SlideShare uma empresa Scribd logo
1
A poluição dos mares e
dos solos
2
Índice
Introdução______________________________________________________3
A poluição nos rios e nos mares_____________________________________4
Poluição ambiental por metais ______________________________________6
A poluição nos solos______________________________________________7
Conclusão_____________________________________________________11
Webgrafia _____________________________________________________12
3
Introdução
O presente trabalho é sobre a poluição nos mares, rios e solos, mais
concretamente sobre os efeitos e as causas dessa mesma poluição e como o
Ser Humano acaba por ser a grande influência da sua existência.
Este trabalho estará repartido em três partes. Na primeira parte iremos expor
as causas da poluição nos rios e nos mares e os efeitos que estes têm na
fauna e flora marítima e como afetam a vida Humana. Na segunda parte iremos
falar sobre os metais pesados e como a negligência Humana faça com eles
afetem o nosso dia-a-dia mesmo sem darmos conta. Na terceira e última parte
iremos falar sobre a poluição dos solos e sobre os efeitos que esta tem sobre a
nossa vida.
A metodologia utilizada foi a pesquisa webgráfica da qual retiramos toda a
informação proveniente de sites e blogues.
4
A poluição nos rios e nos mares:
Existem muitas causas de poluição nos mares e nos rios mas algumas delas
são mais nítidas que outras. Podemos então dizer que as principais causas
desta poluição são:
 A Acumulação de lixos e detritos junto de fontes, poços e cursos de
água;
 Os esgotos domésticos que aldeias, vilas e cidades lançam nos rios
e/ou nos mares;
 Os resíduos tóxicos que algumas fábricas lançam nos oceanos;
 Os produtos químicos que os agricultores utilizam para combater as
doenças das plantas, e que as águas das chuvas arrastam para os
rios e para os lençóis de água existentes no subsolo;
 A lavagem clandestina de barcos em alto mar que largam combustível;
 Os resíduos nucleares radioativos depositados no fundo do mar;
 Os naufrágios dos petroleiros que causam o derrame de petróleo que
por sua vez suja as águas e mata grande parte da vida marinha –
marés negras.
A poluição dos rios e dos mares causa impactos ambientais extremos e leva à
morte por onde quer que passe. Uma das coisas que o Ser Humano mais faz e
nem se dá conta é deitar lixo para o chão, lixo esse que fica muitas vezes
esquecido e que nunca chega a ser limpo e acaba por ser levado pelas chuvas,
fazendo com que este vá, provavelmente, parar ao sistema de drenagem de
uma cidade e este vai conduzi-lo para os rios que por sua vez o levarão até os
mares.
Nesta poluição em cadeia, este lixo vai ficar junto dos peixes, que na maioria
serão ainda fonte de alimentação de muitas pessoas. Os peixes por não
conseguirem distinguir o lixo de alimentação acabam por ingerir o mesmo,
desta forma torna-se muito comum encontrar peixe com parte desse lixo e
outros tipos de resíduos que lhes podem provocar a morte.
Porém, nem todos os peixes morrem devido a este acontecimento e devido a
isso acabam por carregar dentro de si metais pesados que podem vir a
provocar doenças no organismo de quem se alimentar desses mesmo animais.
• Quais são os produtos que mais provocam a poluição dos mares?
- Detergentes;
- Óleos de cozinha;
- Óleo de automóveis;
- Gasolina;
- Produtos químicos industriais (como tintas, entre outros...);
- Metais pesados: chumbo, zinco, alumínio e mercúrio.
5
Poluição ambiental por metais:
O enorme desenvolvimento industrial das últimas décadas tem sido um dos
principais responsáveis pela poluição das águas e dos solos, seja pela
negligência no seu tratamento antes de despejá-las nos rios ou pelos meros
acidentes e descuidos que ocorrem e que são cada vez mais frequentes que
propiciam o lançamento de muitos poluentes nos ambientes aquáticos. A
exemplo disso estão os metais pesados que provocam grande problema para a
saúde humana, a sua presença na poluição é muitas vezes associada à
localização de regiões agrícolas e industriais.
Ocorrência por metais pesados:
Efeitos dos metais pesados:
http://www.fernandosantiago.com.br/met90.htm
6
A poluição dos solos:
