SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Universidade do Minho
                Instituto de Ciências Sociais
                  Licenciatura em História


O Terramoto de 1755




Gravura holandesa representando efeitos do terramoto de 1
de Novembro de 1755 sobre Lisboa


                                                Docente: Prof. Dr. Paulo Nossa
                                                Luís Feliciano
                                                António Marques
Índice
• Introdução
• Sismos e sismologia: noções
• A sismicidade em Portugal Continental
• O Terramoto de 1755
    – Descrição dos factos: uma aproximação
    – Impacto e consequências do Terramoto de 1755
• Conclusão
• Bibliografia
• Sitografia
Sismos e sismologia: noções
• Os sismos constituem um fenómeno geológico que sempre aterrorizou as
  populações que vivem em determinadas zonas da Terra, e a Humanidade
  desde sempre presenciou a sua enorme capacidade de destruição (exemplo
  disso é o terramoto de 1755).
• Mas o que é um sismo?
   – Sismos, igualmente designados de terramotos, são abalos naturais da
      crosta terrestre que ocorrem num período de tempo restrito, em
      determinado local, e que se propagam em todas as direcções (Ondas
      Sísmicas), dentro e à superfície da crosta terrestre, sempre que a
      energia elástica (movimento ao longo do plano de Falha) se liberta
      bruscamente nalgum ponto (Foco ou Hipocentro). Ao ponto que, na
      mesma vertical do hipocentro, se encontra à superfície terrestre dá-se o
      nome de Epicentro, quase sempre rodeado pela região macrossísmica,
      que abrange todos os pontos onde o abalo possa ser sentido pelo
      Homem.
Ilustração 1 - Bloco-diagrama mostrando uma representação esquemática do foco ou
epicentro, plano da falha e epicentro




               Fonte: http: //domingos.home.sapo.pt/sismos _2.html.
• As ondas sísmicas
  – As ondas sísmicas classificam-se em dois tipos
    principais:
     • as ondas que se geram nos focos sísmicos e se
       propagam no interior do globo, designadas ondas
       interiores, volumétricas ou profundas (ondas P e S);
     • as que são geradas com a chegada das ondas interiores
       à superfície terrestre, designadas por ondas superficiais
       (ondas L e R).




       Ondas P                            Ondas S
• Ilustração 2 - Ondas P


       Ondas L                                       Ondas R

          Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/sismos_2.html
• Tipologia dos sismos:
   –   Sismos naturais;
   –   Sismos vulcânicos;
   –   Sismos de colapso ou implosão;
   –   Sismos artificiais ou induzidos;
   –   Sismos premonitórios.

• No mar, os abalos sísmicos podem provocar violenta agitação das
águas – maremoto ou “tsunami” – fenómeno tão conhecido pelas suas
trágicas consequências, nas populações ribeirinhas e na navegação.

• A maior parte dos terramotos acontecem nas fronteiras entre
  placas tectónicas ou em falhas entre dois blocos rochosos.

• Para medir a quantidade de energia libertada de um sismo há varias
  escalas:
   – Intensidade;
   – Magnitude.
Tabela 1 - Comparação aproximada entre intensidades e magnitudes sísmicas e número de abalos por ano
                       (adaptado de Carvalho, 1977 e de Press & Siever, 1986)
                                           Intensidade      Magnitude
                 Efeitos característicos                                 Número de sismos/ano
                                           aproximada       aproximada
                 Destruição quase total
                                               XII            ≥ 8,0             0,1-0,2
                 ou total.
                 Destruição muito
                                               XI             ≥ 7,4               4
                 acentuada.
                 Grandes danos, torção
                 nos carris das vias-          X              7,0-7,3             15
                 férreas.
                 Danos consideráveis
                                             VIII-IX          6,2-6,9            100
                 em edifícios.
                 Ligeiros danos nos
                                             VI-VII           5,5-6,1            500
                 edifícios.
                 Sentido por toda a
                                               V              4,9-5,4           1400
                 população.
                 Sentido dentro dos
                 edifícios, podendo
                                               IV             4,3-4,8           4800
                 levar as pessoas a
                 despertar do sono.
                 Sentido por um
                 pequeno número de            II-III          3,5-4,2           30000
                 pessoas.
                 Não sentido, apenas
                 registado pelos                I             2,0-3.4          800000
                 aparelhos.

