O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

O vídeo em contexto escolar e o papel da Biblioteca Escolar

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Social Media - FURB
Social Media - FURB
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 42 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Quem viu também gostou (20)

Anúncio

Semelhante a O vídeo em contexto escolar e o papel da Biblioteca Escolar (20)

Mais de João Paulo Proença (20)

Anúncio

Mais recentes (20)

O vídeo em contexto escolar e o papel da Biblioteca Escolar

  1. 1. João Paulo da Silva Proença jp.proenca@gmail.com O vídeo em contexto escolar e o papel da Biblioteca Escolar no apoio à produção de conteúdos
  2. 2. Sumário 1. Enquadramento teórico (web 2.0, BE 2.0)  consequências na educação 2. Reflexão de caráter mais prático 16-05-2013 Barreiro 20 Janeiro 2011
  3. 3. Ferramentas Web 2.0 de produção de conteúdos • A generalização de dispositivos digitais na sociedade contemporânea, tais como máquinas fotográficas digitais, computadores, telemóveis, câmara s de vídeo, etc., permite que qualquer pessoa possa produzir de forma rápida e barata um vasto número de objetos digitais: fotografias, vídeos, documentos, ficheiros áudio, etc. jp.proenca@gmail.com
  4. 4. Estamos na era Web 2.0 !
  5. 5. 2006
  6. 6. Princípios da WEB 2.0 • Participação • Personalização – características do indivíduo • Enfoque nos serviços e não em produtos • Constante actualização (Beta perpétuo…) • Soluções simples e personalizadas • Interactividade • Colaboração • Agregação da informação
  7. 7. Princípios da WEB 2.0
  8. 8. O que é a web 2.0 ? (Margaix, 2008)
  9. 9. Bruegel, Pieter Children's Games 1560
  10. 10. Algumas realidades •As Bibliotecas, tal como as conhecemos, atravessam uma fase crítica •Os utilizadores de hoje, não são os mesmos que os de ontem nem os de amanhã •A tecnologia inunda o nosso dia a dia •… •Estamos preparados para oferecer os serviços que necessitam realmente os nossos utilizadores?
  11. 11. Biblioteca Publica de Delf
  12. 12. Uma BE 2.0 – síntese das ideias
  13. 13. Uma BE 2.0 – síntese das ideias • La biblioteca 2.0 deriva de la web 2.0. • La tecnología es importante, pero no lo es todo. • El usuario ha de tener un nuevo papel en la elaboración y gestión de los contenidos, se han de crear espacios para su participación. • Biblioteca 2.0 hace referencia a los servicios y a las colecciones. • Biblioteca 2.0 está en relación con el entorno virtual, pero también con el físico. (Margaix, 2008)
  14. 14. 16-05-2013 16 Uma BE 2.0 ? (Maness, 2007) Características: É o utilizador que está no centro Os conteúdos estão em diferentes suportes É socialmente rica É comunitáriamente inovadora - Novos serviços: 24/7; maior visibilidade, estante virtual Cartão de visita Difusão …
  15. 15. Novas correntes de aprendizagem… (Siemens, 2006)
  16. 16. Ecologia de aprendizagem (Siemens, 2008)
  17. 17. The Future of Learning “...the process of creating content may be more important to learning than the act of merely consuming it.” Richard Van Eck, Associate Professor, Instructional Design & Technology, http://idt.und.edu. The University of North Dakota
  18. 18. A BE – Um espaço onde se produz
  19. 19. Ferramentas Web 2.0 O conjunto de ferramentas que a seguir se apresentam refletem, de uma forma clara, o conceito Web 2.0, pois nelas a arquitetura de participação dos utilizadores é relevante e fundamental, criando uma rede de partilha, acrescentando valor a essa mesma rede e construindo a inteligência coletiva. (Podcast, videocast, screencast, …)
  20. 20. Podcast
  21. 21. Podcast: duração • Qual o formato? Geralmente mp3 • Duração do podcast? Depende da finalidade, mas em contexto de ensino, considerámos três variantes (Carvalho et al., 2008): • Curto: até 5 minutos • Moderado: >5 a 15 minutos • Longo: >15 minutos Os alunos preferem podcasts de curta duração.
  22. 22. Quem é o autor do podcast? • O bibliotecário • O professor • O aluno • Um perito Pode usar podcasts disponíveis online: • De outros profissionais de ensino • De programas de rádio (materiais autênticos) Os alunos gostam de ouvir a voz do professor (Carvalho et al., 2008; Salmon et al., 2007; Richardson, 2006; Durbridge, 1984).
  23. 23. Como usar o podcast? Na BE • Para motivar à leitura de um livro (ler uma passagem) • Divulgar uma actividade a realizar na Escola (também pode usar o Twitter ou o blogue e adicionar informação mais detalhada no podcast) • Anunciar a chegada de novos materiais à BE • Apresentar uma descrição da BE, do regulamento, de normas • Apresentar orientações para os alunos fazerem um trabalho escrito, fazer uma pesquisa, etc.
