SlideShare uma empresa Scribd logo

Comentário: 4° Domingo da Quaresma - Ano C

Comentário bíblico para o 4º domingo da quaresma - Ano C - TEMA: "RECONCILIAÇÃO: MATURIDADE DOS FILHOS DE DEUS" - LEITURAS BÍBLICAS (PERÍCOPES): http://pt.slideshare.net/josejlima3/leituras-4-domingo-da-quaresma-ano-c - TEMAS E COMENTÁRIOS: AUTORIA: Pe. José; Bortolini, Roteiros Homiléticos, Anos A, B, C Festas e Solenidades, Editora Paulus, 3ª edição, 2007 - OUTROS: http://www.dehonianos.org/portal/liturgia_dominical_ver.asp?liturgiaid=452 http://www.luteranos.com.br/conteudo/proclamar-libertacao SOBRE LECIONÁRIOS: - LUTERANOS: http://www.luteranos.com.br/conteudo/o-lecionario-ecumenico - LECIONÁRIO PARA CRIANÇAS (Inglês/Espanhol): http://sermons4kids.com - LECIONÁRIO COMUM REVISADO (Inglês): http://www.lectionary.org/ http://www.commontexts.org/history/members.html ; http://lectionary.library.vanderbilt.edu/ - ESPANHOL: http://www.isedet.edu.ar/publicaciones/eeh.htm (Less)