                                               Fonte: Polidoro, 2004
A sismicidade em Portugal
                 Continental
• De uma forma introdutória podemos dizer que a sismicidade de uma área é
  essencialmente condicionada pelo seu enquadramento geológico no
  contexto da tectónica de placas.
• Neste sentido, o território de Portugal Continental encontra-se situado nas
  proximidades do contacto entre as placas Euroasiática e Africana, mais
  especificamente no interior da placa litosférica Euroasiática, muito próximo
  da placa Africana, sendo a interacção entre elas, a principal responsável por
  uma actividade sísmica significativa no território.
• Por outro lado, o facto de Portugal se situar na fachada ocidental da
  Península Ibérica, estimula a actividade sísmica, visto que, coincide com
  uma área de cruzamento entre uma margem continental submeridiana,
  resultante da abertura do Atlântico Norte, e a zona de fronteira entre as
  placas Euroasiática e Africana, de direcção geral E-W, frequentemente
  designada no seu sector atlântico por fronteira de placas Açores – Gibraltar.
Enquadramento do território continental português no contexto da distribuição regional das
          placas litosféricas. Geometria considerada para a fronteira entre as placas eurasiática (EU) e
          africana (AF) desde o arquipélago dos Açores (Aç) à região de Gibraltar
          (Gi), a sul da Península Ibérica (IB), representando-se curvas batimétricas a 200 e 1000 m, e com
          equidistância de 1000 m para profundidades superiores.
          AM, placa americana; FG, falha de Gloria; Go, banco submarino de Goringe; P, Portugal
          continental; T, monte submarino de Tore.

Fonte: João Cabral, «Sismotectónica de Portugal»,http://zircon.dcsa.fct.unl.pt/dspace/bitstream/123456789/225/1/18 – 4.PDF, 1995, p. 44.
• A nível mundial:
   – Maiores sismos registados:
       • foram o do Chile ocorrido em 1960, com uma magnitude de 8,5;
       • do Alaska em 1964, em que a magnitude atingiu 8,6 apresentando
          como efeitos característicos uma destruição quase total.

    – Principais zonas sísmicas:
       • O arco circum-Pacífico (75 a 80 % do tal de energia libertada);
       • A zona mediterrânica-transasiática (15 a 20 %);
       • O sistema das cristas oceânicas (3 a 7 %).
       • A restante parte da terra é considerada como sendo assísmica.
          Todavia, nenhuma região está completamente livre da possibilidade
          da ocorrência de sismos.
            – 1 % da sismicidade global corresponde à sismicidade
              intraplacas. Apesar de menos frequentes são igualmente
              destruidores (Ex. Sismos ocorridos no interior dos EUA e
              Japão).
Distribuição dos sismos, assinalados pelos pontos negros, registados
                         no último século.

    Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/sismos_2.html
Terramoto de 1755
• Descrição dos factos: uma aproximação
   – 9h40 (manhã): Lisboa sentiu um terramoto de extrema violência.
   – 10h00 – coincidindo com a primeira réplica, as vagas de um tsunami
     gerado aquando do sismo das 9h40, chegavam a Lisboa.
   – 12h – sentiu-se um terceiro choque, mais suave;
   – 16h – as águas subiram em Creston Ferry (Inglaterra), demorando cerca
     de 8 minutos para a água voltar ao seu normal;
   – 19h30 – a primeira onda do tsunami atinge Antígua, a 6000 km de
     Lisboa (costa americana).

