SlideShare uma empresa Scribd logo
Inovação e Cuidados
Básicos de Saúde:
Resolutividade/Tecnologias
disponíveis
Inovação e Cuidados
Básicos de Saúde:
Resolutividade/Tecnologias
disponíveis
29 de junho de 2009 - Évora - Portugal
Alberto Beltrame
Secretário de Atenção à Saúde
Ministério da Saúde do Brasil
XI Conferência Ibero-Americana de Ministros da SaúdeXI Conferência Ibero-Americana de Ministros da Saúde
Secretaria de
Atenção à Saúde
BRASILBRASIL
8.5 milhões de km²
184 milhões de habitantes
26 Estados /DF
5.564 municípios
Autonomia política, fiscal e administrativa
PIB (2006): US$1,2 trilhões
Expectativa de Vida ao Nascer (2008): 72,51 anos
Mortalidade Infantil (2007): 19,30/1.000 NV
Percentual Gastos com Saúde: 7, 48% PIB‫‏‬
Estrutura econômica-social heterogênea;
Grandes diferenças regionais;
Distribuição desigual - serviços e profissionais;
Convivência de doenças típicas do subdesenvolvimento,
com demandas crescentes de doenças crônicas e co-
morbidades;
Incorporação tecnológica intensa, acrítica e abusiva no
setor saúde;
Baixos níveis de financiamento do sistema.
COMPLEXIDADE DO CONTEXTOCOMPLEXIDADE DO CONTEXTO
Reforma Sanitária nos anos 80
1988 Constituição – Saúde como direito
1990 Lei Sanitária e Controle Social
Proposta Central: acesso à saúde universal para todo cidadão
Acesso deve ser:
Universal
Integral
Hierarquizado
Regionalizado
Descentralizado
MARCOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDEMARCOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE
ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIAESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA
1991 – Programa dos Agentes Comunitários de Saúde
1993 – Programa Saúde da Família
1998 – Criado um fundo per capita nacional (PAB fixo) para todos
os municípios e um fundo específico para implementar as equipes
de saúde da família (PAB variável)
2001 – Há um incremento na provisão dos recursos para os
municipios com maiores coberturas de PSF
2004 – Criado incentivo de equidade (municipios com IDH< 0,70,
quilombos, assentamentos)‫‏‬
2006 – Aprovada a Política Nacional de Atenção Primária
EVOLUÇÃO DA APS NO BRASILEVOLUÇÃO DA APS NO BRASIL
2008 – Criados os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – equipes
multiprofissionais com as demais profissões da saúde, inclusive
educador físico e práticas complementares
2009 – desafio da Estratégia Saúde da Família ser ordenadora das
redes de atenção à saúde – Territórios Integrados de Atenção à
Saúde (Teias)
EVOLUÇÃO DA APS NO BRASILEVOLUÇÃO DA APS NO BRASIL
1 – Definição de equipe mínima, atribuições,
integração em rede
2 – Definição das responsabilidades de cada esfera
governamental
3 – Mudanças no financiamento e o crescimento dos
recursos para a atenção primária
4 – Criação do Sistema de Monitoramento e
Avaliação – produção de evidências
5 – Participação da população – pró-atividade da
equipe
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICAPOLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA
APS NO BRASILAPS NO BRASIL
– Gestão Tripartite
– Descentralização
– Controle Social
Uma das mais importantes iniciativas do SUS,
com peculiaridades que a distinguem no
cenário internacional :
Uma das mais importantes iniciativas do SUS,
com peculiaridades que a distinguem no
cenário internacional :
– Equipe Multiprofissional
– Território
– ACS
ESF/ACS/SB
ESF/ACS
ACS
SEM ESF, ACS E ESB
Nº ESF – 29.545
Nº MUNICÍPIOS - 5.208
Nº ACS – 229.066
Nº MUNICÍPIOS - 5.325
Nº ESB – 18.049
Nº MUNICÍPIOS – 4.614
Situação de Implantação de Equipes de Saúde da
Família, Saúde Bucal e Agentes Comunitários de
Saúde - BRASIL, MAIO/2009
Situação de Implantação de Equipes de Saúde da
Família, Saúde Bucal e Agentes Comunitários de
Saúde - BRASIL, MAIO/2009
FONTE: SIAB – Sistema de Informação da Atenção Básica
SCNES – Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos em Saúde
RESOLUTIVIDADE DAS
EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA
Não há como pensar a APS como porta de
entrada e ordenadora
das redes de atenção à saúde sem que haja
RESOLUTIVIDADE
RESOLUTIVIDADE DAS
EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA
Não há como pensar a APS como porta de
entrada e ordenadora
das redes de atenção à saúde sem que haja
RESOLUTIVIDADE
Ampliar a resolutividade
da APS é um grande desafio.
Envolve aspectos relativos a:
Ampliar a resolutividade
da APS é um grande desafio.
Envolve aspectos relativos a:
1- Necessidades de saúde da população e aspectos culturais
e sócio-econômicos da clientela
2- Gestão – profissionalização, planejamento e tecnologias de
informação e comunicação
3- Formação de Recursos Humanos
4- Organização de Redes de Atenção - acessibilidade dos
serviços e organização de sistemas de referência
1- Necessidades de saúde da população e aspectos culturais
e sócio-econômicos da clientela
2- Gestão – profissionalização, planejamento e tecnologias de
informação e comunicação
3- Formação de Recursos Humanos
4- Organização de Redes de Atenção - acessibilidade dos
serviços e organização de sistemas de referência
Resolutividade da APS
1- Aspectos relacionados às necessidades da
população:
Resolutividade da APS
1- Aspectos relacionados às necessidades da
população:
Melhor reconhecimentos dos problemas e das necessidades
de saúde;
Maior acurácia nos diagnósticos;
Maior adesão aos tratamentos, inclusive medicamentosos –
Aqui tem Farmácia Popular;
Diminuição das internações sensíveis à atenção primária; e
Prevenção de condições de Saúde.
Melhor reconhecimentos dos problemas e das necessidades
de saúde;
Maior acurácia nos diagnósticos;
Maior adesão aos tratamentos, inclusive medicamentosos –
Aqui tem Farmácia Popular;
Diminuição das internações sensíveis à atenção primária; e
Prevenção de condições de Saúde.
Resolutividade da APS
2- Aspectos relacionados à gestão:
Resolutividade da APS
2- Aspectos relacionados à gestão:
Necessidade de profissionalização da gestão
Investimentos em tecnologias de informação e comunicação:
implantação de sistemas informatizados de regulação,
prontuários eletrônicos
Planejamento: programação da atenção especializada a partir da
APS/SF
Financiamento: investimento e custeio (per capita médio APS no
Brasil: R$ 56,47 (€ 20,31)
Necessidade de profissionalização da gestão
Investimentos em tecnologias de informação e comunicação:
implantação de sistemas informatizados de regulação,
prontuários eletrônicos
Planejamento: programação da atenção especializada a partir da
APS/SF
Financiamento: investimento e custeio (per capita médio APS no
Brasil: R$ 56,47 (€ 20,31)
Necessidade de formação e educação permanente de
Recursos Humanos para APS:
Unidades docente-assistenciais – PET Saúde (PT Interministerial nº
1.507, 22/06/07) e Criação de Departamentos de Medicina de
Família e Comunidade nas Universidades Públicas;
Formação em larga escala em serviço e titulação de especialistas –
Universidade Aberta do SUS – UNASUS;
Telessaúde: segunda opinião formativa e consultas e exames
diagnósticos à distância; e
Implantação de equipes matriciais – NASF/CAPS/CEO/SAMU.
Necessidade de formação e educação permanente de
Recursos Humanos para APS:
Unidades docente-assistenciais – PET Saúde (PT Interministerial nº
1.507, 22/06/07) e Criação de Departamentos de Medicina de
Família e Comunidade nas Universidades Públicas;
Formação em larga escala em serviço e titulação de especialistas –
Universidade Aberta do SUS – UNASUS;
Telessaúde: segunda opinião formativa e consultas e exames
diagnósticos à distância; e
Implantação de equipes matriciais – NASF/CAPS/CEO/SAMU.
Resolutividade da APS
3- Aspectos relacionados à formação de Recursos
Humanos:
Resolutividade da APS
3- Aspectos relacionados à formação de Recursos
Humanos:
Necessidade de formação e educação permanente de Recursos
Humanos para APS:
Unidades docente-assistenciais – PET Saúde (PT Interministerial nº
1.507, 22/06/07) e Criação de Departamentos de Medicina de
