SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
A CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA E A
CONSTRUÇÃO DO PRINCÍPIO ALFABÉTICO:
PENSANDO SOBRE A FALA E SOBRE SUAS
RELAÇÕES COM A ESCRITA
Por: Edeil Reis do Espírito Santo
E-mail: edresanto@gmail.com
Objeto simbólico, substituto que representa algo. Não
constitui uma transcrição fonética da fala, mas estabelece
uma relação essencialmente fonêmica, isto é, procura
representar aquilo que é funcionalmente significativo,
estabelecendo um sistema de regras próprias.
Exemplos: [VA`SÔRA] VASSOURA
[`NEKSU] NEXO
[LEITI] LEITE
O que é mesmo a ESCRITA?
A ESCRITA É UMA REPRESENTAÇÃO DA FALA
A escrita é uma forma imperfeita de desenhar os
sons da fala, isto é, de tornar elementos abstratos
(FONEMAS) em coisas concretas (GRAFEMAS);
Na escrita, a representação das palavras é feita de
modo aproximado, pois a fluência da fala é diferente
da fluência da escrita;
Embora mantenham uma forte relação, fala e
escrita são elementos distintos porque possui
cada qual a sua especificidade.
É importantíssimo que nós professores
entendamos que a escrita não é reprodução ou
transcrição da fala, ela representa a fala a partir
de convenções já firmadas na comunidade
linguística de pertencimento.
.
Para aprender a ler e escrever, o indivíduo
necessita entender a relação estabelecida entre
fala e escrita.
Descoberta do Princípio Alfabético
Relação Fonemas (sons) Grafemas (letras)
.
.
INÍCIO DA ALFABETIZAÇÃO
TROCANDO EM MIÚDOS...
PRINCÍPIO ALFABÉTICO É...
A consciência de que palavras escritas contêm
combinações de unidades visuais (letras ou
combinações de letras) que são sistematicamente
relacionadas às unidades sonoras das palavras
(fonemas).
.
PRINCÍPIO ALFABÉTICO = Relação entre os FONEMAS
(sons) com os GRAFEMAS (letras)
Se não constroem o PRINCÍPIO ALFABÉTICO, as
crianças não conseguem se alfabetizar, pois
atribuir valor sonoro às letras é imprescindível
para aprender ler e escrever!
 A criança precisa ser mediada e desafiada a pensar
sobre:
As funções da linguagem escrita (PARA QUE SERVE?)
A natureza das correspondências entre a linguagem
escrita e a linguagem oral (COMO A ESCRITA REPRESENTA A
FALA?).
.
PARA CONTRUIR O PRINCÍPIO ALFABÉTICO...
• tre
CONSTRUINDO A BASE ALFABÉTICA
Para construir a Base Alfabética, Segundo FERREIRO, a
criança precisa ser mediada para que consiga
responder a duas perguntas basilares:
• O que a escrita nota (representa)? (As coisas em si
mesmas ou sons da palavra falada?);
• Como ela nota (representa)? ( Com desenhos, com
rabiscos, com letras, de acordo com o tamanho do
objeto?).
REALISMO NOMINAL... É PRECISO SUPERÁ-LO
A criança precisa ser ajudada para descobrir que a escrita
não representa as propriedades das coisas (tamanho,
características, peso, etc.) mas sim os segmentos sonoros
que formam a pronúncia da palavra (sílabas, fonemas, etc.)
Trem Biciclet
a
Velocíp
ede
ALFABETIZAÇÃO SEM REFLEXÃO SOBRE OS SONS
DA FALA NÃO ACONTECE
Por meio de atividades de CONSCIÊNCIA
FONOLÓGICA, o professor deve ajudar os
alfabetizandos a se desprenderem do sentido das
palavras e a passarem a prestar atenção na cadeia
sonora da fala, percebendo que na escrita se
desenha os sons das coisas e não as coisas em si
mesmas.
/K/ /O/ /R/ /D/ /A/
ALFABETIZAÇÃO SEM REFLEXÃO SOBRE OS SONS
DA FALA NÃO ACONTECE
PROMOVER MOMENTOS E ATIVIDADES DE
FONOARTICULAÇÃO É IMPRESCINDÍVEL À ALFABETIZAÇÃO;
OUVIR COM ATENÇÃO E OBSERVAR OS MOVIMENTOS DA
LÍNGUA, DOS LÁBIOS, DOS DENTES AS ENTRADAS, AS
SAÍDAS E OS BLOQUEIOS DE AR É IMPORTANTÍSSIMO PARA
ATRIBUIR VALOR SONORO ÀS LETRAS.
3 1 2
FONOARTICULAÇÃO E PERCEPÇÃO SOM/LETRA