Esta poluição é entendida como uma qualquer alteração que descaracterize o
solo da sua estrutura natural. Esta corre pela introdução de substâncias ou
produtos poluentes em estado sólido, líquido e gasoso, podendo comprometer
a saúde humana, animal e vegetal.
Poluição Agrícola:
O uso de fertilizantes é um tipo de poluição de origem rural, é usado para que
hajam nutrientes nas culturas, mas mesmo quando aplicado da melhor forma, a
assimilação pelo vegetal nunca é total, resultando em um excedente que se
incorpora no solo, provocando um desequilíbrio da composição natural do solo.
Alguns metais pesados estão presentes nos fertilizantes, como chumbo e
cádmio, aumentando a toxicidade do solo.
Defensivos agrícolas:
Os defensivos agrícolas (inseticidas, herbicidas, etc.) são utilizados para
combater pragas que atuam em plantações. Essas substâncias são absorvidas
pelo solo, que por sua vez contaminam as plantações e são inseridas nas
cadeias alimentares presentes no local. Outra consequência é a redução da
fertilidade do solo contaminado. O emprego de fertilizantes sintéticos e
defensivos é um fato relativamente novo, cujo uso cresceu rapidamente e que
se estende, hoje, por praticamente todas as terras cultiváveis, com alguns
impactos ambientais imediatos e bem conhecidos e outros, especialmente os
relacionados aos defensivos, que dependem de anos e décadas para se
manifestar e ser avaliados em suas consequências totais. O uso continuado de
agrotóxicos pode trazer muitos impactos para o meio ambiente, uma vez que
eles não selecionam os insetos que irão eliminar, com isto, podem ocorrer à
destruição de insetos úteis, como abelhas e animais polinizadores, além de
promover um aumento do número de pragas resistentes a este pesticida.
Fertilizantes Sintéticos:
Até ao advento da sua industrialização, os fertilizantes disponíveis eram quase
sempre provenientes da produção própria do local, obtida dos restos de
vegetais decompostos e dos excrementos de animais (estrume). Em maior
escala, eram adquiridos de produtores, na forma do conhecido Salitre do Chile.
A partir da produção do adubo artificial, caiu a barreira física e económica que
limitava a sua disponibilidade, fazendo crescer os riscos de sua acumulação
ambiental até concentrações tóxicas, tanto de nutrientes essenciais quanto de
outros elementos tidos como impurezas do processo de fabricação.
A adição de fertilizantes ao solo visa atender à demanda de nutrientes das
culturas, mas como em qualquer processo físico, químico e biológico, mesmo
quando o fertilizante é aplicado com a melhor técnica e de modo que seja mais
facilmente assimilável pelo vegetal, a eficiência nunca é de 100%, provocando,
7
em consequência, um excedente que passa a incorporar-se ao solo, fixando-se
à sua porção sólida ou solubilizando-se e movimentando-se em conjunto com
sua fração líquida.
Salinização:
A salinização é uma forma particular de poluição do solo. Ela pode ocorrer de
forma natural, com mais frequência em solos naturalmente suscetíveis, seja
pela natureza do material de origem, seja pela maior aridez do clima ou pelas
condições do relevo local; e também pode ocorrer como consequência da
prática de irrigação.
A salinização natural acontece como resultado do carreamento, pela água, de
sais dissolvidos das áreas vizinhas para um determinado terreno ou quando o
nível da água subterrânea é muito elevado, de forma que a mesma evapora,
deixando na camada superior do solo os sais concentrados.
A salinização do solo tem crescido bastante, no entanto, como consequência
de sistemas de irrigação mal executados, devido a: tipo de água utilizada, com
alta salinidade; quantidade de água aplicada em excesso, contribuindo para a
sua acumulação nas primeiras camadas do solo; drenagem mal feita da água
aplicada.
Poluição Urbana:
A poluição de origem urbana ocorre pela disposição de resíduos gerados pelas
indústrias, residências, serviços e comércio. O lixo degradado resulta na
produção de chorume, um líquido proveniente da decomposição da matéria
orgânica. Quando o depósito de lixo é feito a céu aberto (lixões), o chorume
infiltra-se no solo carregando micro-organismos, metais pesados, nitratos,