Família e Comunidade nas Universidades Públicas;
Formação em larga escala em serviço e titulação de especialistas –
Universidade Aberta do SUS – UNASUS;
Telessaúde: segunda opinião formativa e consultas e exames
diagnósticos à distância; e
Implantação de equipes matriciais – NASF/CAPS/CEO/SAMU.
Necessidade de formação e educação permanente de Recursos
Humanos para APS:
Unidades docente-assistenciais – PET Saúde (PT Interministerial nº
1.507, 22/06/07) e Criação de Departamentos de Medicina de
Família e Comunidade nas Universidades Públicas;
Formação em larga escala em serviço e titulação de especialistas –
Universidade Aberta do SUS – UNASUS;
Telessaúde: segunda opinião formativa e consultas e exames
diagnósticos à distância; e
Implantação de equipes matriciais – NASF/CAPS/CEO/SAMU.
Resolutividade da APS
3- Aspectos relacionados à formação de Recursos
Humanos:
Resolutividade da APS
3- Aspectos relacionados à formação de Recursos
Humanos:
ResolutividadeResolutividade da APSda APS
44-- Aspectos relacionadosAspectos relacionados àà organizaorganizaçção deão de
Redes de AtenRedes de Atenççãoão àà SaSaúúde:de:
Necessidade de organizaNecessidade de organizaçção territorial da atenão territorial da atenççãoão –– estruturaestruturaçção deão de
Redes Assistenciais, implantaRedes Assistenciais, implantaçção de servião de serviçços regionalizados eos regionalizados e
hierarquizados em nhierarquizados em nííveis crescentes de complexidade, organizaveis crescentes de complexidade, organizaççãoão
de fluxos de referência e contrade fluxos de referência e contra--referênciareferência
ImplantaImplantaççãoão dede serviserviççosos dede apoioapoio a APS, coma APS, com equipesequipes matriciaismatriciais::
-- NASF:NASF: NucleoNucleo dede ApoioApoio àà SaSaúúdede dada FamFamíílialia –– dispondodispondo dede
equipesequipes multiprofissionaismultiprofissionais dede apoioapoio,, apoioapoio diagndiagnóósticostico
-- CEO: Centro deCEO: Centro de EspecialidadesEspecialidades OdontolOdontolóógicasgicas
-- CAPS: Centro deCAPS: Centro de ApoioApoio PsicossocialPsicossocial
ImplantaImplantaççãoão dede outrosoutros serviserviççosos::
-- SAMU:SAMU: ServiServiççoo dede AtendimentoAtendimento MMóóvelvel dede UrgênciaUrgência
-- UPA 24UPA 24 horashoras:: UnidadeUnidade de Prontode Pronto AtendimentoAtendimento
Distribuição dos Núcleos de Apoio à Saúde
da Família - NASF
Distribuição dos Núcleos de Apoio à Saúde
da Família - NASF
Fonte: CNES
Equipes multiprofissionais de
diferentes áreas de
conhecimento para apoio da
Saúde da Família na rede de
serviços :
Atividade Física/Práticas
Corporais;
Práticas Integrativas e
Complementares; Reabilitação;
Alimentação e Nutrição;
Assistência Farmacêutica;
Serviço Social;
Saúde Mental;
Saúde da Criança;
Saúde da Mulher;
Saúde do Idoso.
Equipes multiprofissionais de
diferentes áreas de
conhecimento para apoio da
Saúde da Família na rede de
serviços :
Atividade Física/Práticas
Corporais;
Práticas Integrativas e
Complementares; Reabilitação;
Alimentação e Nutrição;
Assistência Farmacêutica;
Serviço Social;
Saúde Mental;
Saúde da Criança;
Saúde da Mulher;
Saúde do Idoso.
CENTRO DE ESPECIALIDADE
ODONTOLÓGICA - CEO – JAN/2009
CENTRO DE ESPECIALIDADE
ODONTOLÓGICA - CEO – JAN/2009
CENTRO DE ASSISTÊNCIA PSICOSSOCIAL -
CAPS
CENTRO DE ASSISTÊNCIA PSICOSSOCIAL -
CAPS
CEOS
Farmácia
Serviços
Diagnóstico
Hospitais
SAMU
NASF
UPA
Centro Comunitário
Redes Sociais
Escolas
Equipes de Saúde
da Família
ACS
Núcleos
Vigilância
CTAs
Serviços
Diagnóstico
TELESSAÚDETELESSAÚDE
RESULTADOS APS
NO BRASIL
RESULTADOS APS
NO BRASIL
TAXA DA MORTALIDADE INFANTIL E SEUS COMPONENTES
NEONATAL PRECOCE E TARDIA, E PÓS-NEONATAL.
BRASIL, 1990 - 2007
TAXA DA MORTALIDADE INFANTIL E SEUS COMPONENTES
NEONATAL PRECOCE E TARDIA, E PÓS-NEONATAL.
BRASIL, 1990 - 2007
Estatísticas Mundiais em
Saúde, 2006 (OMS – 2008) –
Óbitos por 1000 NV:
Argentina 14
Chile 8
Canadá 5
Cuba 5
França 4
Estatísticas Mundiais em
Saúde, 2006 (OMS – 2008) –
Óbitos por 1000 NV:
Argentina 14
Chile 8
Canadá 5
Cuba 5
França 4
Fonte: CGIAE/DASIS/SVS/MSFonte: CGIAE/DASIS/SVS/MS
4,50
1,95-
4,54- 4,36-
-5,00
0,00
5,00
%
< 20% 20 |-- 50% 50 |-- 70% >=70%
Variação média anual da Taxa de mortalidade infantil segundo estrato de
cobertura do PSF em municípios com IDH baixo. Brasil, 1998-2005.
REDUÇÃO DA MORTALIDADE INFANTILREDUÇÃO DA MORTALIDADE INFANTIL
Percentuais de variação da mortalidade infantil associados a 10% de incremento na
cobertura da Saúde da Família, de acesso a água e de leitos hospitalares por mil
habitantes. Brasil, 1990-2002
-4,56
-2,92
-1,35
-5,00
-4,50
-4,00
-3,50
-3,00
-2,50
-2,00
-1,50
-1,00
-0,50
0,00
Saúde da Família Acesso a Água Leitos hospitalares
%variaçãodamortalidadeinfantil
SAÚDE DA MULHERSAÚDE DA MULHER
Evidências do Impacto da ESF na redução de
internações por condições sensíveis à APS
Evidências do Impacto da ESF na redução de
internações por condições sensíveis à APS
A expansão das coberturas por equipes Saúde da
Família e Agentes Comunitários está associada
particularmente à redução de internações por
diabetes, problemas respiratórios e circulatórios
126 mil hospitalizações evitadas
63 milhões de dólares de economia potencial
A expansão das coberturas por equipes Saúde da
Família e Agentes Comunitários está associada
particularmente à redução de internações por
diabetes, problemas respiratórios e circulatórios
126 mil hospitalizações evitadas
63 milhões de dólares de economia potencial
Guanais e Macinko, 2009
J. Ambulatory Care Manage, vol. 32, No. 2, pp. 115–122
SAÚDE DO ADULTOSAÚDE DO ADULTO
1,95 -
3,25 -
5,66 - 5,42 -
-6,00
-4,00
-2,00
0,00
%
< 20% 20 |-- 50%50 |-- 70% >=70%
Declínio médio anual da Taxa de internações por Insuficiência
Cardíaca Congestiva (ICC) na população de 40 anos ou mais,
segundo estrato de cobertura da SF em municípios com IDH baixo.
Brasil, 1998/2006
Fonte: Brasil, 2008. “Saúde da Família no Brasil: uma análise de indicadores selecionados: 1998-2005 /2006”
MUDANÇAS NOS DETERMINANTES SOCIAIS
DA SAÚDE
MUDANÇAS NOS DETERMINANTES SOCIAIS
DA SAÚDE
Cada 8 anos de exposição ao SF está robustamente
associado com:
- 6.8 % aumento da oferta de trabalho entre adultos de
18 e 55 anos;
- 4.6 % de redução na probabilidade de uma mulher
entre 18 e 55 anos ter um filho com um intervalo menor
que 21 meses; e
- 4.5 % aumento da presença na escola de crianças
entre 10 e 17 anos.
Cada 8 anos de exposição ao SF está robustamente
associado com:
- 6.8 % aumento da oferta de trabalho entre adultos de
18 e 55 anos;
- 4.6 % de redução na probabilidade de uma mulher
entre 18 e 55 anos ter um filho com um intervalo menor
que 21 meses; e
- 4.5 % aumento da presença na escola de crianças
entre 10 e 17 anos.
Evaluating the Impact of Community-Based Health Interventions: Evidence from Brazil’s Family Health Program*
Rocha, Romero; Soares Rodrigo R.
Forschungsinstitut zur Zukunft der Arbeit Institute for the Study of Labor - IZA Discussion Paper No. 4119. April 2009
A atenção primária capaz de definir
adequadamente as necessidades e
resovê-las na rede de atenção é capaz
de impulsionar a coesão social –
empoderamento e capital social.
Os cidadãos satisfeitos com os
serviços que recebem defenderão o
modelo público e aprovarão o
financiamento necessário para sua
manutenção
A atenção primária capaz de definir
adequadamente as necessidades e
resovê-las na rede de atenção é capaz
de impulsionar a coesão social –
empoderamento e capital social.
Os cidadãos satisfeitos com os
serviços que recebem defenderão o
modelo público e aprovarão o
financiamento necessário para sua
manutenção
SAS/Ministério da Saúde
www.saude.gov.br/dab
SAS/Ministério da Saúde
www.saude.gov.br/dab
Muito Obrigado!Muito Obrigado!
Secretaria de
Atenção à Saúde
ALBERTO BELTRAME
Secretário de Atenção à Saúde
alberto.beltrame@saude.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidadoProjeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidado
Lucas Matos
 
