O TERRAMOTO DE 1755
O TERRAMOTO
Terramoto de 1755 , ocorreu no dia 1 de novembro de
1755, resultando na destruição quase completa da cidade
de...
O DIA SEGUINTE
A família real portuguesa escapou à catástrofe. O Rei D. José I e a
corte tinham deixado a cidade depois de...
O MARQUÊS DE POMBAL
Sebastião de José Carvalho e Melo, futuro Marquês de
Pombal, foi embaixador de Portugal na Grã – Breta...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O Terramoto de 1755

243 visualizações

Publicada em

O terramoto de 1755.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
243
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Terramoto de 1755

  1. 1. O TERRAMOTO DE 1755
  2. 2. O TERRAMOTO Terramoto de 1755 , ocorreu no dia 1 de novembro de 1755, resultando na destruição quase completa da cidade de Lisboa, e atingindo ainda grande parte do litoral do Algarve. O sismo foi seguido de um maremoto - que se crê tenha atingido a altura de 20 metros - e de múltiplos incêndios, tendo feito certamente mais de 10 mil mortos . Foi um dos sismos mais mortíferos da história.
  3. 3. O DIA SEGUINTE A família real portuguesa escapou à catástrofe. O Rei D. José I e a corte tinham deixado a cidade depois de assistir a uma missa ao amanhecer, encontrando-se em Santa Maria de Belém, nos arredores de Lisboa, na altura do terramoto. A ausência do rei na capital deveu-se à vontade das princesas de passar o feriado fora da cidade. Depois da catástrofe, D. José I ganhou uma fobia a recintos fechados e viveu o resto da sua vida num complexo luxuoso de tendas no Alto da Ajuda, denominado como Real Barraca da Ajuda, em Lisboa. Tal como o rei, o Marquês de Pombal, Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Guerra e futuro primeiro-ministro, sobreviveu ao terramoto. Conta-se que à pergunta "E agora?" respondeu "Enterram-se os mortos e cuidamse os vivos" .A sua rápida resolução levou a organizar equipas de bombeiros para combater os incêndios e recolher os milhares de cadáveres para evitar epidemias. O ministro e o rei encomendaram aos arquitectos e engenheiros reais, e em menos de um ano depois do terramoto já não se encontravam em Lisboa ruínas e os trabalhos de reconstrução iam adiantados.
  4. 4. O MARQUÊS DE POMBAL Sebastião de José Carvalho e Melo, futuro Marquês de Pombal, foi embaixador de Portugal na Grã – Bretanha. Foi secretário de estado dos negócios estrangeiros e da guerra. Após o terramoto de 1755 marquês de Pombal orientou a reconstrução da baixa Pombalina. O marquês era detestado pelo clero e pela alta nobreza, pois havia – lhes tirado cargos e privilégios doando – os á burguesia. Nisso a família Távora o Duque de Aveiro e outros cúmplices atentaram contra o rei D. José I. O marquês de Pombal viu nisto a oportunidade de os culpar, e matar. Também expulsou os jesuítas do país e reformou a Universidade de Coimbra. O marquês foi demitido após a subida ao trono de D. Maria I.

×