Apresentação Institucional 3T11

142 visualizações

Publicada em

Apresentação Institucional 3T11

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
142
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação Institucional 3T11

  1. 1. Apresentação Institucional 3T11
  2. 2. Índice Contexto Macroeconômico Perfil e História O PINE História Estratégias de Negócios Cenário Competitivo O Foco é o Cliente Crédito Corporativo Mesa para Clientes PINE Investimentos e Distribuição Pilares do PINE Elevação dos Ratings Destaques e Resultados Governança Corporativa e Ações Estrutura Organizacional Governança Corporativa Comitês Aumento de Capital Dividendos Anexos Relações com Investidores | 3T11 | 2/37
  3. 3. Contexto Macroeconômico
  4. 4. Contexto Macroeconômico Razões para o crescimento do Brasil. Brasil – PIB Real vs. Crédito Total/PIB Juros Real Cadente 12% 9% 50 45 3.400 PIB Real Crédito Total/PIB 7% 4% 2% -1% 40 35 30 2.900 2.400 -4% -6% -9% -11% 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 25 20 1.900 1.400 3 4 5 6 7 8 9 0 1 14,5% Brasil – Distribuição de Renda das Famílias Baixa Taxa de Desemprego 25% 199 200 200 200 200 200 200 200 200 200 200 201 201 201 Brasil Índia China África do Sul 200 200 200 200 200 200 200 201 201 PIB Real Crédito Total/PIB 13,5% 12,5% 11,5% 10,5% 20% 15% 9,5% 8,5% 7,5% 6,5% 10% 5% 5,5% 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Desemprego dessaz. Média do ano 0% -5% Sem Salários Menor ou igual a 1 SM 1 a 2 SM 2 a 3 SM 3 a 5 SM 5 a 10 SM 10 a 20 SM 20 SM 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Relações com Investidores | 3T11 | 4/37
  5. 5. Contexto Macroeconômico Razões adicionais para o sucesso brasileiro. Resultado Primário / PIB Dívida Pública / PIB 10% 8% 6% 4% 250% 200% 2% 0% -2% -4% 6% 150% 100% --8% -10% -12% 1999 2001 2003 2005 2007 2009 2011 2013 2015 50% 0% 1999 2001 2003 2005 2007 2009 2011 2013 2015 Commodities Exportadas Principais Parceiros Comerciais 1 190 180 2 2 2 2 2 2 2 2 Brasil França Alemanha Itália Japão Russia Espanha Reino Unido EUA Brasil China França Alemanha Índia Itália Japão Reino Unido EUA 21% 27% UNIÃO EUROÉIA CHINA MERCOSUL 170 160 150 140 EUA 18% 1% 2% 2% JAPÃO RUSSIA CORÉIA DO SUL MÉXICO 130 120 110 100 90 10% 15% 4% 2% ÍNDIA RESTO DO MUNDO 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011* Minério de Ferro Soja Açúcar Café Carne (*) Estimativas para 2011 Relações com Investidores | 3T11 | 5/37
  6. 6. Perfil e História
  7. 7. O PINE Banco de atacado especializado em prover soluções financeiras para empresas... Carteira de crédito por faturamento anual dos clientes Até R$ 150 milhões 14% 30 de setembro de 2011 > R$ 1 bilhão 50% R$ 150 a R$ 500 milhões 17% R$ 500 milhões a R$ 1 bilhão 19% Perfil Focado em estabelecer relacionamentos de longo prazo Negócio segmentado g p em quatro principais linhas de com empresas Conhece profundamente as necessidades e estratégias de seus clientes oferecendo uma ampla gama de g g q p p atuação: • Crédito Corporativo: produtos de crédito e financiamento • Mesa para Clientes: produtos de administração clientes, de riscos e hedge produtos financeiros em moeda local e estrangeira Forte relacionamento e penetração de produtos por • PINE Investimentos: Investment Banking e Investment Management • Distribuição: soluções para investidores locais e estrangeiros cliente: média de 2,9 produtos entre os clientes que usam mais de um. Relações com Investidores | 3T11 | 7/37
