SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Introdução ……………………………………..........4

Marques de Pombal ………………………………..5

Terramoto de 1755…………………………………7

A Reconstrução de Lisboa………………………...11

Reformas de Ensino…………………………….....16

Conclusão………………………………………...18

Bibliografia………………………………………..19

Webgrafia…………………………………………20
No âmbito da disciplina de História, foi-nos proposto a realização de um trabalho,
pela professora Carla Teixeira, sobre a unidade 4, da primeira parte do Manual
“Cadernos de história A4”, cujo tema apresentado pela professora foi: “O Projecto
pombalino de inspiração iluminista”. A nossa escolha recaiu sobre o segundo subtema
proposto: “O Terramoto de 1755 e a reconstrução de Lisboa”, tema que aborda o
Terramoto que ocorreu em Lisboa em pleno século XVIII, bem como a reconstrução
posterior da cidade. A nossa preferência derivou da simpatia que nutrimos pela cidade
de Lisboa bem como pela sua história, daí o nosso interesse pelo importante
acontecimento do ano de 1755. Tentaremos abordar o tema escolhido da forma mais
correcta, rigorosa e organizada que conseguirmos.
    O objectivo que pretendemos atingir com a realização deste trabalho é
compreender e dar a conhecer quem foi Marquês de Pombal, qual o papel que
desempenhou na reconstrução de Lisboa e na modernização do estado Português, bem
como a reforma na educação levada a cabo por este.
Marquês de Pombal, cujo nome de nascimento era Sebastião José de Carvalho e
Melo, nasceu em Lisboa no dia 13 de Maio de 1699.
    Frequentou Direito na Universidade de Coimbra, no entanto decidiu abdicar do
curso para se dedicar ao exército. Casou em 1723 com D. Teresa de Noronha e
Burbon, sobrinha do conde dos Arcos.
    Em 1738 foi enviado para Londres como embaixador e foi lá que a sua esposa
faleceu. Em 1745 foi enviado para Viena onde viria a casar com a Condessa Maria
Leonor Ernestina Daun. Em 1749, regressou a Lisboa.
    Com a morte do Rei João V em 1750, sucedeu o seu filho, D. José I, que nomeou o
Marquês de Pombal ministro dos Negócios Estrangeiros. O Marquês era inteligente,
tinha uma grande capacidade de liderança, iniciática e era bastante activo.
    Em 1755 já era primeiro-ministro e foi um seguidor do Despotismo Esclarecido e
das ideias iluministas cujo primeiro contacto, com estas, tivera sido em Viena.
Promoveu inúmeras reformas na educação, na religião, na economia e no aparelho
de Estado
Pombal teve um papel fundamental no terramoto de 1755, pois foi ele o
principal mentor da reconstrução da Lisboa destruída, sendo-lhe atribuído poderes
acrescidos.
    Na sequência de uma tentativa de regicídio ao Rei D. José I, o Marquês
aproveitou este acontecimento para se livrar de membros da nobreza,
nomeadamente a família Marqueses de Távora e o Duque de Aveiro, sendo que
todos foram executados. Expulsou a Companhia de Jesus (os Jesuítas) de Lisboa e
das colónias, confiscando-lhes todos os bens.
    O D. José I, sucedeu a sua filha D. Maria I, que não simpatizava com o Marquês e
por isso retirou-lhe todos os seus cargos. Marquês de Pombal morreu no dia 8 de
Maio de 1982 em Pombal.




                                   Figura 1 – Marquês de Pombal
No dia 1 de Novembro de 1755, Lisboa foi palco de um destrutivo
terramoto, seguido de um tsunami e de inúmeros incêndios que
destruíram grande parte da cidade lisboeta.

   O terramoto decorreu entre as 9:30 e as 9: 40 da manhã, durou cerca
de seis minutos e foi seguido de várias réplicas, os sobreviventes dos
desabamentos foram atingidos por um violento tsunami.

   O maremoto teve uma destruição generalizada, massacrando a costa
portuguesa sobretudo o Algarve, o continente africano e americano, bem
como o resto da Europa.

