SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 103
Baixar para ler offline
Evangelhos
Capítulo I
Introdução aos Evangelhos
Evangelhos
Definição:
• A palavra Evangelho deriva do grego, é
  formada pela união de dois termos:
“ευ”       – eu – que quer dizer “boa”
“αγγελια” – anguelia – que significa
  “mensagem”, “nova”, “notícia”.
• Podemos definir a palavra Evangelho
  como as Boas Novas, Boas Notícias.
Evangelhos       (Como se estuda ?)

• A Bíblia pode ser estudada de duas
  formas: Sistemática e Cronológica.
• Sistemática: As doutrinas bíblicas, são
  colocadas em um sistema ordenado,
  catalogadas de forma coerente para que
  possam ser melhores compreendidas.
• Cronológica: Os acontecimentos são
  apresentados na ordem em que
  aconteceram de fato.
Evangelhos                    (Sinópticos)

 O termo sinóptico é derivado do grego e quer dizer “visão conjunta”.
  Ele é atribuído ao conjunto dos três primeiros Evangelhos: Mateus,
  Marcos e Lucas, justamente porque nestes livros há uma
  semelhança, ou uma visão conjunta sobre os fatos históricos.

 O Evangelho Segundo João não é incluso no sinóptico, apesar de
  ser considerado um Evangelho, porque sua abordagem é do ponto
  de vista divino de Jesus. João dá mais ênfase ao Jesus divino que
  ao Jesus histórico, como o fazem os sinópticos.

 Sinóptico é um termo teológico, você não o encontrará na Bíblia.

 Por se tratar de registro dos mesmos episódios, devemos buscar as
  informações contidas nos três registros, assim teremos uma visão
  ampla da situação de acordo com todos os pontos de vista.
Evangelhos      (Correlação)

  A CORRELAÇÃO entre os Evangelhos
   acontece quanto se visualiza todos os
     dados disponíveis de uma só vez,
 construindo assim um quadro completo do
               que aconteceu.
Exemplo:
 A mulher citada em Mateus 26.7 é Maria,
 irmã de Lázaro, se olharmos também para
                 João 12.3;
Evangelhos                  (Comparação)

         O Evangelho                      As Epístolas
1º - Escritos para toda a       1º - Escritas para igrejas e
   humanidade,                     indivíduos,

2º - Anuncia as Boas Novas      2º - Apresentam soluções
   de Cristo Jesus,                de problemas, ou
                                   respostas à dúvidas
                                   doutrinárias das primeiras
                                   comunidades cristãs,

3º - Seu teor é mais            3º - Seu teor é mais
   histórico que doutrinador.      doutrinador que histórico.
Evangelhos                        (Jesus Cristo)

 Os evangelhos foram escritos pelos discípulos do Senhor Jesus.
 Os nomes dos Evangelhos estão relacionados aos nomes dos escritores que os
  escreveram.
 Apenas dois, dentre os quatro escritores dos Evangelhos, tiveram contato direto
  com o Senhor Jesus.

                     Mateus (Mt 9.9) e João (Jo 21.20-25).

Lucas (Cl 4.14). Aparece depois, junto ao Apóstolo Paulo numa viagem
   missionária.

Marcos (Mc 14.50-52). Há quem acredite que ele seria aquele moço que correra
   nu na noite que o Senhor fora traído (Mc 14.50-52).

     Os escritos de Lucas e Marcos não perdem sua credibilidade,
   inclusive desde muito cedo, foram aceitos pela igreja primitiva como
               inspirados pelo Espírito Santo (II Tm 3.16,17).
Evangelhos   (Visão de Ezequiel)

                     Esta síntese é relacionada à
                     visão dos rostos descrita por
                       Ezequiel (Ezequiel 1.10)
Evangelhos                      (Síntese de Mateus)

O 1º ser vivente é semelhante a um leão (rei dos animais).

O livro de Mateus é considerado o Evangelho do Rei.

Escreveu para os judeus, primeiramente escrito em hebraico ou
aramaico, por isso cita muitas vezes o Antigo Testamento.

Enfatiza os sermões de Jesus.

Tem característica profética.

Mateus [1:1] Livro da geração de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão.

  Essa declaração liga as duas mais importantes alianças do Antigo
      Testamento (Davi- soberania, trono e Abraão – promessa).
Evangelhos                   (Síntese de Marcos)

O 2º ser vivente é semelhante a um novilho, um boi (animal que serve).

O livro de Marcos é considerado o Evangelho do Servo de Deus.

Escreveu para os romanos, muitos eruditos afirmam que foi escrito em
  Roma.

Enfatiza os milagres de Jesus.

Tem característica prática

   Marcos [10:45] = Porque o Filho do homem também não veio para ser
       servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos.

 Jesus é visto como um poderoso obreiro. Apresenta mais ações que
                              palavras.
Evangelhos                     (Síntese de Lucas)

O 3º ser vivente tem o rosto como de um homem.

O livro de Lucas é considerado o Evangelho do Filho do Homem.

Escreveu para os gregos, foi endereçado para um amigo, grego, de
nome Teófilo (significa amado de Deus).

Enfatiza as parábolas de Jesus.

Tem característica histórica

     Lucas [6:5] = E dizia-lhes: O Filho do homem é Senhor até do sábado.

  O Homem perfeito, a ênfase está na perfeição de sua humanidade.
Evangelhos                      (Síntese de João)

O 4º ser vivente é semelhante à águia quando voa (animal dos ares).
O livro de João é considerado o Evangelho do Filho de Deus.
Escreveu para a igreja, de Éfeso a fim de combater os erros do
gnosticismo, quanto à divindade de Cristo.
Enfatiza a divindade de Jesus.
Tem característica espiritual

  João [20:30] Jesus, pois, operou também em presença de seus discípulos
         muitos outros sinais, que não estão escritos neste livro. [20:31]
   Estes, porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho
            de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome.

Somente João fala do 1º ano de ministério (Cap.2 e 4), relata os grandes
  ensinos (novo nascimento, água viva, pão da vida, bom pastor, luz do
  mundo...) e revela o propósito de Cristo na última ceia (Cap. 13 a 16).
Comparativo
Evangelho Escrito         Figura           Para           Ênfase          Característica
Mateus      60 d.C        Rei              Judeus         Sermões Jesus   Profética
Marcos      55 – 65 d.C   Servo            Romanos        Milagres        Prática
Lucas       60 – 63 d.C   Filho do Homem Gregos           Parábolas       Histórica
João        80-95 d.C     Filho de Deus    Igreja         Divindade       Espiritual

                           Esta síntese é relacionada à
                           visão dos rostos descrita por
                             Ezequiel (Ezequiel 1.10)




   Mateus                 Marcos                  Lucas                    João
Evangelhos                 (Conclusão)

   Nos Evangelhos encontramos vários estilos de documentos:
 doutrinários, históricos e biográficos. Eles podem ser considerados
  um resumo da vida (biografia) de Cristo, possuindo assim um teor
                     mais histórico que doutrinário.

Os Evangelhos foram escritos para que creiamos no Cristo. Não tem
      como objetivo ser usados como dissertação sobre tratado
                  científico, político, comercial, etc.


Voltemos à essência deste Sagrado Evangelho!
Capítulo II
A Cultura nos Evangelhos
A Cultura nos Evangelhos

A Hermenêutica afirma que Deus
  fala aos homens, através dos
      homens em contextos
           específicos.
      Conhecer o contexto
  histórico, geográfico e cultural
 dos evangelhos, permite melhor
           interpretá-los.
A Cultura nos Evangelhos - Política

 Judeus estavam sob o julgo romano, e julgar suas
  questões religiosas através do SINÉDRIO, não exerciam
  a pena capital, mas castigavam com as famosas
  “quarenta chibatadas menos uma” (Jo 18.31).

 Romanos tributavam os judeus através dos
  PUBLICANOS.

 Quatro línguas eram faladas: o latim, o grego, o
  hebraico e o aramaico. Cada uma destas línguas tinha
  uma razão de ser e eram ouvidas pelo povo em
  determinada circunstância.
A Cultura nos Evangelhos - Línguas
                       4 línguas eram faladas:

O latim era a língua do império dominante na época, falada pelos
   soldados romanos, e pelos romanos, por isso era uma língua
   importante e que tinha sua razão de ser e existir na Palestina.
O grego era a língua culta, a língua universal, seria o equivalente ao
   inglês hoje, uma língua que serve de padrão para as comunicações
   internacionais. Não era a língua que a plebe falava.
O hebraico era a língua mãe dos judeus, mais religiosa que popular,
   ou seja, era mais usada no templo do que no dia-a-dia na
   comunicação entre as pessoas.
O aramaico era a língua popular da Palestina, os judeus passaram a
   falá-la após o cativeiro babilônico quando ficaram por setenta anos
   no cativeiro (Jr 25.11).
A Cultura nos Evangelhos - Infra-estrutura

 Roma recebia os impostos de todas as
  regiões do império (Mt 22.17-22).
 Impostos que manter o império e seu
  exército e para financiar obras públicas.
  (inclusive as estradas).
 Curiosidade: A rede de estradas principais
  construídas pelos romanos era de 80.000
  quilômetros de estradas primárias e 38.000
  de estradas secundárias.
A Cultura nos Evangelhos – Crenças

 Eram monoteístas - após a destruição de Jerusalém em 586,
  justamente em conseqüência da idolatria dos judeus
  (II Cr 36.14-16).

 Os Pagãos adoravam tudo o que achava no direito, eram
  politeístas. Eles possuíam um deus para cada ocasião,

 As liturgias pagãs eram verdadeiras orgias, durante os cultos
  havia relações sexuais entre os sacerdotes, sacerdotisas e os
  “ofertantes”. Na cidade de Corinto havia um templo a Afrodite
  (Vênus) deusa do amor sensual com mais de mil prostitutas
  cultuais para satisfazerem os “adoradores”, tanto é que o
  nome corintianizar estava relacionado a entregar-se a
  prostituição.
A Cultura nos Evangelhos – Instituições e facções




    O Sinédrio                   A Sinagoga



   O Templo
A Cultura nos Evangelhos – Instituições

                         O Sinédrio
 Era o concílio supremo que regia as questões religiosas dos
  judeus,
 Procurava assemelhar-se ao grupo de anciãos que fora
  formado por Moisés para que o ajudasse no julgamento do
  povo (Ex 18.25),
 Formado por setenta ou setenta e um homens dependendo
  de como era feita a contagem. Não podia decretar a pena
  capital (isto cabia ao Império Romano) por isso que levaram o
  Senhor Jesus diante de Pilatos o representante do Império
  Romano (Jo 18.31), a maior pena que aplicavam era a
  quarentena de açoites menos um (II Co 11.24).
A Cultura nos Evangelhos – Instituições

                         As Sinagogas

 Surgiram durante o cativeiro babilônico para suprir a falta do
  Templo que fora destruído,

 Era uma instituição com a finalidade de instruir os judeus em
  sua religião,

 Ela poderia ser constituída em qualquer lugar; prova disso é
  que na maioria das cidades que Paulo visitou em suas
  viagens missionárias ele encontrou uma sinagoga para que
  ali pregasse (At 13.14;17.1,2).
A Cultura nos Evangelhos – Instituições

                     O Templo

 Lugar aonde os judeus iam para oferecer
  sacrifício, e acabou virando lugar de comércio e
  este comportamento fora condenado pelo
  Senhor (Jo 2.13-16).
 O Templo descrito nos evangelhos era o mesmo
  reconstruído após o retorno do cativeiro (536
  a.C).
A Cultura nos Evangelhos – Facções

                            Os Fariseus
 Eram populares, a mais influente seita da época dos Evangelhos,
  tanto é que Paulo antes de sua conversão pertencia a esta seita
  judaica (Fp 3.5; At 23.6).
 Dominavam as sinagogas, este era um dos motivos de Paulo ter
  facilidade para falar às sinagogas (At 13.14ss;17.1,2),
 Eram tradicionalistas e hipócritas, e foram duramente criticado pelo
  Senhor (Mt 23).
 Mais apegados a tradição oral que a letra da lei. Seu nome deriva-
  se do hebraico “farash” que quer dizer “SEPARA-SE”.
 Eram legalistas mas acreditavam no mundo espiritual ao contrário
  dos saduceus (At 23.8; Mt 22.23).
A Cultura nos Evangelhos – Facções

                   Os Saduceus

 Formado pela aristocracia judaica e dominavam
  o Templo e o Sinédrio e a administração política
  de Jesuralém .
 O Sumo Sacerdote era saduceu,
 Não sobreviveram a destruição de Jerusalém
  em 70 d.C,
A Cultura nos Evangelhos – Facções

                        Os Saduceus

    “Como não compreendestes que não vos falei a respeito
       do pão, mas que vos guardásseis do fermento dos
               fariseus e saduceus?” (Mt 16.11)

     – Fermento dos Fariseus: Falsa e penetrante,
       baseada nas tradições e acréscimos que eles faziam
       às escrituras;

     – Fermento dos Saduceus: Chamado de Saduceísta,
       baseada em subtrações da lei e no racionalismo
       humano.
•
A Cultura nos Evangelhos – Facções

                     Os Zelotes

 Grupo religioso com a intenção política de lutar
  e resistir contra o império romano,
 Foi o partido que encabeçara a resistência a
  Roma que culminou com a destruição de
  Jerusalém em 70 d.C,
 Um dos doze apóstolos, Simão, havia
  pertencido a este partido ( Lc 6.15; At 1.13).
A Cultura nos Evangelhos – Facções

                    Os Essênios


 Tinham o mesmo pensamento dos zelotes a
  libertação do domínio pagão,

 Sua principal característica era o isolamento,
  acreditavam que isolados estariam livres do
  julgo e da influência pagãos.
A Cultura nos Evangelhos – Facções

                     Os Herodianos

 Apoiadores da dinastia de Herodes, consideravam seus
  sucessores como se fossem o Messias,

 Sua opiniões religiosas oscilavam entre os fariseus e os
  saduceus, e por considerar a descendência de Herodes
  messiânica perseguiam a Cristo por isso (Mc 3.6; 12.13;
  Mt 22.16).
A Cultura nos Evangelhos – Jesus no 4º Evangelho

 Ele é o centro da mensagem bíblica e o
  personagem mais conhecido e popular das
  Escrituras. Tudo gira em torno Dele.