  8. 8. História ...com vasto conhecimento do ciclo de crédito corporativo no Brasil. Banco Híbrido 1939 Banco de Credito para Empresas Final de 2007 A família Pinheiro funda o Banco Central do Banco de Atacado Decisão de sair do Consignado Consolidação da estratégia de atendimento completo a empresas Nordeste Outubro de 2007 C i ã d M Cli t Maio de 2007 Criação da área de Finanças Corporativas 1975 Noberto Pinheiro se torna um dos controladores do Criação da Mesa para Clientes 6 5.839 6.556 Banco BMC 2005 Noberto Pinheiro torna-se o único acionista do PINE 14 2.982 3.191 4.25 33 9 Carteira de Crédito Empresas Carteira de Crédito Consignado 1997 Noberto e Nelson Pinheiro vendem (R$ milhões) (R$ milhões) 52 184 222 341 521 620 755 663 761 1.21 - - - - 80 61 55 119 245 552 1.23 1.029 475 177 98 Dez-97 Dez-98 Dez-99 Dez-00 Dez-01 Dez-02 Dez-03 Dez-04 Dez-05 Dez-06 Dez-07 Dez-08 Dez-09 Dez-10 Set-11 suas participações no BMC e fundam o PINE Maio de 2007 IPO Relações com Investidores | 3T11 | 8/37
  9. 9. Estratégia de Negócios
  10. 10. Cenário Competitivo O PINE atende a um nicho de empresas pouco servido, que busca um Banco que entenda completamente suas demandas. MERCADO Movimento de consolidação dos bancos causou redução na disponibilidade de crédito e instrumentos financeiros para empresas Grandes bancos múltiplos PINE Bancos Médios de Empresas Oportunidade de expansão das operações Foco no atendimento completo a Empresas Banco de atacado Apenas 10 clientes por officer Empresas, com produtos diversificados e sob medida. Vantagens competitivas: 9 Resposta ágil: Comitê de Crédito duas vezes por semana e resposta aos clientes em até uma semana Bancos estrangeiros 9 Atendimento especializado 9 Soluções sob medida 9 Diversidade de produtos Bancos médios Relações com Investidores | 3T11 | 10/37
  11. 11. O Foco é o cliente Diversidade de produtos para atender às necessidades dos clientes... CDIs Juros CDs LCIs CCBs Private Placements Moedas Commodities CRIs Debêntures Renda á Variável CDBs RDBs LCAs Eurobonds Letras Financeiras Moeda Local Pricing de Ativos e Passivos Underwriting Capital de Giro Conta Garantida Moeda Estrangeira Distribuição Tesouraria Gestão de Liquidez Trading Repasses BNDES Fianças Compror /Vendor ACC/ACE Cliente Crédito Corporativo Mesa para PINE Investimentos Mercado de Capitais Corporate Finance Asset Management Moeda Local Repasses Moeda Estrangeira T d Fi M&A Assessoria Financeira Structured/ Fianças Project Finance Fundos Exclusivos Exportação Finimp Carta de Crédito Resolução 2.770 Empréstimos p Clientes Wealth Management Juros Moedas Trade Finance Fundos de Crédito Privado Gestão de Carteiras Swap NDF Swaps Estruturados Sindicalizados e Estruturados Commodities Opções Relações com Investidores | 3T11 | 11/37
  12. 12. Crédito Corporativo ...buscando ampliar a oferta e a diversificação de instrumentos de crédito para as empresas... Atuação Comitê de Crédito Periodicidade: 2x por semana Quorum mínimo: 4 membros - obrigatória a presença do Atendimento personalizado, muito próximo e ágil, graças ao baixo número de clientes por officer: cada um atende a apenas 10 grupos econômicos em média Q g p ç Presidente do Conselho ou do Presidente Executivo Membros: Presidente do Conselho Equipe de 76 originadores organizados regionalmente, o que garante informações de crédito extremamente atualizadas CEO Vice-Presidente de Corporate Banking Vice-Presidente de Operações Diretora de Crédito Relacionamento com mais de 600 grupos econômicos Originação organizada em 10 agências, divididas em 14 plataformas de negócios, nos