OS DISTÚRBIOS DA LEITURA 
O PAPEL DO PROFESSOR FRENTE A ESSAS 
QUESTÕES EM SALA DE AULA
Os distúrbios de aprendizagem na área da leitura 
podem ser atribuídos às mais variáveis causas: 
 Orgânicas 
 Psicológi...
DISLEXIA: Distúrbio de aprendizagem na área de linguagem. 
Apesar da assustadora impressão do termo, a 
dislexia não é uma...
Funcionamento do cérebro: 
Origem neurobiológica – verificam-se diferenças nas áreas temporais, parietais e 
occipitais do...
Alguns sinais da dislexia: 
 Leitura lenta e segmentada; 
 Fluência na leitura comprometida; 
 Cansaço extremo ao ler e...
Em geral, considerada relapsa, desatenta, 
preguiçosa, sem vontade de aprender, o disléxico 
demonstra insegurança e baixa...
Como o professor deve proceder: 
 Colocá-lo de frente e no centro do quadro, preferencialmente na primeira 
carteira; 
 ...
Como o professor deve proceder: 
 Aceitar que se distraia com maior facilidade que os demais, posto que a 
leitura lhe ex...
Como o professor deve proceder: 
 A leitura do disléxico geralmente é muito ruim, porém a compreensão pode 
estar preserv...
Proposta de ação pedagógica: 
 Evitar a cópia completa de textos longos do quadro , dando-lhe uma xerox 
como complemento...
Proposta de ação pedagógica: 
 Resumir as ideias principais, extrair as palavras-chave, fazer perguntas, 
inferências; 
...
Vantagens tecnológicas: 
 Uso do computador: 
Os computadores podem ser usados como ferramentas para encontrar, 
organiza...
Aprendizagem de língua estrangeira: 
Considerando o esforço que os disléxicos 
fazem para dominar a fonologia de sua língu...
Método de avaliação: 
 Reduzir o número de questões ou problemas dos testes; 
 Realizar avaliações orais; 
 Evitar a ut...
O distúrbio da leitura e escrita, quando não 
diagnosticado ainda na infância, leva o adulto a 
apresentar perturbações de...
Webgrafia: 
 http://seer.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/2692 
 http://www.dislexia.org.br/category/s2-o-que-...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Os distúrbios da leitura para blog

964 visualizações

Publicada em

Dislexia

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Os distúrbios da leitura para blog