   O dia do desastre coincidiu com o feriado do Dia-de-Todos os Santos, e
por isso muitas pessoas encontravam-se na missa onde havia inúmeras
velas acesas bem como nas casas da população isto teve como
consequência grandes incêndios.
O terramoto, o maremoto e os incêndios tiveram consequências desastrosas,
cerca de dez mil pessoas morreram e perto de 85% da cidade ficou em ruinas
sendo que inúmeros palácios, igrejas e conventos desabaram, centenas de
preciosos documentos como os dos Arquivo Real que continha relatos sobre a
exploração oceânica de Vasco da Gama e Cristóvão Colombo desapareceram
bem como importantes obras de arte.
   A família real não sofreu qualquer tipo de dano, visto que se encontravam
nos arredores, em Santa Maria de Belém , a passar o feriado com as princesas.
   Também o Marquês de Pombal sobreviveu à catástrofe.
   Durante dias os abalos continuavam e os incêndios persistiam.




           Figura 2 – Palácio Real antes do      Figura 3 – Palácio Real depois do
                      Terramoto                             Terramoto
Figura 4 – Lisboa destruída
Figura 5 – Provável epicentro do terramoto de
                    1755
A Reconstrução de Lisboa
    Depois do terramoto, Lisboa era uma cidade devastada que impunha a

necessidade de reconstrução. As consequências foram catastróficas, a cidade

estava em ruínas e havia milhares de mortos e feridos. Assim, era necessário, que

alguém agisse de forma eficaz, energética e sem perder tempo.

    Essa pessoa foi Marquês de Pombal que ordenou de imediato que Lisboa

fosse limpa para evitar a propagação de epidemias, mandou enterrar os mortos e

cuidar os feridos, determinou que todos os palácios e igrejas fossem vigiados para

evitar furtos e ainda planificou rigorosamente o projecto de reconstrução de

Lisboa proibindo a reconstrução de casas que não respeitassem o plano traçado.
O projecto baseava-se nas seguintes características:

o   Ruas largas para a passagem de carruagens e cavalos mas também devido ao
    facto de estas, outrora, serem muito apertadas os efeitos do terramoto
    foram mais destrutivos, estas ruas alternavam com ruas mais estreitas;

o   Construção de passeios para peões, a instalação de uma rede de esgotos, de
    águas pluviais e de saneamento;

o   Construção de edifícios idênticos, sóbrios e harmoniosos, cujo rés-do-chão
    seria disponibilizado para o comércio e os restantes andares para escritórios
    e habitação;

o   Utilização de formas de construção mais resistente aos terramotos;

o   A construção de uma grande praça central, denominada Praça do Comércio
    (antigo Terreiro do Paço) em homenagem aos comerciantes da cidade, no
    centro da praça foi colocada uma estátua equestre de D. José I;

o   Devido ao poder absoluto e centralizador que Pombal defendia, determinou
    a repartição dos ofícios por ruas para facilitar o comércio.
O projecto foi tratado com todo o rigor e planeamento e visava construir uma
cidade moderna e ordenada, assim às concepções urbanísticas dos arquitectos,
Marquês de Pombal procurou conciliar com as suas ideias de modernização da
economia e de centralização do poder do Estado.
    Lisboa passa a ser uma cidade nova, ordenada e moderna para a época, com um
estilo arquitectónico denominado de Pombalino. Deste modo, o Marques de Pombal
foi o grande renovador arquitectónico da cidade de Lisboa.




       Figura 6 – Planta de Lisboa antes do Terramoto   Figura 7 – Planta de Lisboa concebida
                                                                  após o Terramoto
Figura 8 – Praça do Comércio
Os “estrangeirados” foram quem trouxe para Portugal, no século XVIII as
ideias iluministas. Segundo eles o atraso de Portugal devia-se à falta de
cultura e à ausência de uma mente aberta, estas seriam essenciais para o
progresso generalizado. A principal causa da falta de cultura e da intolerância
seria o ensino teórico e autoritário que estava empregue nas escolas
portuguesas e a solução seria um novo ensino baseado na realidade e na
experiência.
    Os objectivos das reformas educacionais, implantadas por Pombal eram:
transferir a educação para o controlo do Estado e laicizar o ensino
Expulsou os jesuítas
                                      de Portugal,
                                   substituindo-os por
                                  um sistema directivo
         modernizou a
        Universidade de                                       Criou a primeira rede
     Coimbra, favorecendo-                                    de escolas primárias
         a com novas                                           cujos professores
      faculdades como de                                        eram pagos pelo
     Matemática e Filosofia                                          Estado
            Natural
                                    As Reformas na
                                       Educação
     Extinguiu a                                                    Criou escolas régias
Universidade de Évora,                                               para o ensino da
  que pertencia aos                                                 gramática latina, do
       jesuítas                                                     grego, da retórica e
                                                                        da filosofia




