ApresentaçãO Livro Ppp

1.207 visualizações

Publicada em

livro de ppp

Publicada em: Educação, Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.207
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ApresentaçãO Livro Ppp

  1. 1. Sala de aula interativa •Educação •Comunicação •Mídia clássica •Internet •Tecnologias digitais •Arte •Mercado •Sociedade •Cidadania Marco Silva
  2. 2. -Introdução- Um convite à interatividade e à complexidade Um convite ao pensamento que não simplifica. O pensamento tem que está aberto à multiplicidade de pontos de vista.
  3. 3. “A interatividade emerge com a instauração de uma nova configuração tecnológica (no sentido das tecnologias informáticas conversacionais), e de uma nova dimensão mercadológica (no sentido da busca de diálogo entre produtor- produto-cliente).” Marco Silva Na esfera social, não há mais uma recepção passiva de informação. Cresce a autonomia nos indivíduos. Eles podem criar. Grandes referências, que determinavam verdades absolutas, como a Igreja, a educação escolar e a mídia de massa enfraquecem.
  4. 4. A interatividade é um novo modo de comunicação. É uma tendência geral em nosso tempo, fruto de uma técnica informatizada, mas também é um processo em curso de mudança nas comunicações humanas. “a interatividade é como um espírito do tempo” Marco Silva A mensagem é modificada toda vez em que responde às solicitações daquele que a consulta, que a explora, que a manipula. O emissor constrói uma rede e define diversos territórios para exploração, oferecendo estes a navegações podendo o receptor interferir e modificá-los. O receptor torna-se co-criador e co- autor.
  5. 5. “ Já não posso controlar sua jornada com a facilidade que tinha antes. Você tornou-se mais consciente de todas as tentativas que faço para programá-lo e é mais capaz de se esquivar delas.” Rushkoff Os receptores não toleram mais programações manipulativas. Deixaram de ser bem- comportados e treinados. São novos espectadores que moldam a tecnologia que será consumida quanto mais atender às suas novas disposições comunicacionais.
  6. 6. O hipertexto e o novo espectador “O termo “interatividade” tem sua origem nos anos 70 e ganha notoriedade a partir do início dos 80 entre informatas e teóricos que com ele buscaram expressar a novidade comunicacional de que o computador “conversacional” é marco paradigmático, diferente da televisão monológica e emissora.” Marco Silva O hipertexto é como uma teia de conexões de um texto com inúmeros textos. Ele garante qualidade no desenvolvimento técnico no campo da informática. “Clicando ícones, o usuário pode saltar de uma ”janela” para outra e transitar aleatoriamente por fotos, sons, vídeos, textos, gráficos, etc.(...) Marco Silva O processo do hipertexto permite ao usuário múltiplas navegações.
  7. 7. O hipertexto • Democratiza a relação do indivíduo com a informação; • Permite que o indivíduo ultrapasse a condição de consumidor (expectador passivo); • O indivíduo torna-se sujeito operativo, participativo e criativo; • É o grande divisor de águas entre a comunicação massiva e a comunicação interativa.
  8. 8. As novas tecnologias hipertextuais • Coloca o usuário em contato direto com a experiência da complexidade no âmbito da comunicação (ele experimenta a multiplicidade e a junção da emissão e recepção, como hibridação); • O usuário torna-se menos passivo diante da separação da produção e consumo,da separação da distribuição e comunicação; • O usuário aprende que dele mesmo depende o gesto instaurador, que cria e alimenta a experiência comunicacional entendida como diálogo com e na multiplicidade (um novo espectador); • O usuário aprende a não aceitar passivamente o que é transmitido; • Diante da informação, da mensagem, o usuário pode interferir, modificar, produzir e compartilhar;
  9. 9. O novo espectador • Vem aprendendo a não seguir de modo unitário uma transmissão de TV; • Aprende com a não-linearidade, com a complexidade do hipertexto; • Aprende com a técnica de “abrir janelas dentro do quadro para nelas invocar novas imagens, de modo a tornar a tela um espaço híbrido de múltiplas imagens, múltiplas vozes e múltiplos textos. Janelas móveis que permitem adentramento e diálogo com seus conteúdos igualmente móveis.
