SlideShare uma empresa Scribd logo
Relato de Caso                                                                                                                      ISSN 0100-6991
Vol. 33 - Nº 5, Set. / Out. 2006                                    Menin et al.                                   Pancreatite Aguda Biliar na Infância


PANCREATITE AGUDA BILIAR NA INFÂNCIA
ACUTE GALLSTONE PANCREATITIS IN CHILDHOOD

                                           Flavio Augusto Menin1; Alexandre Petreca2; Roni Leonardo Teixeira, ACBC- SP2


INTRODUÇÃO                                                                      mais exames laboratoriais normais. Ficou então, internada até
                                                                                o dia da operação.
           A pancreatite é uma entidade clínica pouco freqüen-                           Foi submetida à vídeocolecistectomia com
te na infância. Diferente dos adultos, as causas mais comuns                    colangiografia intra-operatoria, sem intercorrências. Teve alta
em crianças incluem as infecções virais, por ascaris,                           no 1° dia do pós-operatório, fazendo acompanhamento
medicamentosas, traumas e anomalias estruturais. Assim, a                       ambulatorial por um período de 12 meses, com alta em seguida.
litíase biliar é incomum como causa de pancreatite entre as
crianças1.                                                                      DISCUSSÃO

RELATO DE CASO                                                                          A pancreatite aguda biliar é rara entre crianças (6
                                                                                -12%), sendo as causas mais comuns, parte de doenças
           Menina, parda, 10 anos de idade, longilinea, pesan-
do 47Kg, com inicio de quadro de dor abdominal de forte
intensidade e vômitos há 10 horas, admitida na emergência
pediátrica, quando então, ao exame físico, apresentava-se
corada, afebril e anictérica, com dor à palpação abdominal
profunda, principalmente em andar superior, sem sinais de
irritação peritoneal. Não apresenta historia pregressa de ex-
posição a drogas, icterícia, eliminação de ascaris, vermifugação
recente, parotidite recente, trauma abdominal, episódios
álgicos anteriores ou hemopatia familiar.
           O hemograma apresentava-se com17500 leucócitos
(normal – 10 mil), com predomínio de segmentados (85%) sem
desvio à esquerda, amilase - 923g/dl, cálcio- 8.4mg/100ml, lípase
– 526 mUI/ml, TGO – 26 mUI/ml, TGP – 32 mUI/ml e bilirrubinas
total (0,6) e frações (direta – 0,4 e indireta – 0,2) normais. A ultra-
                                                                                Figura 1 - Colelitíase e colédoco de calibre aumentado (0,4 cm).
sonografia mostrou colelitíase, colédoco com calibre nos limi-
tes superiores da normalidade (0,4 cm) (Figura 1) e pâncreas
aumentado de volume (Figura 2). A tomografia abdominal com
contraste oral apresentou pâncreas de contornos normais e
dimensões aumentadas com parênquima discretamente hete-
rogêneo, mas sem sinais de isquemia e/ou necrose (Figura 3).
Eletroforese de hemoglobinas sem alterações.
           Foi instituído jejum, hidratação venosa,
antibioticoterapia e analgesia, sendo encaminhada para a
unidade semi - intensiva. No 3° dia de internação apresentou
melhora clínica, com queda da amilase (79g/dl), sendo
introduzida dieta leve hipogordurosa. No 7°dia de internação
teve alta hospitalar, com a operação programada
(vídeocolecistectomia) para 18 dias depois. No 11° dia após a
alta, a criança apresentou nova crise de dor abdominal, de
menor intensidade em relação ‘a primeira, apresentando alte-                    Figura 2 - Ultrassonografia mostrando pâncreas de dimensões au-
ração somente dos níveis de amilase (459g/dl), sendo os de-                     mentadas e ecotextura discretamente heterogênea.

