SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 68
Trabalho realizado por:
Diana Silva nº 7 11ºC
Marisa Ferreira nº 14 11ºC
Ana Fonseca nº 1 11ºD
Vítor Cachopo nº 18 11ºD
Atenas
O tema “Filosofia na cidade” tem
como objetivo salientar o
contributo da filosofia para a
construção da cidadania. É
importante que este tema seja
reconhecido para que as pessoas
saibam a importância da
tolerância e do diálogo na
atualidade e, também, para
esclarecer de que modo podemos
praticar a filosofia e contribuir
na sociedade como cidadãos
livres e responsáveis.
Se nós decidirmos prosseguir os estudos e seguir uma
carreira na investigação científica, por exemplo,
estaremos a traçar o rumo para a nossa vida pessoal, mas
ao mesmo tempo iremos interferir na vida da sociedade,
pois as nossas decisões poderão ou não ser um bem
maior para a coletividade.
Posto isto, compreendemos que o ser humano não
vive isolado, pois depende da sociedade-cultura e da
convivência com os outros para sobreviver, agir e
transformar.
No entanto, a convivência entre os indivíduos dentro da
sociedade nem sempre é fácil. Citando Kant, parece
existir uma sociabilidade insociável ligada à natureza
humana. Com isto Kant quer dizer que “…o homem tem
uma inclinação para entrar em sociedade (…). Mas
também tem uma grande propensão a isolar-se (…)”
Então, na sociedade encontramos
Mas ao mesmo tempo
O nosso ambiente
natural
Questionamo-lo e
queremos modificá-
lo
A palavra cidadão designa aquele que vive na cidade e,
por isso, goza de direitos civis e políticos dentro dela. À
semelhança da antiga democracia ateniense, o cidadão é
um homem-livre, capaz de participar nas decisões
públicas da cidade e que cumpre as suas obrigações
naturais a sua subsistência e a da sua
família.
Desde muito cedo os filósofos consideraram a
existência de duas esferas – pública e privada – na
vida do individuo. Para os gregos, o espaço publico
sobrepõe-se ao privado, porque este permite ao
homem a realização plena da sua natureza (política).
Atualmente, as noções de espaço privado e espaço
público são utilizadas num sentido diferente. Não faz
sentido, assim, dizer que a realização humana só é
possível ao nível do espaço público, ou seja, da esfera
política.
Nós, enquanto seres livres e moralmente conscientes, somos
capazes de tomar as nossas próprias decisões – no nosso
espaço privado; porém, sempre que o fazemos, mostramo-
nos e interferimos no seio da coletividade – espaço público.
Na esfera privada, o individuo procurará o que é melhor
para si e na esfera pública, procurará o que é melhor para
todos.
A tarefa da reflexão política é então, concluindo, a de
tentar conciliar as exigências individuais com as da
coletividade (sociedade civil), para assegurar as
melhores condições (de justiça) para todos.
Para os gregos, a razão teórica estava ligada à observação e à
produção de conhecimentos, enquanto a razão prática – a praxis –
significava a ação comum, a reflexão acerca dos problemas práticos
da vida pública da cidade – polis.
A filosofia na polis – a evolução da
filosofia política
É aos gregos que devemos o nascimento da
democracia e, com ela, o da política
A palavra política deriva de polis, e assim significa
originariamente gestão dos assuntos ou negócios da
polis.
A democracia reconhece a igualdade de todos os
cidadãos perante a lei e, assim, a cidadania constrói-
se com base no reconhecimento dessa igualdade e da
liberdade do cidadão.
Com Aristóteles
surge o conceito
de filosofia política
como uma
disciplina ou
ramo de saber.
No Tratado da Política, o filósofo caracteriza o homem
como um animal social e político e reconhece a
importância da palavra na sociedade política.
Aristóteles lança as seguintes questões:
(questão da soberania, já colocada por Platão)
(questão do seu fundamento, isto é, direito natural)
Foram vários os pensadores que refletiram sobre
estas questões e que contribuíram para o
desenvolvimento da filosofia política:
Nicolau B. Maquiavel Thomas Hobbes
Jean-Jacques Rousseau
John Locke
Nas diferentes conceções políticas por eles desenvolvidas, no
entanto, encontra-se um problema determinante: a natureza
humana.
 Se o ser humano tem tendência para o mal, deve
existir uma autoridade para lhe impor regras;
 Se é naturalmente bom, deseja o bem de todos e
será capaz de os respeitar de livre vontade.
Os estados democráticos atuais debatem-se com um
problema central:
Devemos reconhecer então três princípios fundamentais:
• A democracia como regime preferível;
• A liberdade e a igualdade como direitos fundamentais;
• O diálogo como via razoável de resolução de problemas
comuns.
Concluindo, a atual reflexão filosófico-política age
no sentido de encontrar a melhor forma de
coexistência do direito de igualdade com o direito à
diferença. As suas respostas elucidam-nos para a
importância do
diálogo e da tolerância
como pilares de construção da
cidadania
Devido aos fenómenos de globalização e de emigração,
as sociedades democráticas são obrigadas a repensar o
estatuto do cidadão enquanto ser humano e cidadão do
