ApresentaçãO 2art. Hsa Final

1.723 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.723
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ApresentaçãO 2art. Hsa Final

  1. 1. Discentes: Diana Mendes Liliana Duarte Liliana Sousa Patrícia Pereira
  2. 2. Doença Neurotoxinas Clostridium BOTULISMO secretadas por paralisante uma bactéria botulinum Bloqueiam as placas neuro-musculares Sintomas Impedem a estimulação das fibras motoras • náuseas • vómitos Paralisação dos nervos cranianos • dor abdominal • diarreia Pode haver paralisação dos músculos da respiração Diminuição da secreção salivar e secura da mucosa bucal
  3. 3. TERAPIA Fonte:http://www.blogoteca.com/upload/bit/arti/30-274-a-doutor.jpg • apoio meticuloso de Casos mais unidades de cuidados intensivos graves • ventilação mecânica Casos • antitoxina trivalente (anti A, B e E) equina menos • pode deter a progressão da paralisação e reduz a duração da graves doença
  4. 4. Condições CRESCIMENTO Condições favoráveis desfavoráveis Conservação em Atmosfera anaeróbia meio ácido (pH ≤ 4,6) Controlo de água Nutrientes (Aw) Temperatura Controlo de apropriada refrigeração Controlo de Disponibilidade de água conservantes químicos Fonte:http://www.cnpab.embrapa.br/educacao/baby/bacteria.gif Ambiente muito pouco ácido Ambiente sem inibidores de crescimento
  5. 5. pH Aw < 4,6  inibição da toxina letal < 0,93  impede o crescimento de causadora de Botulismo C. botulinum > 4,6  alimentos com baixa acidez > 0,93  Carnes, frutas e vegetais  Perigosos frescos Requerem refrigeração (< 4ºC) a fim Elevado risco de contaminação com de inibir a produção de toxinas de C. a bactéria causadora de Botulismo botulinum Diminuição do Aw Desidratação dos alimentos através da pulverização ou congelação Adição de sal ou açúcar a fim de se atingir o equilíbrio osmótico, com a sua agregação às moléculas de água
  6. 6. No entanto, o acondicionamento de alimentos em recipientes fechados e a fermentação de alguns alimentos são, particularmente, propícios ao desenvolvimento de condições anaeróbias que permitem a germinação de esporos de C. botulinum “Devido a que a distribuição de grandes volumes de alimentos contaminados pode afectar muitas pessoas, deve estabelecer-se uma constante vigilância epidemiológica e cada caso de Botulismo deve ser tratado como uma emergência de saúde pública. O Botulismo tem sido desenvolvido, em alguns países, como uma arma biológica e pode ser difundido como uma contaminação intencional de comida ou através de aerossóis” Arnon S, Schechter R, Inglesby T V, Henderson D A, Bartlett JG, Ascher M S, et al. Botulism toxin as a biological weapon: medical and public health management. JAMA 2001; 285: 1059-70
  7. 7. EUA (1990-2000) Texas (1993) 160 surtos 17 pessoas afectadas 263 doentes 26% assistência respiratória Salsa skordalia (salsa com papas envolta em papel de alumínio e 5% mortes deixadas à temperatura ambiente por vários dias) 50% forma caseira (sopas, salsa de tomate, alho em azeite, salsichas Restaurantes e forma caseira caseiras…)
  8. 8. • 8 pessoas afectadas Georgia, 1993 • Ingestão de um molho de queijo embalado, não sujeito a refrigeração Comidas caseiras em ambiente de anaerobiose Germinação e crescimento de C. botulinum Más práticas de manipulação dos alimentos
  9. 9. • surto derivado do consumo mohola (peixe tradicional egípcio curado com sal) New Jersey, 1992 • primeiro surto associado a peixe comercializado, incorrectamente manipulado Havai, 1990 3 casos de botulismo tipo B Peixe comprado num estabelecimento de venda a retalho Por um peixe palani Ingestão dos intestinos de peixe pouco cozidos Proibição da venda de peixe com vísceras
  10. 10. • botulismo tipo B Oregon, 1997 • 1 pessoa afectada • causado por um burrito adquirido num posto de venda de rua Califórnia, 1994 2 pessoas afectadas Surto de 1 pessoa afectada botulismo tipo A Pacote de sopa de amêijoas Molho de feijão conservado incorrectamente Etiqueta com instruções para refrigerar A instrução “Conservar Embalagem conservada à temperatura ambiente refrigerado” estava impressa na durante várias semanas embalagem Paciente ingeriu a sopa, apesar do cheiro e sabor desagradáveis
  11. 11. 1990 a 2000 91 casos de botulismo porém Diminuição da taxa de mortalidade Aumento da incidência da doença • 1961 – 50% • 1967 a 1974 – 9% • 1990 a 2000 – 3% http://www.supertravelnet.com/map/2/280_9002_5%7C11004282,11004286,11004306,20027457,110043 15,11004281,11004323,11004307.jpg
  12. 12. • Cauda de castor • Barbatana e óleo de foca Surtos associados à ingestão • Peixe branco • Ovas de peixe http://img367.imageshack.us/img367/5764/babyseal 1024thumbnailof8.jpg Causados por 88% dos casos de botulismo Toxina tipo E Exclusivamente associada à ingestão de animais aquáticos
  13. 13. Descrevem um surto de botulismo tipo E associado à ingestão de baleias encalhadas 12 de Julho de 2002 13 a 15 de Julho de 2002 Residentes da aldeia Yupik 14 esquimós comeram muktuk (pele e encontram um esqueleto de gordura localizada debaixo da pele da uma baleia baleia) Recolhem a cauda, cortam em 8 (57%) tinham a doença pedaços e colocam-nos em sacos de plástico Todas as amostras de alimentos As porções são congeladas e analisadas foram positivas para o tipo E divididas por amigos e da toxina botulínica familiares