  1. 1. OS DISTÚRBIOS DA LEITURA O PAPEL DO PROFESSOR FRENTE A ESSAS QUESTÕES EM SALA DE AULA
  2. 2. Os distúrbios de aprendizagem na área da leitura podem ser atribuídos às mais variáveis causas:  Orgânicas  Psicológicas  Pedagógicas  Sócio-culturais  Disléxicas
  3. 3. DISLEXIA: Distúrbio de aprendizagem na área de linguagem. Apesar da assustadora impressão do termo, a dislexia não é uma doença. Ela é um distúrbio genético e neurobiológico de funcionamento do cérebro para todo processamento linguístico relacionado à leitura. O que ocorre são falhas nas conexões cerebrais. Assim, a pessoa disléxica tem dificuldade para associar o símbolo gráfico e as letras ao som que elas representam e não consegue organizá-los mentalmente numa sequência coerente. Por exemplo, a palavra “PROCURAR” pode ser vista e entendida por um disléxico como “PORCURAR”.
  4. 4. Funcionamento do cérebro: Origem neurobiológica – verificam-se diferenças nas áreas temporais, parietais e occipitais do cérebro de indivíduos com dislexia. As mais recentes técnicas de investigação em imagiologia não invasivas, mostram que o hemisfério esquerdo posterior não funciona de forma eficaz, ativando zonas diferentes do cérebro durante a leitura (em comparação com os indivíduos não disléxicos)(Shaywitz, 2003).
  5. 5. Alguns sinais da dislexia:  Leitura lenta e segmentada;  Fluência na leitura comprometida;  Cansaço extremo ao ler e falta de interesse por livros;  Inversões de palavras;  Perda de linha no texto;  Irritabilidade;  Sonolência;  Distração;  Dificuldades em copiar textos;  Bom desempenho em provas orais;  Letra espelhada.
  6. 6. Em geral, considerada relapsa, desatenta, preguiçosa, sem vontade de aprender, o disléxico demonstra insegurança e baixa apreciação de si mesmo, sendo comum o abandono da escola, as reações rebeldes ou de natureza depressiva, havendo necessidade de tratamento especializado.
  7. 7. Como o professor deve proceder:  Colocá-lo de frente e no centro do quadro, preferencialmente na primeira carteira;  Escrever claro e espaçado no quadro, delimitando as partes (duas ou três partes no máximo);  Escrever cada parte do quadro com uma cor diferente;  Permitir que o disléxico levante-se, aponte o lápis, vá até o quadro, ou outro movimento que o relaxe, exigindo que retorne ao lugar em seguida;  Ensinar o aluno a utilizar a agenda;  Permitir tempo extra para a resposta às questões e para completar os trabalhos escritos;  Evitar que tenha que ler em público. Em situações em que isso é absolutamente necessário, oportunizar que ele prepare a leitura em casa.
  8. 8. Como o professor deve proceder:  Aceitar que se distraia com maior facilidade que os demais, posto que a leitura lhe exige um superesforço.  O disléxico geralmente tem dificuldade com a orientação e organização espaciais. Pode, sem perceber, pular folhas do caderno, pular linhas indevidamente, escrever na apostila trocada, fazer anotações em locais inadequados. Mostrar sempre o certo, não punir o erro e não criticá-lo pela falta de atenção. Diminuir a tolerância à medida que os anos escolares se sucedem.  Valorizar sempre o conteúdo trabalhado e “tolerar” as dificuldades gramaticais, como letra maiúscula, parágrafo, pontuação, acentuação, caligrafia irregular, etc. Diminuir a tolerância à medida que os anos escolares se sucedem.  Ser sempre claro e sucinto nas explicações das ordens dadas oralmente, preferencialmente dando exemplos e mostrando onde quer que faça a atividade.
  9. 9. Como o professor deve proceder:  A leitura do disléxico geralmente é muito ruim, porém a compreensão pode estar preservada. Ele pode ler palavras trocadas, de conteúdo semântico semelhante. Ex.: /unir/ por /juntar/; /beber/ por /tomar/. Tolerar, desde que a compreensão seja preservada;  Se o professor não entendeu o que o aluno escreveu, a letra, ou o que ele quis dizer, solicitar que ele leia sua escrita, antes de corrigir;  Não trabalhar no limite, esperando que com o tempo vai passar;  Disciplina, organização e criatividade são os fatores chave para que um disléxico tenha sucesso em sala de aula. A rigidez e os modelos pré-concebidos não se encaixam com este aluno.
  10. 10. Proposta de ação pedagógica:  Evitar a cópia completa de textos longos do quadro , dando-lhe uma xerox como complemento;  Sublinhar ou salientar de outro modo textos e exercícios para que os estudantes localizem melhor o material mais importante;  Oferecer instruções tanto oralmente quanto por escrito;  Usar sempre mais de um canal de aprendizagem e informação, com diferentes recursos audiovisuais;  Trabalhar sempre com o erro como forma de aprendizado e nunca como meio de punição;  Produzir erros “de propósito” para que os alunos descubram;  Oferecer fácil acesso a tabelas de matemática, listas de fórmulas, mapas etc;  Realizar pré-leitura do material escrito;
  11. 11. Proposta de ação pedagógica:  Resumir as ideias principais, extrair as palavras-chave, fazer perguntas, inferências;  Ensinar o aluno a parafrasear, isto é, dizer com suas palavras o que entendeu, passando para a escrita;  Ensinar o aluno a ler, parar e avaliar se compreendeu. Não permitir que leia toda a página para chegar à conclusão, no final, de que não entendeu nada;  Aceitar respostas objetivas, diretas, curtas, desde que contenham a resposta solicitada. Aumentar a exigência à medida que os anos escolares avançam;  Os textos do disléxico tendem a ser desorganizados, com falhas na sequência dos fatos e excesso de pronomes. Explicar e numerar os parágrafos;  Fazer com que o aluno pratique a leitura de poesias, textos dramáticos, cante músicas, faça leitura em coral; pois são métodos excelentes para melhorar sua fluência;
  12. 12. Vantagens tecnológicas:  Uso do computador: Os computadores podem ser usados como ferramentas para encontrar, organizar e armazenar informações; como processadores de textos, podendo fazer correções ortográficas e revisões gramaticais; como facilitador na colocação de ideias no papel.  Uso da calculadora: Permitir o uso da calculadora nos exercícios e testes escolares.  Uso de gravadores/MP3: Permitir o uso para registrar as aulas, como um dispositivo de ajuda na compreensão dos conteúdos e utilizá-lo também como ferramenta de pré-escrita.
  13. 13. Aprendizagem de língua estrangeira: Considerando o esforço que os disléxicos fazem para dominar a fonologia de sua língua materna desde o nascimento, é difícil também que eles dominem uma nova língua.
  14. 14. Método de avaliação:  Reduzir o número de questões ou problemas dos testes;  Realizar avaliações orais;  Evitar a utilização de testes de múltipla escolha;  Disponibilizar tempo extra para a realização das avaliações;  Valorizar os trabalhos pelo conteúdo, pela ideia e não pela ortografia;  Oportunizar um local tranquilo para a realização de testes e avaliações.
  15. 15. O distúrbio da leitura e escrita, quando não diagnosticado ainda na infância, leva o adulto a apresentar perturbações de ordem emocional, social e linguística.
  16. 16. Webgrafia:  http://seer.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/2692  http://www.dislexia.org.br/category/s2-o-que-e-dislexia/c12-definicao-de- dislexia/  http://nunesjanilton.blogspot.com.br/2013/05/dislexia.html

×