 Dos 3779 versículos que há nos 4
  Evangelhos, mais de 50% foram proferidos por
  Jesus.

 Apresentado como Homem e como Deus.
Capítulo III
O Antigo Testamento e os
       Evangelhos
Profecias do VT cumpridas em Cristo

         Descendente de Isaque
          Descendente de Jacó
      Descenderia da Tribo de Judá
       O herdeiro do trono de Davi
        Seu lugar de nascimento
       A época de seu nascimento
        Nasceria de uma virgem
         A matança dos meninos
           A fuga para o Egito
Profecias do VT cumpridas em Cristo

                  Como profeta
        O desprezo por parte dos judeus
            Algumas características
               Sua entrada triunfal
              Traído por um amigo
      Vendido por trinta moedas de prata
O dinheiro seria devolvido para comprar o campo
                   de um oleiro
        Testemunhas falsas o acusariam
Profecias do VT cumpridas em Cristo

 Permaneceria em silêncio quando acusado
        Seria golpeado e cuspido
         Seria odiado sem motivo
      Sofreria em substituição a nós
     Seria crucificado com pecadores
  Suas mãos e pés seriam transpassados
      Seria escarnecido e insultado
        Dariam a ele fel e vinagre
Profecias do VT cumpridas em Cristo

   Ouviria palavras proféticas com zombaria
            Oraria por seus inimigos
         Seu lado seria transpassado
Os soldados lançariam sortes sobre suas roupas
       Seus ossos não seriam quebrados
         Seria sepultado com os ricos
               Sua ressurreição
                 Sua ascensão
Capítulo IV
O Evangelho Segundo Mateus
Evangelhos                      (Síntese de Mateus)

O 1º ser vivente é semelhante a um leão (rei dos animais).

O livro de Mateus é considerado o Evangelho do Rei.

Escreveu para os judeus, primeiramente escrito em hebraico ou
aramaico, por isso cita muitas vezes o Antigo Testamento.

Enfatiza os sermões de Jesus.

Tem característica profética.

Mateus [1:1] Livro da geração de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão.

  Essa declaração liga as duas mais importantes alianças do Antigo
      Testamento (Davi- soberania, trono e Abraão – promessa).
O Evangelho Segundo Mateus

Tenta mostrar uma relação nítida entre
 Cristo e as profecias do Antigo Testamento,
 visto que foi escrito para os judeus,

Jesus Cristo é apresentado como Messias, que
 seria o Rei de Israel.
Quem era Mateus
“Partindo Jesus dali, viu um homem chamado Mateus sentado na coletoria e
   disse-lhe: Segue-me! Ele se levantou e o seguiu.” (Mt 9.9).

 Mateus (significa “dom de Deus”) e tinha por nome Levi (Lc 5.27).
 Possivelmente escrito em aramaico e posteriormente foi traduzido para o
  grego com o objetivo de alcançar os judeus helenistas (At 6.1).
 Escrito entre 45-66 d.C.
 Após a ascensão de Jesus, pregou na Palestina em um intervalo de quinze
  anos, viajou a outros países e conforme a tradição morreu na Etiópia.
  Segundo John Fox ele fora assassinado com uma alabarda, na cidade de
  Nadaba, na Etiópia, em 60 d.C.
 Era um publicano (Mt 9.9; Mc 2.14; Lc 5.27) e foi chamado pelo Senhor
  para fazer parte de Seu Ministério.
O Tema do Evangelho Segundo
              Mateus
   “... E por cima da sua cabeça puseram escrita a sua acusação:
            este é Jesus, o Rei dos Judeus...” (Mt 27.37)


Escrito com o propósito de mostrar que
 Jesus era o Messias, o Rei esperado
 pelos judeus. Concluímos ser esse o
 tema.
Cristo é sempre relacionado às profecias
 do Antigo Testamento, dando mais
 autoridade ao tema proposto.
O Evangelho Segundo Mateus e o
         Antigo Testamento
  Enfatiza a expressão “...tudo isso aconteceu
  para que se cumprisse o que foi dito da parte do
  Senhor, pelo profeta...” ou seu sinônimo que
  aparece 15 vezes no evangelho:
Exemplo:
  "... E, havendo-o crucificado, repartiram as suas vestes,
lançando sortes, para que se cumprisse o que foi dito pelo
  profeta: Repartiram entre si as minhas vestes, e sobre a
       minha túnica lançaram sortes...” (Mateus 27.35).
O Evangelho Segundo Mateus e a
         Genealogia do Rei
Era de suma importância
Para alguém ser Sacerdote, teriam que
 ser da tribo de Levi,
Para ser o rei, o Messias teria que ser
 descendente de Davi,
Mateus queria provar que Jesus era o
 messias tendo por isso que descender de
 Davi, por isso inicia o livro com uma
 genealogia.
O Evangelho Segundo Mateus e a
           Genealogia do Rei
Um sacerdote precisava provar que é descendente de Arão (tribo levita);
"... Depois tu farás chegar a ti teu irmão Arão, e seus filhos com ele, do
     meio dos filhos de Israel, para me administrarem o ofício
     sacerdotal; a saber: Arão, Nadabe, e Abiú, Eleazar e Itamar, os
     filhos de Arão.E farás vestes sagradas a Arão teu irmão, para glória
     e ornamento. Falarás também a todos os que são sábios de
     coração, a quem eu tenho enchido do espírito da sabedoria, que
     façam vestes a Arão para santificá-lo; para que me administre o
     ofício sacerdotal..." (Êxodo 28.1-3)

            Um rei deveria ser descendente da tribo de Judá;
"... O cetro não se arredará de Judá, nem o legislador dentre seus pés,
     até que venha Siló; e a ele se congregarão os povos...”
     (Gênesis 49:10)
O Evangelho Segundo Mateus e as
     divisões na genealogia de Jesus
“... De sorte que todas as gerações, desde Abraão até Davi, são catorze
     gerações; e desde Davi até a deportação para a Babilônia, catorze
     gerações; e desde a deportação para a Babilônia até Cristo, catorze
     gerações...” (Mateus 1.17)

  Esta genealogia é dividida em três grandes grupos:

                      De Abraão a Davi
           Marca o surgimento de Israel como nação.

                  De Davi ao Exílio Babilônico
               Período de Sofrimento e escravidão.

             Do Exílio Babilônico a Jesus
Libertação do povo, transformação da tragédia em triunfo.
Capítulo V
O Evangelho Segundo Mateus
       (Continuação)
Nomes Atribuídos a Cristo no
       Evangelho Segundo Mateus
Cristo: “... De sorte que todas as gerações, desde Abraão
  até Davi, são catorze gerações; e desde Davi até a
  deportação para a Babilônia, catorze gerações; e desde
  a deportação para a Babilônia até Cristo, catorze
  gerações...” (Mateus 1.17)

Jesus: “... E dará à luz um filho e chamarás o seu nome
  Jesus; porque ele salvará o seu povo dos seus
  pecados...” (Mateus 1.21)

Emanuel: “... Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um
  filho, E chamá-lo-ão pelo nome de Emanuel, Que
  traduzido é: Deus conosco...” (Mateus 1.23)
João Batista, Precursor do Rei
Mateus 3
 No capítulo 3 de Mateus surge João Batista,

 Precursor do rei que fora prometido por Isaias (Is 40.3; Mt 3.3).

 Possuía unção em suas palavras, pois a Bíblia diz que ele não
  fizera nenhum sinal miraculoso (Jo 10.41),

 Uma multidão ia para ouvir suas pregações e ser batizada por ele;

 Mensagem era duríssima, clara e transparente, ao ponto de chamar
  os religiosos de raça de víboras (Mt 3.7).

 O povo estava sedento de ouvir a Palavra de Deus através de
  alguém com características proféticas, pois já havia cerca de
  quatrocentos anos que Deus não falara através de seus profetas
  (Amós 8.11).
As parábolas de Mateus
            (Mt 13.1-52).
 O que eram parábolas.
  Este termo vem do grego “Parabolé” que quer dizer por ao lado com
  sentido de comparar, com a finalidade de servir como ilustração de um
  ensino. O Senhor sempre deixou claro quando falava por parábola ele não
  quis enganar ninguém com ambigüidade falando parábolas como se
  fossem coisas reais.

 Porque o Senhor usou de parábolas.
  “Por isso, lhes falo por parábolas; porque, vendo, não vêem; e, ouvindo,
  não ouvem, nem entendem.” (Mt 13.13).

 Diferença entre as parábolas e os sermões (Mt 5-7).
   Como vimos as parábolas não eram o ensino, mas sim um recurso para o
  ensino, elas não podem ser tomadas ao pé da letra pois caso contrário o
  interprete normalmente entrará em contradição, devemos buscar sua idéia
  central,
O Reino de Deus
   se constrói
  na vivência
 comunitária!
Capítulo VI
O Evangelho Segundo Marcos
Evangelhos                   (Síntese de Marcos)

O 2º ser vivente é semelhante a um novilho, um boi (animal que serve).

O livro de Marcos é considerado o Evangelho do Servo de Deus.

Escreveu para os romanos, muitos eruditos afirmam que foi escrito em
  Roma.

Enfatiza os milagres de Jesus.

Tem característica prática

   Marcos [10:45] = Porque o Filho do homem também não veio para ser
       servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos.

 Jesus é visto como um poderoso obreiro. Apresenta mais ações que
                              palavras.
O Evangelho Segundo Marcos (Esboço)

1. Introdução ao Evangelho Segundo Marcos
2. Um breve resumo sobre o livro
3. Público alvo e data do Evangelho Segundo
   Marcos
4. Tema do Evangelho de Marcos
5. Biografia do autor no Novo Testamento
6. O Livro de Marcos
7. As parábolas em Marcos
Introdução ao Evangelho Segundo Marcos

• É resumido, não tenta relacionar tanto Cristo com o Antigo
  Testamento, pois segundo a tradição ele escrevera em Roma para
  os gentios

• Marcos não é um dos doze apóstolos, mas a maioria dos
  historiadores acredita que ele escrevera supervisionado por Pedro,
  tanto é que Justino Mártir que vivera por volta de 150 d.C cita o
  Evangelho de Marcos como “Memória de Pedro”; outro pai da
  igreja, Papias 140 d.C considera Marcos como o interprete de
  Pedro.
Um breve resumo sobre o livro

• É o menor evangelho escrito (em tamanho)
• Foi o primeiro evangelho a ser escrito
• Somente 24 vers. não estão registrados em Mateus ou Lucas
• Faz poucas menções das leis e costumes judaicos
• É considerado o mais cronológico dos Evangelhos
• Não inclui o nascimento de Jesus nem o ministério de João
  Batista
• Começando com o Batismo de João: ele acentua o poder do
  Espírito Santo, destaca os atos poderosos de Jesus, fala pouco
  sobre os discursos de Cristo, dá grande importância a
  crucificação, ressurreição e à comissão dEle aos seus
  apóstolos.
Público alvo e data do Evangelho Segundo
                     Marcos

                   Escrito aos romanos

       Escrito entre os anos de 61-67 d.C,
(antes da morte de Pedro em 67 d.C e da destruição de Jerusalém em 70 d.C.)
Tema do Evangelho de Marcos

    Jesus o Filho-Servo, Jesus veio para servir.

 “...Porque o Filho do homem também não veio para ser servido,
      mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos...”
                            (Mc 10.45)

Este versículo dá o resumo do Evangelho inteiro.
“vinda do filho do homem” – (Mc 1.1-13)
“para servir, não ser servido” – (Mc 1.14-10.52)
“dar a vida em resgate de muitos” – (Mc 11.1-16.20)
Biografia de Marcos

                          Ele é conhecido como João Marcos:
   Sendo João seu nome judaico e Marcos seu nome romano, ele era filho de Maria de Jerusalém, em sua casa
                                                     havia uma igreja
“... E, considerando ele nisto, foi à casa de Maria, mãe de João, que tinha por sobrenome Marcos, onde muitos
       estavam reunidos e oravam...” (Atos 12.12)


                                      Sobrinho de Barnabé:
“... Aristarco, que está preso comigo, vos saúda, e Marcos, o sobrinho de Barnabé, acerca do qual já recebestes
      mandamentos; se ele for ter convosco, recebei-o ...” (Cl 4.10)


                                        Discípulo de Pedro:
“...A vossa co-eleita em Babilônia vos saúda, e meu filho Marcos...” (I Pe 5.13)


                       Na 1ª viagem missionária, retrocedeu;
“... E, partindo de Pafos, Paulo e os que estavam com ele chegaram a Perge, da Panfília. Mas João, apartando-se
      deles, voltou para Jerusalém... (At 13.13)
Biografia do autor no Novo Testamento

     Na 2ª viagem missionária, apesar da indicação de Barnabé, Paulo recusou levá-lo e se apartaram desde
           então. Barnabé já havia ajudado Saulo em situação semelhante, no momento de sua conversão:
“... [15:36] E alguns dias depois, disse Paulo a Barnabé: Tornemos a visitar nossos irmãos por todas as cidades
      em que já anunciamos a palavra do Senhor, para ver como estão. [15:37] E Barnabé aconselhava que
      tomassem consigo a João, chamado Marcos. [15:38] Mas a Paulo parecia razoável que não tomassem
      consigo aquele que desde a Panfília se tinha apartado deles e não os acompanhou naquela obra. [15:39] E
      tal contenda houve entre eles, que se apartaram um do outro. Barnabé, levando consigo a Marcos,
      navegou para Chipre. [15:40] E Paulo, tendo escolhido a Silas, partiu, encomendado pelos irmãos à graça
      de Deus...” (At 15.36-40)
                    Pedro, após sua miraculosa libertação, Pedro vai a casa da mãe de Marcos;
“... [12:11] E Pedro, tornando a si, disse: Agora sei verdadeiramente que o Senhor enviou o seu anjo, e me livrou
      da mão de Herodes, e de tudo o que o povo dos judeus esperava. [12:12] E, considerando ele nisto, foi à
      casa de Maria, mãe de João, que tinha por sobrenome Marcos, onde muitos estavam reunidos e oravam.
      [12:13] E, batendo Pedro à porta do pátio, uma menina chamada Rode saiu a escutar; [12:14] E,
      conhecendo a voz de Pedro, de gozo não abriu a porta, mas, correndo para dentro, anunciou que Pedro
      estava à porta...” (At 12.11-14)
                        Paulo, no fim de sua carreira apostólica recorre a ajuda de Marcos.
“... Só Lucas está comigo. Toma Marcos, e traze-o contigo, porque me é muito útil para o ministério...” (II Tm
      4.11).
O Livro de Marcos
          É incisivo, inicia narrando fatos relacionados ao Senhor Jesus.
                 Mc 1 faz um resumo biográfico de João o Batista)

João significa: Graça ou favor de Deus       Tinha discípulos Jo 3:25


Seu nascimento foi predito Is 40:3, Mt 4:5   Precursor de Cristo Mt 3:11


Nasce em resposta a oração Lc 1:13           Batiza Jesus Mt 3:15


Seu nascimento Lc 1:57                       Seu testemunho sobre Jesus Jo 3:25-36


Circuncidado Lc 1:59                         Foi encarcerado por Herodes Mt 14:3


Cheio do Espírito Santo desde o ventre       Decapitado e sepultado Mt 14:6-12
   materno, Lc 1:15
                                             Jesus Testemunhou sobre ele Mt 11:7
As Parábolas no Evangelho Segundo
              Marcos
          Fonte: Bíblia de Estudo NVI
    A candeia debaixo da vasilha 4:21,22
O remendo de pano novo em roupa velha 2:21
     O vinho novo em odres velhos 2:22
     O semeador e os solos 4:3-8,14-20
                O joio 4:30-32
            Os lavradores 12:1-11
             A figueira 13:28,29
     A semente em crescimento 4:26-29
        Os servos vigilantes 13:35-37
Capítulo VII
O Evangelho Segundo Lucas
Evangelhos                     (Síntese de Lucas)

O 3º ser vivente tem o rosto como de um homem.