principais centros econômicos do país Participantes: Vice-Presidente de Sales & Trading Vice-Presidente de Asset Management Analista de Crédito O PINE possui um time de cerca de 30 analistas de crédito, que garantem inteligência setorial na análise Processos eficientes de empréstimo e de garantias, documentação e controles, que resultam em um índice de Outros membros do Corporate Banking inadimplência na faixa histórica mais baixa Processo de Aprovação de Crédito: Esteira Eletrônica Officer de Originação Analista de Crédito Originação do crédito Análise de crédito, visita a clientes, Superintendentes de Originação e Análise de Crédito Opinião sobre o volume da Diretor e Analistas de Crédito Exposição das propostas ao comitê COMITÊ DE CRÉDITO (5 Membros) Processo de tomada de decisão atualização de dados, interação com a equipe interna de análise operação, garantias, estruturas etc. centralizada e em colegiado Relações com Investidores | 3T11 | 12/37
  13. 13. Mesa para Clientes ...oferecendo produtos de hedging que colocam o PINE como segundo maior player em termo de commodities para clientes*... Valor Nocional por Mercado de Atuação Valor Nocional por Setor p Juros 30% Açúcar e Álcool 17% Bebidas e Fumo 8% Transportes e Logística 8% Têxtil e Vestuário 5% 30 de setembro de 2011 Moeda 60% Metalurgia 3% Energia Elétrica e Renovável 3% Eletroeletrônica 3% Commodities 10% Comércio Exterior 18% Infra Estrutura 2% Construção Civil 2% Outros 7% Segmentos de Mercado Perfil da Carteira Agricultura 24% Valor Nocional: R$ 3,7 bilhões Renda Fixa: Pré-fixado, Flutuante, Inflação, Libor Cenário em 30 de Setembro: Moedas: Dólar, Euro, Iene, Libra, Dólar Canadense, Dólar Australiano, Spot Duration: 209 dias MTM: R$ 178 milhões Commodities: Açúcar, Soja (Grãos, Farinha e Óleo), Milho, Algodão, Metais, Energia Cenário de Estresse (Dólar: R$ 2,40 e Preço Commodities: -31%): MTM Estressado: R$ 417 milhões (Risco de crédito t i l li t ) *Fonte: Cetip Report de setembro. potencial com clientes) Relações com Investidores | 3T11 | 13/37
  14. 14. PINE Investimentos e Distribuição ...e que adicionam valor para empresas, otimizando sempre o uso do capital do Banco. PINE Investimentos A PINE Investimentos oferece soluções diferenciadas aos clientes nas áreas de Investment Banking e Investment Managment InvestmentBanking InvestmentManagement Asset Management Renda Fixa Mercado de Capitais Estruturação e Corporate Finance M&A Wealth Management Gestão de Carteiras Fundos de Crédito Mandatos Exclusivos Colocação de TVM Operações Estruturadas Assessoria Financeira e Estratégica Structured / Project Finance Mesa de Distribuição Investidores nacionais e estrangeiros Family Offices Empresas Instituições Financeiras Investidores Estrangeiros Pessoas Físicas Asset Managers Fundos de Pensão Relações com Investidores | 3T11 | 14/37
  15. 15. Pilares Uma estratégia apoiada em bases sólidas, construídas e conquistadas ao longo dos anos... Capitalização adequada Equipe preparada e incentivada Meritocracia Incentivos Qualificação Emissão de US$ 125 milhões de dívida subordinada, aprovada como Tier II em junho de 2010 Patrimônio de Referência: R$ 1,3 bilhão (set/11) 19,6% de Índice de Basiléia (set/11) Parceria DEG/PINE (mar/11) Clientes corporativos Atendimento personalizado Profundo entendimento de suas necessidades Estrutura de captação eficiente Alongamento: prazo médio de 18 meses (set/11) Maior diversificação das fontes de captação Diversidade de produtos A/B Loan de USD 106 milhões (jan/11) FIDC de R$ 300 milhões (abril/11) Relações com Investidores | 3T11 | 15/37