1. Professor Colaborador da Disciplina de Cirurgia Pediátrica do Departamento de Pediatria e Cirurgia Pediátrica, da Faculdade de Medicina de São
   Jose do Rio Preto– SP.
2. Ex - Residente em Cirurgia Pediátrica do Hospital de Base da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto – SP.
Recebido em 28-05-2005
Aceito para publicação em 30-06-2005
Fonte de financiamento: nenhum
Conflito de interesses: nenhuma
Trabalho realizado no Hospital de Base da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - SP.
                                                                          341
Menin et al.                                            Pancreatite Aguda Biliar na Infância                                   Rev. Col. Bras. Cir.


                                                                                      Como a apresentação clínica pode ser diversa e sutil,
                                                                             é necessário considerar o diagnóstico diferencial de pancreatite
                                                                             aguda na infância nestes casos. A amilase sérica está elevada
                                                                             em 83-90% dos casos, além da lípase que persiste aumentada
                                                                             por um período maior, em relação à amilase 1 .
                                                                                      Os estudos radiológicos são acurados no diagnóstico
                                                                             de pancreatite. A ultrassonografia tem uma acurácia de aproxi-
                                                                             madamente 80% para pancreatite biliar. Já a tomografia
                                                                             computadorizada faz confirmação diagnóstica em 90% dos ca-
                                                                             sos, além de analisar, em detalhes, o aumento focal ou difuso da
                                                                             glândula, bem como presença de processo inflamatório e/ou de
                                                                             abscessos, e estruturas adjacentes3. A colangiopancreatografia
                                                                             endoscópica retrógrada (CPRE) tem sido usada em larga escala
                                                                             entre os adultos, no entanto, este procedimento vem sendo
Figura 3 - Estudo tomográfico apresentando pâncreas de dimen-                adotado como modalidade terapêutica entre as crianças, onde,
sões aumentadas com borramento da gordura peripancreática e                  com mãos experientes, traz grandes benefícios à pacientes com
líquido livre em cavidade.                                                   pancreatite biliar e/ou colangite 4.
                                                                                      A ressonância magnética colangiopancreatográfica
multisistêmicas (35%) tais como infecções virais, síndrome                   é considerada equivalente à CPRE, para o diagnóstico da
hemolítico urêmicas, choque hipovolêmico e/ou séptico;                       pancreatite e das doenças da árvore biliar, com sensibilidade
idiopática (30%); e trauma (25%). Alguns fatores predis-                     em torno de 71-100%, além de ser inócuo em relação à CPRE,
põem à litíase na infância, tais como doença hemolítica                      porém, desvantajoso pelo alto custo 5.
crônica, obesidade, fibrose cística, ressecção ileal e do-                            O tratamento de escolha do nosso serviço para litíase
ença hepática crônica. Em crianças, mais de 70 % dos ca-                     biliar é a colecistectomia vídeolaparoscópica, com
sos são cálculos pigmentados e 15 à 20% são de colesterol                    colangiografia intra-operatoria, prevenindo episódios recor-
puro 2 .                                                                     rentes de dor, icterícia e pancreatite. A presença de cálculos
         A apresentação clínica da pancreatite biliar aguda na               nos ductos biliares, nestes pacientes, está em torno de 2-6%,
infância mostra uma menor incidência da forma grave do que                   em vigência de icterícia e/ou pancreatite.
nos adultos, especialmente em grupos bem jovens. A dor ab-                            O tempo de seguimento pós – operatório destes pa-
dominal, que pode ser difusa, é mais freqüente de forma bran-                cientes, é determinado pelo aparecimento de complicações,
da (80%), seguido por vômitos em 50% dos casos 2.                            que, por ventura, este doente possa apresentar 1 ,3,5.


        ABSTRACT

        Acute pancreatitis is an uncommon condition in childhood. Gallstones rarely cause pancreatitis in children. Instead, the leading
        causes of pancreatitis tend to be trauma, infecctions, drugs, congenital disorders. One rare case of acute gallstone pancreatitis
        in children is described, showing the diagnosis clinical/radiologic and surgery treatment (videocolecistectomy) (Rev. Col. Bras.
        Cir. 2006; 33(5): 341-342).

        Key words: Pancreatitis; Acute, diseases; Gallstones; Child.