O livro de Lucas é considerado o Evangelho do Filho do Homem.

Escreveu para os gregos, foi endereçado para um amigo, grego, de
nome Teófilo (significa amado de Deus).

Enfatiza as parábolas de Jesus.

Tem característica histórica

     Lucas [6:5] = E dizia-lhes: O Filho do homem é Senhor até do sábado.

  O Homem perfeito, a ênfase está na perfeição de sua humanidade.
Introdução
Para que e para quem escreveremos, influencia nossos escritos

Lucas escreveu para um ilustre gentio grego chamado Teófilo
  (amado de Deus)

Escreveu para os gentios e quando usava termos judaicos, os
  chamados hebraísmos, os explicava com precisão
Exemplo: Na apresentação de Jesus, explica que ela era feita
  segundo a lei de Moisés e levaram o menino em Jerusalém
  (Lc 2.22-24). Para um judeus seria totalmente desnecessária
  citar esses detalhes;
Introdução
A genealogia apresentada nesse evangelho recua até Adão,
  progenitor de toda raça humana o que é significativo para os
  gentios, e não somente até Abraão (como no evangelho
  segundo Mateus) progenitor em particular dos judeus

Lucas usa palavras gentias com mestre ao invés de rabino,
  advogado ao invés de escriba.
Biografia de Lucas
Lucas é o único escritor gentio do Novo Testamento

É considerado o primeiro historiador da Igreja cristã

Escreveu esse evangelho entre os anos de 59-63 d.C.

Escreveu também o livro de Atos que (alguns
  historiadores classificam como um único livro
  chamando de Lucas-Atos)
Biografia de Lucas

A tradição diz que Lucas era de Antioquia da Síria,
  gentio, esta cidade era a base missionária de Paulo
  (At 13.1-3),

Amizade com Paulo era tão profunda, que até mesmo
 quando muitos o havia abandonado, ele permanecia
 ao lado do Apostolo. ( 2 Tm 1.15; 4.11).
O Tema e Propósito do Livro
Um objetivo ao escrever e um grupo de pessoas a
 atingir,

Apresenta Jesus como o homem perfeito, como o Filho
 do homem, enfatiza a humanidade de Jesus.

Em seus escritos vemos que Jesus cresce na graça e
 sabedoria (Lc 2.52), em demonstração a humanidade
 de Jesus ele da ênfase na operação do Espírito através
 de Jesus (Lc 3.22; 4.1,14; 5.17).
O Propósito (duplo)
“...Tendo, pois, muitos empreendido pôr em ordem a narração
   dos fatos que entre nós se cumpriram, segundo nos
   transmitiram os mesmos que os presenciaram desde o
   princípio e foram ministros da palavra, pareceu-me também a
   mim conveniente descrevê-los a ti, ó excelentíssimo Teófilo,
   por sua ordem, havendo-me já informado minuciosamente de
   tudo desde o princípio, para que conheças a certeza das
   coisas de que já estás informado...” (Lc 1.1-4)


Registrar em ordem os fatos ocorridos e
Dar a Teófilo a certeza de tudo que já havia sido dito
O Nascimento de Jesus
   “a uma virgem desposada com um varão cujo nome era José, da casa de
   Davi; e o nome da virgem era Maria.” (Lc 1.27).

Objetivava apresentar Jesus como homem
- Descreve Sua genealogia
- Narra os fatos que envolveram o nascimento de Jesus
- Se preocupa com fatos históricos (recenseamento de Cesar Augusto,
  quando Quirino era governador da Síria)
- Cita dados históricos da época de Jesus e é com base nestas informações
  que os eruditos chegam à conclusão que nosso calendário esta cerca de sete
  anos atrasado.
- Registra o nascimento virginal do Senhor
Jesus foi apresentado no
                templo
  (Lc 2.22-24)
- A apresentação de Jesus foi o cumprimento de um
  costume judaico e não é uma ordenança aos cristãos,
  a apresentação de crianças é um costume judaico
  praticado pelas igrejas cristãs evangélicas; é pecado?
  Não!
- A apresentação de infantes não substitui o batismo
  quando adulto, foi adaptada no cristianismo, visto que
  os judeus só apresentavam os primeiro filho, macho,
  (Ex 22.29; 34.20).
A Infância de Jesus
“...E o menino crescia e se fortalecia em espírito, cheio de sabedoria; e a
    graça de Deus estava sobre ele. E, tendo ele já doze anos, subiram a
    Jerusalém, segundo o costume do dia da festa...” (Lc 2.40,42).

-   Poucos relatos, sua circuncisão, sua apresentação e aos doze anos no
    Templo (Lc 2.21,22,42).
-   Eram rituais comuns para um judeu
-   O Senhor Jesus em toda sua juventude deve ter ajudado seu pai na
    carpintaria, pois como filho de Deus ele teria que ser um exemplo e esperar
    o momento certo para que iniciasse a obra de Deus (Jo 2.4).
-   Após estes relatos da infância e adolescência de Jesus ele aparece agora
    com quase trinta anos para ser batizado por João Batista e iniciar seu
    ministério (Lc 3.23).

Bíblia de Estudo Genebra, pág. 1185, Editora Cultura Cristã, São Paulo, 1999.
A tentação do Senhor Jesus
(Lc 4)
Se foi tentado então é porque Jesus poderia pecar?

Jesus, semelhante a nós e em tudo foi tentado (Hb 4.15).

“...porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu,
   pode socorrer aos que são tentados...”
A tentação do Senhor Jesus
As artimanhas do tentador.

  “Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência
  da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da
  vida, não é do Pai, mas do mundo.” (1 Jo 2.16).

• Nada novo debaixo do céu
• Assim como no 1º Adão, tentou o 2º Adão (Jesus)
• Jesus venceu pela Palavra de Deus
As Parábolas no Evangelho de
                 Lucas
•   Pano novo em vestido velho - 5.36             •   O fermento - 13.20-21
•   Vinho novo em odres novos - 5.37-38           •   O último lugar na festa - 14.7-14
•   Construtores prudentes e insensatos - 6.47-   •   A grande ceia - 14.16-24
    49                                            •   O preço do discipulado - 14.28-33
•   O credor - 7.41-43                            •   A ovelha perdida - 15.4-7
•   O Semeador - 8.5-8, 11-15                     •   A dracma perdida - 15.8-10
•   A lâmpada debaixo do alqueire -               •   O filho pródigo - 15.11-32
    8.16;11.33                                    •   O mordomo infiel - 16.1-8
•   O Bom Samaritano - 10.30-37                   •   O rico e Lázaro - 16.19-31
•   O Amigo necessitado - 11.5-8                  •   O Senhor e o servo - 17.7-10
•   O rico insensato - 12.16-21                   •   A viúva persistente - 18.2-8
•   Servos vigilantes - 12.36-40                  •   O fariseu e o publicano - 18.9-14
•   O servo fiel e prudente - 12.42-48            •   Os talentos - 19.12-27
•   A figueira infrutífera - 13.6-9               •   Os lavradores maus - 20.9-18
•   O grão de mostarda - 13.18-19                 •   A figueira - 21.29-31
Capítulo VII
O Evangelho Segundo João
Evangelhos                      (Síntese de João)

O 4º ser vivente é semelhante à águia quando voa (animal dos ares).
O livro de João é considerado o Evangelho do Filho de Deus.
Escreveu para a igreja, de Éfeso a fim de combater os erros do
gnosticismo, quanto à divindade de Cristo.
Enfatiza a divindade de Jesus.
Tem característica espiritual

  João [20:30] Jesus, pois, operou também em presença de seus discípulos
     muitos outros sinais, que não estão escritos neste livro. [20:31] Estes,
     porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de
             Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome.

Somente João fala do 1º ano de ministério (Cap.2 e 4), relata os grandes
  ensinos (novo nascimento, água viva, pão da vida, bom pastor, luz do
  mundo...) e revela o propósito de Cristo na última ceia (Cap. 13 a 16).
Introdução ao Evangelho Segundo João
João escreveu seu Evangelho com o propósito apresentar a divindade
   de Cristo, enquanto os sinópticos mostram Jesus como: o Messias, o
   Servo, o Humano

Fatos são peculiares que só João relata em seu evangelho:
O primeiro ano do ministério de Jesus (Jo 2-4)
Os grandes discursos de Jesus sobre o novo nascimento , a água viva, o
   pão da vida, o bom pastor a luz do mundo, e também a exposição do
   propósito de Cristo na última Ceia (Jo 13-16)
Seis dos oito milagres narrados no evangelho de João só aparecem aqui
   (2 estão nos sinópticos)
Uma comparação entre os sinópticos e o
         Evangelho de João
     Sinópticos         João
   Falam em especial com                 Fala aos crentes
          descrentes

Ministério de Jesus na Galiléia   Ministério de Jesus na Judéia

  Mostram a vida pública de       Mostra mais a vida particular e
             Jesus                        privada de Jesus

Transmitem a vida humana e          Transmite a vida divina de
      perfeita de Jesus                        Jesus.
Autor do Evangelho de João

É conhecido como o evangelista
Filho de Zebedeu e irmão de Tiago (Mc 1.19)
Pescador e cresceu na cidade de Betsaida, perto da
  Galiléia. Seu pai possuía um barco no qual ele
  trabalhava juntamente com seu irmão Tiago onde
  estavam quando foram chamados para serem
  discípulos de Jesus (Mt 4.18-22).
Conhecia o sumo sacerdote de Jerusalém (Jo 18.15)
Autor do Evangelho de João
Foi um dos doze discípulos escolhidos por Jesus que
  posteriormente foram chamados de apóstolos ( Mt 10.2-4)

Mencionado no Evangelho de João como “o discípulo a quem
 Jesus amava” (Jo 13.23)

É mencionado freqüentemente ao lado de seu irmão Tiago e de
  Pedro. Os três já se conheciam antes de se tornarem
  discípulos de Jesus pois eram amigos de profissão
  ( Lc 5.10)
Autor do Evangelho de João
Provavelmente era filho de Salomé, a qual se uniu a outras mulheres
   para levar ungüento ao túmulo de Cristo depois da crucificação
   (Mc 16.1; Mt 27.56)

Foi apelidado juntamente com Tiago de “ Boanerges” que quer dizer
   filhos do trovão (Mc 3.17)

Fazia parte do circulo mais íntimo dos discípulos que acompanhavam
   Jesus e na crucificação Jesus se dirigiu a ele ao dizer sobre Maria
   “eis a tua mãe” e a Bíblia diz que dessa hora em diante o discípulo
   recebeu Maria em sua casa (Jo 19.27)

Foi o único que não abandonou o Senhor diante de sua crucificação
   (Mc 14.50), acompanhou a agonia do mestre como testemunha
   ocular dos fatos
Tema e Data do Evangelho de João

Tema:
   “...o Verbo Divino e Eterno Se Fez Carne, a Fim de
             Trazer Salvação aos Homens...”
Data:
          Escrito entre os anos de 80 e 95 d.C.
 Pedro e Paulo já haviam morrido pelos idos de 67,68
    d.C, as Epístolas já estavam escritas, Jerusalém já
   havia sido destruída em 70 d.C pelos romanos e os
   outros sinópticos já haviam sido escritos à décadas.
Passagens imprescindíveis
            do Evangelho de João
1.1- No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com
  Deus, e o Verbo era Deus.
1.14 - E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e
  vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai,
  cheio de graça e de verdade.
1.12 - Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o
  poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem
  no seu nome;
1.29 - No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para
  ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado
  do mundo.
Passagens imprescindíveis
            do Evangelho de João
3.3 - Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na
  verdade te digo que aquele que não nascer de novo,
  não pode ver o reino de Deus.
3.16 - Porque Deus amou o mundo de tal maneira que
  deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que
  nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
3.30 - É necessário que ele cresça e que eu diminua.
4.26 - Jesus disse-lhe: Eu o sou, eu que falo contigo.
6.48 - Eu sou o pão da vida.
Passagens imprescindíveis
          do Evangelho de João
7.37 - E no último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs-
  se em pé, e clamou, dizendo: Se alguém tem sede,
  venha a mim, e beba. 7.38 Quem crê em mim, como
  diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu
  ventre.

