SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO – SEEDUC-RJ
COLÉGIO ESTADUAL ROSELÂNDIA
MATERIAL IMPRESSO – 2020
Disciplina Curso Bimestre Série
FILOSOFIA Ensino Médio 3ºe 4º 1º
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
O que é Se humano.
Caminhos para aprender a filosofar.
- Compreender o Ser humano como um ser singular.
- Compreender o Ser humano como um ser político
- Estabelecer e problematizar as diferenças entre DOXA e EPISTEME
- Situar a importância e o legado que a filosofia grega deixou para o mundo
ocidental.
A SINGULARIDADE DO SER HUMANO - O que o ser humano possui que o difere dos outros
seres vivos existentes?
Agora , vamos aprofundar nossos estudos a respeito da singularidade do ser humano. Por que
podemos dizer que o ser humano é um ser singular? O que o ser humano possui que o difere dos
outros seres vivos existentes?
O homem deve ser compreendido em suas várias dimensões: racionalidade, condição
psicológica, técnico-produtiva e espiritual. O ser humano pode ser considerado um agente
transformador e não se submete inteiramente às forças da natureza, pois ele é capaz de superar
os limites impostos por ela.
O ser humano é uma pessoa que desenvolve a consciência de si mesma com base na
integração entre o plano individual e o sociocultural, nas diferentes relações com a natureza, com
os semelhantes, com o transcendente e consigo mesma. Graças à sua racionalidade, o homem se
conhece distinto do mundo.
O processo de humanização, realizado com base no conhecimento, na linguagem e na ação,
produz certo conhecimento que se situa nas condições materiais de produção da vida e dos
valores, como também no sentido que se atribui à existência.
Por isso, caro aluno, você já pode perceber que o homem é um ser vivente, que, no cotidiano,
é conhecido como único agente e membro da vida cultural. O trabalho pode ser entendido como
atividade do homem que transforma a natureza. Assim sendo, parece evidente a relação entre
trabalho e realização humana. Tal relação é tão antiga quanto à própria história da humanidade.
A civilização tecnológica tem influência marcante no modo de ser e pensar de cada um de
nós, assim como na forma da organização econômica, política e cultural das sociedades
contemporâneas.
A transformação do mundo material ocorre simultaneamente com as formas de conhecimento
produzidas pelas sociedades ao longo da história. A passagem de um momento para outro, na
história das sociedades, sempre ocorreu com muitos conflitos e sequelas. Até porque os homens
não são apenas seres biológicos produzidos pela natureza. São seres culturais que modificam o
estado da natureza.
INICIAÇÃO A ANTROPOLOGIAFILOSÓFICA – O QUE É O SER HUMANO?
Caro aluno, nesta atividade, iremos conhecer uma importante área da filosofia: a
antropologia. Nesse momento em que você já está mais familiarizado com a filosofia, é
importante que você, aluno, continue a aprofundar seus estudos. Vamos conhecer um pouco mais
da filosofia?
O termo antropologia vem do grego e significa estudo sobre o homem. A pergunta filosófica
fundamental a ser feita nesse caso: o que é o ser humano? A partir dessa pergunta outras
questões são levantadas, tais como: qual o sentido da existência humana? Existe uma
natureza humana? Se existe, como defini-la? A antropologia filosófica estuda o homem em
sua maior essência, enquanto a antropologia física estuda o homem na sua dimensão corpórea,
diferenciando-o do animal, a antropologia cultural aborda os costumes e hábitos. Assim, a
antropologia filosófica, bem como a ciência, se preocupa com o ser humano, embora a
abordagem ocorra de forma distinta (diferente).
Assim, a antropologia é a parte da filosofia que se ocupa com a posição do homem no cosmo
(universo). E ao longo da história da filosofia várias foram as concepções sobre a visão do
homem, tais como:
Na Idade Antiga, Platão: o corpo é o cárcere da alma. Aristóteles: o homem é um animal
político por natureza. Sócrates: necessidade de conhecer a si mesmo.
Na Idade Média, relação entre alma e corpo, submissão da razão à fé, visão fortemente
marcada pelo teocentrismo, Deus como o centro do universo.
Idade Moderna, Descartes opondo corpo e alma no ser humano.
E, no período contemporâneo, Marx, o homem econômico; Freud, destaca o homem instintivo,
Kierkergard, o homem angustiado. E muitos outros exemplos, podemos encontrar entre os
pensadores.
Importante destaque é o pensamento de Rousseau. “O homem nasce bom e a sociedade o
corrompe”. Isso porque no estado de natureza, não há lutas, os homens se comunicam por
gestos, gritos generosos, o homem é um bom selvagem que nasce livre com impulsos irrestritos.
Eles criam o estado civil por livre associação, convenção e deliberadamente resolvem formar certo
tipo de sociedade à qual passam a prestar obediência mediante o respeito à vontade geral. Mas,
ao criar um conjunto de forças e leis para se protegerem estas leis lhes castra a liberdade e o
homem perde a liberdade natural ilimitada e ganha a liberdade moral (civil).
O HOMEM É UM ANIMAL POLÍTICO - ARISTÓTELES
Aristóteles observa que o homem é um ser que necessita de coisas e dos
outros, sendo, por isso, um ser carente e imperfeito, buscando a comunidade para
alcançar a completude. E a partir disso, ele deduz que o homem é naturalmente político.
Além disso, para Aristóteles, quem vive fora da comunidade organizada (cidade ou Pólis)
ou é um ser degradado ou um ser sobre-humano (divino).
Conforme Aristóteles, o conceito de cidadão varia de acordo com o tipo de governo.
Isso porque o cidadão é aquele que participa ativamente da elaboração e execução das
leis, sendo estas elaboradas pelo rei (monarquia), por poucos (oligarquia) ou por todos os
cidadãos livres (democracia). No entanto, nem todos os que moram na cidade são
cidadãos. Aristóteles diferencia habitante de cidadão, pois aqueles apenas moram na
cidade, não participam dela, enquanto que esses dos que realmente pensam sobre ela
tem o direito de deliberar e votar as leis que conservam e salvam o Estado. Dito de outro
modo, cidadão é aquele que tem o poder executivo, legislativo e judiciário. Os velhos
e as crianças não são realmente cidadãos. Os velhos pela idade estão isentos de
qualquer serviço e as crianças não têm idade ainda para exercer as funções cívicas.
Aristóteles concebe, também, as quatro causas que determinam uma comunidade.
Estas são agrupamentos de homens unidos por um fim comum, relacionando-se pela
amizade e justiça, isto é, por um vínculo afetivo. São características da comunidade:
- Causa Material: Lares, vilarejos, etc. É a partir de onde nasce a cidade;
- Causa Formal: O regime ou a Constituição que ordena a relação entre suas partes,
dando forma a ela;
- Causa Eficiente: Desenvolvimento natural. Para Aristóteles a cidade é um ser natural,
um organismo vivo;
- Causa Final: A finalidade da cidade é a Felicidade, ou seja, alcançar o bem soberano.
Para Aristóteles, “toda comunidade visa um bem”. O bem de que se trata aqui é na
verdade um fim determinado. Não se refere ao bem correto, universal, mas a todo ato que
tem como finalidade um certo bem. Sendo assim, toda comunidade tem um fim como
meta, uma vantagem que deve ser aquela principal e que contém em si todas as outras.
PORTANTO, A MAIOR VANTAGEM POSSÍVEL É O BEM SOBERANO.
A comunidade política, afirma Aristóteles, é aquela que é soberana entre todas e
inclui todas as outras (Política, 1252 a3-5). Isto significa que a comunidade política é a
cidade, que inclui todas as outras formas de comunidade (lares e vilarejos) que a compõe.
A cidade é o último grau de comunidade. Além disso, a cidade é soberana dentre todas as
