SlideShare uma empresa Scribd logo

Novas competências para dizer a fé

O desafios ao catequista "digital"

1 de 22
NOVAS COMPETÊNCIAS
PARA DIZER A FÉ
Luís Miguel FIGUEIREDO RODRIGUES
lmrodrigues@braga.ucp.pt
Desafios
■ A realidade complexa que se costuma denominar como
“internet”, mais do que um média ou a conjugação de
diversos média, que não deixa de o ser, é um novo ambiente
que emerge e que transforma, em pouco tempo, a maneira
de comunicar, a linguagem, a relação com a escrita, as
relações sociais, a relação com o espaço e o tempo – a
perceção que deles se tem –, e o modo de aprender.
■ Este modo de entender os média leva a que eles não sejam
considerados apenas no seu aspeto material, mas sobretudo
como um ambiente, inserido plenamente na construção da
sociedade, com a consequente criação e recriação de
significados.
Desafios
■ «Os meios de comunicação podem ser os arquitetos de uma
nova proximidade, o resultado do confronto e de encontro,
ocasião contínua de revelação de si mesmo ao outro,
assumindo uma responsabilidade para com os outros»
(CONFERENZA EPISCOPALE ITALIANA).
■ Três desafios:
– Necessidade de conhecer bem o novo ambiente
– Romper isolamentos
– Potenciar encontros verdadeiros com o Evangelho
Desafios
■ «O mundo da comunicação afeta todo o universo cultural, social
e espiritual da pessoa humana. Se as novas linguagens têm um
impacto sobre o modo de pensar e de viver, isto diz respeito de
alguma maneira também ao mundo da fé, da sua inteligência e
expressão. (...) A cultura digital apresenta novos desafios à
nossa capacidade de falar e de ouvir uma linguagem simbólica
que fale da transcendência. O próprio Jesus, no anúncio do
Reino, soube utilizar elementos da cultura e do ambiente do
seu tempo: o rebanho, os campos, o banquete, as sementes, e
assim por diante. Hoje somos chamados a descobrir, também
na cultura digital, símbolos e metáforas significativos para as
pessoas, que possam servir de ajuda ao falar do Reino de Deus
ao homem contemporâneo» (BENTO XVI, Discurso do Papa Bento
XVI aos participantes na Assembleia Plenária do Pontifício
Conselho para as Comunicações Sociais).
Religião on-line
■ Na pós-modernidade homem volta a refugiar-se na
religião/espiritualidade para se livrar do caos. Mas a transmissão de
valores transcendentes que deem sentido ao conjunto da existência
não se pode confiar sem mais aos média, que não fazem outra coisa
que não seja aumentar a perplexidade na medida em que saturam de
informação sobre a complexidade existente.
■ Diante deste panorama a Igreja é desafiada a :
– Compreender e assumir os desafios da a ética hacker, o principal
desafio será, então, o de não confundir o conceito de conexão com o de
comunhão.
– Procurar que a conexão virtual se atualize em laços de familiaridade,
com todas as suas implicações, deixando a presença física de ser vista
como acessória e passando a ser parte integrante, objetivo a atingir,
nas diversas virtualizações.
Religião on-line
«Múltiplos laços existem entre a mensagem da salvação e a
cultura humana. Deus, com efeito, revelando-se ao seu povo até
à plena manifestação de Si mesmo no Filho encarnado, falou
segundo a cultura própria de cada época. Do mesmo modo, a
Igreja, vivendo no decurso dos tempos em diversos
condicionalismos, empregou os recursos das diversas culturas
para fazer chegar a todas as gentes a mensagem de Cristo, para
a explicar, investigar e penetrar mais profundamente e para lhe
dar melhor expressão na celebração da Liturgia e na vida da
multiforme comunidade dos fiéis» (GS 58).

