SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 92
FUNDAMENTOS DA HOMEOPATIAFUNDAMENTOS DA HOMEOPATIA
PATOGENESIA
PATOGENESIA
É O CONJUNTO DE SINTOMAS,
OBJETIVOS (FÍSICOS) E SUBJETIVOS
( EMOCIONAIS E MENTAIS), QUE UM
ORGANISMO SADIO APRESENTA AO
EXPERIMENTAR DETERMINADA
SUBSTÂNCIA MEDICINAL.
SIMILLIMUM
SIMILLIMUM
É CHAMADO DE SIMILLIMUM, A
SUBSTÂNCIA QUE ABRANGE A
TOTALIDADE DOS SINTOMAS DE UM
HOMEM DOENTE, OU SEJA, AQUELE
MEDICAMENTO CUJA PATOGENESIA
MELHOR COINCIDIR COM OS SINTOMAS
APRESENTADOS PELO DOENTE.
EXEMPLO DA APLICAÇÃO DO
SIMILLIMUM:
*Durante uma consulta como o homeopata, o paciente relata
frequentes hemorragias nas fezes, diarréias explosivas, gosto
amargo na boca, sensação de sufocamento com falta de ar à
noite, grau de inquietude de espírito, ansiedade e diminuição
da memória, medo de morrer, a sensação de queimação
estomacal diminui com o calor e piora com o frio. Sintomas
semelhantes com a ingestão do arsênico, logo o simillimum
para essa patogenesia, é o Arsenicum album.
ESCOLAS MÉDICAS
HOMEOPÁTICAS
ESCOLAS MÉDICAS HOMEOPÁTICAS
*FORAM CRIADAS, POIS A NECESSIDADE DE CADA
COMPLEXIDADE DE DOENÇAS ERA CADA VEZ MAIS
DIFERENCIADA.
*PRINCIPAIS MOTIVOS: IMPRECISÃO DOS SINTOMAS,
DESCONHECIMENTO DE ALGUNS PRINCÍPIOS HOMEOPÁTICOS.
•LOGO CRIARAM –SE ALGUNS PRINCÍPIOS DENTRO DAS LEIS
HOMEOPÁTICAS:
• UNICISMO, PLURALISMO, COMPLEXISMO E O
ORGANICISMO.
UNICISMO
O clínico prescreve um
único medicamento, à
maneira de Hahnemann,
com base na totalidade
dos simtomas do doente
(o simillimum) .
EXEMPLO DE RECEITA UNICISTA:
Pulsatilla nigricans 6LM
Tomar 1 colher (chá) de 2 em 2 horas
OUTRO EXEMPLO:
Sepia 12 CH
Pingar 10 gotas diretamente na boca, 2 vezes ao dia
PLURALISMO OU
ALTERNISMO
O clínico prescreve dois ou mais
medicamentos para serem
administrados em horas distintas,
alternadadamente, com a
finalidade de um complementar a
ação do outro, atingindo assim a
totalidade dos sintomas do
paciente.
EXEMPLO DE RECEITA PLURALISTA:
Barium carbocicum 6 CH, 20 mL, 1 frasco
Phytolacca decandra 6CH, 20mL, 1 frasco
Pingar 5 gotas de cada medicamento, diretamente na boca,
de 2em 2 horas, alterndando-os a cada tomada.
COMPLEXISMO
O clínico prescreve
dois ou mais
medicamentos para
serem administrados
simultaneamente ao
paciente.
EXEMPLO DE RECEITA COMPLEXISTA:
Hydrastis canadensis 6CH, 20mL, 1 frasco
Hepar sulfur 6 CH, 20 mL, 1 frasco
Kalium bichromicum 6CH, 20 mL, 1 frasco
Pingar 5 gotas de cada um dos medicamentos, diretamente
na boca, de 2 em 2 horas.
OUTRO EXEMPLO DE RECEITA
COMPLEXISTA:
Eupatorium 5CH
Bryonia alba 6 CH ãã---qsp--- 30mL
Allium cepa 6 CH
Pingar 5 gotas de cada um dos medicamentos, diretamente
na boca, de 2 em 2 horas.
ORGANICISMO
O clínico prescreve o medicamento
visando aos órgãos doentes,
considerando as queixas mais imediatas
do paciente. Essa conduta, portanto,
acha-se bastante próxima da medicina
alopática, pois fragmenta o ser humano
em órgãos e sistemas.
Fixa-se apenas no problema local, não
levando em conta os sintomas
emocionais e mentais, que podem estar
relacionados ao problema.
EXEMPLO DE RECEITA ORGANICISTA PARA
UM CASO DE URTICÁRIA ( MANIFESTAÇÃO
CUTÂNEA)
Urtica urens 6 CH, 20 mL, 1 frasco
Pingar 5 gotas direto na boca de hora em hora.
VIAS DE INTRODUÇÃO E
ELIMINAÇÃO DOS HOMEOPÁTICOS
VIAS DE INTRODUÇÃO E
ELIMINAÇÃO DOS
HOMEOPÁTICOS
•MUCOSAS
• EPIDERME
• VIAS AÉREAS SUPERIORES E INFERIORES
ELIMINAÇÃO DOSELIMINAÇÃO DOS
HOMEOPÁTICOSHOMEOPÁTICOS
ELIMINAÇÃO
O homeopático não age pela quantidade de
droga presente nas suas diferentes formas
farmacêuticas, mas por meio da
“informação” que veicula, fazendo o
organismo reagir de acordo com a qualidade
dessa informação. Portanto não se acumula
no organismo, nem é eliminado, como
ocorre com os medicamentos alopáticos.
ELIMINAÇÃO
•Podem acelerar a eliminação de toxinas
pela pele, por diarréias, pelo suor etc.
• Esses estados, não representam sua
eliminação do organismo.
POSOLOGIA DO
HOMEOPÁTICO
POSOLOGIA
•Para a alopatia, a dose útil de cada droga está diretamente
relacionada com sua quantidade. Prevalecendo então seus
efeitos primários e cumulativos.
• Para a homeopatia, o princípio não é a dose, mas sim a
capacidade do medicamento promover o estímulo da reação
do organismo (reação vital), que é variável de um indivíduo
para outro.
• A escolha da potência depende do caso clinico, apesar do
simillimum atuar em todas as dinamizações em menor
ou maior profundidade.
O MEDICAMENTO
HOMEOPÁTICO
MEDICAMENTO HOMEOPÁTICO
•“Medicamento homeopático é toda
apresentação farmacêutica destinada a ser
ministrada segundo o princípio da similitude,
com finalidade preventiva e terapêutica,
obtida por método de diluições seguidas de
sucussões e/ ou triturações sucessivas”.
(Farmacopéia Homeopática Brasileira Vol. II)
ORIGEM DO
MEDICAMENTO
HOMEOPÁTICO
REINO
VEGETAL
REINO VEGETAL
•Podem ser utilizadas a planta inteira, suas partes , seus produtos
extrativos ou de transformação (sarcódios).
Ex: - Belladona, Pulsatilla nigrans, Hypericum perforatum
(planta inteira)
- Lycopodium peltatum, Agnus castus , Cardus marianus
(frutos)
- Nux vomica, Pimpinella anisum, Opium (latex)
• Podem também utilizar os seus produtos patológicos ( nosódios).
Ex: -Ustilago maidis (doença do milho provocada por fungo)
- Secale cornutum (esporão do centeio)
REINO
MINERAL
REINO MINERAL
Os produtos do reino mineral, devem ser
extraídos, purificados e produzidos com critérios
especificados em monografias farmacopéicas.
Ex: - Natrium chloratum
- Acidum phosphoricum
- Kalium bichromicum
