SlideShare uma empresa Scribd logo
FAHESA – Faculdade de Ciências Humanas, Econômicas e da Saúde de Araguaína
ITPAC – Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos
Araguaína – To
Curso de Bacharel em Enfermagem
Mayza de Jesus Milhomem e Tamara Soares Noronha
Algumas doenças do TGI
Doença de Crohn (DC)
Definição
A Doença de Crohn é caracterizada por um processo inflamatório crônico de
natureza transmural, persistente ou recidivante, comprometendo não só a
mucosa, como também a parede intestinal, o mesentério e os gânglios
linfáticos, podendo ocorrer, de forma descontínua em qualquer região do trato
gastrointestinal, desde a boca até o ânus. Frequentemente resulta em
estenoses, úlceras e/ou fístulas.
Etiologia
A DC é considerada idiopática, pois
não se identificou até o momento
um agente patológico específico.
Não há duvidas de que a
predisposição genética e os dados
epidemiológicos são mais
consistentes e relacionados com
doença controlada por mais de um
gene.
Os fatores ambientais como
amamentação, infecções
intestinais, higiene, agentes microbianos, dieta, cigarro, ocupação, poluição e
estresse são os mais comumente citados como envolvidos na DC. Alguns
genes específicos podem interagir com os fatores ambientais, incluindo,
provavelmente, os patógenos bacterianos ou seus produtos. O problema
básico parece ser um estimulo na mucosa intestinal, em um individuo
geneticamente predisposto, seguindo de uma resposta do sistema imune isenta
de autocontrole.
A inflamação da mucosa característica da DC é resultado de uma cascata de
eventos iniciados pelo antígeno ainda indeterminado até o momento. Há
possibilidade de que componentes habituais da flora intestinal possam
desencadear ou contribuir para a enfermidade. O epitélio intestinal pode
participar da resposta imune inicial da mucosa de três formas:
Aumentando a permeabilidade e a absorção do antígeno, possivelmente de
origem bacteriana, intensificando o estimulo imune.
Inflamação pela liberação de citocinas, quiminiocitocinas e outras substâncias
inflamatórias.
Atuando como célula apresentadora de antígenos.
Fisiopatologia
Tipicamente na DC há áreas descontinuamente afetadas (lesões em salto). A
primeira anormalidade visível é o aumento dos folículos linfóides com um anel
de eritema em volta (sinal de anel vermelho). Isto leva a ulceração aftóide, que
por sua vez, progride a ulcerações profundas, fissurando, com aspecto de
“pedra de calçamento”, fibrose, estenose e fistulização. Inflamação e fibrose
predispõe a estenose intestinal, apresentando-se com sintomas obstrutivos e
perfuração local da parede intestinal, levando a formação de abcesso.
A inflamação da mucosa, o edema, a fibrose, a obstrução linfática, quando
localizados no intestino delgado, podem provocar diferentes fenômenos
disabsortivos. A extensão e a localização anatômica da lesão determinam o
grau de má absorção, assim como a especificidade do nutriente envolvido.
Comprometomento do duodeno e jejuno proximal leva a má absorção de
folatos, vitaminas, ferro, glicídeos e lipídeos; Comprometimento do íleo distal
provoca má absorção de gorduras e de aminoácidos e comprometimento do
íleo terminal, má absorção de vitaminas B12 e lipídeos.
Quadro Clínico da Doença de Crohn
O quadro clínico é muito variado, pois depende da duração, localização,
extensão, atividade da doença e a presença ou não de complicações. Nas
fases iniciais da doença o paciente permanece assintomático e a doença é
descoberta acidentalmente. Em algumas crianças a evolução pode ser
fulminante especialmente naquelas em com início da dça antes do primeiro ano
de vida.
A dor abdominal é o sintoma mais comum, geralmente em caráter de cólica,
intensa e geralmente mais presente do que na RCUI. Pode ser caracterizada
como cólica periumbilical, pós prandial, mais geralmente tende a se localizar
em quadrante inferior direito, devido á grande freqüência do comprometimento
do íleo terminal. A cólica aumenta antes da defecação, relacionada com o
transito do conteúdo intestinal através do segmento intestinal inflamado e/ou
estenosado. A dor abdominal pode acordar o doente durante o sono noturno.
A progressão do processo inflamatório, particularmente do intestino delgado
pode resultar em segmentos intestinais estenosados com obstrução intestinal
parcial ou total. Tais pacientes reclamam de dor abdominal e frequentemente
acompanhada de borrigmos, distensão abdominal, vômitos.
A febre aparece em 20 a 50% dos casos, seja pelo processo inflamatório em si,
ou pelas complicações do tipo suturativo(abcessos, fistulas), podendo ser
manifestação única ou predominante, levando, muitas vezes a investigação
exaustiva de febre de origem indeterminada.
A diarréia pode acompanhar o sintoma principal, é de intensidade moderada,
geralmente intermitente, No intestino delgado tem mais características de
esteatorréia, já no cólon as fezes são mucosanguinolentas. O sangramento
retal, de modo geral na DC, é menos freqüente do que na RCUI, mais quando
presente traduz comprometimento dos colos.
A doença perianal é observada em 15 a 40% e pode se destacar como a
primeira manifestação da DC. Pode-se apresentar das seguintes formas: lesão
da pele, lesão do canal anal e fístula.
O Déficit de crescimento e o retardo de maturação sexual ocorrem em cerca de
6 a 50% dos casos de criança. Tais efeitos são devidos a desnutrição, por
aporte nutricional insuficiente, uma vez que são revertidos com a recuperação
nutricional e o controle da doença.
Manifestações extra-intestinais
Manifestações sistêmicas, como fadiga, febre e emagrecimento, são notadas