Recomendados

Os catequistas da Arquidiocese de Braga aprendem na rede: análise das prática...
Os catequistas da Arquidiocese de Braga aprendem na rede: análise das prática...Os catequistas da Arquidiocese de Braga aprendem na rede: análise das prática...
Os catequistas da Arquidiocese de Braga aprendem na rede: análise das prática...Luís Miguel Rodrigues
 
O papel da Igreja Católica na convergência digital
O papel da Igreja Católica na convergência digitalO papel da Igreja Católica na convergência digital
O papel da Igreja Católica na convergência digitalumvelhodaesquina
 
G2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educação
G2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educaçãoG2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educação
G2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educaçãoIsabel Santos
 
Redes - uma introdução às dinamicas da conectividade e da auto-organização
Redes - uma introdução às dinamicas da conectividade e da auto-organizaçãoRedes - uma introdução às dinamicas da conectividade e da auto-organização
Redes - uma introdução às dinamicas da conectividade e da auto-organizaçãoColaborativismo
 
Inteligência Coletiva
Inteligência ColetivaInteligência Coletiva
Inteligência ColetivaElvis Fusco
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

47º dia mundial das comunicações sociais portugues
47º dia mundial das comunicações sociais   portugues47º dia mundial das comunicações sociais   portugues
47º dia mundial das comunicações sociais portuguesDavinia Martínez
 
Inteligencia Coletiva
Inteligencia ColetivaInteligencia Coletiva
Inteligencia Coletivakinheiro
 
Evolução da visão da Igreja acerca da Internet
Evolução da visão da Igreja acerca da InternetEvolução da visão da Igreja acerca da Internet
Evolução da visão da Igreja acerca da InternetJoão Pereira
 
Internet na evangelização
Internet na evangelizaçãoInternet na evangelização
Internet na evangelizaçãoJonathan Santos
 
45diamundialcom cartilha
45diamundialcom cartilha45diamundialcom cartilha
45diamundialcom cartilhababins
 
Apresentação inteligência coletiva
Apresentação inteligência coletivaApresentação inteligência coletiva
Apresentação inteligência coletivacomunidadedepraticas
 
Texto apoio 2 educação sociedade informação
Texto apoio 2 educação sociedade informaçãoTexto apoio 2 educação sociedade informação
Texto apoio 2 educação sociedade informaçãoricaselmavera
 
Desafios e oportunidades da Sociedade em Rede para o ensino e a aprendizagem
Desafios e oportunidades da Sociedade em Rede para o ensino e a aprendizagemDesafios e oportunidades da Sociedade em Rede para o ensino e a aprendizagem
Desafios e oportunidades da Sociedade em Rede para o ensino e a aprendizagemLuis Borges Gouveia
 
Mensagem 45º dia das Comunicações Sociais - Papa Bento XVI
Mensagem 45º dia das Comunicações Sociais - Papa Bento XVIMensagem 45º dia das Comunicações Sociais - Papa Bento XVI
Mensagem 45º dia das Comunicações Sociais - Papa Bento XVIRodrigo Catini Flaibam
 
Workshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
Workshop de Netweaving na Comunicação OrganizacionalWorkshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
Workshop de Netweaving na Comunicação OrganizacionalMarcel Ayres
 
Aprendizado em rede e o aluno mundo atual
Aprendizado em rede e o aluno mundo atualAprendizado em rede e o aluno mundo atual
Aprendizado em rede e o aluno mundo atualDilceia Paiva
 
Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?
Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?
Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?comunidadedepraticas
 
Rede social
Rede socialRede social
Rede socialchuqih
 
Religiosidade, Altruísmo e Gestão do Conhecimento
Religiosidade, Altruísmo e Gestão do ConhecimentoReligiosidade, Altruísmo e Gestão do Conhecimento
Religiosidade, Altruísmo e Gestão do ConhecimentoJose Claudio Terra
 

Mais procurados (19)

47º dia mundial das comunicações sociais portugues
47º dia mundial das comunicações sociais   portugues47º dia mundial das comunicações sociais   portugues
47º dia mundial das comunicações sociais portugues
 
Inteligencia Coletiva
Inteligencia ColetivaInteligencia Coletiva
Inteligencia Coletiva
 
Evolução da visão da Igreja acerca da Internet
Evolução da visão da Igreja acerca da InternetEvolução da visão da Igreja acerca da Internet
Evolução da visão da Igreja acerca da Internet
 
Internet na evangelização
Internet na evangelizaçãoInternet na evangelização
Internet na evangelização
 
45diamundialcom cartilha
45diamundialcom cartilha45diamundialcom cartilha
45diamundialcom cartilha
 
Comunidades virtuais
Comunidades virtuaisComunidades virtuais
Comunidades virtuais
 
Apresentação inteligência coletiva
Apresentação inteligência coletivaApresentação inteligência coletiva
Apresentação inteligência coletiva
 