fosfatos, além de outras substâncias poluentes. O lençol freático acaba
também por ser contaminado.
Resíduos sólidos e esgotos:
Resíduos perigosos depositados no solo constituem também um sério
problema de poluição. Esses resíduos apresentam riscos à saúde dos seres
humanos e ao meio ambiente. Alguns exemplos de resíduos perigosos são os
produtos químicos, produtos radioativos, materiais hospitalares, pilhas e
baterias.
Os esgotos (resíduos líquidos) lançados em terrenos são também responsáveis
pela poluição do solo. Os dejetos humanos ao serem depositados no solo,
contaminam o mesmo com micro-organismos patogênicos, que são arrastados
de alguma maneira para as águas e podem contaminar também os alimentos.
Assim, os dejetos humanos contribuem para a transmissão de doenças, com
destaque para as verminoses, que contaminam o homem através do contato
com a terra contaminada.
Poluição de origem natural:
8
Existem ainda outros tipos de poluição que são de origem natural e estes o
Homem não pode evitar como os desastres naturais (inundações, terremotos e
vendavais) e atividades vulcânicas. A erosão do solo também pode ocorrer de
forma natural pela ação de chuvas e ventos, que desagregam e carregam as
suas partículas. Porém, o desmatamento acelera muito os processos de
erosão, podendo causar desmoronamento de terras. A poluição do solo
provoca sérios problemas ambientais, como a alteração das cadeias
alimentares, desequilíbrio do ecossistema, perda da biodiversidade,
contaminação dos lençóis freáticos, infertilidade do solo, perda da capacidade
de drenagem natural e risco à saúde dos seres humanos.
A reciclagem, reutilização dos bens de consumo, redução no uso de
fertilizantes e defensivos agrícolas, reflorestamento e disposição correta de
resíduos são algumas formas para controlar e reduzir a poluição do solo.
Consequências da poluição:
O solo leva vários séculos ou até milhões de anos para se formar sob a ação
dos agentes naturais (intemperismo), enquanto que a sua destruição poderá
ocorrer em apenas um ou em poucos anos, devido às atividades humanas.
A crescente modificação do solo por ação antrópica traz consequência muitas
vezes irreparável. Podemos citar as principais, e mais comum delas,
• A alteração de cadeias alimentares, com a adição de fertilizantes,
inseticidas, pesticidas, isto facilmente ocorre, uma vez que podem ser
eliminados vários tipos de animais com uso destes produtos, levando até
a extinção de níveis tróficos da cadeia alimentar;
• Erosão, assoreamento e inviabilidade do solo, com a utilização de
técnicas arcaicas de ocupação e manejo do solo, acarretando a erosão
do mesmo, inviabilizando sua utilização, além de contribuir para o
assoreamento de rios, córregos e lagos, próximos daquela região;
• Contaminação, em todos os aspectos ambientais, desde a
contaminação de níveis freáticos à bioacumulação de produtos tóxicos
pela cadeia alimentar chegando ao homem.
9
Conclusão
Neste trabalho abordámos as diferentes causas de poluição tanto nos mares e
rios como nos solos e como essa afeta a nossa vida diária sem nos darmos
conta. Muitos acham que a poluição dos solos é a uma das que mais se faz
sentir na nossa atmosfera mas a verdade é que a poluição que nos afeta mais
é a poluição por parte de metais pesados principalmente vindos dos mares.
Cumprimos todos os objetivos a que nos tínhamos proposto uma vez
cumprimos não só os prazos de entrega como os requisitos que nos foram
propostos para este trabalho.
Este trabalho foi muito importante para o nosso conhecimento e compreensão
deste tema visto que nos permitiu adquirir conhecimentos que antes não
tínhamos além de nos ter permitido aperfeiçoar as nossas competências não
só de investigação de informação como também de seleção e organização da
mesma.
10
Webgrafia
http://www.fernandosantiago.com.br/met90.htm
http://www.portalresiduossolidos.com/poluicao-nos-rios-e-mares/
http://pt.slideshare.net/prsfreitas/poluio-dos-oceanos-9a
http://www.infoescola.com/meio-ambiente/poluicao-do-solo/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1.6 aula campo
1.6 aula campo1.6 aula campo
1.6 aula campo
SeminariosBiologia
 
