SlideShare uma empresa Scribd logo
Liliana Planel Lugarinho
Coordenadora Executiva EBBS/IFF/Fiocruz
Encontro Regional: Fortalecimento da Atenção Básica na
articulação das Redes de Atenção à Saúde no contexto da
Síndrome Congênita Associada à Infecção pelo Vírus Zika
Recife, 13/9/2017
A INTEGRALIDADE DO CUIDADO:
O DESAFIO DAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE
NO CONTEXTO DA SÍNDROME CONGÊNITA
ASSOCIADA À INFECÇÃO PELO VÍRUS ZIKA
Cuidado: Uma lembrança do Mito de Higino
https://www.youtube.com/watch?v=hxFrwMeQNyU•O cuidado é tão importante para a vida humana e para a preservação
de todo tipo de vida, que deu origem a esta fabula-mito. Foi
personalizado, virou um ser concreto. Molda a argila. Conversa com o
céu (Júpiter) e a Terra (Tellus), a historia e a utopia(Saturno) .
•A fábula recolhe ainda uma experiência testemunhada em muitas
culturas do ocidente e do oriente: a criação do ser humano a partir do
barro da terra, plasmada a partir do húmus, que significa terra fértil.
De húmus deriva seu nome: homem, filho e filha da terra fecunda.
•O ser humano não pode ser interpretado apenas a partir da Terra
(Tellus). Ele possui algo do céu, do divino (Júpiter). Por isso o relato
conta que esse barro não permaneceu inerte. Recebeu da divindade o
principio de vida, o espírito. Só, então, é ser humano completo.
•É Júpiter a divindade suprema, que lhe infunde espiritualidade.
• Ver: http://reginahelenagomes.blogspot.com.br/2011/03/fabula-mito-do-cuidado-fabula-de-higino.html
EBBS E SEUS MARCOS CONCEITUAIS PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL
SAUDÁVEL: CUIDADO ESSENCIAL
• CUIDADO COMO UM MODO DE SER ESSENCIAL:
• Do ponto de vista existencial, o cuidado deve estar presente a priori, antes de
toda atitude e situação do ser humano. É uma dimensão frontal, originária,
ontológica.
• Cuidar das coisas implica ter intimidade, acolhê-las, respeitá- las e entrar em
sintonia com o seu ritmo . A razão técnica do modelo cartesiano abre caminho
para a consideração daquilo que nos afeta e sobre a qual sustentamos nosso
trabalho ( paradigma do cuidado)
• Este modo de ser-no-mundo, na forma de cuidado, permite ao ser humano viver
a forma fundamental do valor intrínseco às coisas, do qual emerge a dimensão
de alteridade, de respeito, de reciprocidade e de complementaridade.
EBBS E SEUS MARCOS CONCEITUAIS PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL
SAUDÁVEL: CUIDADO, AMBIENTE FACILITADOR E POLÍTICAS PÚBLICAS
• O Cuidado que recebemos de nosso(s) cuidador(es) é a base da nossa existência.
É o nosso “criador” pois sem ele não existimos nem sobrevivemos: todos
nascemos absolutamente dependentes do cuidado de um outro humano que gera
nosso processo de humanização.
• O papel do cuidador de um outro ser humano é de alguém que propiciou e
sustentou física e emocionalmente um ambiente suficientemente bom capaz de
favorecer o desenvolvimento pleno deste novo ser.
• Confiabilidade, Empatia, Vínculo, Cooperação, recheiam isso que chamamos -
com Donald Winnicott - de Ambiente Facilitador à Vida.
• O Paradigma do Cuidado e sua ética fundamentam a construção do projeto de
civilização que queremos e deve balizar qualquer politica pública.
Integralidade
Por que integralidade e cuidado são tão
desafiadores?
• Quando falamos de integralidade na assistência, especialmente à criança e seus
cuidadores, entendemos o cuidado permeando a construção de um ambiente
saudável que favoreça o pleno desenvolvimento infantil.
• Tal como Cuidado necessitou da Terra, de Júpiter, de Saturno, do húmus, para
constituir o Homem, também aqui múltiplos saberes, práticas, dimensões e
instâncias federativas, são requisitadas para a atenção integral.
• Só o cuidado com os profissionais das diversas áreas que compõem este campo -
para que possam cuidar verdadeiramente, das crianças e famílias sob sua
responsabilidade - demanda minimamente o amparo de uma equipe parceira e de
uma instituição que os respalde, provendo um ambiente de trabalho favorável para
que estejam mais potentes, disponíveis e permeáveis ao exercício diário do
cuidado.
• A multiprofissionalidade exigida em diversas dimensões dos saberes que envolvem
para além da assistência direta, pelo menos, ensino, pesquisa e inovações
tecnológicas duras e leves, que cumpram o desafio do cuidado integral, nos indica a
perspectiva do trabalho em rede.
REDES
• A configuração de ‘redes’ nos obriga a pensar em seus efeitos e consequências.
• A questão que se coloca é: como dar conta da diversidade e da singularidade da vida real e
complexa que flui em muitas direções e níveis, e arranjá-la no encadeamento racional da
‘rede’, que pode ser dispositivo de embalar sonhos instituintes de novos arranjos
relacionais entre equipes e usuários, mas é também instrumento de captura, isto é, pode
perfeitamente ser usada como uma estratégia racionalizadora, de cunho normativo, que
toma a forma de programa e linha de financiamento.
• Dilemas:
• Ser dispositivo de integração institucional e interpares,
• E (ser) processo de construção coletiva e parteira de autonomia corresponsável
(1) a ‘rede’ que integra e organiza, também pode ser (e muitas vezes é) a mesma que
aprisiona, comprime, constrange;
(2) uma ‘rede’ é um conjunto de pontos amarrados, mas deve ser também uma trama aberta
ao incerto, ao inesperado, ao desestruturado;
(3) uma ‘rede’ delimita um platô , mas para ser multiforme deve ser multiplana, ou seja,
abrir-se para as possibilidades de outros ‘planos’ e ‘dimensões’.
Convém, portanto, que pensemos na “rede” como um sistema de nós em aberto e como uma
multidimensionalidade potencial.
Redes de Saúde – questões para todos:
REDES
•Outro aspecto crucial dessa ambiguidade da ‘rede’ é o fato de nela
ter que haver cooperação e coordenação compartilhadas, com todos
colaborando e atuando para o mesmo fim.
•Isto é: a trama de vários ‘nós’ que pede coordenação, sentido de
ordem, de proporção e de ligação de coisas sempre unidas.
•Mas nesta ambiguidade, o que vai predominar? O efeito da ‘rede’ como
ordem e organização, ou a constituição da ‘rede’ como instituinte de
tramas que se compõem sem cessar em sua inventividade?
•Os serviços até se fortalecem em relação à efetividade quando
interligam e expandem políticas sociais, com ganhos em qualidade e
em redução de custos. Porém, mesmo em nome da produção de um
bem social, a ‘rede’ pode não passar apenas de resposta à insuficiência
da capacidade de integração das lógicas burocráticas, administrativas
ou racionalizadoras do planejamento.
• Tal conjunto de argumentos não deixa de ser o reconhecimento
implícito de uma ‘dobra’, uma espécie de moeda de duas faces que
também delimita o fato de que as ‘redes’ têm o seu avesso.
Planos macro e micropolíticos das redes
Construção de Redes de Saúde – aspectos macro
REDES DE CONVERSAÇÃO: um dispositivo estratégico para
o trabalho cooperativo
•As redes são compostas de pessoas e são construídas e articuladas a partir
da conversa entre elas! Somos seres falantes e devemos exercer essa
função! Para que haja conversa, é preciso que haja encontro.
•As tecnologias relacionais ou leves nos trazem novidades:
- favorecem a construção de vínculos afetivos e as formas de comunicação
empática, conformando redes de trabalho que incluem os aspectos
afetivos e relacionais nas práticas.
- qualificam os encontros entre diferentes serviços, pessoas,
especialidades e saberes, estabelecendo fluxos com recursos criativos na
articulação entre os serviços, produzindo conexões menos segmentadas e
hierarquizadas e mais contínuas e horizontalizadas.
•Aumentar o grau de comunicação entre os atores é uma tarefa urgente!
Isso significa estabelecer pontos de conexão dessa rede: os ‘nós da rede’.
• Toda rede é composta de vários nós que entrelaçam os participantes.
Estes nós podem fazer fluir as informações, tornando as práticas mais
resolutivas, ou podem emperrar o processo, tornando a rede um
verdadeiro emaranhado.
Nós na rede – sujeitos, subjetividades e a equipe de trabalho
REDES DE CONVERSAÇÃO: um dispositivo
estratégico para o trabalho cooperativo
•É preciso que a rede se consolide como um autêntico espaço coletivo
de conversações, onde o cuidado possa fluir de forma articulada,
pactuada e transparente, definindo uma trilha, que pode vir a orientar
linhas de cuidado sempre abertas às situações singulares.
•As questões trazidas pelos profissionais cuidadores de crianças e
famílias que vivem a realidade da SZC é exemplar: por se tratar de uma
situação recente em Saúde Pública, e com muitas interrogações e
incertezas a respeito de sua história, muito do que está instituído nessa
trajetória encontra-se aberto ao desconhecido, àquilo ainda a ser
verificado, podendo gerar re-arranjos ou novos arranjos de cuidado
entre as pessoas envolvidas.
•Destacamos aqui a preposição ENTRE – de grande valor para nós –
representando o espaço relacional onde os vínculos acontecem ( entre
pessoas) para sustentação dos nós da rede, com empatia e possibilidade
de cooperação.
COOPERAÇÃO e TÁTICAS: HABILIDADES INERENTES AO COMO FAZER UMA
POLÍTICA PÚBLICA - (JUNTOS/ Sennett)
Capacidade de cooperar como recurso adaptativo: o impulso do bebê para trocas e seu
encontro com o ambiente nos primeiros anos de vida, especialmente com retornos inesperados,
favorece a descoberta do outro, e enraíza sua experiência de vida na complexidade e na diferença.
Cooperação como uma troca: ambas as partes se beneficiam.O exemplo da cooperação mãe-
bebê desde o estado de Preocupação Materna Primária.(Winnicott, 1956)
Habilidades dialógicas: ouvir com atenção, agir com tato, encontrar pontos de convergência e de
gestão da discordância.
Empatia: envolvimento reservado e exigente de estar próximo ao outro para a cooperação e
construção de vínculo. - sem entretanto ocupar seu lugar ou falar em seu nome.
A capacidade de cooperar é absolutamente fundamental aos desafios da
intersetorialidade e integralidade.
Rede quente e Rede fria: segundo a visão da EBBS
• Buscar eficácia e articulação nos planos macro e micropolítico das ações.
• Estabelecer fluxos na condução de serviços de saúde com conexões menos segmentadas
e hierarquizadas e mais contínuas e horizontalizadas.
• Promover a comunicação entre os serviços de forma mais ágil e eficaz , considerando os
pontos de conexão dessa rede – os ‘nós da rede’.
• Compreender os nós da rede como pontos de ligação que podem reforçar ou dar
consistência ao que está sendo realizado, mas que também podem significar o
emperramento do processo.
• Perceber que nós, profissionais da e na rede, podemos favorecer ou dificultar estes
pontos de ligação considerando nossas relações com os demais, nossa implicação ou
reserva diante do trabalho proposto.
Cuidado, integralidade e Proposta do
trabalho em Rede
 