                     para preparar os                 Para educação dos
                  comerciantes para um               nobres, desenvolveu
                  futuro melhor, criou a              o Real Colégio dos
                    Aula do Comércio                        Nobres
Depois de termos realizado este trabalho compreendemos melhor quem foi
Marquês de Pombal e o seu importante papel na modernização do Estado e na
centralização do poder que através das ideias iluministas, implementou diversas
reformas, nomeadamente na educação, cujo seu principal objectivo era revolucionar
a mentalidade da época, procurando que a população aderisse à razão e à ciência e
deste modo, eliminando a influência da igreja na educação. Percebemos também o
grande trabalho feito pelo mesmo à época do Terramoto, pois a sua liderança,
eficácia e obstinação fizeram de Lisboa uma cidade pensada, ordenada e moderna.

      Também concluímos que trabalhar em grupo é por vezes difícil, porque em
certas ocasiões os pontos de vista divergem, no entanto o balanço é positivo porque
conseguimos assimilar e perceber a assunto tratado.

      Ficamos ainda, muito satisfeitos com a conclusão deste trabalho, porque a
nosso ver foi muito produtivo e gratificante, pois este assunto constituiu uma
importante parte da história portuguesa e deste modo, sempre que tivermos a
oportunidade de visitar a cidade de Lisboa poderemos verificar o quanto o plano
urbanístico para a reconstrução da cidade foi pensado com todo o rigor.
o AMARAL, Claúdia; PINTO, Ana Lídia; NEVES, Pedro Almiro
   (coord.), Descobrir A História 8, Porto Editora, Porto, 2007,
   pág.104 e 105.
o MAGALHÃES, Elsa Pestana, História De Portugal: De D.
   Sebastião ao último rei, GIRASSOL EDIÇÕES LDA., pág. 56 e 62.
o PINTO, Ana Lídia; NEVES, Pedro Almiro, Cadernos de História
   A4, 1ªParte, Porto Editora, Porto, 2010, pág. 132, 133 e 134.
o SARAIVA, José Hermano, História de Portugal: Monarquia
   Absoluta, vol.VI, quidonovi, 2004, pág. 37 e 57.
   Clica nas imagens para aceder
    aos sites:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXA Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXJorge Almeida
 
Marques de pombal
Marques de pombalMarques de pombal
Marques de pombalDiizinha
 
Apresentação1 terramoto
Apresentação1 terramotoApresentação1 terramoto
Apresentação1 terramotoCarla Teixeira
 
Reformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no EnsinoReformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no EnsinoRaQuel Oliveira
 
Da união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independênciaDa união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independênciaxicao97
 
Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Maria Gomes
 
Marques de pombal
Marques de pombalMarques de pombal
Marques de pombalsylvialuzo
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereirananasimao
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVCarlos Vieira
 
Reis de Portugal 1ª Dinastia
Reis de Portugal 1ª DinastiaReis de Portugal 1ª Dinastia
Reis de Portugal 1ª Dinastiakhistoria
 
A governação do Marquês de Pombal
A governação do Marquês de PombalA governação do Marquês de Pombal
A governação do Marquês de PombalZé Mário
 
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...200166754
 
Cronologia da-historia-de-portugal
Cronologia da-historia-de-portugalCronologia da-historia-de-portugal
Cronologia da-historia-de-portugaljosepinho
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalSusana Simões
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioSusana Simões
 
Baixa Pombalina
Baixa PombalinaBaixa Pombalina
Baixa Pombalinahcaslides
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoBarbaraSilveira9
 

Mais procurados (20)

A Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXA Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIX
 
O reinado de D.João V
O reinado de D.João VO reinado de D.João V
O reinado de D.João V
 
Marques de pombal
Marques de pombalMarques de pombal
Marques de pombal
 
Apresentação1 terramoto
Apresentação1 terramotoApresentação1 terramoto
Apresentação1 terramoto
 
Reformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no EnsinoReformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no Ensino
 
Da união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independênciaDa união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independência
 
Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820
 
Marques de pombal
Marques de pombalMarques de pombal
Marques de pombal
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
Reis de Portugal 1ª Dinastia
Reis de Portugal 1ª DinastiaReis de Portugal 1ª Dinastia
Reis de Portugal 1ª Dinastia
 
A governação do Marquês de Pombal
A governação do Marquês de PombalA governação do Marquês de Pombal
A governação do Marquês de Pombal
 
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
 
Cronologia da-historia-de-portugal
Cronologia da-historia-de-portugalCronologia da-historia-de-portugal
Cronologia da-historia-de-portugal
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
Baixa Pombalina
Baixa PombalinaBaixa Pombalina
Baixa Pombalina
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Terramoto de 1755
Terramoto de 1755Terramoto de 1755
Terramoto de 1755
 
Castelo de Guimarães
Castelo de GuimarãesCastelo de Guimarães
Castelo de Guimarães
 

Semelhante a O Terramoto de 1755 e a Reconstrução de Lisboa sob o comando de Pombal

A universidade a serviço do estado
A universidade a serviço do estadoA universidade a serviço do estado
A universidade a serviço do estadoCristiane Tavares
 
O projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluministaO projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluministaJoana Filipa Rodrigues
 
O projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluministaO projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluministaStelian Ravas
 
Resumo sobre a a matéria (O iluminismo e as reformas pombalinas) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O iluminismo e as reformas pombalinas) de 8ºano.Resumo sobre a a matéria (O iluminismo e as reformas pombalinas) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O iluminismo e as reformas pombalinas) de 8ºano.HizqeelMajoka
 
Baixa idade média (renascimento comercial e urbano cruzadas peste negra) - ...
Baixa idade média (renascimento comercial e urbano  cruzadas  peste negra) - ...Baixa idade média (renascimento comercial e urbano  cruzadas  peste negra) - ...
Baixa idade média (renascimento comercial e urbano cruzadas peste negra) - ...Cassumoraes
 
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIIIPortugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIIIAna Beatriz Gonçalves
 
Política ed. histórica
Política   ed. históricaPolítica   ed. histórica
Política ed. históricaPedro Lima
 
Os estatutos de 1772 da universidade de coimbra
Os estatutos de 1772 da universidade de coimbraOs estatutos de 1772 da universidade de coimbra
Os estatutos de 1772 da universidade de coimbraCristiane Tavares
 
32 despotismo pombalino
32   despotismo pombalino32   despotismo pombalino
32 despotismo pombalinoCarla Freitas
 
A Monarquia Absoluta De D José I
A Monarquia Absoluta De D José IA Monarquia Absoluta De D José I
A Monarquia Absoluta De D José Ijdlimaaear
 
Marquês de pombal corrigido
Marquês de pombal  corrigidoMarquês de pombal  corrigido
Marquês de pombal corrigidoceufaias
 
Museu Nacional Machado de Castro - Património Cultural e Paisagístico Portugu...
Museu Nacional Machado de Castro - Património Cultural e Paisagístico Portugu...Museu Nacional Machado de Castro - Património Cultural e Paisagístico Portugu...
Museu Nacional Machado de Castro - Património Cultural e Paisagístico Portugu...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Trabalho de historia rita
Trabalho de historia ritaTrabalho de historia rita
Trabalho de historia ritaMarta Pereira
 
A política educacional pombalina
A política educacional pombalinaA política educacional pombalina
A política educacional pombalinaCristiane Tavares
 
O Paço das Escolas - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
O Paço das Escolas - Artur Filipe dos Santos - Património CulturalO Paço das Escolas - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
O Paço das Escolas - Artur Filipe dos Santos - Património CulturalArtur Filipe dos Santos
 
Cultura do palácio contexto
Cultura do palácio   contextoCultura do palácio   contexto
Cultura do palácio contextocattonia
 
Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5cattonia
 

Semelhante a O Terramoto de 1755 e a Reconstrução de Lisboa sob o comando de Pombal (20)

A universidade a serviço do estado
A universidade a serviço do estadoA universidade a serviço do estado
A universidade a serviço do estado
 
O projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluministaO projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluminista
 
O projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluministaO projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluminista
 
Resumo sobre a a matéria (O iluminismo e as reformas pombalinas) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O iluminismo e as reformas pombalinas) de 8ºano.Resumo sobre a a matéria (O iluminismo e as reformas pombalinas) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O iluminismo e as reformas pombalinas) de 8ºano.
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
 
Historia (1)
Historia (1)Historia (1)
Historia (1)
 
Baixa idade média (renascimento comercial e urbano cruzadas peste negra) - ...
Baixa idade média (renascimento comercial e urbano  cruzadas  peste negra) - ...Baixa idade média (renascimento comercial e urbano  cruzadas  peste negra) - ...
Baixa idade média (renascimento comercial e urbano cruzadas peste negra) - ...
 