Floresta tropical
Floresta tropicalFloresta tropical
Floresta tropical
Nome Sobrenome
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
Fátima Cunha Lopes
 
Pregon Pascual para solemne vigilia Pascual ).pdf
Pregon Pascual para solemne vigilia Pascual ).pdfPregon Pascual para solemne vigilia Pascual ).pdf
Pregon Pascual para solemne vigilia Pascual ).pdf
MIGUELMENDOZA928718
 
Inundações
InundaçõesInundações
Inundações
Sara Daniela
 
Ficha de avaliação_ Texto diversos
Ficha de avaliação_ Texto diversosFicha de avaliação_ Texto diversos
Ficha de avaliação_ Texto diversos
Raquel Antunes
 
Vt5 teste 1
Vt5  teste 1Vt5  teste 1
Vt5 teste 1
Victor Martins
 
fósseis - 7º ano
fósseis - 7º anofósseis - 7º ano
fósseis - 7º ano
olgacacao
 
PoluiçãO áGua 8ºB
PoluiçãO áGua 8ºBPoluiçãO áGua 8ºB
PoluiçãO áGua 8ºB
Teresa Monteiro
 
Hidrologia Geral
Hidrologia GeralHidrologia Geral
Hidrologia Geral
Thalles Barbosa
 
Tratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas ResiduaisTratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas Residuais
guest3c1e728
 
A sustentabilidade da água
A sustentabilidade da águaA sustentabilidade da água
A sustentabilidade da água
Flávio Carvalho
 
Serra do caramulo
Serra do caramuloSerra do caramulo
Serra do caramulo
Luís Pinto Domingues
 
Complemento agente da passiva correcao
Complemento agente da passiva correcaoComplemento agente da passiva correcao
Complemento agente da passiva correcao
Luís Ventura
 
O relevo e erosão (a)
O relevo e erosão (a)O relevo e erosão (a)
O relevo e erosão (a)
Pocarolas
 
Lenda dos olhos de água
Lenda dos olhos de águaLenda dos olhos de água
Lenda dos olhos de água
davidjpereira
 
Critérios de avaliação expressão oral
Critérios de avaliação   expressão oralCritérios de avaliação   expressão oral
Critérios de avaliação expressão oral
Paulo Moura
 
Bilhete de identidade animais em vias de extinção 6
Bilhete de identidade   animais em vias de extinção 6Bilhete de identidade   animais em vias de extinção 6
Bilhete de identidade animais em vias de extinção 6
Fátima Rocha
 
O que está a destruir a floresta powerpoint
O que está a destruir a floresta powerpointO que está a destruir a floresta powerpoint
O que está a destruir a floresta powerpoint
hannahsbs
 
8ºano ciencias naturais-teste 1-
8ºano ciencias naturais-teste 1-8ºano ciencias naturais-teste 1-
8ºano ciencias naturais-teste 1-
silvia_lfr
 

Mais procurados (20)

1.6 aula campo
1.6 aula campo1.6 aula campo
1.6 aula campo
 
Floresta tropical
Floresta tropicalFloresta tropical
Floresta tropical
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
 
Pregon Pascual para solemne vigilia Pascual ).pdf
Pregon Pascual para solemne vigilia Pascual ).pdfPregon Pascual para solemne vigilia Pascual ).pdf
Pregon Pascual para solemne vigilia Pascual ).pdf
 
Inundações
InundaçõesInundações
Inundações
 
Ficha de avaliação_ Texto diversos
Ficha de avaliação_ Texto diversosFicha de avaliação_ Texto diversos
Ficha de avaliação_ Texto diversos
 
Vt5 teste 1
Vt5  teste 1Vt5  teste 1
Vt5 teste 1
 
fósseis - 7º ano
fósseis - 7º anofósseis - 7º ano
fósseis - 7º ano
 
PoluiçãO áGua 8ºB
PoluiçãO áGua 8ºBPoluiçãO áGua 8ºB
PoluiçãO áGua 8ºB
 
Hidrologia Geral
Hidrologia GeralHidrologia Geral
Hidrologia Geral
 
Tratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas ResiduaisTratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas Residuais
 
A sustentabilidade da água
A sustentabilidade da águaA sustentabilidade da água
A sustentabilidade da água
 
Serra do caramulo
Serra do caramuloSerra do caramulo
Serra do caramulo
 
Complemento agente da passiva correcao
Complemento agente da passiva correcaoComplemento agente da passiva correcao
Complemento agente da passiva correcao
 
O relevo e erosão (a)
O relevo e erosão (a)O relevo e erosão (a)
O relevo e erosão (a)
 
Lenda dos olhos de água
Lenda dos olhos de águaLenda dos olhos de água
Lenda dos olhos de água
 
Critérios de avaliação expressão oral
Critérios de avaliação   expressão oralCritérios de avaliação   expressão oral
Critérios de avaliação expressão oral
 
Bilhete de identidade animais em vias de extinção 6
Bilhete de identidade   animais em vias de extinção 6Bilhete de identidade   animais em vias de extinção 6
Bilhete de identidade animais em vias de extinção 6
 
O que está a destruir a floresta powerpoint
O que está a destruir a floresta powerpointO que está a destruir a floresta powerpoint
O que está a destruir a floresta powerpoint
 