HABILIDADES FONOARTICULATÓRIAS: TOMANDO
CONSCIÊNCIA DOS SONS E DA SUA PRODUÇÃO
OBSERVE AS BOQUINHAS E ESCREVA A VOGAL QUE ESTÁ SENDO
DITA.
HABILIDADES FONOARTICULATÓRIAS: TOMANDO
CONSCIÊNCIA DOS SONS E DA SUA PRODUÇÃO
CUBRA AS VOGAIS, OBSERVE AS BOQUINHAS, E LIGUE CADA
UMA DELAS À VOGAL QUE ESTÁ SENDO DITA.
O QUE É CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA?
A CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA é compostas por um
conjunto de habilidades de percepção e de
manipulação sistemática e intencional da estrutura
sonora das palavras;
Para desenvolver CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA é
necessário criar situações de reflexão sobre a língua,
levando as crianças a atuarem com a percepção
consciente de RIMAS, ALITERAÇÕES, SÍLABAS e
FONEMAS.
.
O QUE É CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA?
Temos várias habilidades de CONSCIÊNCIA
FONOLÓGICA, dentre elas:
CONSCIÊNCIA DA RIMA;
CONSCIÊNCIA DA ALITERAÇÃO;
CONSCIÊNCIA DA SÍLABA;
CONSCIÊNCIA FONÊMICA.
Compreendendo as Habilidades Fonológicas
Consciência da ALITERAÇÃO – Aliteração é a capacidade de
identificação ou repetição da sílaba ou do fonema na posição
inicial das palavras.
Dizemos que uma criança tem CONSCIÊNCIA DA ALITERAÇÃO
quando tem a capacidade de perceber os sons iniciais iguais
entre um grupo de palavras, tomando por base a primeira
sílabas ou o primeiro fonema (som), isoladamente.
Compreendendo as Habilidades Fonológicas
Consciência da RIMA – Chamamos RIMA a semelhanças
entre os sons desde a vogal ou ditongo tônico até ao último
fonema da palavra, podendo abranger a rima da sílaba, a
sílaba inteira ou mais do que uma sílaba;
Dizemos que uma criança tem CONSCIÊNCIA DA RIMA
quando tem a capacidade de perceber rimas em palavras de
uma frase, entre estrofes de um poema, entre pares de
palavras, em brincadeiras cantadas ou faladas, etc.
Compreendendo as Habilidades Fonológicas
Consciência da SÍLABA – É a capacidade de segmentar
palavras em sílabas, exigindo a execução de dois processos, a
identificação e a discriminação de sílabas, sendo que o
primeiro processo é facilitado quando da produção isolada
das sílabas.
Dizemos que uma criança tem CONSCIÊNCIA DA SÍLABA
quando tem a capacidade de perceber e manipular o número
de sílabas de uma palavra por meio de palmas, contagem nos
dedos, batidas de pé, pintando bolinhas, comparando
palavras com mesmo número de sílabas, etc. .
CA RA COL ME CILAN A PÉ
Compreendendo as Habilidades Fonológicas
Consciência FONÊMICA – Capacidade para manipular e isolar
as unidades sonoras que constituem a palavra, ou seja, a
condição de isolar som a som de uma dada palavra.
Dizemos que uma criança tem CONSCIÊNCIA FONÊMICA
quando tem a capacidade de perceber os fonemas
isoladamente nas palavras, decompondo as sílabas em suas
unidades menores.
Por exemplo: /V/ /A/ /K/ /A/ (VACA).
/S/ /A/ /P/ /A/ /T/ /U/ /A/ /U/ /M/ /U/ /F/ /A/ /D/ /A/ /P/ /Á/
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de ALITERAÇÕES
LIGUE CADA FIGURA À SUA LETRA INICIAL.
Pinte a figura cujo nome começa com o mesmo som que
o nome do desenho em destaque.
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de ALITERAÇÕES
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de ALITERAÇÕES
OBSERVE A FIGURA EM DESTAQUE E MARQUE COM UM X
AQUELAS QUE COMEÇAM COM O MESMO S OM.
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de ALITERAÇÕES
DIGA EM VOZ ALTA O NOME DA FIGURA EM DESTAQUE
Agora, circule aquela que NÃO começa com o mesmo som dela.
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de ALITERAÇÕES
DIGA EM VOZ ALTA O NOME DA FIGURA EM DESTAQUE