REFERÊNCIAS                                                                  Como citar este artigo:
                                                                             Menin FA, Petreca A, Teixeira RL. Pancreatite aguda biliar na infân-
1. Calatayud GA, Bermejo F, Morales JL. Pancreatitis aguda en la             cia: relato de caso. Rev Col Bras Cir. [periódico na Internet] 2006
   infancia. Rev Esp Enferm Dig. 2003; 95(1):40-4.                           Set-Out;33(5). Disponível em URL: www.scielo.br/rcbc
2. Sutton R, Cheslyn-Curtis S. Acute gallstone pancreatitis in
   childhood. Ann R Coll Surg Engl. 2001; 83(6):406-8.
3. Goh SK, Chui CH, Jacobsen AS. Childhood acute pancreatitis in             Endereço para correspondência:
   a children¢s hospital. Singapore Med J; 2003; 44(9):453-6.                Roni Leonardo Teixeira
4. Yachha SK, Chetri K, Saraswat VA. Management of childhood                 Av. Tarumas, 2639- apto. 06
   pancreatic disorders: a multidisciplinary approach.J Pediatr              Res. Dona Sula
   Gastroenterol Nutr. 2003; 36(2):206-12.                                   Jd. Maringá 2
5. Jackson WD. Pancreatitis: etiology, diagnosis, and management.            78550-000 – SINOP – MT
   Curr Opin Pediatr. 2001; 13(5):447-51.                                    E-mail: ronileonardo@zipmail.com.br




                                                                       342

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Yasmin Casini
 
Estudo Nefrologia Fabiana - UNIFESP - SP
Estudo Nefrologia Fabiana - UNIFESP - SPEstudo Nefrologia Fabiana - UNIFESP - SP
Estudo Nefrologia Fabiana - UNIFESP - SP
Gusttavo Maldovick
 
Caso Clínico- Sist. do Cuidar III
Caso Clínico- Sist. do Cuidar IIICaso Clínico- Sist. do Cuidar III
Caso Clínico- Sist. do Cuidar III
Ana Cláudia Lessa
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
SEPSE NEONATAL.
SEPSE NEONATAL.SEPSE NEONATAL.
SEPSE NEONATAL.
Yoan Rodriguez
 
Protocolo de Colon
Protocolo de ColonProtocolo de Colon
Protocolo de Colon
guest77650f
 
Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues
Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes RodriguesAnátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues
Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues
guest864f0
 
Estudo de Caso - Histerectomia
Estudo de Caso - HisterectomiaEstudo de Caso - Histerectomia
Estudo de Caso - Histerectomia
Caroline Lopes
 
Diverticulite 2008
Diverticulite 2008Diverticulite 2008
Diverticulite 2008
Arquivo-FClinico
 
Apendicite aguda
Apendicite agudaApendicite aguda
Apendicite aguda
Fernando de Oliveira Dutra
 
Apendicite
ApendiciteApendicite
Apendicite
Gustavo Andreis
 
Casos clinicos aleatorios 2
Casos clinicos aleatorios 2 Casos clinicos aleatorios 2
Casos clinicos aleatorios 2
MarinaLLobo
 
Megacolon ufba.
Megacolon ufba.Megacolon ufba.
Megacolon ufba.
Marcelo Falcao
 
Dcdiverticular
DcdiverticularDcdiverticular
Dcdiverticular
kalinine
 
A p e n d i c i.pptx cassia jose
A p e n d i c i.pptx cassia joseA p e n d i c i.pptx cassia jose
A p e n d i c i.pptx cassia jose
Cassia Campos
 
Discussão de casos clínicos
Discussão de casos clínicosDiscussão de casos clínicos
Discussão de casos clínicos
Kate Antunes
 
Estudo de caso - Dengue
Estudo de caso - DengueEstudo de caso - Dengue
Estudo de caso - Dengue
Andreutt Tabosa
 
2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...
2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...
2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Praticas Alternativas I Estudo De Caso
Praticas Alternativas I   Estudo De CasoPraticas Alternativas I   Estudo De Caso
Praticas Alternativas I Estudo De Caso
Rosangela Filgueiras
 