UMA PROPOSTA ESTRATÉGICA PARA O CUIDADO INTEGRAL ÀS
CRIANÇAS E FAMÍLIAS DIANTE DA SZC
• ESTRATÉGIA abriga concepção, articulação, realização e acompanhamento das ações de
cuidado propostas pelo estado para serem desempenhadas por um conjunto de atores das
diferentes áreas envolvidas, buscando obter impacto social.
• A EPIDEMIA DE ZIKA COMO EMERGENTE QUE DEMANDA ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA
CRIANÇA trouxe à tona a necessidade de se estabelecer, no âmbito do governo federal em
articulação com os estados e municípios brasileiros, uma formulação estratégica
articulando diferentes saberes e técnicas de cuidado, num modo de fazer colaborativo para
enfrentamento de uma situação que se colocou como emergência mundial em saúde
pública.
• NOSSO DESAFIO ABRANGE 4 EIXOS:
1. SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA
2. CUIDADO INTEGRAL ÀS CRIANÇAS COM SZC
3. APOIO BIOPSICOSSOCIAL ÀS FAMÍLIAS
4. EDUCAÇÃO PERMANENTE
Esta configuração de trabalho no campo da saúde traz o desafio de articulação dos eixos
acima referidos aos 7 eixos da PNAISC com as diferentes Redes de Atenção
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Bowlby, J. Formação e Rompimento dos Laços Afetivos. São Paulo: Martins
Fontes. 2006.
Bronfenbrenner, U. Teoria ecológica do desenvolvimento humano.
Buss,P M & Pelegrini, A – A Saúde e seus Determinantes Sociais PHYSIS Rev
Saúde Coletiva, !7(1)pp77-03 Rj, 2007
Camargo Jr KR. Apresentação. In: Pinheiro R, Mattos R, organizadores. Os
sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro:
IMS/Uerj, Abrasco; 2006. p. 11-15.
Davis, M & Wallbridge, D – Limite e Espaço: uma introdução à obra de
D.W.Winnicott, RJ, Imago, 1982
Gurgel AG, Redes interfederativas de saúde: um arranjo assistencial
instituinte ou mais uma estratégia gerencial? Ciência & Saúde Coletiva [en
linea] 2011, 16 (Marzo-Sin mes) : [Data de consulta: 11 de septiembre de 2017] Disponible en:
<http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=63018467003> ISSN 1413-8123
Mattos R. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores
que merecem ser defendidos In: Pinheiro R, Mattos R, organizadores. Os
sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro:
Cepesc/IMS-Uerj, Abrasco; 2006. p. 39-64.
 