Agora, circule aquela que NÃO começa com o mesmo som dela.
/V/
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de ALITERAÇÕES
PINTE AS FIGURAS QUE SE INICIAM PELO SEGUINTE
SOM DA FOTO
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de ALITERAÇÕES
DIGA EM VOZ ALTA O NOME DA FIGURA EM DESTAQUE;
DEPOIS, MARQUE UM X NA PALVRA QUE COMEÇA IGUAL A ELA
J I B O I A
J O I A
J U M E N T O
J A N E L A
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de RIMAS
MARQUE COM UM X AS GRAVURAS CUJOS NOMES RIMAM
EM CADA CARREIRA.
LIGUE AS FIGURAS ÀQUELAS COM AS QUAIS RIMAM.
Desenvolvendo CONSCIÊNCIA de RIMAS
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de RIMAS
MARQUE COM UM X AS GRAVURAS CUJOS NOMES RIMAM
EM CADA CARREIRA.
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de RIMAS
OBSERVE A FIGURA EM DESTAQUE E CIRCULE A FIGURA QUE
RIMA COM ELA.
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de RIMAS
EM CADA TRIO DE PALAVRAS, CIRCULE AQUELA QUE NÃO RIMA.
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de RIMAS
LIGUE AS FIGURAS ÀQUELAS COM AS QUAIS RIMAM.
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA da SÍLABA
PINTE UMA BOLINHA PARA CADA SÍLABA DAS PALAVRAS.
.
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA da SÍLABA
Observe as palavras abaixo, pronuncie-as bem pausadamente e
localize onde estão os pedacinhos iguais em cada uma delas.
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA da SÍLABA
OBSERVE ATENTAMENTE
AS PALAVRAS E LEIA ELAS
BEM PAUSADAMENTE;
CONTE E REGISTRE
QUANTAS VEZES VOCÊ ABRE
A BOCA PARA FALAR CADA
PALAVRA ;
CONTE E REGISTRE O
NÚMERO DE LETRAS DE
CADA PALAVRA .
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA da SÍLABA
Em cada fileira, circule a palavra com menos sílabas.
 Conte quantos pedaços têm as palavras e circule as DUAS
que têm a mesma quantidade de pedacinhos.
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA da SÍLABA
I I I I I II I
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA FONÊMICA
CIRCULE A LETRA R NO TRAVALÍNGUA.
O RATO ROEU
A ROUPA DO REI DE ROMA
A RAINHA COM RAIVA
RESOLVEU REMENDAR
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA FONÊMICA
Descubra o SOM que está oculto, pronuncie-o bem
pausadamente e registre-o por escrito.
DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA FONÊMICA
RESOLVA AS CHARADINHAS DOS SONS TROCADOS,
MARCANDO COM X A PALAVRA CORRETA.
Como fica a palavra “BOLO” se eu mudar o último som para /A/?
B O T A B O L A B O C A
Como fica a palavra “L U V A” se eu tirar o primeiro som?
U V A C H U V A L U T A
 A língua escrita, antes de possuir SENTIDO/SIGNIFICADO, possui
FORMA SONORA ;
 A escola precisa trabalhar sistematicamente com a análise estrutural
de palavras;
 Trabalhando com análise estrutural de palavras, a escola cria
condições para que as crianças percebam que a ordem e a
quantidade de sons na fala determinam a ordem e a quantidade das
letras na escrita .
REFLETINDO...
CONCLUINDO...
Crianças que não são estimuladas intencional e sistematicamente a
refletir sobre os sons da fala, tomando por análise os micro segmentos
sonoros das palavras tais como aliterações (sons iniciais), rimas, sílabas e
fonemas, dificilmente conseguirão desenvolver-se na escrita alfabética e
na leitura fluente.
O trabalho com atividades escritas, jogos e brincadeiras, bem como com
textos da tradição oral, focando nas habilidades de percepção fonológica
sempre traz excelentes resultados para a alfabetização de crianças.
OBRIGADO PELA ATENÇÃO!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hipóteses de escrita
Hipóteses de escritaHipóteses de escrita
Hipóteses de escritasielcs
 