- Calcarea acetica
REINO ANIMAL
REINO ANIMAL
*Não são tão numerosas quanto as matérias-primas
originárias dos reinos vegetal e mineral.
* Assim como nos vegetais, podem ser utilizados, o
animal como um todo, suas partes, além dos seus
produtos extrativos ou de transformação (sarcódios)
ou ainda seus produtos patológiocos (nosódios).
REINO ANIMAL
*Animais inteiros:
- Apis mellifica (abelha européia)
- Formica rufa ( formiga vermelha)
- Cantharis vesicatoria ( cantárida)
- Aranea diadema ( aranha porta cruz)
REINO ANIMAL
*Partes de animais :
- Thyroidium (glândula tireóide)
- Carbo animalis (couro de boi carbonizado)
- Hypophysinum (porção posterior da glândula
hipófise)
* No reino animal, ainda utiliza-se seres dos reinos
fungi, monera e protista.
VEÍCULOS E
EXCIPIENTES
UTILIZADOS
VEÍCULOS E EXCIPIENTES
* Os veículos e excipientes, também são
chamados de inertes. Classificam-se
como substâncias e produtos
empregados em homeopatia, para
realizar diluições, incorporar as
dinamizações e extrair os princípios ativos
das drogas na elaboração das tinturas
homeopáticas.
VEÍCULOS E EXCIPIENTES
ÁGUA
VEÍCULOS E EXCIPIENTES
•ÁGUA: Deve ser purificada por destilação, deionização com
filtração esterelizante.
•CARACTERÍSTICAS:
- Límpida, inodora e isenta de impurezas, como metais
pesados, amônia, sais de cálcio e ferro, além da ausência do
cloro.
- Deve ser consumida sempre num período de 24h.
ÁLCOOL
VEÍCULOS E EXCIPIENTES
*ÁLCOOL:
- O álcool utilizado em homeopatia é o álcool etílico
bidestilado.
*CARACTERÍSTICAS:
- Deve ser límpido, incolor, odor característico,
sabor ardente, isento de impurezas como os aldeídos, e
outros álcoois superiores.
- Não devem ser armazenados em galões, nem
próximo ao chão.
- Sua estocagem deve ser feita em frascos de vidro
âmbar.
VEÍCULOS E EXCIPIENTES
*ÁLCOOL :
-ETANOL A 20% - Empregado no processo de trituração, ou
seja passagem do estado sólido para a forma líquida.
-ETANOL A 30% - Utilizado na dispensação de
medicamentos homeopáticos, administrados em gotas.
-ETANOL A 70% - Utilizado nas dinamizações intermediárias.
-ETANOL = OU SUPERIOR A 70% - Utilizados nas
preparações de dinamizações que irão impregnar a lactose, os
glóbulos, comprimidos e os tabletes.
-ETANOL A 96% - É empregado na dinamização de
medicamentos preparados na escala cinquenta milesimal 1 LM.
GLICERINA
VEÍCULOS E EXCIPIENTES
•GLICERINA : Deve ser purificada por destilação,em
equipamentos de vidro para evitar a presença de metais
•CARACTERÍSTICAS:
- Límpida, inodora e isenta de impurezas, como metais
pesados, acroleína, compostos amoniacais.
- É utilizada na elaboração de tinturas homeopáticas
preparados a partir de órgãos e glândulas de animais
superiores.
LACTOSE
VEÍCULOS E EXCIPIENTES
•LACTOSE: Produto derivado da condensação e caseificação do
leite.
•CARACTERÍSTICAS:
- Deve ser usada pura, livre de impurezas como o amido,
sacarose e a glicose,
- Para realizar sua purificação são gastos cerca de 4L de
etanol, para cada 1000g.
- É utilizada nas dinamizações feitas a partir de substâncias
insolúveis(durante a trituração) ou na confecção de comprimidos,
glóbulos, tabletes. Também se utiliza na forma de pós
homeopáticos.
SACAROSE
VEÍCULOS E EXCIPIENTES
•SACAROSE: Trata-se do açúcar purificado obtido da cana-de-
açúcar.
•CARACTERÍSTICAS:
- Deve apresentar na forma de cristais, sendo isenta de
impurezas como metais pesados, cálcio, cloreto e sulfatos.
- Deve ser acondicionada em frascos herméticos.
- É utilizada nas fabricação de glóbulos inertes.
GLÓBULOS
INERTES
GLÓBULOS INERTES
*São pequenas esferas compostas por sacarose ou
mistura de sacarose e lactose.
•São obtidas industrialmente.
• Apresentam peso mediano de 30 mg cada.
• Sua numeração classifica-se:
- 30mg - N° 03
- 50mg - N° 05
-70mg - N° 07
*São impregnados com dinamizações líquidas, para a
obtenção da forma farmacêutica sólida chamada glóbulo.
MICROGLÓBULOS INERTES
*São pequenissimas esferas compostas por
sacarose e amido
•São obtidas industrialmente.
• Apresentam peso mediano de 63mg para cada
cada 100 microglóbulos.
• Devem ser armazenados em recipientes
herméticos.
• São utilizados na preparação de medicamentos
da escala cinquenta milesimal.
COMPRIMIDOS
INERTES
COMPRIMIDOS INERTES
*São utilizados em homeopatia como comprimidos
normais inertes, obtidos pela compressão da
lactose ou mistura de lactose e sacarose, com ou
sem granulação prévia.
•Apresentam-se com peso entre 100 e 300mg.
• São brancos, inodoros e de sabor levemente
adocicados
• São impregnados com dinamizações líquidas,
para a obtenção da forma farmacêutica sólida
comprimidos.
TABLETES
INERTES
TABLETES INERTES
*São utilizados em homeopatia como pequenos cubos,
obtidos por moldagem da lactose em tableteiros próprios.
•Apresentam-se com peso entre 100 e 300mg.
• São brancos, inodoros e de sabor levemente adocicados
• São impregnados com dinamizações líquidas, para a
obtenção da forma farmacêutica sólida tabletes.
• Geralmente são menos utilizados do que os comprimidos.
ESCALAS
HOMEOPÁTICAS
ESCALAS HOMEOPÁTICAS
•CENTESIMAL HAHNEMANIANO - CH
• DECIMAL HAHNEMANIANO - DH
• CINQUENTA MILESIMAL - LM
• KORSAKOVIANO -
• FLUXO CONTÍNUO - FC
FORMAS FARMACÊUTICAS
HOMEOPÁTICAS DE USO
INTERNO
FORMAS FARMACÊUTICAS HOMEOPÁTICAS DE USO INTERNO
LÍQUIDAS
•GOTAS
• DOSE ÚNICA LÍQUIDA
• LIQUÍDOS MULTIDOSE
SÓLIDAS
*COMPRIMIDOS
*GLÓBULOS
*PÓS
*TABLETES
*DOSE ÚNICA SÓLIDA
PREPARAÇÕESPREPARAÇÕES
EM GOTASEM GOTAS
PREPARAÇÕES EM GOTAS
•É DE FÁCIL APLICAÇÃO
• DEVE SER DISPENSADA EM ETANOL A 30%
• PODE SER OBTIDA PELOS MÉTODOS HAHNEMANIANOS,