14 neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas
14   neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas14   neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas
14 neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas
ONCOcare
 

Mais procurados (20)

Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 
Estudo Nefrologia Fabiana - UNIFESP - SP
Estudo Nefrologia Fabiana - UNIFESP - SPEstudo Nefrologia Fabiana - UNIFESP - SP
Estudo Nefrologia Fabiana - UNIFESP - SP
 
Caso Clínico- Sist. do Cuidar III
Caso Clínico- Sist. do Cuidar IIICaso Clínico- Sist. do Cuidar III
Caso Clínico- Sist. do Cuidar III
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
SEPSE NEONATAL.
SEPSE NEONATAL.SEPSE NEONATAL.
SEPSE NEONATAL.
 
Protocolo de Colon
Protocolo de ColonProtocolo de Colon
Protocolo de Colon
 
Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues
Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes RodriguesAnátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues
Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues
 
Estudo de Caso - Histerectomia
Estudo de Caso - HisterectomiaEstudo de Caso - Histerectomia
Estudo de Caso - Histerectomia
 
Diverticulite 2008
Diverticulite 2008Diverticulite 2008
Diverticulite 2008
 
Apendicite aguda
Apendicite agudaApendicite aguda
Apendicite aguda
 
Apendicite
ApendiciteApendicite
Apendicite
 
Casos clinicos aleatorios 2
Casos clinicos aleatorios 2 Casos clinicos aleatorios 2
Casos clinicos aleatorios 2
 
Megacolon ufba.
Megacolon ufba.Megacolon ufba.
Megacolon ufba.
 
Dcdiverticular
DcdiverticularDcdiverticular
Dcdiverticular
 
A p e n d i c i.pptx cassia jose
A p e n d i c i.pptx cassia joseA p e n d i c i.pptx cassia jose
A p e n d i c i.pptx cassia jose
 
Discussão de casos clínicos
Discussão de casos clínicosDiscussão de casos clínicos
Discussão de casos clínicos
 
Estudo de caso - Dengue
Estudo de caso - DengueEstudo de caso - Dengue
Estudo de caso - Dengue
 
2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...
2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...
2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...
 
Praticas Alternativas I Estudo De Caso
Praticas Alternativas I   Estudo De CasoPraticas Alternativas I   Estudo De Caso
Praticas Alternativas I Estudo De Caso
 
14 neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas
14   neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas14   neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas
14 neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas
 

Semelhante a V33n5a12

Nefrologia infeccao trato urinario sbp
Nefrologia infeccao trato urinario sbpNefrologia infeccao trato urinario sbp
Nefrologia infeccao trato urinario sbp
Marieana Medeiros
 
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdfPancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
EmanuelJulioMiguel
 
Doença de chagas
Doença de chagas   Doença de chagas
Doença de chagas
Sheyla Amorim
 
3_revisao_constipacao_intestinal_crianca
3_revisao_constipacao_intestinal_crianca3_revisao_constipacao_intestinal_crianca
3_revisao_constipacao_intestinal_crianca
docanto
 
Doenças do trato intestinal
Doenças do trato intestinalDoenças do trato intestinal
Doenças do trato intestinal
Mayza De Jesus Milhomem
 
Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças Intestinais
ThamyNoronha
 
Caso Clínico infecção
Caso Clínico  infecçãoCaso Clínico  infecção
Caso Clínico infecção
kaheluis
 
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
LayanneStephanneFigu
 
Onco hematologia
Onco hematologiaOnco hematologia
Onco hematologia
gisa_legal
 
Enterocolite Necrosante: nova definição e prevenção
Enterocolite Necrosante: nova definição e prevençãoEnterocolite Necrosante: nova definição e prevenção
Pneumonia associada a ventilação mecanica
Pneumonia associada a ventilação mecanicaPneumonia associada a ventilação mecanica
Pneumonia associada a ventilação mecanica
janinemagalhaes
 
Aula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de OvárioAula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de Ovário
Mateus Cornélio
 
placenta prevevia
placenta prevevia placenta prevevia
placenta prevevia
Jessica Soares Da Silva
 