Consciência fonêmica
Consciência fonêmicaConsciência fonêmica
Consciência fonêmicaangelafreire
 
Ficha de monitoramento dos níveis da escrita
Ficha de monitoramento dos níveis da  escritaFicha de monitoramento dos níveis da  escrita
Ficha de monitoramento dos níveis da escritaAndreá Perez Leinat
 
Sea sistema de escrita alfabética slide
Sea   sistema de escrita alfabética  slideSea   sistema de escrita alfabética  slide
Sea sistema de escrita alfabética slidetlfleite
 
Hipóteses da escrita
Hipóteses da escritaHipóteses da escrita
Hipóteses da escritachagasl
 
Consciencia fonologica
Consciencia fonologicaConsciencia fonologica
Consciencia fonologicaangelafreire
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaMARILENE RANGEL
 
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emíliaHipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emíliaprofeannecunha
 
Sondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escritaSondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escritaMaristela Couto
 
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro augustafranca7
 
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento   psicogênese da língua escritaApresentação planejamento   psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento psicogênese da língua escritaAlekson Morais
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramentohenriqueocarvalho
 
Pnaic unidade 3 ensino da ortografia
Pnaic unidade 3   ensino da ortografiaPnaic unidade 3   ensino da ortografia
Pnaic unidade 3 ensino da ortografiatlfleite
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaBruna Braga
 
Hipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
Hipóteses da Psicogêse da Língua EscrítaHipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
Hipóteses da Psicogêse da Língua EscrítaAnne Cunha Silveira
 
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
Pnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontroPnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontro
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontrotlfleite
 
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOJulhinha Camara
 

Mais procurados (20)

Hipóteses de escrita
Hipóteses de escritaHipóteses de escrita
Hipóteses de escrita
 
Consciência fonêmica
Consciência fonêmicaConsciência fonêmica
Consciência fonêmica
 
Oficina consciência fonológica (apostila)
Oficina  consciência fonológica (apostila)Oficina  consciência fonológica (apostila)
Oficina consciência fonológica (apostila)
 
Ficha de monitoramento dos níveis da escrita
Ficha de monitoramento dos níveis da  escritaFicha de monitoramento dos níveis da  escrita
Ficha de monitoramento dos níveis da escrita
 
Sea sistema de escrita alfabética slide
Sea   sistema de escrita alfabética  slideSea   sistema de escrita alfabética  slide
Sea sistema de escrita alfabética slide
 
Hipóteses da escrita
Hipóteses da escritaHipóteses da escrita
Hipóteses da escrita
 
Apropriação do SEA
Apropriação do SEAApropriação do SEA
Apropriação do SEA
 
Consciencia fonologica
Consciencia fonologicaConsciencia fonologica
Consciencia fonologica
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
 
Oficina de ortografia 3 ano
Oficina de ortografia 3 anoOficina de ortografia 3 ano
Oficina de ortografia 3 ano
 
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emíliaHipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
 
Sondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escritaSondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escrita
 
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
 
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento   psicogênese da língua escritaApresentação planejamento   psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
 
Pnaic unidade 3 ensino da ortografia
Pnaic unidade 3   ensino da ortografiaPnaic unidade 3   ensino da ortografia
Pnaic unidade 3 ensino da ortografia
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
 
Hipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
Hipóteses da Psicogêse da Língua EscrítaHipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
Hipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
 
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
Pnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontroPnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontro
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
 
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
 

Destaque

Destaque (20)

HISTÓRIA EM QUADRINHOS 1
HISTÓRIA EM QUADRINHOS 1HISTÓRIA EM QUADRINHOS 1
HISTÓRIA EM QUADRINHOS 1
 
Que grand..[1]
Que grand..[1]Que grand..[1]
Que grand..[1]
 
Grão de Milho
Grão de MilhoGrão de Milho
Grão de Milho
 
A Galinha Medrosa
A Galinha MedrosaA Galinha Medrosa
A Galinha Medrosa
 
Histórias, Poesias...
Histórias, Poesias...Histórias, Poesias...
Histórias, Poesias...
 
Atividades 2016 17 -1ºp
Atividades 2016 17 -1ºpAtividades 2016 17 -1ºp
Atividades 2016 17 -1ºp
 
Fichas de atividades para o hallowen
Fichas  de atividades para o hallowenFichas  de atividades para o hallowen
Fichas de atividades para o hallowen
 
Poema Assustador
Poema AssustadorPoema Assustador
Poema Assustador
 
organização do ano letivo 2016-2017
organização do ano letivo 2016-2017organização do ano letivo 2016-2017
organização do ano letivo 2016-2017
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Pollock v1
Pollock v1Pollock v1
Pollock v1
 
O senhor mago e a folha
O senhor mago e a folhaO senhor mago e a folha
O senhor mago e a folha
 
Cartaz18
Cartaz18Cartaz18
Cartaz18
 
Frutos do outono
Frutos do outonoFrutos do outono
Frutos do outono
 
Abordagem à escrita lagartinha 3
Abordagem à escrita lagartinha 3Abordagem à escrita lagartinha 3
Abordagem à escrita lagartinha 3
 