8ºano ciencias naturais-teste 1-
8ºano ciencias naturais-teste 1-8ºano ciencias naturais-teste 1-
8ºano ciencias naturais-teste 1-
 

Semelhante a A poluição dos mares e solos temas

PoluiçãO Da áGua
PoluiçãO Da áGuaPoluiçãO Da áGua
PoluiçãO Da áGua
Carla Florbela
 
1650
16501650
1650
Pelo Siro
 
02 poluição do solo e da água3002
02 poluição do solo e da água300202 poluição do solo e da água3002
02 poluição do solo e da água3002
cristbarb
 
Poluição do solo e da água3002
Poluição do solo e da água3002Poluição do solo e da água3002
Poluição do solo e da água3002
cristbarb
 
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosferaImpacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Grupo2apcm
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
StephanyChaiben
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
StephanyChaiben
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
jheymer
 
Trabalho de Geografia
Trabalho de GeografiaTrabalho de Geografia
Trabalho de Geografia
Amanda Gonçalves
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
Gilson Nachtigall
 
Poluicao Da Agua 1
Poluicao Da Agua 1Poluicao Da Agua 1
Poluicao Da Agua 1
Tomás Cunha
 
Poluição da água
Poluição da águaPoluição da água
Poluição da água
Tomás Cunha
 
Poluição de Solos
Poluição de SolosPoluição de Solos
Poluição de Solos
Luís Filipe Marinho
 
Geografia vol1
Geografia vol1Geografia vol1
Geografia vol1
Blaunier Matheus
 
poluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docxpoluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docx
IsabelMaria77
 
poluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docxpoluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docx
IsabelMaria77
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Mares e oceanos
Mares e oceanosMares e oceanos
Mares e oceanos
Mayjö .
 
G2 trabalho de física
G2   trabalho de físicaG2   trabalho de física
G2 trabalho de física
cristbarb
 
Poluicao agua solo
Poluicao agua soloPoluicao agua solo
Poluicao agua solo
Pelo Siro
 

Semelhante a A poluição dos mares e solos temas (20)

PoluiçãO Da áGua
PoluiçãO Da áGuaPoluiçãO Da áGua
PoluiçãO Da áGua
 
1650
16501650
1650
 
02 poluição do solo e da água3002
02 poluição do solo e da água300202 poluição do solo e da água3002
02 poluição do solo e da água3002
 
Poluição do solo e da água3002
Poluição do solo e da água3002Poluição do solo e da água3002
Poluição do solo e da água3002
 
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosferaImpacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Trabalho de Geografia
Trabalho de GeografiaTrabalho de Geografia
Trabalho de Geografia
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
 
Poluicao Da Agua 1
Poluicao Da Agua 1Poluicao Da Agua 1
Poluicao Da Agua 1
 
Poluição da água
Poluição da águaPoluição da água
Poluição da água
 
Poluição de Solos
Poluição de SolosPoluição de Solos
Poluição de Solos
 
Geografia vol1
Geografia vol1Geografia vol1
Geografia vol1
 
poluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docxpoluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docx
 
poluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docxpoluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docx
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Mares e oceanos
Mares e oceanosMares e oceanos
Mares e oceanos
 
G2 trabalho de física
G2   trabalho de físicaG2   trabalho de física
G2 trabalho de física
 
Poluicao agua solo
Poluicao agua soloPoluicao agua solo
Poluicao agua solo
 

Mais de nanasimao

Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JCHábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
nanasimao
 
Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes
nanasimao
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugal
nanasimao
 
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da NaturezaA Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
nanasimao
 
Gótico Europeu
Gótico EuropeuGótico Europeu
Gótico Europeu
nanasimao
 
Auto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês PereiraAuto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês Pereira
nanasimao
 
Breve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e FilândiaBreve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e Filândia
nanasimao
 
Freedom House
Freedom HouseFreedom House
Freedom House
nanasimao
 
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís FelipeA imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
nanasimao
 
Operação Lex
Operação LexOperação Lex
Operação Lex
nanasimao
 
Os telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneoOs telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneo
nanasimao
 
13 Reasons Why
13 Reasons Why 13 Reasons Why
13 Reasons Why
nanasimao
 
Rede Globo
Rede GloboRede Globo
Rede Globo
nanasimao
 
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolarAmeaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
nanasimao
 
Energia nuclear
Energia nuclearEnergia nuclear
Energia nuclear
nanasimao
 
Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre  Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre
nanasimao
 
A propaganda Nazi
A propaganda Nazi A propaganda Nazi
A propaganda Nazi
nanasimao
 