7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB
7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB
7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério SaúdeApresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Rede de atenção
Rede de atençãoRede de atenção
Rede de atenção
Ricardo Alexandre
 
Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...
Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...
Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Metas globais, regionais e nacionais doenças crônicas não transmissíveis
Metas globais, regionais e nacionais doenças crônicas não transmissíveisMetas globais, regionais e nacionais doenças crônicas não transmissíveis
Metas globais, regionais e nacionais doenças crônicas não transmissíveis
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Atenção Especializada no Paraná
Atenção Especializada no ParanáAtenção Especializada no Paraná
Atenção Especializada no Paraná
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em DivinópolisServiços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
MovSaúde Divinópolis
 
Redes de atenção em saúde (ras)
Redes de atenção em saúde (ras)Redes de atenção em saúde (ras)
Redes de atenção em saúde (ras)
Kellen Medina
 
Apresentação maria do carmo ministério saúde
Apresentação maria do carmo   ministério saúdeApresentação maria do carmo   ministério saúde
Apresentação maria do carmo ministério saúde
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Estudo dirigido Saúde Coletiva
Estudo dirigido Saúde ColetivaEstudo dirigido Saúde Coletiva
Estudo dirigido Saúde Coletiva
Joyce Wadna
 
Diretrizes para organização e funcionamento dos cta_2010
Diretrizes para organização e funcionamento dos cta_2010Diretrizes para organização e funcionamento dos cta_2010
Diretrizes para organização e funcionamento dos cta_2010
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Texto 1 pnab
Texto 1   pnabTexto 1   pnab
Texto 1 pnab
comunidadedepraticas
 
Ppt0000136
Ppt0000136Ppt0000136
Ppt0000136
Alinebrauna Brauna
 
Laboratório de Planificação da APS no município de Tauá/CE
Laboratório de Planificação da APS no município de Tauá/CELaboratório de Planificação da APS no município de Tauá/CE
Laboratório de Planificação da APS no município de Tauá/CE
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Plano de governo muda sombrio
Plano de governo muda sombrioPlano de governo muda sombrio
Plano de governo muda sombrio
Brenner Cardoso
 
6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnab6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnab
Leonardo Savassi
 
A atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
A atenção primária nas Redes de Atenção à SaúdeA atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
A atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Folder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJ
Folder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJFolder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJ
Folder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJ
Inaiara Bragante
 
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 

Mais procurados (20)

Projeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidadoProjeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidado
 
7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB
7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB
7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB
 
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério SaúdeApresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
 
Rede de atenção
Rede de atençãoRede de atenção
Rede de atenção
 
Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...
Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...
Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...
 