Caixa de lápis de cores
Caixa de lápis de coresCaixa de lápis de cores
Caixa de lápis de cores
 
Músicas De Outono
Músicas De OutonoMúsicas De Outono
Músicas De Outono
 
Gui E O Natal Verde No Planeta Azul
Gui E O Natal Verde No Planeta AzulGui E O Natal Verde No Planeta Azul
Gui E O Natal Verde No Planeta Azul
 
Alimentaçao saudavel
Alimentaçao saudavelAlimentaçao saudavel
Alimentaçao saudavel
 
Carnaval Fichas De Trabalho
Carnaval  Fichas De TrabalhoCarnaval  Fichas De Trabalho
Carnaval Fichas De Trabalho
 

Semelhante a CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA E ALFABETIZAÇÃO

Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
Pnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontroPnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontro
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontrotlfleite
 
Hipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua EscritaHipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua EscritaRayane Paula
 
Ens fund gabriela_apres
Ens fund gabriela_apresEns fund gabriela_apres
Ens fund gabriela_apresRosi Whindson
 
Consciência fonológica - Marisa Viana
Consciência fonológica - Marisa VianaConsciência fonológica - Marisa Viana
Consciência fonológica - Marisa VianaCrefono6
 
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita AlfabéticaUnidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita AlfabéticaElaine Cruz
 
Conciencia Conhecimento Fonologico
Conciencia Conhecimento FonologicoConciencia Conhecimento Fonologico
Conciencia Conhecimento Fonologicoestercotrim
 
Conciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
Conciencia Conhecimento Fonologico ApresentacaoConciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
Conciencia Conhecimento Fonologico Apresentacaokarla Brasil
 
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01pedagogia para licenciados
 
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01pedagogia para licenciados
 
Apres Consciência Fonológica.pptx
Apres Consciência Fonológica.pptxApres Consciência Fonológica.pptx
Apres Consciência Fonológica.pptxAlcioneCosta12
 
CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA
CONSCIÊNCIA FONOLÓGICACONSCIÊNCIA FONOLÓGICA
CONSCIÊNCIA FONOLÓGICAelisleal
 
Lingua Porutgues 2º ano
Lingua Porutgues 2º anoLingua Porutgues 2º ano
Lingua Porutgues 2º anoNeemias
 
Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013Andreá Perez Leinat
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Marcia Prudencio
 
Consciencia fonológica
Consciencia fonológicaConsciencia fonológica
Consciencia fonológicaBete Feliciano
 
Fabi esteves quarto encontro pnaic 13 de julho
Fabi esteves quarto encontro pnaic 13 de julhoFabi esteves quarto encontro pnaic 13 de julho
Fabi esteves quarto encontro pnaic 13 de julhoFabiana Esteves
 

Semelhante a CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA E ALFABETIZAÇÃO (20)

Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
Pnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontroPnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontro
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
 
Pacto nacional unidade 3 ano 1
Pacto nacional unidade 3 ano 1Pacto nacional unidade 3 ano 1
Pacto nacional unidade 3 ano 1
 
Oficina consciência fonológica (apostila)
Oficina  consciência fonológica (apostila)Oficina  consciência fonológica (apostila)
Oficina consciência fonológica (apostila)
 
Hipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua EscritaHipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua Escrita
 
Consciência Fonológica
Consciência FonológicaConsciência Fonológica
Consciência Fonológica
 
Ens fund gabriela_apres
Ens fund gabriela_apresEns fund gabriela_apres
Ens fund gabriela_apres
 
Consciência fonológica - Marisa Viana
Consciência fonológica - Marisa VianaConsciência fonológica - Marisa Viana
Consciência fonológica - Marisa Viana
 
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita AlfabéticaUnidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
 
Conciencia Conhecimento Fonologico
Conciencia Conhecimento FonologicoConciencia Conhecimento Fonologico
Conciencia Conhecimento Fonologico
 
Conciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
Conciencia Conhecimento Fonologico ApresentacaoConciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
Conciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
 
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
 
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
 
Apres Consciência Fonológica.pptx
Apres Consciência Fonológica.pptxApres Consciência Fonológica.pptx
Apres Consciência Fonológica.pptx
 
CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA
CONSCIÊNCIA FONOLÓGICACONSCIÊNCIA FONOLÓGICA
CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA
 
Lingua Porutgues 2º ano
Lingua Porutgues 2º anoLingua Porutgues 2º ano
Lingua Porutgues 2º ano
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
 
Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
 
Consciencia fonológica
Consciencia fonológicaConsciencia fonológica
Consciencia fonológica
 
