito penal ii uneb - causas extintivas de punibilidadeUrbano Felix Pugliese
 
Teoria geral da pena apostila
Teoria geral da pena apostilaTeoria geral da pena apostila
Teoria geral da pena apostilaHenrique Araújo
 
Rito do processo comum - Escritório Cristóvão Cavalcanti
Rito do processo comum - Escritório Cristóvão CavalcantiRito do processo comum - Escritório Cristóvão Cavalcanti
Rito do processo comum - Escritório Cristóvão CavalcantiCristovao Cavalcanti
 
ENJ-100 Módulo 1 los principios del proceso y debido proceso de ley - Herrami...
ENJ-100 Módulo 1 los principios del proceso y debido proceso de ley - Herrami...ENJ-100 Módulo 1 los principios del proceso y debido proceso de ley - Herrami...
ENJ-100 Módulo 1 los principios del proceso y debido proceso de ley - Herrami...ENJ
 
Peças de Prática Simulada IV
Peças de Prática Simulada IVPeças de Prática Simulada IV
Peças de Prática Simulada IVnpjfratelli
 
3 constitucionalizacion del proceso penal.pptx
3 constitucionalizacion del proceso penal.pptx3 constitucionalizacion del proceso penal.pptx
3 constitucionalizacion del proceso penal.pptxfrida482601
 

Mais procurados (20)

Recurso em sentido estrito
Recurso em sentido estritoRecurso em sentido estrito
Recurso em sentido estrito
 
Direito penal
Direito penalDireito penal
Direito penal
 
02. memoriais
02. memoriais02. memoriais
02. memoriais
 
Recurso em sentido apresentacao
Recurso em sentido apresentacaoRecurso em sentido apresentacao
Recurso em sentido apresentacao
 
Direito penal ii concurso de crimes
Direito penal ii   concurso de crimesDireito penal ii   concurso de crimes
Direito penal ii concurso de crimes
 
Teoria geral das provas
Teoria geral das provasTeoria geral das provas
Teoria geral das provas
 
Direito penal iii uneb - crimes contra a honra
Direito penal iii   uneb - crimes contra a honraDireito penal iii   uneb - crimes contra a honra
Direito penal iii uneb - crimes contra a honra
 
1087- ALEGAÇÕES FINAIS
1087- ALEGAÇÕES FINAIS1087- ALEGAÇÕES FINAIS
1087- ALEGAÇÕES FINAIS
 
Efeitos da Condenação
Efeitos da CondenaçãoEfeitos da Condenação
Efeitos da Condenação
 
O homicídio modalidades continuação
O homicídio   modalidades continuaçãoO homicídio   modalidades continuação
O homicídio modalidades continuação
 
Direito penal ii uneb - causas extintivas de punibilidade
Direito penal ii   uneb - causas extintivas de punibilidadeDireito penal ii   uneb - causas extintivas de punibilidade
Direito penal ii uneb - causas extintivas de punibilidade
 
Teoria geral da pena apostila
Teoria geral da pena apostilaTeoria geral da pena apostila
Teoria geral da pena apostila
 
Escolas penais
Escolas penaisEscolas penais
Escolas penais
 
Rito do processo comum - Escritório Cristóvão Cavalcanti
Rito do processo comum - Escritório Cristóvão CavalcantiRito do processo comum - Escritório Cristóvão Cavalcanti
Rito do processo comum - Escritório Cristóvão Cavalcanti
 
ENJ-100 Módulo 1 los principios del proceso y debido proceso de ley - Herrami...
ENJ-100 Módulo 1 los principios del proceso y debido proceso de ley - Herrami...ENJ-100 Módulo 1 los principios del proceso y debido proceso de ley - Herrami...
ENJ-100 Módulo 1 los principios del proceso y debido proceso de ley - Herrami...
 
ACUERDOS PLENARIOS II
ACUERDOS PLENARIOS IIACUERDOS PLENARIOS II
ACUERDOS PLENARIOS II
 
Rixa
RixaRixa
Rixa
 
Peças de Prática Simulada IV
Peças de Prática Simulada IVPeças de Prática Simulada IV
Peças de Prática Simulada IV
 
Exceção de coisa julgada
Exceção de coisa julgadaExceção de coisa julgada
Exceção de coisa julgada
 
3 constitucionalizacion del proceso penal.pptx
3 constitucionalizacion del proceso penal.pptx3 constitucionalizacion del proceso penal.pptx
3 constitucionalizacion del proceso penal.pptx
 

Destaque

Destaque (6)

Caso concreto semana 4
Caso concreto   semana 4Caso concreto   semana 4
Caso concreto semana 4
 
Caso concreto aula 8
Caso concreto aula 8Caso concreto aula 8
Caso concreto aula 8
 
Elementares e Circunstâncias em Aplicação da Pena
Elementares e Circunstâncias em Aplicação da PenaElementares e Circunstâncias em Aplicação da Pena
Elementares e Circunstâncias em Aplicação da Pena
 
