SlideShare uma empresa Scribd logo
Tecnologias Digitais para a
Sala de Aula
Rosemara Lopes
UFG Regional Jataí
rosemaralopes@gmail.com
Eloi Feitosa
UNESP Campus São José do Rio Preto
eloi@ibilce.unesp.br
Reprodução autorizada
somente mediante
citação de autoria
conforme ABNT ou outra
Página do GTDiF
https://ggtdif.wixsite.com/gtdif
Blog Educação Infantil
http://eduinfantilufgjatai.blogspot.com
Blog Ensino Fundamental (anos iniciais)
http://fundamentalufgjatai.blogspot.com
Produzido por Rosemara Lopes
Estrutura do Minicurso
Módulo 1 - Tecnologias
Módulo 2 – Modos de utilização
Módulo 3 – Potencial pedagógico
Produzido por Rosemara Lopes
MÓDULO 1
1. O que são tecnologias
2. Tecnologias ontem e hoje
Produzido por Rosemara Lopes
Historicamente, os homens se
organizam em torno das tecnologias.
O que é tecnologia?
Tecnologias são ferramentas
criadas pelo homem para
facilitar a sua vida em
sociedade.
(KENSKI, 2005)
Tecnologias são criações humanas
que vão surgindo e se modificando
com o passar das décadas.
As tecnologias mais atuais são as
de base microeletrônica,
computacional e telecomunicações,
chamadas Novas Tecnologias de
Informação e Comunicação (NTIC)
(TEDESCO, 2004)
Novas tecnologias
“Geração touch”
Velhas tecnologias
A Internet elimina fronteiras de
espaço e tempo, favorecendo o
surgimento de novos hábitos,
comportamentos e práticas.
(KENSKI, 1998)
A Internet não é apenas uma ferramenta de
comunicação e de busca, processamento e
transmissão de informações, mas um novo e
complexo espaço global para a ação social,
o aprendizado e a ação educacional.
(COLL; MONEREO, 2010)
Web 1.0 Web 2.0
Web 3.0 Web 4.0
Da web 1.0 à web 4.0
3. Usos do computador na educação
4. Desafios para a integração de
tecnologias à prática pedagógica
MÓDULO 2
Produzido por Rosemara Lopes
Nada poderia ser mais absurdo do
que uma experiência na qual os
computadores são colocados numa
sala de aula onde nada mais é
modificado.
(PAPERT, 1994, p. 133)
Imagine que um cidadão estivesse
dormindo há um século e acordasse agora.
O mundo seria uma grande surpresa para
ele. Aviões, Celulares, Arranha-céus. Ao
entrar numa casa, ele não conseguiria
entender o que é uma televisão. Ou um
computador. Poderia se maravilhar com
uma barra de chocolate. Escandalizar-se
com os biquínis das moças. Perde-se num
shopping center. Mas, quando se deparasse
com uma escola, finalmente teria uma
sensação de tranquilidade. “Ah, isso eu
conheço!”, pensaria, ao ver um professor
com giz na mão à frente de vários alunos e
cadernos abertos. “É igualzinha à escola
que eu frequentei”.
(ÉPOCA, 2007, p. 90)
Tecnologias para ensino ou para a aprendizagem?
Cascão, ensinei o
Floquinho a
assobiar!
Assobia Floquinho!
…
Eu falei que havia
ensinado, NÃO
QUE ELE HAVIA
APLENDIDO!
A escolha de uma tecnologia e o modo de uso da mesma
indica filiação epistemológica:
a) quando o professor decide usá-las para ensinar,
geralmente concebe-as como meio didático, como antes
fazia com o retroprojetor, mantendo o aluno na condição
de alguém que ouve, observa e às vezes interage;
b) quando o professor decide criar e propor situações
práticas nas quais os alunos as utilizem para aprender,
dá ao aluno a oportunidade de ser ativo no processo.
Adaptado de Lopes (2013)
O professor que usa tecnologias para ensinar geralmente o faz
fundamentado na abordagem instrucionista, mantendo o papel
de transmissor do conhecimento.
O professor que ensina com tecnologias segundo a abordagem
construcionista privilegia o aluno e a aprendizagem.
Permite aos alunos usarem tecnologias para aprender,
assumindo o papel de facilitador da aprendizagem, papel que
não diminui a importância do professor no processo educativo,
ao contrário, o coloca em evidência, pois ensinar com
tecnologias nessa perspectiva não é uma tarefa simples
Adaptado de Lopes (2013)
O giz é uma velha tecnologia; velha, mas ainda utilizada;
velha por pertencer à determinada época. No passado,
quando foi criado, era inovação.
O giz não tem função em si mesmo, assim como qualquer
outra tecnologia. Quem atribui função a ele é o usuário, no
caso, o professor.
Giz e lousa podem auxiliar o professor em sala de aula,
porém de modo limitado. Sua contribuição é permitir o
registro do conteúdo de ensino.
Adaptado de Lopes (2013)
Cabe ao professor, que tem uma visão crítica e reflexiva sobre
a sua prática pedagógica, questionar por que continuar
utilizando somente giz e lousa quando dispõe de tantos outros
recursos que há tempos atrás não existiam.
Giz e lousa pressupõem determinada metodologia, cabe
considerar se essa metodologia é a mais adequada para usar
com alunos da geração digital.
Manter o “paradigma giz e lousa” apenas porque faz parte da
trajetória escolar do professor (foi ensinado com eles, por isso
utiliza-os para ensinar) é retirar dos alunos a possibilidade de
aprender por outros meios.
Adaptado de Lopes (2013)
PowerPoint é simples, mas pouco eficaz, do ponto de
vista de seu potencial para a aprendizagem, quando
utilizado somente pelo professor para aula expositiva.
Softwares do tipo tutoriais, que apenas testam
conhecimentos, não propiciam a construção dos mesmos
pelo aluno.
A Internet pode ser usada somente para busca e seleção
de material ou fonte de informação.
Adaptado de Lopes (2013)
Tecnologias interativas, quando usadas na perspectiva
da construção do conhecimento pelo aluno, podem
propiciar situações de aprendizagem que, de outro
modo, não se teria.
Apesar de suas limitações, as tecnologias expositivas
podem representar um ganho, quando comparadas à
aula em que o professor se limita a reproduzir o
conteúdo do livro didático, oralmente ou na lousa, para
os alunos copiarem de modo mecânico.
Adaptado de Lopes (2013)
Mantenha o foco no papel das
tecnologias
Tecnologia não é recreação.
Não faça da sala de Informática o parquinho da
escola.
O uso pedagógico das tecnologias atuais requer