Fabi esteves quarto encontro pnaic 13 de julho
Fabi esteves quarto encontro pnaic 13 de julhoFabi esteves quarto encontro pnaic 13 de julho
Fabi esteves quarto encontro pnaic 13 de julho
 

Último

Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSlides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSilvana Silva
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Bullying - Atividade com caça- palavras
Bullying   - Atividade com  caça- palavrasBullying   - Atividade com  caça- palavras
Bullying - Atividade com caça- palavrasMary Alvarenga
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxleandropereira983288
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdfProva uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdfArthurRomanof1
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 

Último (20)

Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSlides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Bullying - Atividade com caça- palavras
Bullying   - Atividade com  caça- palavrasBullying   - Atividade com  caça- palavras
Bullying - Atividade com caça- palavras
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdfProva uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 

CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA E ALFABETIZAÇÃO

  • 1. A CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA E A CONSTRUÇÃO DO PRINCÍPIO ALFABÉTICO: PENSANDO SOBRE A FALA E SOBRE SUAS RELAÇÕES COM A ESCRITA Por: Edeil Reis do Espírito Santo E-mail: edresanto@gmail.com
  • 2. Objeto simbólico, substituto que representa algo. Não constitui uma transcrição fonética da fala, mas estabelece uma relação essencialmente fonêmica, isto é, procura representar aquilo que é funcionalmente significativo, estabelecendo um sistema de regras próprias. Exemplos: [VA`SÔRA] VASSOURA [`NEKSU] NEXO [LEITI] LEITE O que é mesmo a ESCRITA?
  • 3. A ESCRITA É UMA REPRESENTAÇÃO DA FALA A escrita é uma forma imperfeita de desenhar os sons da fala, isto é, de tornar elementos abstratos (FONEMAS) em coisas concretas (GRAFEMAS); Na escrita, a representação das palavras é feita de modo aproximado, pois a fluência da fala é diferente da fluência da escrita; Embora mantenham uma forte relação, fala e escrita são elementos distintos porque possui cada qual a sua especificidade.
  • 4. É importantíssimo que nós professores entendamos que a escrita não é reprodução ou transcrição da fala, ela representa a fala a partir de convenções já firmadas na comunidade linguística de pertencimento. .
  • 5. Para aprender a ler e escrever, o indivíduo necessita entender a relação estabelecida entre fala e escrita. Descoberta do Princípio Alfabético Relação Fonemas (sons) Grafemas (letras) . . INÍCIO DA ALFABETIZAÇÃO
  • 6. TROCANDO EM MIÚDOS... PRINCÍPIO ALFABÉTICO É... A consciência de que palavras escritas contêm combinações de unidades visuais (letras ou combinações de letras) que são sistematicamente relacionadas às unidades sonoras das palavras (fonemas). . PRINCÍPIO ALFABÉTICO = Relação entre os FONEMAS (sons) com os GRAFEMAS (letras)
  • 7. Se não constroem o PRINCÍPIO ALFABÉTICO, as crianças não conseguem se alfabetizar, pois atribuir valor sonoro às letras é imprescindível para aprender ler e escrever!
  • 8.  A criança precisa ser mediada e desafiada a pensar sobre: As funções da linguagem escrita (PARA QUE SERVE?) A natureza das correspondências entre a linguagem escrita e a linguagem oral (COMO A ESCRITA REPRESENTA A FALA?). . PARA CONTRUIR O PRINCÍPIO ALFABÉTICO...
  • 9. • tre CONSTRUINDO A BASE ALFABÉTICA Para construir a Base Alfabética, Segundo FERREIRO, a criança precisa ser mediada para que consiga responder a duas perguntas basilares: • O que a escrita nota (representa)? (As coisas em si mesmas ou sons da palavra falada?); • Como ela nota (representa)? ( Com desenhos, com rabiscos, com letras, de acordo com o tamanho do objeto?).
  • 10. REALISMO NOMINAL... É PRECISO SUPERÁ-LO A criança precisa ser ajudada para descobrir que a escrita não representa as propriedades das coisas (tamanho, características, peso, etc.) mas sim os segmentos sonoros que formam a pronúncia da palavra (sílabas, fonemas, etc.) Trem Biciclet a Velocíp ede
  • 11. ALFABETIZAÇÃO SEM REFLEXÃO SOBRE OS SONS DA FALA NÃO ACONTECE Por meio de atividades de CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA, o professor deve ajudar os alfabetizandos a se desprenderem do sentido das palavras e a passarem a prestar atenção na cadeia sonora da fala, percebendo que na escrita se desenha os sons das coisas e não as coisas em si mesmas.
  • 12. /K/ /O/ /R/ /D/ /A/
  • 13. ALFABETIZAÇÃO SEM REFLEXÃO SOBRE OS SONS DA FALA NÃO ACONTECE PROMOVER MOMENTOS E ATIVIDADES DE FONOARTICULAÇÃO É IMPRESCINDÍVEL À ALFABETIZAÇÃO; OUVIR COM ATENÇÃO E OBSERVAR OS MOVIMENTOS DA LÍNGUA, DOS LÁBIOS, DOS DENTES AS ENTRADAS, AS SAÍDAS E OS BLOQUEIOS DE AR É IMPORTANTÍSSIMO PARA ATRIBUIR VALOR SONORO ÀS LETRAS.
  • 14.
  • 15. 3 1 2 FONOARTICULAÇÃO E PERCEPÇÃO SOM/LETRA
  • 16. HABILIDADES FONOARTICULATÓRIAS: TOMANDO CONSCIÊNCIA DOS SONS E DA SUA PRODUÇÃO OBSERVE AS BOQUINHAS E ESCREVA A VOGAL QUE ESTÁ SENDO DITA.
  • 17. HABILIDADES FONOARTICULATÓRIAS: TOMANDO CONSCIÊNCIA DOS SONS E DA SUA PRODUÇÃO CUBRA AS VOGAIS, OBSERVE AS BOQUINHAS, E LIGUE CADA UMA DELAS À VOGAL QUE ESTÁ SENDO DITA.
  • 18. O QUE É CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA? A CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA é compostas por um conjunto de habilidades de percepção e de manipulação sistemática e intencional da estrutura sonora das palavras; Para desenvolver CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA é necessário criar situações de reflexão sobre a língua, levando as crianças a atuarem com a percepção consciente de RIMAS, ALITERAÇÕES, SÍLABAS e FONEMAS. .
  • 19. O QUE É CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA? Temos várias habilidades de CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA, dentre elas: CONSCIÊNCIA DA RIMA; CONSCIÊNCIA DA ALITERAÇÃO; CONSCIÊNCIA DA SÍLABA; CONSCIÊNCIA FONÊMICA.
  • 20. Compreendendo as Habilidades Fonológicas Consciência da ALITERAÇÃO – Aliteração é a capacidade de identificação ou repetição da sílaba ou do fonema na posição inicial das palavras. Dizemos que uma criança tem CONSCIÊNCIA DA ALITERAÇÃO quando tem a capacidade de perceber os sons iniciais iguais entre um grupo de palavras, tomando por base a primeira sílabas ou o primeiro fonema (som), isoladamente.
  • 21. Compreendendo as Habilidades Fonológicas Consciência da RIMA – Chamamos RIMA a semelhanças entre os sons desde a vogal ou ditongo tônico até ao último fonema da palavra, podendo abranger a rima da sílaba, a sílaba inteira ou mais do que uma sílaba; Dizemos que uma criança tem CONSCIÊNCIA DA RIMA quando tem a capacidade de perceber rimas em palavras de uma frase, entre estrofes de um poema, entre pares de palavras, em brincadeiras cantadas ou faladas, etc.
  • 22. Compreendendo as Habilidades Fonológicas Consciência da SÍLABA – É a capacidade de segmentar palavras em sílabas, exigindo a execução de dois processos, a identificação e a discriminação de sílabas, sendo que o primeiro processo é facilitado quando da produção isolada das sílabas. Dizemos que uma criança tem CONSCIÊNCIA DA SÍLABA quando tem a capacidade de perceber e manipular o número de sílabas de uma palavra por meio de palmas, contagem nos dedos, batidas de pé, pintando bolinhas, comparando palavras com mesmo número de sílabas, etc. . CA RA COL ME CILAN A PÉ
  • 23. Compreendendo as Habilidades Fonológicas Consciência FONÊMICA – Capacidade para manipular e isolar as unidades sonoras que constituem a palavra, ou seja, a condição de isolar som a som de uma dada palavra. Dizemos que uma criança tem CONSCIÊNCIA FONÊMICA quando tem a capacidade de perceber os fonemas isoladamente nas palavras, decompondo as sílabas em suas unidades menores. Por exemplo: /V/ /A/ /K/ /A/ (VACA). /S/ /A/ /P/ /A/ /T/ /U/ /A/ /U/ /M/ /U/ /F/ /A/ /D/ /A/ /P/ /Á/
  • 24. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de ALITERAÇÕES LIGUE CADA FIGURA À SUA LETRA INICIAL.
  • 25. Pinte a figura cujo nome começa com o mesmo som que o nome do desenho em destaque. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de ALITERAÇÕES