Apresentação redes
Apresentação redesApresentação redes
Apresentação redes
 
Texto apoio 2 educação sociedade informação
Texto apoio 2 educação sociedade informaçãoTexto apoio 2 educação sociedade informação
Texto apoio 2 educação sociedade informação
 
Desafios e oportunidades da Sociedade em Rede para o ensino e a aprendizagem
Desafios e oportunidades da Sociedade em Rede para o ensino e a aprendizagemDesafios e oportunidades da Sociedade em Rede para o ensino e a aprendizagem
Desafios e oportunidades da Sociedade em Rede para o ensino e a aprendizagem
 
Mensagem 45º dia das Comunicações Sociais - Papa Bento XVI
Mensagem 45º dia das Comunicações Sociais - Papa Bento XVIMensagem 45º dia das Comunicações Sociais - Papa Bento XVI
Mensagem 45º dia das Comunicações Sociais - Papa Bento XVI
 
Texto 13
Texto 13Texto 13
Texto 13
 
Workshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
Workshop de Netweaving na Comunicação OrganizacionalWorkshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
Workshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
 
Aprendizado em rede e o aluno mundo atual
Aprendizado em rede e o aluno mundo atualAprendizado em rede e o aluno mundo atual
Aprendizado em rede e o aluno mundo atual
 
Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?
Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?
Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?
 
Cultura Digital
Cultura DigitalCultura Digital
Cultura Digital
 
Rede social
Rede socialRede social
Rede social
 
Religiosidade, Altruísmo e Gestão do Conhecimento
Religiosidade, Altruísmo e Gestão do ConhecimentoReligiosidade, Altruísmo e Gestão do Conhecimento
Religiosidade, Altruísmo e Gestão do Conhecimento
 
Apresentação - Histórico CdP
Apresentação - Histórico CdPApresentação - Histórico CdP
Apresentação - Histórico CdP
 

Semelhante a Novas competências para dizer a fé

Redes sociais, Educomunicação & Vivência Cristã
Redes sociais, Educomunicação & Vivência CristãRedes sociais, Educomunicação & Vivência Cristã
Redes sociais, Educomunicação & Vivência CristãAntonia Alves
 
Mensagem do Dia Mundial da comunicação 2013
Mensagem do Dia Mundial da comunicação 2013Mensagem do Dia Mundial da comunicação 2013
Mensagem do Dia Mundial da comunicação 2013irmaspaulinas
 
Mensagem 43º dia das comunicações - Bento XVI
Mensagem 43º dia das comunicações - Bento XVIMensagem 43º dia das comunicações - Bento XVI
Mensagem 43º dia das comunicações - Bento XVIRodrigo Catini Flaibam
 
PASCOM Diocese de Ourinhos
PASCOM Diocese de OurinhosPASCOM Diocese de Ourinhos
PASCOM Diocese de OurinhosDaniel José
 
G2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educação
G2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educaçãoG2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educação
G2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educaçãoIsabel Santos
 
Redes Sociais
Redes SociaisRedes Sociais
Redes SociaisprofBeth
 
Definição de sociedade em rede
Definição de sociedade em redeDefinição de sociedade em rede
Definição de sociedade em redeAdelaide Dias
 
CATEQUESE_E_COMUNICACAO.pptx
CATEQUESE_E_COMUNICACAO.pptxCATEQUESE_E_COMUNICACAO.pptx
CATEQUESE_E_COMUNICACAO.pptxSandraAvelino4
 
Ecoar a palavra e ressoar os gestos
Ecoar a palavra e ressoar os gestosEcoar a palavra e ressoar os gestos
Ecoar a palavra e ressoar os gestosAfonso Murad (FAJE)
 
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivasOkada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivasDanilo
 
Campanha da Fraternidade 2013 apresentacao-3-parte
Campanha da Fraternidade 2013 apresentacao-3-parteCampanha da Fraternidade 2013 apresentacao-3-parte
Campanha da Fraternidade 2013 apresentacao-3-parteBernadetecebs .
 