comunidades e visa o bem soberano, existindo, portanto, uma analogia.
Portanto, o animal político ou cidadão é o homem livre que goza de direitos naturais
por sua competência em comandar, enquanto que aos homens dotados apenas de
robustez física e pouco intelecto são aptos para obedecer, e essa analogia se estende a
relação entre a soberania da cidade e as comunidades que participam dela com seus fins
específicos. A cidade é soberana porque visa o bem comum, soberano. O homem livre é
soberano porque é senhor de si.
CONHECIMENTO DO SENSO COMUM - DOXA
No seu dia-a-dia, o homem adquire espontaneamente um modo de entender e atuar sobre a
realidade. Algumas pessoas, por exemplo, não passam por baixo de escadas, porque acreditam
que dá azar; se quebrarem um espelho, sete anos de azar. Algumas confeiteiras sabem que o
forno não pode ser aberto enquanto o bolo está assando, senão ele "embatuma", sabem também
que a determinados pratos, feitos em banho-maria, devem-se acrescentar umas gotas de vinagre
ou de limão para que a vasilha de alumínio não fique escura.
Como aprenderam estas informações? Elas foram sendo passadas de geração a geração. Elas
não só foram assimiladas mas também transformadas, contribuindo assim para a compreensão da
realidade. Assim, se o conhecimento é produto de uma prática que se faz social e historicamente,
todas as explicações para a vida, para as regras de comportamento social, para o trabalho, para
os fenômenos da natureza, etc., passam a fazer parte das explicações para tudo o que
observamos e experienciamos. Raramente há questionamentos sobre outras possibilidades de
explicações para a realidade. São inúmeros os exemplos presentes na vida social, construídos
pelo "ouvi dizer", que formam uma visão de mundo fragmentada e assistemática. Mesmo assim, é
uma forma usada pelo homem para tentar resolver seus problemas da vida cotidiana. Isso tudo é
denominado de senso comum ou conhecimento espontâneo.
Podemos dizer que o senso comum é o conhecimento acumulado pelos homens, de forma
empírica, porque se baseia apenas na experiência cotidiana, sem se preocupar com o rigor que a
experiência científica exige e sem questionar os problemas colocados justamente pelo cotidiano.
Portanto, é também um saber ingênuo uma vez que não possui uma postura crítica. "Em geral, as
pessoas percebem que existe uma diferença entre o conhecimento do homem do povo, às
vezes até cheio de experiências, mas que não estudou, e o conhecimento daquele que
estudou determinado assunto. E a diferença é que o conhecimento do homem do povo foi
adquirido espontaneamente, sem muita preocupação com método, com crítica ou com
sistematização. Ao passo que o conhecimento daquele que estudou algo foi obtido com
esforço, usando-se um método, uma crítica mais pensada e uma organização mais
elaborada dos conhecimentos."(LARA, p 56, 1983).
É importante destacar que o senso comum é uma forma válida de conhecimento, pois o ser
humano precisa dele para encaminhar, resolver ou superar suas necessidades do dia-a-dia. Os
pais, por exemplo, educam seus filhos mesmo não sendo psicólogos ou pedagogos, e nem
sempre os filhos de pedagogos ou psicólogos são melhores educados. O senso comum é ainda
subjetivo ao permitir a expressão de sentimentos, opiniões e de valores pessoais quando
observamos as coisas à nossa volta.
ATIVIDADE AVALIATIVA DE FILOSOFIA
1º ANO
Professor: NOE ASSUNÇÃO AVALIAÇÃO – VALOR: 4,0 pontos
Aluno (a): Nota:
Leia o texto acima “A SINGULARIDADE DO SER HUMANO - O que o ser humano possui que
o difere dos outros seres vivos existentes?” e reponda as questões abaixo:
Agora que já estudamos as noções sobre a singularidade do ser humano, vamos fixar esses
conteúdos realizando alguns exercícios.
1. Sobre a dimensão cultural do homem, atente ao texto a seguir:
“O homem, dizia o filósofo Schelling, tem, profundamente escondida em si, uma
‘cumplicidade com a criação’, pois que lhe assistiu as origens. Seja de onde for que
tenhamos vindo, estamos aqui. Encontramo-nos no mundo, em meio a outros homens.
A natureza é muda. Embora pareça estar expressando algo através de suas formas,
suas paisagens, suas tempestades tumultuosas, suas erupções vulcânicas, sua brisa
ligeira e seu silêncio – a natureza não responde. Os animais reagem de maneira que tem
sentido, mas não falam. Só o homem fala. Só entre os homens, existe essa alternância
de discurso e resposta continuamente compreendida. Só o homem, pelo pensamento,
tem consciência de si.” (JASPERS, Karl. Introdução ao pensamento filosófico, São Paulo:
Cultrix, 1999, p. 46)
Com relação a esse contexto, analise os itens a seguir e assinale as alternativas CORRETAS:
( ) O ser humano é um agente transformador e não se submete inteiramente às forças da
natureza, mas é capaz de ampliar os limites que ela lhe impõe.
( ) A pessoa desenvolve a consciência de si mesma com base na integração entre o plano
individual e o sociocultural, nas diferentes relações com a natureza, com os semelhantes, com
o universo e consigo mesma.
( ) A solidariedade do homem com o mundo não confunde o homem com o mundo. Graças à
sua racionalidade, o homem se conhece distinto do mundo e, ele tem consciência de que é
uma coisa é o mundo, que é sua casa.
( ) O processo de humanização, realizado com base no conhecimento, na linguagem e na
ação, produz um certo conhecimento que se situa nas condições materiais de produção da
vida e dos valores como também no sentido que se atribui à existência.
2. O conceito de cultura englobou desde a Grécia Antiga a noção de que o homem
modifica o universo segundo seus propósitos. Inserido nele, o homem consegue
penetrá-lo e transformá-lo com a força de seu trabalho. As mudanças que ele introduz
não são alterações a esmo, implicam um grau de consciência ou intenção, bem como o
uso de técnicas capazes de melhorar o mundo. E se o fazer integra o modo humano de
existir, propiciando a concretização de intentos, pode-se indagar sobre o que se projeta
no sonho transformador do homem. CARVALHO, José Maurício. O Homem e Filosofia,
1998, p. 153.
Governodo Riode Janeiro
Secretariade Estadode Educação
ColégioEstadual Roselândia
Com relação ao texto anterior, analise os itens a seguir e assinale as alternativas CORRETAS:
( ) O homem é um ser vivente, que, no cotidiano, é conhecido como único agente e membro
da vida cultural.
( ) O trabalho pode ser entendido como atividade do homem transformando a natureza.
Assim sendo, parece evidente a relação entre trabalho e realização humana. Tal relação é tão
antiga quanto à própria história da humanidade.
( ). A civilização tecnológica tem influência marcante no modo de ser e pensar de cada um
de nós, assim como na forma da organização econômica, política e cultural das sociedades
contemporâneas.
( )A transformação do mundo material ocorre simultaneamente com a das formas de
conhecimento produzidas pelas sociedades ao longo da história. A passagem de um momento
para outro, na história das sociedades, ocorre sem conflitos e sem traumas.
( )Os homens não são apenas seres biológicos produzidos pela natureza. São seres
culturais que modificam o estado da natureza.
Leia e reflita sobre o texto acima “INICIAÇÃO AANTROPOLOGIAFILOSÓFICA – O QUE É O
SER HUMANO?” para responder as questões a seguir:
3. Assinale a alternativa correta:
Se a Antropologia é uma ciência que busca abranger o fenômeno humano o mais
globalmente possível, é correto afirmar que:
(A) somente a antropologia pode ajudar a conhecer o homem em sua plenitude, inclusive no
âmbito de sua opção religiosa.