KORSAKOVIANO E FLUXO CONTÍNUO, CONFORME SOLICITAÇÃO
CLÍNICA.
• O VOLUME NO FRASCO DEVE OCUPAR 2/3 DE SUA
CAPACIDADE, LOGO SE VOU PREPARAR 20ML DE SOLUÇÃO, O
FRASCO PARA ARMAZENAR DEVE SER DE 13ML. LOGO 15ML
PREPARAÇÕES EM GOTAS
• O FRASCO DEVE TER BATOQUE E CONTA-GOTAS
• GERALMENTE O VOLUME É PADRONIZADO EM 15
OU 20 ML DE SOLUÇÃO, PORÉM EM ALGUNS CASOS
PODE VARIAR.
• DEVE CONSTAR A ROTULAGEM DE ACORDO COM A
LEGISLAÇÃO SANITÁRIA EM VIGOR.
• PRAZO DE VALIDADE 2 ANOS.
PREPARAÇÕES EM GOTAS
• SE A ADMINISTRAÇÃO FOR FEITA EM JEJUM,
ORIENTAR O PACIENTE PARA QUE ESTA SEJA FEITA
SEMPRE ANTES DA ESCOVAÇÃO DOS DENTES.
• EXEMPLO:
Plumbum metallicum 30CH líquido.contúdo 20mL
Tomar 10 gotas pela manhã em jejum.
DOSE ÚNICA
LÍQUIDA
DOSE ÚNICA LÍQUIDA
•O PACIENTE DEVE SER ORIENTADO A TOMAR
TODO O MEDICAMENTO, DE UMA SÓ VEZ,
CONFORME INDICADO NA PRESCRIÇÃO.
• O PRAZO DE VALIDADE DAS FORMAS DOSE ÚNICA,
SÃO GERALMENTE CURTOS, UMA VEZ QUE SÃO
PREPARADOS COM ÁGUA PURIFICADA.
• GERALMENTE SEU PRAZO DE VALIDADE GIRA EM
TORNO DE 7 DIAS.
DOSE ÚNICA LÍQUIDA
•PODEM SER PREPARADAS PELOS MÉTODOS
HAHNEMANNIANO, KORSAKOVIANO E FLUXO
CONTÍNUO, PORÉM TOMADAS DE UMA ÚNICA VEZ.
• DEVEM SER PREPARADAS COM TEOR ALCOÓLICO
DE 30%
DOSE ÚNICA LÍQUIDA
•EXEMPLO:
-Lycopodium clavulatum 30CH....XX/30.Dose única
conteúdo: 30mL - Tomar o contéudo do frasco
em jejum.
- Natrium sulfuricum 200FC.....X/V/20.Dose única
conteúdo: 20mL – Tomar o conteúdo do frasco
à noite ao deitar.
DOSE ÚNICA LÍQUIDA
•EXEMPLO:
-Lycopodium clavulatum 30CH....XX/30.Dose única
conteúdo: 30mL - Tomar o contéudo do frasco
em jejum.
N° de gotas a ser
diluído
Quantidade de água
em mL que diluirá as
gotas.
DOSE ÚNICA LÍQUIDA
•EXEMPLO:
- Natrium sulfuricum 200FC................X/V/20.Dose
única
conteúdo: 20mL – Tomar o conteúdo do frasco
à noite ao deitar.
N° de gotas
a ser
diluído
N°de gotas de
etanol a 96°
conservante Quantidade de
água em mL que
diluirá as gotas.
COMPRIMIDOS
COMPRIMIDOS
*SÃO FORMAS FARMACÊUTICAS SÓLIDAS, CILINDRÍCAS COM
PESO COMPREENDIDO ENTRE 100 E 300MG.
•SÃO OBTIDOS POR COMPRESSÃO DA TRITURAÇÃO DO
INSUMO INERTE.(MISTURA DE LACTOSE E SACAROSE).
• DEVEM SER DEGLUTIDOS E NÃO PODEM FICAR NA CAVIDADE
DA BOCA..
• PARA ATIVOS LIQUIDOS, PODEM SER PREPARADOS POR
COMPRESSÃO OU POR IMPREGNAÇÃO.
GLÓBULOS
•F.FARMACÊUTICA DESTINADA A APLICAÇÃO ORAL.
• APRESENTA PRAZO DE VALIDADE DE APROX. 2 ANOS.
• NÃO DEVE SER MASTIGADADO OU INGERIDO.
• DEVE SER IMPRGNADO COM TEOR ALCOÓLICO SUPERIOR A
70%.
• CORANTES PODEM SER COLOCADOS PARA VISUALIZAÇÃO.
GLÓBULOS
MATERIAL DE
EMBALAGEM
MATERIAL DE EMBALAGEM
•DEVE SER COMPOSTO POR VIDRO ÂMBAR , TERMORESISTENTE.
• TODO O MATERIAL DEVE SER ESTERELIZADO POR CALOR A
SECO OU ÚMIDO.
• AS PARTES PLÁSTICAS COMO CÂNULAS, CONTA-GOTAS E BULBO
DE BORRACHA DE SER SANITIZADAS COM ÁLCOOL 70%.
• VIDROS JÁ USADOS NÃO PODEM SER REUTILIZADOS, A MENOS
QUE PASSEM POR PROCESSO DE ESTERELIZAÇÃO.
ISOTERÁPICOS
Bioterápicos:
São preparações medicamentosas obtidas a partir de
produtos biológicos, quimicamente indefinidos:
secreções, excreções, tecidos, órgãos ou
microrganismos. Estes produtos podem ser
patológicos (nosódios) ou não (sarcódios), elaborados
conforme a farmacotécnica homeopática.
IsoterápicosIsoterápicos
São preparações medicamentosas obtidas a
partir de insumos relacionados com a
patologia do paciente, elaboradas conforme a
farmacotécnica homeopática, sendo
classificadas como autoisoterápicos e
heteroisoterápicos.
AutoisoterápicosAutoisoterápicos
São isoterápicos cujos insumos ativos são obtidos do
próprio paciente (fragmentos de órgãos e tecidos,
sangue, secreções, excreções, cálculos, fezes, urina,
culturas microbianas e outros) e destinados somente
a este paciente.
HeteroisoterápicosHeteroisoterápicos
São isoterápicos cujos insumos ativos são
externos ao paciente (alergenos, alimentos,
cosméticos, medicamentos, toxinas, poeira,
pólen, solventes e outros), que de alguma
forma o sensibiliza.
Requisitos Mínimos para a Preparação de
Bioterápicos e Isoterápicos:
-PRODUTO DE RISCO BIOLÓGICO.
- OBEDECER AS NORMAS HOMEOPÁTICAS DE
BIOSEGURANÇA.
- O MÉTODO DE PREPARAÇÃO DEVE
CONFERIR
ETAPAS QUE COMPROVEM A INATIVAÇÃO
DOS AGENTES INFECCIOSOS NA MATRIZ.
A COLETAA COLETA
A COLETAA COLETA
-DEVE SER FEITA POR PROFISSIONAL HABILITADO.
-LOCAL E MATERIAIS APROPRIADOS.
-TODA AMOSTRA DE ORIGEM BIOLÓGICA DEVE
SER TRATADA COMO SE FOSSE PATOGÊNICA.
-COLHER O MATERIAL, SEMPRE QUE POSSÍVEL,
ANTES DO INÍCIO DE QUALQUER TRATAMENTO.
A COLETAA COLETA
-OBSERVAR E SEGUIR AS NORMAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA
INDIVIDUAL E DE PROTEÇÃO (EPI: EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL).
-DESCONTAMINAR A PARTE EXTERNA DO RECIPIENTE DA COLETA,
QUANDO SE TRATAR DE MATERIAL PATOGÊNICO.
-O MATERIAL UTILIZADO NA COLETA DEVE
SER, TANTO QUANTO POSSÍVEL,
DESCARTÁVEL, SENDO NECESSÁRIO
PARA O SEU DESCARTE APLICAR O PGRSS
A COLETAA COLETA
A COLETAA COLETA
A COLETAA COLETA
PROCESSAMENTO DO MATERIALPROCESSAMENTO DO MATERIAL
-DESCONTAMINAÇÃO
-EMPREGO DO MÉTODO APROPRIADO.
- TRANSFORMAR NA FORMA FARMACÊUTICA.
- ENVASE
PRINCIPAIS INSUMOS INERTESPRINCIPAIS INSUMOS INERTES
-LACTOSE
-SOLUÇÕES ALCOÓLICAS E ÁGUA DESTILADA.
- GLICERINA
- SOLUÇÃO FISIOLÓGICA
Aula 02 fundamentos da homeopatia
Aula 02 fundamentos da homeopatia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Metodos de preparo e calculos homeopaticos
Metodos de preparo e calculos homeopaticosMetodos de preparo e calculos homeopaticos
Metodos de preparo e calculos homeopaticos
Priscilla Mota
 