Campanha da Fraternidade 2013 apresentação - 3ª parte = AGIR
Campanha da Fraternidade 2013 apresentação - 3ª parte = AGIRCampanha da Fraternidade 2013 apresentação - 3ª parte = AGIR
Campanha da Fraternidade 2013 apresentação - 3ª parte = AGIRWilmar Santin
 
Referencial Ensino Religioso
Referencial Ensino ReligiosoReferencial Ensino Religioso
Referencial Ensino Religiosoacs8cre
 
Referencial de Ensino Religioso
Referencial de Ensino ReligiosoReferencial de Ensino Religioso
Referencial de Ensino Religiosoacs8cre
 
Transmissão da fé na cultura urbana e a escola confessional
Transmissão da fé na cultura urbana e a escola confessionalTransmissão da fé na cultura urbana e a escola confessional
Transmissão da fé na cultura urbana e a escola confessionalAfonso Murad (FAJE)
 
G2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educação
G2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educaçãoG2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educação
G2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educaçãoIsabel Santos
 
Mídia, educação e cultura
Mídia, educação e culturaMídia, educação e cultura
Mídia, educação e culturagutopina2
 
Da pastoral dos meios para uma pastoral da comunicação
Da pastoral dos meios para uma pastoral da comunicaçãoDa pastoral dos meios para uma pastoral da comunicação
Da pastoral dos meios para uma pastoral da comunicaçãoAndréia Gripp
 

Semelhante a Novas competências para dizer a fé (20)

Redes sociais, Educomunicação & Vivência Cristã
Redes sociais, Educomunicação & Vivência CristãRedes sociais, Educomunicação & Vivência Cristã
Redes sociais, Educomunicação & Vivência Cristã
 
Mensagem do Dia Mundial da comunicação 2013
Mensagem do Dia Mundial da comunicação 2013Mensagem do Dia Mundial da comunicação 2013
Mensagem do Dia Mundial da comunicação 2013
 
Mensagem 43º dia das comunicações - Bento XVI
Mensagem 43º dia das comunicações - Bento XVIMensagem 43º dia das comunicações - Bento XVI
Mensagem 43º dia das comunicações - Bento XVI
 
PASCOM Diocese de Ourinhos
PASCOM Diocese de OurinhosPASCOM Diocese de Ourinhos
PASCOM Diocese de Ourinhos
 
G2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educação
G2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educaçãoG2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educação
G2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educação
 
A INTEGRALIDADE DO CUIDADO
A INTEGRALIDADE DO CUIDADOA INTEGRALIDADE DO CUIDADO
A INTEGRALIDADE DO CUIDADO
 
Redes Sociais
Redes SociaisRedes Sociais
Redes Sociais
 
Definição de sociedade em rede
Definição de sociedade em redeDefinição de sociedade em rede
Definição de sociedade em rede
 
CATEQUESE_E_COMUNICACAO.pptx
CATEQUESE_E_COMUNICACAO.pptxCATEQUESE_E_COMUNICACAO.pptx
CATEQUESE_E_COMUNICACAO.pptx
 
Ecoar a palavra e ressoar os gestos
Ecoar a palavra e ressoar os gestosEcoar a palavra e ressoar os gestos
Ecoar a palavra e ressoar os gestos
 
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivasOkada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
 
Campanha da Fraternidade 2013 apresentacao-3-parte
Campanha da Fraternidade 2013 apresentacao-3-parteCampanha da Fraternidade 2013 apresentacao-3-parte
Campanha da Fraternidade 2013 apresentacao-3-parte
 
Campanha da Fraternidade 2013 apresentação - 3ª parte = AGIR
Campanha da Fraternidade 2013 apresentação - 3ª parte = AGIRCampanha da Fraternidade 2013 apresentação - 3ª parte = AGIR
Campanha da Fraternidade 2013 apresentação - 3ª parte = AGIR
 
Referencial Ensino Religioso
Referencial Ensino ReligiosoReferencial Ensino Religioso
Referencial Ensino Religioso
 
Referencial de Ensino Religioso
Referencial de Ensino ReligiosoReferencial de Ensino Religioso
Referencial de Ensino Religioso
 
ApresentaçãO Livro Ppp
ApresentaçãO Livro PppApresentaçãO Livro Ppp
ApresentaçãO Livro Ppp
 
Transmissão da fé na cultura urbana e a escola confessional
Transmissão da fé na cultura urbana e a escola confessionalTransmissão da fé na cultura urbana e a escola confessional
Transmissão da fé na cultura urbana e a escola confessional
 
G2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educação
G2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educaçãoG2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educação
G2 ana lucia tr 38 do ensinamento interativo...nova sociabilidade na educação
 
