Patologias

1.611 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Patologias

  1. 1. Síndrome de CushingA síndrome de Cushing ou hipercortisolismo ou hiperadrenocorticismo é uma desordem endócrinacausada por níveis elevados de cortisol no sangue. O cortisol é liberado pela glândula adrenal emresposta à liberação de ACTH na glândula pituitária no cérebro. Níveis altos de cortisol tambémpodem ser induzidos pela administração de drogas. A doença de Cushing é muito parecida com asíndrome de Cushing, já que todas as manifestações fisiológicas são as mesmas. Ambas asdoenças são caracterizadas por níveis elevados de cortisol no sangue, mas a causa do cortisolelevado difere entre as doenças. A doença de Cushing se refere especificamente a um tumor naglândula pituitária que, por lançar grandes quantidades de ACTH, estimula uma secreçãoexcessiva de cortisol na glândula adrenal. Já a sindrome de Cushing pode resultar de um tumordas glândulas suprarrenais (zona do córtex - que produz cortisol) de uma forma que não écontrolada pelos mecanismos fisiológicos normais, i.e., mecanismo de feedback negativo sobre ahipófise com diminuição da síntese de ACTH (efeito principal de feedback) e sobre o hipotálamocom diminuição da síntese de CRH. Foi descoberta pelo médico americano Harvey Cushing(1869-1939) e descrita por ele em 1932.A síndrome de Cushing também é uma doença relativamente comum em cães domésticos.Sinais e sintomasOs principais sintomas são o aumento de peso, com a gordura se depositando no tronco e nopescoço, preenchendo a região acima da clavícula e a parte detrás do pescoço, local onde seforma um importante acúmulo denominado de "giba". A gordura também se deposita no rosto, naregião malar ("maçãs do rosto"), onde a pele fica também avermelhada, formando-se uma faceque é conhecida como de "lua-cheia". Ocorre também afilamento dos braços e das pernas comdiminuição da musculatura, e, conseqüente, fraqueza muscular que se manifesta principalmentequando o paciente caminha ou sobe escadas. A pele vai se tornando fina e frágil, fazendo comque surjam hematomas sem o paciente notar que bateu ou contundiu o local. Sintomas geraiscomo fraqueza, cansaço fácil, nervosismo, insônia e labilidade emocional também podem ocorrer.Nas mulheres são muito freqüentes as alterações menstruais e o surgimento de pêlos corporaisna face, no tórax, abdômen e nos braços e pernas. Como grande parte dos pacientes desenvolvehipertensão arterial e diabetes, podem surgir sintomas associados ao aumento da glicose e dapressão arterial tais como dor de cabeça, sede exagerada, aumento do volume urinário, aumentodo apetite e visão borrada. Quando ocorre aumento importante dos pêlos, pode ocorrer também osurgimento de espinhas (acne) na face e no tronco, e nas mulheres pode surgir mudança na voz,queda do cabelo semelhante a calvície masculina e diminuição das mamas. Esses sintomas seassociam com tumores de supra-renal.No abdômen e no tórax podem ser observadas estrias de cor avermelhada e violeta, algumasvezes com vários centímetros de largura. Algumas pessoas apresentam também colelitíase(pedras na vesícula) e conseqüentemente cólica. A osteoporose é freqüente, provocando dores nacoluna e às vezes fraturas nos braços, pernas e na coluna, nos casos de uso continuo por umlongo periodo pode tambem apresentar raias de vasos sanguineos na pele, sendo mais visivel norostoAneurisma CerebralAneurisma cerebral é uma dilatação anormal de uma artéria cerebral que pode levar à ruptura damesma no local enfraquecido e dilatado. Nos indivíduos que têm aneurisma cerebral há a rupturadesta irregularidade da artéria cerebral e "vazamento" de sangue para um espaço virtual queexiste no cérebro chamado de "espaço subaracnóide".A ruptura inicial de um aneurisma cerebral leva à morte quase um terço dos pacientes. Algunspacientes apresentam dois ou mais episódios de hemorragia do aneurisma cerebral. Em cadauma das hemorragias o risco de morte vai se somando.Como se desenvolve?A ruptura do aneurisma pode ocorrer durante toda a vida, mas é maisfrequente entre a quarta e quinta década de vida.Muitas pessoas nascem com aneurismas cerebrais, os chamados aneurismas congênitos osquais, ao longo da vida, podem aumentar e romper.