8.24 - Por isso vos disse que morrereis em vossos
  pecados, porque se não crerdes que eu sou, morrereis
  em vossos pecados.
Passagens imprescindíveis
           do Evangelho de João
8.7 - E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e
   disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja
   o primeiro que atire pedra contra ela.
8.10 - E, endireitando-se Jesus, e não vendo ninguém mais
   do que a mulher, disse-lhe: Mulher, onde estão aqueles
   teus acusadores? Ninguém te condenou? 8.11 - E ela
   disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu
   também te condeno; vai-te, e não peques mais. 8.12 -
   Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do
   mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a
   luz da vida.
Passagens imprescindíveis
          do Evangelho de João
8.32 - E conhecereis a verdade, e a verdade vos
  libertará.
8.36 - Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente
  sereis livres.
8.58 - Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos
  digo que antes que Abraão existisse, eu sou.
10.7 - Tornou, pois, Jesus a dizer-lhes: Em verdade, em
  verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas.
Passagens imprescindíveis
           do Evangelho de João
10.9 - Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á,
   e entrará, e sairá, e achará pastagens. 10.10 - O ladrão não
   vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que
   tenham vida, e a tenham com abundância. 10.11 - Eu sou
   o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas.
10.14 - Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e
   das minhas sou conhecido.
10.30 - Eu e o Pai somos um.
 11.25 - Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida;
   quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá;
11.35 - Jesus chorou.
O Conteúdo do livro

O Verbo de Deus encarnado.
  “...E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos
  a sua glória, como a glória do Unigênito do Pai,
  cheio de graça e de verdade...”

João chama Cristo de o Verbo de Deus e para seus
  primeiros ouvintes o significado era especial, a Igreja
  estava sendo atacada por um pensamento filosófico
  que havia entrado em seu seio e tomado roupagens
  cristãs, isto é o gnosticismo.
O que pensavam os gnósticos

O gnosticismo quer dizer “conhecimento”
Pregavam um conhecimento especial de um ser
  espiritual, toda matéria era má, o Deus do Antigo
  Testamento era mal visto que criou o mundo material,
  uma prisão da almas
Jesus não veio para representar este Deus, mas outro
  que criou a verdadeira realidade, o mundo espiritual
Jesus não veio em carne e osso, era como se fosse um
  fantasma, esta doutrina passou a ser chamada de
  docetismo
O que pensavam os gnósticos
João escreve que o Verbo se fez carne, ele era de carne, ele
   habitou em nosso meio escreveu ainda:
Jesus foi visto com os olhos e apalpado com as mãos (1 Jo 1.1)
Só é de Deus o espírito que confessa que Jesus veio em carne
  (1 Jo 4.2)
Muitos enganadores tem surgido no mundo e tais enganadores
 dizem que Jesus não veio em carne (2 Jo 7)
Ao apresentar a Divindade de Jesus tinha o cuidado para que esta
  não ofuscar sua humanidade e isto servisse ainda mais aos
  gnósticos que estavam a invadir a igreja primitiva.
Jesus e a samaritana a quebra de
          paradigmas (João 4)
O Senhor Jesus quebrou paradigmas (Modelos)
1º Diálogo com uma mulher
(Preconceito Social)
2º Contato com uma Samaritana
(Preconceito Religioso)
3º Pediu que chamasse o marido
(Preconceito Moral)
A Entrada triunfal de Jesus
             em Jerusalém
 “...No dia seguinte, ouvindo uma grande multidão que
   viera à festa que Jesus vinha a Jerusalém, tomaram
     ramos de palmeiras, e saíram-lhe ao encontro, e
clamavam: Hosana! Bendito o Rei de Israel que vem em
     nome do Senhor! E achou Jesus um jumentinho e
 assentou-se sobre ele, como está escrito: Não temas, ó
  filha de Sião; eis que o teu Rei vem assentado sobre o
  filho de uma jumenta, Os seus discípulos, porém, não
   entenderam isto no princípio; mas, quando Jesus foi
glorificado, então se lembraram de que isto estava escrito
      dele, e que isto lhe fizeram.....” (Jo 12.12-16).
A Entrada triunfal de Jesus em Jerusalém

   Jesus entra em Jerusalém, Aclamado com filho de Davi e profeta.
   Era o Ápice da expectativa de um Cristo político.
   Foi recebido como um rei, não como O REI.
   Nem os discípulos entendiam perfeitamente o plano e papel de Jesus.
   O erro foi tentar adaptar o plano de Deus a própria vontade, esperavam o
    Messias político e aclamaram a Cristo como tal e após a sua morte eles
    ainda estavam esperado a redenção política de Israel (Lc 24.21; At 1.6).
E nós esperávamos que fosse ele o que remisse Israel; mas
   agora, sobre tudo isso, é já hoje o terceiro dia desde que essas
   coisas aconteceram. (Lc 24.21)
Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntaram-lhe, dizendo:
   Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel? (At 1.6)
Jesus o exemplo de renúncia
               (João 13.1-17)
  “Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos
          fiz, façais vós também.” (Jo 13.15).

A vida Cristã é uma vida de renúncia, a saber só começa
  quando você morre.

Ao lavar os pés dos discípulos, (enquanto uns estavam
 preocupados se um dia se assentariam a sua direita ou
 a sua esquerda do mestre), Jesus se põe como servo;
Os milagres de Jesus
               no Evangelho de João
•   Água transformada em vinho             2.1-11
•   A cura do filho de um oficial do rei   4.46-54
•   O paralítico do tanque de Betesda      5.1-9
•   1ª multiplicação dos pães e peixes     6.1-13
•   Andando sobre o mar                    6.16-21
•   O cego de nascença                     9.1-41
•   Ressurreição de Lázaro                 11.1-45
•   Outra pesca maravilhosa                21.1-14
Os últimos momentos de Cristo

  “Mas Jesus disse a Pedro: Mete a tua espada na bainha;
  não beberei eu o cálice que o Pai me deu?” (Jo 18.11)
Uma grande evidência que o Senhor se entregou para ser
 morto por nossos pecados, tinha poder para dar a sua vida
 e tomá-la de volta, e se ele não quisesse ninguém poderia
 tê-lo feito morrer (Jo 10.17,18);
No momento em que o prendem, pois ao responder “Sou
  eu” todos caem por terra (Jo 18.6).
Cristo sofreu por amor e não por obrigação.
O julgamento de Jesus


“Disse-lhes, pois, Pilatos: Levai-o vós e julgai-o segundo a
 vossa lei. Disseram-lhe, então, os judeus: A nós não nos é
          lícito matar pessoa alguma.” (Jo 18.31).
Cristo condenado a morte de Cruz
          (Jo 19.14-16)
“e, achado na forma de homem, humilhou-se a si
  mesmo, sendo obediente até à morte e morte de
                 cruz.” (Fp 2.8).

a morte em uma cruz era tão humilhante que um
  cidadão romano nunca poderia ser crucificado.
Cristo condenado a morte de Cruz
                 (Jo 19.14-16)
a Bíblia de Estudo Pentecostal da sobre esta morte:
   “No açoitamento romano a vítima era despida e presa a uma coluna, ou então
   curvava-se sobre um tronco com as mãos atadas nele. O instrumento de tortura
   consistia num curto cabo de madeira no qual estava presa vária tiras de couro com
   pequenos pedaços de ferro, ou osso, presos as pontas. Os golpes eram aplicados às
   costas da vítima por dois algozes, um a cada lado. Os cortes eram tão profundos
   que apareciam as veias , as artérias, e às vezes, até certos órgãos internos. Muitas
   vezes a vítima morria durante o acoitamento ou flagelação. A flagelação era uma
   tortura pavorosa. O fato de Jesus não poder levar a cruz deve ter sido por causa do
   seu horrível sofrimento resultante de seu castigo”
Além do sofrimento emocional o sacrifício de Cristo tinha um peso enorme para a
   satisfação da justiça divina, pois ele pagou o preço dos pecados da humanidade no
   passado, em seu presente e ainda teve que deixar créditos para o futuro que
   seríamos nos que hoje aceitamos a Cristo.
Bíblia de Estudo Pentecostal, p. 1448, CPAD, Rio de Janeiro, 1998.
A Ressurreição de Jesus

“E, no primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao sepulcro
    de madrugada, sendo ainda escuro, e viu a pedra tirada do
                       sepulcro.” (Jo 20.1).


A doutrina da ressurreição é fundamental para o
  cristianismo,

Repare o que diz Paulo sobre isso:
1 Coríntios 15

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
 
Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
 
estudo do evangelho de Mateus
estudo do evangelho de Mateusestudo do evangelho de Mateus
estudo do evangelho de Mateus
 
Os Quatro Evangelhos
Os Quatro EvangelhosOs Quatro Evangelhos
Os Quatro Evangelhos
 
Panorama do NT - Marcos
Panorama do NT - MarcosPanorama do NT - Marcos
Panorama do NT - Marcos
 
5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas
 
O que e Igreja
O que e IgrejaO que e Igreja
O que e Igreja
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
 
Lição 1 - Carta aos Efésios - Aula em Power Point
Lição 1 - Carta aos Efésios - Aula em Power Point Lição 1 - Carta aos Efésios - Aula em Power Point
Lição 1 - Carta aos Efésios - Aula em Power Point
 
O pentateuco
O pentateucoO pentateuco
O pentateuco
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
 
Cristologia aula01
Cristologia aula01Cristologia aula01
Cristologia aula01
 
Atos
AtosAtos
Atos
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
 
Panorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - HebreusPanorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - Hebreus
 
Estudo sobre o livro de Atos dos apóstolos
Estudo sobre o livro de Atos dos apóstolosEstudo sobre o livro de Atos dos apóstolos
Estudo sobre o livro de Atos dos apóstolos
 
Aula 4 cristologia
Aula 4   cristologiaAula 4   cristologia
Aula 4 cristologia
 
Conhecendo as escrituras slide share
Conhecendo as escrituras   slide shareConhecendo as escrituras   slide share
Conhecendo as escrituras slide share
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
 

Destaque

8° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 8
8° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 88° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 8
8° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 8Jefferson Evangelista
 
Introdução ao estudo do evangelho
Introdução ao estudo do evangelhoIntrodução ao estudo do evangelho
Introdução ao estudo do evangelhoCláudio Fajardo
 
O Evangelho por José Damasceno Sobral Vol 1
O Evangelho por José Damasceno Sobral  Vol 1O Evangelho por José Damasceno Sobral  Vol 1
O Evangelho por José Damasceno Sobral Vol 1Cláudio Fajardo
 
Os evangelhos em ordem cronologica
Os evangelhos em ordem cronologicaOs evangelhos em ordem cronologica
Os evangelhos em ordem cronologicaMarcel Lagos
 
Evangelhos sinóticos aula1
Evangelhos sinóticos aula1Evangelhos sinóticos aula1
Evangelhos sinóticos aula1Moisés Sampaio
 
Omega 3 - Haya Labs - Analytical Report
Omega 3 - Haya Labs - Analytical ReportOmega 3 - Haya Labs - Analytical Report
Omega 3 - Haya Labs - Analytical ReportHaya Labs
 
Campanha da Fraternidade 2011
Campanha da Fraternidade 2011Campanha da Fraternidade 2011
Campanha da Fraternidade 2011marquione ban
 
CalendáRio Da Pj do Regional Ariquemes
CalendáRio Da Pj do Regional AriquemesCalendáRio Da Pj do Regional Ariquemes
CalendáRio Da Pj do Regional AriquemesPastoral da Juventude
 
Campanha da Fraternidade 2014 - estudo online
Campanha da Fraternidade 2014 - estudo onlineCampanha da Fraternidade 2014 - estudo online
Campanha da Fraternidade 2014 - estudo onlinemarquione ban
 
PNT 009 - Introdução ao Evangelho de Mateus
PNT 009 - Introdução ao Evangelho de MateusPNT 009 - Introdução ao Evangelho de Mateus
PNT 009 - Introdução ao Evangelho de MateusRicardo Inacio Dondoni
 
107 estudo panoramico-da_biblia-introducao_ao_novo_testamento-parte_2
107 estudo panoramico-da_biblia-introducao_ao_novo_testamento-parte_2107 estudo panoramico-da_biblia-introducao_ao_novo_testamento-parte_2
107 estudo panoramico-da_biblia-introducao_ao_novo_testamento-parte_2Robson Tavares Fernandes
 
Campanha da Fraternidade 2013 - breve estudo
Campanha da Fraternidade 2013 - breve estudo Campanha da Fraternidade 2013 - breve estudo
Campanha da Fraternidade 2013 - breve estudo marquione ban
 

Destaque (20)

8° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 8
8° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 88° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 8
8° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 8
 
Introdução ao estudo do evangelho
Introdução ao estudo do evangelhoIntrodução ao estudo do evangelho
Introdução ao estudo do evangelho
 
O Evangelho por José Damasceno Sobral Vol 1
O Evangelho por José Damasceno Sobral  Vol 1O Evangelho por José Damasceno Sobral  Vol 1
O Evangelho por José Damasceno Sobral Vol 1
 
Os evangelhos em ordem cronologica
Os evangelhos em ordem cronologicaOs evangelhos em ordem cronologica
Os evangelhos em ordem cronologica
 
Evangelhos sinóticos aula1
Evangelhos sinóticos aula1Evangelhos sinóticos aula1
Evangelhos sinóticos aula1
 
Omega 3 - Haya Labs - Analytical Report
Omega 3 - Haya Labs - Analytical ReportOmega 3 - Haya Labs - Analytical Report
Omega 3 - Haya Labs - Analytical Report
 
Bi de jesus cristo
Bi de jesus cristoBi de jesus cristo
Bi de jesus cristo
 
Campanha da Fraternidade 2011
Campanha da Fraternidade 2011Campanha da Fraternidade 2011
Campanha da Fraternidade 2011
 
Obesidade digital
Obesidade digitalObesidade digital
Obesidade digital
 
Memes O Anunciador
Memes O AnunciadorMemes O Anunciador
Memes O Anunciador
 
Compromissos Da Pj 2009
Compromissos Da Pj   2009Compromissos Da Pj   2009
Compromissos Da Pj 2009
 
CalendáRio Da Pj do Regional Ariquemes
CalendáRio Da Pj do Regional AriquemesCalendáRio Da Pj do Regional Ariquemes
CalendáRio Da Pj do Regional Ariquemes
 
Marketing pastoral
Marketing pastoralMarketing pastoral
Marketing pastoral
 
Campanha da Fraternidade 2014 - estudo online
Campanha da Fraternidade 2014 - estudo onlineCampanha da Fraternidade 2014 - estudo online
Campanha da Fraternidade 2014 - estudo online
 