Mídia, educação e cultura
Mídia, educação e culturaMídia, educação e cultura
Mídia, educação e cultura
 
Da pastoral dos meios para uma pastoral da comunicação
Da pastoral dos meios para uma pastoral da comunicaçãoDa pastoral dos meios para uma pastoral da comunicação
Da pastoral dos meios para uma pastoral da comunicação
 

Mais de Luís Miguel Rodrigues (19)

Natal 2012
Natal 2012Natal 2012
Natal 2012
 
Natal: experiência de Deus
Natal: experiência de DeusNatal: experiência de Deus
Natal: experiência de Deus
 
Qualidade espiritual e sanação
Qualidade espiritual e sanaçãoQualidade espiritual e sanação
Qualidade espiritual e sanação
 
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentesO papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
 
O fim do Bom Senso
O fim do Bom SensoO fim do Bom Senso
O fim do Bom Senso
 
Nova evangelização e cultura digital
Nova evangelização e cultura digitalNova evangelização e cultura digital
Nova evangelização e cultura digital
 
Discernimento
DiscernimentoDiscernimento
Discernimento
 
Metodologias de Investigação
Metodologias de InvestigaçãoMetodologias de Investigação
Metodologias de Investigação
 
materias_e_catequese
materias_e_catequesematerias_e_catequese
materias_e_catequese
 
CNBB - Diretorio Nancional de Catequese
CNBB - Diretorio Nancional de CatequeseCNBB - Diretorio Nancional de Catequese
CNBB - Diretorio Nancional de Catequese
 
Atlas - Análise Qualitativa
Atlas - Análise QualitativaAtlas - Análise Qualitativa
Atlas - Análise Qualitativa
 
Mendeley Teaching Presentation
Mendeley Teaching PresentationMendeley Teaching Presentation
Mendeley Teaching Presentation
 
Guimarães e Vizela - 2010
Guimarães e Vizela - 2010Guimarães e Vizela - 2010
Guimarães e Vizela - 2010
 
Gravida No Coração
Gravida No CoraçãoGravida No Coração
Gravida No Coração
 
Para Que Acreditem E Tenham Vida
Para Que Acreditem E Tenham VidaPara Que Acreditem E Tenham Vida
Para Que Acreditem E Tenham Vida
 
The Art Of Blogging
The Art Of BloggingThe Art Of Blogging
The Art Of Blogging
 
Ser Transparente
Ser TransparenteSer Transparente
Ser Transparente
 
Ser Transparente
Ser TransparenteSer Transparente
Ser Transparente
 
Wedemeyer - Estudo Independente
Wedemeyer - Estudo IndependenteWedemeyer - Estudo Independente
Wedemeyer - Estudo Independente
 

Último

Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...excellenceeducaciona
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...excellenceeducaciona
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...azulassessoriaacadem3
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 