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativosFarmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Maria Luiza
 
Farmacologia Homeopática
Farmacologia HomeopáticaFarmacologia Homeopática
Farmacologia Homeopática
Safia Naser
 
Componentes de uma formulação cosmética.pptx
Componentes de uma formulação cosmética.pptxComponentes de uma formulação cosmética.pptx
Componentes de uma formulação cosmética.pptx
Ana Cunha
 
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Adriana Quevedo
 

Mais procurados (20)

Metodos de preparo e calculos homeopaticos
Metodos de preparo e calculos homeopaticosMetodos de preparo e calculos homeopaticos
Metodos de preparo e calculos homeopaticos
 
A homeopatia
A homeopatiaA homeopatia
A homeopatia
 
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativosFarmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
 
Trabalho farmacia
Trabalho farmaciaTrabalho farmacia
Trabalho farmacia
 
Manual de cosmetologia
Manual de cosmetologiaManual de cosmetologia
Manual de cosmetologia
 
Farmacologia Homeopática
Farmacologia HomeopáticaFarmacologia Homeopática
Farmacologia Homeopática
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
Dossie farmacotécnica homeopática
Dossie farmacotécnica homeopáticaDossie farmacotécnica homeopática
Dossie farmacotécnica homeopática
 
Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
Formas farmaceuticas
 
Forma Farmacêutica
Forma FarmacêuticaForma Farmacêutica
Forma Farmacêutica
 
Fundamentos da Homeopatia
Fundamentos da HomeopatiaFundamentos da Homeopatia
Fundamentos da Homeopatia
 
Componentes de uma formulação cosmética.pptx
Componentes de uma formulação cosmética.pptxComponentes de uma formulação cosmética.pptx
Componentes de uma formulação cosmética.pptx
 
Aula 6 pomadas 2020
Aula 6 pomadas 2020Aula 6 pomadas 2020
Aula 6 pomadas 2020
 
O que é Homeopatia
O que é HomeopatiaO que é Homeopatia
O que é Homeopatia
 
Farmacodinâmica 2011 2
Farmacodinâmica 2011 2Farmacodinâmica 2011 2
Farmacodinâmica 2011 2
 
Cosmetologia
CosmetologiaCosmetologia
Cosmetologia
 
Fitoterapia
FitoterapiaFitoterapia
Fitoterapia
 
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e DrágeasTecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
 
Introdução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicasIntrodução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicas
 
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
 

Destaque

Medicamentos homeopaticos
Medicamentos homeopaticosMedicamentos homeopaticos
Medicamentos homeopaticos
Hilda Arce
 
Medicamentos Homeopaticos de A a Z por Eduardo Egisto
Medicamentos Homeopaticos de A a Z por Eduardo EgistoMedicamentos Homeopaticos de A a Z por Eduardo Egisto
Medicamentos Homeopaticos de A a Z por Eduardo Egisto
Eduardo Egisto
 
Medicina homepática
Medicina homepáticaMedicina homepática
Medicina homepática
David Guetta
 
Homeopatia
HomeopatiaHomeopatia
Homeopatia
mrta590
 
Apresentação homeopatia 2014
Apresentação homeopatia 2014Apresentação homeopatia 2014
Apresentação homeopatia 2014
AntonioRamos74
 
98230944 farmacotecnica-apostila
98230944 farmacotecnica-apostila98230944 farmacotecnica-apostila
98230944 farmacotecnica-apostila
KEYTIANE JVA
 
Medicamentos homeopaticos-y-alopaticos
Medicamentos homeopaticos-y-alopaticosMedicamentos homeopaticos-y-alopaticos
Medicamentos homeopaticos-y-alopaticos
Jiimena Diiaz
 
Soluciones ecológicas a tu alcance
Soluciones ecológicas a tu alcanceSoluciones ecológicas a tu alcance
Soluciones ecológicas a tu alcance
Silvia Quezada
 

Destaque (20)