  16. 16. Elevação dos Ratings ... reconhecida pelo mercado e positivamente avaliada pelas agências de rating. Em 23 de agosto de 2011, a Standard & Poor’s elevou os ratings do PINE conforme abaixo: Rating de Moeda local, de brA- para brA Afirmação do Rating em Moeda Estrangeira em BB-/B Revisão da perspectiva do PINE para Positiva Segundo a agência, o PINE foi bem sucedido na implantação de sua estratégia focada em empresas, diversificando suas fontes de receitas e funding, mantendo a boa qualidade de crédito e liquidez adequada. A S&P poderá aumentar os ratings, se o banco continuar a expandir e melhorar sua rentabilidade, mantendo sua liquidez e qualidade de ativos nos patamares atuais. Em 24 de maio de 2010, a Fitch Ratings elevou os ratings do PINE conforme abaixo: IDR de Longo Prazo em Moeda Local e Estrangeira de ‘B+’ para ‘BB-’ Rating Nacional de Longo Prazo de ‘A-(bra)’ para ‘A(bra)’ Rating Nacional Curto Prazo de ‘F2(bra)’ para ‘F1(bra)’ Rating Individual de ‘D’ para ‘C/D’ Segundo a agência, “desde o segundo semestre de 2009, o PINE retomou o foco no crescimento da carteira de crédito a (...) empresas e ampliou também as receitas oriundas do cross-selling com a tesouraria, direcionadas a seus clientes, e de serviços de assessoria financeira”. Em 13 de julho de 2011, a Austin Ratings elevou os ratings do PINE conforme abaixo: Rating de Longo Prazo de ‘A’ para ‘A+’; Afirmação do Rating de Curto Prazo em ‘A-2’ Segundo a agência, “a mudança do rating se ampara na menor exposição do balanço e resultado do banco a fatores setoriais e g g , ç g p p ç ç regulatórios exógenos.” A Austin também enfatiza que “o banco tem mantido a coerência com a estratégia traçada, com foco de atuação bem definido, visando ampliar o cross-selling.” Relações com Investidores | 3T11 | 16/37
  17. 17. Destaques e Resultados
  18. 18. Destaques do 3T11 Os principais indicadores apresentaram melhora no período... Lucro Líquido Empresas (R$ Milhões) 11,7% Lucro Líquido (R$ milhões) 5,5% Patrimônio Líquido (R$ milhões) 10,0% 39,3 43,9 36,1 38,1 892,7 981,8 2T11 3T11 , Jun-11 Set-11 2T11 3T11 ROAE Empresas 1,1 p.p. ROAE Jun Set Carteira de Crédito de Empresas* (R$ Milhões) , 4,5% 6.249 6.530 17,3% 17,3% 20,1% 19,0% Jun-11 Set-11 2T11 3T11 2T11 3T11 (*) Inclui debêntures Relações com Investidores | 3T11 | 18/37
  19. 19. Diversificação de Produtos e Receitas ...com contribuições de todas as linhas de negócios, fruto da estratégia de atendimento completo a clientes. Participação de Clientes com Mais de um Produto Índice de Produtos - Clientes com Mais de um Produto Mais de 1 produto 1 produto 2,9 66% 55% 40% 2,5 2,8 , 34% 45% 60% Set-09 Set-10 Set-11 Set-09 Set-10 Set-11 Abertura das Receitas de Empresas 9M10 9M11 Crédito Corporativo 69,4% PINE Investimentos 4,2% Crédito Corporativo 65,9% PINE Investimentos 3,9% Tesouraria 5,4% Mesa para Tesouraria 4,9% Clientes 21,0% Mesa para Clientes 25,3% Relações com Investidores | 3T11 | 19/37