(B) se quiser contribuir efetivamente com a revelação do humano, só poderá fazê-lo em íntima
relação com a teologia.
(C) a antropologia não possui qualquer relação com a ciência, posto que se propõe a estudar
todas as manifestações do humano.
(D) a ciência e a filosofia, enquanto duas tentativas de conhecer o homem, são também
antropológicas, ao se relacionarem entre si num processo de tentar conhecer o ser humano .
4. “A história oficial nos faz acreditar que os portugueses, ao desembarcarem no Brasil,
encontraram um Éden terrestre, pleno de florestas intocadas, fauna abundante, praias
paradisíacas. Um lugar onde os bons selvagens reinariam em plena sintonia com a
natureza”. (National Geographic, maio 2007. p. 60). A ideia de “bons selvagens” se relaciona
com quais teses abaixo:
( ) o homem é bom por natureza, a sociedade o corrompe.
( ) o homem é mau por natureza, vivendo em permanente guerra de todos contra todos.
( ) todos por natureza, são livres e iguais.
5. De acordo com Rousseau, “A passagem do estado de natureza para o estado civil
determina no homem uma mudança muito notável, substituindo na sua conduta o instinto
pela justiça e dando às suas ações a moralidade que antes lhes faltava.” (ROUSSEAU,
JeanJacques. Do contrato social. São Paulo: Abril Cultural, 1983. Coleção Os Pensadores. p.36.)
Sobre a passagem do estado de natureza para o estado civil, é correto afirmar que:
(A) o homem mantém a liberdade natural e o direito irrestrito, e ainda ganha uma moralidade
muito particular guiada pelo seu puro apetite.
(B) o homem perde a liberdade natural e o direito à propriedade, mas adquire a obrigação de
seguir sua própria vontade.
(C) o homem perde a liberdade natural e o direito ilimitado, mas ganha a liberdade civil e várias
normas, regras e leis formuladas pelo Estado garantindo a “ordem” no convívio em sociedade.
6. De acordo com o texto acima Rousseau diz que: “O homem nasce bom e a sociedade o
corrompe”. Partindo dessa importante afirmação filosófica, exponha sua opinião sobre o que o
autor quer dizer com essa afirmativa. Busque exemplos do seu cotidiano para exemplificar a sua
fala.___________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
7. No texto acima, há uma afirmação de Sócrates sobre a necessidade do ser humano conhecer
a si mesmo (“conhece-te a ti mesmo) , a fim de contribuir para o seu desenvolvimento para a
cidadania, a sua relação com o outro e definir o seu verdadeiro papel no contexto social no qual
está inserido, além disso, que ele tenha um profundo conhecimento de si mesmo. Diante do
exposto você conhece a si mesmo(a) ? Justifique a sua opinião.
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
Leia e reflita sobre o texto acima “O HOMEM É UM ANIMAL POLÍTICO – ARISTÓTELES” e
responda as questões a seguir:
8.O homem é um animal político (ARISTÓTELES). Justifique essa afirmativa.
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
9. Sabemos hoje que a política faz parte das nossas vidas. Aristóteles afirmava que "o
homem é por natureza um animal político". Com a afirmação o filósofo pretendia ensinar
que:
A) O ser humano necessita dos órgãos policiais para sobreviver em segurança.
B) O ser humano tem necessidade de viver com os seus semelhantes.
C) Os filósofos, apesar de humanos, deveriam governar as cidades, pois sábios e justos.
D) Os atrativos pelo poder são naturais e já nascem com o ser humano, animal político.
E) A política envolve relacionamentos humanos e a necessidade de controles sociais.
10. Aristóteles considera que só o homem é um animal político, porque somente ele é
dotado de linguagem na forma de palavra (lógos) e com ela pode exprimir o bem e o mal, o
justo e o injusto. O fato de os homens poderem estabelecer em comum esses valores é o
que torna possível a vida social e política.
Assinale as alternativas CORRETAS.
( ) A arte de falar e argumentar caracteriza-se como um dos principais recursos da política.
( ) A habilidade em organizar as palavras com o pensamento racional pode caracterizar-se
numa estratégia para vencer adversários nos embates políticos.
( ) Vimos que o mito eram estórias ou narrativas que utilizavam a linguagem para explicar a
origem dos deuses, do mundo, dos homens, da comunidade humana e da vida do grupo social.
( ) A linguagem não mantém nenhuma relação com poder de conhecimento racional.
Leia e reflita acerca do texto “CONHECIMENTO DO SENSO COMUM – DOXA” disponível no
início desse material e responda as questões a seguir:
11- O senso comum caracteriza-se:
A) pela experiência científica e visão de mundo precária e fragmentada.
B) pelo conhecimento espontâneo e experiência científica.
C) pela experiência cotidiana e conhecimento acumulado.
D) pelo conhecimento acumulado e científico
12- De acordo com o texto, o senso comum é:
A) Um saber ditado pelos conhecimentos acumulados , repassados aos indivíduos de geração em
geração.
B) Um conhecimento adquirido pela tradição.
C) Um conhecimento herdado dos antepassados.
D) Todas as alternativas estão corretas.
13 - Senso comum é?
A) Um conhecimento adquirido sem uma base crítica;
B) Um conhecimento adquirido com uma base crítica;
C) Um conhecimento provado cientificamente;
14- Aprendemos que existem formas diferentes de compreensão do mundo: a visão do
senso comum ou o conhecimento científico. Nesse sentido, marque a única opção
verdadeira.
A) O senso comum não depende de juízos pessoais a respeito das coisas, com envolvimento das
emoções e dos valores de quem observa.
B) O senso comum depende de juízos científicos a respeito das coisas, com envolvimento das
emoções e dos valores de quem observa.
C) O senso comum depende tanto de juízos científicos como de juízos pessoais a respeito das
coisas, não importando o grau de envolvimento das emoções e dos valores de quem observa.
D) O senso comum depende de juízos pessoais a respeito das coisas, com envolvimento das
emoções e dos valores de quem observa.
E) O senso comum depende de juízos científicos a respeito das coisas, sem envolvimento das
emoções e dos valores de quem observa.
15- Coloque V para verdadeira e F para falsa nas afirmativas abaixo referentes ao Senso
comum.
( ) O senso comum é uma das formas de conhecimento que o homem produziu no transcurso de
sua história,
com o intuito de entender e explicar racional eobjetivamente o mundo para nele poder intervir.
( ) O senso comum tem como base os princípios científicos e racionais (razão) dos indivíduos. Só
se torna válido através de dados estatísticos e da comprovação.
( ) O senso comum é o guia do homem na solução desuas dificuldades diárias. É o discurso com
o qual está habituado, orientando-o em seu dia a dia.
( ) O senso comum busca conhecere compreender o mundo e os seres que nelehabitam através
da ciência e da experiência científica.
TEXTO ABAIXO APENAS PARA REFLEXÃO
“Ciência é um conjunto de descrições, interpretações, teorias, leis, modelos, etc., visando ao
conhecimento de uma parcela da realidade, em contínua ampliação e renovação, que resulta da
aplicação deliberada de uma metodologia especial (metodologia científica).” Newton Freire-Maia
“O que diferencia a atitude científica do senso comum? Antes de qualquer coisa, a ciência
desconfia da verdade de nossas certezas, de nossa adesão imediata às coisas, da ausência de
crítica e da falta de curiosidade. Por isso, ali onde vemos coisas, fatose acontecimentos, a atitude
científica vê problemas e obstáculos, aparências que precisam ser explicadas e, em certos casos,
afastadas. Sob quase todos os aspectos, podemos dizer que o conhecimento científico é contra
as características do senso comum.”Marilena Chauí