Ministério da Saúde - Manual de Práticas em Atenção Básica: Saúde
Ampliada e Compartilhada. Org Gastão W.S. Campos & André V. P. Guerrero.
Penello, L & Rosário, S - Estratégia Brasileirinhas e Brasileirinhos Saudáveis
(EBBS): sobre as razões e os afetos do percurso estratégico em defesa de uma
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança – em Saúde e
Infância – A EBBS e a Construção da PNAISC - Conceitos e Experiências –
Divulgação em Saúde para Debate, no.53, Cebes, Rj, 2016
Sennett, R – Juntos: os rituais, os prazeres e a política de cooperação,
Record, Rj, 2012
Winnicott, DW. “O Ambiente” in: A Natureza Humana. Rio de Janeiro:
Imago, 1990.
_____.“A preocupação materna primária”. In: Da pediatria à psicanálise. Rio
de Janeiro: Francisco Alves, 1988.
_____. (1969) A Experiência mãe-bebê de Mutualidade.
_____. Mais ideias sobre bebês como pessoa, in: A Criança e o seu Mundo, Rio
de Janeiro: Guanabara Koogan, 1982, 6ª Ed.
_____. (1945) O Desenvolvimento Emocional Primitivo. In: Da Pediatria à
Psicanálise. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1988.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
Estephane ingrid Souza Pessoa
 
COMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOSCOMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOS
Daiane Daine
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
Ylla Cohim
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
Francisco Fialho
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
jorge luiz dos santos de souza
 
VISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIARVISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIAR
ivone guedes borges
 
Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1
Alinebrauna Brauna
 
HumanizaSUS
HumanizaSUSHumanizaSUS
HumanizaSUS
Lene So
 
Modelo parecer social
Modelo  parecer socialModelo  parecer social
Modelo parecer social
Rosane Domingues
 
A humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalarA humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalar
Eugenio Rocha
 
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
rosiclermalta
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
Katia Pontes Remijo
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Slides apoio matricial
Slides apoio matricialSlides apoio matricial
Slides apoio matricial
Paula Oliveira
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Aula de humanização plt
Aula de humanização pltAula de humanização plt
Aula de humanização plt
enfanhanguera
 
