Dislexia

16.708 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
16.708
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
35
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
613
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dislexia

  1. 1. DISLEXIA Cristiane Alves Cardoso; Isabel Cristina de Oliveira; Luciane Fraga de Fraga; Luz Mary Pacheco Dias; Mirela Fleck; Viviane Fraga de Ávila
  2. 2. Definições <ul><li>É uma específica dificuldade de aprendizado da linguagem e leitura, soletração, escrita e cálculos matemáticos; </li></ul><ul><li>Um jeito de ser e de aprender. Reflete a expressão individual de uma mente, muitas vezes genial, que aprende de maneira diferente; </li></ul><ul><li>Não significa falta de inteligência e não é um indicativo de futuras dificuldades escolares e profissionais, principalmente quando tratada; </li></ul><ul><li>Não é resultado de má alfabetização, desatenção, desmotivação e nem de condição sócio-econômica; </li></ul><ul><li>É uma condição hereditária, com alterações genéticas e no padrão neurológico, não sendo resultado de uma lesão cerebral ou nervosa , nem pela má formação do cérebro. </li></ul>
  3. 3. Diagnóstico <ul><li>Para que o diagnóstico seja satisfatório precisa ser realizado por uma equipe multidisciplinar de profissionais, tais como: psicopedagogos, neuropediatras, fonoaudiólogos, psicólogos entre outros; </li></ul><ul><li>É um diagnóstico clínico que tem como base uma síntese cuidadosa de informações do histórico escolar da criança (ou do adulto), das observações de sua fala e leitura e dos testes aplicados; </li></ul><ul><li>Deve ser considerado também o histórico familiar e o histórico das fases de seu desenvolvimento, verificando se houve algum atraso na aquisição da linguagem. </li></ul>
  4. 4. Características <ul><li>Pré-escola </li></ul><ul><li>Dispersão; </li></ul><ul><li>Fraco desenvolvimento da atenção; </li></ul><ul><li>Atraso no desenvolvimento da fala e da linguagem; </li></ul><ul><li>Dificuldade em aprender rimas e canções; </li></ul><ul><li>Fraco desenvolvimento da coordenação motora; </li></ul><ul><li>Dificuldade com quebra cabeça; </li></ul><ul><li>Falta de interesse por livros impressos </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Idade Escolar </li></ul><ul><li>Dificuldades na aquisição e automação da leitura e escrita, em copiar de livros e quadros, em manusear mapas, dicionários, listas telefônicas, na coordenação motora fina e/ou grossa, em decorar seqüências, em nomear objetos e pessoas,em dar instruções, recados, na matemática e desenho geométrico. </li></ul><ul><li>Pobre conhecimento de rima </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Desatenção e dispersão; </li></ul><ul><li>Desorganização geral (atrasos na entrega de trabalhos escolares, perda de materiais); </li></ul><ul><li>Confusão entre direita e esquerda; </li></ul><ul><li>Vocabulário pobre, troca de letra na escrita; </li></ul><ul><li>Problemas de conduta como depressão, timidez excessiva ou o contrário; </li></ul><ul><li>Bom desempenho em provas orais. </li></ul>
  7. 7. Melhorando o desempenho do seu aluno <ul><li>Verifique a leitura e o entendimento das atividades propostas e se foram anotadas corretamente; </li></ul><ul><li>Diferencie as dificuldades específicas do aluno e as dificuldades da nossa língua na correção das atividades; </li></ul><ul><li>Incentive a expressão verbal do aluno; </li></ul><ul><li>Oriente de forma clara e simples para evitar confusões; </li></ul><ul><li>Crie estratégias que possam auxiliá-lo no estudo da sua disciplina e esquematize o conteúdo das aulas quando o assunto for muito