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Simulado de Filosofia 3º ano / 2015
Simulado de Filosofia  3º ano  / 2015Simulado de Filosofia  3º ano  / 2015
Simulado de Filosofia 3º ano / 2015Mary Alvarenga
 
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAvaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...Prof. Noe Assunção
 
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
Prova filosofia 1º ano /  I bimestreProva filosofia 1º ano /  I bimestre
Prova filosofia 1º ano / I bimestreMary Alvarenga
 
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científicoAtividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científicoDoug Caesar
 
Simulado de Filosofia - 1º ano / 2015
Simulado de Filosofia - 1º ano  / 2015 Simulado de Filosofia - 1º ano  / 2015
Simulado de Filosofia - 1º ano / 2015 Mary Alvarenga
 
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano   3º e 4º bimestreApostila do 1º ano   3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestreDuzg
 
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médio
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médioAvaliação de filosofia do 3º ano do ensino médio
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médioAdriana Ruas Lacerda
 
Avaliação de filosofia 2° ano
Avaliação de filosofia   2° anoAvaliação de filosofia   2° ano
Avaliação de filosofia 2° anoananiasdoamaral
 
Simulado de Filosofia 2º ano / 2015
Simulado de Filosofia 2º ano / 2015Simulado de Filosofia 2º ano / 2015
Simulado de Filosofia 2º ano / 2015Mary Alvarenga
 
Atividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano - IV bimestre
Atividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano  -  IV bimestreAtividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano  -  IV bimestre
Atividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano - IV bimestreMary Alvarenga
 
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agostoLista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agostoGleycilene Garcia Lima
 
Política, poder e Estado
Política, poder e EstadoPolítica, poder e Estado
Política, poder e EstadoMary Alvarenga
 

Mais procurados (20)

Atividades senso cumum topico 1 e 2 sociologia
Atividades senso cumum   topico 1 e 2 sociologiaAtividades senso cumum   topico 1 e 2 sociologia
Atividades senso cumum topico 1 e 2 sociologia
 
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
 
Simulado de Filosofia 3º ano / 2015
Simulado de Filosofia  3º ano  / 2015Simulado de Filosofia  3º ano  / 2015
Simulado de Filosofia 3º ano / 2015
 
Atividades de sociologia
Atividades de sociologiaAtividades de sociologia
Atividades de sociologia
 
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAvaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
 
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
Prova filosofia 1º ano /  I bimestreProva filosofia 1º ano /  I bimestre
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
 
Atividades filosofia mito
Atividades filosofia mitoAtividades filosofia mito
Atividades filosofia mito
 
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científicoAtividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
 
Simulado de Filosofia - 1º ano / 2015
Simulado de Filosofia - 1º ano  / 2015 Simulado de Filosofia - 1º ano  / 2015
Simulado de Filosofia - 1º ano / 2015
 
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano   3º e 4º bimestreApostila do 1º ano   3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
 
Prova filosofia-1b-
Prova filosofia-1b-Prova filosofia-1b-
Prova filosofia-1b-
 
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médio
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médioAvaliação de filosofia do 3º ano do ensino médio
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médio
 
Avaliação de filosofia 2° ano
Avaliação de filosofia   2° anoAvaliação de filosofia   2° ano
Avaliação de filosofia 2° ano
 
Simulado de Filosofia 2º ano / 2015
Simulado de Filosofia 2º ano / 2015Simulado de Filosofia 2º ano / 2015
Simulado de Filosofia 2º ano / 2015
 
Filosofia ensino médio
Filosofia   ensino médioFilosofia   ensino médio
Filosofia ensino médio
 
Introdução a filosofia
Introdução a filosofiaIntrodução a filosofia
Introdução a filosofia
 
Atividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano - IV bimestre
Atividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano  -  IV bimestreAtividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano  -  IV bimestre
Atividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano - IV bimestre
 
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agostoLista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
 
Política, poder e Estado
Política, poder e EstadoPolítica, poder e Estado
Política, poder e Estado
 

Semelhante a Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção

A sociologia e a sociedade
A sociologia e a sociedadeA sociologia e a sociedade
A sociologia e a sociedadedinicmax
 
A teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de AristótelesA teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de AristótelesAlan
 
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheim
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheimObjeto de estudo da sociologia segundo durkheim
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheimJosé Soares Filho
 