  20. 20. Carteira de Crédito A carteira manteve o desenvolvimento positivo, com crescimento de 4,5% no trimestre... Mi d C t i d C édit E 6.249 6.530 Mix da Carteira de Crédito Empresas 78 97 71 746 534 601 751 558 1.534 1 022 1 372 (R$ Milhões) Títulos Privados* 4 462 4.794 5.265 5.747 5.792 A carteira de empresas apresentou crescimento de 24,0% em doze meses. 176 242 455 629 833 871 902 872 511 634 842 827 1.022 1.117 1.372 695 728 764 705 Trade finance Fiança 3.416 4.118 4.462 350 2.284 2.703 2.821 2.792 3.251 3.358 3.132 3.126 3.300 87 Repasses BNDES C it l d i Set-09 Dez-09 Mar-10 Jun-10 Set-10 Dez-10 Mar-11 Jun-11 Set-11 (*) Inclui debêntures Capital de giro Carteira de Crédito Total* * 6 2 39 654 Total (R$ Milhões) Crescimento da carteira de crédito de Empresas, que representa 98,5% da carteira total. 4.089 4.731 4.960 5.188 5.601 6.016 6.022 6.43 6.6 Set-09 Dez-09 Mar-10 Jun-10 Set-10 Dez-10 Mar-11 Jun-11 Set-11 (**) Inclui Crédito a Empresas, Debêntures, Carteira Remanescente do Varejo e Operações Adquiridas de Instituições Financeiras Relações com Investidores | 3T11 | 20/37
  21. 21. Perfil da Carteira de Crédito ...evoluindo de forma diversificada tanto em setores quanto em produtos... C i d Cédi S Carteira de Crédito por Região Norte Centro- 1% Oeste 12% Carteira de Crédito por Setor Nordeste 5% S l Agricultura 8% Transportes e Logística 6% Comércio Exterior 5% Processamento de Carne 4% Serviços Sudeste 75% Sul 7% Construção Civil 8% Infra Estrutura 8% Especializados 4% Bebidas e Fumo 4% Carteira de Crédito por Produtos Energia Elétrica á Telecomunicações 3% Veículos e Peças 3% Trade Finance (*) Inclui debêntures Açúcar e Álcool 17% e Renovável 10% Metalurgia 3% Instituição Financeira Alimentos 2% Fiança 24% 11% Títulos Privados* 1% Outros 2% 13% Repasses BNDES 13% Capital de giro 51% Relações com Investidores | 3T11 | 21/37
  22. 22. Qualidade da Carteira de Crédito ...com qualidade, garantias e aumento da cobertura total da carteira. Qualidade da Carteira de Crédito – Setembro 2011 Non Performing Loans Contrato em atraso B Parcelas em atraso 26,3% 2,1% ,8% C 6,6% 1, 1,1% 0,5% 0,4% 0,4% 0,7% 0,5% 0,5% 0,3% 0,2% 0,2% D-E 1,9% F-H 2,2% AA-A Acima de 15 Acima de 30 Acima de 60 Acima de 90 Acima de 120 Acima de 180 dias dias dias dias dias dias Cobertura da Carteira Total Garantias 1 2 p p AA 63,0% Recebíveis Alienação 35% Fiduciária de Imóveis 18% 1,2 p.p. 0,2 p.p. Alienação Fiduciária de A li õ Aplicações Financeiras 1,7% 2,7% 2,9% Produtos 43% 4% Set-10 Jun-11 Set-11 Relações com Investidores | 3T11 | 22/37
  23. 23. Captação As captações continuam crescendo com qualidade e diversificação... Em setembro de 2011: Captação Local: 77% Captação Internacional: 23% Crescimento de 38,1% da carteira de Trade Finance no trimestre d 6.098 Mercado de Capitais 377 596 814 200 160 282 267 310 166 179 155 84 86 203 194 194 185 204 237 Mix da Captação (R$ Milhões) Private Placements Multilaterais 5.375 4.871 4.531 4.634 5.589 5.447 5.780 14969 214 212 228 42 41 53 66 201 224 320 272 209 165 176 242 453 626 829 867 898 867 419 330 249 192 152 125 92 71 527 525 448 405 413 435 225 230 239 227 72 77 87 151 108 75 276 Trade Finance Cessão BNDES 3.852 529 840 1.123 1.064 1.124 1.432 1.559 1.114 1.287 1.253 89 91 85 175 199 218 63 39 50 36 85 206 248 87 Interfinanceiros Depósitos a vista P Fíi 1.225 1.570 1.566 1.646 1.683 1.564 1.736 1.878 2.000 Pessoa Física Pessoa Jurídica Institucionais Captações Externas – Agências Multilaterais A/B Loan (Janeiro, 2011) Set-09 Dez-09 Mar-10 Jun-10 Set-10 Dez-10 Mar-11 Jun-11 Set-11 US$106,0 Milhões Relações com Investidores | 3T11 | 23/37
  24. 24. Prazo das Captações vs. Crédito ...apresentando um gap positivo de 4 meses entre a carteira de crédito e as captações, R$ milhões Crédito 2.866 9 Captação - 2 1.798 1.324 458 168 66 1.547 2.129 1.500 604 402 4 4 Sem Vencimento Até 3 meses (inclui Caixa) De 3 a 12 meses De 1 a 3 anos De 3 a 5 anos Acima de 5 anos Prazo Médio Crédito: 14 meses Captação: 18 meses Relações com Investidores | 3T11 | 24/37