Doenças do TGI
Doenças do TGIDoenças do TGI
Doenças do TGI
Mayza De Jesus Milhomem
 
root,+10.+Adenocarcinoma+de+cólon+apresentando-se+como+hérnia.pdf
root,+10.+Adenocarcinoma+de+cólon+apresentando-se+como+hérnia.pdfroot,+10.+Adenocarcinoma+de+cólon+apresentando-se+como+hérnia.pdf
root,+10.+Adenocarcinoma+de+cólon+apresentando-se+como+hérnia.pdf
felipecaetano47
 
7 abdomen agudo
7 abdomen agudo7 abdomen agudo
7 abdomen agudo
Alan Kardec Zica
 
Semiologia ginecologica
Semiologia ginecologicaSemiologia ginecologica
Semiologia ginecologica
3rivotril
 
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNCCâncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Laped Ufrn
 
Fibrose cistica
Fibrose cistica  Fibrose cistica
Fibrose cistica
Mônica Firmida
 
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RSCapacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
jorge luiz dos santos de souza
 

Semelhante a V33n5a12 (20)

Nefrologia infeccao trato urinario sbp
Nefrologia infeccao trato urinario sbpNefrologia infeccao trato urinario sbp
Nefrologia infeccao trato urinario sbp
 
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdfPancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
 
Doença de chagas
Doença de chagas   Doença de chagas
Doença de chagas
 
3_revisao_constipacao_intestinal_crianca
3_revisao_constipacao_intestinal_crianca3_revisao_constipacao_intestinal_crianca
3_revisao_constipacao_intestinal_crianca
 
Doenças do trato intestinal
Doenças do trato intestinalDoenças do trato intestinal
Doenças do trato intestinal
 
Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças Intestinais
 
Caso Clínico infecção
Caso Clínico  infecçãoCaso Clínico  infecção
Caso Clínico infecção
 
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
 
Onco hematologia
Onco hematologiaOnco hematologia
Onco hematologia
 
Enterocolite Necrosante: nova definição e prevenção
Enterocolite Necrosante: nova definição e prevençãoEnterocolite Necrosante: nova definição e prevenção
Enterocolite Necrosante: nova definição e prevenção
 
Pneumonia associada a ventilação mecanica
Pneumonia associada a ventilação mecanicaPneumonia associada a ventilação mecanica
Pneumonia associada a ventilação mecanica
 
Aula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de OvárioAula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de Ovário
 
placenta prevevia
placenta prevevia placenta prevevia
placenta prevevia
 
Doenças do TGI
Doenças do TGIDoenças do TGI
Doenças do TGI
 
root,+10.+Adenocarcinoma+de+cólon+apresentando-se+como+hérnia.pdf
root,+10.+Adenocarcinoma+de+cólon+apresentando-se+como+hérnia.pdfroot,+10.+Adenocarcinoma+de+cólon+apresentando-se+como+hérnia.pdf
root,+10.+Adenocarcinoma+de+cólon+apresentando-se+como+hérnia.pdf
 
7 abdomen agudo
7 abdomen agudo7 abdomen agudo
7 abdomen agudo
 
Semiologia ginecologica
Semiologia ginecologicaSemiologia ginecologica
Semiologia ginecologica
 
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNCCâncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
 
Fibrose cistica
Fibrose cistica  Fibrose cistica
Fibrose cistica
 
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RSCapacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
 