competência, dedicação e, acima de tudo,
compromisso com a aprendizagem do aluno e sua
formação para a vida na sociedade contemporânea.
Falta de formação
(SHULMAN, 1986)
Falta de apoio da gestão
Por que ensinar com tecnologia, se tanto faz ensinar com ou sem ela?
Ambiente institucional (cultura)
(MARCOLLA, 2004, 2008)
Concepções da comunidade escolar
(CHAIB, 2002; VALENTE, 1993)
3. Tecnologias da Web 2.0
4. Softwares educacionais
MÓDULO 3
Produzido por Rosemara Lopes
WebQuest é...
Com a palavra, o participante!
Web = rede mundial, Internet
Quest = investigação, busca
Pesquisa orientada
Investigação orientada, em que
algumas ou todas as informações
com as quais os aprendizes
interagem são provenientes da
Internet.
Teorias cognitivistas
Não há um manual, um guia a
seguir, cada pessoa tem sua
maneira de fazer uma
WebQuest, entretanto, ela tem
uma estrutura própria.
Em uma WQ nunca diremos aos alunos e às
alunas: “Procure com o Google...”.
Primeiramente buscamos, encontramos e
selecionamos as páginas onde queremos
que nossos alunos obtenham as
informações.
Assim, garantimos que encontrem o que
buscam, sabendo que o conteúdo será lido,
já que uma WQ é uma busca guiada.
Cinco regras (ou princípios) são apontadas
por Dodge como aquelas que colaboram para
criar uma WQ qualitativamente superior (“a
great WebQuest”).
- Encontrar bons sítios
- Organizar bem tanto os recursos, como os alunos
- Desafiar os alunos a pensar
- Usar o meio (Web)
-  Construir um “andaime” que permita alcançar altas
expectativas
http://emav.webnode.com.br/nossosprojetos/
O blog foi a ferramenta impulsionadora para introduzir o
sentimento de colaboração, partilha e entreajuda nos alunos,
quer entre os pares do grupo, quer entre os grupos e destes
com a professora.
Permitiu ainda cativar os alunos para o uso das TIC, em geral,
e das TIC na educação, em particular.
(PATRÍCIO, 2009, p. 115)
Frações Força
Empuxo Gráfico de reta
Pêndulo Colisão
Circuito elétrico Projétil
Super Logo 3.0
http://www.nied.unicamp.br/?q=content/super-logo-30
Scratch
http://www.scratchbrasil.net.br
BBC Schools
04 a 11 anos de idade
http://www.bbc.co.uk/schools/websites/4_11/
Primary
http://www.bbc.co.uk/schools/0/25119208
Banco Internacional de Objetos Educacionais (BIOE)
Por etapa escolar (Infantil, Fundamental e Médio)
http://objetoseducacionais2.mec.gov.br
Portal Domínio Público
http://www.dominiopublico.gov.br/
Rede Internacional Virtual de Educação (RIVED)
http://rived.mec.gov.br/site_objeto_lis.php
1. Celular (uso de aplicativos on-line e off-line)
2. Redes sociais (Internet)
3. Plataformas virtuais (Internet)
Edmodo
https://www.edmodo.com/?language=pt-br
É preciso repensar o
espaço e o tempo
da escola.
ABAR, C. A. A. P.; BARBOSA, L. M. WebQuest: um desafio para o professor! São Paulo:
Avercamp, 2008.
BARATO, J. N. A alma das webquests. In: BARBA, C.; CAPELLA, S. (Orgs.). Computadores
em sala de aula: métodos e usos. Porto Alegre: Penso, 2012, p. 103-116.
CHAIB, M. Frankstein na sala de aula: as representações sociais docentes sobre
informática. Nuances, n. 8, p.47-64, set. 2002.
COLL, C.; MONEREO, C. Psicologia da educação virtual: aprender e ensinar com as
tecnologias da informação e da comunicação. Porto Alegre: Armed, 2010.
DODGE, B. Prefácio. In: BARBA, C.; CAPELLA, S. (Orgs.). Computadores em sala de aula:
métodos e usos. Porto Alegre: Penso, 2012, p. 11-13.
KENSKI, V. M. As tecnologias invadem nosso cotidiano. In: ALMEIDA, M. E. B.; MORAN, J.
M (Orgs.). Integração das tecnologias na educação. Brasília: Ministério da Educação/SEED,
2005, p. 92-94.
KENSKI, V. M. Novas tecnologias - o redimensionamento do espaço e do tempo e os
impactos no trabalho docente. Revista Brasileira de Educação, n. 8, p. 58-71, mai./jun./jul./
ago. 1998.
LOPES, R. P. Ensino de Matemática com tecnologias digitais: questões colocadas por
alunos de Licenciatura em Matemática. Slideshare. 2013. Disponível em:
http://pt.slideshare.net/rosemaralopes_sjrp/ensino-de-matemtica-com-tecnologias-
digitais-17210384. Acessado em: 28 mar. 2014.
Referências
MARCOLLA, V. A inserção das tecnologias de informação e comunicação no espaço de formação
docente na Universidade Federal de Pelotas. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação)
Faculdade de Educação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, 2004.
MARCOLLA, V. Como professores e alunos percebem as tecnologias de informação e
comunicação nos cursos de licenciatura. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE
PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 31, 2008, Caxambu. Anais... Caxambu:
ANPEd, 2008, p. 1-13.
MUÑOZ, I. B. Las WebQuests en el Espacio Europeo de Educación Superior (EEES): desarrollo e
evaluación de competencias con Tecnologías de la Información y la Comunicación (TICs) en la
universidad. 2008. Tese (Doutorado) Universitat Jaume I, Facultat de Ciènces Humanes i Socials,
Castelló de la Plana, 2008.
PAPERT, S. A máquina das crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre:
Artes Médicas, 1994.
PATRÍCIO, M. R. V. Tecnologias Web 2.0 na formação inicial de professores. 2009. 162 f.
Dissertação (Mestrado em Multimédia) Universidade do Porto, Portugal, 2009.
SHULMAN, L. S. Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher,
v. 15, n. 2, p. 4-14, 1986.
TEDESCO, J. C. (Org.). Educação e novas tecnologias. São Paulo: Cortez; Buenos Aires: Instituto
Internacional de Planejamento de la Educación; Brasília: UNESCO, 2004.
VALENTE, J. A. (Org.). Computadores e conhecimento: repensando a educação. Campinas:
UNICAMP, 1993.
VALENTE, J. A. (Org.). O computador na sociedade do conhecimento. Campinas: UNICAMP, 1999.
Referências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Educação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slidesEducação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slides
Ines Chaves Preza Freitas
 
slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...
slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...
slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...
Instituto Consciência GO
 
as tecnologias digitais de informação e comunicação
  as tecnologias digitais de informação e comunicação  as tecnologias digitais de informação e comunicação
as tecnologias digitais de informação e comunicação
nayanepedagoga
 
Tecnologias na sala de aula
Tecnologias na sala de aulaTecnologias na sala de aula
Tecnologias na sala de aula
Naira Delazari
 
Tecnologia aplicada a educaçao
Tecnologia aplicada a educaçaoTecnologia aplicada a educaçao
Tecnologia aplicada a educaçao
Claudinéia da Silva
 
Tics na Educação
Tics na EducaçãoTics na Educação
Tics na Educação
Joemille Leal
 
O conceito e a importância da cultura digital
O conceito e a importância da cultura digitalO conceito e a importância da cultura digital
O conceito e a importância da cultura digital
Aline Corso
 
Tecnologia na Educação
Tecnologia na EducaçãoTecnologia na Educação
Tecnologia na Educação
Norton Guimarães
 
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao finalAula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Gilberto Campos
 
Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01
pensamentocomputacional
 
Uso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educaçãoUso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educação
Patty Santana
 
Cultura Digital
Cultura DigitalCultura Digital
Cultura Digital
Gustavo Fischer
 
Tecnologias digitais na educação
Tecnologias digitais na educaçãoTecnologias digitais na educação
Tecnologias digitais na educação
Marciarpmarassatti
 
Tecnologia
Tecnologia Tecnologia
Tecnologia
Alessandra Martins
 
Fundamentos Tecnologia Educacional
Fundamentos  Tecnologia EducacionalFundamentos  Tecnologia Educacional
Fundamentos Tecnologia Educacional
Simone Torres
 
Slides Tecnologia
Slides TecnologiaSlides Tecnologia
Slides Tecnologia
Ju e Sandra
 
Uso das novas tecnologias da informação e comunicação na educação
Uso das novas tecnologias da informação e comunicação na educaçãoUso das novas tecnologias da informação e comunicação na educação
Uso das novas tecnologias da informação e comunicação na educação
leandrotravassos
 
TIC e Educação
TIC e EducaçãoTIC e Educação
TIC e Educação
Rita Brito
 
Metodologias Ativas e Tecnologias Educacionais
Metodologias Ativas e Tecnologias EducacionaisMetodologias Ativas e Tecnologias Educacionais
Metodologias Ativas e Tecnologias Educacionais
Vanessa Nogueira
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas

Mais procurados (20)

Educação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slidesEducação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slides
 
slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...
slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...
slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...
 
as tecnologias digitais de informação e comunicação
  as tecnologias digitais de informação e comunicação  as tecnologias digitais de informação e comunicação
as tecnologias digitais de informação e comunicação
 
Tecnologias na sala de aula
Tecnologias na sala de aulaTecnologias na sala de aula
Tecnologias na sala de aula
 
Tecnologia aplicada a educaçao
Tecnologia aplicada a educaçaoTecnologia aplicada a educaçao
Tecnologia aplicada a educaçao
 