1 de 2
Baixar para ler offline
RECONCILIAÇÃO: MATURIDADE DOS FILHOS DE DEUS
Pe. José Bortolini – Roteiros Homiléticos Anos A, B, C Festas e Solenidades – Paulus, 2007
* LIÇÃO DA SÉRIE: LECIONÁRIO DOMINICAL *
ANO: C – TEMPO LITÚRGICO: 4° DOMINGO DA QUARESMA – COR: ROXO
I. INTRODUÇÃO GERAL
1. A história da humanidade é marcada continuamente pela
violência, exploração e ódio. O que a Palavra de Deus tem a
dizer a esse respeito?
2. O povo de Israel, amargando o exílio na Babilônia, toma
consciência de que o ideal a ser atingido é o de uma sociedade
reconciliada (cf. 1ª leitura Js 5,9a.10-12).
3. Ser filho de Deus é deixar de lado os rancores e aceitar o
irmão de volta, pois a reconciliação é a prova de maturidade
de que os seres humanos são filhos do Pai misericordioso (cf.
Evangelho Lc 15,1-3.11-32).
4. Em Jesus, e somente nele, as pessoas se reconciliam com
Deus. O cristão, seguindo o exemplo de Paulo, é proclamador
dessa nova realidade, colocando-se, espontânea e generosa-
mente, a serviço dela (cf. 2ª leitura 2Cor 5,17-21).
II. COMENTÁRIO DOS TEXTOS BÍBLICOS
1ª leitura (Js 5,9a.10-12): Criancice ou maturidade respon-
sável?
5. O livro de Josué não pretende contar como os fatos acon-
teceram. Ele é uma tentativa de jogar luz sobre os aconteci-
mentos catastróficos, detectar as raízes do mal e apresentar
soluções para mudanças radicais. Destinava-se aos exilados na
Babilônia, a fim de que tomassem consciência e percebessem
por que chegaram a tal situação, sem terra, escravizados e
explorados. Para mostrar que Israel se comportou infantilmen-
te é que o autor do livro de Josué recordou os fatos passados.
6. Os israelitas já haviam atravessado o rio Jordão (caps. 3-
4) e preparavam-se para conquistar a terra. Antes, porém,
Josué promove a circuncisão de todos os hebreus, requisito
indispensável para a festa da Páscoa que será celebrada a
seguir. A circuncisão era um sinal na carne. Tinha o objetivo
de selar a identidade de Israel enquanto povo da Aliança. Em
outras palavras, era o sinal da maturidade de um povo para
viver em harmonia e na liberdade responsável.
7. De que tipo de maturidade se trata? Javé declara: “Hoje
eu retirei de cima de vocês o opróbrio (vexame) do Egito” (v.
9a). O opróbrio é, sem dúvida, a incircuncisão, não somente
enquanto ausência do sinal na carne, mas sobretudo enquanto
símbolo de nação opressora, antifraterna e devoradora de
vidas humanas, como era o Egito. A circuncisão era, pois, um
sinal de ruptura com o sistema opressor, a fim de abraçar um
novo modo de vida, na fraternidade, liberdade e maturidade.
8. Os israelitas deram àquele lugar o nome Gilgal (Guilgal),
que em hebraico faz assonância com gallôti (= tirei) e, talvez,
com gulah (= exilar). Portanto, Gilgal não é um lugar geográ-
fico somente, mas um lugar teológico: é onde se remove todo
sistema escravista e injusto, para assumir comportamentos
maduros e fraternos. É bem provável que este texto, lido aos
exilados na Babilônia — o novo Egito —, fizesse brotar espe-
ranças de vida nova e fraterna, num clima tão desejado de
liberdade. Certamente o exílio soava como a grande prova da
imaturidade de Israel, que não soube ser responsável, carre-
gando agora novo opróbrio.
9. O texto continua, relatando a Páscoa que se celebrou nas
planícies de Jericó, recordando a Páscoa do Egito (Ex 12,17-
41). O sentido pode ser este: quando o povo atinge a maturi-
dade responsável, é capaz de estabelecer comunhão perfeita
com Deus. O texto se aproxima, quanto ao sentido, a Gn 1,26-
31, em que o homem é criado no sexto dia, às vésperas do
shabbat, a grande festa do encontro com Deus. Foi criado para
celebrar a vida. Como terão reagido os exilados diante disso?
10. Terminada a festa da Páscoa, os israelitas comem dos
frutos que a terra generosamente lhes oferece, sem que eles a
tenham cultivado. É a realização da promessa, o início da vida
nova. O maná cessa de cair. Reinicia o tempo da fraternidade,
da posse da terra, da partilha, na liberdade e responsabilidade.
11. Será que Israel foi responsável? Por que, então, está no
exílio, sem terra? A resposta pode ser encontrada além, em
outro texto exílico (Lv 26,34-35): “…Então a terra cumprirá
seus sábados, durante todos os dias de sua desolação, enquan-
to vocês estiverem na terra de seus inimigos. Então a terra
repousará e poderá cumprir seus sábados…”. Não, Israel não
se comportou como povo maduro. Na terra da qual tomou