Filosofia na Cidade 11º ano
Filosofia na Cidade 11º anoFilosofia na Cidade 11º ano
Filosofia na Cidade 11º anoAna Isabel
 
Cap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia socialCap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia socialJoao Balbi
 
Cap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia socialCap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia socialJoao Balbi
 
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioApostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioMARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)Matheus Alves
 
Tcc que fala sobre a polis em aristóteles
Tcc que fala sobre a polis em aristótelesTcc que fala sobre a polis em aristóteles
Tcc que fala sobre a polis em aristótelesadelvaniasouza souza
 
[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"
[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"
[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"Karoline Rodrigues de Melo
 
introdução a antropologia, histórico.pptx
introdução a antropologia, histórico.pptxintrodução a antropologia, histórico.pptx
introdução a antropologia, histórico.pptxJessiellyGuimares
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Homem cultura sociedade u1
Homem cultura sociedade u1Homem cultura sociedade u1
Homem cultura sociedade u1ingrid stefanny
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaFamília Cristã
 

Semelhante a Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção (20)

Damatta
DamattaDamatta
Damatta
 
A sociologia e a sociedade
A sociologia e a sociedadeA sociologia e a sociedade
A sociologia e a sociedade
 
A teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de AristótelesA teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de Aristóteles
 
CIÊNCIA POLÍTICA
CIÊNCIA POLÍTICA CIÊNCIA POLÍTICA
CIÊNCIA POLÍTICA
 
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheim
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheimObjeto de estudo da sociologia segundo durkheim
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheim
 
Filosofia na Cidade 11º ano
Filosofia na Cidade 11º anoFilosofia na Cidade 11º ano
Filosofia na Cidade 11º ano
 
Cap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia socialCap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia social
 
Cap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia socialCap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia social
 
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioApostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
 
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
 
SOCIOLOGIA GERAL
SOCIOLOGIA GERALSOCIOLOGIA GERAL
SOCIOLOGIA GERAL
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Tcc que fala sobre a polis em aristóteles
Tcc que fala sobre a polis em aristótelesTcc que fala sobre a polis em aristóteles
Tcc que fala sobre a polis em aristóteles
 
[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"
[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"
[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"
 
introdução a antropologia, histórico.pptx
introdução a antropologia, histórico.pptxintrodução a antropologia, histórico.pptx
introdução a antropologia, histórico.pptx
 
O que é antropologia
O que é antropologiaO que é antropologia
O que é antropologia
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Homem cultura sociedade u1
Homem cultura sociedade u1Homem cultura sociedade u1
Homem cultura sociedade u1
 
Livro unico
Livro unicoLivro unico
Livro unico
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
 

Mais de Prof. Noe Assunção

ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe AssunçãoATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe AssunçãoCHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoAULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe AssunçãoATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe AssunçãoAULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docxATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docxProf. Noe Assunção
 
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docxFILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docxProf. Noe Assunção
 
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe AssunçãoQueimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.Prof. Noe Assunção
 
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe AssunçãoAtividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Documentario clandestinas debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
Documentario clandestinas  debate filosofico - Prof. Ms. Noe AssunçãoDocumentario clandestinas  debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
Documentario clandestinas debate filosofico - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe AssunçãoAtividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Reflexoes video maria da penha- prof. Noe Assunção
Reflexoes video maria da penha- prof. Noe AssunçãoReflexoes video maria da penha- prof. Noe Assunção
Reflexoes video maria da penha- prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 

Mais de Prof. Noe Assunção (20)

ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe AssunçãoATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
 
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe AssunçãoCHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
 
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
 
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
 
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoAULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
 
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe AssunçãoATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
 
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe AssunçãoAULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
 
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docxATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
 
AULA O LIBERALISMO.docx
AULA O LIBERALISMO.docxAULA O LIBERALISMO.docx
AULA O LIBERALISMO.docx
 
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docxFILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
 
AVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docx
AVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docxAVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docx
AVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docx
 
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe AssunçãoQueimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
 
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
 
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
 
Atividade clandestinas1
Atividade clandestinas1Atividade clandestinas1
Atividade clandestinas1
 
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe AssunçãoAtividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
 
Documentario clandestinas debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
Documentario clandestinas  debate filosofico - Prof. Ms. Noe AssunçãoDocumentario clandestinas  debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
Documentario clandestinas debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
 
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe AssunçãoAtividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
 
Reflexoes video maria da penha- prof. Noe Assunção
Reflexoes video maria da penha- prof. Noe AssunçãoReflexoes video maria da penha- prof. Noe Assunção
Reflexoes video maria da penha- prof. Noe Assunção
 

Último

Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxMarceloMonteiro213738
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 

Último (20)

Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 

Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção

  • 1. GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO – SEEDUC-RJ COLÉGIO ESTADUAL ROSELÂNDIA MATERIAL IMPRESSO – 2020 Disciplina Curso Bimestre Série FILOSOFIA Ensino Médio 3ºe 4º 1º HABILIDADES E COMPETÊNCIAS O que é Se humano. Caminhos para aprender a filosofar. - Compreender o Ser humano como um ser singular. - Compreender o Ser humano como um ser político - Estabelecer e problematizar as diferenças entre DOXA e EPISTEME - Situar a importância e o legado que a filosofia grega deixou para o mundo ocidental.
  • 2. A SINGULARIDADE DO SER HUMANO - O que o ser humano possui que o difere dos outros seres vivos existentes? Agora , vamos aprofundar nossos estudos a respeito da singularidade do ser humano. Por que podemos dizer que o ser humano é um ser singular? O que o ser humano possui que o difere dos outros seres vivos existentes? O homem deve ser compreendido em suas várias dimensões: racionalidade, condição psicológica, técnico-produtiva e espiritual. O ser humano pode ser considerado um agente transformador e não se submete inteiramente às forças da natureza, pois ele é capaz de superar os limites impostos por ela. O ser humano é uma pessoa que desenvolve a consciência de si mesma com base na integração entre o plano individual e o sociocultural, nas diferentes relações com a natureza, com os semelhantes, com o transcendente e consigo mesma. Graças à sua racionalidade, o homem se conhece distinto do mundo. O processo de humanização, realizado com base no conhecimento, na linguagem e na ação, produz certo conhecimento que se situa nas condições materiais de produção da vida e dos valores, como também no sentido que se atribui à existência. Por isso, caro aluno, você já pode perceber que o homem é um ser vivente, que, no cotidiano, é conhecido como único agente e membro da vida cultural. O trabalho pode ser entendido como atividade do homem que transforma a natureza. Assim sendo, parece evidente a relação entre trabalho e realização humana. Tal relação é tão antiga quanto à própria história da humanidade. A civilização tecnológica tem influência marcante no modo de ser e pensar de cada um de nós, assim como na forma da organização econômica, política e cultural das sociedades contemporâneas. A transformação do mundo material ocorre simultaneamente com as formas de conhecimento produzidas pelas sociedades ao longo da história. A passagem de um momento para outro, na história das sociedades, sempre ocorreu com muitos conflitos e sequelas. Até porque os homens não são apenas seres biológicos produzidos pela natureza. São seres culturais que modificam o estado da natureza. INICIAÇÃO A ANTROPOLOGIAFILOSÓFICA – O QUE É O SER HUMANO? Caro aluno, nesta atividade, iremos conhecer uma importante área da filosofia: a antropologia. Nesse momento em que você já está mais familiarizado com a filosofia, é importante que você, aluno, continue a aprofundar seus estudos. Vamos conhecer um pouco mais da filosofia? O termo antropologia vem do grego e significa estudo sobre o homem. A pergunta filosófica fundamental a ser feita nesse caso: o que é o ser humano? A partir dessa pergunta outras questões são levantadas, tais como: qual o sentido da existência humana? Existe uma natureza humana? Se existe, como defini-la? A antropologia filosófica estuda o homem em sua maior essência, enquanto a antropologia física estuda o homem na sua dimensão corpórea, diferenciando-o do animal, a antropologia cultural aborda os costumes e hábitos. Assim, a antropologia filosófica, bem como a ciência, se preocupa com o ser humano, embora a abordagem ocorra de forma distinta (diferente).
  • 3. Assim, a antropologia é a parte da filosofia que se ocupa com a posição do homem no cosmo (universo). E ao longo da história da filosofia várias foram as concepções sobre a visão do homem, tais como: Na Idade Antiga, Platão: o corpo é o cárcere da alma. Aristóteles: o homem é um animal político por natureza. Sócrates: necessidade de conhecer a si mesmo. Na Idade Média, relação entre alma e corpo, submissão da razão à fé, visão fortemente marcada pelo teocentrismo, Deus como o centro do universo. Idade Moderna, Descartes opondo corpo e alma no ser humano. E, no período contemporâneo, Marx, o homem econômico; Freud, destaca o homem instintivo, Kierkergard, o homem angustiado. E muitos outros exemplos, podemos encontrar entre os pensadores. Importante destaque é o pensamento de Rousseau. “O homem nasce bom e a sociedade o corrompe”. Isso porque no estado de natureza, não há lutas, os homens se comunicam por gestos, gritos generosos, o homem é um bom selvagem que nasce livre com impulsos irrestritos. Eles criam o estado civil por livre associação, convenção e deliberadamente resolvem formar certo tipo de sociedade à qual passam a prestar obediência mediante o respeito à vontade geral. Mas, ao criar um conjunto de forças e leis para se protegerem estas leis lhes castra a liberdade e o homem perde a liberdade natural ilimitada e ganha a liberdade moral (civil). O HOMEM É UM ANIMAL POLÍTICO - ARISTÓTELES Aristóteles observa que o homem é um ser que necessita de coisas e dos outros, sendo, por isso, um ser carente e imperfeito, buscando a comunidade para alcançar a completude. E a partir disso, ele deduz que o homem é naturalmente político. Além disso, para Aristóteles, quem vive fora da comunidade organizada (cidade ou Pólis) ou é um ser degradado ou um ser sobre-humano (divino). Conforme Aristóteles, o conceito de cidadão varia de acordo com o tipo de governo. Isso porque o cidadão é aquele que participa ativamente da elaboração e execução das leis, sendo estas elaboradas pelo rei (monarquia), por poucos (oligarquia) ou por todos os cidadãos livres (democracia). No entanto, nem todos os que moram na cidade são cidadãos. Aristóteles diferencia habitante de cidadão, pois aqueles apenas moram na cidade, não participam dela, enquanto que esses dos que realmente pensam sobre ela tem o direito de deliberar e votar as leis que conservam e salvam o Estado. Dito de outro modo, cidadão é aquele que tem o poder executivo, legislativo e judiciário. Os velhos e as crianças não são realmente cidadãos. Os velhos pela idade estão isentos de qualquer serviço e as crianças não têm idade ainda para exercer as funções cívicas. Aristóteles concebe, também, as quatro causas que determinam uma comunidade. Estas são agrupamentos de homens unidos por um fim comum, relacionando-se pela amizade e justiça, isto é, por um vínculo afetivo. São características da comunidade: - Causa Material: Lares, vilarejos, etc. É a partir de onde nasce a cidade; - Causa Formal: O regime ou a Constituição que ordena a relação entre suas partes, dando forma a ela; - Causa Eficiente: Desenvolvimento natural. Para Aristóteles a cidade é um ser natural, um organismo vivo; - Causa Final: A finalidade da cidade é a Felicidade, ou seja, alcançar o bem soberano. Para Aristóteles, “toda comunidade visa um bem”. O bem de que se trata aqui é na verdade um fim determinado. Não se refere ao bem correto, universal, mas a todo ato que tem como finalidade um certo bem. Sendo assim, toda comunidade tem um fim como meta, uma vantagem que deve ser aquela principal e que contém em si todas as outras. PORTANTO, A MAIOR VANTAGEM POSSÍVEL É O BEM SOBERANO.