Karl Blossfeldt
Karl BlossfeldtKarl Blossfeldt
Karl Blossfeldt
nanasimao
 
A publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e ManipulaçãoA publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e Manipulação
nanasimao
 
A imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIXA imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIX
nanasimao
 

Mais de nanasimao (20)

Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JCHábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
 
Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugal
 
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da NaturezaA Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
 
Gótico Europeu
Gótico EuropeuGótico Europeu
Gótico Europeu
 
Auto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês PereiraAuto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês Pereira
 
Breve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e FilândiaBreve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e Filândia
 
Freedom House
Freedom HouseFreedom House
Freedom House
 
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís FelipeA imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
 
Operação Lex
Operação LexOperação Lex
Operação Lex
 
Os telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneoOs telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneo
 
13 Reasons Why
13 Reasons Why 13 Reasons Why
13 Reasons Why
 
Rede Globo
Rede GloboRede Globo
Rede Globo
 
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolarAmeaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
 
Energia nuclear
Energia nuclearEnergia nuclear
Energia nuclear
 
Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre  Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre
 
A propaganda Nazi
A propaganda Nazi A propaganda Nazi
A propaganda Nazi
 
Karl Blossfeldt
Karl BlossfeldtKarl Blossfeldt
Karl Blossfeldt
 
A publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e ManipulaçãoA publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e Manipulação
 
A imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIXA imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIX
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdfEsquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Falcão Brasil
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
SolangeWaltre
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
MariaJooSilva58
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdfCorreio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdfEsquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdfCorreio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
 