posse comportou-se irresponsavelmente, repetindo as opres-
sões do Egito.
Evangelho (Lc 15,1-3.11-32): A fraternidade é fruto da
maturidade dos filhos de Deus
12. O capítulo 15 é o coração do evangelho de Lucas. Situado
no meio da viagem de Jesus a Jerusalém (cf. comentário ao
evangelho do domingo passado), revela o ser de Deus mani-
festado nas palavras e ações de Jesus. Revela também quem
são os autênticos filhos de Deus: os que aderem a Jesus, sem
manias de superioridade e sem preconceitos em relação aos
outros.
13. O que provocou as parábolas do cap. 15 de Lucas? Uma
informação importante vem dos vv. 1-2: cobradores de impos-
tos e pecadores (os marginalizados daquele tempo) se aproxi-
mam de Jesus. Os fariseus e os doutores da Lei contestam essa
solidariedade manifestada no ato de acolhê-los e de ter em
comum com eles inclusive as refeições (nas quais todos enfia-
vam as mãos na mesma panela em que estava a comida), cor-
rendo o risco de contaminação ritual e má fama. Outra infor-
mação pode ser deduzida da prática pastoral de Lucas, acom-
panhando Paulo em meio aos pagãos. Os judeus, longe de se
alegrar com a adesão dos pagãos, procuram infernizar a vida
dos missionários.
14. Por meio dessas duas informações já podemos identificar
as personagens da parábola do pai misericordioso: o pai é
Deus, que manifesta seu amor na prática de Jesus; o filho mais
velho é Israel, os que se julgam “irrepreensíveis” por praticar
os mandamentos. Entre eles, na primeira fila, estão os fariseus
(= separados) e os doutores da Lei (especializados no rigoris-
mo da Lei e na sua aplicação); o filho mais novo são os mar-
ginalizados, pecadores, cobradores de impostos e os pagãos
convertidos.
15. Vamos dividir a parábola em quatro cenas: a. O pai e o
filho mais novo (v. 12); b. O filho mais novo (vv.13-19); c. O
pai e o filho mais novo (vv. 20-24); d. O pai e o filho mais
velho (vv. 25-32).
a. O pai e o filho mais novo (v. 12): Imparcialidade
16. A cena é muito breve. Num gesto ousado, contrariando as
regras do jogo, o filho mais novo pede sua parte na herança.
(A divisão da herança era feita normalmente após a morte do
pai. Faltando este, o primogênito assumia a gestão dos bens,
cabendo-lhe dupla porção.) Aqui o pai não reage e consente,
dando a entender que para ele todos os filhos são iguais e têm
os mesmos direitos.
b. O filho mais novo (vv. 13-19): Irresponsabilidade
17. Longe dos cuidados paternos, a vida do filho se torna
extremamente ambígua. Está pagando o preço de sua imaturi-
dade. Estranho em terra estranha, passa a viver a condição de
servo: deixa de ser filho para ser escravo. Sua condição é
extremamente humilhante, pois cuida de porcos (animais
impuros por excelência para os judeus) e quer disputar com
eles um bocado de comida (v. 16. A comida desses porcos era,
provavelmente o fruto adocicado de algumas azinheiras).
18. Atingindo o fundo da humilhação (excluído da macabra
“mesa comum” com os porcos), planeja a possibilidade de
retorno: seu discurso de apresentação constará de três partes:
reconhecimento do pecado; reconhecimento da perda da filia-
ção; pedido para ser admitido como servo (vv. 18-19).
c. O pai e o filho mais novo (vv. 20-24): Filiação reconquis-
tada
19. Tem-se a impressão de que o pai jamais desistira da idéia
de que o filho não voltasse. Vendo-o ainda longe, encheu-se
de compaixão. Este verbo (splagchnizomai, em grego) é, nos
evangelhos, atribuído sempre a Jesus. Somente o bom samari-
tano (Lc 10,33) é capaz de tal ação (por isso pode-se dizer que
é uma ação divina). É a compaixão de Deus para com o sofri-
mento e a humilhação humanos (cf. Mt 9,36; 14,14; 15,32;
18,27; 20,34; Mc 1,41; 6,34; 8,2; 9,22; Lc 7,13).
20. A ação do pai visa restabelecer plenamente o filho perdi-
do. Seu primeiro gesto é não deixar que o filho repita o discur-
so de apresentação, e sobretudo evita que faça o pedido de ser
tratado como servo. Imediatamente os servos são chamados
para vestir o filho, devolvendo-lhe a dignidade e tornando-o
hóspede importante. Ordena que lhe ponham o anel, conferin-
do-lhe plenos poderes (talvez o anel fosse o sinete da família,
com o qual o portador podia dispor livremente dos bens da
mesma), e que o façam calçar sandálias, sinal da liberdade
adquirida. Por fim, manda matar o boi de engorda, pois a data
era extremamente importante: ele havia recuperado o seu filho
(em grego, com o artigo, dando a impressão de que fosse o