Medicamentos homeopaticos
Medicamentos homeopaticosMedicamentos homeopaticos
Medicamentos homeopaticos
 
Medicamentos Homeopaticos de A a Z por Eduardo Egisto
Medicamentos Homeopaticos de A a Z por Eduardo EgistoMedicamentos Homeopaticos de A a Z por Eduardo Egisto
Medicamentos Homeopaticos de A a Z por Eduardo Egisto
 
Medicina homepática
Medicina homepáticaMedicina homepática
Medicina homepática
 
Palestra homeopatia
Palestra homeopatiaPalestra homeopatia
Palestra homeopatia
 
Homeopatia
HomeopatiaHomeopatia
Homeopatia
 
Livro homeopatia ss
Livro homeopatia ssLivro homeopatia ss
Livro homeopatia ss
 
A homeopatia: algumas definições e diferenciações
A homeopatia: algumas definições e diferenciaçõesA homeopatia: algumas definições e diferenciações
A homeopatia: algumas definições e diferenciações
 
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdfCurso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
 
Apresentação homeopatia 2014
Apresentação homeopatia 2014Apresentação homeopatia 2014
Apresentação homeopatia 2014
 
Apresentação agrohomeopatia 112010
Apresentação  agrohomeopatia 112010Apresentação  agrohomeopatia 112010
Apresentação agrohomeopatia 112010
 
98230944 farmacotecnica-apostila
98230944 farmacotecnica-apostila98230944 farmacotecnica-apostila
98230944 farmacotecnica-apostila
 
Livro Homeopatia: Medicamentos Homeopáticos de A a Z - Eduardo Egisto
Livro Homeopatia: Medicamentos Homeopáticos de A a Z - Eduardo EgistoLivro Homeopatia: Medicamentos Homeopáticos de A a Z - Eduardo Egisto
Livro Homeopatia: Medicamentos Homeopáticos de A a Z - Eduardo Egisto
 
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
 
Medicamentos homeopaticos-y-alopaticos
Medicamentos homeopaticos-y-alopaticosMedicamentos homeopaticos-y-alopaticos
Medicamentos homeopaticos-y-alopaticos
 
Palestra homeopatia
Palestra homeopatiaPalestra homeopatia
Palestra homeopatia
 
Como fazer a transição de Allopathic à Prática Integrada - IMMH Brasil 2015
Como fazer a transição de Allopathic à Prática Integrada - IMMH Brasil 2015Como fazer a transição de Allopathic à Prática Integrada - IMMH Brasil 2015
Como fazer a transição de Allopathic à Prática Integrada - IMMH Brasil 2015
 
Soluciones ecológicas a tu alcance
Soluciones ecológicas a tu alcanceSoluciones ecológicas a tu alcance
Soluciones ecológicas a tu alcance
 
Homeopatia Escolas Energéticas
Homeopatia Escolas EnergéticasHomeopatia Escolas Energéticas
Homeopatia Escolas Energéticas
 
Homeopatia
HomeopatiaHomeopatia
Homeopatia
 

Semelhante a Aula 02 fundamentos da homeopatia

PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas FarmacêuticasPES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
Farmacêutico Digital
 

Semelhante a Aula 02 fundamentos da homeopatia (20)

3- Escalas Homeopáticas.pptx
3- Escalas Homeopáticas.pptx3- Escalas Homeopáticas.pptx
3- Escalas Homeopáticas.pptx
 
3- Escalas Homeopáticas.pptx
3- Escalas Homeopáticas.pptx3- Escalas Homeopáticas.pptx
3- Escalas Homeopáticas.pptx
 
AULA DE FARMACOLOGIA.pptx
AULA DE FARMACOLOGIA.pptxAULA DE FARMACOLOGIA.pptx
AULA DE FARMACOLOGIA.pptx
 
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdfINTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
 
Introdução a Farmacologi.pdf
Introdução a Farmacologi.pdfIntrodução a Farmacologi.pdf
Introdução a Farmacologi.pdf
 
Cartilha plantas medicinais
Cartilha plantas medicinaisCartilha plantas medicinais
Cartilha plantas medicinais
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
AAula de Farnacologia 1
AAula de Farnacologia  1AAula de Farnacologia  1
AAula de Farnacologia 1
 
Soluções Extrativas: princípios ativos derivados. Aplicação em fitocosmética
Soluções Extrativas: princípios ativos derivados. Aplicação em fitocosméticaSoluções Extrativas: princípios ativos derivados. Aplicação em fitocosmética
Soluções Extrativas: princípios ativos derivados. Aplicação em fitocosmética
 
Aula Plantas medicinais I-2-53.pdf
Aula Plantas medicinais I-2-53.pdfAula Plantas medicinais I-2-53.pdf
Aula Plantas medicinais I-2-53.pdf
 
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas FarmacêuticasPES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
 
INTRODUÇÃO A FARMACOLOGIA 2.pdf
INTRODUÇÃO A FARMACOLOGIA 2.pdfINTRODUÇÃO A FARMACOLOGIA 2.pdf
INTRODUÇÃO A FARMACOLOGIA 2.pdf
 
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolattoApostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
 
Apostila do Curso de Fitoterapia Chinesa
Apostila do Curso de Fitoterapia ChinesaApostila do Curso de Fitoterapia Chinesa
Apostila do Curso de Fitoterapia Chinesa
 
Apostila Cha
Apostila ChaApostila Cha
Apostila Cha
 
XZ
XZXZ
XZ
 
Ectoparasiticidas
EctoparasiticidasEctoparasiticidas
Ectoparasiticidas
 
NOÇÕES BÁSICAS DE FARMACOLOGIA (Parte I).pdf
NOÇÕES BÁSICAS DE FARMACOLOGIA (Parte I).pdfNOÇÕES BÁSICAS DE FARMACOLOGIA (Parte I).pdf
NOÇÕES BÁSICAS DE FARMACOLOGIA (Parte I).pdf
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (9)

ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 

Aula 02 fundamentos da homeopatia

  • 3. PATOGENESIA É O CONJUNTO DE SINTOMAS, OBJETIVOS (FÍSICOS) E SUBJETIVOS ( EMOCIONAIS E MENTAIS), QUE UM ORGANISMO SADIO APRESENTA AO EXPERIMENTAR DETERMINADA SUBSTÂNCIA MEDICINAL.
  • 5. SIMILLIMUM É CHAMADO DE SIMILLIMUM, A SUBSTÂNCIA QUE ABRANGE A TOTALIDADE DOS SINTOMAS DE UM HOMEM DOENTE, OU SEJA, AQUELE MEDICAMENTO CUJA PATOGENESIA MELHOR COINCIDIR COM OS SINTOMAS APRESENTADOS PELO DOENTE.
  • 6. EXEMPLO DA APLICAÇÃO DO SIMILLIMUM: *Durante uma consulta como o homeopata, o paciente relata frequentes hemorragias nas fezes, diarréias explosivas, gosto amargo na boca, sensação de sufocamento com falta de ar à noite, grau de inquietude de espírito, ansiedade e diminuição da memória, medo de morrer, a sensação de queimação estomacal diminui com o calor e piora com o frio. Sintomas semelhantes com a ingestão do arsênico, logo o simillimum para essa patogenesia, é o Arsenicum album.
  • 8. ESCOLAS MÉDICAS HOMEOPÁTICAS *FORAM CRIADAS, POIS A NECESSIDADE DE CADA COMPLEXIDADE DE DOENÇAS ERA CADA VEZ MAIS DIFERENCIADA. *PRINCIPAIS MOTIVOS: IMPRECISÃO DOS SINTOMAS, DESCONHECIMENTO DE ALGUNS PRINCÍPIOS HOMEOPÁTICOS. •LOGO CRIARAM –SE ALGUNS PRINCÍPIOS DENTRO DAS LEIS HOMEOPÁTICAS: • UNICISMO, PLURALISMO, COMPLEXISMO E O ORGANICISMO.
  • 9. UNICISMO O clínico prescreve um único medicamento, à maneira de Hahnemann, com base na totalidade dos simtomas do doente (o simillimum) .
  • 10. EXEMPLO DE RECEITA UNICISTA: Pulsatilla nigricans 6LM Tomar 1 colher (chá) de 2 em 2 horas OUTRO EXEMPLO: Sepia 12 CH Pingar 10 gotas diretamente na boca, 2 vezes ao dia
  • 11. PLURALISMO OU ALTERNISMO O clínico prescreve dois ou mais medicamentos para serem administrados em horas distintas, alternadadamente, com a finalidade de um complementar a ação do outro, atingindo assim a totalidade dos sintomas do paciente.
  • 12. EXEMPLO DE RECEITA PLURALISTA: Barium carbocicum 6 CH, 20 mL, 1 frasco Phytolacca decandra 6CH, 20mL, 1 frasco Pingar 5 gotas de cada medicamento, diretamente na boca, de 2em 2 horas, alterndando-os a cada tomada.
  • 13. COMPLEXISMO O clínico prescreve dois ou mais medicamentos para serem administrados simultaneamente ao paciente.
  • 14. EXEMPLO DE RECEITA COMPLEXISTA: Hydrastis canadensis 6CH, 20mL, 1 frasco Hepar sulfur 6 CH, 20 mL, 1 frasco Kalium bichromicum 6CH, 20 mL, 1 frasco Pingar 5 gotas de cada um dos medicamentos, diretamente na boca, de 2 em 2 horas.
  • 15. OUTRO EXEMPLO DE RECEITA COMPLEXISTA: Eupatorium 5CH Bryonia alba 6 CH ãã---qsp--- 30mL Allium cepa 6 CH Pingar 5 gotas de cada um dos medicamentos, diretamente na boca, de 2 em 2 horas.
  • 16. ORGANICISMO O clínico prescreve o medicamento visando aos órgãos doentes, considerando as queixas mais imediatas do paciente. Essa conduta, portanto, acha-se bastante próxima da medicina alopática, pois fragmenta o ser humano em órgãos e sistemas. Fixa-se apenas no problema local, não levando em conta os sintomas emocionais e mentais, que podem estar relacionados ao problema.
  • 17. EXEMPLO DE RECEITA ORGANICISTA PARA UM CASO DE URTICÁRIA ( MANIFESTAÇÃO CUTÂNEA) Urtica urens 6 CH, 20 mL, 1 frasco Pingar 5 gotas direto na boca de hora em hora.
  • 18. VIAS DE INTRODUÇÃO E ELIMINAÇÃO DOS HOMEOPÁTICOS
  • 19. VIAS DE INTRODUÇÃO E ELIMINAÇÃO DOS HOMEOPÁTICOS •MUCOSAS • EPIDERME • VIAS AÉREAS SUPERIORES E INFERIORES
  • 21. ELIMINAÇÃO O homeopático não age pela quantidade de droga presente nas suas diferentes formas farmacêuticas, mas por meio da “informação” que veicula, fazendo o organismo reagir de acordo com a qualidade dessa informação. Portanto não se acumula no organismo, nem é eliminado, como ocorre com os medicamentos alopáticos.
  • 22. ELIMINAÇÃO •Podem acelerar a eliminação de toxinas pela pele, por diarréias, pelo suor etc. • Esses estados, não representam sua eliminação do organismo.
  • 24. POSOLOGIA •Para a alopatia, a dose útil de cada droga está diretamente relacionada com sua quantidade. Prevalecendo então seus efeitos primários e cumulativos. • Para a homeopatia, o princípio não é a dose, mas sim a capacidade do medicamento promover o estímulo da reação do organismo (reação vital), que é variável de um indivíduo para outro. • A escolha da potência depende do caso clinico, apesar do simillimum atuar em todas as dinamizações em menor ou maior profundidade.
  • 26. MEDICAMENTO HOMEOPÁTICO •“Medicamento homeopático é toda apresentação farmacêutica destinada a ser ministrada segundo o princípio da similitude, com finalidade preventiva e terapêutica, obtida por método de diluições seguidas de sucussões e/ ou triturações sucessivas”. (Farmacopéia Homeopática Brasileira Vol. II)
  • 29. REINO VEGETAL •Podem ser utilizadas a planta inteira, suas partes , seus produtos extrativos ou de transformação (sarcódios). Ex: - Belladona, Pulsatilla nigrans, Hypericum perforatum (planta inteira) - Lycopodium peltatum, Agnus castus , Cardus marianus (frutos) - Nux vomica, Pimpinella anisum, Opium (latex) • Podem também utilizar os seus produtos patológicos ( nosódios). Ex: -Ustilago maidis (doença do milho provocada por fungo) - Secale cornutum (esporão do centeio)
  • 31. REINO MINERAL Os produtos do reino mineral, devem ser extraídos, purificados e produzidos com critérios especificados em monografias farmacopéicas. Ex: - Natrium chloratum - Acidum phosphoricum - Kalium bichromicum - Calcarea acetica