  • 4. A comunidade política, afirma Aristóteles, é aquela que é soberana entre todas e inclui todas as outras (Política, 1252 a3-5). Isto significa que a comunidade política é a cidade, que inclui todas as outras formas de comunidade (lares e vilarejos) que a compõe. A cidade é o último grau de comunidade. Além disso, a cidade é soberana dentre todas as comunidades e visa o bem soberano, existindo, portanto, uma analogia. Portanto, o animal político ou cidadão é o homem livre que goza de direitos naturais por sua competência em comandar, enquanto que aos homens dotados apenas de robustez física e pouco intelecto são aptos para obedecer, e essa analogia se estende a relação entre a soberania da cidade e as comunidades que participam dela com seus fins específicos. A cidade é soberana porque visa o bem comum, soberano. O homem livre é soberano porque é senhor de si. CONHECIMENTO DO SENSO COMUM - DOXA No seu dia-a-dia, o homem adquire espontaneamente um modo de entender e atuar sobre a realidade. Algumas pessoas, por exemplo, não passam por baixo de escadas, porque acreditam que dá azar; se quebrarem um espelho, sete anos de azar. Algumas confeiteiras sabem que o forno não pode ser aberto enquanto o bolo está assando, senão ele "embatuma", sabem também que a determinados pratos, feitos em banho-maria, devem-se acrescentar umas gotas de vinagre ou de limão para que a vasilha de alumínio não fique escura. Como aprenderam estas informações? Elas foram sendo passadas de geração a geração. Elas não só foram assimiladas mas também transformadas, contribuindo assim para a compreensão da realidade. Assim, se o conhecimento é produto de uma prática que se faz social e historicamente, todas as explicações para a vida, para as regras de comportamento social, para o trabalho, para os fenômenos da natureza, etc., passam a fazer parte das explicações para tudo o que observamos e experienciamos. Raramente há questionamentos sobre outras possibilidades de explicações para a realidade. São inúmeros os exemplos presentes na vida social, construídos pelo "ouvi dizer", que formam uma visão de mundo fragmentada e assistemática. Mesmo assim, é uma forma usada pelo homem para tentar resolver seus problemas da vida cotidiana. Isso tudo é denominado de senso comum ou conhecimento espontâneo. Podemos dizer que o senso comum é o conhecimento acumulado pelos homens, de forma empírica, porque se baseia apenas na experiência cotidiana, sem se preocupar com o rigor que a experiência científica exige e sem questionar os problemas colocados justamente pelo cotidiano. Portanto, é também um saber ingênuo uma vez que não possui uma postura crítica. "Em geral, as pessoas percebem que existe uma diferença entre o conhecimento do homem do povo, às vezes até cheio de experiências, mas que não estudou, e o conhecimento daquele que estudou determinado assunto. E a diferença é que o conhecimento do homem do povo foi adquirido espontaneamente, sem muita preocupação com método, com crítica ou com sistematização. Ao passo que o conhecimento daquele que estudou algo foi obtido com esforço, usando-se um método, uma crítica mais pensada e uma organização mais elaborada dos conhecimentos."(LARA, p 56, 1983). É importante destacar que o senso comum é uma forma válida de conhecimento, pois o ser humano precisa dele para encaminhar, resolver ou superar suas necessidades do dia-a-dia. Os pais, por exemplo, educam seus filhos mesmo não sendo psicólogos ou pedagogos, e nem sempre os filhos de pedagogos ou psicólogos são melhores educados. O senso comum é ainda subjetivo ao permitir a expressão de sentimentos, opiniões e de valores pessoais quando observamos as coisas à nossa volta.
  • 5. ATIVIDADE AVALIATIVA DE FILOSOFIA 1º ANO Professor: NOE ASSUNÇÃO AVALIAÇÃO – VALOR: 4,0 pontos Aluno (a): Nota: Leia o texto acima “A SINGULARIDADE DO SER HUMANO - O que o ser humano possui que o difere dos outros seres vivos existentes?” e reponda as questões abaixo: Agora que já estudamos as noções sobre a singularidade do ser humano, vamos fixar esses conteúdos realizando alguns exercícios. 1. Sobre a dimensão cultural do homem, atente ao texto a seguir: “O homem, dizia o filósofo Schelling, tem, profundamente escondida em si, uma ‘cumplicidade com a criação’, pois que lhe assistiu as origens. Seja de onde for que tenhamos vindo, estamos aqui. Encontramo-nos no mundo, em meio a outros homens. A natureza é muda. Embora pareça estar expressando algo através de suas formas, suas paisagens, suas tempestades tumultuosas, suas erupções vulcânicas, sua brisa ligeira e seu silêncio – a natureza não responde. Os animais reagem de maneira que tem sentido, mas não falam. Só o homem fala. Só entre os homens, existe essa alternância de discurso e resposta continuamente compreendida. Só o homem, pelo pensamento, tem consciência de si.” (JASPERS, Karl. Introdução ao pensamento filosófico, São Paulo: Cultrix, 1999, p. 46) Com relação a esse contexto, analise os itens a seguir e assinale as alternativas CORRETAS: ( ) O ser humano é um agente transformador e não se submete inteiramente às forças da natureza, mas é capaz de ampliar os limites que ela lhe impõe. ( ) A pessoa desenvolve a consciência de si mesma com base na integração entre o plano individual e o sociocultural, nas diferentes relações com a natureza, com os semelhantes, com o universo e consigo mesma. ( ) A solidariedade do homem com o mundo não confunde o homem com o mundo. Graças à sua racionalidade, o homem se conhece distinto do mundo e, ele tem consciência de que é uma coisa é o mundo, que é sua casa. ( ) O processo de humanização, realizado com base no conhecimento, na linguagem e na ação, produz um certo conhecimento que se situa nas condições materiais de produção da vida e dos valores como também no sentido que se atribui à existência. 2. O conceito de cultura englobou desde a Grécia Antiga a noção de que o homem modifica o universo segundo seus propósitos. Inserido nele, o homem consegue penetrá-lo e transformá-lo com a força de seu trabalho. As mudanças que ele introduz não são alterações a esmo, implicam um grau de consciência ou intenção, bem como o uso de técnicas capazes de melhorar o mundo. E se o fazer integra o modo humano de existir, propiciando a concretização de intentos, pode-se indagar sobre o que se projeta no sonho transformador do homem. CARVALHO, José Maurício. O Homem e Filosofia, 1998, p. 153. Governodo Riode Janeiro Secretariade Estadode Educação ColégioEstadual Roselândia
  • 6. Com relação ao texto anterior, analise os itens a seguir e assinale as alternativas CORRETAS: ( ) O homem é um ser vivente, que, no cotidiano, é conhecido como único agente e membro da vida cultural. ( ) O trabalho pode ser entendido como atividade do homem transformando a natureza. Assim sendo, parece evidente a relação entre trabalho e realização humana. Tal relação é tão antiga quanto à própria história da humanidade. ( ). A civilização tecnológica tem influência marcante no modo de ser e pensar de cada um de nós, assim como na forma da organização econômica, política e cultural das sociedades contemporâneas. ( )A transformação do mundo material ocorre simultaneamente com a das formas de conhecimento produzidas pelas sociedades ao longo da história. A passagem de um momento para outro, na história das sociedades, ocorre sem conflitos e sem traumas. ( )Os homens não são apenas seres biológicos produzidos pela natureza. São seres culturais que modificam o estado da natureza. Leia e reflita sobre o texto acima “INICIAÇÃO AANTROPOLOGIAFILOSÓFICA – O QUE É O SER HUMANO?” para responder as questões a seguir: 3. Assinale a alternativa correta: Se a Antropologia é uma ciência que busca abranger o fenômeno humano o mais globalmente possível, é correto afirmar que: (A) somente a antropologia pode ajudar a conhecer o homem em sua plenitude, inclusive no âmbito de sua opção religiosa. (B) se quiser contribuir efetivamente com a revelação do humano, só poderá fazê-lo em íntima relação com a teologia. (C) a antropologia não possui qualquer relação com a ciência, posto que se propõe a estudar todas as manifestações do humano. (D) a ciência e a filosofia, enquanto duas tentativas de conhecer o homem, são também antropológicas, ao se relacionarem entre si num processo de tentar conhecer o ser humano . 