Metas globais, regionais e nacionais doenças crônicas não transmissíveis
Metas globais, regionais e nacionais doenças crônicas não transmissíveisMetas globais, regionais e nacionais doenças crônicas não transmissíveis
Metas globais, regionais e nacionais doenças crônicas não transmissíveis
 
Atenção Especializada no Paraná
Atenção Especializada no ParanáAtenção Especializada no Paraná
Atenção Especializada no Paraná
 
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em DivinópolisServiços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
 
Redes de atenção em saúde (ras)
Redes de atenção em saúde (ras)Redes de atenção em saúde (ras)
Redes de atenção em saúde (ras)
 
Apresentação maria do carmo ministério saúde
Apresentação maria do carmo   ministério saúdeApresentação maria do carmo   ministério saúde
Apresentação maria do carmo ministério saúde
 
Estudo dirigido Saúde Coletiva
Estudo dirigido Saúde ColetivaEstudo dirigido Saúde Coletiva
Estudo dirigido Saúde Coletiva
 
Diretrizes para organização e funcionamento dos cta_2010
Diretrizes para organização e funcionamento dos cta_2010Diretrizes para organização e funcionamento dos cta_2010
Diretrizes para organização e funcionamento dos cta_2010
 
Texto 1 pnab
Texto 1   pnabTexto 1   pnab
Texto 1 pnab
 
Ppt0000136
Ppt0000136Ppt0000136
Ppt0000136
 
Laboratório de Planificação da APS no município de Tauá/CE
Laboratório de Planificação da APS no município de Tauá/CELaboratório de Planificação da APS no município de Tauá/CE
Laboratório de Planificação da APS no município de Tauá/CE
 
Plano de governo muda sombrio
Plano de governo muda sombrioPlano de governo muda sombrio
Plano de governo muda sombrio
 
6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnab6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnab
 
A atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
A atenção primária nas Redes de Atenção à SaúdeA atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
A atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
 
Folder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJ
Folder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJFolder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJ
Folder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJ
 
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
 

Destaque

Verdadeiro falso
Verdadeiro falsoVerdadeiro falso
Verdadeiro falso
clarapaulaveneza
 
Seminário empreendedorismo
Seminário empreendedorismoSeminário empreendedorismo
Seminário empreendedorismo
Ana Iara Veras
 
Praise our god
Praise our godPraise our god
Praise our god
Linnea Good
 
Conocimiento cientifico
Conocimiento cientificoConocimiento cientifico
Conocimiento cientifico
fhynee
 
SEO - Entenda e aplique ao seu site
SEO - Entenda e aplique ao seu siteSEO - Entenda e aplique ao seu site
SEO - Entenda e aplique ao seu site
Débora Fernandes
 
Artigochapecó 10
Artigochapecó 10Artigochapecó 10
Terremoto (mb)
Terremoto (mb)Terremoto (mb)
Terremoto (mb)
amimh
 
Sintonizacao coletiva
Sintonizacao coletivaSintonizacao coletiva
Sintonizacao coletiva
amimh
 
D'Young
D'YoungD'Young
Não é no silêncio que os homens e mulheres se fazem
Não é no silêncio que os homens e mulheres se fazemNão é no silêncio que os homens e mulheres se fazem
Não é no silêncio que os homens e mulheres se fazem
jorge luiz dos santos de souza
 
When you walk copy 2
When you walk copy 2When you walk copy 2
When you walk copy 2
Linnea Good
 
C.oral
C.oralC.oral
C.oral
PABLO PI
 
Aula graduação 25 maio de 2007
Aula graduação 25 maio de 2007Aula graduação 25 maio de 2007
Aula graduação 25 maio de 2007
jorge luiz dos santos de souza
 
Radio drama lo1
Radio drama lo1Radio drama lo1
Radio drama lo1
Ed Ryding
 
G H P S Yechagalli
G H P S YechagalliG H P S Yechagalli
G H P S YechagalliDFC2011
 
Gloria a dios
Gloria a diosGloria a dios
Gloria a dios
Linnea Good
 
Cheiro da chuva
Cheiro da chuvaCheiro da chuva
Cheiro da chuva
blogelisandra
 

Destaque (20)

Verdadeiro falso
Verdadeiro falsoVerdadeiro falso
Verdadeiro falso
 
Seminário empreendedorismo
Seminário empreendedorismoSeminário empreendedorismo
Seminário empreendedorismo
 
Praise our god
Praise our godPraise our god
Praise our god
 
Conocimiento cientifico
Conocimiento cientificoConocimiento cientifico
Conocimiento cientifico
 
SEO - Entenda e aplique ao seu site
SEO - Entenda e aplique ao seu siteSEO - Entenda e aplique ao seu site
SEO - Entenda e aplique ao seu site
 
Artigochapecó 10
Artigochapecó 10Artigochapecó 10
Artigochapecó 10
 
Terremoto (mb)
Terremoto (mb)Terremoto (mb)
Terremoto (mb)
 
Chema madoz
Chema madozChema madoz
Chema madoz
 
Sintonizacao coletiva
Sintonizacao coletivaSintonizacao coletiva
Sintonizacao coletiva
 
D'Young
D'YoungD'Young
D'Young
 
Não é no silêncio que os homens e mulheres se fazem
Não é no silêncio que os homens e mulheres se fazemNão é no silêncio que os homens e mulheres se fazem
Não é no silêncio que os homens e mulheres se fazem
 
Ejercicio siaf
Ejercicio siafEjercicio siaf
Ejercicio siaf
 
When you walk copy 2
When you walk copy 2When you walk copy 2
When you walk copy 2
 
C.oral
C.oralC.oral
C.oral
 
Asbfksblfabsfl
AsbfksblfabsflAsbfksblfabsfl
Asbfksblfabsfl
 
Aula graduação 25 maio de 2007
Aula graduação 25 maio de 2007Aula graduação 25 maio de 2007
Aula graduação 25 maio de 2007
 
Radio drama lo1
Radio drama lo1Radio drama lo1
Radio drama lo1
 
G H P S Yechagalli
G H P S YechagalliG H P S Yechagalli
G H P S Yechagalli
 
Gloria a dios
Gloria a diosGloria a dios
Gloria a dios
 
Cheiro da chuva
Cheiro da chuvaCheiro da chuva
Cheiro da chuva
 

Semelhante a Beltrame evora claunara

Pnab
PnabPnab
Pnab
PnabPnab
Pnab
PnabPnab
projeto clinica.ppt
projeto clinica.pptprojeto clinica.ppt
projeto clinica.ppt
FellipeMedeiros8
 