na maioria dos paciente com DC. Pode haver comprometimento de vários
órgãos, mais os chamados órgãos alvos costumam ser as articulações, pele e
mucosas, olhos, fígado e rins.
Diagnóstico da Doença de Crohn
O diagnóstico de DC ainda depende da experiência clínica do
gastroenterologista, combinada ao do endoscopista e do patologista, através
de dados macroscópicos e histológicos do trato gastrointestinal alto e baixo, e
exclusão de todas as outras possibilidades diagnosticas. Como a doença pode
ser grave, lembrar que os exames invasivos podem piorar as condições
emocionais do pacientes e de seus familiares.
História Clínica. Queixas de dor abdominal intensa, noturna e associada à
diarréia constituem os dados mais valorizáveis na anamnese.
Exame Físico. Dados antropométricos e de desenvolvimentos sexual
relacionados com a idade; dor a palpação principalmente no quadrante inferior
direito do abdome com ou sem massa palpável; presença de fissura,
abscessos ou fístulas na região perianal e lesão perineais são importantes,
podendo ser o único achado de exame.
Exames laboratoriais
São utilizados alguns exames laboratoriais com os objetivos de avaliar a
atividade, o prognóstico, as manifestação hepáticas ou pancreáticas, fenômeno
disabsortivos, o estados nutricional dos pacientes ou ainda afastar outras
doenças.
A cultura e o exame parasitológico de fezes serão os primeiros a ser realizados
para determinar co-morbidade.
Um hemograma completo é feito para avaliar o hematócrito e os níveis de
hemoglobina (usualmente diminuídos), bem como a contagem de leucócitos
(pode estar elevada). Em geral, a VHS está elevada. Os níveis de albumina e
proteína podem estar diminuídos, indicando a desnutrição.
Exames de Imagem
O trânsito intestinal com estudo detalhado do íleo terminal sob fluoroscopia é
de importância central no diagnóstico da DC do intestino proximal ao íleo
terminal, mostrando estenoses, ulcerações e fistulizações.
O estudo radiológico através do enema opaco, convencional ou de duplo
contraste, está contra-indicado na fase aguda, pelo risco de perfuração ou
dilatação.
A tomografia computadorizada de abdome (TC) pode definir precisamente a
anatomia de fístulas e cavidades na DC ou ser útil para identicar abscesso ou
linfoma. Ambas, US e TC são cada vez mais usadas para identificar
anormalidades intrínsecas da parede abdominal, como áreas de espessamento
ou aderência das alças intestinais.
Tratamento Medicamentoso
Corticosteróides
Prednisona
Dose inicial: 40-60mg/dia, VO, até remissão; diminuir gradativamente até
exclusão.
Deflazacort
Dose inicial: 30mg/dia, VO, até remissão; diminuir para 6 ou 7,5 mg até
exclusão.
Aminossalicilatos
Sulfasalazina
Dose inicial: 2-4g/dia, VO, até remissão.
Mesalazina
Dose inicial: 1,6g/dia, VO, até remissão.
Imunomoduladores
Azatioprina
Dose inicial: 2mg/kg/dia, VO, por tempo prolongado.
Antimicrobiano
Metronidazol
Dose inicial: 1,2g/dia, VO, em 3 tomadas até a remissão.
Tratamento Cirúrgico
Quando as medidas não-cirurgicas falham em aliviar os sintomas graves da
DII, a cirurgia pode ser necessária. Mas de 50% dos pacientes com a doença
de crohn de 5 anos de diagnóstico.
Colectomia Total com Ileostomia
Uma ileostomia, a criação cirúrgica de abertura no íleo ou no intestino delgado
(comumente por meio de um estoma ileal na parede abdominal), e
frequentemente realizada depois de uma colectomia total (i.e excisão de todo
cólon). Ela permite a dreanagem do material fecal (i.e., efluente) a partir do íleo
até o exterior do corpo.
Retocolite Ulcerativa
A recoletiva ulcerativa é uma doença ulcerativa recorrente e inflamatória das
camadas mucosa e submucosa do cólon e reto. É uma doença grave
acompanhada por complicações sistemáticas e uma alta taxa de mortalidade.
Fisiopatologia
A Retocolite ulcerativa afeta a mucosa superficial do cólon e caracterizam por
ulcerações múltiplas, inflamações difusas e descamação ou desprendimento do
epitélio colonico. O sangramento ocorre como resultado das ulcerações. A
mucosa fica edemacia e inflamada. As lesões são contiguas, ocorrendo uma
depois da outra. Formam-se abscessos, sendo o infiltrado observado na
mucosa e submucosa, com grumos de neutrófilos encontrados nas luzes das
criptas, que reveste a mucosa intestinal. Em geral, o processo patológico
começa no reto e espalha-se proximamente para envolver todo o cólon. Mas
adiante, o intestino estreito, encurta e espessa por causa da hipertrofia
muscular e depósito de gordura.
Manifestação clínica
Os sintomas predominantes da retocolite ulcerativa incluem a diarreia, dor
abdominal no quadrante inferir esquerdo, sangramento retal. O sangramento
pode brado ou intenso, resultando em palidez, anemia e fadiga. O paciente
pode ter anorexia, perda de peso, febre, vômitos e desidratação, bem com a
cólica, a sensação de uma necessidade urgente para defecar e a eliminação de
10 a20 evacuações liquidas por dia. A hipocalcemia e a anemia desenvolver-se
em frequência. A hipersensibilidade em rechaço pode acontecer no quadrante
interior direito. As manifestações extras-intestinais incluem as lesões cutâneas,
lesões oculares, anormalidades articulares e doença hepática.
Diagnósticos
Os exames radiográficos abdominais são uteis para determinar a causa
dos sintomas. O ar livre no peritônio e a dilatação ou obstrução do intestino
deve ser excluídos com uma origem dos sintomas apresentados. A
sigmoidoscopia ou a colonoscopia ou um enema baritado são exames valiosos
na diferenciação dessa condição de outra doença cólon com sintomas
similares. O enema baritado pode mostra irregularidades da mucosa,