Aula crime esquema
Aula crime esquemaAula crime esquema
Aula crime esquema
 
Apostila direito processualcivil
Apostila direito processualcivilApostila direito processualcivil
Apostila direito processualcivil
 
Respostas das questões do livro texto
Respostas das questões do livro textoRespostas das questões do livro texto
Respostas das questões do livro texto
 

Semelhante a Caso concreto a ser analisado

D p ii fixação do regime inicial de cumprimento da pena privativa de liberdade
D p  ii  fixação do regime inicial de cumprimento da pena privativa de liberdadeD p  ii  fixação do regime inicial de cumprimento da pena privativa de liberdade
D p ii fixação do regime inicial de cumprimento da pena privativa de liberdadeJames Martins Pereira
 
Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto
Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto
Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto Portal NE10
 
Acor 2266627220098090164 14062018_e7_ea337a4e
Acor 2266627220098090164 14062018_e7_ea337a4eAcor 2266627220098090164 14062018_e7_ea337a4e
Acor 2266627220098090164 14062018_e7_ea337a4eAriel Prado
 
Como localizar as Respostas, Ritos e Peças
Como localizar as Respostas, Ritos e PeçasComo localizar as Respostas, Ritos e Peças
Como localizar as Respostas, Ritos e PeçasLucimar Domingues
 
A quantificao da pena em face das circunstncias
A quantificao da pena em face das  circunstnciasA quantificao da pena em face das  circunstncias
A quantificao da pena em face das circunstnciasYara Souto Maior
 
Crimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filho
Crimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filhoCrimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filho
Crimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filhoAntonio Mendes Dias
 
Crimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filho
Crimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filhoCrimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filho
Crimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filhoSamária Maria
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL ANOTADO-TÉCNICO EM ELETRONICA/AGROPECUÁRI...
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL ANOTADO-TÉCNICO EM ELETRONICA/AGROPECUÁRI...ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL ANOTADO-TÉCNICO EM ELETRONICA/AGROPECUÁRI...
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL ANOTADO-TÉCNICO EM ELETRONICA/AGROPECUÁRI...Antonio Inácio Ferraz
 
antonio inacio ferraz-Agravante e atenuante-técnico em eletronica/agropecuári...
antonio inacio ferraz-Agravante e atenuante-técnico em eletronica/agropecuári...antonio inacio ferraz-Agravante e atenuante-técnico em eletronica/agropecuári...
antonio inacio ferraz-Agravante e atenuante-técnico em eletronica/agropecuári...ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Direito Penal III - UNEB - Prescrição
Direito Penal III - UNEB - PrescriçãoDireito Penal III - UNEB - Prescrição
Direito Penal III - UNEB - PrescriçãoUrbano Felix Pugliese
 
Comp aula05 penal_comp
Comp aula05 penal_compComp aula05 penal_comp
Comp aula05 penal_compJ M
 
Penas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiro
Penas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiroPenas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiro
Penas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiroYara Souto Maior
 
Embargos infringentes
Embargos infringentesEmbargos infringentes
Embargos infringentesDiego Guedes
 

Semelhante a Caso concreto a ser analisado (20)

D p ii fixação do regime inicial de cumprimento da pena privativa de liberdade
D p  ii  fixação do regime inicial de cumprimento da pena privativa de liberdadeD p  ii  fixação do regime inicial de cumprimento da pena privativa de liberdade
D p ii fixação do regime inicial de cumprimento da pena privativa de liberdade
 
Direito Penal III
Direito Penal IIIDireito Penal III
Direito Penal III
 
Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto
Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto
Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto
 
Acor 2266627220098090164 14062018_e7_ea337a4e
Acor 2266627220098090164 14062018_e7_ea337a4eAcor 2266627220098090164 14062018_e7_ea337a4e
Acor 2266627220098090164 14062018_e7_ea337a4e
 
Como localizar as Respostas, Ritos e Peças
Como localizar as Respostas, Ritos e PeçasComo localizar as Respostas, Ritos e Peças
Como localizar as Respostas, Ritos e Peças
 
A quantificao da pena em face das circunstncias
A quantificao da pena em face das  circunstnciasA quantificao da pena em face das  circunstncias
A quantificao da pena em face das circunstncias
 
Crimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filho
Crimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filhoCrimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filho
Crimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filho
 
Crimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filho
Crimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filhoCrimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filho
Crimes hediondos e_equiparados__sergio_bautzer_filho
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL ANOTADO-TÉCNICO EM ELETRONICA/AGROPECUÁRI...
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL ANOTADO-TÉCNICO EM ELETRONICA/AGROPECUÁRI...ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL ANOTADO-TÉCNICO EM ELETRONICA/AGROPECUÁRI...
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL ANOTADO-TÉCNICO EM ELETRONICA/AGROPECUÁRI...
 