• O terramoto que atingiu Lisboa data do dia 1 de Novembro de 1755 (dia de
  Todos os Santos).
• É considerado um dos sismos mais energéticos de todo o globo e apresenta-
  se como um dos mais documentados da História.
• A devastação da capital ocorreu devido à conjugação do sismo, do
  maremoto e dos incêndios.
• Os efeitos deste sismo foram sentidos:
   – em toda a Península Ibérica: com maior intensidade nas regiões de
      Lisboa, Setúbal e parte Ocidental do Algarve (graus IX e X);
   – Açores e a Madeira;
   – Marrocos;
   – Europa do norte (Finlândia, Escócia, Irlanda, Bélgica, Holanda);
   – o Norte de Itália;
   – a Catalunha;
   – o sul de França;
   – a Suíça;
   – o Brasil;
   – as Antilhas;
   – Antígua;
   – Martinica;
   – Barbados;
   – Golfo de Cádis, bem como Gibraltar, Sevilha, através do rio
      Guadalquivir, Cádis, Huelva e Ceuta.
• Este sismo alcançou uma amplitude entre os 8 e os 9 na Escala
  de Richter e uma correspondente intensidade entre X-XI, na
  Escala de Mercalli.
• O tsunami que o secundou alcançou alturas que variam entre
  os 5, 15, 20 a 30 metros segundo as fontes e os relatos coevos.
• A penetração da água rondou os 250m.
• O grau de perceptibilidade deste sismo foi cerca de 2500 km.
• Das descrições efectuadas por pessoas que vivenciaram o
  terramoto conclui-se que o sismo teve uma duração bastante
  elevada (cerca de seis minutos, o que acontece em sismos de
  grande magnitude) e grande número de réplicas.
Impacto e consequências do Terramoto
              de 1755
• Para além das perdas humanas e materiais, o terramoto teve
  graves consequências sociais, religiosas, morais, filosóficas,
  urbanísticas, políticas…
• Vítimas apontadas:
   – O seu número oscila de fontes para fontes, entre os 40 000
     e os 80 000 pessoas;
   Em Lisboa: dos 200 000 habitantes terão morrido 20 000;
     outros dizem que das 275 000 habitantes morreram cerca
     de 90 000.
• Consequências materiais:
   – Das 20 000 casas existentes apenas 3 000 podiam ser
     utilizadas após o sismo.
• Os elevados danos materiais e humanos deveram-se não só à
  destruição provocada pela vibração do solo, como também
  devido à acção do tsunami (ou maremoto) e aos vários
  incêndios que deflagraram em Lisboa e que duraram seis dias.
• A norte de Lisboa, as intensidades sentidas atenuaram-se mais
  rapidamente. Em Coimbra, por exemplo, não se registaram
  danos sérios. Em Braga e tal como em Guimarães, o terramoto
  também foi sentido, mas os danos não ultrapassaram fendas
  nas paredes.
• O cataclismo que se verificou gerou medos irracionais,
  sustentados por sentimentos de culpabilização, ligados à
  religião, não apenas na população portuguesa, mas também
  europeia.
   – O terramoto foi encarado e explicado como obra da mão
      pesada de Deus;
   – Este fenómeno abalou o pensamento europeu, iluminista,
      criando um verdadeiro terramoto filosófico sobre a
      Providência, a Natureza e a Ciência e sobre o livre arbítrio
      (Exemplo: Famoso poema de Voltaire).
Voltaire VS Rousseau
• A contenda principiou com Poema sobre o desastre de Lisboa,
  no qual Voltaire expõe a fatalidade dos fenómenos naturais,
  pondo em causa Deus.
• Rousseau contra-atacou, perguntando a Voltaire: que culpa
  tinha a providência se as gentes de Lisboa decidiram viver à
  beira do Tejo amontoados em vinte mil casas, algumas de seis
  ou sete andares?
• Contrariando a concepção fatalista de Voltaire, Rousseau
  afirmava que os lisboetas teriam sido, antes de mais, vítimas
  do seu próprio modo de viver.
• ASSIM: O pessimismo voltairiano confrontava-se com a fé
  optimista na Providência de Rousseau.
Caricatura sátira inglesa. Um clérigo católico pergunta como se
poderão evitar catástrofes como a de Lisboa, ao que o clérigo
anglicano responde que talvez tenham de deixar de queimar
pessoas.

Fonte: http://www.slideshare.net/ladonordeste/terramoto-de-1755-164521.
• A Família Real ficou ilesa de tudo. O rei D. José I e a corte encontravam-se
  em Santa Maria de Belém, nos arredores de Lisboa.
• Após a catástrofe e tendo-se ganho pavor a recintos fechados construiu a
  ilustra Barraca Real.
• Em termos políticos, Sebastião José de Carvalho e Melo, mais conhecido
  por Marquês de Pombal viu o seu poder e influência aumentar.
• Em termos arquitectónicos e urbanísticos, o Marquês de Pombal foi o
  principal protagonista, obreiro da reconstrução de Lisboa.
• Surgiu a inovadora (para a época) técnica construtiva antisísmica, com a
  gaiola pombalina, modelo de estrutura anti-sísmica desenvolvida na
  reconstrução da Baixa Pombalina.
Bibliografia
• Cabral, João. «Sismotectónica de Portugal»,
  http://zircon.dcsa.fct.unl.pt/dspace/bitstrea m/123456789/225/1/18 –
  4.PDF, 1995.

• Exposição: «Voz do Céu retumbando na Terra com os formidáveis ecos do
  horroso terramoto que se ouviu no 1 de Novembro de 1755»,
  Universidade do Minho e Sociedade Martins Sarmento,
  http://www.csarmento.uminho.pt/dcs/sms/exposiçoes/TerrmotosCatalog
  oWeb.pdf. Janeiro de 2006.

• Fernando Polidoro, «O megassismo de 1 de Novembro de 1755 na região
  de Abrantes: aspectos históricos e geológicos», http://www.esec-
  manuelfernandes.rcts.pt/pdf/sismos-abrantes.pdf, 2004.

• Senos, Maria Luísa e Fernando Carrilho. «Sismicidade de Portugal
  Continental», Física de la Tierra,
  revistas.ucm.es/fis/02144557/articulos/FITE0303110093A.PDF, 2003.
Sitografia
•   http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_terramotos;
•   http://www.spes-sismica.org/p1755.htm;
•   www-ext.lnec.pt/LNEC/DE/NESDE/divulgacao/tectonica.html;
•   http://www.prof2000.pt/users/esf_cnat/teoriasismos.htm;
•   http: //domingos.home.sapo.pt/sismos _2.html.;
•   http://www.meteo.pt/pt/sismologia/actividade/.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O urbanismo da baixa pombalina
O urbanismo da baixa pombalinaO urbanismo da baixa pombalina
O urbanismo da baixa pombalinaKaryn XP
 
A governação do Marquês de Pombal
A governação do Marquês de PombalA governação do Marquês de Pombal
A governação do Marquês de PombalZé Mário
 
Disponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricasDisponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricasAnabelafernandes
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1cattonia
 
Marquês de pombal corrigido
Marquês de pombal  corrigidoMarquês de pombal  corrigido
Marquês de pombal corrigidoceufaias
 
A saturação das infra estruturas
A saturação das infra estruturasA saturação das infra estruturas
A saturação das infra estruturasRicardoFilipe95
 
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em PortugalEstilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em PortugalRui Nobre
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberaiscattonia
 
Marquês de Pombal
Marquês de PombalMarquês de Pombal
Marquês de PombalInês Lucas
 
Lisboa
LisboaLisboa
Lisboa20014
 
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVAtividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVCátia Botelho
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974Jorge Almeida
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviiiVítor Santos
 

Mais procurados (20)

Terramoto de 1755
Terramoto de 1755Terramoto de 1755
Terramoto de 1755
 
Cidade do porto
Cidade do portoCidade do porto
Cidade do porto
 
O urbanismo da baixa pombalina
O urbanismo da baixa pombalinaO urbanismo da baixa pombalina
O urbanismo da baixa pombalina
 
A governação do Marquês de Pombal
A governação do Marquês de PombalA governação do Marquês de Pombal
A governação do Marquês de Pombal
 
Barragem do alqueva
Barragem do alquevaBarragem do alqueva
Barragem do alqueva
 
Disponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricasDisponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricas
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
Marquês de pombal corrigido
Marquês de pombal  corrigidoMarquês de pombal  corrigido
Marquês de pombal corrigido
 
A saturação das infra estruturas
A saturação das infra estruturasA saturação das infra estruturas
A saturação das infra estruturas
 
Urbanização da Roma Antiga
Urbanização da Roma AntigaUrbanização da Roma Antiga
Urbanização da Roma Antiga
 
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em PortugalEstilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
 
Marquês de Pombal
Marquês de PombalMarquês de Pombal
Marquês de Pombal
 
Termas do Luso
Termas do LusoTermas do Luso
Termas do Luso
 
Lisboa
LisboaLisboa
Lisboa
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
 
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVAtividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 

Semelhante a O terramoto de 1755

Iii 03 - Sismologia
Iii 03 - SismologiaIii 03 - Sismologia
Iii 03 - Sismologiaessg
 
O terramoto de 1755 de joão m
O terramoto de 1755 de joão mO terramoto de 1755 de joão m
O terramoto de 1755 de joão mCarmo Silva
 
Sismologia
SismologiaSismologia
SismologiaMINEDU
 
Tsunamis beatriz,cristiana e manuel
Tsunamis beatriz,cristiana e manuelTsunamis beatriz,cristiana e manuel
Tsunamis beatriz,cristiana e manuel8_c_clube
 
Sismos o que são?, como acontecem/porque?
Sismos o que são?, como acontecem/porque?Sismos o que são?, como acontecem/porque?
Sismos o que são?, como acontecem/porque?duroruben4
 
Terremotos, vulcões e tsunamis
Terremotos, vulcões e tsunamisTerremotos, vulcões e tsunamis
Terremotos, vulcões e tsunamisCarol Pereira
 
Atividade sísmica; riscos e proteções para sismos- Ciências 7ºano
Atividade sísmica; riscos e proteções para sismos- Ciências 7ºanoAtividade sísmica; riscos e proteções para sismos- Ciências 7ºano
Atividade sísmica; riscos e proteções para sismos- Ciências 7ºanoMafaldacmm
 
Sismos e vulcões
Sismos e vulcõesSismos e vulcões
Sismos e vulcõesFilipe Leal
 
Trabalho de Geografia - Áreas de instabilidade geológica
Trabalho de Geografia - Áreas de instabilidade geológicaTrabalho de Geografia - Áreas de instabilidade geológica
Trabalho de Geografia - Áreas de instabilidade geológicaSousaLeitee
 
Traabalho filipe plácido
Traabalho filipe plácidoTraabalho filipe plácido
Traabalho filipe plácidoprotecaocivil
 
História e geografia de portugal
História e geografia de portugalHistória e geografia de portugal
História e geografia de portugalMaria João Vicente
 

Semelhante a O terramoto de 1755 (20)

Iii 03 - Sismologia
Iii 03 - SismologiaIii 03 - Sismologia
Iii 03 - Sismologia
 
Sismos 1
Sismos 1Sismos 1
Sismos 1
 
O terramoto de 1755 de joão m
O terramoto de 1755 de joão mO terramoto de 1755 de joão m
O terramoto de 1755 de joão m
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Tsunamis beatriz,cristiana e manuel
Tsunamis beatriz,cristiana e manuelTsunamis beatriz,cristiana e manuel
Tsunamis beatriz,cristiana e manuel
 
Sismos o que são?, como acontecem/porque?
Sismos o que são?, como acontecem/porque?Sismos o que são?, como acontecem/porque?
Sismos o que são?, como acontecem/porque?
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Terremotos, vulcões e tsunamis
Terremotos, vulcões e tsunamisTerremotos, vulcões e tsunamis
Terremotos, vulcões e tsunamis
 
Atividade sísmica; riscos e proteções para sismos- Ciências 7ºano
Atividade sísmica; riscos e proteções para sismos- Ciências 7ºanoAtividade sísmica; riscos e proteções para sismos- Ciências 7ºano
Atividade sísmica; riscos e proteções para sismos- Ciências 7ºano
 
Terremotos
TerremotosTerremotos
Terremotos
 
Sismos e vulcões
Sismos e vulcõesSismos e vulcões
Sismos e vulcões
 
Trabalho de Geografia - Áreas de instabilidade geológica
Trabalho de Geografia - Áreas de instabilidade geológicaTrabalho de Geografia - Áreas de instabilidade geológica
Trabalho de Geografia - Áreas de instabilidade geológica
 
Cartilha sismologia
Cartilha sismologiaCartilha sismologia
Cartilha sismologia
 
Terremotos 1 A
Terremotos 1 ATerremotos 1 A
Terremotos 1 A
 
Traabalho filipe plácido
Traabalho filipe plácidoTraabalho filipe plácido
Traabalho filipe plácido
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
História e geografia de portugal
História e geografia de portugalHistória e geografia de portugal
História e geografia de portugal
 
Tsunami
TsunamiTsunami
Tsunami
 
Os Sismos
Os SismosOs Sismos
Os Sismos
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 

Último (20)

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 

O terramoto de 1755

  • 1. Universidade do Minho Instituto de Ciências Sociais Licenciatura em História O Terramoto de 1755 Gravura holandesa representando efeitos do terramoto de 1 de Novembro de 1755 sobre Lisboa Docente: Prof. Dr. Paulo Nossa Luís Feliciano António Marques
  • 2. Índice • Introdução • Sismos e sismologia: noções • A sismicidade em Portugal Continental • O Terramoto de 1755 – Descrição dos factos: uma aproximação – Impacto e consequências do Terramoto de 1755 • Conclusão • Bibliografia • Sitografia
  • 3. Sismos e sismologia: noções • Os sismos constituem um fenómeno geológico que sempre aterrorizou as populações que vivem em determinadas zonas da Terra, e a Humanidade desde sempre presenciou a sua enorme capacidade de destruição (exemplo disso é o terramoto de 1755). • Mas o que é um sismo? – Sismos, igualmente designados de terramotos, são abalos naturais da crosta terrestre que ocorrem num período de tempo restrito, em determinado local, e que se propagam em todas as direcções (Ondas Sísmicas), dentro e à superfície da crosta terrestre, sempre que a energia elástica (movimento ao longo do plano de Falha) se liberta bruscamente nalgum ponto (Foco ou Hipocentro). Ao ponto que, na mesma vertical do hipocentro, se encontra à superfície terrestre dá-se o nome de Epicentro, quase sempre rodeado pela região macrossísmica, que abrange todos os pontos onde o abalo possa ser sentido pelo Homem.
  • 4. Ilustração 1 - Bloco-diagrama mostrando uma representação esquemática do foco ou epicentro, plano da falha e epicentro Fonte: http: //domingos.home.sapo.pt/sismos _2.html.
  • 5. • As ondas sísmicas – As ondas sísmicas classificam-se em dois tipos principais: • as ondas que se geram nos focos sísmicos e se propagam no interior do globo, designadas ondas interiores, volumétricas ou profundas (ondas P e S); • as que são geradas com a chegada das ondas interiores à superfície terrestre, designadas por ondas superficiais (ondas L e R). Ondas P Ondas S
  • 6. • Ilustração 2 - Ondas P Ondas L Ondas R Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/sismos_2.html
  • 7. • Tipologia dos sismos: – Sismos naturais; – Sismos vulcânicos; – Sismos de colapso ou implosão; – Sismos artificiais ou induzidos; – Sismos premonitórios. • No mar, os abalos sísmicos podem provocar violenta agitação das águas – maremoto ou “tsunami” – fenómeno tão conhecido pelas suas trágicas consequências, nas populações ribeirinhas e na navegação. • A maior parte dos terramotos acontecem nas fronteiras entre placas tectónicas ou em falhas entre dois blocos rochosos. • Para medir a quantidade de energia libertada de um sismo há varias escalas: – Intensidade; – Magnitude.
  • 8. Tabela 1 - Comparação aproximada entre intensidades e magnitudes sísmicas e número de abalos por ano (adaptado de Carvalho, 1977 e de Press & Siever, 1986) Intensidade Magnitude Efeitos característicos Número de sismos/ano aproximada aproximada Destruição quase total XII ≥ 8,0 0,1-0,2 ou total. Destruição muito XI ≥ 7,4 4 acentuada. Grandes danos, torção nos carris das vias- X 7,0-7,3 15 férreas. Danos consideráveis VIII-IX 6,2-6,9 100 em edifícios. Ligeiros danos nos VI-VII 5,5-6,1 500 edifícios. Sentido por toda a V 4,9-5,4 1400 população. Sentido dentro dos edifícios, podendo IV 4,3-4,8 4800 levar as pessoas a despertar do sono. Sentido por um pequeno número de II-III 3,5-4,2 30000 pessoas. Não sentido, apenas registado pelos I 2,0-3.4 800000 aparelhos. Fonte: Polidoro, 2004
  • 9. A sismicidade em Portugal Continental • De uma forma introdutória podemos dizer que a sismicidade de uma área é essencialmente condicionada pelo seu enquadramento geológico no contexto da tectónica de placas. • Neste sentido, o território de Portugal Continental encontra-se situado nas proximidades do contacto entre as placas Euroasiática e Africana, mais especificamente no interior da placa litosférica Euroasiática, muito próximo da placa Africana, sendo a interacção entre elas, a principal responsável por uma actividade sísmica significativa no território. • Por outro lado, o facto de Portugal se situar na fachada ocidental da Península Ibérica, estimula a actividade sísmica, visto que, coincide com uma área de cruzamento entre uma margem continental submeridiana, resultante da abertura do Atlântico Norte, e a zona de fronteira entre as placas Euroasiática e Africana, de direcção geral E-W, frequentemente designada no seu sector atlântico por fronteira de placas Açores – Gibraltar.
  • 10. Enquadramento do território continental português no contexto da distribuição regional das placas litosféricas. Geometria considerada para a fronteira entre as placas eurasiática (EU) e africana (AF) desde o arquipélago dos Açores (Aç) à região de Gibraltar (Gi), a sul da Península Ibérica (IB), representando-se curvas batimétricas a 200 e 1000 m, e com equidistância de 1000 m para profundidades superiores. AM, placa americana; FG, falha de Gloria; Go, banco submarino de Goringe; P, Portugal continental; T, monte submarino de Tore. Fonte: João Cabral, «Sismotectónica de Portugal»,http://zircon.dcsa.fct.unl.pt/dspace/bitstream/123456789/225/1/18 – 4.PDF, 1995, p. 44.
  • 11. • A nível mundial: – Maiores sismos registados: • foram o do Chile ocorrido em 1960, com uma magnitude de 8,5; • do Alaska em 1964, em que a magnitude atingiu 8,6 apresentando como efeitos característicos uma destruição quase total. – Principais zonas sísmicas: • O arco circum-Pacífico (75 a 80 % do tal de energia libertada); • A zona mediterrânica-transasiática (15 a 20 %); • O sistema das cristas oceânicas (3 a 7 %). • A restante parte da terra é considerada como sendo assísmica. Todavia, nenhuma região está completamente livre da possibilidade da ocorrência de sismos. – 1 % da sismicidade global corresponde à sismicidade intraplacas. Apesar de menos frequentes são igualmente destruidores (Ex. Sismos ocorridos no interior dos EUA e Japão).
  • 12. Distribuição dos sismos, assinalados pelos pontos negros, registados no último século. Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/sismos_2.html
  • 13. Terramoto de 1755 • Descrição dos factos: uma aproximação – 9h40 (manhã): Lisboa sentiu um terramoto de extrema violência. – 10h00 – coincidindo com a primeira réplica, as vagas de um tsunami gerado aquando do sismo das 9h40, chegavam a Lisboa. – 12h – sentiu-se um terceiro choque, mais suave; – 16h – as águas subiram em Creston Ferry (Inglaterra), demorando cerca de 8 minutos para a água voltar ao seu normal; – 19h30 – a primeira onda do tsunami atinge Antígua, a 6000 km de Lisboa (costa americana). • O terramoto que atingiu Lisboa data do dia 1 de Novembro de 1755 (dia de Todos os Santos). • É considerado um dos sismos mais energéticos de todo o globo e apresenta- se como um dos mais documentados da História.
  • 14. • A devastação da capital ocorreu devido à conjugação do sismo, do maremoto e dos incêndios. • Os efeitos deste sismo foram sentidos: – em toda a Península Ibérica: com maior intensidade nas regiões de Lisboa, Setúbal e parte Ocidental do Algarve (graus IX e X); – Açores e a Madeira; – Marrocos; – Europa do norte (Finlândia, Escócia, Irlanda, Bélgica, Holanda); – o Norte de Itália; – a Catalunha; – o sul de França; – a Suíça; – o Brasil; – as Antilhas; – Antígua; – Martinica; – Barbados; – Golfo de Cádis, bem como Gibraltar, Sevilha, através do rio Guadalquivir, Cádis, Huelva e Ceuta.
  • 15. • Este sismo alcançou uma amplitude entre os 8 e os 9 na Escala de Richter e uma correspondente intensidade entre X-XI, na Escala de Mercalli. • O tsunami que o secundou alcançou alturas que variam entre os 5, 15, 20 a 30 metros segundo as fontes e os relatos coevos. • A penetração da água rondou os 250m. • O grau de perceptibilidade deste sismo foi cerca de 2500 km. • Das descrições efectuadas por pessoas que vivenciaram o terramoto conclui-se que o sismo teve uma duração bastante elevada (cerca de seis minutos, o que acontece em sismos de grande magnitude) e grande número de réplicas.
  • 16. Impacto e consequências do Terramoto de 1755 • Para além das perdas humanas e materiais, o terramoto teve graves consequências sociais, religiosas, morais, filosóficas, urbanísticas, políticas… • Vítimas apontadas: – O seu número oscila de fontes para fontes, entre os 40 000 e os 80 000 pessoas; Em Lisboa: dos 200 000 habitantes terão morrido 20 000; outros dizem que das 275 000 habitantes morreram cerca de 90 000. • Consequências materiais: – Das 20 000 casas existentes apenas 3 000 podiam ser utilizadas após o sismo.
  • 17. • Os elevados danos materiais e humanos deveram-se não só à destruição provocada pela vibração do solo, como também devido à acção do tsunami (ou maremoto) e aos vários incêndios que deflagraram em Lisboa e que duraram seis dias. • A norte de Lisboa, as intensidades sentidas atenuaram-se mais rapidamente. Em Coimbra, por exemplo, não se registaram danos sérios. Em Braga e tal como em Guimarães, o terramoto também foi sentido, mas os danos não ultrapassaram fendas nas paredes. • O cataclismo que se verificou gerou medos irracionais, sustentados por sentimentos de culpabilização, ligados à religião, não apenas na população portuguesa, mas também europeia. – O terramoto foi encarado e explicado como obra da mão pesada de Deus; – Este fenómeno abalou o pensamento europeu, iluminista, criando um verdadeiro terramoto filosófico sobre a Providência, a Natureza e a Ciência e sobre o livre arbítrio (Exemplo: Famoso poema de Voltaire).
  • 18. Voltaire VS Rousseau • A contenda principiou com Poema sobre o desastre de Lisboa, no qual Voltaire expõe a fatalidade dos fenómenos naturais, pondo em causa Deus. • Rousseau contra-atacou, perguntando a Voltaire: que culpa tinha a providência se as gentes de Lisboa decidiram viver à beira do Tejo amontoados em vinte mil casas, algumas de seis ou sete andares? • Contrariando a concepção fatalista de Voltaire, Rousseau afirmava que os lisboetas teriam sido, antes de mais, vítimas do seu próprio modo de viver. • ASSIM: O pessimismo voltairiano confrontava-se com a fé optimista na Providência de Rousseau.
  • 19. Caricatura sátira inglesa. Um clérigo católico pergunta como se poderão evitar catástrofes como a de Lisboa, ao que o clérigo anglicano responde que talvez tenham de deixar de queimar pessoas. Fonte: http://www.slideshare.net/ladonordeste/terramoto-de-1755-164521.
  • 20. • A Família Real ficou ilesa de tudo. O rei D. José I e a corte encontravam-se em Santa Maria de Belém, nos arredores de Lisboa. • Após a catástrofe e tendo-se ganho pavor a recintos fechados construiu a ilustra Barraca Real. • Em termos políticos, Sebastião José de Carvalho e Melo, mais conhecido por Marquês de Pombal viu o seu poder e influência aumentar. • Em termos arquitectónicos e urbanísticos, o Marquês de Pombal foi o principal protagonista, obreiro da reconstrução de Lisboa. • Surgiu a inovadora (para a época) técnica construtiva antisísmica, com a gaiola pombalina, modelo de estrutura anti-sísmica desenvolvida na reconstrução da Baixa Pombalina.
  • 21. Bibliografia • Cabral, João. «Sismotectónica de Portugal», http://zircon.dcsa.fct.unl.pt/dspace/bitstrea m/123456789/225/1/18 – 4.PDF, 1995. • Exposição: «Voz do Céu retumbando na Terra com os formidáveis ecos do horroso terramoto que se ouviu no 1 de Novembro de 1755», Universidade do Minho e Sociedade Martins Sarmento, http://www.csarmento.uminho.pt/dcs/sms/exposiçoes/TerrmotosCatalog oWeb.pdf. Janeiro de 2006. • Fernando Polidoro, «O megassismo de 1 de Novembro de 1755 na região de Abrantes: aspectos históricos e geológicos», http://www.esec- manuelfernandes.rcts.pt/pdf/sismos-abrantes.pdf, 2004. • Senos, Maria Luísa e Fernando Carrilho. «Sismicidade de Portugal Continental», Física de la Tierra, revistas.ucm.es/fis/02144557/articulos/FITE0303110093A.PDF, 2003.
  • 22. Sitografia • http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_terramotos; • http://www.spes-sismica.org/p1755.htm; • www-ext.lnec.pt/LNEC/DE/NESDE/divulgacao/tectonica.html; • http://www.prof2000.pt/users/esf_cnat/teoriasismos.htm; • http: //domingos.home.sapo.pt/sismos _2.html.; • http://www.meteo.pt/pt/sismologia/actividade/.