Curso de Qualificação - Agentes Comunitários de Saúde
Curso de Qualificação - Agentes Comunitários de SaúdeCurso de Qualificação - Agentes Comunitários de Saúde
Curso de Qualificação - Agentes Comunitários de Saúde
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Humanização hospitalar
Humanização hospitalarHumanização hospitalar
Humanização hospitalar
Kelvyane Fonseca
 
3. acolhimento
3. acolhimento3. acolhimento
3. acolhimento
Leonardo Savassi
 
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
Allan Vieira
 

Mais procurados (20)

Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
 
COMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOSCOMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOS
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
VISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIARVISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIAR
 
Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1
 
HumanizaSUS
HumanizaSUSHumanizaSUS
HumanizaSUS
 
Modelo parecer social
Modelo  parecer socialModelo  parecer social
Modelo parecer social
 
A humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalarA humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalar
 
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Slides apoio matricial
Slides apoio matricialSlides apoio matricial
Slides apoio matricial
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Aula de humanização plt
Aula de humanização pltAula de humanização plt
Aula de humanização plt
 
Curso de Qualificação - Agentes Comunitários de Saúde
Curso de Qualificação - Agentes Comunitários de SaúdeCurso de Qualificação - Agentes Comunitários de Saúde
Curso de Qualificação - Agentes Comunitários de Saúde
 
Humanização hospitalar
Humanização hospitalarHumanização hospitalar
Humanização hospitalar
 
3. acolhimento
3. acolhimento3. acolhimento
3. acolhimento
 
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
 

Semelhante a A INTEGRALIDADE DO CUIDADO

A promoção da área da saúde nas redes sociais
A promoção da área da saúde nas redes sociaisA promoção da área da saúde nas redes sociais
A promoção da área da saúde nas redes sociais
Aline Corso
 
Redes - uma introdução às dinamicas da conectividade e da auto-organização
Redes - uma introdução às dinamicas da conectividade e da auto-organizaçãoRedes - uma introdução às dinamicas da conectividade e da auto-organização
Redes - uma introdução às dinamicas da conectividade e da auto-organização
Colaborativismo
 
Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimentos
Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimentosTecnologia na escola: criação de redes de conhecimentos
Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimentos
ntepedagogico
 
Novas competências para dizer a fé
Novas competências para dizer a féNovas competências para dizer a fé
Novas competências para dizer a fé
Luís Miguel Rodrigues
 
Complemento da apostila i
Complemento da apostila iComplemento da apostila i
Complemento da apostila i
Eduardo Lopes
 
Tese abrigo
Tese abrigoTese abrigo
Tese abrigo
REURIANNI
 
Conectivismo
ConectivismoConectivismo
Conectivismo
Neuza Pedro
 
aprendizagem emocional nas redes sociais
aprendizagem emocional nas redes sociaisaprendizagem emocional nas redes sociais
aprendizagem emocional nas redes sociais
Luis Fernando Guggenberger
 
A Pedagogia da Cooperação - Fábio Otuzi Brotto
A Pedagogia da Cooperação - Fábio Otuzi BrottoA Pedagogia da Cooperação - Fábio Otuzi Brotto
A Pedagogia da Cooperação - Fábio Otuzi Brotto
Jorge Silva
 
Grupar conceitos 2015
Grupar conceitos 2015Grupar conceitos 2015
Grupar conceitos 2015
Adriana Bruno
 
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivasOkada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
Danilo
 
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimentoAula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Carlos Alves
 
Educ Hipertextual: Conceitos Basicos
Educ Hipertextual: Conceitos BasicosEduc Hipertextual: Conceitos Basicos
Educ Hipertextual: Conceitos Basicos
Robson Santos da Silva
 
Processo de Design de um Jogo para Ambientes Multissensoriais
Processo de Design de um Jogo para Ambientes MultissensoriaisProcesso de Design de um Jogo para Ambientes Multissensoriais
Processo de Design de um Jogo para Ambientes Multissensoriais
Andre Luiz Abrahão
 
Arquitetura da complexidade design à serviço da vida - ed02 art05-evandro
Arquitetura da complexidade   design à serviço da vida - ed02 art05-evandroArquitetura da complexidade   design à serviço da vida - ed02 art05-evandro
Arquitetura da complexidade design à serviço da vida - ed02 art05-evandro
Evandro Sanguinetto
 
060727 artigo - planejamento participativo na transição de conteúdos progra...
060727   artigo - planejamento participativo na transição de conteúdos progra...060727   artigo - planejamento participativo na transição de conteúdos progra...
060727 artigo - planejamento participativo na transição de conteúdos progra...
Evandro Sanguinetto
 
Redes e comunidades - ensino-aprendizagem pela internet
Redes e comunidades - ensino-aprendizagem pela internetRedes e comunidades - ensino-aprendizagem pela internet
Redes e comunidades - ensino-aprendizagem pela internet
Renata de Sousa
 
Pressupostos de acção em intervenção precoce
Pressupostos de acção em intervenção precocePressupostos de acção em intervenção precoce
Pressupostos de acção em intervenção precoce
Joaquim Colôa
 
Transmissão da fé na cultura urbana e a escola confessional
Transmissão da fé na cultura urbana e a escola confessionalTransmissão da fé na cultura urbana e a escola confessional
Transmissão da fé na cultura urbana e a escola confessional
Afonso Murad (FAJE)
 
1º Workshop Equilibria UFP
1º Workshop Equilibria UFP1º Workshop Equilibria UFP
1º Workshop Equilibria UFP
Luis Borges Gouveia
 

Semelhante a A INTEGRALIDADE DO CUIDADO (20)