A poluição dos mares e solos temas

  • 1. 1 A poluição dos mares e dos solos
  • 2. 2 Índice Introdução______________________________________________________3 A poluição nos rios e nos mares_____________________________________4 Poluição ambiental por metais ______________________________________6 A poluição nos solos______________________________________________7 Conclusão_____________________________________________________11 Webgrafia _____________________________________________________12
  • 3. 3 Introdução O presente trabalho é sobre a poluição nos mares, rios e solos, mais concretamente sobre os efeitos e as causas dessa mesma poluição e como o Ser Humano acaba por ser a grande influência da sua existência. Este trabalho estará repartido em três partes. Na primeira parte iremos expor as causas da poluição nos rios e nos mares e os efeitos que estes têm na fauna e flora marítima e como afetam a vida Humana. Na segunda parte iremos falar sobre os metais pesados e como a negligência Humana faça com eles afetem o nosso dia-a-dia mesmo sem darmos conta. Na terceira e última parte iremos falar sobre a poluição dos solos e sobre os efeitos que esta tem sobre a nossa vida. A metodologia utilizada foi a pesquisa webgráfica da qual retiramos toda a informação proveniente de sites e blogues.
  • 4. 4 A poluição nos rios e nos mares: Existem muitas causas de poluição nos mares e nos rios mas algumas delas são mais nítidas que outras. Podemos então dizer que as principais causas desta poluição são:  A Acumulação de lixos e detritos junto de fontes, poços e cursos de água;  Os esgotos domésticos que aldeias, vilas e cidades lançam nos rios e/ou nos mares;  Os resíduos tóxicos que algumas fábricas lançam nos oceanos;  Os produtos químicos que os agricultores utilizam para combater as doenças das plantas, e que as águas das chuvas arrastam para os rios e para os lençóis de água existentes no subsolo;  A lavagem clandestina de barcos em alto mar que largam combustível;  Os resíduos nucleares radioativos depositados no fundo do mar;  Os naufrágios dos petroleiros que causam o derrame de petróleo que por sua vez suja as águas e mata grande parte da vida marinha – marés negras. A poluição dos rios e dos mares causa impactos ambientais extremos e leva à morte por onde quer que passe. Uma das coisas que o Ser Humano mais faz e nem se dá conta é deitar lixo para o chão, lixo esse que fica muitas vezes esquecido e que nunca chega a ser limpo e acaba por ser levado pelas chuvas, fazendo com que este vá, provavelmente, parar ao sistema de drenagem de uma cidade e este vai conduzi-lo para os rios que por sua vez o levarão até os mares. Nesta poluição em cadeia, este lixo vai ficar junto dos peixes, que na maioria serão ainda fonte de alimentação de muitas pessoas. Os peixes por não conseguirem distinguir o lixo de alimentação acabam por ingerir o mesmo, desta forma torna-se muito comum encontrar peixe com parte desse lixo e outros tipos de resíduos que lhes podem provocar a morte. Porém, nem todos os peixes morrem devido a este acontecimento e devido a isso acabam por carregar dentro de si metais pesados que podem vir a provocar doenças no organismo de quem se alimentar desses mesmo animais. • Quais são os produtos que mais provocam a poluição dos mares? - Detergentes; - Óleos de cozinha; - Óleo de automóveis; - Gasolina; - Produtos químicos industriais (como tintas, entre outros...); - Metais pesados: chumbo, zinco, alumínio e mercúrio.
  • 5. 5 Poluição ambiental por metais: O enorme desenvolvimento industrial das últimas décadas tem sido um dos principais responsáveis pela poluição das águas e dos solos, seja pela negligência no seu tratamento antes de despejá-las nos rios ou pelos meros acidentes e descuidos que ocorrem e que são cada vez mais frequentes que propiciam o lançamento de muitos poluentes nos ambientes aquáticos. A exemplo disso estão os metais pesados que provocam grande problema para a saúde humana, a sua presença na poluição é muitas vezes associada à localização de regiões agrícolas e industriais. Ocorrência por metais pesados: Efeitos dos metais pesados: http://www.fernandosantiago.com.br/met90.htm
  • 6. 6 A poluição dos solos: Esta poluição é entendida como uma qualquer alteração que descaracterize o solo da sua estrutura natural. Esta corre pela introdução de substâncias ou produtos poluentes em estado sólido, líquido e gasoso, podendo comprometer a saúde humana, animal e vegetal. Poluição Agrícola: O uso de fertilizantes é um tipo de poluição de origem rural, é usado para que hajam nutrientes nas culturas, mas mesmo quando aplicado da melhor forma, a assimilação pelo vegetal nunca é total, resultando em um excedente que se incorpora no solo, provocando um desequilíbrio da composição natural do solo. Alguns metais pesados estão presentes nos fertilizantes, como chumbo e cádmio, aumentando a toxicidade do solo. Defensivos agrícolas: Os defensivos agrícolas (inseticidas, herbicidas, etc.) são utilizados para combater pragas que atuam em plantações. Essas substâncias são absorvidas pelo solo, que por sua vez contaminam as plantações e são inseridas nas cadeias alimentares presentes no local. Outra consequência é a redução da fertilidade do solo contaminado. O emprego de fertilizantes sintéticos e defensivos é um fato relativamente novo, cujo uso cresceu rapidamente e que se estende, hoje, por praticamente todas as terras cultiváveis, com alguns impactos ambientais imediatos e bem conhecidos e outros, especialmente os relacionados aos defensivos, que dependem de anos e décadas para se manifestar e ser avaliados em suas consequências totais. O uso continuado de agrotóxicos pode trazer muitos impactos para o meio ambiente, uma vez que eles não selecionam os insetos que irão eliminar, com isto, podem ocorrer à destruição de insetos úteis, como abelhas e animais polinizadores, além de promover um aumento do número de pragas resistentes a este pesticida. Fertilizantes Sintéticos: Até ao advento da sua industrialização, os fertilizantes disponíveis eram quase sempre provenientes da produção própria do local, obtida dos restos de vegetais decompostos e dos excrementos de animais (estrume). Em maior escala, eram adquiridos de produtores, na forma do conhecido Salitre do Chile. A partir da produção do adubo artificial, caiu a barreira física e económica que limitava a sua disponibilidade, fazendo crescer os riscos de sua acumulação ambiental até concentrações tóxicas, tanto de nutrientes essenciais quanto de outros elementos tidos como impurezas do processo de fabricação. A adição de fertilizantes ao solo visa atender à demanda de nutrientes das culturas, mas como em qualquer processo físico, químico e biológico, mesmo quando o fertilizante é aplicado com a melhor técnica e de modo que seja mais facilmente assimilável pelo vegetal, a eficiência nunca é de 100%, provocando,