mundo. É assim urgente garantir os seus direitos
fundamentais.
Neste sentido, é devido que nos debrucemos acerca
de alguns dos problemas atuais. A saber:
fome
pobreza
terrorismo
diminuição dos recursos naturais
É difícil, no entanto, encontrar uma solução para
estes problemas pois estão diversos valores e
interesses em questão. Todavia, não deixamos de nos
perguntar:
Devemos assim repensar a tolerância no conjunto de
convicções (religiosas, filosóficas, políticas, etc.) que
ocupam o espaço social e cultural do planeta.
Segundo o Dicionário de Filosofia:
“Ser tolerante é abstermo-nos de agir contra o que
reprovamos, contra o que nos é politicamente contrário ou
contra o que é diferente de nós.”
Isso significa que ser tolerante é permitir certas
atitudes e comportamos que não aceitamos como
corretos ou que não estão de acordo com as nossas
convicções.
A tolerância é então agora concebida como o respeito
pelas diferenças, ao contrário da antiga perceção
negativa que a via apenas como a mera permissão
(mas não aceitação) das diferenças religiosas.
Reconhecer os direitos humanos significa afirmar a igual
dignidade de todos os indivíduos, independentemente das
suas diferenças de:
Cor;
Raça;
Etnia;
Religião;
Partido político;
Opinião.
Devemos, assim, manter e respeitar estas diferenças,
aceitá-las e reconhecê-las pela liberdade e dignidade
de todos e de cada um. Isso quer dizer que o facto de
defendermos um ideal político ou termos uma certa
convicção não implica que possamos ser intolerantes
perante as convicções e os ideais dos outros.
Porém, é ainda muito difícil resolver determinados
problemas socioculturais e, por isso mesmo, torna-se
necessário reafirmar a importância do
diálogo
Promovido pela democracia instaurada pelos
gregos, juntamente com o debate e a discussão.
“O melhor regime dos até agora conhecidos
na história da humanidade.” -Karl Popper
a) A «ética da discussão» de Apel e Habermas
Nela parte-se da ideia de uma situação ideal de
comunicação cujos intervenientes partilham de iguais
condições de diálogo e conseguem, dessa forma,
entender-se.
No entanto, uma «comunidade ideal de fala» não é o
mesmo que uma comunidade real. Nesta, as opiniões são
diferentes e discordantes.
Assim, na maior parte das vezes só será possível atingir
consensos provisórios ou estabelecer compromissos
negociados (pois não é possível que as opiniões de todos
concordem). Apel e Habermas defendem então a ideia de uma
necessária participação dos indivíduos no espaço público,
através da expressão e da discussão pública. Contudo, avisam
para o papel fundamental de um Estado de direito
democrático capaz de exercer plenamente as suas funções,
garantindo os direitos essenciais dos cidadãos.
b) O «consenso de sobreposição de doutrinas abrangentes
razoáveis» de Rawls
O filósofo John Rawls entende que numa sociedade realmente
democrática todos os participantes devem estar interessados em
cooperar porque todos são reconhecidos como iguais. No entanto,
Rawls sabe que as sociedades democráticas atuais são plurais e
que os indivíduos têm não só objetivos diferentes, como também
defendem ideias e convicções - filosóficas, políticas ou religiosas –
distintas.
Segundo Rawls, uma sociedade justa só será estável
se reunir um conjunto de doutrinas razoáveis que
têm em vista um consenso duradouro. Se dada
doutrina não for razoável, então ela não poderá ser
admitida no interior da sociedade justa.
Então, como vimos, é no diálogo que encontramos o meio de
resolução dos conflitos e das questões públicas. A paixão dos gregos
pelo homem levou-os a encontrar na
democracia
a melhor forma de gerirem os assuntos comuns
cidadania
a expressão da liberdade e da igualdade
Pode afirmar-se, por fim, que ser cidadão significa:
 pôr em ação a nossa liberdade e igualdade;
 empenharmo-nos na defesa dos interesses comuns.
Infelizmente, nos dias de hoje, a participação dos
cidadãos na vida política é cada vez menor, e nota-se
um crescente desinteresse dos jovens pela política.
Para além de cidadãos - inseridos numa cidade e
país com leis, normas e regras próprias – somos seres
humanos, com direitos e deveres que devem ser
reconhecidos, protegidos e respeitados.
Vejamos então algumas ideias-chave
caracterizadoras do cidadão contemporâneo:
 É sujeito de direitos fundamentais, como a liberdade
e a igualdade;
 É portador de identidade e dignidade próprias;
Tem o poder de decidir e o dever de participar
democraticamente nos assuntos públicos;
 Deve ser solidário e responsável;
 Deve construir a paz, tendo como instrumento o
diálogo;
Deve participar na construção de uma sociedade
melhor e mais justa.
Com este trabalho compreendemos o significado de
conceitos como tolerância, democracia e cidadania,
debatemos algumas questões públicas atuais e
vimos, por fim, o que é ser cidadão.
 “Contextos”, Manual de Filosofia do 11ºano
https://www.google.pt/imghp?hl=pt-
PT&tab=wi&ei=IgSGU7WFBpKr0AWQ34CQCA&ved=
0CAQQqi4oAg
http://www.defnarede.com/
http://www.dedihc.pr.gov.br/modules/conteudo/conte
udo.php?conteudo=8