  24. 24. Como usar o podcast? Os professores podem usar podcasts • Para apresentar conteúdos Nos quais os alunos têm dificuldade Que não houve tempo de abordar na aula • Síntese da matéria (tema) • Indicações sobre a execução do trabalho • Comentários aos trabalhos • Levar os alunos a reflectir sobre uma temática • Para ouvir uma língua estrangeira • Explicação de uma figura, esquema, etc…
  25. 25. Como usar o podcast? Os professores podem usar podcasts • Para orientar numa visita de estudo • Para aperfeiçoar a dicção e a leitura • Análise de um poema Exemplos: http://erte.dge.mec.pt/index.php?section=409 http://biblioteca.epadrv.edu.pt/Podcast/podcast.html http://www.esgn.pt/radio/podcast.html http://sites.google.com/site/rutelopesmat/exercicios-de-preparacao-para-o-teste Os podcasts devem ser reutilizados com outras turmas, rentabilizando assim o trabalho e o tempo gasto pelo professor.
  26. 26. Na Biblioteca • A biblioteca pode organizar e disponibilizar podcast produzidos pelos alunos da escola (preferencialmente tendo a BE como local de produção) ou produzidos por outros, de modo a que se possam disponibilizar a alunos e professores materiais ditos com correção linguística.
  27. 27. Ferramentas passíveis de serem usadas • Audicity
  28. 28. O vodcast ou Vidcast Vídeo on demand + broadcast
  29. 29. De acordo com Prensky (2010) estima-se que a cada dia que passa sejam colocados no Youtube cerca de 150000 novos arquivos de vídeo digital, sendo que o número de vídeos em arquivo ascenderia em 2009 aos 100 milhões. Deste modo, não é de admirar que Prensky, referindo-se às potencialidades do youtube, escreva: “One of the most exciting things about living in the twenty-first century is watching large societal and cultural changes happen right before your eyes. This is nowhere better illustrated than in the rapid rise of You Tube”. (Prensky, 2010, p.1) O vodcast ou Vidcast
  30. 30. Na Biblioteca • Ligação ao currículo e aprendizagem: a Biblioteca Escolar pode e deve publicar todos os trabalhos produzidos no decorrer do processo ensino e aprendizagem, desde que se constituam como fontes de informação de qualidade, validadas pelo PB ou outro professor curricular • Esta publicação deveria ser feita num canal próprio onde todos estes filmes pudessem ser agrupados e etiquetados.
  31. 31. Na Biblioteca • Seria desejável envolver os alunos na produção de vídeos através do uso da BE concebida, como centro de produção Web, envolvendo-os em todas as fases do processo de produção – desenvolvimento da sinopse, elaboração do roteiro, elaboração da storyboard, produção propriamente dita, fomentando assim a autonomia, o desenvolvimento do espírito crítico e da visão analítica; a expressão e a comunicação; a visão interdisciplinar; a valorização do trabalho em grupo, a promoção da autonomia e da criatividade e o fomento das competências TIC e em literacia da informação.
  32. 32. Na Biblioteca • Promoção e marketing da BE • Formação de utilizadores • Criação de repositórios • Publicação de tutoriais • Fomento de leitura
  33. 33. Exemplos práticos • Movie Maker – Ex: • Still motion – Ex: http://learnmoreaboutdivision.wikispaces.com/With+ Students • Vídeo • http://www.publico.pt/sociedade/noticia/alunos-do- secundario-vencem-concurso-pordata-com- trabalhos-sobre-assimetrias-regionais-e-pobreza- 1593860
  34. 34. O Screencast Combinação de imagem (do écran) e locução
  35. 35. O Screencast refere-se à captura do ecrã do computador podendo ser associado a áudio ou texto, sendo muito útil de modo a criar tutoriais que podem ser de vários tipos: sobre características de um software e formas de o usar, sobre como fazer pesquisas on-line, sobre como usar ferramentas Web, explicar o acesso a ferramentas ou plataformas ou ainda sobre reportar um problema informático. Ferramentas: Jing; Voicethread; Podesk… O Screencast
  36. 36. Exemplos práticos • http://screencast.com/t/0ydFckH7Cm
  37. 37. • Uma ficha técnica (título, assunto, área de interesse; sinopse, objetivos educacionais, indicações pedagógicas, … A recuperação da informação
  38. 38. • Direitos de autor, download, autorizaç ão de pais e EE, a posse dos documentos, Publico/priva do, … Outras questões…
  39. 39. • The time is gone • The song is over • thought I’d something more to say…

×