  • 33. REINO ANIMAL *Não são tão numerosas quanto as matérias-primas originárias dos reinos vegetal e mineral. * Assim como nos vegetais, podem ser utilizados, o animal como um todo, suas partes, além dos seus produtos extrativos ou de transformação (sarcódios) ou ainda seus produtos patológiocos (nosódios).
  • 34. REINO ANIMAL *Animais inteiros: - Apis mellifica (abelha européia) - Formica rufa ( formiga vermelha) - Cantharis vesicatoria ( cantárida) - Aranea diadema ( aranha porta cruz)
  • 35. REINO ANIMAL *Partes de animais : - Thyroidium (glândula tireóide) - Carbo animalis (couro de boi carbonizado) - Hypophysinum (porção posterior da glândula hipófise) * No reino animal, ainda utiliza-se seres dos reinos fungi, monera e protista.
  • 37. VEÍCULOS E EXCIPIENTES * Os veículos e excipientes, também são chamados de inertes. Classificam-se como substâncias e produtos empregados em homeopatia, para realizar diluições, incorporar as dinamizações e extrair os princípios ativos das drogas na elaboração das tinturas homeopáticas.
  • 39. VEÍCULOS E EXCIPIENTES •ÁGUA: Deve ser purificada por destilação, deionização com filtração esterelizante. •CARACTERÍSTICAS: - Límpida, inodora e isenta de impurezas, como metais pesados, amônia, sais de cálcio e ferro, além da ausência do cloro. - Deve ser consumida sempre num período de 24h.
  • 41. VEÍCULOS E EXCIPIENTES *ÁLCOOL: - O álcool utilizado em homeopatia é o álcool etílico bidestilado. *CARACTERÍSTICAS: - Deve ser límpido, incolor, odor característico, sabor ardente, isento de impurezas como os aldeídos, e outros álcoois superiores. - Não devem ser armazenados em galões, nem próximo ao chão. - Sua estocagem deve ser feita em frascos de vidro âmbar.
  • 42. VEÍCULOS E EXCIPIENTES *ÁLCOOL : -ETANOL A 20% - Empregado no processo de trituração, ou seja passagem do estado sólido para a forma líquida. -ETANOL A 30% - Utilizado na dispensação de medicamentos homeopáticos, administrados em gotas. -ETANOL A 70% - Utilizado nas dinamizações intermediárias. -ETANOL = OU SUPERIOR A 70% - Utilizados nas preparações de dinamizações que irão impregnar a lactose, os glóbulos, comprimidos e os tabletes. -ETANOL A 96% - É empregado na dinamização de medicamentos preparados na escala cinquenta milesimal 1 LM.
  • 44. VEÍCULOS E EXCIPIENTES •GLICERINA : Deve ser purificada por destilação,em equipamentos de vidro para evitar a presença de metais •CARACTERÍSTICAS: - Límpida, inodora e isenta de impurezas, como metais pesados, acroleína, compostos amoniacais. - É utilizada na elaboração de tinturas homeopáticas preparados a partir de órgãos e glândulas de animais superiores.
  • 46. VEÍCULOS E EXCIPIENTES •LACTOSE: Produto derivado da condensação e caseificação do leite. •CARACTERÍSTICAS: - Deve ser usada pura, livre de impurezas como o amido, sacarose e a glicose, - Para realizar sua purificação são gastos cerca de 4L de etanol, para cada 1000g. - É utilizada nas dinamizações feitas a partir de substâncias insolúveis(durante a trituração) ou na confecção de comprimidos, glóbulos, tabletes. Também se utiliza na forma de pós homeopáticos.
  • 48. VEÍCULOS E EXCIPIENTES •SACAROSE: Trata-se do açúcar purificado obtido da cana-de- açúcar. •CARACTERÍSTICAS: - Deve apresentar na forma de cristais, sendo isenta de impurezas como metais pesados, cálcio, cloreto e sulfatos. - Deve ser acondicionada em frascos herméticos. - É utilizada nas fabricação de glóbulos inertes.
  • 50. GLÓBULOS INERTES *São pequenas esferas compostas por sacarose ou mistura de sacarose e lactose. •São obtidas industrialmente. • Apresentam peso mediano de 30 mg cada. • Sua numeração classifica-se: - 30mg - N° 03 - 50mg - N° 05 -70mg - N° 07 *São impregnados com dinamizações líquidas, para a obtenção da forma farmacêutica sólida chamada glóbulo.
  • 51. MICROGLÓBULOS INERTES *São pequenissimas esferas compostas por sacarose e amido •São obtidas industrialmente. • Apresentam peso mediano de 63mg para cada cada 100 microglóbulos. • Devem ser armazenados em recipientes herméticos. • São utilizados na preparação de medicamentos da escala cinquenta milesimal.
  • 53. COMPRIMIDOS INERTES *São utilizados em homeopatia como comprimidos normais inertes, obtidos pela compressão da lactose ou mistura de lactose e sacarose, com ou sem granulação prévia. •Apresentam-se com peso entre 100 e 300mg. • São brancos, inodoros e de sabor levemente adocicados • São impregnados com dinamizações líquidas, para a obtenção da forma farmacêutica sólida comprimidos.
  • 55. TABLETES INERTES *São utilizados em homeopatia como pequenos cubos, obtidos por moldagem da lactose em tableteiros próprios. •Apresentam-se com peso entre 100 e 300mg. • São brancos, inodoros e de sabor levemente adocicados • São impregnados com dinamizações líquidas, para a obtenção da forma farmacêutica sólida tabletes. • Geralmente são menos utilizados do que os comprimidos.
  • 57. ESCALAS HOMEOPÁTICAS •CENTESIMAL HAHNEMANIANO - CH • DECIMAL HAHNEMANIANO - DH • CINQUENTA MILESIMAL - LM • KORSAKOVIANO - • FLUXO CONTÍNUO - FC
  • 59. FORMAS FARMACÊUTICAS HOMEOPÁTICAS DE USO INTERNO LÍQUIDAS •GOTAS • DOSE ÚNICA LÍQUIDA • LIQUÍDOS MULTIDOSE SÓLIDAS *COMPRIMIDOS *GLÓBULOS *PÓS *TABLETES *DOSE ÚNICA SÓLIDA