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)Sara Guerra
 
Auto da Feira de Gil Vicente
Auto da Feira de Gil VicenteAuto da Feira de Gil Vicente
Auto da Feira de Gil VicenteGijasilvelitz 2
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Jorge Barbosa
 
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
 ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA... ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...AMLDRP
 
Argumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morte
Argumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morteArgumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morte
Argumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morteJoaquim Melro
 
305626475 sociologia-12 (1)
305626475 sociologia-12 (1)305626475 sociologia-12 (1)
305626475 sociologia-12 (1)RenataArteiro1
 
Caminhos da cultura
Caminhos da culturaCaminhos da cultura
Caminhos da culturacattonia
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BSilvia Revez
 
Esquema síntese crónica de costumes os maias
Esquema síntese crónica de costumes   os maiasEsquema síntese crónica de costumes   os maias
Esquema síntese crónica de costumes os maiasPatricia Pereira
 
Analise no dia em que eu nasci moura e pereca
Analise no dia em que eu nasci moura e perecaAnalise no dia em que eu nasci moura e pereca
Analise no dia em que eu nasci moura e perecacnlx
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Ficha informativa memorial do convento
Ficha informativa memorial do conventoFicha informativa memorial do convento
Ficha informativa memorial do conventoquintaldasletras
 
Estatuto moral dos animais - Filosofia 12º ano
Estatuto moral dos animais - Filosofia 12º anoEstatuto moral dos animais - Filosofia 12º ano
Estatuto moral dos animais - Filosofia 12º anoDaniela França
 
Violência Desportiva vs Espírito Desportivo e Corrupção Desportiva
Violência Desportiva vs Espírito Desportivo e Corrupção DesportivaViolência Desportiva vs Espírito Desportivo e Corrupção Desportiva
Violência Desportiva vs Espírito Desportivo e Corrupção DesportivaInês Mendes
 
Teste fernando pessoa
Teste fernando pessoaTeste fernando pessoa
Teste fernando pessoaAna Acciaioli
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaDina Baptista
 
As regiões portuguesas no contexto das políticas regionais da união europeia
As regiões portuguesas no contexto das políticas regionais da união europeiaAs regiões portuguesas no contexto das políticas regionais da união europeia
As regiões portuguesas no contexto das políticas regionais da união europeiaIlda Bicacro
 

Mais procurados (20)

D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
Auto da Feira de Gil Vicente
Auto da Feira de Gil VicenteAuto da Feira de Gil Vicente
Auto da Feira de Gil Vicente
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Jardineiro Fiel
Jardineiro FielJardineiro Fiel
Jardineiro Fiel
 
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
 ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA... ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
 
Argumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morte
Argumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morteArgumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morte
Argumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morte
 
305626475 sociologia-12 (1)
305626475 sociologia-12 (1)305626475 sociologia-12 (1)
305626475 sociologia-12 (1)
 
A fragmentação do eu
A fragmentação do euA fragmentação do eu
A fragmentação do eu
 
Caminhos da cultura
Caminhos da culturaCaminhos da cultura
Caminhos da cultura
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
 
Esquema síntese crónica de costumes os maias
Esquema síntese crónica de costumes   os maiasEsquema síntese crónica de costumes   os maias
Esquema síntese crónica de costumes os maias
 
Analise no dia em que eu nasci moura e pereca
Analise no dia em que eu nasci moura e perecaAnalise no dia em que eu nasci moura e pereca
Analise no dia em que eu nasci moura e pereca
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Ficha informativa memorial do convento
Ficha informativa memorial do conventoFicha informativa memorial do convento
Ficha informativa memorial do convento
 
Estatuto moral dos animais - Filosofia 12º ano
Estatuto moral dos animais - Filosofia 12º anoEstatuto moral dos animais - Filosofia 12º ano
Estatuto moral dos animais - Filosofia 12º ano
 
Violência Desportiva vs Espírito Desportivo e Corrupção Desportiva
Violência Desportiva vs Espírito Desportivo e Corrupção DesportivaViolência Desportiva vs Espírito Desportivo e Corrupção Desportiva
Violência Desportiva vs Espírito Desportivo e Corrupção Desportiva
 
Teste fernando pessoa
Teste fernando pessoaTeste fernando pessoa
Teste fernando pessoa
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
As regiões portuguesas no contexto das políticas regionais da união europeia
As regiões portuguesas no contexto das políticas regionais da união europeiaAs regiões portuguesas no contexto das políticas regionais da união europeia
As regiões portuguesas no contexto das políticas regionais da união europeia
 

Destaque

Filosofia na cidade (11º ano)
Filosofia na cidade (11º ano)Filosofia na cidade (11º ano)
Filosofia na cidade (11º ano)Renata Antunes
 
A filosofia e a cidade
A filosofia e a cidadeA filosofia e a cidade
A filosofia e a cidadejuzu
 
Plano filosofia 11 2011 2012
Plano filosofia 11 2011 2012Plano filosofia 11 2011 2012
Plano filosofia 11 2011 2012Isaque Tomé
 
Filosofia na cidade
Filosofia na cidadeFilosofia na cidade
Filosofia na cidadeLipinha_13
 
A Filosofia E Outros Saberes
A Filosofia E Outros SaberesA Filosofia E Outros Saberes
A Filosofia E Outros SaberesJoão Lamas
 