Novas competências para dizer a fé

  • 1. NOVAS COMPETÊNCIAS PARA DIZER A FÉ Luís Miguel FIGUEIREDO RODRIGUES lmrodrigues@braga.ucp.pt
  • 2. Desafios ■ A realidade complexa que se costuma denominar como “internet”, mais do que um média ou a conjugação de diversos média, que não deixa de o ser, é um novo ambiente que emerge e que transforma, em pouco tempo, a maneira de comunicar, a linguagem, a relação com a escrita, as relações sociais, a relação com o espaço e o tempo – a perceção que deles se tem –, e o modo de aprender. ■ Este modo de entender os média leva a que eles não sejam considerados apenas no seu aspeto material, mas sobretudo como um ambiente, inserido plenamente na construção da sociedade, com a consequente criação e recriação de significados.
  • 3. Desafios ■ «Os meios de comunicação podem ser os arquitetos de uma nova proximidade, o resultado do confronto e de encontro, ocasião contínua de revelação de si mesmo ao outro, assumindo uma responsabilidade para com os outros» (CONFERENZA EPISCOPALE ITALIANA). ■ Três desafios: – Necessidade de conhecer bem o novo ambiente – Romper isolamentos – Potenciar encontros verdadeiros com o Evangelho
  • 4. Desafios ■ «O mundo da comunicação afeta todo o universo cultural, social e espiritual da pessoa humana. Se as novas linguagens têm um impacto sobre o modo de pensar e de viver, isto diz respeito de alguma maneira também ao mundo da fé, da sua inteligência e expressão. (...) A cultura digital apresenta novos desafios à nossa capacidade de falar e de ouvir uma linguagem simbólica que fale da transcendência. O próprio Jesus, no anúncio do Reino, soube utilizar elementos da cultura e do ambiente do seu tempo: o rebanho, os campos, o banquete, as sementes, e assim por diante. Hoje somos chamados a descobrir, também na cultura digital, símbolos e metáforas significativos para as pessoas, que possam servir de ajuda ao falar do Reino de Deus ao homem contemporâneo» (BENTO XVI, Discurso do Papa Bento XVI aos participantes na Assembleia Plenária do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais).
  • 5. Religião on-line ■ Na pós-modernidade homem volta a refugiar-se na religião/espiritualidade para se livrar do caos. Mas a transmissão de valores transcendentes que deem sentido ao conjunto da existência não se pode confiar sem mais aos média, que não fazem outra coisa que não seja aumentar a perplexidade na medida em que saturam de informação sobre a complexidade existente. ■ Diante deste panorama a Igreja é desafiada a : – Compreender e assumir os desafios da a ética hacker, o principal desafio será, então, o de não confundir o conceito de conexão com o de comunhão. – Procurar que a conexão virtual se atualize em laços de familiaridade, com todas as suas implicações, deixando a presença física de ser vista como acessória e passando a ser parte integrante, objetivo a atingir, nas diversas virtualizações.
  • 6. Religião on-line «Múltiplos laços existem entre a mensagem da salvação e a cultura humana. Deus, com efeito, revelando-se ao seu povo até à plena manifestação de Si mesmo no Filho encarnado, falou segundo a cultura própria de cada época. Do mesmo modo, a Igreja, vivendo no decurso dos tempos em diversos condicionalismos, empregou os recursos das diversas culturas para fazer chegar a todas as gentes a mensagem de Cristo, para a explicar, investigar e penetrar mais profundamente e para lhe dar melhor expressão na celebração da Liturgia e na vida da multiforme comunidade dos fiéis» (GS 58).
  • 7. Religião on-line ■ A autoridade ■ Na ética hacker a autoridade é distinta. Na hacker não há qualquer autoridade exterior, valendo apenas os conceitos de eficácia e de eficiência, o que determina o modo de entender a experiência, de viver as relações e de conceber a realidade. ■ Mas o dom é mais do que troca gratuita. À Revelação, como dom de Deus, não se chega apenas com as próprias forças. ■ Urge apresentar um princípio são de autoridade, que valorize o fundamento externo ao homem e às suas possibilidades, da Revelação e da graça. ■ A vida e o seu significado não são exauríveis numa rede horizontal, mas que o homem é sempre orientado para a sua transcendência.
  • 8. Religião on-line ■ A autoridade ■ A autoridade vem do testemunho. ■ O testemunho é aquilo «que prende a própria existência na sua profundidade e lhe dá significado perfeito e, neste sentido, é profético porque é uma palavra para o futuro que surge da comunidade e gera seguidores» (S. PIÉ-NINOT). ■ A autoridade vem da sinceridade da busca.
  • 9. Identidade narrativa ■ Como encontrar permanência numa realidade tão volátil? ■ Testemunhar/narrar «constrói o carácter durável de um personagem, que se pode chamar a sua identidade narrativa, construindo o tipo de identidade dinâmica própria à intriga que faz a identidade do personagem. É, pois, em primeiro lugar, na intriga que é necessário procurar a mediação entre permanência e mudança, antes de poder aplicá-la à personagem. A vantagem deste desvio pela intriga é que ela fornece o modelo de concordância discordante sobre a qual é possível construir a identidade narrativa do personagem. A identidade narrativa da personagem só poderá ser correlativa da concordância discordante da própria história» (P. RICOEUR)