  25. 25. Basileia ...enquanto que a Basileia apresentou ganho de 3,0% ante o 2T11, encerrando o 3T11 em 19,6%. Basiléia Tier II Tier I 17,2% 18 5% 18,4% Capital Regulatório Mínimo (11%) 19,6% 0,5% 0,5% 0,5% 3,9% 3,6% 3,6% 3,7% 3,4% 4,5% 15,6% 14,9% 18,5% 17,4% 17,1% 16,6% , 16,7% 15,1% 14,4% 14,6% 14,8% 13,8% 13,4% 13,2% 15,1% Set-09 Dez-09 Mar-10 Jun-10 Set-10 Dez-10 Mar-11 Jun-11 Set-11 Principais efeitos sobre a Basileia – Setembro vs Junho Metodologia de cálculo de risco operacional: ganho de 1,4% Aumento de Capital do DEG: ganho de 0,7% S bordinação de Letras Financeiras: ganho de 0 2% R$ milhares Basileia (%) Tier I 979.938 15,1% Tier II 295.716 4,5% Total 1.275.654 19,6% Subordinação 0,2% Relações com Investidores | 3T11 | 25/37
  26. 26. Robustez de Balanço Em resumo, o PINE possui colchões de liquidez, capital e cobertura da carteira de crédito. Cobertura da Carteira Total % 2,4% 2,7% 2,7% 2,9% 1,7% 2 Set-10 Dez-10 Mar-11 Jun-11 Set-11 Capital Caixa / Depósitos a Prazo Capital Regulatório Capital Regulatório Mínimo (11%) 40% 43% 42% 42% 41% 18,4% 17,4% 17,1% 16,6% 19,6% Set-10 Dez-10 Mar-11 Jun-11 Set-11 Set-10 Dez-10 Mar-11 Jun-11 Set-11 Relações com Investidores | 3T11 | 26/37
  27. 27. Governança Corporativa e Ações
  28. 28. Estrutura Organizacional Em linha com a estratégia de agilidade e proximidade, o PINE possui estrutura desburocratizada e hierarquia horizontal... Conselho de Administração Auditoria Interna Tikara Yoneya Auditoria Externa PwC Conselho Fiscal Noberto Pinheiro Presidente Noberto N. Pinheiro Jr. Vice-Presidente Maurizio Mauro Membro Independente Fernando Albino Membro Externo Mailson da Nóbrega Membro Independente Antonio Hermann Membro Independente Ri O i l Sidney Veneziani Sérgio Machado Alcindo Itikawa CEO Noberto N. Pinheiro Jr. Risco Operacional & Compliance Asset Management Gustavo Junqueira Planejamento & Controle Susana Waldeck Sales & Trading Norberto Zaiet Jr. Corporate Banking Clive Botelho Crédito Gabriela Chiste Operações Ulisses Alcantarilla q Plataformas de Originação: • São Paulo • Campinas Crédito Empresas • Análise e concessão de crédito • Monitoramento dos riscos de crédito e análise setorial Riscos de Mercado e Liquidez Recursos Humanos Contabilidade Controladoria Processamento e Formalização • Local • Internacional Jurídico C t i Trading Mesa para Clientes • Renda Fixa • Moedas • Commodities Á I i l Advisory Structured Finance Investment Management Wealth Management • Ribeirão Preto • São José do Rio Preto • Rio de Janeiro • Curitiba • Porto Alegre • Belo Horizonte • Recife Research Renda Fixa Planejamento Tributário Marketing Tecnologia Contas a Pagar Controle de Produtos Contencioso Middle Office Originação Área Internacional Relações com Investidores Reasearch Macro / Commoditties Captação Mercado de Capitais Di t ib i ã • Fortaleza • Tangará da Serra Distribuição Produtos Relações com Investidores | 3T11 | 28/37
  29. 29. Governança Corporativa ...adotando as melhores práticas de governança corporativa... Três Membros Independentes e um Membro Externo no Conselho de Administração Mailson Ferreira da Nóbrega: Ministro das Finanças do Brasil de 1988 a 1990 Maurizio Mauro: ex-CEO da Booz Allen Hamilton e do Grupo Abril Fernando Albino de Oliveira: ex-Diretor da CVM e sócio da Albino Advogados Associados Antonio Hermann: ex-CEO do Banco Itamarati, diretor da Febraban e da ABBC Nível 1 de Governança Corporativa na Bovespa Conselho Fiscal Tag along g g de 100% para todos tipos de ações, inclusive as sem direito de voto Procedimentos de arbitragem para a resolução rápida de processos judiciais Primeiro Banco a publicar trimestral e simultaneamente seus resultados em BR GAAP e IFRS Relações com Investidores | 3T11 | 29/37