difícil; </li></ul><ul><li>Oriente o aluno sobre como organizar-se no tempo e no espaço; </li></ul><ul><li>Não insista em exercícios de fixação repetitivos e numerosos, pois isso não diminui a sua dificuldade; </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Evitar dar várias regras de escrita numa mesma semana; </li></ul><ul><li>Sempre que possível a criança deve repetir, com suas próprias palavras, o que a professora pediu para ela fazer; </li></ul><ul><li>Permita o uso de gravador e utilize o computador quando possível; </li></ul><ul><li>Utilize instrumentos visuais que facilitem a aprendizagem; </li></ul>
  9. 9. <ul><li>A criança disléxica deve sentar-se perto da professora. </li></ul><ul><li>Cada ponto de ensino deve ser revisto várias vezes. </li></ul><ul><li>É desnecessário fazê-lo ler em voz alta perante a turma. </li></ul><ul><li>A escrita cursiva é mais fácil do que a de forma. </li></ul><ul><li>Não esperar que ela use um dicionário corretamente para verificar como é a escrita correta da palavra; </li></ul><ul><li>A apresentação de material escrito deve ser cuidadosa, com letras claras e cabeçalhos destacados. </li></ul>
  10. 10. Melhorando a auto-estima <ul><li>Valorize o que o aluno gosta de fazer e faz bem feito, mostrando suas habilidades em outras áreas; </li></ul><ul><li>Reforce os acertos e não enfatize os erros; </li></ul><ul><li>Proporcione tarefas que possam fazê-lo sentir-se útil; </li></ul><ul><li>Evite exigências excessivas nas suas produções; </li></ul><ul><li>Converse abertamente sobre suas dificuldades e auxilie a superá-las; </li></ul><ul><li>Respeite o seu ritmo; </li></ul><ul><li>Demonstre interesse por seu aluno como pessoa. </li></ul><ul><li>Sua habilidade e conhecimento devem ser julgados mais pelas respostas orais que escritas. </li></ul>
  11. 11. Avaliação <ul><li>Acreditamos que a avaliação deva ser processual e contínua e tem a finalidade de acompanhar o processo de aprendizagem dos alunos, servindo também para avaliar e modificar nossa prática quando necessária. </li></ul><ul><li>“ Se o disléxico não pode aprender do jeito que ensinamos, temos que ensinar do jeito que ele aprende”. </li></ul>
  12. 12. DISLÉXICOS FAMOSOS <ul><li>“ Padronização é para fábricas, não para escolas, algum erro muito grave ocorre, sempre que uma criança é tratada como se fora refugo de fábrica”. </li></ul><ul><li>Bill Cosby </li></ul>
  13. 13. <ul><li>“ Quando leio, somente escuto o que estou lendo e sou incapaz de lembrar da imagem visual da palavra escrita”. </li></ul><ul><li>Albert Einstein </li></ul>
  14. 14. <ul><li>“ A mais satisfatória forma de arrebatamento é pensar, pensar e pensar...” </li></ul><ul><li>Thomas Edison </li></ul>
  15. 15. <ul><li>“ Os olhares, as celebridades, os sorrisos... Eu queria mostrar que era capaz de fazer o meu melhor, mas, também, que eu era capaz de ler”. </li></ul><ul><li>Magic Jonhson </li></ul>
  16. 16. <ul><li>“ Eu tinha que treinar a mim mesmo para concentrar a minha atenção. Assim, me tornei muito visual e aprendi como criar imagens mentais para poder compreender o que lia”. </li></ul><ul><li>Tom Cruise </li></ul>
  17. 17. Referências <ul><li>Davis, Ronald D. (Ronald Dell). O dom da dislexia: por que algumas das pessoas mais brilhantes não conseguem ler e como podem aprender/Ronald D. Davis com Eldon M. Braun; tradução de Ana Lima e Gracia Badaró Massad. – Rio de Janeiro: Rocco, 2004. </li></ul><ul><li>www. andislexia . org . br . </li></ul><ul><li>www. interdys . org . index . jsp . </li></ul><ul><li>www.dislexia. org . br / abd /dislexia. html . </li></ul><ul><li>www. ahau . org /dislexia.0. html . </li></ul>

×