  • 26. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de ALITERAÇÕES OBSERVE A FIGURA EM DESTAQUE E MARQUE COM UM X AQUELAS QUE COMEÇAM COM O MESMO S OM.
  • 27. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de ALITERAÇÕES DIGA EM VOZ ALTA O NOME DA FIGURA EM DESTAQUE Agora, circule aquela que NÃO começa com o mesmo som dela.
  • 28. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de ALITERAÇÕES DIGA EM VOZ ALTA O NOME DA FIGURA EM DESTAQUE Agora, circule aquela que NÃO começa com o mesmo som dela.
  • 29. /V/ DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de ALITERAÇÕES PINTE AS FIGURAS QUE SE INICIAM PELO SEGUINTE SOM DA FOTO
  • 30. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de ALITERAÇÕES DIGA EM VOZ ALTA O NOME DA FIGURA EM DESTAQUE; DEPOIS, MARQUE UM X NA PALVRA QUE COMEÇA IGUAL A ELA J I B O I A J O I A J U M E N T O J A N E L A
  • 31. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de RIMAS MARQUE COM UM X AS GRAVURAS CUJOS NOMES RIMAM EM CADA CARREIRA.
  • 32. LIGUE AS FIGURAS ÀQUELAS COM AS QUAIS RIMAM. Desenvolvendo CONSCIÊNCIA de RIMAS
  • 33. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de RIMAS MARQUE COM UM X AS GRAVURAS CUJOS NOMES RIMAM EM CADA CARREIRA.
  • 34. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de RIMAS OBSERVE A FIGURA EM DESTAQUE E CIRCULE A FIGURA QUE RIMA COM ELA.
  • 35. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de RIMAS EM CADA TRIO DE PALAVRAS, CIRCULE AQUELA QUE NÃO RIMA.
  • 36. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA de RIMAS LIGUE AS FIGURAS ÀQUELAS COM AS QUAIS RIMAM.
  • 37. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA da SÍLABA PINTE UMA BOLINHA PARA CADA SÍLABA DAS PALAVRAS.
  • 38. . DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA da SÍLABA Observe as palavras abaixo, pronuncie-as bem pausadamente e localize onde estão os pedacinhos iguais em cada uma delas.
  • 39. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA da SÍLABA OBSERVE ATENTAMENTE AS PALAVRAS E LEIA ELAS BEM PAUSADAMENTE; CONTE E REGISTRE QUANTAS VEZES VOCÊ ABRE A BOCA PARA FALAR CADA PALAVRA ; CONTE E REGISTRE O NÚMERO DE LETRAS DE CADA PALAVRA .
  • 40. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA da SÍLABA Em cada fileira, circule a palavra com menos sílabas.
  • 41.  Conte quantos pedaços têm as palavras e circule as DUAS que têm a mesma quantidade de pedacinhos. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA da SÍLABA I I I I I II I
  • 42. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA FONÊMICA CIRCULE A LETRA R NO TRAVALÍNGUA. O RATO ROEU A ROUPA DO REI DE ROMA A RAINHA COM RAIVA RESOLVEU REMENDAR
  • 43. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA FONÊMICA Descubra o SOM que está oculto, pronuncie-o bem pausadamente e registre-o por escrito.
  • 44. DESENVOLVENDO CONSCIÊNCIA FONÊMICA RESOLVA AS CHARADINHAS DOS SONS TROCADOS, MARCANDO COM X A PALAVRA CORRETA. Como fica a palavra “BOLO” se eu mudar o último som para /A/? B O T A B O L A B O C A Como fica a palavra “L U V A” se eu tirar o primeiro som? U V A C H U V A L U T A
  • 45.  A língua escrita, antes de possuir SENTIDO/SIGNIFICADO, possui FORMA SONORA ;  A escola precisa trabalhar sistematicamente com a análise estrutural de palavras;  Trabalhando com análise estrutural de palavras, a escola cria condições para que as crianças percebam que a ordem e a quantidade de sons na fala determinam a ordem e a quantidade das letras na escrita . REFLETINDO...
  • 46. CONCLUINDO... Crianças que não são estimuladas intencional e sistematicamente a refletir sobre os sons da fala, tomando por análise os micro segmentos sonoros das palavras tais como aliterações (sons iniciais), rimas, sílabas e fonemas, dificilmente conseguirão desenvolver-se na escrita alfabética e na leitura fluente. O trabalho com atividades escritas, jogos e brincadeiras, bem como com textos da tradição oral, focando nas habilidades de percepção fonológica sempre traz excelentes resultados para a alfabetização de crianças.