Trabalho de Filosofia : A Cidadania
Trabalho de Filosofia : A CidadaniaTrabalho de Filosofia : A Cidadania
Trabalho de Filosofia : A CidadaniaFilipa Pereira
 
T11 a questao social sec xxi
T11 a questao social sec xxiT11 a questao social sec xxi
T11 a questao social sec xxiElisio Estanque
 
O espaço público, 30 anos depois - Habermas
O espaço público, 30 anos depois - HabermasO espaço público, 30 anos depois - Habermas
O espaço público, 30 anos depois - HabermasFabricia Vieira
 
O USO DO ESPAÇO PUBLICO COMO PRIVADO
O USO DO ESPAÇO PUBLICO COMO PRIVADOO USO DO ESPAÇO PUBLICO COMO PRIVADO
O USO DO ESPAÇO PUBLICO COMO PRIVADODiego Alvarez
 
Mill , John Stuart. Sobre a Liberdade.
Mill , John Stuart. Sobre a Liberdade.Mill , John Stuart. Sobre a Liberdade.
Mill , John Stuart. Sobre a Liberdade.MABETA_
 
Filosofia - definição
Filosofia - definiçãoFilosofia - definição
Filosofia - definiçãoIsaque Tomé
 
Direito à cidade | Apropriação do espaço público
Direito à cidade | Apropriação do espaço públicoDireito à cidade | Apropriação do espaço público
Direito à cidade | Apropriação do espaço públicoCamila Haddad
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e SociedadeSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e SociedadeTurma Olímpica
 
Publicidade & Propaganda - aula 07
Publicidade & Propaganda - aula 07Publicidade & Propaganda - aula 07
Publicidade & Propaganda - aula 07Ricardo Americo
 

Destaque (20)

Filosofia na cidade (11º ano)
Filosofia na cidade (11º ano)Filosofia na cidade (11º ano)
Filosofia na cidade (11º ano)
 
A filosofia e a cidade
A filosofia e a cidadeA filosofia e a cidade
A filosofia e a cidade
 
Plano filosofia 11 2011 2012
Plano filosofia 11 2011 2012Plano filosofia 11 2011 2012
Plano filosofia 11 2011 2012
 
Filosofia na cidade
Filosofia na cidadeFilosofia na cidade
Filosofia na cidade
 
cidadania
cidadaniacidadania
cidadania
 
A Filosofia E Outros Saberes
A Filosofia E Outros SaberesA Filosofia E Outros Saberes
A Filosofia E Outros Saberes
 
Espaços Publicos
Espaços PublicosEspaços Publicos
Espaços Publicos
 
Trabalho de Filosofia : A Cidadania
Trabalho de Filosofia : A CidadaniaTrabalho de Filosofia : A Cidadania
Trabalho de Filosofia : A Cidadania
 
T11 a questao social sec xxi
T11 a questao social sec xxiT11 a questao social sec xxi
T11 a questao social sec xxi
 
O espaço público, 30 anos depois - Habermas
O espaço público, 30 anos depois - HabermasO espaço público, 30 anos depois - Habermas
O espaço público, 30 anos depois - Habermas
 
FARINACEOS
FARINACEOSFARINACEOS
FARINACEOS
 
O USO DO ESPAÇO PUBLICO COMO PRIVADO
O USO DO ESPAÇO PUBLICO COMO PRIVADOO USO DO ESPAÇO PUBLICO COMO PRIVADO
O USO DO ESPAÇO PUBLICO COMO PRIVADO
 
Mill , John Stuart. Sobre a Liberdade.
Mill , John Stuart. Sobre a Liberdade.Mill , John Stuart. Sobre a Liberdade.
Mill , John Stuart. Sobre a Liberdade.
 