PNT 009 - Introdução ao Evangelho de Mateus
PNT 009 - Introdução ao Evangelho de MateusPNT 009 - Introdução ao Evangelho de Mateus
PNT 009 - Introdução ao Evangelho de Mateus
 
107 estudo panoramico-da_biblia-introducao_ao_novo_testamento-parte_2
107 estudo panoramico-da_biblia-introducao_ao_novo_testamento-parte_2107 estudo panoramico-da_biblia-introducao_ao_novo_testamento-parte_2
107 estudo panoramico-da_biblia-introducao_ao_novo_testamento-parte_2
 
Roteiro Grupo 06
Roteiro Grupo 06Roteiro Grupo 06
Roteiro Grupo 06
 
Roteiro Grupo 02
Roteiro Grupo 02Roteiro Grupo 02
Roteiro Grupo 02
 
Roteiro Grupo 04
Roteiro Grupo 04Roteiro Grupo 04
Roteiro Grupo 04
 
Campanha da Fraternidade 2013 - breve estudo
Campanha da Fraternidade 2013 - breve estudo Campanha da Fraternidade 2013 - breve estudo
Campanha da Fraternidade 2013 - breve estudo
 

Semelhante a Estudo sobre os evangelhos

Semelhante a Estudo sobre os evangelhos (20)

Subsidios ao professor
Subsidios ao professorSubsidios ao professor
Subsidios ao professor
 
Síntese do novo testamento I
Síntese do novo testamento ISíntese do novo testamento I
Síntese do novo testamento I
 
Panorama do nt 1
Panorama do nt 1Panorama do nt 1
Panorama do nt 1
 
27 marcos
27 marcos27 marcos
27 marcos
 
Aula 6 - Lucas
Aula 6 - LucasAula 6 - Lucas
Aula 6 - Lucas
 
O evangelho segundo Lucas - Lição 01
O evangelho segundo Lucas - Lição 01O evangelho segundo Lucas - Lição 01
O evangelho segundo Lucas - Lição 01
 
8.-ALTIEREZ-DOS-SANTOS-CISE-OS-EVANGELHOS-PARTE-I.pdf
8.-ALTIEREZ-DOS-SANTOS-CISE-OS-EVANGELHOS-PARTE-I.pdf8.-ALTIEREZ-DOS-SANTOS-CISE-OS-EVANGELHOS-PARTE-I.pdf
8.-ALTIEREZ-DOS-SANTOS-CISE-OS-EVANGELHOS-PARTE-I.pdf
 
Marcos pastor gustavo
Marcos  pastor gustavoMarcos  pastor gustavo
Marcos pastor gustavo
 
Introduçã..
Introduçã..Introduçã..
Introduçã..
 
LIÇÃO 01 - O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS
LIÇÃO 01 - O EVANGELHO SEGUNDO LUCASLIÇÃO 01 - O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS
LIÇÃO 01 - O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS
 
4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos
 
O Novo Testamento I
O Novo Testamento IO Novo Testamento I
O Novo Testamento I
 
Bibliologia pr. jonas freitas de jesus
Bibliologia   pr. jonas freitas de jesusBibliologia   pr. jonas freitas de jesus
Bibliologia pr. jonas freitas de jesus
 
Apostilavidanova
ApostilavidanovaApostilavidanova
Apostilavidanova
 
PPT TBNT REVISÃO EVANGELHOS (1).pptx
PPT TBNT REVISÃO EVANGELHOS (1).pptxPPT TBNT REVISÃO EVANGELHOS (1).pptx
PPT TBNT REVISÃO EVANGELHOS (1).pptx
 
(26) Os Evangelhos.pdf
(26) Os Evangelhos.pdf(26) Os Evangelhos.pdf
(26) Os Evangelhos.pdf
 
aula_1_evangelhos.pptx
aula_1_evangelhos.pptxaula_1_evangelhos.pptx
aula_1_evangelhos.pptx
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
O Evangelho Segundo Lucas
O Evangelho Segundo LucasO Evangelho Segundo Lucas
O Evangelho Segundo Lucas
 
Lição 01
Lição 01Lição 01
Lição 01
 

Mais de marquione ban

Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas marquione ban
 
A caminho da campanha da fraternidade 2013
A caminho da campanha da fraternidade 2013A caminho da campanha da fraternidade 2013
A caminho da campanha da fraternidade 2013marquione ban
 
Informativo de Novembro da paróquia Sagrada Família
Informativo de Novembro da paróquia Sagrada FamíliaInformativo de Novembro da paróquia Sagrada Família
Informativo de Novembro da paróquia Sagrada Famíliamarquione ban
 
Informativo Paroquial da Paróquia Sagrada Família - Ipatinga/MG
Informativo Paroquial da Paróquia Sagrada Família - Ipatinga/MGInformativo Paroquial da Paróquia Sagrada Família - Ipatinga/MG
Informativo Paroquial da Paróquia Sagrada Família - Ipatinga/MGmarquione ban
 
Estudo sobre Maria, mãe de Deus e nossa.
Estudo sobre Maria, mãe de Deus e nossa. Estudo sobre Maria, mãe de Deus e nossa.
Estudo sobre Maria, mãe de Deus e nossa. marquione ban
 
Informativo Paroquial Sagrada Família
Informativo Paroquial Sagrada FamíliaInformativo Paroquial Sagrada Família
Informativo Paroquial Sagrada Famíliamarquione ban
 
Os mandamentos da Igreja
Os mandamentos da IgrejaOs mandamentos da Igreja
Os mandamentos da Igrejamarquione ban
 
Jornal online março 2012
Jornal online março 2012Jornal online março 2012
Jornal online março 2012marquione ban
 
Mapa dos países que mais perseguem cristãos no mundo
Mapa dos países que mais perseguem cristãos no mundoMapa dos países que mais perseguem cristãos no mundo
Mapa dos países que mais perseguem cristãos no mundomarquione ban
 
Histórico da Campanha da Fraternidade
Histórico da Campanha da FraternidadeHistórico da Campanha da Fraternidade
Histórico da Campanha da Fraternidademarquione ban
 
Campanha da fraternidade parte 3
Campanha da fraternidade parte 3Campanha da fraternidade parte 3
Campanha da fraternidade parte 3marquione ban
 
Campanha da fraternidade parte 2
Campanha da fraternidade parte 2Campanha da fraternidade parte 2
Campanha da fraternidade parte 2marquione ban
 
Campanha da fraternidade parte 1
Campanha da fraternidade parte 1Campanha da fraternidade parte 1
Campanha da fraternidade parte 1marquione ban
 
Campanha da fraternidade apresentação
Campanha da fraternidade apresentaçãoCampanha da fraternidade apresentação
Campanha da fraternidade apresentaçãomarquione ban
 
2011 Mapa da Violência - Jovens do Brasil/sumário executivo
2011 Mapa da Violência - Jovens do Brasil/sumário executivo2011 Mapa da Violência - Jovens do Brasil/sumário executivo
2011 Mapa da Violência - Jovens do Brasil/sumário executivomarquione ban
 

Mais de marquione ban (20)

Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas
 
A caminho da campanha da fraternidade 2013
A caminho da campanha da fraternidade 2013A caminho da campanha da fraternidade 2013
A caminho da campanha da fraternidade 2013
 
Informativo de Novembro da paróquia Sagrada Família
Informativo de Novembro da paróquia Sagrada FamíliaInformativo de Novembro da paróquia Sagrada Família
Informativo de Novembro da paróquia Sagrada Família
 
Informativo Paroquial da Paróquia Sagrada Família - Ipatinga/MG
Informativo Paroquial da Paróquia Sagrada Família - Ipatinga/MGInformativo Paroquial da Paróquia Sagrada Família - Ipatinga/MG
Informativo Paroquial da Paróquia Sagrada Família - Ipatinga/MG
 
Estudo sobre Maria, mãe de Deus e nossa.
Estudo sobre Maria, mãe de Deus e nossa. Estudo sobre Maria, mãe de Deus e nossa.
Estudo sobre Maria, mãe de Deus e nossa.
 
Informativo Paroquial Sagrada Família
Informativo Paroquial Sagrada FamíliaInformativo Paroquial Sagrada Família
Informativo Paroquial Sagrada Família
 
Os mandamentos da Igreja
Os mandamentos da IgrejaOs mandamentos da Igreja
Os mandamentos da Igreja
 
Estudo sobre Maria
Estudo sobre MariaEstudo sobre Maria
Estudo sobre Maria
 
Jornal online março 2012
Jornal online março 2012Jornal online março 2012
Jornal online março 2012
 
Mapa dos países que mais perseguem cristãos no mundo
Mapa dos países que mais perseguem cristãos no mundoMapa dos países que mais perseguem cristãos no mundo
Mapa dos países que mais perseguem cristãos no mundo
 
Histórico da Campanha da Fraternidade
Histórico da Campanha da FraternidadeHistórico da Campanha da Fraternidade
Histórico da Campanha da Fraternidade
 
Campanha da fraternidade parte 3
Campanha da fraternidade parte 3Campanha da fraternidade parte 3
Campanha da fraternidade parte 3
 
Campanha da fraternidade parte 2
Campanha da fraternidade parte 2Campanha da fraternidade parte 2
Campanha da fraternidade parte 2
 
Campanha da fraternidade parte 1
Campanha da fraternidade parte 1Campanha da fraternidade parte 1
Campanha da fraternidade parte 1
 
Campanha da fraternidade apresentação
Campanha da fraternidade apresentaçãoCampanha da fraternidade apresentação
Campanha da fraternidade apresentação
 
2011mapa violência
2011mapa violência2011mapa violência
2011mapa violência
 
2011 Mapa da Violência - Jovens do Brasil/sumário executivo
2011 Mapa da Violência - Jovens do Brasil/sumário executivo2011 Mapa da Violência - Jovens do Brasil/sumário executivo
2011 Mapa da Violência - Jovens do Brasil/sumário executivo
 
Oanunciador
OanunciadorOanunciador
Oanunciador
 
O Anunciador
O AnunciadorO Anunciador
O Anunciador
 
O Anunciador
O AnunciadorO Anunciador
O Anunciador
 

Último

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoRicardo Azevedo
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalAmaroJunior21
 
CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptx
CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptxCURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptx
CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptxWerquesonSouza
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024RaniereSilva14
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresAntonino Silva
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EMicheleRosa39
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...silvana30986
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxCelso Napoleon
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 

Último (10)

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
 
CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptx
CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptxCURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptx
CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptx
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 