Tics na Educação
Tics na EducaçãoTics na Educação
Tics na Educação
 
O conceito e a importância da cultura digital
O conceito e a importância da cultura digitalO conceito e a importância da cultura digital
O conceito e a importância da cultura digital
 
Tecnologia na Educação
Tecnologia na EducaçãoTecnologia na Educação
Tecnologia na Educação
 
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao finalAula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
 
Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01
 
Uso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educaçãoUso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educação
 
Cultura Digital
Cultura DigitalCultura Digital
Cultura Digital
 
Tecnologias digitais na educação
Tecnologias digitais na educaçãoTecnologias digitais na educação
Tecnologias digitais na educação
 
Tecnologia
Tecnologia Tecnologia
Tecnologia
 
Fundamentos Tecnologia Educacional
Fundamentos  Tecnologia EducacionalFundamentos  Tecnologia Educacional
Fundamentos Tecnologia Educacional
 
Slides Tecnologia
Slides TecnologiaSlides Tecnologia
Slides Tecnologia
 
Uso das novas tecnologias da informação e comunicação na educação
Uso das novas tecnologias da informação e comunicação na educaçãoUso das novas tecnologias da informação e comunicação na educação
Uso das novas tecnologias da informação e comunicação na educação
 
TIC e Educação
TIC e EducaçãoTIC e Educação
TIC e Educação
 
Metodologias Ativas e Tecnologias Educacionais
Metodologias Ativas e Tecnologias EducacionaisMetodologias Ativas e Tecnologias Educacionais
Metodologias Ativas e Tecnologias Educacionais
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 

Semelhante a Tecnologias digitais para a sala de aula: introdução ao tema

Puc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprender
Puc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprenderPuc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprender
Puc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprender
Gisele Boucherville
 
Ict forum brazil_2011
Ict forum brazil_2011Ict forum brazil_2011
Ict forum brazil_2011
Thais Barros
 
Ict forum brazil_2011
Ict forum brazil_2011Ict forum brazil_2011
Ict forum brazil_2011
Thais Barros
 
TICs na Educação
TICs na EducaçãoTICs na Educação
TICs na Educação
ictforumproideal
 
Tecnologias Digitais para a Sala de Aula
Tecnologias Digitais para a Sala de AulaTecnologias Digitais para a Sala de Aula
Tecnologias Digitais para a Sala de Aula
rosemaralopes
 
Santana do Livramento - Maribel Pires da Rosa
Santana do Livramento - Maribel Pires da RosaSantana do Livramento - Maribel Pires da Rosa
Santana do Livramento - Maribel Pires da Rosa
CursoTICs
 
Uso Da Tecnologias Em Sala De Aula
Uso Da Tecnologias Em Sala De AulaUso Da Tecnologias Em Sala De Aula
Uso Da Tecnologias Em Sala De Aula
andre alcantara
 
Rio Info 2015 - Cidades Inteligentes e os Modelos Inovadores de Aprendizagem ...
Rio Info 2015 - Cidades Inteligentes e os Modelos Inovadores de Aprendizagem ...Rio Info 2015 - Cidades Inteligentes e os Modelos Inovadores de Aprendizagem ...
Rio Info 2015 - Cidades Inteligentes e os Modelos Inovadores de Aprendizagem ...
Rio Info
 
Portifolio Digital Aniele
Portifolio Digital AnielePortifolio Digital Aniele
Portifolio Digital Aniele
Aniele Pedroso Ferreira
 
L I E 2010
L I E 2010L I E 2010
L I E 2010
Washington Rocha
 
Restinga Sêca - Ieda Romana Altermann Prodorutti
Restinga Sêca - Ieda Romana Altermann ProdoruttiRestinga Sêca - Ieda Romana Altermann Prodorutti
Restinga Sêca - Ieda Romana Altermann Prodorutti
CursoTICs
 
Apresentação Maritza
Apresentação Maritza Apresentação Maritza
Apresentação Maritza
jorgellss
 
Tripé da educação tecnologia, civilidade e diálogo
Tripé da educação   tecnologia, civilidade e diálogoTripé da educação   tecnologia, civilidade e diálogo
Tripé da educação tecnologia, civilidade e diálogo
David Crabbe Teixeira
 
Slide da pesquisa de campo
Slide da pesquisa de campoSlide da pesquisa de campo
Slide da pesquisa de campo
Thais Emanuela
 
Restinga Sêca - Naila Cohen Pomnitz
Restinga Sêca - Naila Cohen PomnitzRestinga Sêca - Naila Cohen Pomnitz
Restinga Sêca - Naila Cohen Pomnitz
CursoTICs
 
Práticas didático-pedagógicas no período de pós-pandemia e a formação de prof...
Práticas didático-pedagógicas no período de pós-pandemia e a formação de prof...Práticas didático-pedagógicas no período de pós-pandemia e a formação de prof...
Práticas didático-pedagógicas no período de pós-pandemia e a formação de prof...
Mariano Pimentel
 
Apresentação ava.revisado
Apresentação ava.revisadoApresentação ava.revisado
Apresentação ava.revisado
Guilmer Brito
 
Artigo 11º Fórum Internacional de Softwares Livres
Artigo 11º Fórum Internacional de Softwares LivresArtigo 11º Fórum Internacional de Softwares Livres
Artigo 11º Fórum Internacional de Softwares Livres
Jomari
 
Portfolio de curso adão
Portfolio de curso  adãoPortfolio de curso  adão
Portfolio de curso adão
adao1
 
Portfolio de curso adão
Portfolio de curso  adãoPortfolio de curso  adão
Portfolio de curso adão
adao1
 