Espaço público
Espaço públicoEspaço público
Espaço público
 
Filosofia - definição
Filosofia - definiçãoFilosofia - definição
Filosofia - definição
 
Direito à cidade | Apropriação do espaço público
Direito à cidade | Apropriação do espaço públicoDireito à cidade | Apropriação do espaço público
Direito à cidade | Apropriação do espaço público
 
Turistificação
TuristificaçãoTuristificação
Turistificação
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e SociedadeSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
 
Sentidodavida
SentidodavidaSentidodavida
Sentidodavida
 
Publicidade & Propaganda - aula 07
Publicidade & Propaganda - aula 07Publicidade & Propaganda - aula 07
Publicidade & Propaganda - aula 07
 

Semelhante a Filosofia na Cidade 11º ano

Semelhante a Filosofia na Cidade 11º ano (9)

Deabate liberal comunitário
Deabate liberal comunitárioDeabate liberal comunitário
Deabate liberal comunitário
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
 
Controle social e cidadania
Controle social e cidadaniaControle social e cidadania
Controle social e cidadania
 
Filosofia unidade v
Filosofia unidade vFilosofia unidade v
Filosofia unidade v
 
Questoes de filosofia enem2009 2013
Questoes de filosofia enem2009 2013Questoes de filosofia enem2009 2013
Questoes de filosofia enem2009 2013
 
04
0404
04
 
Retórica e democracia
Retórica e democraciaRetórica e democracia
Retórica e democracia
 
Cidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanosCidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanos
 

Último

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 

Último (20)

