19/03/2013
1
AFOGAMENTO
Profa. Marion Vecina A. Vecina
“A melhor esperança de ‘cura’ do
afogamento e suas consequências re...
19/03/2013
2
Epidemiologia
• Local de afogamento:
– Mais de 50% dos lactentes sofrem submersão em
banheiras
– Crianças men...
19/03/2013
3
PRIMEIROS SOCORROS
• Aproxime-se da vítima pelas costas, segure-a e
mantenha-a com a cabeça fora d’água.
TRAT...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

0402 afogamento - Marion

297 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

0402 afogamento - Marion

  1. 1. 19/03/2013 1 AFOGAMENTO Profa. Marion Vecina A. Vecina “A melhor esperança de ‘cura’ do afogamento e suas consequências reside na prevenção” INTRODUÇÃO • Em 2009, 7.152 brasileiros (3.7/100.000hab) morreram afogados em nossas águas. • 87% por causas não intencionais (3.2/100.000hab) e 2,74% por causas intencionais. www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php AFOGAMENTO NO BRASIL • Existem basicamente 3 formas de quantificar o número de afogamentos em nosso país: • 1. Atravésdo atestadosde óbitosemitidospor médicos com base no CódigoInternacional de Doenças (CID). • 2. Atravésdo preenchimentode uma autorizaçãode internaçãohospitalar(AIH) quando o paciente necessitou internação. • 3. Atravésdo registroem boletimde resgatesou atendimentopré-hospitalarrealizadopor guardavidasde serviçosde salvamentoaquáticoou profissional de saúde e equipes de busca aquática“mergulhadoresde resgate”. MEDIDAS DE PREVENÇÃO EM AFOGAMENTOS AFOGAMENTO • Afogamento (drowning) é definido como resultado de asfixia por imersão ou submersão em qualquer meio líquido, provocado pela entrada de água em vias aéreas, dificultando parcialmente ou por completo a ventilação ou a troca de oxigênio com o ar atmosférico. Rev Bras Med Esporte _ Vol.6, Nº 4 – Jul/Ago,2000
  2. 2. 19/03/2013 2 Epidemiologia • Local de afogamento: – Mais de 50% dos lactentes sofrem submersão em banheiras – Crianças menores que 5 anos, o afogamento é comum em baldes, vasos sanitários, lavadoras, pias e piscinas residenciais – Crianças mais velhas e adolescentes: até 70% ocorrem em locais com água abertos como lagos, rios, tanques • Mais de 50% associados ao uso de álcool/drogas CLASIFICAÇÃO DO AFOGAMENTO COMPLICAÇÕES • Nos pacientes hospitalizados, 60 a 80% não apresentam complicações e 15% têm mais de cinco. • Sistema nervoso central – Convulsões (15%), • edema cerebral (30 a 44% – diagnóstico clínico) e encefalopatia anóxica (20%). • Aparelho respiratório – Broncopneumonia ou pneumonia (34% a 40% dos pacientes que fazem ventilação mecânica), edema pulmonar (28% – diagnóstico clínico), pneumotórax e/ou pneumomediastino (10%), atelectasias lobares (20%), ARDS (5%) SALVAMENTO AQUÁTICO SOCIEDADE BRASILEIRA DE SALVAMENTO AQUÁTICO - SOBRASA O RESGATE • O resgate deve ser feito por fases consecutivas: • Fase de observação, • De entrada na água , • De abordagem da vítima, • De reboque da vítima, • e o atendimento da mesma
  3. 3. 19/03/2013 3 PRIMEIROS SOCORROS • Aproxime-se da vítima pelas costas, segure-a e mantenha-a com a cabeça fora d’água. TRATAMENTO • Os afogamentos podem ser classificados clinicamente em diferentes graus segundo a condição de insuficiência respiratória e, em geral, exigem internação hospitalar. • No entanto, as manobras de recuperação cardiorrespiratória (RCR) ou cardiopulmonar (RCP) para combater a hipoxemia (insuficiência de oxigênio no sangue) devem começar imediatamente no local do acidente, porque são essenciais para a recuperação e sobrevida do paciente. • Logo depois do resgate, portanto, é fundamental retirar as roupas molhadas da vítima, elevar sua temperatura corporal se apresentar hipotermia, proteger a coluna cervical quando houver suspeita de lesão e iniciar a respiração boca a boca. • No hospital, as medidas terapêuticas se voltarão para manter em boas condições o sistema respiratório e o suporte cardiovascular, a fim de evitar lesões cerebrais por hipóxia que podem ser irreversíveis PRIMEIROS SOCORROS • Peça socorro a pessoashabilitadas (salva-vidas) e não tentefazer o salvamentoa menos que tenha sido treinado para isso: - Retire a vítima da água usando algum objetoque flutue, puxando-apara um local seguro - Evite tentaro salvamentosozinho e sem recursosmateriais (boia, corda, embarcação etc.) - Se a vítima estiver lúcida, acalme-a,mantenha-a aquecida e, se ela ingeriu boa quantidadede líquido,transporte-a imediatamenteao hospital, - Se o afogamentooriginar paradacardiorrespiratória,realize a reanimação cardiopulmonar ou solicite que alguém habilitado para tal faça isso. A vítima deve ser conduzida o mais rápido possívelao hospital. - Em caso de hipotermia(temperaturacorporalabaixo de 35° C), aqueça-ae conduza-aao hospital. REFERÊNCIAS • Rev Bras Med Esporte _ Vol. 6, Nº 4 – Jul/Ago, 2000 • SOCIEDADE BRASILEIRA DE SALVAMENTO AQUÁTICO – SOBRASA • David Szpilman. Afogamento - Perfil epidemiológico no Brasil - Ano 2012. Publicado on-line em www.sobrasa.org, Julho de 2012.

×