  • 10. Identidade narrativa ■ Como encontrar permanência numa realidade tão volátil? ■ O texto narrativo adquire, então, o seu pendor performativo, «na medida em que, poieticamente, origina algo, a partir de si mesmo. Esta eficácia constitui uma espécie de “sacramentalidade” do texto, que vai muito além do potencial informativo do mesmo e que pode ser considerada a sua pragmática profunda – faz com que os leitores sejam aquilo que são: origina o seu ser-assim ou a sua identidade» (J. M. DUQUE). ■ Ao narrar-se, organiza-se a própria vida, dotando de coerência a ação que vê na narrativa desta a unificação das diversas dimensões, até aí dispersas, da sua identidade.
  • 11. E-vangelização ■ Promover ecologias crentes (George Siemens): «Uma ecologia é um ambiente que promove e suporta a criação de comunidades. [...] uma ecologia é um sistema aberto, dinâmico e interdependente, diversificado, parcialmente auto- organizado, adaptativo e frágil. [...] [ecologia de digital é] um conjunto de comunidades de interesses que se sobrepõem; uma inter-polinização entre elas; uma evolução constante; sobretudo auto-organizada» (José MOTA).
  • 12. E-vangelização ■ As presenças devem ser: – Ser informal e não estruturado, para permitir aos participantes criarem de acordo com as suas necessidades; – Ser rico em ferramentas, para proporcionar aos participantes muitas oportunidades de partilha, através de diversos suportes. Mas com ponderação, porque uma oferta demasiado ampla pode, em vez de ajudar, confundir; – Ter consistência no tempo, pois muitas comunidades e projetos começam com grandes expetativas, notoriedade e promoção e, depois, desaparecem lentamente. Para criar uma ecologia de partilha de conhecimento, os participantes precisam de um ambiente que evolui de forma consistente;
  • 13. E-vangelização ■ As presenças devem ser: – Ser confiável, pois só o contacto social intenso, presencial ou em linha, permite desenvolver um sentimento de confiança e de conforto, e para tal é necessário que os ambientes transmitam segurança; – Ser simples; a simplicidade deve ser prioritária. Há excelentes ideias que falham devido à sua apresentação complexa. Quer a seleção de ferramentas, quer a criação da estrutura da comunidade devem refletir esta preocupação com a simplicidade; – Ser descentralizado, apoiado, conectado; a ecologia não deveria estar centralizada e gerida de forma isolada, antes permitir aos participantes a capacidade de formarem as suas próprias conexões; – Possuir um alto nível de tolerância à experimentação e ao erro, já que a inovação é uma função da experimentação, da causalidade e do erro. Deve procurar-se um ambiente com grande tolerância e espírito inquisitivo, de modo a estimular o crescimento do conhecimento.
  • 14. Fatores que potenciam ■ Alguns conceitos: – Literacia digital e mediática – Nativo digital – Presença visível ou invisível – “Onde” se toca no mundo digital ■ O conceito de comunidade, mediação textual e autoridade (Heide Campbell).
  • 16. Fatores que potenciam ■ Comunidade ■ Reconhecer as negociações que possam ocorrer dentro das fronteiras de uma determinada comunidade. ■ Estas fronteiras estabelecem-se a partir dos padrões acordados para aquilo que é admissível ou não integrar e compaginar com um determinado texto de referência. O texto sagrado ou identitário. ■ As fronteiras estão estreitamente ligadas à fisionomia daqueles que nessa comunidade têm (ou se considera ter) o direito e a responsabilidade de orientar para a interpretação correta.
  • 17. Fatores que potenciam ■ Mediação textual ■ Uma representação mais experiencial terá mais dificuldade do que uma mais ligada à proclamação do texto?! ■ Observando a relação de uma comunidade com o seu texto sagrado já dá para entender o modo como se relaciona com os média. ■ A flexibilidade ou rigidez na interpretação dos textos sagrados configura o modo como a representação de Deus é realizada no ciberespaço. ■ E também sobre que tipo de Web será mais utilizada: Web 1.0 para conceções mais fixas e rígidas e Web 2.0 para conceções mais flexíveis e com autoridades mais participadas.
  • 18. Fatores que potenciam ■ Autoridade ■ O surgimento da possibilidade de qualquer pessoa poder ter um espaço seu na Web, de forma gratuita e fácil, fez com que as relações de poder fossem reconfiguradas. ■ O surgimento da blogosfera democratizou as vozes que se expressam com mais liberdade no ciberespaço, o que alterou a configuração dos magistérios que se ouvem. ■ A importância acaba por ser indexada ao destaque que se alcança nos motores de buscas. O que não deixa de levantar outras problemáticas.
  • 22. NOVAS COMPETÊNCIAS PARA DIZER A FÉ OBRIGADO Luís Miguel FIGUEIREDO RODRIGUES lmrodrigues@braga.ucp.pt