  30. 30. Comitês ... privilegiando decisões tomadas de forma colegiada. Principais decisões tomadas de forma colegiada: Conselho de Administração e estrutura de comitês específicos Troca intensa de conhecimento e informação Transparência Conselho de Administração Conselho Fiscal PwC Comitê Executivo Comitê de Tesouraria (ALCO) Comitê de Produtos Comitê de Crédito Comitê de Controles Internos e Auditoria Comitê de Contencioso Comitê Corporate Finance Comitê Cayman Comitê de Avaliação de Performance Comitê de Conduta Ética Comitê de Tecnologia Comitê de Recursos Humanos Comitê de Riscos Relações com Investidores | 3T11 | 30/37
  31. 31. Aumento de Capital DEG, membro do KfW Bankengruppe, segundo maior banco alemão, concluiu em 9 de setembro a subscrição de 2,94% do capital do PINE. O aumento de capital do PINE é o primeiro investimento do DEG em equity de uma instituição financeira brasileira. O acordo amplia a estrutura de capital do PINE e a colaboração entre as duas instituições. Principais pontos: Preço por Ação: R$ 17,20 Total de Ações: 2.543.604 ações preferenciais Valor Total: R$ 43.749.988,80 Após homologação pelo Banco Central, a estrutura acionária terá a seguinte composição: Base 19/10/11 ON PN Total % Controlador 45.443.872 14.370.556 59.814.428 69,1% Administradores - 2.753.446 2.753.446 3,2% Free Float - 24.010.134 24.010.134 27,7% Pessoas Físicas * - 4.525.343 4.525.343 5,2% Institucionais - 9.002.817 9.002.817 10,4% Estrangeiros - 7.938.370 7.938.370 9,2% DEG * - 2 543 2.543.604 604 2 543 2.543.604 604 2 2,9% 9% Total 45.443.872 41.134.136 86.578.008 * As ações referentes ao aumento de capital ocorrido em setembro estão pendentes de homologação do Banco Central. Relações com Investidores | 3T11 | 31/37
  32. 32. Dividendos PINE distribui dividendos e/ou JCP trimestralmente. Dividendos e JCP (R$ Milhões) 45 16 25 25 33 30 35 40 35 15 1S07 2S07 1S08 2S08 1S09 2S09 1S10 2S10 1S11 3T11 Relações com Investidores | 3T11 | 32/37
  33. 33. Anexos
  34. 34. Responsabilidade Social O PINE apoia e divulga a cultura brasileira Social Casa Hope Instituto Alfabetização Solidária Cultura Diário de Navegação: aborda os primeiros anos de ocupação da costa brasileira pelos Instituto Casa da Providência l i d Hospital Pequeno Príncipe GRAACC - Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer Colégio Mão Amiga colonizadores portugueses Paulo von Poser: exposição de um dos principais expoentes da arte brasileira Teatro Cultura Artística: é um dos apoiadores do projeto de reconstrução Esporte Minas Tênis Clube: programa de formação de atletas para as equipes de base de diversas Quebrando o Tabu: apoiador do documentário com a análise do ex-presidente Fernando Henrique sobre combate às drogas Além da Estrada: apoiador do filme, que recebeu prêmio de melhor diretor no Festival modalidades esportivas Tênis Sobre Rodas: projeto executado pelo Instituto Brilho Brasileiro fundado pela tenista Vanessa Menga, que beneficia 80 portadores de deficiência física do Rio, em 2010 Crédito Responsável “Listas de exclusão” no financiamento, de Most Green Bank exclusão projetos ou organizações que agridam o meio ambiente, que tenham práticas trabalhistas ilegais ou que envolvam produtos ou atividades considerados nocivos à sociedade Reconhecido pelo International Finance Corporation (IFC), agência de programas privados do Banco Mundial, como o banco mais “verde” em decorrência de suas õ operações no â bi âmbito d do Gl b l Global T d Trade Fi Finance P Program (GTFP) e voltadas para empréstimos a empresas focadas em energia renovável e mercado de etanol. Sistema, financiado pelo BID e coordenado pela FGV, de monitoramento ambiental e relatórios internos de sustentabilidade para empréstimos corporativos Relações com Investidores | 3T11 | 34/37