  10. 10. O conhecimento não é mais emitido, emergindo da atividade conexional, abre-se à perspectiva do pensamento complexo. O pensamento que trabalha com interações e interferências, que se dão com as incertezas e indeterminações.
  11. 11. Epistemologia da complexidade e interatividade “Em que é que me fundamento? Na ausência de fundamentos. Isto é,, na consciência da destruição dos fundamentos da certeza. Está destruição dos fundamentos é característica do nosso século...” Morin Quando as certezas estão acabando, estamos livres para buscar interações.
  12. 12. Na interatividade é possível uma conjunção complexa de diálogo e multiplicidade, operando entre usuário e tecnologia hipertextual. Essa conjunção complexa é um desafio pela busca da possibilidade de pensar através das incertezas e das contradições e pela busca da liberdade de pensar na multiplicidade.
  13. 13. Princípios como ponto de partida para o tratamento da interatividade: 1º Fundamenta-se na ausência de fundamentos implica na abertura para mais interações, para o mais comunicacional. Este princípio é como um pano de fundo da disposição social para a interatividade. É uma trama de interações humanas que convida ao mais comunicacional. 2º Remete ao conceito de pensamento complexo: atentar para as interações em sua dialógica, multiplicidade e recursividade. É a condição para o posicionamento crítico diante da interatividade e de sua análise.
  14. 14. “Interatividade é a disponibilização consciente de um mais comunicacional de modo expressivamente complexo, ao mesmo tempo atentando para as interações existentes e promovendo mais e melhores interações – seja entre usuário e tecnologias digitais ou analógicas, seja nas relações “presenciais” ou “virtuais” entre seres humanos” Marco Silva
  15. 15. Perspectiva para a educação Ontem e Hoje... Os professores transmitem informações. A sala de aula tem um ritmo monótono e repetitivo, fazendo com que o aluno olhe o quadro, ouvindo, copiando e prestando contas. COMUNICAÇÃO NA SALA DE AULA: O FALAR/ DITAR DO MESTRE Amanhã... O professor pode lançar mão da comunicação com o aluno, dos conteúdos curriculares e de equipamentos (tecnologias hipertextuais ou não) para modificar a tradição do falar/ ditar.
  16. 16. Sugestões: 1ª a disponibilização de múltiplas aberturas (abrir “janelas”) à participação-intervenção dos alunos nas ações cotidianas concernentes ao ensino e à aprendizagem. 2ª a disponibilização de múltiplas aberturas à bidirecionalidade nas relações horizontais, significando rompimento com o espaço de transmissão unidirecional autoritária (onde quem sabe transmite e quem não sabe se submete) e a viabilização da co-autoria, da comunicação conjunta da emissão e da recepção. 3ª a disponibilização da multiplicidade de redes de conexões no tratamento dos conteúdos curriculares, significando não-linearidade, roteiros de exploração originais, combinações livres e criação de narrativas possíveis.
  17. 17. Em uma sala de aula interativa o professor interrompe a tradição do falar/ ditar. Ele constrói um conjunto de territórios a serem explorados pelos alunos e disponibiliza co-autoria e múltiplas conexões, permitindo que o aluno também faça por si mesmo. O professor seria muito mais do que uma ponte entre a informação e o entendimento, seria um estimulador de curiosidades e fonte de dicas para que o aluno que o aluno viaje sozinho no conhecimento obtido nos livros e nas redes de computador. O aluno, por sua vez, passa de espectador passivo a ator, podendo ser emissor e receptor no processo de intercompreensão. E A EDUCAÇÃO TORNA-SE PROCESSO DE TROCA DE AÇÕES QUE CRIA CONHECIMENTO E NÃO APENAS O REPRODUZ.
  18. 18. A participação e a co-autoria estão diretamente vinculadas a uma concepção de formação para a cidadania extremamente urgente em nosso tempo. Ao gerar a comunicação em sala de aula, o professor convida os alunos a saírem da passividade de receptores e se engajarem com ele na tecitura complexa que resulta no conhecimento vivo. Isso implica em aprender a tolerar diante do diferente e aprender a lidar com as múltiplas informações.

×