  14. 14. Importante problema de saúde pública • Primeiro surto de botulismo reportado em Mendoza 1992 • Espargos em conserva caseira Vegetais e carnes incorrectamente embalados e Principais causas dos surtos conservados de forma caseira Buenos Aires, Janeiro 11 condutores de Consumo de matambre de 1998 autocarro afectados Foi detectada a 9 (82%) desenvolveram a doença neurotoxina tipo A
  15. 15. Toxinfecção produzida pela germinação de Clostridium botulinum no intestino da criança Esporos são ingeridos por via digestiva através de objectos, ou menos frequentemente, alimentos contaminados 1982 Fonte: http://www.klickeducacao.com.br/Klick_Portal/Enciclopedia/images/Bo/3878/1416.jpg - Mendoza - Buenos Aires
  16. 16. 2000 275 casos Mendoza Buenos Aires Rio Negro Chubut La Pampa Córdoba San Juan Tierra del Fuego Misiones Salta Santa Fe Tucumán
  17. 17. Mendoza foi a província com mais casos de botulismo infantil. Em todos os casos se tratou de neurotoxina tipo A, coerente com o tipo predominante na Argentina. Entre 2 semanas e 6 meses - Crianças alimentadas a peixe - Residentes em meios rurais Média de 10 semanas - Pouca chuva - Ventos frequentes Maior probabilidade de acesso ao Facilita a carga e disseminação de tracto digestivo esporos
  18. 18. Transmissão de botulismo infantil pelo consumo de alimentos Apenas foram identificados esporos no mel e xarope de milho 227 amostras de mel Esporos em 8 delas (3,5%) Outra fonte de botulismo infantil são as infusões caseiras Em 7 deles haviam sido 9 casos ocorridos em San Luis administradas infusoes de ervas Estudo de 100 amostras de plantas medicinais C. Botulinum tipo A em quatro delas
  19. 19. DS nº 158 de MINSAL Botulismo é uma doença de notificação obrigatória Amostras clínicas e alimentares analisadas no Laboratório de Saúde Pública Botulismo infantil como síndrome de morte súbita?
  20. 20. Métodos tradicionais de preparar alimentos Novas técnicas Botulismo de preparação continue a Novas de comida que permitem o afectar a saúde embalagens crescimento da humana no dos alimentos bactéria futuro Novas preferências alimentares
  21. 21. Problema antigo agravado nas últimas décadas devido a alterações nas práticas tradicionais (ex.: inclusão de embalagens plásticas ou de vidro para fermentação) Condições necessárias para germinação e produção da toxina: pH > 4,6 Elevada Ausência de Temperatura (pouca actividade da conservantes anaeróbica acidez) água Em vários casos esporádicos de botulismo alimentar não foi possível identificar a fonte alimentícia contaminada. Este “fracasso” em determinar a causa da patologia pode indicar uma má classificação destes casos.
  22. 22. Devido ao consumo muktuk Fonte:http://oglobo.globo.com/fotos/2007/08/1 7/17_MHG_alascaadriane%20henriques4.jpg Surto de botulismo tipo E afectou 8 a 14 nativos mas A doença foi rapidamente diagnosticada e tratada Tem havido uma redução na mortalidade por botulismo no Alasca, devido a vários factores, tais como: 1. Esforços na Saúde Pública que permitiram educar a população e os médicos sobre a prevenção, sinais, sintomas e necessidade de tratamento imediato do botulismo; 2. A urgência de evacuação dos doentes aos modernos hospitais rurais regionais, geralmente em pequenos aviões (é uma prática comum); 3. A armazenação da anti-toxina trivalente do botulismo (anti A, B e E) na maioria dos hospitais rurais, para que esteja sempre disponível para o tratamento, quando clinicamente indicado.
  23. 23. responsável Toxina tipo E 85% dos casos de botulismo no Alasca devido Tradicionais alimentos nativos, incluindo: - cabeça do salmão - gordura de baleia - pele e óleo de foca - ovas de peixes São produzidos por fermentação sob condições favoráveis à germinação e crescimento de neurotoxina do tipo E de C. botulinum Comer gordura de baleia, que é a tradição, é o maior foco desta epidemia, uma vez que a gordura armazenada em sacos de plástico hermeticamente fechados pode criar um ambiente anaeróbio, sendo um perigo para a saúde desta população Por isso, deve-se investir num esforço considerável para incentivar o consumo de alimentos tradicionais entre os nativos do Alasca, promovendo métodos mais seguros para armazenar e preparar alimentos de forma a evitar o botulismo
  24. 24. Para reduzir a probabilidade de botulismo alimentar, é importante notar que o desenvolvimento e o crescimento de C. botulinum ocorre apenas em condições que incluem um ambiente anaeróbio, baixo em sais e ácidos e à temperatura ambiente A prevenção pode ser acentuada estabelecendo múltiplas barreiras à germinação de esporos acidificação e a redução da actividade de tais como água, em todos os alimentos comercialmente embalados com baixos níveis de oxigénio Previne-se a germinação dos esporos com: - baixo pH (< 4,5) - refrigeração (< 4 ºC) - baixa actividade de água (Aw = 0,93 ou menos) - atmosfera aeróbia O consumidor, o manipulador ou o fornecedor de alimentos pode controlar o crescimento de patogenias, limitando uma ou mais das condições para o crescimento de C. botulinum

×