A promoção da área da saúde nas redes sociais
A promoção da área da saúde nas redes sociaisA promoção da área da saúde nas redes sociais
A promoção da área da saúde nas redes sociais
 
Redes - uma introdução às dinamicas da conectividade e da auto-organização
Redes - uma introdução às dinamicas da conectividade e da auto-organizaçãoRedes - uma introdução às dinamicas da conectividade e da auto-organização
Redes - uma introdução às dinamicas da conectividade e da auto-organização
 
Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimentos
Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimentosTecnologia na escola: criação de redes de conhecimentos
Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimentos
 
Novas competências para dizer a fé
Novas competências para dizer a féNovas competências para dizer a fé
Novas competências para dizer a fé
 
Complemento da apostila i
Complemento da apostila iComplemento da apostila i
Complemento da apostila i
 
Tese abrigo
Tese abrigoTese abrigo
Tese abrigo
 
Conectivismo
ConectivismoConectivismo
Conectivismo
 
aprendizagem emocional nas redes sociais
aprendizagem emocional nas redes sociaisaprendizagem emocional nas redes sociais
aprendizagem emocional nas redes sociais
 
A Pedagogia da Cooperação - Fábio Otuzi Brotto
A Pedagogia da Cooperação - Fábio Otuzi BrottoA Pedagogia da Cooperação - Fábio Otuzi Brotto
A Pedagogia da Cooperação - Fábio Otuzi Brotto
 
Grupar conceitos 2015
Grupar conceitos 2015Grupar conceitos 2015
Grupar conceitos 2015
 
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivasOkada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
 
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimentoAula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimento
 
Educ Hipertextual: Conceitos Basicos
Educ Hipertextual: Conceitos BasicosEduc Hipertextual: Conceitos Basicos
Educ Hipertextual: Conceitos Basicos
 
Processo de Design de um Jogo para Ambientes Multissensoriais
Processo de Design de um Jogo para Ambientes MultissensoriaisProcesso de Design de um Jogo para Ambientes Multissensoriais
Processo de Design de um Jogo para Ambientes Multissensoriais
 
Arquitetura da complexidade design à serviço da vida - ed02 art05-evandro
Arquitetura da complexidade   design à serviço da vida - ed02 art05-evandroArquitetura da complexidade   design à serviço da vida - ed02 art05-evandro
Arquitetura da complexidade design à serviço da vida - ed02 art05-evandro
 
060727 artigo - planejamento participativo na transição de conteúdos progra...
060727   artigo - planejamento participativo na transição de conteúdos progra...060727   artigo - planejamento participativo na transição de conteúdos progra...
060727 artigo - planejamento participativo na transição de conteúdos progra...
 
Redes e comunidades - ensino-aprendizagem pela internet
Redes e comunidades - ensino-aprendizagem pela internetRedes e comunidades - ensino-aprendizagem pela internet
Redes e comunidades - ensino-aprendizagem pela internet
 
Pressupostos de acção em intervenção precoce
Pressupostos de acção em intervenção precocePressupostos de acção em intervenção precoce
Pressupostos de acção em intervenção precoce
 
Transmissão da fé na cultura urbana e a escola confessional
Transmissão da fé na cultura urbana e a escola confessionalTransmissão da fé na cultura urbana e a escola confessional
Transmissão da fé na cultura urbana e a escola confessional
 
1º Workshop Equilibria UFP
1º Workshop Equilibria UFP1º Workshop Equilibria UFP
1º Workshop Equilibria UFP
 

Mais de Portal da Inovação em Saúde

Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Portal da Inovação em Saúde
 
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Portal da Inovação em Saúde
 
Caracterização dos casos de MPOX - IIER
Caracterização dos casos de  MPOX - IIERCaracterização dos casos de  MPOX - IIER
Caracterização dos casos de MPOX - IIER
Portal da Inovação em Saúde
 
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no AmazonasPerfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
Portal da Inovação em Saúde
 
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS Goiânia-Goiás
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS  Goiânia-GoiásResultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS  Goiânia-Goiás
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS Goiânia-Goiás
Portal da Inovação em Saúde
 
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CEHospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
Portal da Inovação em Saúde
 
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
Portal da Inovação em Saúde
 
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
Portal da Inovação em Saúde
 
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
Portal da Inovação em Saúde
 
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPAESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
Portal da Inovação em Saúde
 
Hospital da Criança de Brasília José Alencar
Hospital da Criança de Brasília José AlencarHospital da Criança de Brasília José Alencar
Hospital da Criança de Brasília José Alencar
Portal da Inovação em Saúde
 
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
Portal da Inovação em Saúde
 
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
Portal da Inovação em Saúde
 
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMSPós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
Portal da Inovação em Saúde
 
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-CovidEstratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
Portal da Inovação em Saúde
 
Leitura em voz alta passo a passo
Leitura em voz alta passo a passoLeitura em voz alta passo a passo
Leitura em voz alta passo a passo
Portal da Inovação em Saúde
 
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em SaúdeProjeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
Portal da Inovação em Saúde
 
Comunidade de Fala
Comunidade de FalaComunidade de Fala
Comunidade de Fala
Portal da Inovação em Saúde
 
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
Portal da Inovação em Saúde
 
APRESENTAÇÃO PAULO.pptx
APRESENTAÇÃO PAULO.pptxAPRESENTAÇÃO PAULO.pptx
APRESENTAÇÃO PAULO.pptx
Portal da Inovação em Saúde
 

Mais de Portal da Inovação em Saúde (20)

Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
 
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
 
Caracterização dos casos de MPOX - IIER
Caracterização dos casos de  MPOX - IIERCaracterização dos casos de  MPOX - IIER
Caracterização dos casos de MPOX - IIER
 
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no AmazonasPerfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
 
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS Goiânia-Goiás
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS  Goiânia-GoiásResultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS  Goiânia-Goiás
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS Goiânia-Goiás
 
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CEHospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
 
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
 
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
 
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
 
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPAESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
 
Hospital da Criança de Brasília José Alencar
Hospital da Criança de Brasília José AlencarHospital da Criança de Brasília José Alencar
Hospital da Criança de Brasília José Alencar
 
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
 
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
 
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMSPós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
 
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-CovidEstratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
 
Leitura em voz alta passo a passo
Leitura em voz alta passo a passoLeitura em voz alta passo a passo
Leitura em voz alta passo a passo
 
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em SaúdeProjeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
 
Comunidade de Fala
Comunidade de FalaComunidade de Fala
Comunidade de Fala
 
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
 
APRESENTAÇÃO PAULO.pptx
APRESENTAÇÃO PAULO.pptxAPRESENTAÇÃO PAULO.pptx
APRESENTAÇÃO PAULO.pptx
 

Último

1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tccPsicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
rosilenenunes9
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
barbosakennedy04
 
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdfQuest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
ighormt
 
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Sergio Wilfrido Vazquez Apestegui
 

Último (8)

1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tccPsicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
 
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdfQuest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
 