estenoses localizadas ou fistulas, encurtamento do cólon e dilatação das alças
intestinais. A colonoscopia pode revelar a mucosa friável inflamada com
exsudato e ulcerações. Esse procedimento auxilia a definir a extensão e a
gravidade da doença. Os exames por TC, RM e US podem identificar
abscessos e o envolvimento periretal.
O exame de fezes minucioso para parasitas e outros micróbios e
realizado para excluir a disenteria causada por organismo intestinais comuns,
principalmente a Entamoeba histolystica e o Clostridium difficile.
Tratamento Cirúrgico
O tratamento cirúrgico da retocolite ulcerativa tem como fundamento
básico o aspecto de a doença ser restrita as camadas mucosa e submucosa do
cólon e do reto desta forma a proctocoloctomia total com ileostomia terminal
definitiva era a única opção terapêutica que atendia aos princípios de resolução
da doença, uma vez que se retirava toda a mucosa doente do cólon e do reto.
A proctocolectomia tota implicava em realização de ileostomia terminal
definitiva que muitas vezes levava adultos jovens, faixa, mas acometida pela
doença ao isolamento e afastamento do convívio social.
Na procura de alternativa que se permite a cura cirúrgica da doença e ao
mesmo tempo o restabelecimento do trato intestinal, algumas técnicas foram
propostas:
A) Colectomia total com anastomose e ileorretal.
B) Retocolectomia total com anastomose ileoanal e reservatório ileal.
Diverticulite
Diverticulite é uma complicação inflamatória aguda dos divertículos
colônicos que, conceitualmente, implica perfuração. Divertículos colônicos, por
sua vez, são formação saculares adquiridas que surgem em decorrência do
aumento da pressão intraluminar, em zonas de menor resistência da parede
colônica. Como não possuem todas as camadas da parede intestinal, são
denominadas “falsos divertículos”. O cólon sigmoide é a região envolvida em
95% dos casos.
Fisiopatologia
Os divertículos formam-se quando as camadas mucosa e submucosa do
cólon herniam através da parede muscular por causa da pressão intraluminal
alta, baixo volume no cólon (conteúdo deficiente em fibras) e força muscular
diminuída na parede colônica. O conteúdo intestinal pode acumular-se no
divertículo e decompor-se, provocando inflamação e infecção. O divertículo
também pode tornar-se abstruído e, em seguida, inflamado quando a obstrução
prossegue. A inflamação da parede colônica enfraquecida do divertículo pode
fazer com que perfure, originando irritabilidade e espasticidade do cólon.
Manifestação Clinica
A diverticulite, o paciente relata um início agudo de dor branda a intensa
no quadrante inferior esquerdo, acompanhada por náuseas, vômitos, febre
calafrios e leucocitose. A condição, quando não tratada pode levar a
septicemia.
Diagnóstico
Se existem sintomas de irritação peritoneal, quando o diagnóstico é de
diverticulite, o enema baritado está contra-indicado por causa do potencial para
perfuração.
A TC é o exame diagnóstico de escolha quando a suspeita diagnóstica é
de diverticulite, ela também pode revelar abscessos. As radiografia abdominais
podem demostrar o ar livre sob o diafragma quando uma perfuração aconteceu
devido à diverticulite. Os exames laboratoriais que auxiliam no diagnóstico
incluem um hemograma completo, revelando uma contagem de leucócitos
elevada e velocidade de hemossedimentação (VHS) elevada.
Complicações
As complicações incluem a peritonite, formação de abscessos e
sangramento. Quando um abscesso se desenvolve, os achados associados
são dor, uma massa palpável, febre e leucocitose.
Tratamento
A maioria dos pacientes com diverticulite aguda responderá melhor a
terapia antimicrobiana. Aqueles que necessitam de cirurgia imediata
apresentam sinais de perfuração em peritônio livre (peritonite) e/ou obstrução
intestinal em alça fechada.
Câncer Colorretal
Os tumores do cólon e reto são relativamente comuns, a área colorretal
é atualmente, o terceiro sitio mais comum de novos casos de câncer no EUA.
Fisiopatologia
O câncer de cólon e reto é predominantemente 95%, um
adenocarcinoma (que se origina do revestimento epitelial do intestino). Ele
pode começar como um pólipo benigno, mas pode torna-se maligno, invadir e
destruir os tecidos normais e estender-se para dentro das estruturas
circunvizinhas. As células cancerosas podem migrar para longe do tumor
primário e espalhar-se para outras regiões do corpo (mais amiúde para o
fígado).
Manifestação Clínicas
Os sintomas, mas comuns associados à lesão direta são a dor
abdominal difusa e melena. Os sintomas comuns de lesão esquerda são
aquelas associados á obstrução, bem como sangue vermelho nas fezes.
Diagnóstico
Os exames do antígeno carcinoembrionario (CEA) também podem ser
executados. Embora o CEA possa não ter um indicador altamente confiável no
diagnóstico do câncer de cólon porque nem todas as lesões secreta CEA,
estudos mostra que os níveis de CEA constituem preditores prognósticos
confiáveis. Com a excisão completa do tumor, os níveis elevados CEA devem
retorna ao normal dentro de 48h. as elevações e uma data posterior sugere a
recidiva.
Tratamento Cirúrgico
A cirurgia e o tratamento principal para a maioria dos canceres de cólon
e reto. Ela pode ser curativa ou paliativa. Os avanços nas técnicas cirúrgicas
podem possibilitar que o paciente com câncer tenha dispositivos de
preservação de esfíncter que restauram o a continuidade do tratado GI.
Os procedimentos cirúrgicos incluem o seguinte:
 Ressecção segmentar com anastomose.
 Ressecção abdominoperineal com colostomia de sigmoide permanente.
 Colostomia ou ileostomia permanente para alivio de lesões obstrutivas
inressecáveis