4. “A história oficial nos faz acreditar que os portugueses, ao desembarcarem no Brasil, encontraram um Éden terrestre, pleno de florestas intocadas, fauna abundante, praias paradisíacas. Um lugar onde os bons selvagens reinariam em plena sintonia com a natureza”. (National Geographic, maio 2007. p. 60). A ideia de “bons selvagens” se relaciona com quais teses abaixo: ( ) o homem é bom por natureza, a sociedade o corrompe. ( ) o homem é mau por natureza, vivendo em permanente guerra de todos contra todos. ( ) todos por natureza, são livres e iguais. 5. De acordo com Rousseau, “A passagem do estado de natureza para o estado civil determina no homem uma mudança muito notável, substituindo na sua conduta o instinto pela justiça e dando às suas ações a moralidade que antes lhes faltava.” (ROUSSEAU, JeanJacques. Do contrato social. São Paulo: Abril Cultural, 1983. Coleção Os Pensadores. p.36.) Sobre a passagem do estado de natureza para o estado civil, é correto afirmar que: (A) o homem mantém a liberdade natural e o direito irrestrito, e ainda ganha uma moralidade muito particular guiada pelo seu puro apetite. (B) o homem perde a liberdade natural e o direito à propriedade, mas adquire a obrigação de seguir sua própria vontade. (C) o homem perde a liberdade natural e o direito ilimitado, mas ganha a liberdade civil e várias normas, regras e leis formuladas pelo Estado garantindo a “ordem” no convívio em sociedade.
  • 7. 6. De acordo com o texto acima Rousseau diz que: “O homem nasce bom e a sociedade o corrompe”. Partindo dessa importante afirmação filosófica, exponha sua opinião sobre o que o autor quer dizer com essa afirmativa. Busque exemplos do seu cotidiano para exemplificar a sua fala.___________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ 7. No texto acima, há uma afirmação de Sócrates sobre a necessidade do ser humano conhecer a si mesmo (“conhece-te a ti mesmo) , a fim de contribuir para o seu desenvolvimento para a cidadania, a sua relação com o outro e definir o seu verdadeiro papel no contexto social no qual está inserido, além disso, que ele tenha um profundo conhecimento de si mesmo. Diante do exposto você conhece a si mesmo(a) ? Justifique a sua opinião. ______________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ Leia e reflita sobre o texto acima “O HOMEM É UM ANIMAL POLÍTICO – ARISTÓTELES” e responda as questões a seguir: 8.O homem é um animal político (ARISTÓTELES). Justifique essa afirmativa. ______________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________ 9. Sabemos hoje que a política faz parte das nossas vidas. Aristóteles afirmava que "o homem é por natureza um animal político". Com a afirmação o filósofo pretendia ensinar que: A) O ser humano necessita dos órgãos policiais para sobreviver em segurança. B) O ser humano tem necessidade de viver com os seus semelhantes. C) Os filósofos, apesar de humanos, deveriam governar as cidades, pois sábios e justos. D) Os atrativos pelo poder são naturais e já nascem com o ser humano, animal político. E) A política envolve relacionamentos humanos e a necessidade de controles sociais. 10. Aristóteles considera que só o homem é um animal político, porque somente ele é dotado de linguagem na forma de palavra (lógos) e com ela pode exprimir o bem e o mal, o justo e o injusto. O fato de os homens poderem estabelecer em comum esses valores é o que torna possível a vida social e política. Assinale as alternativas CORRETAS. ( ) A arte de falar e argumentar caracteriza-se como um dos principais recursos da política. ( ) A habilidade em organizar as palavras com o pensamento racional pode caracterizar-se numa estratégia para vencer adversários nos embates políticos. ( ) Vimos que o mito eram estórias ou narrativas que utilizavam a linguagem para explicar a origem dos deuses, do mundo, dos homens, da comunidade humana e da vida do grupo social. ( ) A linguagem não mantém nenhuma relação com poder de conhecimento racional. Leia e reflita acerca do texto “CONHECIMENTO DO SENSO COMUM – DOXA” disponível no início desse material e responda as questões a seguir:
  • 8. 11- O senso comum caracteriza-se: A) pela experiência científica e visão de mundo precária e fragmentada. B) pelo conhecimento espontâneo e experiência científica. C) pela experiência cotidiana e conhecimento acumulado. D) pelo conhecimento acumulado e científico 12- De acordo com o texto, o senso comum é: A) Um saber ditado pelos conhecimentos acumulados , repassados aos indivíduos de geração em geração. B) Um conhecimento adquirido pela tradição. C) Um conhecimento herdado dos antepassados. D) Todas as alternativas estão corretas. 13 - Senso comum é? A) Um conhecimento adquirido sem uma base crítica; B) Um conhecimento adquirido com uma base crítica; C) Um conhecimento provado cientificamente; 14- Aprendemos que existem formas diferentes de compreensão do mundo: a visão do senso comum ou o conhecimento científico. Nesse sentido, marque a única opção verdadeira. A) O senso comum não depende de juízos pessoais a respeito das coisas, com envolvimento das emoções e dos valores de quem observa. B) O senso comum depende de juízos científicos a respeito das coisas, com envolvimento das emoções e dos valores de quem observa. C) O senso comum depende tanto de juízos científicos como de juízos pessoais a respeito das coisas, não importando o grau de envolvimento das emoções e dos valores de quem observa. D) O senso comum depende de juízos pessoais a respeito das coisas, com envolvimento das emoções e dos valores de quem observa. E) O senso comum depende de juízos científicos a respeito das coisas, sem envolvimento das emoções e dos valores de quem observa. 15- Coloque V para verdadeira e F para falsa nas afirmativas abaixo referentes ao Senso comum. ( ) O senso comum é uma das formas de conhecimento que o homem produziu no transcurso de sua história, com o intuito de entender e explicar racional eobjetivamente o mundo para nele poder intervir. ( ) O senso comum tem como base os princípios científicos e racionais (razão) dos indivíduos. Só se torna válido através de dados estatísticos e da comprovação. ( ) O senso comum é o guia do homem na solução desuas dificuldades diárias. É o discurso com o qual está habituado, orientando-o em seu dia a dia. ( ) O senso comum busca conhecere compreender o mundo e os seres que nelehabitam através da ciência e da experiência científica. TEXTO ABAIXO APENAS PARA REFLEXÃO “Ciência é um conjunto de descrições, interpretações, teorias, leis, modelos, etc., visando ao conhecimento de uma parcela da realidade, em contínua ampliação e renovação, que resulta da aplicação deliberada de uma metodologia especial (metodologia científica).” Newton Freire-Maia “O que diferencia a atitude científica do senso comum? Antes de qualquer coisa, a ciência desconfia da verdade de nossas certezas, de nossa adesão imediata às coisas, da ausência de crítica e da falta de curiosidade. Por isso, ali onde vemos coisas, fatose acontecimentos, a atitude científica vê problemas e obstáculos, aparências que precisam ser explicadas e, em certos casos, afastadas. Sob quase todos os aspectos, podemos dizer que o conhecimento científico é contra as características do senso comum.”Marilena Chauí