Semelhante a Tecnologias digitais para a sala de aula: introdução ao tema (20)

Puc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprender
Puc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprenderPuc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprender
Puc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprender
 
Ict forum brazil_2011
Ict forum brazil_2011Ict forum brazil_2011
Ict forum brazil_2011
 
Ict forum brazil_2011
Ict forum brazil_2011Ict forum brazil_2011
Ict forum brazil_2011
 
TICs na Educação
TICs na EducaçãoTICs na Educação
TICs na Educação
 
Tecnologias Digitais para a Sala de Aula
Tecnologias Digitais para a Sala de AulaTecnologias Digitais para a Sala de Aula
Tecnologias Digitais para a Sala de Aula
 
Santana do Livramento - Maribel Pires da Rosa
Santana do Livramento - Maribel Pires da RosaSantana do Livramento - Maribel Pires da Rosa
Santana do Livramento - Maribel Pires da Rosa
 
Uso Da Tecnologias Em Sala De Aula
Uso Da Tecnologias Em Sala De AulaUso Da Tecnologias Em Sala De Aula
Uso Da Tecnologias Em Sala De Aula
 
Rio Info 2015 - Cidades Inteligentes e os Modelos Inovadores de Aprendizagem ...
Rio Info 2015 - Cidades Inteligentes e os Modelos Inovadores de Aprendizagem ...Rio Info 2015 - Cidades Inteligentes e os Modelos Inovadores de Aprendizagem ...
Rio Info 2015 - Cidades Inteligentes e os Modelos Inovadores de Aprendizagem ...
 
Portifolio Digital Aniele
Portifolio Digital AnielePortifolio Digital Aniele
Portifolio Digital Aniele
 
L I E 2010
L I E 2010L I E 2010
L I E 2010
 
Restinga Sêca - Ieda Romana Altermann Prodorutti
Restinga Sêca - Ieda Romana Altermann ProdoruttiRestinga Sêca - Ieda Romana Altermann Prodorutti
Restinga Sêca - Ieda Romana Altermann Prodorutti
 
Apresentação Maritza
Apresentação Maritza Apresentação Maritza
Apresentação Maritza
 
Tripé da educação tecnologia, civilidade e diálogo
Tripé da educação   tecnologia, civilidade e diálogoTripé da educação   tecnologia, civilidade e diálogo
Tripé da educação tecnologia, civilidade e diálogo
 
Slide da pesquisa de campo
Slide da pesquisa de campoSlide da pesquisa de campo
Slide da pesquisa de campo
 
Restinga Sêca - Naila Cohen Pomnitz
Restinga Sêca - Naila Cohen PomnitzRestinga Sêca - Naila Cohen Pomnitz
Restinga Sêca - Naila Cohen Pomnitz
 
Práticas didático-pedagógicas no período de pós-pandemia e a formação de prof...
Práticas didático-pedagógicas no período de pós-pandemia e a formação de prof...Práticas didático-pedagógicas no período de pós-pandemia e a formação de prof...
Práticas didático-pedagógicas no período de pós-pandemia e a formação de prof...
 
Apresentação ava.revisado
Apresentação ava.revisadoApresentação ava.revisado
Apresentação ava.revisado
 
Artigo 11º Fórum Internacional de Softwares Livres
Artigo 11º Fórum Internacional de Softwares LivresArtigo 11º Fórum Internacional de Softwares Livres
Artigo 11º Fórum Internacional de Softwares Livres
 
Portfolio de curso adão
Portfolio de curso  adãoPortfolio de curso  adão
Portfolio de curso adão
 
Portfolio de curso adão
Portfolio de curso  adãoPortfolio de curso  adão
Portfolio de curso adão
 

Mais de rosemaralopes

Uso de imagem, voz e direitos autorais no ensino remoto emergencial
Uso de imagem, voz e direitos autorais no ensino remoto emergencialUso de imagem, voz e direitos autorais no ensino remoto emergencial
Uso de imagem, voz e direitos autorais no ensino remoto emergencial
rosemaralopes
 
Perguntas e Respostas sobre Ensino Híbrido
Perguntas e Respostas sobre Ensino HíbridoPerguntas e Respostas sobre Ensino Híbrido
Perguntas e Respostas sobre Ensino Híbrido
rosemaralopes
 
Aula remota e aula presencial
Aula remota e aula presencialAula remota e aula presencial
Aula remota e aula presencial
rosemaralopes
 
Blended Learning by Lopes and Borges
Blended Learning by Lopes and BorgesBlended Learning by Lopes and Borges
Blended Learning by Lopes and Borges
rosemaralopes
 
Competências digitais dos professores
Competências digitais dos professoresCompetências digitais dos professores
Competências digitais dos professores
rosemaralopes
 
Introdução ao Ensino em Ambiente Virtual
Introdução ao Ensino em Ambiente VirtualIntrodução ao Ensino em Ambiente Virtual
Introdução ao Ensino em Ambiente Virtual
rosemaralopes
 
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
rosemaralopes
 
Currículo e Prática Pedagógica no Contexto das Deliberações CEE 111/2012 e 12...
Currículo e Prática Pedagógica no Contexto das Deliberações CEE 111/2012 e 12...Currículo e Prática Pedagógica no Contexto das Deliberações CEE 111/2012 e 12...
Currículo e Prática Pedagógica no Contexto das Deliberações CEE 111/2012 e 12...
rosemaralopes
 
O PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICA
O PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICAO PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICA
O PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICA
rosemaralopes
 
Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...
Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...
Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...
rosemaralopes
 
Possibilidades e Dificuldades de Integração das TDIC à Prática Pedagógica do ...
Possibilidades e Dificuldades de Integração das TDIC à Prática Pedagógica do ...Possibilidades e Dificuldades de Integração das TDIC à Prática Pedagógica do ...
Possibilidades e Dificuldades de Integração das TDIC à Prática Pedagógica do ...
rosemaralopes
 
Aprendizagem matemática mediada por tecnologias
Aprendizagem matemática mediada por tecnologiasAprendizagem matemática mediada por tecnologias
Aprendizagem matemática mediada por tecnologias
rosemaralopes
 
Formação de professores para uso de tecnologias como o software GeoGebra
Formação de professores para uso de tecnologias como o software GeoGebraFormação de professores para uso de tecnologias como o software GeoGebra
Formação de professores para uso de tecnologias como o software GeoGebra
rosemaralopes
 

Mais de rosemaralopes (13)

Uso de imagem, voz e direitos autorais no ensino remoto emergencial
Uso de imagem, voz e direitos autorais no ensino remoto emergencialUso de imagem, voz e direitos autorais no ensino remoto emergencial
Uso de imagem, voz e direitos autorais no ensino remoto emergencial
 
Perguntas e Respostas sobre Ensino Híbrido
Perguntas e Respostas sobre Ensino HíbridoPerguntas e Respostas sobre Ensino Híbrido
Perguntas e Respostas sobre Ensino Híbrido
 
Aula remota e aula presencial
Aula remota e aula presencialAula remota e aula presencial
Aula remota e aula presencial
 
Blended Learning by Lopes and Borges
Blended Learning by Lopes and BorgesBlended Learning by Lopes and Borges
Blended Learning by Lopes and Borges
 
Competências digitais dos professores
Competências digitais dos professoresCompetências digitais dos professores
Competências digitais dos professores
 
Introdução ao Ensino em Ambiente Virtual
Introdução ao Ensino em Ambiente VirtualIntrodução ao Ensino em Ambiente Virtual
Introdução ao Ensino em Ambiente Virtual
 
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
 
Currículo e Prática Pedagógica no Contexto das Deliberações CEE 111/2012 e 12...
Currículo e Prática Pedagógica no Contexto das Deliberações CEE 111/2012 e 12...Currículo e Prática Pedagógica no Contexto das Deliberações CEE 111/2012 e 12...
Currículo e Prática Pedagógica no Contexto das Deliberações CEE 111/2012 e 12...
 
O PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICA
O PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICAO PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICA
O PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICA
 
Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...
Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...
Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...
 
Possibilidades e Dificuldades de Integração das TDIC à Prática Pedagógica do ...
Possibilidades e Dificuldades de Integração das TDIC à Prática Pedagógica do ...Possibilidades e Dificuldades de Integração das TDIC à Prática Pedagógica do ...
Possibilidades e Dificuldades de Integração das TDIC à Prática Pedagógica do ...
 
Aprendizagem matemática mediada por tecnologias
Aprendizagem matemática mediada por tecnologiasAprendizagem matemática mediada por tecnologias
Aprendizagem matemática mediada por tecnologias
 
Formação de professores para uso de tecnologias como o software GeoGebra
Formação de professores para uso de tecnologias como o software GeoGebraFormação de professores para uso de tecnologias como o software GeoGebra
Formação de professores para uso de tecnologias como o software GeoGebra
 

Último

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 

Último (20)

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 

Tecnologias digitais para a sala de aula: introdução ao tema

  • 1. Tecnologias Digitais para a Sala de Aula Rosemara Lopes UFG Regional Jataí rosemaralopes@gmail.com Eloi Feitosa UNESP Campus São José do Rio Preto eloi@ibilce.unesp.br Reprodução autorizada somente mediante citação de autoria conforme ABNT ou outra
  • 2. Página do GTDiF https://ggtdif.wixsite.com/gtdif Blog Educação Infantil http://eduinfantilufgjatai.blogspot.com Blog Ensino Fundamental (anos iniciais) http://fundamentalufgjatai.blogspot.com Produzido por Rosemara Lopes
  • 3. Estrutura do Minicurso Módulo 1 - Tecnologias Módulo 2 – Modos de utilização Módulo 3 – Potencial pedagógico Produzido por Rosemara Lopes
  • 4. MÓDULO 1 1. O que são tecnologias 2. Tecnologias ontem e hoje Produzido por Rosemara Lopes
  • 5. Historicamente, os homens se organizam em torno das tecnologias.
  • 6. O que é tecnologia?
  • 7. Tecnologias são ferramentas criadas pelo homem para facilitar a sua vida em sociedade. (KENSKI, 2005)
  • 8. Tecnologias são criações humanas que vão surgindo e se modificando com o passar das décadas.
  • 9.
  • 10. As tecnologias mais atuais são as de base microeletrônica, computacional e telecomunicações, chamadas Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTIC) (TEDESCO, 2004)
  • 13. A Internet elimina fronteiras de espaço e tempo, favorecendo o surgimento de novos hábitos, comportamentos e práticas. (KENSKI, 1998)
  • 14. A Internet não é apenas uma ferramenta de comunicação e de busca, processamento e transmissão de informações, mas um novo e complexo espaço global para a ação social, o aprendizado e a ação educacional. (COLL; MONEREO, 2010)
  • 15. Web 1.0 Web 2.0 Web 3.0 Web 4.0 Da web 1.0 à web 4.0
  • 16.
  • 17. 3. Usos do computador na educação 4. Desafios para a integração de tecnologias à prática pedagógica MÓDULO 2 Produzido por Rosemara Lopes
  • 18. Nada poderia ser mais absurdo do que uma experiência na qual os computadores são colocados numa sala de aula onde nada mais é modificado. (PAPERT, 1994, p. 133)
  • 19. Imagine que um cidadão estivesse dormindo há um século e acordasse agora. O mundo seria uma grande surpresa para ele. Aviões, Celulares, Arranha-céus. Ao entrar numa casa, ele não conseguiria entender o que é uma televisão. Ou um computador. Poderia se maravilhar com uma barra de chocolate. Escandalizar-se com os biquínis das moças. Perde-se num shopping center. Mas, quando se deparasse com uma escola, finalmente teria uma sensação de tranquilidade. “Ah, isso eu conheço!”, pensaria, ao ver um professor com giz na mão à frente de vários alunos e cadernos abertos. “É igualzinha à escola que eu frequentei”. (ÉPOCA, 2007, p. 90)
  • 20. Tecnologias para ensino ou para a aprendizagem? Cascão, ensinei o Floquinho a assobiar! Assobia Floquinho! … Eu falei que havia ensinado, NÃO QUE ELE HAVIA APLENDIDO!
  • 21. A escolha de uma tecnologia e o modo de uso da mesma indica filiação epistemológica: a) quando o professor decide usá-las para ensinar, geralmente concebe-as como meio didático, como antes fazia com o retroprojetor, mantendo o aluno na condição de alguém que ouve, observa e às vezes interage; b) quando o professor decide criar e propor situações práticas nas quais os alunos as utilizem para aprender, dá ao aluno a oportunidade de ser ativo no processo. Adaptado de Lopes (2013)
  • 22. O professor que usa tecnologias para ensinar geralmente o faz fundamentado na abordagem instrucionista, mantendo o papel de transmissor do conhecimento. O professor que ensina com tecnologias segundo a abordagem construcionista privilegia o aluno e a aprendizagem. Permite aos alunos usarem tecnologias para aprender, assumindo o papel de facilitador da aprendizagem, papel que não diminui a importância do professor no processo educativo, ao contrário, o coloca em evidência, pois ensinar com tecnologias nessa perspectiva não é uma tarefa simples Adaptado de Lopes (2013)
  • 23. O giz é uma velha tecnologia; velha, mas ainda utilizada; velha por pertencer à determinada época. No passado, quando foi criado, era inovação. O giz não tem função em si mesmo, assim como qualquer outra tecnologia. Quem atribui função a ele é o usuário, no caso, o professor. Giz e lousa podem auxiliar o professor em sala de aula, porém de modo limitado. Sua contribuição é permitir o registro do conteúdo de ensino. Adaptado de Lopes (2013)
  • 24. Cabe ao professor, que tem uma visão crítica e reflexiva sobre a sua prática pedagógica, questionar por que continuar utilizando somente giz e lousa quando dispõe de tantos outros recursos que há tempos atrás não existiam. Giz e lousa pressupõem determinada metodologia, cabe considerar se essa metodologia é a mais adequada para usar com alunos da geração digital. Manter o “paradigma giz e lousa” apenas porque faz parte da trajetória escolar do professor (foi ensinado com eles, por isso utiliza-os para ensinar) é retirar dos alunos a possibilidade de aprender por outros meios. Adaptado de Lopes (2013)
  • 25. PowerPoint é simples, mas pouco eficaz, do ponto de vista de seu potencial para a aprendizagem, quando utilizado somente pelo professor para aula expositiva. Softwares do tipo tutoriais, que apenas testam conhecimentos, não propiciam a construção dos mesmos pelo aluno. A Internet pode ser usada somente para busca e seleção de material ou fonte de informação. Adaptado de Lopes (2013)
  • 26. Tecnologias interativas, quando usadas na perspectiva da construção do conhecimento pelo aluno, podem propiciar situações de aprendizagem que, de outro modo, não se teria. Apesar de suas limitações, as tecnologias expositivas podem representar um ganho, quando comparadas à aula em que o professor se limita a reproduzir o conteúdo do livro didático, oralmente ou na lousa, para os alunos copiarem de modo mecânico. Adaptado de Lopes (2013)
