Campanha da Fraternidade 2013 apresentacao-3-parte

8.809 visualizações

Publicada em

Campanha da Fraternidade 2013 apresentacao-3-parte

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.809
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7.878
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Campanha da Fraternidade 2013 apresentacao-3-parte

  1. 1. Parte 3Agir
  2. 2. Indicações para ações transformadoras Converter-se aos jovens Abrir-se ao novo3ª parte do Texto Base Composta por três pontos “Eis-me aqui, envia-me”
  3. 3. Conversão PastoralÉ uma atitude de coragem para mudar as estruturas pastorais obsoletas da Igreja, de modo que ela seja cada vez mais geradora de discípulos missionários comprometidos com a vida de todos.
  4. 4. Conversão PastoralA conversão Pastoral, encontra sua razão deser no chamado de Deus em um mundo demudanças, daí a necessidade cada vez maiordo anúncio profético para as pessoas, para asociedade, para o mundo.
  5. 5. Conversão PastoralA conversão pastoral, como anúncioprofético, não deve ser compreendidaapenas como mudança externa,metodológica, ou de marketing, mas comouma atitude de conversão interior que brotado encontro pessoal e comunitário com oRessuscitado .
  6. 6. DAp 366, pede que escutemos a voz doCF 2013 Espírito Santo que fala às Igrejas, e nos remete a escutar os sinais dos tempos. Dentre essas novidades estão os jovens.O jeito de ser jovem, de seu agir, deorganizar, de coordenar, exige e favoreceaquisição de novos métodos e linguagens. AIgreja ganha, sempre que se deixa serconhecida, amada e abraçada pelos jovens. 86
  7. 7. Recriar as relações afetivas e a vida comunitária Reconhecer a Igreja como uma comunidade de amor, que atrai as pessoas para Cristo; Superar as divergências e as diferenças na família, na comunidade e nos grupos, promovendo a cultura de paz; Estender o serviço da caridade a todos os que se sentem marginalizados e isolados da vivência fraterna;
  8. 8. Produção e Competitividade X Gratuidade Abrir-se ao Novo
  9. 9. Cultura Midiática Como contribuir com a integração da pessoa neste contexto? Reconhecer os benefícios dos meios de comunicação atuais e utilizá-los com discernimento; Perceber os perigos que o uso descuidado das tecnologias digitais pode provocar; Cuidar para que os relacionamentos virtuais não prejudiquem os encontros pessoais, nem sirvam para alienar e para isolar as pessoas;
  10. 10. Cultura Midiática Como contribuir com a integração da pessoa neste contexto? Formar educadores, catequistas, lideranças da juventude para o diálogo entre fé e ciência, especialmente nos ambientes de ensino superior; Abrir o coração e a inteligência para a austeridade e para as interpelações ( pessoa, sociedade); Julgar a realidade a partir da fraternidade e da justiça, superar a indiferença e conformismo;
  11. 11. Protagonismo dos jovens para o bem de todosOs Meios de Comunicação hoje, vão além da difusãodo conhecimento e da informação, estimulam umanova ambiência humana; neste ecossistemacomunicativo, onde estamos interligados, somosresponsáveis por nossas próprias escolhas, atitudes,pela religião que abraçamos, pelo o compromisso como outro, pela ética, cultura e pela sociedade;
  12. 12. LINHAS DE AÇÃO - âmbito pessoal A dimensão psicossocial: personalidade, identidade, sexualidadeFase de formação da personalidade;A atenção é fundamental para ajudá-lo a encontrar o seucaminho, construir sua personalidade;O amadurecimento passa pelas relações interpessoaisProjeto de educação para o amor;As relações afetivas e o desenvolvimento da sexualidadeprecisam ser tratados com carinho e atenção;
  13. 13. LINHAS DE AÇÃO - âmbito pessoalIncentivar para que se engajem na luta contra a violênciainfantil, contra o trabalho escravo, contra o tráficohumano e contra o narcotráfico;Proporcionar condições para que formem grupos devoluntariado e criem uma rede de trabalho solidárioApoiar na organização de oficinas sobre temas ligados àpromoção da vida, espiritualidade, missão e compromissopolítico e ambiental;
  14. 14. LINHAS DE AÇÃO - âmbito pessoal A abertura para Deus e para a transcendênciaRetorno ao sagrado, marcado por uma religiosidadeindividual;São importantíssimos os encontros de oração e deespiritualidade, os seminários vocacionais, as semanasjovens, as jornadas diocesanas e paroquiais;Acompanhamento pedagógico e teológico adaptado àvivência grupal;
  15. 15. LINHAS DE AÇÃO - âmbito pessoal Uma catequese sólidaCatequese que lance as bases da fé;Que faça compreender o significado das liturgias;Encaminhando ao encontro com Cristo e lheoferecendo participação;Catequese que eduque para a criticidade;
  16. 16. LINHAS DE AÇÃO - âmbito eclesial A força do encontro pessoal com CristoDimensão do encontro pessoal com Cristo comoprincípio da ação apostólica;Encontro pessoal com Jesus Cristo não é algo abstrato;O encontro com Cristo implica amor, gratuidade,alteridade, unidade, eclesialidade, fidelidade, perdão ereconciliação;Suscitar uma forte consciência missionária, detestemunho autêntico;
  17. 17. LINHAS DE AÇÃO - âmbito eclesialAs Pastorais da Juventude Pastoral da Juventude Rural; Pastoral da Juventude; Pastoral da Juventude do Meio Popular; Pastoral da Juventude Estudantil; Estão sob a responsabilidade da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude;
  18. 18. LINHAS DE AÇÃO - âmbito social A família como primeira educadoraA família é a instituição primária da sociedadeOs pais devem ser os primeiros catequistas e os educadoresdos filhos;A família é, também, a primeira educadora na ordem social;A transmissão da responsabilidade social, dos valores;éticos e morais é dever insubstituível dos pais;
  19. 19. LINHAS DE AÇÃO - âmbito socialAs redes sociais e a responsabilidade ética As novas tecnologias são espaços preciosos para o momento de vivências solidárias; Formar para a solidariedade implica formar indivíduos críticos; Formar para a compreensão do outro a partir da fé como imagem e semelhança de Deus;
  20. 20. ConclusãoEsta Campanha da Fraternidade, também, querconvidar ao debate sobre as dificuldades sociais queatingem diretamente os jovens;Esta Campanha que aborda o tema Juventude,convida à conversão, tanto a Igreja, promotora desteevento evangelizador, como os demais seguimentosda sociedade na dedicação aos jovens;
  21. 21. Campanha da Fraternidade 2013 Obrigado! Elaborado por: Pe. José Altevir da Silva, CSSp

×