Último

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 

V33n5a12

  • 1. Relato de Caso ISSN 0100-6991 Vol. 33 - Nº 5, Set. / Out. 2006 Menin et al. Pancreatite Aguda Biliar na Infância PANCREATITE AGUDA BILIAR NA INFÂNCIA ACUTE GALLSTONE PANCREATITIS IN CHILDHOOD Flavio Augusto Menin1; Alexandre Petreca2; Roni Leonardo Teixeira, ACBC- SP2 INTRODUÇÃO mais exames laboratoriais normais. Ficou então, internada até o dia da operação. A pancreatite é uma entidade clínica pouco freqüen- Foi submetida à vídeocolecistectomia com te na infância. Diferente dos adultos, as causas mais comuns colangiografia intra-operatoria, sem intercorrências. Teve alta em crianças incluem as infecções virais, por ascaris, no 1° dia do pós-operatório, fazendo acompanhamento medicamentosas, traumas e anomalias estruturais. Assim, a ambulatorial por um período de 12 meses, com alta em seguida. litíase biliar é incomum como causa de pancreatite entre as crianças1. DISCUSSÃO RELATO DE CASO A pancreatite aguda biliar é rara entre crianças (6 -12%), sendo as causas mais comuns, parte de doenças Menina, parda, 10 anos de idade, longilinea, pesan- do 47Kg, com inicio de quadro de dor abdominal de forte intensidade e vômitos há 10 horas, admitida na emergência pediátrica, quando então, ao exame físico, apresentava-se corada, afebril e anictérica, com dor à palpação abdominal profunda, principalmente em andar superior, sem sinais de irritação peritoneal. Não apresenta historia pregressa de ex- posição a drogas, icterícia, eliminação de ascaris, vermifugação recente, parotidite recente, trauma abdominal, episódios álgicos anteriores ou hemopatia familiar. O hemograma apresentava-se com17500 leucócitos (normal – 10 mil), com predomínio de segmentados (85%) sem desvio à esquerda, amilase - 923g/dl, cálcio- 8.4mg/100ml, lípase – 526 mUI/ml, TGO – 26 mUI/ml, TGP – 32 mUI/ml e bilirrubinas total (0,6) e frações (direta – 0,4 e indireta – 0,2) normais. A ultra- Figura 1 - Colelitíase e colédoco de calibre aumentado (0,4 cm). sonografia mostrou colelitíase, colédoco com calibre nos limi- tes superiores da normalidade (0,4 cm) (Figura 1) e pâncreas aumentado de volume (Figura 2). A tomografia abdominal com contraste oral apresentou pâncreas de contornos normais e dimensões aumentadas com parênquima discretamente hete- rogêneo, mas sem sinais de isquemia e/ou necrose (Figura 3). Eletroforese de hemoglobinas sem alterações. Foi instituído jejum, hidratação venosa, antibioticoterapia e analgesia, sendo encaminhada para a unidade semi - intensiva. No 3° dia de internação apresentou melhora clínica, com queda da amilase (79g/dl), sendo introduzida dieta leve hipogordurosa. No 7°dia de internação teve alta hospitalar, com a operação programada (vídeocolecistectomia) para 18 dias depois. No 11° dia após a alta, a criança apresentou nova crise de dor abdominal, de menor intensidade em relação ‘a primeira, apresentando alte- Figura 2 - Ultrassonografia mostrando pâncreas de dimensões au- ração somente dos níveis de amilase (459g/dl), sendo os de- mentadas e ecotextura discretamente heterogênea. 1. Professor Colaborador da Disciplina de Cirurgia Pediátrica do Departamento de Pediatria e Cirurgia Pediátrica, da Faculdade de Medicina de São Jose do Rio Preto– SP. 2. Ex - Residente em Cirurgia Pediátrica do Hospital de Base da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto – SP. Recebido em 28-05-2005 Aceito para publicação em 30-06-2005 Fonte de financiamento: nenhum Conflito de interesses: nenhuma Trabalho realizado no Hospital de Base da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - SP. 341