Apostila planejamento em saude
Apostila planejamento em saudeApostila planejamento em saude
Apostila planejamento em saude
DudaMendesS
 
SAUDE DIREITO DE TODOS.pdf
SAUDE DIREITO DE TODOS.pdfSAUDE DIREITO DE TODOS.pdf
SAUDE DIREITO DE TODOS.pdf
NorivalRaulinoSilva
 
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de SaúdeAuditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
Helenice Alexandrino
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Anvisa
AnvisaAnvisa
Atenção básica e financiamento heider pinto
Atenção básica e financiamento   heider pintoAtenção básica e financiamento   heider pinto
Atenção básica e financiamento heider pinto
Hêider Aurélio Pinto
 
Paulo Henrique D'Ângelo Seixas
Paulo Henrique D'Ângelo SeixasPaulo Henrique D'Ângelo Seixas
Paulo Henrique D'Ângelo Seixas
Claudia Carnevalle
 
Oficina da CIF em sistemas de informação em Curitiba
Oficina da CIF em sistemas de informação em CuritibaOficina da CIF em sistemas de informação em Curitiba
Oficina da CIF em sistemas de informação em Curitiba
Eduardo Santana Cordeiro
 
Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]
Simone Everton
 
Programa saúde da família
Programa saúde da famíliaPrograma saúde da família
Programa saúde da família
Cinthia13Lima
 
PRODUÇÃO TEXTUAL – MINISTÉRIO DA SAÚDE INVESTIRÁ MAIS R$ 233,6 MILHÕES NA AT...
PRODUÇÃO TEXTUAL –  MINISTÉRIO DA SAÚDE INVESTIRÁ MAIS R$ 233,6 MILHÕES NA AT...PRODUÇÃO TEXTUAL –  MINISTÉRIO DA SAÚDE INVESTIRÁ MAIS R$ 233,6 MILHÕES NA AT...
PRODUÇÃO TEXTUAL – MINISTÉRIO DA SAÚDE INVESTIRÁ MAIS R$ 233,6 MILHÕES NA AT...
Acade Consultoria
 
Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
 Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
Hêider Aurélio Pinto
 
Defesa de Dissertação - Registro Eletrônico de Saúde e Produção de Informaçõe...
Defesa de Dissertação - Registro Eletrônico de Saúde e Produção de Informaçõe...Defesa de Dissertação - Registro Eletrônico de Saúde e Produção de Informaçõe...
Defesa de Dissertação - Registro Eletrônico de Saúde e Produção de Informaçõe...
Leandro Panitz
 
Gestão da Informação em Saúde - Management of health information
Gestão da Informação em Saúde - Management of health informationGestão da Informação em Saúde - Management of health information
Gestão da Informação em Saúde - Management of health information
Jamessonjr Leite Junior
 
Palestra PNAB
Palestra PNABPalestra PNAB
Palestra PNAB
mailsonenfermagem
 
Slides grupo8
Slides grupo8Slides grupo8
Slides grupo8
Marcos Nery
 

Semelhante a Beltrame evora claunara (20)

Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
projeto clinica.ppt
projeto clinica.pptprojeto clinica.ppt
projeto clinica.ppt
 
Apostila planejamento em saude
Apostila planejamento em saudeApostila planejamento em saude
Apostila planejamento em saude
 
SAUDE DIREITO DE TODOS.pdf
SAUDE DIREITO DE TODOS.pdfSAUDE DIREITO DE TODOS.pdf
SAUDE DIREITO DE TODOS.pdf
 
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de SaúdeAuditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 
Anvisa
AnvisaAnvisa
Anvisa
 
Atenção básica e financiamento heider pinto
Atenção básica e financiamento   heider pintoAtenção básica e financiamento   heider pinto
Atenção básica e financiamento heider pinto
 
Paulo Henrique D'Ângelo Seixas
Paulo Henrique D'Ângelo SeixasPaulo Henrique D'Ângelo Seixas
Paulo Henrique D'Ângelo Seixas
 
Oficina da CIF em sistemas de informação em Curitiba
Oficina da CIF em sistemas de informação em CuritibaOficina da CIF em sistemas de informação em Curitiba
Oficina da CIF em sistemas de informação em Curitiba
 
Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]
 
Programa saúde da família
Programa saúde da famíliaPrograma saúde da família
Programa saúde da família
 
PRODUÇÃO TEXTUAL – MINISTÉRIO DA SAÚDE INVESTIRÁ MAIS R$ 233,6 MILHÕES NA AT...
PRODUÇÃO TEXTUAL –  MINISTÉRIO DA SAÚDE INVESTIRÁ MAIS R$ 233,6 MILHÕES NA AT...PRODUÇÃO TEXTUAL –  MINISTÉRIO DA SAÚDE INVESTIRÁ MAIS R$ 233,6 MILHÕES NA AT...
PRODUÇÃO TEXTUAL – MINISTÉRIO DA SAÚDE INVESTIRÁ MAIS R$ 233,6 MILHÕES NA AT...
 
Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
 Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
 
Defesa de Dissertação - Registro Eletrônico de Saúde e Produção de Informaçõe...
Defesa de Dissertação - Registro Eletrônico de Saúde e Produção de Informaçõe...Defesa de Dissertação - Registro Eletrônico de Saúde e Produção de Informaçõe...
Defesa de Dissertação - Registro Eletrônico de Saúde e Produção de Informaçõe...
 
Gestão da Informação em Saúde - Management of health information
Gestão da Informação em Saúde - Management of health informationGestão da Informação em Saúde - Management of health information
Gestão da Informação em Saúde - Management of health information
 
Palestra PNAB
Palestra PNABPalestra PNAB
Palestra PNAB
 
Slides grupo8
Slides grupo8Slides grupo8
Slides grupo8
 

Mais de jorge luiz dos santos de souza

Comunicação Não Violenta e Escuta Qualificada
Comunicação Não Violenta e Escuta QualificadaComunicação Não Violenta e Escuta Qualificada
Comunicação Não Violenta e Escuta Qualificada
jorge luiz dos santos de souza
 
NAAF Campus Vacaria
NAAF Campus VacariaNAAF Campus Vacaria
NAAF Campus Vacaria
jorge luiz dos santos de souza
 
Projeto Escuta!
Projeto Escuta!Projeto Escuta!
Princípios da Administração Pública
Princípios da Administração PúblicaPrincípios da Administração Pública
Princípios da Administração Pública
jorge luiz dos santos de souza
 
Comunicação Não Violenta
Comunicação Não ViolentaComunicação Não Violenta
Comunicação Não Violenta
jorge luiz dos santos de souza
 
Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018
jorge luiz dos santos de souza
 
Cuidado de Si & Saúde Neurofisiológica
Cuidado de Si & Saúde NeurofisiológicaCuidado de Si & Saúde Neurofisiológica
Cuidado de Si & Saúde Neurofisiológica
jorge luiz dos santos de souza
 
EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS
EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS
EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS
jorge luiz dos santos de souza
 
Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...
Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...
Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...
jorge luiz dos santos de souza
 
MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...
MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...
MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...
jorge luiz dos santos de souza
 
REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...
REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...
REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...
jorge luiz dos santos de souza
 
PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...
PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...
PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...
jorge luiz dos santos de souza
 
INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...
INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...
INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...
jorge luiz dos santos de souza
 
EDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL
EDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SULEDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL
EDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL
jorge luiz dos santos de souza
 
COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...
COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...
COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...
jorge luiz dos santos de souza
 
Bem estar e qualidade de vida para profissionais da saúde
Bem estar e qualidade de vida para profissionais da saúdeBem estar e qualidade de vida para profissionais da saúde
Bem estar e qualidade de vida para profissionais da saúde
jorge luiz dos santos de souza
 
Perímetros corporais trabalho cds-ufsc
Perímetros corporais trabalho cds-ufscPerímetros corporais trabalho cds-ufsc
Perímetros corporais trabalho cds-ufsc
jorge luiz dos santos de souza
 
Educação Física Especial
Educação Física EspecialEducação Física Especial
Educação Física Especial
jorge luiz dos santos de souza
 
O Nado golfinho
O Nado golfinhoO Nado golfinho
Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003
Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003
Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003
jorge luiz dos santos de souza
 

Mais de jorge luiz dos santos de souza (20)

Comunicação Não Violenta e Escuta Qualificada
Comunicação Não Violenta e Escuta QualificadaComunicação Não Violenta e Escuta Qualificada
Comunicação Não Violenta e Escuta Qualificada
 
NAAF Campus Vacaria
NAAF Campus VacariaNAAF Campus Vacaria
NAAF Campus Vacaria
 
Projeto Escuta!
Projeto Escuta!Projeto Escuta!
Projeto Escuta!
 
Princípios da Administração Pública
Princípios da Administração PúblicaPrincípios da Administração Pública
Princípios da Administração Pública
 
Comunicação Não Violenta
Comunicação Não ViolentaComunicação Não Violenta
Comunicação Não Violenta
 
Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018
 
Cuidado de Si & Saúde Neurofisiológica
Cuidado de Si & Saúde NeurofisiológicaCuidado de Si & Saúde Neurofisiológica
Cuidado de Si & Saúde Neurofisiológica
 
EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS
EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS
EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS
 
Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...
Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...
Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...
 
MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...
MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...
MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...
 
REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...
REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...
REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...
 
PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...
PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...
PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...
 
INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...
INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...
INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...
 
EDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL
EDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SULEDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL
EDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL
 
COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...
COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...
COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...
 
Bem estar e qualidade de vida para profissionais da saúde
Bem estar e qualidade de vida para profissionais da saúdeBem estar e qualidade de vida para profissionais da saúde
Bem estar e qualidade de vida para profissionais da saúde
 
Perímetros corporais trabalho cds-ufsc
Perímetros corporais trabalho cds-ufscPerímetros corporais trabalho cds-ufsc
Perímetros corporais trabalho cds-ufsc
 
Educação Física Especial
Educação Física EspecialEducação Física Especial
Educação Física Especial
 
O Nado golfinho
O Nado golfinhoO Nado golfinho
O Nado golfinho
 
Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003
Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003
Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003
 