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIIIPortugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
 
Arquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptxArquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptx
 
Política ed. histórica
Política   ed. históricaPolítica   ed. histórica
Política ed. histórica
 
Os estatutos de 1772 da universidade de coimbra
Os estatutos de 1772 da universidade de coimbraOs estatutos de 1772 da universidade de coimbra
Os estatutos de 1772 da universidade de coimbra
 
32 despotismo pombalino
32   despotismo pombalino32   despotismo pombalino
32 despotismo pombalino
 
A Monarquia Absoluta De D José I
A Monarquia Absoluta De D José IA Monarquia Absoluta De D José I
A Monarquia Absoluta De D José I
 
Marquês de pombal corrigido
Marquês de pombal  corrigidoMarquês de pombal  corrigido
Marquês de pombal corrigido
 
Museu Nacional Machado de Castro - Património Cultural e Paisagístico Portugu...
Museu Nacional Machado de Castro - Património Cultural e Paisagístico Portugu...Museu Nacional Machado de Castro - Património Cultural e Paisagístico Portugu...
Museu Nacional Machado de Castro - Património Cultural e Paisagístico Portugu...
 
Trabalho de historia rita
Trabalho de historia ritaTrabalho de historia rita
Trabalho de historia rita
 
A política educacional pombalina
A política educacional pombalinaA política educacional pombalina
A política educacional pombalina
 
O Paço das Escolas - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
O Paço das Escolas - Artur Filipe dos Santos - Património CulturalO Paço das Escolas - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
O Paço das Escolas - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
 
Cultura do palácio contexto
Cultura do palácio   contextoCultura do palácio   contexto
Cultura do palácio contexto
 
Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptCarla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.pptCarla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.pptCarla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