  • 27.
  • 28. Mantenha o foco no papel das tecnologias Tecnologia não é recreação. Não faça da sala de Informática o parquinho da escola. O uso pedagógico das tecnologias atuais requer competência, dedicação e, acima de tudo, compromisso com a aprendizagem do aluno e sua formação para a vida na sociedade contemporânea.
  • 29.
  • 30. Falta de formação (SHULMAN, 1986) Falta de apoio da gestão Por que ensinar com tecnologia, se tanto faz ensinar com ou sem ela? Ambiente institucional (cultura) (MARCOLLA, 2004, 2008) Concepções da comunidade escolar (CHAIB, 2002; VALENTE, 1993)
  • 31. 3. Tecnologias da Web 2.0 4. Softwares educacionais MÓDULO 3 Produzido por Rosemara Lopes
  • 32. WebQuest é... Com a palavra, o participante!
  • 33. Web = rede mundial, Internet Quest = investigação, busca
  • 35. Investigação orientada, em que algumas ou todas as informações com as quais os aprendizes interagem são provenientes da Internet.
  • 36.
  • 38.
  • 39. Não há um manual, um guia a seguir, cada pessoa tem sua maneira de fazer uma WebQuest, entretanto, ela tem uma estrutura própria.
  • 40.
  • 41. Em uma WQ nunca diremos aos alunos e às alunas: “Procure com o Google...”. Primeiramente buscamos, encontramos e selecionamos as páginas onde queremos que nossos alunos obtenham as informações. Assim, garantimos que encontrem o que buscam, sabendo que o conteúdo será lido, já que uma WQ é uma busca guiada.
  • 42. Cinco regras (ou princípios) são apontadas por Dodge como aquelas que colaboram para criar uma WQ qualitativamente superior (“a great WebQuest”). - Encontrar bons sítios - Organizar bem tanto os recursos, como os alunos - Desafiar os alunos a pensar - Usar o meio (Web) -  Construir um “andaime” que permita alcançar altas expectativas
  • 43.
  • 45. O blog foi a ferramenta impulsionadora para introduzir o sentimento de colaboração, partilha e entreajuda nos alunos, quer entre os pares do grupo, quer entre os grupos e destes com a professora. Permitiu ainda cativar os alunos para o uso das TIC, em geral, e das TIC na educação, em particular. (PATRÍCIO, 2009, p. 115)
  • 46.
  • 47.
  • 50. Super Logo 3.0 http://www.nied.unicamp.br/?q=content/super-logo-30 Scratch http://www.scratchbrasil.net.br BBC Schools 04 a 11 anos de idade http://www.bbc.co.uk/schools/websites/4_11/ Primary http://www.bbc.co.uk/schools/0/25119208
  • 51. Banco Internacional de Objetos Educacionais (BIOE) Por etapa escolar (Infantil, Fundamental e Médio) http://objetoseducacionais2.mec.gov.br Portal Domínio Público http://www.dominiopublico.gov.br/ Rede Internacional Virtual de Educação (RIVED) http://rived.mec.gov.br/site_objeto_lis.php
  • 52. 1. Celular (uso de aplicativos on-line e off-line) 2. Redes sociais (Internet) 3. Plataformas virtuais (Internet) Edmodo https://www.edmodo.com/?language=pt-br
  • 53. É preciso repensar o espaço e o tempo da escola.
  • 54.
  • 55. ABAR, C. A. A. P.; BARBOSA, L. M. WebQuest: um desafio para o professor! São Paulo: Avercamp, 2008. BARATO, J. N. A alma das webquests. In: BARBA, C.; CAPELLA, S. (Orgs.). Computadores em sala de aula: métodos e usos. Porto Alegre: Penso, 2012, p. 103-116. CHAIB, M. Frankstein na sala de aula: as representações sociais docentes sobre informática. Nuances, n. 8, p.47-64, set. 2002. COLL, C.; MONEREO, C. Psicologia da educação virtual: aprender e ensinar com as tecnologias da informação e da comunicação. Porto Alegre: Armed, 2010. DODGE, B. Prefácio. In: BARBA, C.; CAPELLA, S. (Orgs.). Computadores em sala de aula: métodos e usos. Porto Alegre: Penso, 2012, p. 11-13. KENSKI, V. M. As tecnologias invadem nosso cotidiano. In: ALMEIDA, M. E. B.; MORAN, J. M (Orgs.). Integração das tecnologias na educação. Brasília: Ministério da Educação/SEED, 2005, p. 92-94. KENSKI, V. M. Novas tecnologias - o redimensionamento do espaço e do tempo e os impactos no trabalho docente. Revista Brasileira de Educação, n. 8, p. 58-71, mai./jun./jul./ ago. 1998. LOPES, R. P. Ensino de Matemática com tecnologias digitais: questões colocadas por alunos de Licenciatura em Matemática. Slideshare. 2013. Disponível em: http://pt.slideshare.net/rosemaralopes_sjrp/ensino-de-matemtica-com-tecnologias- digitais-17210384. Acessado em: 28 mar. 2014. Referências
  • 56. MARCOLLA, V. A inserção das tecnologias de informação e comunicação no espaço de formação docente na Universidade Federal de Pelotas. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação) Faculdade de Educação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, 2004. MARCOLLA, V. Como professores e alunos percebem as tecnologias de informação e comunicação nos cursos de licenciatura. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 31, 2008, Caxambu. Anais... Caxambu: ANPEd, 2008, p. 1-13. MUÑOZ, I. B. Las WebQuests en el Espacio Europeo de Educación Superior (EEES): desarrollo e evaluación de competencias con Tecnologías de la Información y la Comunicación (TICs) en la universidad. 2008. Tese (Doutorado) Universitat Jaume I, Facultat de Ciènces Humanes i Socials, Castelló de la Plana, 2008. PAPERT, S. A máquina das crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994. PATRÍCIO, M. R. V. Tecnologias Web 2.0 na formação inicial de professores. 2009. 162 f. Dissertação (Mestrado em Multimédia) Universidade do Porto, Portugal, 2009. SHULMAN, L. S. Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, v. 15, n. 2, p. 4-14, 1986. TEDESCO, J. C. (Org.). Educação e novas tecnologias. São Paulo: Cortez; Buenos Aires: Instituto Internacional de Planejamento de la Educación; Brasília: UNESCO, 2004. VALENTE, J. A. (Org.). Computadores e conhecimento: repensando a educação. Campinas: UNICAMP, 1993. VALENTE, J. A. (Org.). O computador na sociedade do conhecimento. Campinas: UNICAMP, 1999. Referências