  2. 2. Existem fatores de risco como parentesco de sangue próximo ao de alguém que já teveaneurisma, principalmente irmãos.Mulheres têm maior probabilidade de desenvolver aneurismas cerebrais.Em torno de 20% dos pacientes com aneurisma cerebral apresentam mais do que um aneurismaOutros fatores de risco são: hipertensão arterial, dislipidemias (alteração do colesterol etriglicerídeos), doenças do colágeno, diabete mélito (açúcar no sangue) e fumo.O sintoma mais comum é cefaléia de grande intensidade acompanhada de vômitos, convulsões eperda de consciência. Alguns pacientes desenvolvem ptose palpebral (queda súbita da pálpebra)acompanhado de cefaléia. Perda progressiva da visão por comprometimento do nervo óptico porcompressão do aneurisma.Com o decorrer das horas a dor de cabeça pode evoluir para uma dor importante na nuca e levara "rigidez de nuca" que é comum na meningite, ou dor nas costas e pernas. Isso ocorre por que osangue escorre da cabeça para a coluna e "irrita" as raízes nervosas provocando dor nas costas.Pacientes que não rompem o aneurisma cerebral podem ter sintomas de isquemias cerebrais derepetição, pois pode haver formação de pequenos coágulos dentro do saco aneurismático levandoa liberação dos mesmos para a corrente sangüínea e "entupindo" pequenas artérias.Como o médico faz o diagnóstico?Os pacientes com aneurisma cerebral não roto apresentam dificuldade de diagnóstico por partedo médico. Os aneurismas não rotos não dão dor de cabeça. Algumas vezes apresentam-se comopequenas isquemias cerebrais ou queda da pálpebra. O especialista experiente deverá solicitaruma angiografia cerebral digital ou uma angiografia por ressonância magnética. Somente nosaneurisma muito grandes podemos fazer diagnóstico dos mesmo com uma tomografiacomputadorizada do encéfalo.O diagnóstico de suspeição é feito pela história que o paciente conta quando o aneurisma é roto.Muitas vezes o paciente já chega em coma ao hospital. Cabe ao médico solicitar uma tomografiacomputadorizada do encéfalo que deve demonstrar sangue no espaço subaracnóide ouhematoma cerebral (coágulo dentro do cérebro).Caso a tomografia computadorizada seja normal e o paciente apresente rigidez de nuca o médicoprocede a uma punção lombar para ver se há sangue no líquido que banha o cérebro e a espinha,chamado de "líquor". Nos pacientes com hemorragia por aneurisma cerebral o líquor - que é dacor da água - aparece avermelhado pelo sangue da hemorragia.Como se trata?Já os aneurismas rotos apresentam-se como uma urgência médica devendo ser tratados commáxima brevidade. Até o início da década de 90 o tratamento era feito exclusivamente através dacirurgia, que consiste em abertura do crânio e bloqueio do aneurisma com clipes (grampos)metálicos. Nem todos os pacientes podem ser tratados com cirurgia. Dependendo do estado desaúde do paciente e do local a ser alcançado, uma intervenção cirúrgica poderá ser perigosa.A partir da metade da década de 90, foi desenvolvido um método denominado embolização porcateter que consiste em introduzir um cateter na artéria da virilha e através do cateter, que élevado até ao aneurisma, promover o bloqueio do aneurisma com inserção de micro molas deplatina. Nisto reside o tratamento endovascular, também conhecido como embolização por cateter,que consiste em introduzir um cateter na artéria da virilha e através do cateter, que é levado atéao aneurisma, promover o bloqueio do aneurisma com inserção de micro molas de platina. Nistoreside o tratamento endovascular, também conhecido como embolização.Há casos em que a estrutura vascular do paciente não permite a passagem do cateter. Nessescasos, não existe alternativa a não ser o tratamento cirúrgico. Recentemente foi desenvolvidonovo material para tratar o aneurisma, chama-se Onyx. Trata-se de um líquido que se torna sólidono interior do aneurisma. O Onyx deverá substituir as molas de platina, mas sua utilização tem omesmo conceito terapêutico.Fonte . Www.abc saudeLipoma
  3. 3. Os lipomas são considerados tumores benignos de tecido adiposo (gorduroso) normal localizadossob a pele (no tecido sub-cutâneo). Esta variedade de tumor é mais freqüente em adultos entre 30e 60 anos.A causa do aparecimento dos lipomas não é conhecida. Raramente os lipomas podem estarassociados a algumas síndromes (conjuntos de sinais e sintomas) tais como a lipomatose múltiplahereditária, adipose dolorosa, síndrome de Gardner e doenças de Madelung.Os sintomas mais comuns são os de tumoração indolor mais ou menos salientes, únicos oumúltiplos, podendo aparecer em praticamente todas as partes do corpo, com uma certa predileçãopara o couro cabeludo, os braços e as raízes das coxas.Algumas das características dos lipomas são:- A pele que o recobre é normal;- A consistência é elástica;- O tumor desliza sob os dedos;- O volume é variável, podendo chegar ao tamanho de uma maçã;Existem algumas variedades de lipomas:O lipoma do coração é um tumor benigno, normalmente assintomático, relativamente freqüente ecujo diagnóstico é habitualmente feito de modo casual.Os lipomas do intestino delgado habitualmente aparecem no íleo distal e na válvula íleo-cecal(transição do intestino delgado para o grosso) e também costumam não causar sintomas.Os lipomas do sistema nervoso central podem se desenvolver em vários locais do cérebro e damedula espinhal.Os lipomas localizados nos tendões musculares (estruturas que fazem a inserção do músculo noosso) são mais freqüentes nas regiões dos punhos, dos pés, das mãos.Fala-se em lipomatose, quando existem vários lipomas em uma só pessoa. O tratamentoconsiste na remoção cirúrgica, ou aspiração do conteúdo do lipoma.

×