CN9-doenças cardiovasculares

13.429 visualizações

Publicada em

Mais materiais em www.espacociencias.com.pt

4 comentários
35 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.429
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
194
Comentários
4
Gostaram
35
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Nesta técnica é inserido um catéter na virilha ou no braço do paciente (consoante o local a observar) que é empurrado até chegar aos vasos a observar. O catéter serve para transportar e libertar no local uma tintura de contraste que permite observar os vasos sanguíneos quando se faz uma radiografia posterior.
    Pode no entanto induzir problemas secundários se o doente for alérgico ao meio de contraste, ou eventualmente provocar problemas cardíacos se passar por artérias já obstruídas.
  • Quer a angina de peito quer o enfarte do miocárdio são devidos à obstrução das artérias coronárias (que irrigam o miocárdio). A angina de peito é provocada por uma obstrução parcial que permite a passagem de algum sangue, embora insuficiente e o enfarte é provocado pela obstrução total, em que não há passagem de sangue. Daí a morte celular (ou necrose).
  • É inserido um catéter com um balão e uma rede metálica através da axila e empurrado até chegar à artéria em causa.
    Uma vez chegado ao destino o balão é insuflado, alargando a parede da artéria. A placa esclerótica fica comprimida e a rede metálica expande.
    O balão é desinsuflado novamente e o catéter retirado. A rede permanece no local expandida permitindo um maior fluxo de sangue através da artéria.
  • CN9-doenças cardiovasculares

    1. 1. Doenças Cardiovasculares Causas Doenças Factores de Risco Prevenção Prof. Ana Rita Rainho
    2. 2. O que provoca as doenças cardiovasculares?
    3. 3. Devem-se essencialmente à acumulação de gorduras na parede das artérias = Aterosclerose Formação da placa aterosclerótica Normal
    4. 4. Artéria coronária humana parcialmente obstruída Lúmen da artéria Depósitos de colesterol
    5. 5. Formação de coágulos Muitas vezes as placas tornam-se instáveis e levam ao rompimento das paredes. A migração de plaquetas forma coágulos sanguíneos que ajudam à obstrução da artéria.
    6. 6. Formação de coágulos
    7. 7. Artéria carótida obstruída Através de uma técnica especial de contraste (angiograma), é possível visualizar o fluxo sanguíneo no interior das artérias.
    8. 8. da obstrução das artérias Consequências
    9. 9. Se o fornecimento de O2 for insuficiente para as necessidades dos tecidos pode ocorrer: Morte celular (necrose) (ex: Enfarte do miocárdio) Dores fortes (ex: Angina de peito)
    10. 10. • Obstrução parcial da artéria leva a uma irrigação insuficiente dos tecidos, originando dores fortes • Ex: Angina de peito Isquemia • Morte dos tecidos devido a falta de irrigação permanente quando há obstrução total dos vasos. • Ex: Enfarte do Miocárdio, Trombose Enfarte ou Necrose • Fragmentação da placa e libertação de fragmentos que viajam na corrente sanguínea podendo obstruir outras artérias (ex: embolia cerebral) Embolia • A placa fragiliza a parede das artérias que se torna distendida e sujeita a ruptura. • Ex: aneurisma cerebral Aneurisma
    11. 11. Algumas doenças cardiovasculares Dependendo das artérias obstruídas, assim vão variando os sintomas das doenças Artérias afectadas Doença que provoca Artérias coronárias -Angina de peito - Enfarte do miocárdio - Arritmias - Insuficiência cardíaca Artérias cerebrais -AVC (trombose) - Aneurisma cerebral - Embolia cerebral Artérias renais -Hipertensão arterial - Insuficiência renal Artérias periféricas -Dificuldades na mobilidade - Gangrena Artéria Aorta -Aneurisma - Embolias nas artérias cerebrais
    12. 12. Tratamento Angioplastia, Factores de Risco, Prevenção
    13. 13. Angioplastia com stent  Permite o alargamento da parede das artérias
    14. 14. Artéria coronária antes da intervenção Artéria coronária após a intervenção Artéria bloqueada Stent expandido
    15. 15. Factores de risco  Hipertensão arterial  Colesterol elevado  Má alimentação  Tabaco  Stress  Vida sedentária  Diabetes  Obesidade  Idade  Sexo  Hereditariedade
    16. 16. Implicam grande percentagem de açúcares, sais e gorduras em circulação, aumentando o risco da ocorrência de depósitos na parede das artérias.  Hipertensão arterial  Colesterol elevado  Diabetes  Má alimentação
    17. 17. Não existindo consumo de gorduras, aumenta o risco de se depositarem nas artérias.  Obesidade  Vida sedentária  Stress  Tabagismo São situações que implicam um esforço acrescido por parte do coração, aumentando o risco de ocorrência de isquemias e arritmias.
    18. 18. À medida que a idade avança, aumenta o risco, pois o número de placas depositadas é maior.  Idade  Sexo  Hereditariedade Indivíduos do sexo masculino e mulheres após a menopausa são mais propensos a ter problemas. Pode determinar uma maior propensão para a ocorrência de doenças cardiovasculares.
    19. 19. Prevenção  Fazer exercício físico regularmente  Cuidar a alimentação  Mudar o estilo de vida
    20. 20. A chave para um coração saudável está nas nossas mãos.
    21. 21. Mais material disponível em: www.espacociencias.com.pt

    ×