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 

Filosofia na Cidade 11º ano

  • 1. Trabalho realizado por: Diana Silva nº 7 11ºC Marisa Ferreira nº 14 11ºC Ana Fonseca nº 1 11ºD Vítor Cachopo nº 18 11ºD Atenas
  • 2. O tema “Filosofia na cidade” tem como objetivo salientar o contributo da filosofia para a construção da cidadania. É importante que este tema seja reconhecido para que as pessoas saibam a importância da tolerância e do diálogo na atualidade e, também, para esclarecer de que modo podemos praticar a filosofia e contribuir na sociedade como cidadãos livres e responsáveis.
  • 3. Se nós decidirmos prosseguir os estudos e seguir uma carreira na investigação científica, por exemplo, estaremos a traçar o rumo para a nossa vida pessoal, mas ao mesmo tempo iremos interferir na vida da sociedade, pois as nossas decisões poderão ou não ser um bem maior para a coletividade.
  • 4. Posto isto, compreendemos que o ser humano não vive isolado, pois depende da sociedade-cultura e da convivência com os outros para sobreviver, agir e transformar.
  • 5. No entanto, a convivência entre os indivíduos dentro da sociedade nem sempre é fácil. Citando Kant, parece existir uma sociabilidade insociável ligada à natureza humana. Com isto Kant quer dizer que “…o homem tem uma inclinação para entrar em sociedade (…). Mas também tem uma grande propensão a isolar-se (…)”
  • 6. Então, na sociedade encontramos Mas ao mesmo tempo O nosso ambiente natural Questionamo-lo e queremos modificá- lo
  • 7.
  • 8. A palavra cidadão designa aquele que vive na cidade e, por isso, goza de direitos civis e políticos dentro dela. À semelhança da antiga democracia ateniense, o cidadão é um homem-livre, capaz de participar nas decisões públicas da cidade e que cumpre as suas obrigações naturais a sua subsistência e a da sua família.
  • 9. Desde muito cedo os filósofos consideraram a existência de duas esferas – pública e privada – na vida do individuo. Para os gregos, o espaço publico sobrepõe-se ao privado, porque este permite ao homem a realização plena da sua natureza (política).
  • 10. Atualmente, as noções de espaço privado e espaço público são utilizadas num sentido diferente. Não faz sentido, assim, dizer que a realização humana só é possível ao nível do espaço público, ou seja, da esfera política.
  • 11. Nós, enquanto seres livres e moralmente conscientes, somos capazes de tomar as nossas próprias decisões – no nosso espaço privado; porém, sempre que o fazemos, mostramo- nos e interferimos no seio da coletividade – espaço público. Na esfera privada, o individuo procurará o que é melhor para si e na esfera pública, procurará o que é melhor para todos.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. A tarefa da reflexão política é então, concluindo, a de tentar conciliar as exigências individuais com as da coletividade (sociedade civil), para assegurar as melhores condições (de justiça) para todos.
  • 20. Para os gregos, a razão teórica estava ligada à observação e à produção de conhecimentos, enquanto a razão prática – a praxis – significava a ação comum, a reflexão acerca dos problemas práticos da vida pública da cidade – polis. A filosofia na polis – a evolução da filosofia política
  • 21. É aos gregos que devemos o nascimento da democracia e, com ela, o da política A palavra política deriva de polis, e assim significa originariamente gestão dos assuntos ou negócios da polis.
  • 22. A democracia reconhece a igualdade de todos os cidadãos perante a lei e, assim, a cidadania constrói- se com base no reconhecimento dessa igualdade e da liberdade do cidadão.
  • 23. Com Aristóteles surge o conceito de filosofia política como uma disciplina ou ramo de saber.
  • 24. No Tratado da Política, o filósofo caracteriza o homem como um animal social e político e reconhece a importância da palavra na sociedade política.
  • 25. Aristóteles lança as seguintes questões: (questão da soberania, já colocada por Platão)
  • 26. (questão do seu fundamento, isto é, direito natural)
  • 27. Foram vários os pensadores que refletiram sobre estas questões e que contribuíram para o desenvolvimento da filosofia política: Nicolau B. Maquiavel Thomas Hobbes
  • 29. Nas diferentes conceções políticas por eles desenvolvidas, no entanto, encontra-se um problema determinante: a natureza humana.
  • 30.  Se o ser humano tem tendência para o mal, deve existir uma autoridade para lhe impor regras;  Se é naturalmente bom, deseja o bem de todos e será capaz de os respeitar de livre vontade.
  • 31. Os estados democráticos atuais debatem-se com um problema central:
  • 32. Devemos reconhecer então três princípios fundamentais: • A democracia como regime preferível; • A liberdade e a igualdade como direitos fundamentais; • O diálogo como via razoável de resolução de problemas comuns.
  • 33. Concluindo, a atual reflexão filosófico-política age no sentido de encontrar a melhor forma de coexistência do direito de igualdade com o direito à diferença. As suas respostas elucidam-nos para a importância do diálogo e da tolerância como pilares de construção da cidadania
  • 34. Devido aos fenómenos de globalização e de emigração, as sociedades democráticas são obrigadas a repensar o estatuto do cidadão enquanto ser humano e cidadão do mundo. É assim urgente garantir os seus direitos fundamentais.
  • 35. Neste sentido, é devido que nos debrucemos acerca de alguns dos problemas atuais. A saber: fome
  • 39. É difícil, no entanto, encontrar uma solução para estes problemas pois estão diversos valores e interesses em questão. Todavia, não deixamos de nos perguntar:
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44. Devemos assim repensar a tolerância no conjunto de convicções (religiosas, filosóficas, políticas, etc.) que ocupam o espaço social e cultural do planeta.
  • 45.
  • 46.
  • 47. Segundo o Dicionário de Filosofia: “Ser tolerante é abstermo-nos de agir contra o que reprovamos, contra o que nos é politicamente contrário ou contra o que é diferente de nós.”
  • 48. Isso significa que ser tolerante é permitir certas atitudes e comportamos que não aceitamos como corretos ou que não estão de acordo com as nossas convicções.
  • 49. A tolerância é então agora concebida como o respeito pelas diferenças, ao contrário da antiga perceção negativa que a via apenas como a mera permissão (mas não aceitação) das diferenças religiosas.
  • 50. Reconhecer os direitos humanos significa afirmar a igual dignidade de todos os indivíduos, independentemente das suas diferenças de: Cor; Raça; Etnia; Religião; Partido político; Opinião.
  • 51. Devemos, assim, manter e respeitar estas diferenças, aceitá-las e reconhecê-las pela liberdade e dignidade de todos e de cada um. Isso quer dizer que o facto de defendermos um ideal político ou termos uma certa convicção não implica que possamos ser intolerantes perante as convicções e os ideais dos outros.
  • 52.
  • 53. Porém, é ainda muito difícil resolver determinados problemas socioculturais e, por isso mesmo, torna-se necessário reafirmar a importância do diálogo Promovido pela democracia instaurada pelos gregos, juntamente com o debate e a discussão. “O melhor regime dos até agora conhecidos na história da humanidade.” -Karl Popper
  • 54.
  • 55. a) A «ética da discussão» de Apel e Habermas Nela parte-se da ideia de uma situação ideal de comunicação cujos intervenientes partilham de iguais condições de diálogo e conseguem, dessa forma, entender-se. No entanto, uma «comunidade ideal de fala» não é o mesmo que uma comunidade real. Nesta, as opiniões são diferentes e discordantes.
  • 56.
  • 57. Assim, na maior parte das vezes só será possível atingir consensos provisórios ou estabelecer compromissos negociados (pois não é possível que as opiniões de todos concordem). Apel e Habermas defendem então a ideia de uma necessária participação dos indivíduos no espaço público, através da expressão e da discussão pública. Contudo, avisam para o papel fundamental de um Estado de direito democrático capaz de exercer plenamente as suas funções, garantindo os direitos essenciais dos cidadãos.
  • 58. b) O «consenso de sobreposição de doutrinas abrangentes razoáveis» de Rawls O filósofo John Rawls entende que numa sociedade realmente democrática todos os participantes devem estar interessados em cooperar porque todos são reconhecidos como iguais. No entanto, Rawls sabe que as sociedades democráticas atuais são plurais e que os indivíduos têm não só objetivos diferentes, como também defendem ideias e convicções - filosóficas, políticas ou religiosas – distintas.
  • 59. Segundo Rawls, uma sociedade justa só será estável se reunir um conjunto de doutrinas razoáveis que têm em vista um consenso duradouro. Se dada doutrina não for razoável, então ela não poderá ser admitida no interior da sociedade justa.
  • 60. Então, como vimos, é no diálogo que encontramos o meio de resolução dos conflitos e das questões públicas. A paixão dos gregos pelo homem levou-os a encontrar na democracia a melhor forma de gerirem os assuntos comuns
  • 61. cidadania a expressão da liberdade e da igualdade
  • 62. Pode afirmar-se, por fim, que ser cidadão significa:  pôr em ação a nossa liberdade e igualdade;  empenharmo-nos na defesa dos interesses comuns.
  • 63. Infelizmente, nos dias de hoje, a participação dos cidadãos na vida política é cada vez menor, e nota-se um crescente desinteresse dos jovens pela política.
  • 64. Para além de cidadãos - inseridos numa cidade e país com leis, normas e regras próprias – somos seres humanos, com direitos e deveres que devem ser reconhecidos, protegidos e respeitados.
  • 65. Vejamos então algumas ideias-chave caracterizadoras do cidadão contemporâneo:  É sujeito de direitos fundamentais, como a liberdade e a igualdade;  É portador de identidade e dignidade próprias; Tem o poder de decidir e o dever de participar democraticamente nos assuntos públicos;  Deve ser solidário e responsável;  Deve construir a paz, tendo como instrumento o diálogo; Deve participar na construção de uma sociedade melhor e mais justa.
  • 66.
  • 67. Com este trabalho compreendemos o significado de conceitos como tolerância, democracia e cidadania, debatemos algumas questões públicas atuais e vimos, por fim, o que é ser cidadão.
  • 68.  “Contextos”, Manual de Filosofia do 11ºano https://www.google.pt/imghp?hl=pt- PT&tab=wi&ei=IgSGU7WFBpKr0AWQ34CQCA&ved= 0CAQQqi4oAg http://www.defnarede.com/ http://www.dedihc.pr.gov.br/modules/conteudo/conte udo.php?conteudo=8