Texto dramático e teatro

20.614 visualizações

Publicada em

PPT sobre o texto dramático e o teatro (7.º e 8.º anos)

Publicada em: Educação
0 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.614
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
157
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
599
Comentários
0
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Texto dramático e teatro

  1. 1. O Texto Dramático
  2. 2. O que é o teatro?Uma das mais antigas expressões artísticas doHomem;Tem origem no verbo grego “theastai”(ver, contemplar, olhar) e no vocábulo grego“théatron” (olugar onde se vê);Arte que consiste na representação do real, atravésda imitação.
  3. 3. Onde nasceu o teatro? Origem remota em rituais e danças; Assume carácter literário na Grécia antiga, no séc. IV a.C.; Representado em honra do deus Dionísio, em auditórios ao ar livre; Parte integrante da educação de um grego; Alguns autores gregos: Ésquilo, Sófocles e Eurípedes.
  4. 4. O teatro PALCO CENÁRIO BASTIDORES CAMARINS PLATEIA BOCA DE CENA CORTINA
  5. 5. Intervenientes Actor / Actriz Encenador Luminotécnico Aderecista Sonoplasta Figurinista Caracterizador Contra-Regra
  6. 6. Género Dramático Texto que se destina à representação; Define-se pela sua característica dialogal; Tipologias do género dramático: Comédia; Tragédia; Drama; Teatro Épico;
  7. 7. Características do Texto Dramático:Dois tipos de texto: Texto principal (discurso dramático); Texto secundário (didascálias ou indicações cénicas);
  8. 8.  Tem como finalidade ser representado; As falas ocorrem directamente sem narrador; Apresenta personagens que interagem com outras na presença do público; Refere-se normalmente a um curto espaço de tempo da vidadas personagens;
  9. 9.  Tem pouca variedade de espaços e um espaço/tempo limitado; Apresenta um universo de referência na base da intriga que ao evoluir cria a acção; É escrito, geralmente, por um dramaturgo.
  10. 10. O texto secundário é composto: pela listagem inicial das personagens; pela indicação do nome das personagens no início de cada fala; pelas informações sobre a estrutura externa da peça (divisão em actos e cenas); pelas indicações sobre o cenário e guarda roupa das personagens; pelas indicações sobre a movimentação das personagens em palco, as atitudes que devem tomar, os gestos que devem fazer ou a entoação de voz com que devem proferir as palavras.
  11. 11. O texto principal é composto: predominantemente sob a forma de diálogo e, por vezes, monólogos e apartes; Ausência de descrições, que são substituídas pelas informações contidas nas didascálias, quer sobre o cenário quer sobre os ambientes, quer sobre as personagens;
  12. 12.  As personagens assumem o papel do narrador, dando progressão aos acontecimentos através do discurso directo; O tempo verbal predominante é o presente, porque a acção é vivida e transmitida pelas personagens ao mesmo tempo.
  13. 13. Estrutura Externa: A T O – corresponde à divisão do próprio texto, altura em que se efectua a mudança de cenários; C E N A – corresponde à mudança ou entrada e saída de personagens;
  14. 14. Estrutura Interna: Exposição ou situação inicial – apresentação das personagens e dos antecedentes da acção; Conflito – conjunto de peripécias que fazem a acção progredir; Desenlace – desfecho da acção dramática.
  15. 15. Discurso: Monólogo – uma personagem, falando consigo mesma, expõe perante o público os seus pensamentos e/ou sentimentos; Diálogo – fala entre duas ou mais personagens; Apartes – comentários de uma personagem que não são ouvidos pelo seu interlocutor.
  16. 16. Personagens: Planas ou personagens-tipo – não têm densidade psicológica, uma vez que não alteram o seu comportamento ao longo da acção. Representam um grupo social, profissional ou psicológico; Modeladas ou Redondas – com densidade psicológica, que evoluem ao longo da acção e, por isso mesmo, podem surpreender o espectador pelas suas atitudes.
  17. 17. Quanto ao relevo ou papel na obra: Principal ou protagonista – o papel de maior importância; Secundária – papel de menor relevo em relação ao protagonista; Figurante – mera presença física, importante para a compreensão da acção.
  18. 18. Caracterização das personagens: Directa – a partir dos elementos presentes nas didascálias, da descrição de aspectos físicos e psicológicos, das palavras de outras personagens, das palavras da personagem a propósito de si própria; Indirecta – a partir dos comportamentos, atitudes e gestos que levam o espectador a tirar as suas próprias conclusões sobre as características das personagens.
  19. 19. Intenção do autor Moralizadora; Lúdica ou de evasão; Crítica em relação à sociedade do seu tempo; Didáctica.
  20. 20. Texto TeatralDesignação atribuída ao texto dramático nomomento em que este passa a ser representadoem palco, transformando-se, deste modo, emespectáculo.
  21. 21. GLOSSÁRIOde alguns termos e expressões usados nos palcosportugueses de António Pedro, Pequeno tratado deencenação (adaptado). Abertura do pano – o momento em que abre ou levanta o pano de boca. Ato – parte de uma peça que corresponde a um ciclo da ação e é separada das outras por um intervalo. Ator – o que representa um papel e assim atua visivelmente numa peça.
  22. 22.  Aderecista – o que fabrica os adereços. Os contra-regras são ou deveriam ser contra- -regras aderecistas. Adereço do ator (ou de representação) – objeto que o ator utiliza em cena e traz consigo. Adereço de cena – objeto que decora a cena e é aposto no cenário, desde os cortinados e dos quadros e bibelots até aos tapetes. Os móveis, de qualquer modo, são também adereços de cena. Adereço de representação – objeto previamente colocado em cena que se destina a ser usado pelo ator durante a representação.
  23. 23.  Amador – o ator não profissional que trabalha sem remuneração por “amor à arte”. Apurar – ensaiar em pormenor. Artista – o ator ou atriz. Tem tratamento de senhoria. O contra-regra deve chamar os “senhores artistas” ao começo dos atos. Bastidores – os fraldões laterais quando engradados e não suspensos do urdimento. Bater o papel – repeti-lo muitas vezes para o decorar. Camarim – o “quarto” do ator no teatro.
  24. 24.  Canastrão – ator mau, exagerado, canhestro e sem talento. Característico (a) – ator ou atriz que desempenha papéis de personagens típicas, fora do quadro dos galãs e dos centrais. Caracterização – a pintura da cara do ator, com ou sem emprego de postiços ou cabeleiras. Em francês é a grimage. A expressão portuguesa, incorreta, regista-se por ser habitual. Caracterizar é impersonar as características de uma personagem que não são apenas exteriores e não se limita a ser o pintar ou deformar do rosto com essa intenção.
  25. 25.  Cena – são múltiplos os significados desta palavra. Cena é o palco. Estar em cena é estar a representar ou a ensaiar dentro da área de representação. Cena pintada ou construída, é um cenário. Dar e tomar cena é deixar lugar ou ocupar o espaço livre do palco durante a representação. Uma cena é o momento da ação em que “estão em cena” os mesmos atores. Cenário – conjunto de elementos que fecham o espaço cénico e o decoram. Cenógrafo – o autor da maquette do cenário e, sobretudo, o seu executante, depois encarregado dos possíveis consertos necessários, após os engradamentos.
  26. 26.  Centro ou central – ator de meia-idade ou mesmo velho cuja figura se presta para o desempenho das personagens de um certo peso ou de uma certa imponência. Centro cómico – personagem cómica de meia-idade à volta da qual se desenvolve a ação ou nela intervém preponderantemente. Centro dramático – personagem de meia- -idade que centraliza uma ação dramática ou tem nela uma importância capital. Contracena – o jogo de cena de um ator com outro.
  27. 27.  Contracenar – atuar em cena em simultaneidade com outro ou outros atores, dando-lhes ou não réplica. Contra-regra s.f. – guião do movimento das entradas em cena dos atores com a indicação dos respectivos adereços; s.m. o encarregado da contra-regra e dos adereços, dos avisos ao público e aos atores para os começos dos atos, responsável pela disciplina do palco. Dar cena – movimentar-se um ator de forma a deixar a outro a cena mais livre para a sua atuação. É o contrário de tomar cena.
  28. 28.  Deixa – palavra ou palavras do final de uma fala que indicam a ocasião da réplica do ator ou de qualquer movimento dele, ou de qualquer intervenção por parte do contra- -regra da luz ou do som. Deixa de preparação – a deixa que serve de aviso da proximidade da deixa de execução. Deixa de execução – para os maquinistas, contra-regra, luz ou som, indica o momento exato da sua intervenção.
  29. 29.  Elenco – diz-se de uma companhia ou de uma peça. Os atores contratados pela empresa ou que fazem parte da distribuição de uma peça. Encenação – o complexo de atividades necessárias para que um espetáculo se realize. Encenador – o que concebe, orienta ou dirige toda a encenação. Ensaiador – o que dirige os ensaios, seja ou não o encenador da peça.
  30. 30.  Ensaiar – levantar, repetir ou apurar uma cena com os atores. Acertar as luzes ou o som com a atuação deles em cena. Ensaio com adereços – o ensaio em que os atores, embora sem a indumentária própria, já utilizam adereços de cena e de representação. O mesmo que ensaio de pertences. Ensaios de apuro – o ensaio de cada cena em particular para final afinação dos diálogos e dos movimentos.
  31. 31.  Ensaio geral – o ensaio em que, como no espetáculo, já dentro da cena armada, os atores têm a caracterização, a indumentária e os adereços todos, também intervindo, como no espectáculo, todo o pessoal da maquinaria, da contra-regra, da luz e do som. Figuração – o pessoal que entra em cena caracterizado e vestido como convém, mas que nem fala nem canta. Gag – incidente gracioso ou pequena anedota que depende mais do ator e dos seus talentos cómicos que do texto. O termo inglês deu lugar a uma expressão portuguesa de calão – parte gaga.
  32. 32.  Intervalo – o tempo entre dois atos para descanso do espectáculo e arranjo da cena. Naipe – o grupo ou espécie de atores ou atrizes de um determinado tipo. Ponta – um pequeno papel. Pontar – soprar as palavras aos atores em cena. Ponto – o profissional que sopra as palavras aos atores em cena.
  33. 33.  Postiço – adereço de cabelo que se mistura com o próprio. Ribalta – rampa de luzes situada na sanca da boca de forma a iluminar o palco de baixo para cima. Vedeta – a primeira figura feminina ou masculina de uma companhia, com nome de cartaz.
  34. 34. FIM!

×