Beltrame evora claunara

  • 1. Inovação e Cuidados Básicos de Saúde: Resolutividade/Tecnologias disponíveis Inovação e Cuidados Básicos de Saúde: Resolutividade/Tecnologias disponíveis 29 de junho de 2009 - Évora - Portugal Alberto Beltrame Secretário de Atenção à Saúde Ministério da Saúde do Brasil XI Conferência Ibero-Americana de Ministros da SaúdeXI Conferência Ibero-Americana de Ministros da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde
  • 2. BRASILBRASIL 8.5 milhões de km² 184 milhões de habitantes 26 Estados /DF 5.564 municípios Autonomia política, fiscal e administrativa PIB (2006): US$1,2 trilhões Expectativa de Vida ao Nascer (2008): 72,51 anos Mortalidade Infantil (2007): 19,30/1.000 NV Percentual Gastos com Saúde: 7, 48% PIB‫‏‬
  • 3. Estrutura econômica-social heterogênea; Grandes diferenças regionais; Distribuição desigual - serviços e profissionais; Convivência de doenças típicas do subdesenvolvimento, com demandas crescentes de doenças crônicas e co- morbidades; Incorporação tecnológica intensa, acrítica e abusiva no setor saúde; Baixos níveis de financiamento do sistema. COMPLEXIDADE DO CONTEXTOCOMPLEXIDADE DO CONTEXTO
  • 4. Reforma Sanitária nos anos 80 1988 Constituição – Saúde como direito 1990 Lei Sanitária e Controle Social Proposta Central: acesso à saúde universal para todo cidadão Acesso deve ser: Universal Integral Hierarquizado Regionalizado Descentralizado MARCOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDEMARCOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE
  • 5. ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIAESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA
  • 6. 1991 – Programa dos Agentes Comunitários de Saúde 1993 – Programa Saúde da Família 1998 – Criado um fundo per capita nacional (PAB fixo) para todos os municípios e um fundo específico para implementar as equipes de saúde da família (PAB variável) 2001 – Há um incremento na provisão dos recursos para os municipios com maiores coberturas de PSF 2004 – Criado incentivo de equidade (municipios com IDH< 0,70, quilombos, assentamentos)‫‏‬ 2006 – Aprovada a Política Nacional de Atenção Primária EVOLUÇÃO DA APS NO BRASILEVOLUÇÃO DA APS NO BRASIL
  • 7. 2008 – Criados os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – equipes multiprofissionais com as demais profissões da saúde, inclusive educador físico e práticas complementares 2009 – desafio da Estratégia Saúde da Família ser ordenadora das redes de atenção à saúde – Territórios Integrados de Atenção à Saúde (Teias) EVOLUÇÃO DA APS NO BRASILEVOLUÇÃO DA APS NO BRASIL
  • 8. 1 – Definição de equipe mínima, atribuições, integração em rede 2 – Definição das responsabilidades de cada esfera governamental 3 – Mudanças no financiamento e o crescimento dos recursos para a atenção primária 4 – Criação do Sistema de Monitoramento e Avaliação – produção de evidências 5 – Participação da população – pró-atividade da equipe POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICAPOLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA
  • 9. APS NO BRASILAPS NO BRASIL – Gestão Tripartite – Descentralização – Controle Social Uma das mais importantes iniciativas do SUS, com peculiaridades que a distinguem no cenário internacional : Uma das mais importantes iniciativas do SUS, com peculiaridades que a distinguem no cenário internacional : – Equipe Multiprofissional – Território – ACS
  • 10. ESF/ACS/SB ESF/ACS ACS SEM ESF, ACS E ESB Nº ESF – 29.545 Nº MUNICÍPIOS - 5.208 Nº ACS – 229.066 Nº MUNICÍPIOS - 5.325 Nº ESB – 18.049 Nº MUNICÍPIOS – 4.614 Situação de Implantação de Equipes de Saúde da Família, Saúde Bucal e Agentes Comunitários de Saúde - BRASIL, MAIO/2009 Situação de Implantação de Equipes de Saúde da Família, Saúde Bucal e Agentes Comunitários de Saúde - BRASIL, MAIO/2009 FONTE: SIAB – Sistema de Informação da Atenção Básica SCNES – Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos em Saúde
  • 11. RESOLUTIVIDADE DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Não há como pensar a APS como porta de entrada e ordenadora das redes de atenção à saúde sem que haja RESOLUTIVIDADE RESOLUTIVIDADE DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Não há como pensar a APS como porta de entrada e ordenadora das redes de atenção à saúde sem que haja RESOLUTIVIDADE
  • 12. Ampliar a resolutividade da APS é um grande desafio. Envolve aspectos relativos a: Ampliar a resolutividade da APS é um grande desafio. Envolve aspectos relativos a: 1- Necessidades de saúde da população e aspectos culturais e sócio-econômicos da clientela 2- Gestão – profissionalização, planejamento e tecnologias de informação e comunicação 3- Formação de Recursos Humanos 4- Organização de Redes de Atenção - acessibilidade dos serviços e organização de sistemas de referência 1- Necessidades de saúde da população e aspectos culturais e sócio-econômicos da clientela 2- Gestão – profissionalização, planejamento e tecnologias de informação e comunicação 3- Formação de Recursos Humanos 4- Organização de Redes de Atenção - acessibilidade dos serviços e organização de sistemas de referência
  • 13. Resolutividade da APS 1- Aspectos relacionados às necessidades da população: Resolutividade da APS 1- Aspectos relacionados às necessidades da população: Melhor reconhecimentos dos problemas e das necessidades de saúde; Maior acurácia nos diagnósticos; Maior adesão aos tratamentos, inclusive medicamentosos – Aqui tem Farmácia Popular; Diminuição das internações sensíveis à atenção primária; e Prevenção de condições de Saúde. Melhor reconhecimentos dos problemas e das necessidades de saúde; Maior acurácia nos diagnósticos; Maior adesão aos tratamentos, inclusive medicamentosos – Aqui tem Farmácia Popular; Diminuição das internações sensíveis à atenção primária; e Prevenção de condições de Saúde.
  • 14. Resolutividade da APS 2- Aspectos relacionados à gestão: Resolutividade da APS 2- Aspectos relacionados à gestão: Necessidade de profissionalização da gestão Investimentos em tecnologias de informação e comunicação: implantação de sistemas informatizados de regulação, prontuários eletrônicos Planejamento: programação da atenção especializada a partir da APS/SF Financiamento: investimento e custeio (per capita médio APS no Brasil: R$ 56,47 (€ 20,31) Necessidade de profissionalização da gestão Investimentos em tecnologias de informação e comunicação: implantação de sistemas informatizados de regulação, prontuários eletrônicos Planejamento: programação da atenção especializada a partir da APS/SF Financiamento: investimento e custeio (per capita médio APS no Brasil: R$ 56,47 (€ 20,31)
  • 15. Necessidade de formação e educação permanente de Recursos Humanos para APS: Unidades docente-assistenciais – PET Saúde (PT Interministerial nº 1.507, 22/06/07) e Criação de Departamentos de Medicina de Família e Comunidade nas Universidades Públicas; Formação em larga escala em serviço e titulação de especialistas – Universidade Aberta do SUS – UNASUS; Telessaúde: segunda opinião formativa e consultas e exames diagnósticos à distância; e Implantação de equipes matriciais – NASF/CAPS/CEO/SAMU. Necessidade de formação e educação permanente de Recursos Humanos para APS: Unidades docente-assistenciais – PET Saúde (PT Interministerial nº 1.507, 22/06/07) e Criação de Departamentos de Medicina de Família e Comunidade nas Universidades Públicas; Formação em larga escala em serviço e titulação de especialistas – Universidade Aberta do SUS – UNASUS; Telessaúde: segunda opinião formativa e consultas e exames diagnósticos à distância; e Implantação de equipes matriciais – NASF/CAPS/CEO/SAMU. Resolutividade da APS 3- Aspectos relacionados à formação de Recursos Humanos: Resolutividade da APS 3- Aspectos relacionados à formação de Recursos Humanos: Necessidade de formação e educação permanente de Recursos Humanos para APS: Unidades docente-assistenciais – PET Saúde (PT Interministerial nº 1.507, 22/06/07) e Criação de Departamentos de Medicina de Família e Comunidade nas Universidades Públicas; Formação em larga escala em serviço e titulação de especialistas – Universidade Aberta do SUS – UNASUS; Telessaúde: segunda opinião formativa e consultas e exames diagnósticos à distância; e Implantação de equipes matriciais – NASF/CAPS/CEO/SAMU. Necessidade de formação e educação permanente de Recursos Humanos para APS: Unidades docente-assistenciais – PET Saúde (PT Interministerial nº 1.507, 22/06/07) e Criação de Departamentos de Medicina de Família e Comunidade nas Universidades Públicas; Formação em larga escala em serviço e titulação de especialistas – Universidade Aberta do SUS – UNASUS; Telessaúde: segunda opinião formativa e consultas e exames diagnósticos à distância; e Implantação de equipes matriciais – NASF/CAPS/CEO/SAMU. Resolutividade da APS 3- Aspectos relacionados à formação de Recursos Humanos: Resolutividade da APS 3- Aspectos relacionados à formação de Recursos Humanos:
  • 16. ResolutividadeResolutividade da APSda APS 44-- Aspectos relacionadosAspectos relacionados àà organizaorganizaçção deão de Redes de AtenRedes de Atenççãoão àà SaSaúúde:de: Necessidade de organizaNecessidade de organizaçção territorial da atenão territorial da atenççãoão –– estruturaestruturaçção deão de Redes Assistenciais, implantaRedes Assistenciais, implantaçção de servião de serviçços regionalizados eos regionalizados e hierarquizados em nhierarquizados em nííveis crescentes de complexidade, organizaveis crescentes de complexidade, organizaççãoão de fluxos de referência e contrade fluxos de referência e contra--referênciareferência ImplantaImplantaççãoão dede serviserviççosos dede apoioapoio a APS, coma APS, com equipesequipes matriciaismatriciais:: -- NASF:NASF: NucleoNucleo dede ApoioApoio àà SaSaúúdede dada FamFamíílialia –– dispondodispondo dede equipesequipes multiprofissionaismultiprofissionais dede apoioapoio,, apoioapoio diagndiagnóósticostico -- CEO: Centro deCEO: Centro de EspecialidadesEspecialidades OdontolOdontolóógicasgicas -- CAPS: Centro deCAPS: Centro de ApoioApoio PsicossocialPsicossocial ImplantaImplantaççãoão dede outrosoutros serviserviççosos:: -- SAMU:SAMU: ServiServiççoo dede AtendimentoAtendimento MMóóvelvel dede UrgênciaUrgência -- UPA 24UPA 24 horashoras:: UnidadeUnidade de Prontode Pronto AtendimentoAtendimento
  • 17. Distribuição dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF Distribuição dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF Fonte: CNES Equipes multiprofissionais de diferentes áreas de conhecimento para apoio da Saúde da Família na rede de serviços : Atividade Física/Práticas Corporais; Práticas Integrativas e Complementares; Reabilitação; Alimentação e Nutrição; Assistência Farmacêutica; Serviço Social; Saúde Mental; Saúde da Criança; Saúde da Mulher; Saúde do Idoso. Equipes multiprofissionais de diferentes áreas de conhecimento para apoio da Saúde da Família na rede de serviços : Atividade Física/Práticas Corporais; Práticas Integrativas e Complementares; Reabilitação; Alimentação e Nutrição; Assistência Farmacêutica; Serviço Social; Saúde Mental; Saúde da Criança; Saúde da Mulher; Saúde do Idoso.
  • 18. CENTRO DE ESPECIALIDADE ODONTOLÓGICA - CEO – JAN/2009 CENTRO DE ESPECIALIDADE ODONTOLÓGICA - CEO – JAN/2009
  • 19. CENTRO DE ASSISTÊNCIA PSICOSSOCIAL - CAPS CENTRO DE ASSISTÊNCIA PSICOSSOCIAL - CAPS
  • 20. CEOS Farmácia Serviços Diagnóstico Hospitais SAMU NASF UPA Centro Comunitário Redes Sociais Escolas Equipes de Saúde da Família ACS Núcleos Vigilância CTAs Serviços Diagnóstico
  • 23. TAXA DA MORTALIDADE INFANTIL E SEUS COMPONENTES NEONATAL PRECOCE E TARDIA, E PÓS-NEONATAL. BRASIL, 1990 - 2007 TAXA DA MORTALIDADE INFANTIL E SEUS COMPONENTES NEONATAL PRECOCE E TARDIA, E PÓS-NEONATAL. BRASIL, 1990 - 2007 Estatísticas Mundiais em Saúde, 2006 (OMS – 2008) – Óbitos por 1000 NV: Argentina 14 Chile 8 Canadá 5 Cuba 5 França 4 Estatísticas Mundiais em Saúde, 2006 (OMS – 2008) – Óbitos por 1000 NV: Argentina 14 Chile 8 Canadá 5 Cuba 5 França 4 Fonte: CGIAE/DASIS/SVS/MSFonte: CGIAE/DASIS/SVS/MS
  • 24. 4,50 1,95- 4,54- 4,36- -5,00 0,00 5,00 % < 20% 20 |-- 50% 50 |-- 70% >=70% Variação média anual da Taxa de mortalidade infantil segundo estrato de cobertura do PSF em municípios com IDH baixo. Brasil, 1998-2005. REDUÇÃO DA MORTALIDADE INFANTILREDUÇÃO DA MORTALIDADE INFANTIL
  • 25. Percentuais de variação da mortalidade infantil associados a 10% de incremento na cobertura da Saúde da Família, de acesso a água e de leitos hospitalares por mil habitantes. Brasil, 1990-2002 -4,56 -2,92 -1,35 -5,00 -4,50 -4,00 -3,50 -3,00 -2,50 -2,00 -1,50 -1,00 -0,50 0,00 Saúde da Família Acesso a Água Leitos hospitalares %variaçãodamortalidadeinfantil
  • 27. Evidências do Impacto da ESF na redução de internações por condições sensíveis à APS Evidências do Impacto da ESF na redução de internações por condições sensíveis à APS A expansão das coberturas por equipes Saúde da Família e Agentes Comunitários está associada particularmente à redução de internações por diabetes, problemas respiratórios e circulatórios 126 mil hospitalizações evitadas 63 milhões de dólares de economia potencial A expansão das coberturas por equipes Saúde da Família e Agentes Comunitários está associada particularmente à redução de internações por diabetes, problemas respiratórios e circulatórios 126 mil hospitalizações evitadas 63 milhões de dólares de economia potencial Guanais e Macinko, 2009 J. Ambulatory Care Manage, vol. 32, No. 2, pp. 115–122
  • 28. SAÚDE DO ADULTOSAÚDE DO ADULTO 1,95 - 3,25 - 5,66 - 5,42 - -6,00 -4,00 -2,00 0,00 % < 20% 20 |-- 50%50 |-- 70% >=70% Declínio médio anual da Taxa de internações por Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC) na população de 40 anos ou mais, segundo estrato de cobertura da SF em municípios com IDH baixo. Brasil, 1998/2006 Fonte: Brasil, 2008. “Saúde da Família no Brasil: uma análise de indicadores selecionados: 1998-2005 /2006”
  • 29. MUDANÇAS NOS DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE MUDANÇAS NOS DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE Cada 8 anos de exposição ao SF está robustamente associado com: - 6.8 % aumento da oferta de trabalho entre adultos de 18 e 55 anos; - 4.6 % de redução na probabilidade de uma mulher entre 18 e 55 anos ter um filho com um intervalo menor que 21 meses; e - 4.5 % aumento da presença na escola de crianças entre 10 e 17 anos. Cada 8 anos de exposição ao SF está robustamente associado com: - 6.8 % aumento da oferta de trabalho entre adultos de 18 e 55 anos; - 4.6 % de redução na probabilidade de uma mulher entre 18 e 55 anos ter um filho com um intervalo menor que 21 meses; e - 4.5 % aumento da presença na escola de crianças entre 10 e 17 anos. Evaluating the Impact of Community-Based Health Interventions: Evidence from Brazil’s Family Health Program* Rocha, Romero; Soares Rodrigo R. Forschungsinstitut zur Zukunft der Arbeit Institute for the Study of Labor - IZA Discussion Paper No. 4119. April 2009
  • 30. A atenção primária capaz de definir adequadamente as necessidades e resovê-las na rede de atenção é capaz de impulsionar a coesão social – empoderamento e capital social. Os cidadãos satisfeitos com os serviços que recebem defenderão o modelo público e aprovarão o financiamento necessário para sua manutenção A atenção primária capaz de definir adequadamente as necessidades e resovê-las na rede de atenção é capaz de impulsionar a coesão social – empoderamento e capital social. Os cidadãos satisfeitos com os serviços que recebem defenderão o modelo público e aprovarão o financiamento necessário para sua manutenção
  • 31. SAS/Ministério da Saúde www.saude.gov.br/dab SAS/Ministério da Saúde www.saude.gov.br/dab Muito Obrigado!Muito Obrigado! Secretaria de Atenção à Saúde ALBERTO BELTRAME Secretário de Atenção à Saúde alberto.beltrame@saude.gov.br