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
 

A INTEGRALIDADE DO CUIDADO

  • 1. Liliana Planel Lugarinho Coordenadora Executiva EBBS/IFF/Fiocruz Encontro Regional: Fortalecimento da Atenção Básica na articulação das Redes de Atenção à Saúde no contexto da Síndrome Congênita Associada à Infecção pelo Vírus Zika Recife, 13/9/2017 A INTEGRALIDADE DO CUIDADO: O DESAFIO DAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE NO CONTEXTO DA SÍNDROME CONGÊNITA ASSOCIADA À INFECÇÃO PELO VÍRUS ZIKA
  • 2. Cuidado: Uma lembrança do Mito de Higino https://www.youtube.com/watch?v=hxFrwMeQNyU•O cuidado é tão importante para a vida humana e para a preservação de todo tipo de vida, que deu origem a esta fabula-mito. Foi personalizado, virou um ser concreto. Molda a argila. Conversa com o céu (Júpiter) e a Terra (Tellus), a historia e a utopia(Saturno) . •A fábula recolhe ainda uma experiência testemunhada em muitas culturas do ocidente e do oriente: a criação do ser humano a partir do barro da terra, plasmada a partir do húmus, que significa terra fértil. De húmus deriva seu nome: homem, filho e filha da terra fecunda. •O ser humano não pode ser interpretado apenas a partir da Terra (Tellus). Ele possui algo do céu, do divino (Júpiter). Por isso o relato conta que esse barro não permaneceu inerte. Recebeu da divindade o principio de vida, o espírito. Só, então, é ser humano completo. •É Júpiter a divindade suprema, que lhe infunde espiritualidade. • Ver: http://reginahelenagomes.blogspot.com.br/2011/03/fabula-mito-do-cuidado-fabula-de-higino.html
  • 3. EBBS E SEUS MARCOS CONCEITUAIS PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL SAUDÁVEL: CUIDADO ESSENCIAL • CUIDADO COMO UM MODO DE SER ESSENCIAL: • Do ponto de vista existencial, o cuidado deve estar presente a priori, antes de toda atitude e situação do ser humano. É uma dimensão frontal, originária, ontológica. • Cuidar das coisas implica ter intimidade, acolhê-las, respeitá- las e entrar em sintonia com o seu ritmo . A razão técnica do modelo cartesiano abre caminho para a consideração daquilo que nos afeta e sobre a qual sustentamos nosso trabalho ( paradigma do cuidado) • Este modo de ser-no-mundo, na forma de cuidado, permite ao ser humano viver a forma fundamental do valor intrínseco às coisas, do qual emerge a dimensão de alteridade, de respeito, de reciprocidade e de complementaridade.
  • 4. EBBS E SEUS MARCOS CONCEITUAIS PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL SAUDÁVEL: CUIDADO, AMBIENTE FACILITADOR E POLÍTICAS PÚBLICAS • O Cuidado que recebemos de nosso(s) cuidador(es) é a base da nossa existência. É o nosso “criador” pois sem ele não existimos nem sobrevivemos: todos nascemos absolutamente dependentes do cuidado de um outro humano que gera nosso processo de humanização. • O papel do cuidador de um outro ser humano é de alguém que propiciou e sustentou física e emocionalmente um ambiente suficientemente bom capaz de favorecer o desenvolvimento pleno deste novo ser. • Confiabilidade, Empatia, Vínculo, Cooperação, recheiam isso que chamamos - com Donald Winnicott - de Ambiente Facilitador à Vida. • O Paradigma do Cuidado e sua ética fundamentam a construção do projeto de civilização que queremos e deve balizar qualquer politica pública.
  • 6. Por que integralidade e cuidado são tão desafiadores? • Quando falamos de integralidade na assistência, especialmente à criança e seus cuidadores, entendemos o cuidado permeando a construção de um ambiente saudável que favoreça o pleno desenvolvimento infantil. • Tal como Cuidado necessitou da Terra, de Júpiter, de Saturno, do húmus, para constituir o Homem, também aqui múltiplos saberes, práticas, dimensões e instâncias federativas, são requisitadas para a atenção integral. • Só o cuidado com os profissionais das diversas áreas que compõem este campo - para que possam cuidar verdadeiramente, das crianças e famílias sob sua responsabilidade - demanda minimamente o amparo de uma equipe parceira e de uma instituição que os respalde, provendo um ambiente de trabalho favorável para que estejam mais potentes, disponíveis e permeáveis ao exercício diário do cuidado. • A multiprofissionalidade exigida em diversas dimensões dos saberes que envolvem para além da assistência direta, pelo menos, ensino, pesquisa e inovações tecnológicas duras e leves, que cumpram o desafio do cuidado integral, nos indica a perspectiva do trabalho em rede.
  • 7. REDES • A configuração de ‘redes’ nos obriga a pensar em seus efeitos e consequências. • A questão que se coloca é: como dar conta da diversidade e da singularidade da vida real e complexa que flui em muitas direções e níveis, e arranjá-la no encadeamento racional da ‘rede’, que pode ser dispositivo de embalar sonhos instituintes de novos arranjos relacionais entre equipes e usuários, mas é também instrumento de captura, isto é, pode perfeitamente ser usada como uma estratégia racionalizadora, de cunho normativo, que toma a forma de programa e linha de financiamento. • Dilemas: • Ser dispositivo de integração institucional e interpares, • E (ser) processo de construção coletiva e parteira de autonomia corresponsável (1) a ‘rede’ que integra e organiza, também pode ser (e muitas vezes é) a mesma que aprisiona, comprime, constrange; (2) uma ‘rede’ é um conjunto de pontos amarrados, mas deve ser também uma trama aberta ao incerto, ao inesperado, ao desestruturado; (3) uma ‘rede’ delimita um platô , mas para ser multiforme deve ser multiplana, ou seja, abrir-se para as possibilidades de outros ‘planos’ e ‘dimensões’. Convém, portanto, que pensemos na “rede” como um sistema de nós em aberto e como uma multidimensionalidade potencial.
  • 8. Redes de Saúde – questões para todos:
  • 9. REDES •Outro aspecto crucial dessa ambiguidade da ‘rede’ é o fato de nela ter que haver cooperação e coordenação compartilhadas, com todos colaborando e atuando para o mesmo fim. •Isto é: a trama de vários ‘nós’ que pede coordenação, sentido de ordem, de proporção e de ligação de coisas sempre unidas. •Mas nesta ambiguidade, o que vai predominar? O efeito da ‘rede’ como ordem e organização, ou a constituição da ‘rede’ como instituinte de tramas que se compõem sem cessar em sua inventividade? •Os serviços até se fortalecem em relação à efetividade quando interligam e expandem políticas sociais, com ganhos em qualidade e em redução de custos. Porém, mesmo em nome da produção de um bem social, a ‘rede’ pode não passar apenas de resposta à insuficiência da capacidade de integração das lógicas burocráticas, administrativas ou racionalizadoras do planejamento. • Tal conjunto de argumentos não deixa de ser o reconhecimento implícito de uma ‘dobra’, uma espécie de moeda de duas faces que também delimita o fato de que as ‘redes’ têm o seu avesso.
  • 10. Planos macro e micropolíticos das redes
  • 11. Construção de Redes de Saúde – aspectos macro