Estudo sobre os evangelhos

  • 3. Evangelhos Definição: • A palavra Evangelho deriva do grego, é formada pela união de dois termos: “ευ” – eu – que quer dizer “boa” “αγγελια” – anguelia – que significa “mensagem”, “nova”, “notícia”. • Podemos definir a palavra Evangelho como as Boas Novas, Boas Notícias.
  • 4. Evangelhos (Como se estuda ?) • A Bíblia pode ser estudada de duas formas: Sistemática e Cronológica. • Sistemática: As doutrinas bíblicas, são colocadas em um sistema ordenado, catalogadas de forma coerente para que possam ser melhores compreendidas. • Cronológica: Os acontecimentos são apresentados na ordem em que aconteceram de fato.
  • 5. Evangelhos (Sinópticos)  O termo sinóptico é derivado do grego e quer dizer “visão conjunta”. Ele é atribuído ao conjunto dos três primeiros Evangelhos: Mateus, Marcos e Lucas, justamente porque nestes livros há uma semelhança, ou uma visão conjunta sobre os fatos históricos.  O Evangelho Segundo João não é incluso no sinóptico, apesar de ser considerado um Evangelho, porque sua abordagem é do ponto de vista divino de Jesus. João dá mais ênfase ao Jesus divino que ao Jesus histórico, como o fazem os sinópticos.  Sinóptico é um termo teológico, você não o encontrará na Bíblia.  Por se tratar de registro dos mesmos episódios, devemos buscar as informações contidas nos três registros, assim teremos uma visão ampla da situação de acordo com todos os pontos de vista.
  • 6. Evangelhos (Correlação) A CORRELAÇÃO entre os Evangelhos acontece quanto se visualiza todos os dados disponíveis de uma só vez, construindo assim um quadro completo do que aconteceu. Exemplo: A mulher citada em Mateus 26.7 é Maria, irmã de Lázaro, se olharmos também para João 12.3;
  • 7. Evangelhos (Comparação) O Evangelho As Epístolas 1º - Escritos para toda a 1º - Escritas para igrejas e humanidade, indivíduos, 2º - Anuncia as Boas Novas 2º - Apresentam soluções de Cristo Jesus, de problemas, ou respostas à dúvidas doutrinárias das primeiras comunidades cristãs, 3º - Seu teor é mais 3º - Seu teor é mais histórico que doutrinador. doutrinador que histórico.
  • 8. Evangelhos (Jesus Cristo)  Os evangelhos foram escritos pelos discípulos do Senhor Jesus.  Os nomes dos Evangelhos estão relacionados aos nomes dos escritores que os escreveram.  Apenas dois, dentre os quatro escritores dos Evangelhos, tiveram contato direto com o Senhor Jesus. Mateus (Mt 9.9) e João (Jo 21.20-25). Lucas (Cl 4.14). Aparece depois, junto ao Apóstolo Paulo numa viagem missionária. Marcos (Mc 14.50-52). Há quem acredite que ele seria aquele moço que correra nu na noite que o Senhor fora traído (Mc 14.50-52). Os escritos de Lucas e Marcos não perdem sua credibilidade, inclusive desde muito cedo, foram aceitos pela igreja primitiva como inspirados pelo Espírito Santo (II Tm 3.16,17).
  • 9. Evangelhos (Visão de Ezequiel) Esta síntese é relacionada à visão dos rostos descrita por Ezequiel (Ezequiel 1.10)
  • 10. Evangelhos (Síntese de Mateus) O 1º ser vivente é semelhante a um leão (rei dos animais). O livro de Mateus é considerado o Evangelho do Rei. Escreveu para os judeus, primeiramente escrito em hebraico ou aramaico, por isso cita muitas vezes o Antigo Testamento. Enfatiza os sermões de Jesus. Tem característica profética. Mateus [1:1] Livro da geração de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. Essa declaração liga as duas mais importantes alianças do Antigo Testamento (Davi- soberania, trono e Abraão – promessa).
  • 11. Evangelhos (Síntese de Marcos) O 2º ser vivente é semelhante a um novilho, um boi (animal que serve). O livro de Marcos é considerado o Evangelho do Servo de Deus. Escreveu para os romanos, muitos eruditos afirmam que foi escrito em Roma. Enfatiza os milagres de Jesus. Tem característica prática Marcos [10:45] = Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos. Jesus é visto como um poderoso obreiro. Apresenta mais ações que palavras.
  • 12. Evangelhos (Síntese de Lucas) O 3º ser vivente tem o rosto como de um homem. O livro de Lucas é considerado o Evangelho do Filho do Homem. Escreveu para os gregos, foi endereçado para um amigo, grego, de nome Teófilo (significa amado de Deus). Enfatiza as parábolas de Jesus. Tem característica histórica Lucas [6:5] = E dizia-lhes: O Filho do homem é Senhor até do sábado. O Homem perfeito, a ênfase está na perfeição de sua humanidade.
  • 13. Evangelhos (Síntese de João) O 4º ser vivente é semelhante à águia quando voa (animal dos ares). O livro de João é considerado o Evangelho do Filho de Deus. Escreveu para a igreja, de Éfeso a fim de combater os erros do gnosticismo, quanto à divindade de Cristo. Enfatiza a divindade de Jesus. Tem característica espiritual João [20:30] Jesus, pois, operou também em presença de seus discípulos muitos outros sinais, que não estão escritos neste livro. [20:31] Estes, porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome. Somente João fala do 1º ano de ministério (Cap.2 e 4), relata os grandes ensinos (novo nascimento, água viva, pão da vida, bom pastor, luz do mundo...) e revela o propósito de Cristo na última ceia (Cap. 13 a 16).
  • 14. Comparativo Evangelho Escrito Figura Para Ênfase Característica Mateus 60 d.C Rei Judeus Sermões Jesus Profética Marcos 55 – 65 d.C Servo Romanos Milagres Prática Lucas 60 – 63 d.C Filho do Homem Gregos Parábolas Histórica João 80-95 d.C Filho de Deus Igreja Divindade Espiritual Esta síntese é relacionada à visão dos rostos descrita por Ezequiel (Ezequiel 1.10) Mateus Marcos Lucas João
  • 15. Evangelhos (Conclusão) Nos Evangelhos encontramos vários estilos de documentos: doutrinários, históricos e biográficos. Eles podem ser considerados um resumo da vida (biografia) de Cristo, possuindo assim um teor mais histórico que doutrinário. Os Evangelhos foram escritos para que creiamos no Cristo. Não tem como objetivo ser usados como dissertação sobre tratado científico, político, comercial, etc. Voltemos à essência deste Sagrado Evangelho!
  • 16. Capítulo II A Cultura nos Evangelhos
  • 17. A Cultura nos Evangelhos A Hermenêutica afirma que Deus fala aos homens, através dos homens em contextos específicos. Conhecer o contexto histórico, geográfico e cultural dos evangelhos, permite melhor interpretá-los.
  • 18. A Cultura nos Evangelhos - Política  Judeus estavam sob o julgo romano, e julgar suas questões religiosas através do SINÉDRIO, não exerciam a pena capital, mas castigavam com as famosas “quarenta chibatadas menos uma” (Jo 18.31).  Romanos tributavam os judeus através dos PUBLICANOS.  Quatro línguas eram faladas: o latim, o grego, o hebraico e o aramaico. Cada uma destas línguas tinha uma razão de ser e eram ouvidas pelo povo em determinada circunstância.
  • 19. A Cultura nos Evangelhos - Línguas 4 línguas eram faladas: O latim era a língua do império dominante na época, falada pelos soldados romanos, e pelos romanos, por isso era uma língua importante e que tinha sua razão de ser e existir na Palestina. O grego era a língua culta, a língua universal, seria o equivalente ao inglês hoje, uma língua que serve de padrão para as comunicações internacionais. Não era a língua que a plebe falava. O hebraico era a língua mãe dos judeus, mais religiosa que popular, ou seja, era mais usada no templo do que no dia-a-dia na comunicação entre as pessoas. O aramaico era a língua popular da Palestina, os judeus passaram a falá-la após o cativeiro babilônico quando ficaram por setenta anos no cativeiro (Jr 25.11).
  • 20. A Cultura nos Evangelhos - Infra-estrutura  Roma recebia os impostos de todas as regiões do império (Mt 22.17-22).  Impostos que manter o império e seu exército e para financiar obras públicas. (inclusive as estradas).  Curiosidade: A rede de estradas principais construídas pelos romanos era de 80.000 quilômetros de estradas primárias e 38.000 de estradas secundárias.
  • 21. A Cultura nos Evangelhos – Crenças  Eram monoteístas - após a destruição de Jerusalém em 586, justamente em conseqüência da idolatria dos judeus (II Cr 36.14-16).  Os Pagãos adoravam tudo o que achava no direito, eram politeístas. Eles possuíam um deus para cada ocasião,  As liturgias pagãs eram verdadeiras orgias, durante os cultos havia relações sexuais entre os sacerdotes, sacerdotisas e os “ofertantes”. Na cidade de Corinto havia um templo a Afrodite (Vênus) deusa do amor sensual com mais de mil prostitutas cultuais para satisfazerem os “adoradores”, tanto é que o nome corintianizar estava relacionado a entregar-se a prostituição.
  • 22. A Cultura nos Evangelhos – Instituições e facções O Sinédrio A Sinagoga O Templo
  • 23. A Cultura nos Evangelhos – Instituições O Sinédrio  Era o concílio supremo que regia as questões religiosas dos judeus,  Procurava assemelhar-se ao grupo de anciãos que fora formado por Moisés para que o ajudasse no julgamento do povo (Ex 18.25),  Formado por setenta ou setenta e um homens dependendo de como era feita a contagem. Não podia decretar a pena capital (isto cabia ao Império Romano) por isso que levaram o Senhor Jesus diante de Pilatos o representante do Império Romano (Jo 18.31), a maior pena que aplicavam era a quarentena de açoites menos um (II Co 11.24).
  • 24. A Cultura nos Evangelhos – Instituições As Sinagogas  Surgiram durante o cativeiro babilônico para suprir a falta do Templo que fora destruído,  Era uma instituição com a finalidade de instruir os judeus em sua religião,  Ela poderia ser constituída em qualquer lugar; prova disso é que na maioria das cidades que Paulo visitou em suas viagens missionárias ele encontrou uma sinagoga para que ali pregasse (At 13.14;17.1,2).
  • 25. A Cultura nos Evangelhos – Instituições O Templo  Lugar aonde os judeus iam para oferecer sacrifício, e acabou virando lugar de comércio e este comportamento fora condenado pelo Senhor (Jo 2.13-16).  O Templo descrito nos evangelhos era o mesmo reconstruído após o retorno do cativeiro (536 a.C).
  • 26. A Cultura nos Evangelhos – Facções Os Fariseus  Eram populares, a mais influente seita da época dos Evangelhos, tanto é que Paulo antes de sua conversão pertencia a esta seita judaica (Fp 3.5; At 23.6).  Dominavam as sinagogas, este era um dos motivos de Paulo ter facilidade para falar às sinagogas (At 13.14ss;17.1,2),  Eram tradicionalistas e hipócritas, e foram duramente criticado pelo Senhor (Mt 23).  Mais apegados a tradição oral que a letra da lei. Seu nome deriva- se do hebraico “farash” que quer dizer “SEPARA-SE”.  Eram legalistas mas acreditavam no mundo espiritual ao contrário dos saduceus (At 23.8; Mt 22.23).
  • 27. A Cultura nos Evangelhos – Facções Os Saduceus  Formado pela aristocracia judaica e dominavam o Templo e o Sinédrio e a administração política de Jesuralém .  O Sumo Sacerdote era saduceu,  Não sobreviveram a destruição de Jerusalém em 70 d.C,
  • 28. A Cultura nos Evangelhos – Facções Os Saduceus “Como não compreendestes que não vos falei a respeito do pão, mas que vos guardásseis do fermento dos fariseus e saduceus?” (Mt 16.11) – Fermento dos Fariseus: Falsa e penetrante, baseada nas tradições e acréscimos que eles faziam às escrituras; – Fermento dos Saduceus: Chamado de Saduceísta, baseada em subtrações da lei e no racionalismo humano. •
  • 29. A Cultura nos Evangelhos – Facções Os Zelotes  Grupo religioso com a intenção política de lutar e resistir contra o império romano,  Foi o partido que encabeçara a resistência a Roma que culminou com a destruição de Jerusalém em 70 d.C,  Um dos doze apóstolos, Simão, havia pertencido a este partido ( Lc 6.15; At 1.13).
  • 30. A Cultura nos Evangelhos – Facções Os Essênios  Tinham o mesmo pensamento dos zelotes a libertação do domínio pagão,  Sua principal característica era o isolamento, acreditavam que isolados estariam livres do julgo e da influência pagãos.
  • 31. A Cultura nos Evangelhos – Facções Os Herodianos  Apoiadores da dinastia de Herodes, consideravam seus sucessores como se fossem o Messias,  Sua opiniões religiosas oscilavam entre os fariseus e os saduceus, e por considerar a descendência de Herodes messiânica perseguiam a Cristo por isso (Mc 3.6; 12.13; Mt 22.16).
  • 32. A Cultura nos Evangelhos – Jesus no 4º Evangelho  Ele é o centro da mensagem bíblica e o personagem mais conhecido e popular das Escrituras. Tudo gira em torno Dele.  Dos 3779 versículos que há nos 4 Evangelhos, mais de 50% foram proferidos por Jesus.  Apresentado como Homem e como Deus.
  • 33. Capítulo III O Antigo Testamento e os Evangelhos
  • 34. Profecias do VT cumpridas em Cristo Descendente de Isaque Descendente de Jacó Descenderia da Tribo de Judá O herdeiro do trono de Davi Seu lugar de nascimento A época de seu nascimento Nasceria de uma virgem A matança dos meninos A fuga para o Egito
  • 35. Profecias do VT cumpridas em Cristo Como profeta O desprezo por parte dos judeus Algumas características Sua entrada triunfal Traído por um amigo Vendido por trinta moedas de prata O dinheiro seria devolvido para comprar o campo de um oleiro Testemunhas falsas o acusariam
  • 36. Profecias do VT cumpridas em Cristo Permaneceria em silêncio quando acusado Seria golpeado e cuspido Seria odiado sem motivo Sofreria em substituição a nós Seria crucificado com pecadores Suas mãos e pés seriam transpassados Seria escarnecido e insultado Dariam a ele fel e vinagre
  • 37. Profecias do VT cumpridas em Cristo Ouviria palavras proféticas com zombaria Oraria por seus inimigos Seu lado seria transpassado Os soldados lançariam sortes sobre suas roupas Seus ossos não seriam quebrados Seria sepultado com os ricos Sua ressurreição Sua ascensão
  • 38. Capítulo IV O Evangelho Segundo Mateus
  • 39. Evangelhos (Síntese de Mateus) O 1º ser vivente é semelhante a um leão (rei dos animais). O livro de Mateus é considerado o Evangelho do Rei. Escreveu para os judeus, primeiramente escrito em hebraico ou aramaico, por isso cita muitas vezes o Antigo Testamento. Enfatiza os sermões de Jesus. Tem característica profética. Mateus [1:1] Livro da geração de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. Essa declaração liga as duas mais importantes alianças do Antigo Testamento (Davi- soberania, trono e Abraão – promessa).
  • 40. O Evangelho Segundo Mateus Tenta mostrar uma relação nítida entre Cristo e as profecias do Antigo Testamento, visto que foi escrito para os judeus, Jesus Cristo é apresentado como Messias, que seria o Rei de Israel.