  35. 35. Ratings Moody’s Standard & Fitch Ratings Riskbank LF Rating Austin Poor's a Local e angeira Longo Prazo Ba2 BB- BB- - - - Curto Prazo B B - - - Moeda Estra Longo Prazo Ba2 BB- BB- - - - Curto Prazo B B - - - Nacional Longo Prazo A1.br brA A(bra) 10,78 Baixo risco para médio prazo (-) A+ A+ Curto Prazo Br-1 F1(bra) Relações com Investidores | 3T11 | 35/37
  36. 36. Principais Indicadores 3T11 2T11 3T10 9M11 9M10 Resultado e rentabilidade Lucro líquido (R$ milhares) 38.061 36.084 37.596 105.595 103.372 ROAE anualizado 17,3% 17,3% 18,6% 15,5% 16,6% ROAAp 1 2,5% 2,5% 3,0% 2,4% 2,8% Margem financeira antes de PDD 6,0% 6,6% 8,1% 6,2% 7,1% Margem financeira após PDD 5,2% 5,8% 7,1% 5,4% 6,5% Balanço patrimonial (R$ milhares) Carteira de crédito total 2 6.654.354 6.439.157 5.601.470 6.654.354 5.601.470 Risco de crédito e títulos privados de empresas 3 6.529.892 6.248.697 5.265.410 6.529.892 5.265.410 Ativos ponderados pelo risco 6.214.582 6.026.322 5.206.221 6.214.582 5.206.221 Depósitos totais 4 3.676.446 3.605.498 3.584.541 3.676.446 3.584.541 Captação total 6.097.571 5.780.490 5.374.700 6.097.571 5.374.700 Patrimônio líquido 981.779 892.700 872.761 981.779 872.761 Qualidade da carteira Non performing loans - 15 dias 0,7% 0,3% 0,8% 0,7% 0,8% Non performing loans - 60 dias 0,5% 0,2% 0,6% 0,5% 0,6% Non performing loans - 90 dias 0,3% 0,2% 0,5% 0,3% 0,5% Cobertura da carteira 2,9% 2,7% 1,7% 2,9% 1,7% Desempenho Índice da Basiléia 19,6% 16,6% 18,4% 19,6% 18,4% Índice de eficiência 38,8% 40,8% 31,8% 39,7% 34,7% Lucro por ação (R$) 5 0,44 0,43 0,45 1,22 1,24 Valor patrimonial por ação (R$) 5 11,34 10,62 10,47 11,34 10,47 (1) A tivos ponderados pelo risco. (2) I l Inclui ifi fianças, d bê t debêntures e a t i carteira t remanescente d do j varejo. (3) Inclui fianças e debêntures. (4) Inclui LCA. (5) Inclui as ações subscritas no aumento de capital, pendentes de homologação do Banco Central. Relações com Investidores | 3T11 | 36/37
  37. 37. Relações com Investidores Norberto Zaiet Junior CFO Nira Bessler Superintendente de Relações com Investidores Alejandra Hidalgo Gerente de Relações com Investidores Alexandre Cavalcanti Gerente de Relações com Investidores Fone: +55-11-3372-5553 www.bancopine.com.br/ri ri@bancopine.com.br As afirmações contidas neste documento relacionadas a perspectivas sobre os negócios, projeções sobre resultados operacionais e financeiros e aquelas relacionadas a perspectivas de crescimento do PINE são meramente projeções e, como tais, são baseadas exclusivamente nas expectativas da administração sobre o futuro dos negócios. Essas expectativas dependem, substancialmente, das condições de mercado, do desempenho da economia brasileira e do setor (mudanças políticas e econômicas, volatilidade nas taxas de juros e câmbio, mudanças tecnológicas, inflação, desintermediação financeira, pressões competitivas sobre produtos e preços e mudanças na legislação tributária) e, portanto, sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Relações com Investidores | 3T11 | 37/37

×