antonio inacio ferraz-Agravante e atenuante-técnico em eletronica/agropecuári...
antonio inacio ferraz-Agravante e atenuante-técnico em eletronica/agropecuári...antonio inacio ferraz-Agravante e atenuante-técnico em eletronica/agropecuári...
antonio inacio ferraz-Agravante e atenuante-técnico em eletronica/agropecuári...
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Direito Penal III - UNEB - Prescrição
Direito Penal III - UNEB - PrescriçãoDireito Penal III - UNEB - Prescrição
Direito Penal III - UNEB - Prescrição
 
Comp aula05 penal_comp
Comp aula05 penal_compComp aula05 penal_comp
Comp aula05 penal_comp
 
Penas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiro
Penas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiroPenas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiro
Penas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiro
 
Despacho
DespachoDespacho
Despacho
 
858062
858062858062
858062
 
Embargos infringentes
Embargos infringentesEmbargos infringentes
Embargos infringentes
 
Multa e regime
Multa e regimeMulta e regime
Multa e regime
 

Último

HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 

Último (20)

HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 

Caso concreto a ser analisado

  • 1. CASO CONCRETO A SER ANALISADO Cláudio, manuseando imprudentemente uma arma de fogo, acabou por provocar um disparo que matou seu vizinho Agenor e causou lesão corporal no sobrinho deste, de acordo com os autos todas as circunstancias judiciais estavam a seu favor, ele confessou espontaneamente, mas Agenor era pessoa enferma. Cláudio teve sua pena calculada em 4 anos e cumpriu em regime semi-aberto. Consideramos neste caso a pena calculada fora do limite legal da individualização da pena, uma vez que o réu possui circunstâncias que o beneficiam e o mesmo deveria cumprir a pena em regime aberto de acordo com o art.33,§2º, do C.P, analisaremos passo a passo com observações que buscam respaldar a afirmação de que houve rigidez do juiz competente de tal sentença. Em primeiro lugar consideramos que o juiz verificou a ocorrência de um concurso de crimes: 1º crime: Art. 121,§3º - Homicídio culposo – Pena 1 a 3 anos. 2º crime: Art. 129,§6 –Lesão corporal culposa – Pena 2 meses à 1 ano. O critério adotado neste caso deve ser o da exasperação, ou seja, se pega a pena mais grave e aumenta de 1/6 até 1/2 (Art. 70 do C.P). Neste caso verificasse uma causa de aumento de pena. Em segundo lugar consideramos que o juiz verificou nos autos que todas as circunstâncias judiciais contidas no Art. 59 do C.P, são favoráveis ao réu. Em terceiro lugar consideramos que o juiz considerou a atenuante contida no Art. 65, III, d do C.P (Houve confissão espontânea). Obs. O fato de Agenor ser pessoa enferma, ao nosso entendimento não foi levado em consideração pelo juiz pelo fato do crime ter sido praticado na forma culposa. Após recolhidas essas informações pelo juiz competente, acreditamos que o mesmo partiu para a aplicação de fato da pena, através do sistema trifásico que se encontra no Art. 68 do C.P e, é o adotado pelo ordenamento jurídico Brasileiro.
  • 2. 1ª FASE: PENA BASE (Na primeira fase o juiz deve ao aplicar a pena base, deve se atentar para as circunstâncias judiciais do Art. 59 e estipular um “quantum” de pena proporcional ao caso concreto). Neste caso o juiz aplicou a pena base em 3 anos.(De acordo com o nosso entendimento aqui começa a rigidez do juiz competente, uma vez que todas as circunstâncias são favoráveis ao réu acreditamos que a pena deveria ser fixado no mínimo legal respeitando o principio da individualização da pena, da legalidade. Lembrando tais referências estão baseadas no critério da exasperação da pena). 2ª FASE: PENA PROVISÓRIA (Neste caso o juiz deve verificar as circunstâncias atenuantes e agravantes contida no caso concreto, aqui acreditamos que o mesmo agiu dentro do critério legal ao não levar em consideração a agravante de enfermidade, uma vez que o crime foi de caráter culposo e aplicou acertadamente a atenuante referente à confissão espontânea, mas ainda sim o “quantum” da pena se encontra acima do defendido por nós). O juiz aplicou a pena provisória de 2 anos.(Ao nosso ver aqui nesta fase a pena continuaria no mínimo legal, uma vez que a corrente majoritária e a sumula 615 do STF entende que não se pode levar a pena aquém do limite mínimo legal, por isso continuaria em 1 ano). 3ª FASE: PENA DEFINITIVA (Nesta fase o juiz deve considerar as causas de aumento e de diminuição contidas no caso concreto, neste caso há a do art.70 referente ao concurso de crimes, aumentada de 1/6 a 1/2). O juiz definiu a pena do réu em 4 anos em regime semi-aberto, usando a metade, como critério de aumento.(Nesta fase acreditamos que foi o maior equivoco do referido juiz, pois os autos não falam sobre outros atributos do réu, neste caso usa-se o princípio do “in dubio pro réu” e neste caso acreditamos que houve uma conduta rígida e prejudicial ao réu ao aplicar-se a causa de aumento mais danosa). Nesta fase acreditamos que 1/6 era o mais razoável e estipularíamos sua pena em 1 ano e dois meses em regime aberto.