O Terramoto de 1755 e a Reconstrução de Lisboa sob o comando de Pombal

  • 1.
  • 2.
  • 3. Introdução ……………………………………..........4 Marques de Pombal ………………………………..5 Terramoto de 1755…………………………………7 A Reconstrução de Lisboa………………………...11 Reformas de Ensino…………………………….....16 Conclusão………………………………………...18 Bibliografia………………………………………..19 Webgrafia…………………………………………20
  • 4. No âmbito da disciplina de História, foi-nos proposto a realização de um trabalho, pela professora Carla Teixeira, sobre a unidade 4, da primeira parte do Manual “Cadernos de história A4”, cujo tema apresentado pela professora foi: “O Projecto pombalino de inspiração iluminista”. A nossa escolha recaiu sobre o segundo subtema proposto: “O Terramoto de 1755 e a reconstrução de Lisboa”, tema que aborda o Terramoto que ocorreu em Lisboa em pleno século XVIII, bem como a reconstrução posterior da cidade. A nossa preferência derivou da simpatia que nutrimos pela cidade de Lisboa bem como pela sua história, daí o nosso interesse pelo importante acontecimento do ano de 1755. Tentaremos abordar o tema escolhido da forma mais correcta, rigorosa e organizada que conseguirmos. O objectivo que pretendemos atingir com a realização deste trabalho é compreender e dar a conhecer quem foi Marquês de Pombal, qual o papel que desempenhou na reconstrução de Lisboa e na modernização do estado Português, bem como a reforma na educação levada a cabo por este.
  • 5. Marquês de Pombal, cujo nome de nascimento era Sebastião José de Carvalho e Melo, nasceu em Lisboa no dia 13 de Maio de 1699. Frequentou Direito na Universidade de Coimbra, no entanto decidiu abdicar do curso para se dedicar ao exército. Casou em 1723 com D. Teresa de Noronha e Burbon, sobrinha do conde dos Arcos. Em 1738 foi enviado para Londres como embaixador e foi lá que a sua esposa faleceu. Em 1745 foi enviado para Viena onde viria a casar com a Condessa Maria Leonor Ernestina Daun. Em 1749, regressou a Lisboa. Com a morte do Rei João V em 1750, sucedeu o seu filho, D. José I, que nomeou o Marquês de Pombal ministro dos Negócios Estrangeiros. O Marquês era inteligente, tinha uma grande capacidade de liderança, iniciática e era bastante activo. Em 1755 já era primeiro-ministro e foi um seguidor do Despotismo Esclarecido e das ideias iluministas cujo primeiro contacto, com estas, tivera sido em Viena. Promoveu inúmeras reformas na educação, na religião, na economia e no aparelho de Estado
  • 6. Pombal teve um papel fundamental no terramoto de 1755, pois foi ele o principal mentor da reconstrução da Lisboa destruída, sendo-lhe atribuído poderes acrescidos. Na sequência de uma tentativa de regicídio ao Rei D. José I, o Marquês aproveitou este acontecimento para se livrar de membros da nobreza, nomeadamente a família Marqueses de Távora e o Duque de Aveiro, sendo que todos foram executados. Expulsou a Companhia de Jesus (os Jesuítas) de Lisboa e das colónias, confiscando-lhes todos os bens. O D. José I, sucedeu a sua filha D. Maria I, que não simpatizava com o Marquês e por isso retirou-lhe todos os seus cargos. Marquês de Pombal morreu no dia 8 de Maio de 1982 em Pombal. Figura 1 – Marquês de Pombal
  • 7. No dia 1 de Novembro de 1755, Lisboa foi palco de um destrutivo terramoto, seguido de um tsunami e de inúmeros incêndios que destruíram grande parte da cidade lisboeta. O terramoto decorreu entre as 9:30 e as 9: 40 da manhã, durou cerca de seis minutos e foi seguido de várias réplicas, os sobreviventes dos desabamentos foram atingidos por um violento tsunami. O maremoto teve uma destruição generalizada, massacrando a costa portuguesa sobretudo o Algarve, o continente africano e americano, bem como o resto da Europa. O dia do desastre coincidiu com o feriado do Dia-de-Todos os Santos, e por isso muitas pessoas encontravam-se na missa onde havia inúmeras velas acesas bem como nas casas da população isto teve como consequência grandes incêndios.
  • 8. O terramoto, o maremoto e os incêndios tiveram consequências desastrosas, cerca de dez mil pessoas morreram e perto de 85% da cidade ficou em ruinas sendo que inúmeros palácios, igrejas e conventos desabaram, centenas de preciosos documentos como os dos Arquivo Real que continha relatos sobre a exploração oceânica de Vasco da Gama e Cristóvão Colombo desapareceram bem como importantes obras de arte. A família real não sofreu qualquer tipo de dano, visto que se encontravam nos arredores, em Santa Maria de Belém , a passar o feriado com as princesas. Também o Marquês de Pombal sobreviveu à catástrofe. Durante dias os abalos continuavam e os incêndios persistiam. Figura 2 – Palácio Real antes do Figura 3 – Palácio Real depois do Terramoto Terramoto
  • 9. Figura 4 – Lisboa destruída
  • 10. Figura 5 – Provável epicentro do terramoto de 1755