  • 2. Menin et al. Pancreatite Aguda Biliar na Infância Rev. Col. Bras. Cir. Como a apresentação clínica pode ser diversa e sutil, é necessário considerar o diagnóstico diferencial de pancreatite aguda na infância nestes casos. A amilase sérica está elevada em 83-90% dos casos, além da lípase que persiste aumentada por um período maior, em relação à amilase 1 . Os estudos radiológicos são acurados no diagnóstico de pancreatite. A ultrassonografia tem uma acurácia de aproxi- madamente 80% para pancreatite biliar. Já a tomografia computadorizada faz confirmação diagnóstica em 90% dos ca- sos, além de analisar, em detalhes, o aumento focal ou difuso da glândula, bem como presença de processo inflamatório e/ou de abscessos, e estruturas adjacentes3. A colangiopancreatografia endoscópica retrógrada (CPRE) tem sido usada em larga escala entre os adultos, no entanto, este procedimento vem sendo Figura 3 - Estudo tomográfico apresentando pâncreas de dimen- adotado como modalidade terapêutica entre as crianças, onde, sões aumentadas com borramento da gordura peripancreática e com mãos experientes, traz grandes benefícios à pacientes com líquido livre em cavidade. pancreatite biliar e/ou colangite 4. A ressonância magnética colangiopancreatográfica multisistêmicas (35%) tais como infecções virais, síndrome é considerada equivalente à CPRE, para o diagnóstico da hemolítico urêmicas, choque hipovolêmico e/ou séptico; pancreatite e das doenças da árvore biliar, com sensibilidade idiopática (30%); e trauma (25%). Alguns fatores predis- em torno de 71-100%, além de ser inócuo em relação à CPRE, põem à litíase na infância, tais como doença hemolítica porém, desvantajoso pelo alto custo 5. crônica, obesidade, fibrose cística, ressecção ileal e do- O tratamento de escolha do nosso serviço para litíase ença hepática crônica. Em crianças, mais de 70 % dos ca- biliar é a colecistectomia vídeolaparoscópica, com sos são cálculos pigmentados e 15 à 20% são de colesterol colangiografia intra-operatoria, prevenindo episódios recor- puro 2 . rentes de dor, icterícia e pancreatite. A presença de cálculos A apresentação clínica da pancreatite biliar aguda na nos ductos biliares, nestes pacientes, está em torno de 2-6%, infância mostra uma menor incidência da forma grave do que em vigência de icterícia e/ou pancreatite. nos adultos, especialmente em grupos bem jovens. A dor ab- O tempo de seguimento pós – operatório destes pa- dominal, que pode ser difusa, é mais freqüente de forma bran- cientes, é determinado pelo aparecimento de complicações, da (80%), seguido por vômitos em 50% dos casos 2. que, por ventura, este doente possa apresentar 1 ,3,5. ABSTRACT Acute pancreatitis is an uncommon condition in childhood. Gallstones rarely cause pancreatitis in children. Instead, the leading causes of pancreatitis tend to be trauma, infecctions, drugs, congenital disorders. One rare case of acute gallstone pancreatitis in children is described, showing the diagnosis clinical/radiologic and surgery treatment (videocolecistectomy) (Rev. Col. Bras. Cir. 2006; 33(5): 341-342). Key words: Pancreatitis; Acute, diseases; Gallstones; Child. REFERÊNCIAS Como citar este artigo: Menin FA, Petreca A, Teixeira RL. Pancreatite aguda biliar na infân- 1. Calatayud GA, Bermejo F, Morales JL. Pancreatitis aguda en la cia: relato de caso. Rev Col Bras Cir. [periódico na Internet] 2006 infancia. Rev Esp Enferm Dig. 2003; 95(1):40-4. Set-Out;33(5). Disponível em URL: www.scielo.br/rcbc 2. Sutton R, Cheslyn-Curtis S. Acute gallstone pancreatitis in childhood. Ann R Coll Surg Engl. 2001; 83(6):406-8. 3. Goh SK, Chui CH, Jacobsen AS. Childhood acute pancreatitis in Endereço para correspondência: a children¢s hospital. Singapore Med J; 2003; 44(9):453-6. Roni Leonardo Teixeira 4. Yachha SK, Chetri K, Saraswat VA. Management of childhood Av. Tarumas, 2639- apto. 06 pancreatic disorders: a multidisciplinary approach.J Pediatr Res. Dona Sula Gastroenterol Nutr. 2003; 36(2):206-12. Jd. Maringá 2 5. Jackson WD. Pancreatitis: etiology, diagnosis, and management. 78550-000 – SINOP – MT Curr Opin Pediatr. 2001; 13(5):447-51. E-mail: ronileonardo@zipmail.com.br 342