  • 41. Quem era Mateus “Partindo Jesus dali, viu um homem chamado Mateus sentado na coletoria e disse-lhe: Segue-me! Ele se levantou e o seguiu.” (Mt 9.9).  Mateus (significa “dom de Deus”) e tinha por nome Levi (Lc 5.27).  Possivelmente escrito em aramaico e posteriormente foi traduzido para o grego com o objetivo de alcançar os judeus helenistas (At 6.1).  Escrito entre 45-66 d.C.  Após a ascensão de Jesus, pregou na Palestina em um intervalo de quinze anos, viajou a outros países e conforme a tradição morreu na Etiópia. Segundo John Fox ele fora assassinado com uma alabarda, na cidade de Nadaba, na Etiópia, em 60 d.C.  Era um publicano (Mt 9.9; Mc 2.14; Lc 5.27) e foi chamado pelo Senhor para fazer parte de Seu Ministério.
  • 42. O Tema do Evangelho Segundo Mateus “... E por cima da sua cabeça puseram escrita a sua acusação: este é Jesus, o Rei dos Judeus...” (Mt 27.37) Escrito com o propósito de mostrar que Jesus era o Messias, o Rei esperado pelos judeus. Concluímos ser esse o tema. Cristo é sempre relacionado às profecias do Antigo Testamento, dando mais autoridade ao tema proposto.
  • 43. O Evangelho Segundo Mateus e o Antigo Testamento Enfatiza a expressão “...tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor, pelo profeta...” ou seu sinônimo que aparece 15 vezes no evangelho: Exemplo: "... E, havendo-o crucificado, repartiram as suas vestes, lançando sortes, para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta: Repartiram entre si as minhas vestes, e sobre a minha túnica lançaram sortes...” (Mateus 27.35).
  • 44. O Evangelho Segundo Mateus e a Genealogia do Rei Era de suma importância Para alguém ser Sacerdote, teriam que ser da tribo de Levi, Para ser o rei, o Messias teria que ser descendente de Davi, Mateus queria provar que Jesus era o messias tendo por isso que descender de Davi, por isso inicia o livro com uma genealogia.
  • 45. O Evangelho Segundo Mateus e a Genealogia do Rei Um sacerdote precisava provar que é descendente de Arão (tribo levita); "... Depois tu farás chegar a ti teu irmão Arão, e seus filhos com ele, do meio dos filhos de Israel, para me administrarem o ofício sacerdotal; a saber: Arão, Nadabe, e Abiú, Eleazar e Itamar, os filhos de Arão.E farás vestes sagradas a Arão teu irmão, para glória e ornamento. Falarás também a todos os que são sábios de coração, a quem eu tenho enchido do espírito da sabedoria, que façam vestes a Arão para santificá-lo; para que me administre o ofício sacerdotal..." (Êxodo 28.1-3) Um rei deveria ser descendente da tribo de Judá; "... O cetro não se arredará de Judá, nem o legislador dentre seus pés, até que venha Siló; e a ele se congregarão os povos...” (Gênesis 49:10)
  • 46. O Evangelho Segundo Mateus e as divisões na genealogia de Jesus “... De sorte que todas as gerações, desde Abraão até Davi, são catorze gerações; e desde Davi até a deportação para a Babilônia, catorze gerações; e desde a deportação para a Babilônia até Cristo, catorze gerações...” (Mateus 1.17) Esta genealogia é dividida em três grandes grupos: De Abraão a Davi Marca o surgimento de Israel como nação. De Davi ao Exílio Babilônico Período de Sofrimento e escravidão. Do Exílio Babilônico a Jesus Libertação do povo, transformação da tragédia em triunfo.
  • 47. Capítulo V O Evangelho Segundo Mateus (Continuação)
  • 48. Nomes Atribuídos a Cristo no Evangelho Segundo Mateus Cristo: “... De sorte que todas as gerações, desde Abraão até Davi, são catorze gerações; e desde Davi até a deportação para a Babilônia, catorze gerações; e desde a deportação para a Babilônia até Cristo, catorze gerações...” (Mateus 1.17) Jesus: “... E dará à luz um filho e chamarás o seu nome Jesus; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados...” (Mateus 1.21) Emanuel: “... Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de Emanuel, Que traduzido é: Deus conosco...” (Mateus 1.23)
  • 49. João Batista, Precursor do Rei Mateus 3  No capítulo 3 de Mateus surge João Batista,  Precursor do rei que fora prometido por Isaias (Is 40.3; Mt 3.3).  Possuía unção em suas palavras, pois a Bíblia diz que ele não fizera nenhum sinal miraculoso (Jo 10.41),  Uma multidão ia para ouvir suas pregações e ser batizada por ele;  Mensagem era duríssima, clara e transparente, ao ponto de chamar os religiosos de raça de víboras (Mt 3.7).  O povo estava sedento de ouvir a Palavra de Deus através de alguém com características proféticas, pois já havia cerca de quatrocentos anos que Deus não falara através de seus profetas (Amós 8.11).
  • 50. As parábolas de Mateus (Mt 13.1-52).  O que eram parábolas. Este termo vem do grego “Parabolé” que quer dizer por ao lado com sentido de comparar, com a finalidade de servir como ilustração de um ensino. O Senhor sempre deixou claro quando falava por parábola ele não quis enganar ninguém com ambigüidade falando parábolas como se fossem coisas reais.  Porque o Senhor usou de parábolas. “Por isso, lhes falo por parábolas; porque, vendo, não vêem; e, ouvindo, não ouvem, nem entendem.” (Mt 13.13).  Diferença entre as parábolas e os sermões (Mt 5-7). Como vimos as parábolas não eram o ensino, mas sim um recurso para o ensino, elas não podem ser tomadas ao pé da letra pois caso contrário o interprete normalmente entrará em contradição, devemos buscar sua idéia central,
  • 51. O Reino de Deus se constrói na vivência comunitária!
  • 52. Capítulo VI O Evangelho Segundo Marcos
  • 53. Evangelhos (Síntese de Marcos) O 2º ser vivente é semelhante a um novilho, um boi (animal que serve). O livro de Marcos é considerado o Evangelho do Servo de Deus. Escreveu para os romanos, muitos eruditos afirmam que foi escrito em Roma. Enfatiza os milagres de Jesus. Tem característica prática Marcos [10:45] = Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos. Jesus é visto como um poderoso obreiro. Apresenta mais ações que palavras.
  • 54. O Evangelho Segundo Marcos (Esboço) 1. Introdução ao Evangelho Segundo Marcos 2. Um breve resumo sobre o livro 3. Público alvo e data do Evangelho Segundo Marcos 4. Tema do Evangelho de Marcos 5. Biografia do autor no Novo Testamento 6. O Livro de Marcos 7. As parábolas em Marcos
  • 55. Introdução ao Evangelho Segundo Marcos • É resumido, não tenta relacionar tanto Cristo com o Antigo Testamento, pois segundo a tradição ele escrevera em Roma para os gentios • Marcos não é um dos doze apóstolos, mas a maioria dos historiadores acredita que ele escrevera supervisionado por Pedro, tanto é que Justino Mártir que vivera por volta de 150 d.C cita o Evangelho de Marcos como “Memória de Pedro”; outro pai da igreja, Papias 140 d.C considera Marcos como o interprete de Pedro.
  • 56. Um breve resumo sobre o livro • É o menor evangelho escrito (em tamanho) • Foi o primeiro evangelho a ser escrito • Somente 24 vers. não estão registrados em Mateus ou Lucas • Faz poucas menções das leis e costumes judaicos • É considerado o mais cronológico dos Evangelhos • Não inclui o nascimento de Jesus nem o ministério de João Batista • Começando com o Batismo de João: ele acentua o poder do Espírito Santo, destaca os atos poderosos de Jesus, fala pouco sobre os discursos de Cristo, dá grande importância a crucificação, ressurreição e à comissão dEle aos seus apóstolos.
  • 57. Público alvo e data do Evangelho Segundo Marcos Escrito aos romanos Escrito entre os anos de 61-67 d.C, (antes da morte de Pedro em 67 d.C e da destruição de Jerusalém em 70 d.C.)
  • 58. Tema do Evangelho de Marcos Jesus o Filho-Servo, Jesus veio para servir. “...Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos...” (Mc 10.45) Este versículo dá o resumo do Evangelho inteiro. “vinda do filho do homem” – (Mc 1.1-13) “para servir, não ser servido” – (Mc 1.14-10.52) “dar a vida em resgate de muitos” – (Mc 11.1-16.20)
  • 59. Biografia de Marcos Ele é conhecido como João Marcos: Sendo João seu nome judaico e Marcos seu nome romano, ele era filho de Maria de Jerusalém, em sua casa havia uma igreja “... E, considerando ele nisto, foi à casa de Maria, mãe de João, que tinha por sobrenome Marcos, onde muitos estavam reunidos e oravam...” (Atos 12.12) Sobrinho de Barnabé: “... Aristarco, que está preso comigo, vos saúda, e Marcos, o sobrinho de Barnabé, acerca do qual já recebestes mandamentos; se ele for ter convosco, recebei-o ...” (Cl 4.10) Discípulo de Pedro: “...A vossa co-eleita em Babilônia vos saúda, e meu filho Marcos...” (I Pe 5.13) Na 1ª viagem missionária, retrocedeu; “... E, partindo de Pafos, Paulo e os que estavam com ele chegaram a Perge, da Panfília. Mas João, apartando-se deles, voltou para Jerusalém... (At 13.13)
  • 60. Biografia do autor no Novo Testamento Na 2ª viagem missionária, apesar da indicação de Barnabé, Paulo recusou levá-lo e se apartaram desde então. Barnabé já havia ajudado Saulo em situação semelhante, no momento de sua conversão: “... [15:36] E alguns dias depois, disse Paulo a Barnabé: Tornemos a visitar nossos irmãos por todas as cidades em que já anunciamos a palavra do Senhor, para ver como estão. [15:37] E Barnabé aconselhava que tomassem consigo a João, chamado Marcos. [15:38] Mas a Paulo parecia razoável que não tomassem consigo aquele que desde a Panfília se tinha apartado deles e não os acompanhou naquela obra. [15:39] E tal contenda houve entre eles, que se apartaram um do outro. Barnabé, levando consigo a Marcos, navegou para Chipre. [15:40] E Paulo, tendo escolhido a Silas, partiu, encomendado pelos irmãos à graça de Deus...” (At 15.36-40) Pedro, após sua miraculosa libertação, Pedro vai a casa da mãe de Marcos; “... [12:11] E Pedro, tornando a si, disse: Agora sei verdadeiramente que o Senhor enviou o seu anjo, e me livrou da mão de Herodes, e de tudo o que o povo dos judeus esperava. [12:12] E, considerando ele nisto, foi à casa de Maria, mãe de João, que tinha por sobrenome Marcos, onde muitos estavam reunidos e oravam. [12:13] E, batendo Pedro à porta do pátio, uma menina chamada Rode saiu a escutar; [12:14] E, conhecendo a voz de Pedro, de gozo não abriu a porta, mas, correndo para dentro, anunciou que Pedro estava à porta...” (At 12.11-14) Paulo, no fim de sua carreira apostólica recorre a ajuda de Marcos. “... Só Lucas está comigo. Toma Marcos, e traze-o contigo, porque me é muito útil para o ministério...” (II Tm 4.11).
  • 61. O Livro de Marcos É incisivo, inicia narrando fatos relacionados ao Senhor Jesus. Mc 1 faz um resumo biográfico de João o Batista) João significa: Graça ou favor de Deus Tinha discípulos Jo 3:25 Seu nascimento foi predito Is 40:3, Mt 4:5 Precursor de Cristo Mt 3:11 Nasce em resposta a oração Lc 1:13 Batiza Jesus Mt 3:15 Seu nascimento Lc 1:57 Seu testemunho sobre Jesus Jo 3:25-36 Circuncidado Lc 1:59 Foi encarcerado por Herodes Mt 14:3 Cheio do Espírito Santo desde o ventre Decapitado e sepultado Mt 14:6-12 materno, Lc 1:15 Jesus Testemunhou sobre ele Mt 11:7
  • 62. As Parábolas no Evangelho Segundo Marcos Fonte: Bíblia de Estudo NVI A candeia debaixo da vasilha 4:21,22 O remendo de pano novo em roupa velha 2:21 O vinho novo em odres velhos 2:22 O semeador e os solos 4:3-8,14-20 O joio 4:30-32 Os lavradores 12:1-11 A figueira 13:28,29 A semente em crescimento 4:26-29 Os servos vigilantes 13:35-37
  • 63. Capítulo VII O Evangelho Segundo Lucas
  • 64. Evangelhos (Síntese de Lucas) O 3º ser vivente tem o rosto como de um homem. O livro de Lucas é considerado o Evangelho do Filho do Homem. Escreveu para os gregos, foi endereçado para um amigo, grego, de nome Teófilo (significa amado de Deus). Enfatiza as parábolas de Jesus. Tem característica histórica Lucas [6:5] = E dizia-lhes: O Filho do homem é Senhor até do sábado. O Homem perfeito, a ênfase está na perfeição de sua humanidade.
  • 65. Introdução Para que e para quem escreveremos, influencia nossos escritos Lucas escreveu para um ilustre gentio grego chamado Teófilo (amado de Deus) Escreveu para os gentios e quando usava termos judaicos, os chamados hebraísmos, os explicava com precisão Exemplo: Na apresentação de Jesus, explica que ela era feita segundo a lei de Moisés e levaram o menino em Jerusalém (Lc 2.22-24). Para um judeus seria totalmente desnecessária citar esses detalhes;
  • 66. Introdução A genealogia apresentada nesse evangelho recua até Adão, progenitor de toda raça humana o que é significativo para os gentios, e não somente até Abraão (como no evangelho segundo Mateus) progenitor em particular dos judeus Lucas usa palavras gentias com mestre ao invés de rabino, advogado ao invés de escriba.
  • 67. Biografia de Lucas Lucas é o único escritor gentio do Novo Testamento É considerado o primeiro historiador da Igreja cristã Escreveu esse evangelho entre os anos de 59-63 d.C. Escreveu também o livro de Atos que (alguns historiadores classificam como um único livro chamando de Lucas-Atos)
  • 68. Biografia de Lucas A tradição diz que Lucas era de Antioquia da Síria, gentio, esta cidade era a base missionária de Paulo (At 13.1-3), Amizade com Paulo era tão profunda, que até mesmo quando muitos o havia abandonado, ele permanecia ao lado do Apostolo. ( 2 Tm 1.15; 4.11).
  • 69. O Tema e Propósito do Livro Um objetivo ao escrever e um grupo de pessoas a atingir, Apresenta Jesus como o homem perfeito, como o Filho do homem, enfatiza a humanidade de Jesus. Em seus escritos vemos que Jesus cresce na graça e sabedoria (Lc 2.52), em demonstração a humanidade de Jesus ele da ênfase na operação do Espírito através de Jesus (Lc 3.22; 4.1,14; 5.17).
  • 70. O Propósito (duplo) “...Tendo, pois, muitos empreendido pôr em ordem a narração dos fatos que entre nós se cumpriram, segundo nos transmitiram os mesmos que os presenciaram desde o princípio e foram ministros da palavra, pareceu-me também a mim conveniente descrevê-los a ti, ó excelentíssimo Teófilo, por sua ordem, havendo-me já informado minuciosamente de tudo desde o princípio, para que conheças a certeza das coisas de que já estás informado...” (Lc 1.1-4) Registrar em ordem os fatos ocorridos e Dar a Teófilo a certeza de tudo que já havia sido dito
  • 71. O Nascimento de Jesus “a uma virgem desposada com um varão cujo nome era José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria.” (Lc 1.27). Objetivava apresentar Jesus como homem - Descreve Sua genealogia - Narra os fatos que envolveram o nascimento de Jesus - Se preocupa com fatos históricos (recenseamento de Cesar Augusto, quando Quirino era governador da Síria) - Cita dados históricos da época de Jesus e é com base nestas informações que os eruditos chegam à conclusão que nosso calendário esta cerca de sete anos atrasado. - Registra o nascimento virginal do Senhor