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Síndromes Digestórias
Síndromes DigestóriasSíndromes Digestórias
Síndromes Digestórias
rdgomlk
 
obstrução intestinal diag e trat
obstrução intestinal diag e tratobstrução intestinal diag e trat
obstrução intestinal diag e trat
Elisângela Gomes da Silva
 
Doenca de crohn manejo 2008
Doenca de crohn manejo 2008Doenca de crohn manejo 2008
Doenca de crohn manejo 2008
Arquivo-FClinico
 
Caso clínico intussuscepção intestinal
Caso clínico   intussuscepção intestinalCaso clínico   intussuscepção intestinal
Caso clínico intussuscepção intestinal
Vera Gonzaga
 
Fisiologia Humana - Obstrução Intestinal
Fisiologia Humana - Obstrução IntestinalFisiologia Humana - Obstrução Intestinal
Fisiologia Humana - Obstrução Intestinal
Valdeci Alves Barboza
 
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução IntestinalAspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
Amanda Thomé
 
Retocolite
RetocoliteRetocolite
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
Moniele Tavares
 
Úlceras Pépticas
Úlceras PépticasÚlceras Pépticas
Úlceras Pépticas
Gabriel Resende
 
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagemÚlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
Samuel Olivera
 
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisFisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Lucas Fontes
 
Úlcera Péptica e Gastrite
Úlcera Péptica e GastriteÚlcera Péptica e Gastrite
Úlcera Péptica e Gastrite
guest58bcdaa
 
Aula EstôMago
Aula EstôMagoAula EstôMago
Aula EstôMago
mfcasagrande
 
Doenças gastrointestinal - parte I
Doenças gastrointestinal - parte IDoenças gastrointestinal - parte I
Doenças gastrointestinal - parte I
NEELLITON SANTOS
 
Anomalias congênitas aparelho digestório 18.05.2010
Anomalias congênitas aparelho digestório 18.05.2010Anomalias congênitas aparelho digestório 18.05.2010
Anomalias congênitas aparelho digestório 18.05.2010
upload718
 
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica CirúrgicaPancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC
 
Doença diverticular
Doença diverticularDoença diverticular
Doença diverticular
luzienne moraes
 
Gastrite
GastriteGastrite
Gastrite
GastriteGastrite

Mais procurados (19)

Síndromes Digestórias
Síndromes DigestóriasSíndromes Digestórias
Síndromes Digestórias
 
obstrução intestinal diag e trat
obstrução intestinal diag e tratobstrução intestinal diag e trat
obstrução intestinal diag e trat
 
Doenca de crohn manejo 2008
Doenca de crohn manejo 2008Doenca de crohn manejo 2008
Doenca de crohn manejo 2008
 
Caso clínico intussuscepção intestinal
Caso clínico   intussuscepção intestinalCaso clínico   intussuscepção intestinal
Caso clínico intussuscepção intestinal
 
Fisiologia Humana - Obstrução Intestinal
Fisiologia Humana - Obstrução IntestinalFisiologia Humana - Obstrução Intestinal
Fisiologia Humana - Obstrução Intestinal
 
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução IntestinalAspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
 
Retocolite
RetocoliteRetocolite
Retocolite
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
Úlceras Pépticas
Úlceras PépticasÚlceras Pépticas
Úlceras Pépticas
 
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagemÚlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
 
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisFisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
 
Úlcera Péptica e Gastrite
Úlcera Péptica e GastriteÚlcera Péptica e Gastrite
Úlcera Péptica e Gastrite
 
Aula EstôMago
Aula EstôMagoAula EstôMago
Aula EstôMago
 
Doenças gastrointestinal - parte I
Doenças gastrointestinal - parte IDoenças gastrointestinal - parte I
Doenças gastrointestinal - parte I
 
Anomalias congênitas aparelho digestório 18.05.2010
Anomalias congênitas aparelho digestório 18.05.2010Anomalias congênitas aparelho digestório 18.05.2010
Anomalias congênitas aparelho digestório 18.05.2010
 
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica CirúrgicaPancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
 
Doença diverticular
Doença diverticularDoença diverticular
Doença diverticular
 
Gastrite
GastriteGastrite
Gastrite
 
Gastrite
GastriteGastrite
Gastrite
 

Semelhante a Doenças do TGI

Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças Intestinais
ThamyNoronha
 