  • 7. 7 em consequência, um excedente que passa a incorporar-se ao solo, fixando-se à sua porção sólida ou solubilizando-se e movimentando-se em conjunto com sua fração líquida. Salinização: A salinização é uma forma particular de poluição do solo. Ela pode ocorrer de forma natural, com mais frequência em solos naturalmente suscetíveis, seja pela natureza do material de origem, seja pela maior aridez do clima ou pelas condições do relevo local; e também pode ocorrer como consequência da prática de irrigação. A salinização natural acontece como resultado do carreamento, pela água, de sais dissolvidos das áreas vizinhas para um determinado terreno ou quando o nível da água subterrânea é muito elevado, de forma que a mesma evapora, deixando na camada superior do solo os sais concentrados. A salinização do solo tem crescido bastante, no entanto, como consequência de sistemas de irrigação mal executados, devido a: tipo de água utilizada, com alta salinidade; quantidade de água aplicada em excesso, contribuindo para a sua acumulação nas primeiras camadas do solo; drenagem mal feita da água aplicada. Poluição Urbana: A poluição de origem urbana ocorre pela disposição de resíduos gerados pelas indústrias, residências, serviços e comércio. O lixo degradado resulta na produção de chorume, um líquido proveniente da decomposição da matéria orgânica. Quando o depósito de lixo é feito a céu aberto (lixões), o chorume infiltra-se no solo carregando micro-organismos, metais pesados, nitratos, fosfatos, além de outras substâncias poluentes. O lençol freático acaba também por ser contaminado. Resíduos sólidos e esgotos: Resíduos perigosos depositados no solo constituem também um sério problema de poluição. Esses resíduos apresentam riscos à saúde dos seres humanos e ao meio ambiente. Alguns exemplos de resíduos perigosos são os produtos químicos, produtos radioativos, materiais hospitalares, pilhas e baterias. Os esgotos (resíduos líquidos) lançados em terrenos são também responsáveis pela poluição do solo. Os dejetos humanos ao serem depositados no solo, contaminam o mesmo com micro-organismos patogênicos, que são arrastados de alguma maneira para as águas e podem contaminar também os alimentos. Assim, os dejetos humanos contribuem para a transmissão de doenças, com destaque para as verminoses, que contaminam o homem através do contato com a terra contaminada. Poluição de origem natural:
  • 8. 8 Existem ainda outros tipos de poluição que são de origem natural e estes o Homem não pode evitar como os desastres naturais (inundações, terremotos e vendavais) e atividades vulcânicas. A erosão do solo também pode ocorrer de forma natural pela ação de chuvas e ventos, que desagregam e carregam as suas partículas. Porém, o desmatamento acelera muito os processos de erosão, podendo causar desmoronamento de terras. A poluição do solo provoca sérios problemas ambientais, como a alteração das cadeias alimentares, desequilíbrio do ecossistema, perda da biodiversidade, contaminação dos lençóis freáticos, infertilidade do solo, perda da capacidade de drenagem natural e risco à saúde dos seres humanos. A reciclagem, reutilização dos bens de consumo, redução no uso de fertilizantes e defensivos agrícolas, reflorestamento e disposição correta de resíduos são algumas formas para controlar e reduzir a poluição do solo. Consequências da poluição: O solo leva vários séculos ou até milhões de anos para se formar sob a ação dos agentes naturais (intemperismo), enquanto que a sua destruição poderá ocorrer em apenas um ou em poucos anos, devido às atividades humanas. A crescente modificação do solo por ação antrópica traz consequência muitas vezes irreparável. Podemos citar as principais, e mais comum delas, • A alteração de cadeias alimentares, com a adição de fertilizantes, inseticidas, pesticidas, isto facilmente ocorre, uma vez que podem ser eliminados vários tipos de animais com uso destes produtos, levando até a extinção de níveis tróficos da cadeia alimentar; • Erosão, assoreamento e inviabilidade do solo, com a utilização de técnicas arcaicas de ocupação e manejo do solo, acarretando a erosão do mesmo, inviabilizando sua utilização, além de contribuir para o assoreamento de rios, córregos e lagos, próximos daquela região; • Contaminação, em todos os aspectos ambientais, desde a contaminação de níveis freáticos à bioacumulação de produtos tóxicos pela cadeia alimentar chegando ao homem.
  • 9. 9 Conclusão Neste trabalho abordámos as diferentes causas de poluição tanto nos mares e rios como nos solos e como essa afeta a nossa vida diária sem nos darmos conta. Muitos acham que a poluição dos solos é a uma das que mais se faz sentir na nossa atmosfera mas a verdade é que a poluição que nos afeta mais é a poluição por parte de metais pesados principalmente vindos dos mares. Cumprimos todos os objetivos a que nos tínhamos proposto uma vez cumprimos não só os prazos de entrega como os requisitos que nos foram propostos para este trabalho. Este trabalho foi muito importante para o nosso conhecimento e compreensão deste tema visto que nos permitiu adquirir conhecimentos que antes não tínhamos além de nos ter permitido aperfeiçoar as nossas competências não só de investigação de informação como também de seleção e organização da mesma.