  • 61. PREPARAÇÕES EM GOTAS •É DE FÁCIL APLICAÇÃO • DEVE SER DISPENSADA EM ETANOL A 30% • PODE SER OBTIDA PELOS MÉTODOS HAHNEMANIANOS, KORSAKOVIANO E FLUXO CONTÍNUO, CONFORME SOLICITAÇÃO CLÍNICA. • O VOLUME NO FRASCO DEVE OCUPAR 2/3 DE SUA CAPACIDADE, LOGO SE VOU PREPARAR 20ML DE SOLUÇÃO, O FRASCO PARA ARMAZENAR DEVE SER DE 13ML. LOGO 15ML
  • 62. PREPARAÇÕES EM GOTAS • O FRASCO DEVE TER BATOQUE E CONTA-GOTAS • GERALMENTE O VOLUME É PADRONIZADO EM 15 OU 20 ML DE SOLUÇÃO, PORÉM EM ALGUNS CASOS PODE VARIAR. • DEVE CONSTAR A ROTULAGEM DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO SANITÁRIA EM VIGOR. • PRAZO DE VALIDADE 2 ANOS.
  • 63. PREPARAÇÕES EM GOTAS • SE A ADMINISTRAÇÃO FOR FEITA EM JEJUM, ORIENTAR O PACIENTE PARA QUE ESTA SEJA FEITA SEMPRE ANTES DA ESCOVAÇÃO DOS DENTES. • EXEMPLO: Plumbum metallicum 30CH líquido.contúdo 20mL Tomar 10 gotas pela manhã em jejum.
  • 65. DOSE ÚNICA LÍQUIDA •O PACIENTE DEVE SER ORIENTADO A TOMAR TODO O MEDICAMENTO, DE UMA SÓ VEZ, CONFORME INDICADO NA PRESCRIÇÃO. • O PRAZO DE VALIDADE DAS FORMAS DOSE ÚNICA, SÃO GERALMENTE CURTOS, UMA VEZ QUE SÃO PREPARADOS COM ÁGUA PURIFICADA. • GERALMENTE SEU PRAZO DE VALIDADE GIRA EM TORNO DE 7 DIAS.
  • 66. DOSE ÚNICA LÍQUIDA •PODEM SER PREPARADAS PELOS MÉTODOS HAHNEMANNIANO, KORSAKOVIANO E FLUXO CONTÍNUO, PORÉM TOMADAS DE UMA ÚNICA VEZ. • DEVEM SER PREPARADAS COM TEOR ALCOÓLICO DE 30%
  • 67. DOSE ÚNICA LÍQUIDA •EXEMPLO: -Lycopodium clavulatum 30CH....XX/30.Dose única conteúdo: 30mL - Tomar o contéudo do frasco em jejum. - Natrium sulfuricum 200FC.....X/V/20.Dose única conteúdo: 20mL – Tomar o conteúdo do frasco à noite ao deitar.
  • 68. DOSE ÚNICA LÍQUIDA •EXEMPLO: -Lycopodium clavulatum 30CH....XX/30.Dose única conteúdo: 30mL - Tomar o contéudo do frasco em jejum. N° de gotas a ser diluído Quantidade de água em mL que diluirá as gotas.
  • 69. DOSE ÚNICA LÍQUIDA •EXEMPLO: - Natrium sulfuricum 200FC................X/V/20.Dose única conteúdo: 20mL – Tomar o conteúdo do frasco à noite ao deitar. N° de gotas a ser diluído N°de gotas de etanol a 96° conservante Quantidade de água em mL que diluirá as gotas.
  • 71. COMPRIMIDOS *SÃO FORMAS FARMACÊUTICAS SÓLIDAS, CILINDRÍCAS COM PESO COMPREENDIDO ENTRE 100 E 300MG. •SÃO OBTIDOS POR COMPRESSÃO DA TRITURAÇÃO DO INSUMO INERTE.(MISTURA DE LACTOSE E SACAROSE). • DEVEM SER DEGLUTIDOS E NÃO PODEM FICAR NA CAVIDADE DA BOCA.. • PARA ATIVOS LIQUIDOS, PODEM SER PREPARADOS POR COMPRESSÃO OU POR IMPREGNAÇÃO.
  • 72.
  • 73. GLÓBULOS •F.FARMACÊUTICA DESTINADA A APLICAÇÃO ORAL. • APRESENTA PRAZO DE VALIDADE DE APROX. 2 ANOS. • NÃO DEVE SER MASTIGADADO OU INGERIDO. • DEVE SER IMPRGNADO COM TEOR ALCOÓLICO SUPERIOR A 70%. • CORANTES PODEM SER COLOCADOS PARA VISUALIZAÇÃO.
  • 76. MATERIAL DE EMBALAGEM •DEVE SER COMPOSTO POR VIDRO ÂMBAR , TERMORESISTENTE. • TODO O MATERIAL DEVE SER ESTERELIZADO POR CALOR A SECO OU ÚMIDO. • AS PARTES PLÁSTICAS COMO CÂNULAS, CONTA-GOTAS E BULBO DE BORRACHA DE SER SANITIZADAS COM ÁLCOOL 70%. • VIDROS JÁ USADOS NÃO PODEM SER REUTILIZADOS, A MENOS QUE PASSEM POR PROCESSO DE ESTERELIZAÇÃO.
  • 78. Bioterápicos: São preparações medicamentosas obtidas a partir de produtos biológicos, quimicamente indefinidos: secreções, excreções, tecidos, órgãos ou microrganismos. Estes produtos podem ser patológicos (nosódios) ou não (sarcódios), elaborados conforme a farmacotécnica homeopática.
  • 79. IsoterápicosIsoterápicos São preparações medicamentosas obtidas a partir de insumos relacionados com a patologia do paciente, elaboradas conforme a farmacotécnica homeopática, sendo classificadas como autoisoterápicos e heteroisoterápicos.
  • 80. AutoisoterápicosAutoisoterápicos São isoterápicos cujos insumos ativos são obtidos do próprio paciente (fragmentos de órgãos e tecidos, sangue, secreções, excreções, cálculos, fezes, urina, culturas microbianas e outros) e destinados somente a este paciente.
  • 81. HeteroisoterápicosHeteroisoterápicos São isoterápicos cujos insumos ativos são externos ao paciente (alergenos, alimentos, cosméticos, medicamentos, toxinas, poeira, pólen, solventes e outros), que de alguma forma o sensibiliza.
  • 82. Requisitos Mínimos para a Preparação de Bioterápicos e Isoterápicos: -PRODUTO DE RISCO BIOLÓGICO. - OBEDECER AS NORMAS HOMEOPÁTICAS DE BIOSEGURANÇA. - O MÉTODO DE PREPARAÇÃO DEVE CONFERIR ETAPAS QUE COMPROVEM A INATIVAÇÃO DOS AGENTES INFECCIOSOS NA MATRIZ.
  • 84. A COLETAA COLETA -DEVE SER FEITA POR PROFISSIONAL HABILITADO. -LOCAL E MATERIAIS APROPRIADOS. -TODA AMOSTRA DE ORIGEM BIOLÓGICA DEVE SER TRATADA COMO SE FOSSE PATOGÊNICA. -COLHER O MATERIAL, SEMPRE QUE POSSÍVEL, ANTES DO INÍCIO DE QUALQUER TRATAMENTO.
  • 85. A COLETAA COLETA -OBSERVAR E SEGUIR AS NORMAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA INDIVIDUAL E DE PROTEÇÃO (EPI: EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL). -DESCONTAMINAR A PARTE EXTERNA DO RECIPIENTE DA COLETA, QUANDO SE TRATAR DE MATERIAL PATOGÊNICO. -O MATERIAL UTILIZADO NA COLETA DEVE SER, TANTO QUANTO POSSÍVEL, DESCARTÁVEL, SENDO NECESSÁRIO PARA O SEU DESCARTE APLICAR O PGRSS
  • 89. PROCESSAMENTO DO MATERIALPROCESSAMENTO DO MATERIAL -DESCONTAMINAÇÃO -EMPREGO DO MÉTODO APROPRIADO. - TRANSFORMAR NA FORMA FARMACÊUTICA. - ENVASE
  • 90. PRINCIPAIS INSUMOS INERTESPRINCIPAIS INSUMOS INERTES -LACTOSE -SOLUÇÕES ALCOÓLICAS E ÁGUA DESTILADA. - GLICERINA - SOLUÇÃO FISIOLÓGICA