  • 72. Jesus foi apresentado no templo (Lc 2.22-24) - A apresentação de Jesus foi o cumprimento de um costume judaico e não é uma ordenança aos cristãos, a apresentação de crianças é um costume judaico praticado pelas igrejas cristãs evangélicas; é pecado? Não! - A apresentação de infantes não substitui o batismo quando adulto, foi adaptada no cristianismo, visto que os judeus só apresentavam os primeiro filho, macho, (Ex 22.29; 34.20).
  • 73. A Infância de Jesus “...E o menino crescia e se fortalecia em espírito, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre ele. E, tendo ele já doze anos, subiram a Jerusalém, segundo o costume do dia da festa...” (Lc 2.40,42). - Poucos relatos, sua circuncisão, sua apresentação e aos doze anos no Templo (Lc 2.21,22,42). - Eram rituais comuns para um judeu - O Senhor Jesus em toda sua juventude deve ter ajudado seu pai na carpintaria, pois como filho de Deus ele teria que ser um exemplo e esperar o momento certo para que iniciasse a obra de Deus (Jo 2.4). - Após estes relatos da infância e adolescência de Jesus ele aparece agora com quase trinta anos para ser batizado por João Batista e iniciar seu ministério (Lc 3.23). Bíblia de Estudo Genebra, pág. 1185, Editora Cultura Cristã, São Paulo, 1999.
  • 74. A tentação do Senhor Jesus (Lc 4) Se foi tentado então é porque Jesus poderia pecar? Jesus, semelhante a nós e em tudo foi tentado (Hb 4.15). “...porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados...”
  • 75. A tentação do Senhor Jesus As artimanhas do tentador. “Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.” (1 Jo 2.16). • Nada novo debaixo do céu • Assim como no 1º Adão, tentou o 2º Adão (Jesus) • Jesus venceu pela Palavra de Deus
  • 76. As Parábolas no Evangelho de Lucas • Pano novo em vestido velho - 5.36 • O fermento - 13.20-21 • Vinho novo em odres novos - 5.37-38 • O último lugar na festa - 14.7-14 • Construtores prudentes e insensatos - 6.47- • A grande ceia - 14.16-24 49 • O preço do discipulado - 14.28-33 • O credor - 7.41-43 • A ovelha perdida - 15.4-7 • O Semeador - 8.5-8, 11-15 • A dracma perdida - 15.8-10 • A lâmpada debaixo do alqueire - • O filho pródigo - 15.11-32 8.16;11.33 • O mordomo infiel - 16.1-8 • O Bom Samaritano - 10.30-37 • O rico e Lázaro - 16.19-31 • O Amigo necessitado - 11.5-8 • O Senhor e o servo - 17.7-10 • O rico insensato - 12.16-21 • A viúva persistente - 18.2-8 • Servos vigilantes - 12.36-40 • O fariseu e o publicano - 18.9-14 • O servo fiel e prudente - 12.42-48 • Os talentos - 19.12-27 • A figueira infrutífera - 13.6-9 • Os lavradores maus - 20.9-18 • O grão de mostarda - 13.18-19 • A figueira - 21.29-31
  • 77. Capítulo VII O Evangelho Segundo João
  • 78. Evangelhos (Síntese de João) O 4º ser vivente é semelhante à águia quando voa (animal dos ares). O livro de João é considerado o Evangelho do Filho de Deus. Escreveu para a igreja, de Éfeso a fim de combater os erros do gnosticismo, quanto à divindade de Cristo. Enfatiza a divindade de Jesus. Tem característica espiritual João [20:30] Jesus, pois, operou também em presença de seus discípulos muitos outros sinais, que não estão escritos neste livro. [20:31] Estes, porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome. Somente João fala do 1º ano de ministério (Cap.2 e 4), relata os grandes ensinos (novo nascimento, água viva, pão da vida, bom pastor, luz do mundo...) e revela o propósito de Cristo na última ceia (Cap. 13 a 16).
  • 79. Introdução ao Evangelho Segundo João João escreveu seu Evangelho com o propósito apresentar a divindade de Cristo, enquanto os sinópticos mostram Jesus como: o Messias, o Servo, o Humano Fatos são peculiares que só João relata em seu evangelho: O primeiro ano do ministério de Jesus (Jo 2-4) Os grandes discursos de Jesus sobre o novo nascimento , a água viva, o pão da vida, o bom pastor a luz do mundo, e também a exposição do propósito de Cristo na última Ceia (Jo 13-16) Seis dos oito milagres narrados no evangelho de João só aparecem aqui (2 estão nos sinópticos)
  • 80. Uma comparação entre os sinópticos e o Evangelho de João Sinópticos João Falam em especial com Fala aos crentes descrentes Ministério de Jesus na Galiléia Ministério de Jesus na Judéia Mostram a vida pública de Mostra mais a vida particular e Jesus privada de Jesus Transmitem a vida humana e Transmite a vida divina de perfeita de Jesus Jesus.
  • 81. Autor do Evangelho de João É conhecido como o evangelista Filho de Zebedeu e irmão de Tiago (Mc 1.19) Pescador e cresceu na cidade de Betsaida, perto da Galiléia. Seu pai possuía um barco no qual ele trabalhava juntamente com seu irmão Tiago onde estavam quando foram chamados para serem discípulos de Jesus (Mt 4.18-22). Conhecia o sumo sacerdote de Jerusalém (Jo 18.15)
  • 82. Autor do Evangelho de João Foi um dos doze discípulos escolhidos por Jesus que posteriormente foram chamados de apóstolos ( Mt 10.2-4) Mencionado no Evangelho de João como “o discípulo a quem Jesus amava” (Jo 13.23) É mencionado freqüentemente ao lado de seu irmão Tiago e de Pedro. Os três já se conheciam antes de se tornarem discípulos de Jesus pois eram amigos de profissão ( Lc 5.10)
  • 83. Autor do Evangelho de João Provavelmente era filho de Salomé, a qual se uniu a outras mulheres para levar ungüento ao túmulo de Cristo depois da crucificação (Mc 16.1; Mt 27.56) Foi apelidado juntamente com Tiago de “ Boanerges” que quer dizer filhos do trovão (Mc 3.17) Fazia parte do circulo mais íntimo dos discípulos que acompanhavam Jesus e na crucificação Jesus se dirigiu a ele ao dizer sobre Maria “eis a tua mãe” e a Bíblia diz que dessa hora em diante o discípulo recebeu Maria em sua casa (Jo 19.27) Foi o único que não abandonou o Senhor diante de sua crucificação (Mc 14.50), acompanhou a agonia do mestre como testemunha ocular dos fatos
  • 84. Tema e Data do Evangelho de João Tema: “...o Verbo Divino e Eterno Se Fez Carne, a Fim de Trazer Salvação aos Homens...” Data: Escrito entre os anos de 80 e 95 d.C. Pedro e Paulo já haviam morrido pelos idos de 67,68 d.C, as Epístolas já estavam escritas, Jerusalém já havia sido destruída em 70 d.C pelos romanos e os outros sinópticos já haviam sido escritos à décadas.
  • 85. Passagens imprescindíveis do Evangelho de João 1.1- No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. 1.14 - E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade. 1.12 - Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome; 1.29 - No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.
  • 86. Passagens imprescindíveis do Evangelho de João 3.3 - Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. 3.16 - Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. 3.30 - É necessário que ele cresça e que eu diminua. 4.26 - Jesus disse-lhe: Eu o sou, eu que falo contigo. 6.48 - Eu sou o pão da vida.
  • 87. Passagens imprescindíveis do Evangelho de João 7.37 - E no último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs- se em pé, e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, venha a mim, e beba. 7.38 Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre. 8.24 - Por isso vos disse que morrereis em vossos pecados, porque se não crerdes que eu sou, morrereis em vossos pecados.
  • 88. Passagens imprescindíveis do Evangelho de João 8.7 - E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela. 8.10 - E, endireitando-se Jesus, e não vendo ninguém mais do que a mulher, disse-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? 8.11 - E ela disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais. 8.12 - Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida.
  • 89. Passagens imprescindíveis do Evangelho de João 8.32 - E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. 8.36 - Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres. 8.58 - Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou. 10.7 - Tornou, pois, Jesus a dizer-lhes: Em verdade, em verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas.
  • 90. Passagens imprescindíveis do Evangelho de João 10.9 - Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens. 10.10 - O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância. 10.11 - Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas. 10.14 - Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido. 10.30 - Eu e o Pai somos um. 11.25 - Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; 11.35 - Jesus chorou.
  • 91. O Conteúdo do livro O Verbo de Deus encarnado. “...E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade...” João chama Cristo de o Verbo de Deus e para seus primeiros ouvintes o significado era especial, a Igreja estava sendo atacada por um pensamento filosófico que havia entrado em seu seio e tomado roupagens cristãs, isto é o gnosticismo.
  • 92. O que pensavam os gnósticos O gnosticismo quer dizer “conhecimento” Pregavam um conhecimento especial de um ser espiritual, toda matéria era má, o Deus do Antigo Testamento era mal visto que criou o mundo material, uma prisão da almas Jesus não veio para representar este Deus, mas outro que criou a verdadeira realidade, o mundo espiritual Jesus não veio em carne e osso, era como se fosse um fantasma, esta doutrina passou a ser chamada de docetismo
  • 93. O que pensavam os gnósticos João escreve que o Verbo se fez carne, ele era de carne, ele habitou em nosso meio escreveu ainda: Jesus foi visto com os olhos e apalpado com as mãos (1 Jo 1.1) Só é de Deus o espírito que confessa que Jesus veio em carne (1 Jo 4.2) Muitos enganadores tem surgido no mundo e tais enganadores dizem que Jesus não veio em carne (2 Jo 7) Ao apresentar a Divindade de Jesus tinha o cuidado para que esta não ofuscar sua humanidade e isto servisse ainda mais aos gnósticos que estavam a invadir a igreja primitiva.
  • 94. Jesus e a samaritana a quebra de paradigmas (João 4) O Senhor Jesus quebrou paradigmas (Modelos) 1º Diálogo com uma mulher (Preconceito Social) 2º Contato com uma Samaritana (Preconceito Religioso) 3º Pediu que chamasse o marido (Preconceito Moral)
  • 95. A Entrada triunfal de Jesus em Jerusalém “...No dia seguinte, ouvindo uma grande multidão que viera à festa que Jesus vinha a Jerusalém, tomaram ramos de palmeiras, e saíram-lhe ao encontro, e clamavam: Hosana! Bendito o Rei de Israel que vem em nome do Senhor! E achou Jesus um jumentinho e assentou-se sobre ele, como está escrito: Não temas, ó filha de Sião; eis que o teu Rei vem assentado sobre o filho de uma jumenta, Os seus discípulos, porém, não entenderam isto no princípio; mas, quando Jesus foi glorificado, então se lembraram de que isto estava escrito dele, e que isto lhe fizeram.....” (Jo 12.12-16).
  • 96. A Entrada triunfal de Jesus em Jerusalém  Jesus entra em Jerusalém, Aclamado com filho de Davi e profeta.  Era o Ápice da expectativa de um Cristo político.  Foi recebido como um rei, não como O REI.  Nem os discípulos entendiam perfeitamente o plano e papel de Jesus.  O erro foi tentar adaptar o plano de Deus a própria vontade, esperavam o Messias político e aclamaram a Cristo como tal e após a sua morte eles ainda estavam esperado a redenção política de Israel (Lc 24.21; At 1.6). E nós esperávamos que fosse ele o que remisse Israel; mas agora, sobre tudo isso, é já hoje o terceiro dia desde que essas coisas aconteceram. (Lc 24.21) Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntaram-lhe, dizendo: Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel? (At 1.6)
  • 97. Jesus o exemplo de renúncia (João 13.1-17) “Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também.” (Jo 13.15). A vida Cristã é uma vida de renúncia, a saber só começa quando você morre. Ao lavar os pés dos discípulos, (enquanto uns estavam preocupados se um dia se assentariam a sua direita ou a sua esquerda do mestre), Jesus se põe como servo;
  • 98. Os milagres de Jesus no Evangelho de João • Água transformada em vinho 2.1-11 • A cura do filho de um oficial do rei 4.46-54 • O paralítico do tanque de Betesda 5.1-9 • 1ª multiplicação dos pães e peixes 6.1-13 • Andando sobre o mar 6.16-21 • O cego de nascença 9.1-41 • Ressurreição de Lázaro 11.1-45 • Outra pesca maravilhosa 21.1-14
  • 99. Os últimos momentos de Cristo “Mas Jesus disse a Pedro: Mete a tua espada na bainha; não beberei eu o cálice que o Pai me deu?” (Jo 18.11) Uma grande evidência que o Senhor se entregou para ser morto por nossos pecados, tinha poder para dar a sua vida e tomá-la de volta, e se ele não quisesse ninguém poderia tê-lo feito morrer (Jo 10.17,18); No momento em que o prendem, pois ao responder “Sou eu” todos caem por terra (Jo 18.6). Cristo sofreu por amor e não por obrigação.
  • 100. O julgamento de Jesus “Disse-lhes, pois, Pilatos: Levai-o vós e julgai-o segundo a vossa lei. Disseram-lhe, então, os judeus: A nós não nos é lícito matar pessoa alguma.” (Jo 18.31).
  • 101. Cristo condenado a morte de Cruz (Jo 19.14-16) “e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz.” (Fp 2.8). a morte em uma cruz era tão humilhante que um cidadão romano nunca poderia ser crucificado.
  • 102. Cristo condenado a morte de Cruz (Jo 19.14-16) a Bíblia de Estudo Pentecostal da sobre esta morte: “No açoitamento romano a vítima era despida e presa a uma coluna, ou então curvava-se sobre um tronco com as mãos atadas nele. O instrumento de tortura consistia num curto cabo de madeira no qual estava presa vária tiras de couro com pequenos pedaços de ferro, ou osso, presos as pontas. Os golpes eram aplicados às costas da vítima por dois algozes, um a cada lado. Os cortes eram tão profundos que apareciam as veias , as artérias, e às vezes, até certos órgãos internos. Muitas vezes a vítima morria durante o acoitamento ou flagelação. A flagelação era uma tortura pavorosa. O fato de Jesus não poder levar a cruz deve ter sido por causa do seu horrível sofrimento resultante de seu castigo” Além do sofrimento emocional o sacrifício de Cristo tinha um peso enorme para a satisfação da justiça divina, pois ele pagou o preço dos pecados da humanidade no passado, em seu presente e ainda teve que deixar créditos para o futuro que seríamos nos que hoje aceitamos a Cristo. Bíblia de Estudo Pentecostal, p. 1448, CPAD, Rio de Janeiro, 1998.
  • 103. A Ressurreição de Jesus “E, no primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu a pedra tirada do sepulcro.” (Jo 20.1). A doutrina da ressurreição é fundamental para o cristianismo, Repare o que diz Paulo sobre isso: 1 Coríntios 15