  • 11. A Reconstrução de Lisboa Depois do terramoto, Lisboa era uma cidade devastada que impunha a necessidade de reconstrução. As consequências foram catastróficas, a cidade estava em ruínas e havia milhares de mortos e feridos. Assim, era necessário, que alguém agisse de forma eficaz, energética e sem perder tempo. Essa pessoa foi Marquês de Pombal que ordenou de imediato que Lisboa fosse limpa para evitar a propagação de epidemias, mandou enterrar os mortos e cuidar os feridos, determinou que todos os palácios e igrejas fossem vigiados para evitar furtos e ainda planificou rigorosamente o projecto de reconstrução de Lisboa proibindo a reconstrução de casas que não respeitassem o plano traçado.
  • 12. O projecto baseava-se nas seguintes características: o Ruas largas para a passagem de carruagens e cavalos mas também devido ao facto de estas, outrora, serem muito apertadas os efeitos do terramoto foram mais destrutivos, estas ruas alternavam com ruas mais estreitas; o Construção de passeios para peões, a instalação de uma rede de esgotos, de águas pluviais e de saneamento; o Construção de edifícios idênticos, sóbrios e harmoniosos, cujo rés-do-chão seria disponibilizado para o comércio e os restantes andares para escritórios e habitação; o Utilização de formas de construção mais resistente aos terramotos; o A construção de uma grande praça central, denominada Praça do Comércio (antigo Terreiro do Paço) em homenagem aos comerciantes da cidade, no centro da praça foi colocada uma estátua equestre de D. José I; o Devido ao poder absoluto e centralizador que Pombal defendia, determinou a repartição dos ofícios por ruas para facilitar o comércio.
  • 13. O projecto foi tratado com todo o rigor e planeamento e visava construir uma cidade moderna e ordenada, assim às concepções urbanísticas dos arquitectos, Marquês de Pombal procurou conciliar com as suas ideias de modernização da economia e de centralização do poder do Estado. Lisboa passa a ser uma cidade nova, ordenada e moderna para a época, com um estilo arquitectónico denominado de Pombalino. Deste modo, o Marques de Pombal foi o grande renovador arquitectónico da cidade de Lisboa. Figura 6 – Planta de Lisboa antes do Terramoto Figura 7 – Planta de Lisboa concebida após o Terramoto
  • 14. Figura 8 – Praça do Comércio
  • 15.
  • 16. Os “estrangeirados” foram quem trouxe para Portugal, no século XVIII as ideias iluministas. Segundo eles o atraso de Portugal devia-se à falta de cultura e à ausência de uma mente aberta, estas seriam essenciais para o progresso generalizado. A principal causa da falta de cultura e da intolerância seria o ensino teórico e autoritário que estava empregue nas escolas portuguesas e a solução seria um novo ensino baseado na realidade e na experiência. Os objectivos das reformas educacionais, implantadas por Pombal eram: transferir a educação para o controlo do Estado e laicizar o ensino
  • 17. Expulsou os jesuítas de Portugal, substituindo-os por um sistema directivo modernizou a Universidade de Criou a primeira rede Coimbra, favorecendo- de escolas primárias a com novas cujos professores faculdades como de eram pagos pelo Matemática e Filosofia Estado Natural As Reformas na Educação Extinguiu a Criou escolas régias Universidade de Évora, para o ensino da que pertencia aos gramática latina, do jesuítas grego, da retórica e da filosofia para preparar os Para educação dos comerciantes para um nobres, desenvolveu futuro melhor, criou a o Real Colégio dos Aula do Comércio Nobres
  • 18. Depois de termos realizado este trabalho compreendemos melhor quem foi Marquês de Pombal e o seu importante papel na modernização do Estado e na centralização do poder que através das ideias iluministas, implementou diversas reformas, nomeadamente na educação, cujo seu principal objectivo era revolucionar a mentalidade da época, procurando que a população aderisse à razão e à ciência e deste modo, eliminando a influência da igreja na educação. Percebemos também o grande trabalho feito pelo mesmo à época do Terramoto, pois a sua liderança, eficácia e obstinação fizeram de Lisboa uma cidade pensada, ordenada e moderna. Também concluímos que trabalhar em grupo é por vezes difícil, porque em certas ocasiões os pontos de vista divergem, no entanto o balanço é positivo porque conseguimos assimilar e perceber a assunto tratado. Ficamos ainda, muito satisfeitos com a conclusão deste trabalho, porque a nosso ver foi muito produtivo e gratificante, pois este assunto constituiu uma importante parte da história portuguesa e deste modo, sempre que tivermos a oportunidade de visitar a cidade de Lisboa poderemos verificar o quanto o plano urbanístico para a reconstrução da cidade foi pensado com todo o rigor.
  • 19. o AMARAL, Claúdia; PINTO, Ana Lídia; NEVES, Pedro Almiro (coord.), Descobrir A História 8, Porto Editora, Porto, 2007, pág.104 e 105. o MAGALHÃES, Elsa Pestana, História De Portugal: De D. Sebastião ao último rei, GIRASSOL EDIÇÕES LDA., pág. 56 e 62. o PINTO, Ana Lídia; NEVES, Pedro Almiro, Cadernos de História A4, 1ªParte, Porto Editora, Porto, 2010, pág. 132, 133 e 134. o SARAIVA, José Hermano, História de Portugal: Monarquia Absoluta, vol.VI, quidonovi, 2004, pág. 37 e 57.
  • 20. Clica nas imagens para aceder aos sites: