Reinado D.José I

513 visualizações

Publicada em

trabalho de pesquisa de uma aluno do 6º ano de HGP, sobre o reinado de D.José I de Portugal

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
513
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reinado D.José I

  1. 1. José I de Portugal, ou melhor José Francisco António Inácio Norberto Agostinho de Bragança, nasceu a 06 de Junho de 1714 no Paço da Ribeira em Lisboa, e faleceu em 24 de Fevereiro de 1777. Filho de João V de Portugal e de Maria Ana de Áustria, casou em 1729 com Mariana Vitória de Bourbon , Infanta de Espanha, tendo sido pai de D. Maria I de Portugal, D. Maria Ana, D. Maria Francisca Doroteia e D. Maria Francisca Benedita, Princesa do Brasil . Foi cognominado o Reformador devido às reformas que empreendeu durante o seu reinado, foi rei de Portugal da Dinastia de Bragança desde 1750 até à sua morte.
  2. 2. No dia 1 de Novembro de 1755 um violento terramoto destruiu a parte baixa de Lisboa e provocou enormes incêndios e uma onda gigante (tsunami), tendo depois a cidade pegado fogo e sofrido um grande incêndio.. Neste terrível desastre , morreram mais de 20 000 pessoas e 10 000 edifícios destruídos (incluído o Paço da Ribeira); a família real sobreviveu porque se encontrava no Palácio de Belém .
  3. 3. O Marquês de Pombal acompanhou a reconstrução de Lisboa. Decidiu arrasar a ``Baixa´´, que era a parte mais destruída, e aí construir uma zona nova e arejada - a Lisboa Pombalina - com características próprias: - Ruas largas e perpendiculares umas às outras; - Casas harmoniosas todas da mesma altura, com bonitas varandas de ferro forjado e construídos com um sistema de protecção contra sismos; - Construção da Praça do Comércio – construída no sítio do antigo Terreiro do Paço, onde iam dar as ruas `` nobres´´ da cidade
  4. 4. Gaiola Pombalina (sistema anti sísmico) utilizada na reconstrução da cidade de Lisboa
  5. 5. O Marquês de Pombal (Sebastião de Carvalho e Mello)o primeiro ministro de D. José – Responsável pela Lisboa Pombalina
  6. 6. A capacidade de decisão e a eficácia demonstrada pelo Marquês de Pombal para acudir às consequências do terramoto de 1755 permitiram-lhe conquistar a confiança e o apoio total do rei. É a partir desta altura que D. José I entrega ao seu ministro o controlo do governo do Reino. O Marquês de Pombal iniciou então um conjunto de reformas para desenvolver o país e fortalecer o poder absoluto do rei.
  7. 7. Nesta época, as notícias do que se passava nos outros países da Europa chegaram rapidamente a Portugal, através da imprensa. Nos mercados e ruas da cidade, vendiam-se almanaques, vidas de santos, peças de teatro de cordel e a célebre ``Gazeta de Lisboa´´ - o jornal da época. Na Lisboa pombalina, o gosto pela moda francesa fez reanimar os locais de convívio. Apareceram os salões literários, os cafés e botequins (casa de bebidas). Aí se reuniam artistas, poetas, escritores, políticos, para discutir as ideias avançadas da Europa ou criticar a sociedade da época.
  8. 8. O Marquês de Pombal instalou novas indústrias em Lisboa e noutros pontos do país. E para proteger a agricultura, a pesca e, ao mesmo tempo, desenvolver o comércio, retirou aos comerciantes estrangeiros, principalmente ingleses, os grandes lucros que tinham, criando ``Companhias Comerciais´´ controladas pelo Estado.
  9. 9. O Marquês de Pombal impôs algumas reformas na sociedade. Não hesitou em perseguir a nobreza, o clero e os Jesuítas principalmente quando estes se lhe opuseram. Mandou executar alguns deles e confiscar os seus bens (com o apoio do rei D. José) Em contrapartida, protegeu os comerciantes e os burgueses e declarou oficialmente o comércio como profissão nobre. Em 1771, proibiu a escravatura no reino.
  10. 10. O Marquês de Pombal criou escolas ```menores´´ (equivalentes às do 1.º ciclo) por tudo o país e reformou a Universidade de Coimbra. Os métodos de ensino foram alterados, passando-se a dar maior importância à observação e à experimentação. Foi criada ainda a Aula do Comércio, implementada em Lisboa em 1759.

×