Megacolon ufba.
Megacolon ufba.Megacolon ufba.
Megacolon ufba.
Marcelo Falcao
 
Plivsdv2010 100920224457-phpapp01
Plivsdv2010 100920224457-phpapp01Plivsdv2010 100920224457-phpapp01
Plivsdv2010 100920224457-phpapp01
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010
rdgomlk
 
Gedr2
Gedr2Gedr2
Doenças Raras 2 parte
Doenças  Raras 2 parte Doenças  Raras 2 parte
Doenças Raras 2 parte
GEDRBRASIL_ESTUDANDORARAS
 
Assistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptx
Assistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptxAssistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptx
Assistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptx
pososospos
 
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
LayanneStephanneFigu
 
Ppt0000037
Ppt0000037Ppt0000037
Ppt0000037
Jefferson Oliveira
 
Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.
Mariana Andrade
 
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRiasDiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
chirlei ferreira
 
Deseq Digestivo
Deseq DigestivoDeseq Digestivo
V33n5a12
V33n5a12V33n5a12
Clube Revista Gastropatia em Miopatias Inflamatorias .pptx
Clube Revista Gastropatia em Miopatias Inflamatorias  .pptxClube Revista Gastropatia em Miopatias Inflamatorias  .pptx
Clube Revista Gastropatia em Miopatias Inflamatorias .pptx
JoaoLucas664130
 
Radiologianota10 Enema opaco
Radiologianota10 Enema opacoRadiologianota10 Enema opaco
Radiologianota10 Enema opaco
Danilo Leandro Sanches
 
Doença de Crohn
Doença de CrohnDoença de Crohn
Doença de Crohn
Laboratório Sérgio Franco
 
Material Reumo 2019 Med Ulcera Péptica
Material Reumo 2019 Med Ulcera PépticaMaterial Reumo 2019 Med Ulcera Péptica
Material Reumo 2019 Med Ulcera Péptica
Mariane Santos
 
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Marcela Lago
 
Pesquisa sobre a doença celíaca
Pesquisa sobre  a doença  celíacaPesquisa sobre  a doença  celíaca
Pesquisa sobre a doença celíaca
Robson Lopes
 
Pesquisa sobre a doença celíaca
Pesquisa sobre  a doença  celíacaPesquisa sobre  a doença  celíaca
Pesquisa sobre a doença celíaca
Robson Lopes
 

Semelhante a Doenças do TGI (20)

Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças Intestinais
 
Megacolon ufba.
Megacolon ufba.Megacolon ufba.
Megacolon ufba.
 
Plivsdv2010 100920224457-phpapp01
Plivsdv2010 100920224457-phpapp01Plivsdv2010 100920224457-phpapp01
Plivsdv2010 100920224457-phpapp01
 
Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010
 
Gedr2
Gedr2Gedr2
Gedr2
 
Doenças Raras 2 parte
Doenças  Raras 2 parte Doenças  Raras 2 parte
Doenças Raras 2 parte
 
Assistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptx
Assistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptxAssistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptx
Assistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptx
 
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
 
Ppt0000037
Ppt0000037Ppt0000037
Ppt0000037
 
Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.
 
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRiasDiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
 
Deseq Digestivo
Deseq DigestivoDeseq Digestivo
Deseq Digestivo
 
V33n5a12
V33n5a12V33n5a12
V33n5a12
 
Clube Revista Gastropatia em Miopatias Inflamatorias .pptx
Clube Revista Gastropatia em Miopatias Inflamatorias  .pptxClube Revista Gastropatia em Miopatias Inflamatorias  .pptx
Clube Revista Gastropatia em Miopatias Inflamatorias .pptx
 
Radiologianota10 Enema opaco
Radiologianota10 Enema opacoRadiologianota10 Enema opaco
Radiologianota10 Enema opaco
 
Doença de Crohn
Doença de CrohnDoença de Crohn
Doença de Crohn
 
Material Reumo 2019 Med Ulcera Péptica
Material Reumo 2019 Med Ulcera PépticaMaterial Reumo 2019 Med Ulcera Péptica
Material Reumo 2019 Med Ulcera Péptica
 
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
 
Pesquisa sobre a doença celíaca
Pesquisa sobre  a doença  celíacaPesquisa sobre  a doença  celíaca
Pesquisa sobre a doença celíaca
 
Pesquisa sobre a doença celíaca
Pesquisa sobre  a doença  celíacaPesquisa sobre  a doença  celíaca
Pesquisa sobre a doença celíaca
 

Último

Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
jenneferbarbosa21
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
FERNANDACAROLINEPONT
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
jenneferbarbosa21
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
FlorAzaleia1
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
cleidianevieira7
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MnicaPereira739219
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
FlorAzaleia1
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
jenneferbarbosa21
 

Último (8)

Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
 

Doenças do TGI

  • 1. FAHESA – Faculdade de Ciências Humanas, Econômicas e da Saúde de Araguaína ITPAC – Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos Araguaína – To Curso de Bacharel em Enfermagem Mayza de Jesus Milhomem e Tamara Soares Noronha Algumas doenças do TGI Doença de Crohn (DC) Definição A Doença de Crohn é caracterizada por um processo inflamatório crônico de natureza transmural, persistente ou recidivante, comprometendo não só a mucosa, como também a parede intestinal, o mesentério e os gânglios linfáticos, podendo ocorrer, de forma descontínua em qualquer região do trato gastrointestinal, desde a boca até o ânus. Frequentemente resulta em estenoses, úlceras e/ou fístulas. Etiologia A DC é considerada idiopática, pois não se identificou até o momento um agente patológico específico. Não há duvidas de que a predisposição genética e os dados epidemiológicos são mais consistentes e relacionados com doença controlada por mais de um gene. Os fatores ambientais como amamentação, infecções
  • 2. intestinais, higiene, agentes microbianos, dieta, cigarro, ocupação, poluição e estresse são os mais comumente citados como envolvidos na DC. Alguns genes específicos podem interagir com os fatores ambientais, incluindo, provavelmente, os patógenos bacterianos ou seus produtos. O problema básico parece ser um estimulo na mucosa intestinal, em um individuo geneticamente predisposto, seguindo de uma resposta do sistema imune isenta de autocontrole. A inflamação da mucosa característica da DC é resultado de uma cascata de eventos iniciados pelo antígeno ainda indeterminado até o momento. Há possibilidade de que componentes habituais da flora intestinal possam desencadear ou contribuir para a enfermidade. O epitélio intestinal pode participar da resposta imune inicial da mucosa de três formas: Aumentando a permeabilidade e a absorção do antígeno, possivelmente de origem bacteriana, intensificando o estimulo imune.
  • 3. Inflamação pela liberação de citocinas, quiminiocitocinas e outras substâncias inflamatórias. Atuando como célula apresentadora de antígenos. Fisiopatologia Tipicamente na DC há áreas descontinuamente afetadas (lesões em salto). A primeira anormalidade visível é o aumento dos folículos linfóides com um anel de eritema em volta (sinal de anel vermelho). Isto leva a ulceração aftóide, que por sua vez, progride a ulcerações profundas, fissurando, com aspecto de “pedra de calçamento”, fibrose, estenose e fistulização. Inflamação e fibrose predispõe a estenose intestinal, apresentando-se com sintomas obstrutivos e perfuração local da parede intestinal, levando a formação de abcesso. A inflamação da mucosa, o edema, a fibrose, a obstrução linfática, quando localizados no intestino delgado, podem provocar diferentes fenômenos disabsortivos. A extensão e a localização anatômica da lesão determinam o grau de má absorção, assim como a especificidade do nutriente envolvido. Comprometomento do duodeno e jejuno proximal leva a má absorção de folatos, vitaminas, ferro, glicídeos e lipídeos; Comprometimento do íleo distal provoca má absorção de gorduras e de aminoácidos e comprometimento do íleo terminal, má absorção de vitaminas B12 e lipídeos. Quadro Clínico da Doença de Crohn O quadro clínico é muito variado, pois depende da duração, localização, extensão, atividade da doença e a presença ou não de complicações. Nas fases iniciais da doença o paciente permanece assintomático e a doença é descoberta acidentalmente. Em algumas crianças a evolução pode ser fulminante especialmente naquelas em com início da dça antes do primeiro ano de vida. A dor abdominal é o sintoma mais comum, geralmente em caráter de cólica, intensa e geralmente mais presente do que na RCUI. Pode ser caracterizada como cólica periumbilical, pós prandial, mais geralmente tende a se localizar em quadrante inferior direito, devido á grande freqüência do comprometimento
  • 4. do íleo terminal. A cólica aumenta antes da defecação, relacionada com o transito do conteúdo intestinal através do segmento intestinal inflamado e/ou estenosado. A dor abdominal pode acordar o doente durante o sono noturno. A progressão do processo inflamatório, particularmente do intestino delgado pode resultar em segmentos intestinais estenosados com obstrução intestinal parcial ou total. Tais pacientes reclamam de dor abdominal e frequentemente acompanhada de borrigmos, distensão abdominal, vômitos. A febre aparece em 20 a 50% dos casos, seja pelo processo inflamatório em si, ou pelas complicações do tipo suturativo(abcessos, fistulas), podendo ser manifestação única ou predominante, levando, muitas vezes a investigação exaustiva de febre de origem indeterminada. A diarréia pode acompanhar o sintoma principal, é de intensidade moderada, geralmente intermitente, No intestino delgado tem mais características de esteatorréia, já no cólon as fezes são mucosanguinolentas. O sangramento retal, de modo geral na DC, é menos freqüente do que na RCUI, mais quando presente traduz comprometimento dos colos. A doença perianal é observada em 15 a 40% e pode se destacar como a primeira manifestação da DC. Pode-se apresentar das seguintes formas: lesão da pele, lesão do canal anal e fístula. O Déficit de crescimento e o retardo de maturação sexual ocorrem em cerca de 6 a 50% dos casos de criança. Tais efeitos são devidos a desnutrição, por aporte nutricional insuficiente, uma vez que são revertidos com a recuperação nutricional e o controle da doença. Manifestações extra-intestinais Manifestações sistêmicas, como fadiga, febre e emagrecimento, são notadas na maioria dos paciente com DC. Pode haver comprometimento de vários órgãos, mais os chamados órgãos alvos costumam ser as articulações, pele e mucosas, olhos, fígado e rins.
  • 5. Diagnóstico da Doença de Crohn O diagnóstico de DC ainda depende da experiência clínica do gastroenterologista, combinada ao do endoscopista e do patologista, através de dados macroscópicos e histológicos do trato gastrointestinal alto e baixo, e exclusão de todas as outras possibilidades diagnosticas. Como a doença pode ser grave, lembrar que os exames invasivos podem piorar as condições emocionais do pacientes e de seus familiares. História Clínica. Queixas de dor abdominal intensa, noturna e associada à diarréia constituem os dados mais valorizáveis na anamnese. Exame Físico. Dados antropométricos e de desenvolvimentos sexual relacionados com a idade; dor a palpação principalmente no quadrante inferior direito do abdome com ou sem massa palpável; presença de fissura, abscessos ou fístulas na região perianal e lesão perineais são importantes, podendo ser o único achado de exame. Exames laboratoriais São utilizados alguns exames laboratoriais com os objetivos de avaliar a atividade, o prognóstico, as manifestação hepáticas ou pancreáticas, fenômeno disabsortivos, o estados nutricional dos pacientes ou ainda afastar outras doenças. A cultura e o exame parasitológico de fezes serão os primeiros a ser realizados para determinar co-morbidade. Um hemograma completo é feito para avaliar o hematócrito e os níveis de hemoglobina (usualmente diminuídos), bem como a contagem de leucócitos (pode estar elevada). Em geral, a VHS está elevada. Os níveis de albumina e proteína podem estar diminuídos, indicando a desnutrição. Exames de Imagem O trânsito intestinal com estudo detalhado do íleo terminal sob fluoroscopia é de importância central no diagnóstico da DC do intestino proximal ao íleo terminal, mostrando estenoses, ulcerações e fistulizações.
  • 6. O estudo radiológico através do enema opaco, convencional ou de duplo contraste, está contra-indicado na fase aguda, pelo risco de perfuração ou dilatação. A tomografia computadorizada de abdome (TC) pode definir precisamente a anatomia de fístulas e cavidades na DC ou ser útil para identicar abscesso ou linfoma. Ambas, US e TC são cada vez mais usadas para identificar anormalidades intrínsecas da parede abdominal, como áreas de espessamento ou aderência das alças intestinais. Tratamento Medicamentoso Corticosteróides Prednisona Dose inicial: 40-60mg/dia, VO, até remissão; diminuir gradativamente até exclusão. Deflazacort Dose inicial: 30mg/dia, VO, até remissão; diminuir para 6 ou 7,5 mg até exclusão. Aminossalicilatos Sulfasalazina Dose inicial: 2-4g/dia, VO, até remissão. Mesalazina Dose inicial: 1,6g/dia, VO, até remissão. Imunomoduladores Azatioprina Dose inicial: 2mg/kg/dia, VO, por tempo prolongado. Antimicrobiano
  • 7. Metronidazol Dose inicial: 1,2g/dia, VO, em 3 tomadas até a remissão. Tratamento Cirúrgico Quando as medidas não-cirurgicas falham em aliviar os sintomas graves da DII, a cirurgia pode ser necessária. Mas de 50% dos pacientes com a doença de crohn de 5 anos de diagnóstico. Colectomia Total com Ileostomia Uma ileostomia, a criação cirúrgica de abertura no íleo ou no intestino delgado (comumente por meio de um estoma ileal na parede abdominal), e frequentemente realizada depois de uma colectomia total (i.e excisão de todo cólon). Ela permite a dreanagem do material fecal (i.e., efluente) a partir do íleo até o exterior do corpo. Retocolite Ulcerativa A recoletiva ulcerativa é uma doença ulcerativa recorrente e inflamatória das camadas mucosa e submucosa do cólon e reto. É uma doença grave acompanhada por complicações sistemáticas e uma alta taxa de mortalidade. Fisiopatologia A Retocolite ulcerativa afeta a mucosa superficial do cólon e caracterizam por ulcerações múltiplas, inflamações difusas e descamação ou desprendimento do epitélio colonico. O sangramento ocorre como resultado das ulcerações. A mucosa fica edemacia e inflamada. As lesões são contiguas, ocorrendo uma depois da outra. Formam-se abscessos, sendo o infiltrado observado na mucosa e submucosa, com grumos de neutrófilos encontrados nas luzes das criptas, que reveste a mucosa intestinal. Em geral, o processo patológico começa no reto e espalha-se proximamente para envolver todo o cólon. Mas adiante, o intestino estreito, encurta e espessa por causa da hipertrofia muscular e depósito de gordura. Manifestação clínica
  • 8. Os sintomas predominantes da retocolite ulcerativa incluem a diarreia, dor abdominal no quadrante inferir esquerdo, sangramento retal. O sangramento pode brado ou intenso, resultando em palidez, anemia e fadiga. O paciente pode ter anorexia, perda de peso, febre, vômitos e desidratação, bem com a cólica, a sensação de uma necessidade urgente para defecar e a eliminação de 10 a20 evacuações liquidas por dia. A hipocalcemia e a anemia desenvolver-se em frequência. A hipersensibilidade em rechaço pode acontecer no quadrante interior direito. As manifestações extras-intestinais incluem as lesões cutâneas, lesões oculares, anormalidades articulares e doença hepática. Diagnósticos Os exames radiográficos abdominais são uteis para determinar a causa dos sintomas. O ar livre no peritônio e a dilatação ou obstrução do intestino deve ser excluídos com uma origem dos sintomas apresentados. A sigmoidoscopia ou a colonoscopia ou um enema baritado são exames valiosos na diferenciação dessa condição de outra doença cólon com sintomas similares. O enema baritado pode mostra irregularidades da mucosa, estenoses localizadas ou fistulas, encurtamento do cólon e dilatação das alças intestinais. A colonoscopia pode revelar a mucosa friável inflamada com exsudato e ulcerações. Esse procedimento auxilia a definir a extensão e a gravidade da doença. Os exames por TC, RM e US podem identificar abscessos e o envolvimento periretal. O exame de fezes minucioso para parasitas e outros micróbios e realizado para excluir a disenteria causada por organismo intestinais comuns, principalmente a Entamoeba histolystica e o Clostridium difficile. Tratamento Cirúrgico O tratamento cirúrgico da retocolite ulcerativa tem como fundamento básico o aspecto de a doença ser restrita as camadas mucosa e submucosa do cólon e do reto desta forma a proctocoloctomia total com ileostomia terminal definitiva era a única opção terapêutica que atendia aos princípios de resolução da doença, uma vez que se retirava toda a mucosa doente do cólon e do reto.
  • 9. A proctocolectomia tota implicava em realização de ileostomia terminal definitiva que muitas vezes levava adultos jovens, faixa, mas acometida pela doença ao isolamento e afastamento do convívio social. Na procura de alternativa que se permite a cura cirúrgica da doença e ao mesmo tempo o restabelecimento do trato intestinal, algumas técnicas foram propostas: A) Colectomia total com anastomose e ileorretal. B) Retocolectomia total com anastomose ileoanal e reservatório ileal. Diverticulite Diverticulite é uma complicação inflamatória aguda dos divertículos colônicos que, conceitualmente, implica perfuração. Divertículos colônicos, por sua vez, são formação saculares adquiridas que surgem em decorrência do aumento da pressão intraluminar, em zonas de menor resistência da parede colônica. Como não possuem todas as camadas da parede intestinal, são denominadas “falsos divertículos”. O cólon sigmoide é a região envolvida em 95% dos casos. Fisiopatologia Os divertículos formam-se quando as camadas mucosa e submucosa do cólon herniam através da parede muscular por causa da pressão intraluminal alta, baixo volume no cólon (conteúdo deficiente em fibras) e força muscular diminuída na parede colônica. O conteúdo intestinal pode acumular-se no divertículo e decompor-se, provocando inflamação e infecção. O divertículo também pode tornar-se abstruído e, em seguida, inflamado quando a obstrução prossegue. A inflamação da parede colônica enfraquecida do divertículo pode fazer com que perfure, originando irritabilidade e espasticidade do cólon. Manifestação Clinica A diverticulite, o paciente relata um início agudo de dor branda a intensa no quadrante inferior esquerdo, acompanhada por náuseas, vômitos, febre calafrios e leucocitose. A condição, quando não tratada pode levar a septicemia.
  • 10. Diagnóstico Se existem sintomas de irritação peritoneal, quando o diagnóstico é de diverticulite, o enema baritado está contra-indicado por causa do potencial para perfuração. A TC é o exame diagnóstico de escolha quando a suspeita diagnóstica é de diverticulite, ela também pode revelar abscessos. As radiografia abdominais podem demostrar o ar livre sob o diafragma quando uma perfuração aconteceu devido à diverticulite. Os exames laboratoriais que auxiliam no diagnóstico incluem um hemograma completo, revelando uma contagem de leucócitos elevada e velocidade de hemossedimentação (VHS) elevada. Complicações As complicações incluem a peritonite, formação de abscessos e sangramento. Quando um abscesso se desenvolve, os achados associados são dor, uma massa palpável, febre e leucocitose. Tratamento A maioria dos pacientes com diverticulite aguda responderá melhor a terapia antimicrobiana. Aqueles que necessitam de cirurgia imediata apresentam sinais de perfuração em peritônio livre (peritonite) e/ou obstrução intestinal em alça fechada. Câncer Colorretal Os tumores do cólon e reto são relativamente comuns, a área colorretal é atualmente, o terceiro sitio mais comum de novos casos de câncer no EUA. Fisiopatologia
  • 11. O câncer de cólon e reto é predominantemente 95%, um adenocarcinoma (que se origina do revestimento epitelial do intestino). Ele pode começar como um pólipo benigno, mas pode torna-se maligno, invadir e destruir os tecidos normais e estender-se para dentro das estruturas circunvizinhas. As células cancerosas podem migrar para longe do tumor primário e espalhar-se para outras regiões do corpo (mais amiúde para o fígado). Manifestação Clínicas Os sintomas, mas comuns associados à lesão direta são a dor abdominal difusa e melena. Os sintomas comuns de lesão esquerda são aquelas associados á obstrução, bem como sangue vermelho nas fezes. Diagnóstico Os exames do antígeno carcinoembrionario (CEA) também podem ser executados. Embora o CEA possa não ter um indicador altamente confiável no diagnóstico do câncer de cólon porque nem todas as lesões secreta CEA, estudos mostra que os níveis de CEA constituem preditores prognósticos confiáveis. Com a excisão completa do tumor, os níveis elevados CEA devem retorna ao normal dentro de 48h. as elevações e uma data posterior sugere a recidiva. Tratamento Cirúrgico A cirurgia e o tratamento principal para a maioria dos canceres de cólon e reto. Ela pode ser curativa ou paliativa. Os avanços nas técnicas cirúrgicas podem possibilitar que o paciente com câncer tenha dispositivos de preservação de esfíncter que restauram o a continuidade do tratado GI. Os procedimentos cirúrgicos incluem o seguinte:  Ressecção segmentar com anastomose.  Ressecção abdominoperineal com colostomia de sigmoide permanente.  Colostomia ou ileostomia permanente para alivio de lesões obstrutivas inressecáveis