  • 12. REDES DE CONVERSAÇÃO: um dispositivo estratégico para o trabalho cooperativo •As redes são compostas de pessoas e são construídas e articuladas a partir da conversa entre elas! Somos seres falantes e devemos exercer essa função! Para que haja conversa, é preciso que haja encontro. •As tecnologias relacionais ou leves nos trazem novidades: - favorecem a construção de vínculos afetivos e as formas de comunicação empática, conformando redes de trabalho que incluem os aspectos afetivos e relacionais nas práticas. - qualificam os encontros entre diferentes serviços, pessoas, especialidades e saberes, estabelecendo fluxos com recursos criativos na articulação entre os serviços, produzindo conexões menos segmentadas e hierarquizadas e mais contínuas e horizontalizadas. •Aumentar o grau de comunicação entre os atores é uma tarefa urgente! Isso significa estabelecer pontos de conexão dessa rede: os ‘nós da rede’. • Toda rede é composta de vários nós que entrelaçam os participantes. Estes nós podem fazer fluir as informações, tornando as práticas mais resolutivas, ou podem emperrar o processo, tornando a rede um verdadeiro emaranhado.
  • 13. Nós na rede – sujeitos, subjetividades e a equipe de trabalho
  • 14. REDES DE CONVERSAÇÃO: um dispositivo estratégico para o trabalho cooperativo •É preciso que a rede se consolide como um autêntico espaço coletivo de conversações, onde o cuidado possa fluir de forma articulada, pactuada e transparente, definindo uma trilha, que pode vir a orientar linhas de cuidado sempre abertas às situações singulares. •As questões trazidas pelos profissionais cuidadores de crianças e famílias que vivem a realidade da SZC é exemplar: por se tratar de uma situação recente em Saúde Pública, e com muitas interrogações e incertezas a respeito de sua história, muito do que está instituído nessa trajetória encontra-se aberto ao desconhecido, àquilo ainda a ser verificado, podendo gerar re-arranjos ou novos arranjos de cuidado entre as pessoas envolvidas. •Destacamos aqui a preposição ENTRE – de grande valor para nós – representando o espaço relacional onde os vínculos acontecem ( entre pessoas) para sustentação dos nós da rede, com empatia e possibilidade de cooperação.
  • 15. COOPERAÇÃO e TÁTICAS: HABILIDADES INERENTES AO COMO FAZER UMA POLÍTICA PÚBLICA - (JUNTOS/ Sennett) Capacidade de cooperar como recurso adaptativo: o impulso do bebê para trocas e seu encontro com o ambiente nos primeiros anos de vida, especialmente com retornos inesperados, favorece a descoberta do outro, e enraíza sua experiência de vida na complexidade e na diferença. Cooperação como uma troca: ambas as partes se beneficiam.O exemplo da cooperação mãe- bebê desde o estado de Preocupação Materna Primária.(Winnicott, 1956) Habilidades dialógicas: ouvir com atenção, agir com tato, encontrar pontos de convergência e de gestão da discordância. Empatia: envolvimento reservado e exigente de estar próximo ao outro para a cooperação e construção de vínculo. - sem entretanto ocupar seu lugar ou falar em seu nome. A capacidade de cooperar é absolutamente fundamental aos desafios da intersetorialidade e integralidade.
  • 16. Rede quente e Rede fria: segundo a visão da EBBS
  • 17. • Buscar eficácia e articulação nos planos macro e micropolítico das ações. • Estabelecer fluxos na condução de serviços de saúde com conexões menos segmentadas e hierarquizadas e mais contínuas e horizontalizadas. • Promover a comunicação entre os serviços de forma mais ágil e eficaz , considerando os pontos de conexão dessa rede – os ‘nós da rede’. • Compreender os nós da rede como pontos de ligação que podem reforçar ou dar consistência ao que está sendo realizado, mas que também podem significar o emperramento do processo. • Perceber que nós, profissionais da e na rede, podemos favorecer ou dificultar estes pontos de ligação considerando nossas relações com os demais, nossa implicação ou reserva diante do trabalho proposto. Cuidado, integralidade e Proposta do trabalho em Rede
  • 18.   UMA PROPOSTA ESTRATÉGICA PARA O CUIDADO INTEGRAL ÀS CRIANÇAS E FAMÍLIAS DIANTE DA SZC • ESTRATÉGIA abriga concepção, articulação, realização e acompanhamento das ações de cuidado propostas pelo estado para serem desempenhadas por um conjunto de atores das diferentes áreas envolvidas, buscando obter impacto social. • A EPIDEMIA DE ZIKA COMO EMERGENTE QUE DEMANDA ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA CRIANÇA trouxe à tona a necessidade de se estabelecer, no âmbito do governo federal em articulação com os estados e municípios brasileiros, uma formulação estratégica articulando diferentes saberes e técnicas de cuidado, num modo de fazer colaborativo para enfrentamento de uma situação que se colocou como emergência mundial em saúde pública. • NOSSO DESAFIO ABRANGE 4 EIXOS: 1. SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA 2. CUIDADO INTEGRAL ÀS CRIANÇAS COM SZC 3. APOIO BIOPSICOSSOCIAL ÀS FAMÍLIAS 4. EDUCAÇÃO PERMANENTE Esta configuração de trabalho no campo da saúde traz o desafio de articulação dos eixos acima referidos aos 7 eixos da PNAISC com as diferentes Redes de Atenção
  • 19.   REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Bowlby, J. Formação e Rompimento dos Laços Afetivos. São Paulo: Martins Fontes. 2006. Bronfenbrenner, U. Teoria ecológica do desenvolvimento humano. Buss,P M & Pelegrini, A – A Saúde e seus Determinantes Sociais PHYSIS Rev Saúde Coletiva, !7(1)pp77-03 Rj, 2007 Camargo Jr KR. Apresentação. In: Pinheiro R, Mattos R, organizadores. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: IMS/Uerj, Abrasco; 2006. p. 11-15. Davis, M & Wallbridge, D – Limite e Espaço: uma introdução à obra de D.W.Winnicott, RJ, Imago, 1982 Gurgel AG, Redes interfederativas de saúde: um arranjo assistencial instituinte ou mais uma estratégia gerencial? Ciência & Saúde Coletiva [en linea] 2011, 16 (Marzo-Sin mes) : [Data de consulta: 11 de septiembre de 2017] Disponible en: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=63018467003> ISSN 1413-8123 Mattos R. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos In: Pinheiro R, Mattos R, organizadores. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: Cepesc/IMS-Uerj, Abrasco; 2006. p. 39-64.
  • 20.   Ministério da Saúde - Manual de Práticas em Atenção Básica: Saúde Ampliada e Compartilhada. Org Gastão W.S. Campos & André V. P. Guerrero. Penello, L & Rosário, S - Estratégia Brasileirinhas e Brasileirinhos Saudáveis (EBBS): sobre as razões e os afetos do percurso estratégico em defesa de uma Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança – em Saúde e Infância – A EBBS e a Construção da PNAISC - Conceitos e Experiências – Divulgação em Saúde para Debate, no.53, Cebes, Rj, 2016 Sennett, R – Juntos: os rituais, os prazeres e a política de cooperação, Record, Rj, 2012 Winnicott, DW. “O Ambiente” in: A Natureza Humana. Rio de Janeiro: Imago, 1990. _____.“A preocupação materna primária”. In: Da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988. _____. (1969) A Experiência mãe-bebê de Mutualidade. _____. Mais ideias sobre bebês como pessoa, in: A Criança e o seu Mundo, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1982, 6ª Ed. _____. (1945) O Desenvolvimento Emocional Primitivo. In: Da Pediatria à Psicanálise. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1988.