único filho que possuía). Trata-se de verdadeira ressurreição.
Por duas vezes o filho dissera: “Vou-me levantar” (em grego,
anastás, vv. 18.20, termo que faz referência à ressurreição,
anástasis), e o pai, por duas vezes, o havia considerado morto
(vv. 24.32).
d. O pai e o filho mais velho (vv. 25-32): Convite à reconcili-
ação
21. O filho mais velho estivera, até agora, fora de cena. Ti-
nha-se a impressão de que fosse bonzinho, verdadeiro ideal de
filho. Mas suas declarações o condenam. Sua irresponsabili-
dade fundamental é não querer se reconciliar, não aderir ao
projeto do pai (v. 28). E nas palavras que dirige ao pai dá a
conhecer quem ele é: “Há tantos anos que te sirvo” (v. 29).
Em outras palavras, não pauta sua vida no relacionamento pai-
filho, mas no de patrão-servo; até agora ele se comportou
como um dos empregados do v. 22. É ainda mais radical em
relação ao irmão mais novo: calunia-o de ter devorado os bens
do pai com prostitutas (v. 30; cf. v. 13) e não admite chamá-lo
de irmão. Limita-se a dizer “esse teu filho” (v. 30). O pai tenta
suscitar a reconciliação: “Meu filho… esse teu irmão estava
morto e voltou a viver” (vv. 31-32). O verdadeiro pai quer
autênticos filhos, e essa autenticidade requer a reconciliação,
custe o que custar.
22. A parábola não diz se o filho mais velho assumiu a recon-
ciliação para “entrar em casa”, ou se preferiu “ficar fora da
festa”. A resposta é o cristão quem, com sua prática em favor
dos excluídos, deverá dar.
2ª leitura (2Cor 5,17-21): “Vocês devem se reconciliar com
Deus”
23. A segunda carta aos Coríntios é uma coletânea de textos
que Paulo escreveu à comunidade em ocasiões diferentes e
respondendo a questões diferentes.
24. Paulo teve de escrever aos coríntios, comunidade por ele
fundada, para contestar a atitude dos falsos missionários que
nela se haviam infiltrado, pregando um evangelho diferente,
ao sabor de seus interesses. Eram missionários exibicionistas,
com cartas de apresentação, utilitaristas e interesseiros. Visa-
vam ao lucro e à promoção pessoal. Faziam-se sustentar pela
comunidade. Minavam a ação de Paulo, ridicularizavam-no e
punham em perigo a essência do Evangelho: agarravam-se à
Lei, esvaziando a paixão, morte e ressurreição de Jesus.
25. No texto em questão, Paulo reforça que “quem está unido
a Cristo é uma criatura nova. As coisas antigas passaram,
agora existe uma realidade nova!” (v. 17). O cerne do ser
cristão é reconhecer a novidade de Jesus, realizada na sua
vida, morte e ressurreição. É o grande gesto com que Deus se
reconcilia com a humanidade, não levando em conta seus
pecados. Para realizar essa reconciliação, Deus tratou Jesus
como vítima responsável pelo pecado, visto que o ser humano,
por si só, não se justifica (v. 21).
26. Paulo sente a responsabilidade de levar à frente esse pro-
jeto. Ele chama seu trabalho apostólico de diakonia, serviço
gratuito (v. 18). Ele exerce a função de representante legítimo
(embaixador), e suas palavras são as próprias palavras de
Cristo: “Vocês devem se reconciliar com Deus” (v. 20). Sem a
adesão a Cristo morto e ressuscitado não há reconciliação. E
sem o anúncio desapegado, espontâneo, verdadeiro serviço da
Palavra, os que pretendem falar em nome de Deus mal conse-
guem promover a si próprios, obstruindo o projeto de Deus..
III. PISTAS PARA REFLEXÃO
27. Aprofundar o sentido de reconciliação como processo que leva à plena realização do
ser humano em Deus e com os irmãos entre si. Os excluídos de hoje, também os que não
dispõem de água de qualidade, têm chances de plena realização?
28. Levar a comunidade a assumir o projeto de Deus, tal como é apresentado no evange-
lho, como sinal de maturidade cristã. O que dizer e o que fazer diante dos que estão excluí-
dos? Nossas comunidades têm coragem de se reconciliar com os excluídos? Em que con-
sistiria essa reconciliação?
29. À luz da diakonia de Paulo, questionar a atitude de pastores e fiéis enquanto ministros
da reconciliação de Deus com as pessoas e destas entre si.
Anúncio

Recomendados

32 i e ii corintios
32  i e ii corintios32  i e ii corintios
32 i e ii corintiosPIB Penha
 
45 apocalipse
45 apocalipse45 apocalipse
45 apocalipsePIB Penha
 
escola dominical 3º trimestre lição 13
escola dominical 3º trimestre lição 13escola dominical 3º trimestre lição 13
escola dominical 3º trimestre lição 13Carlos Franco Almeida
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculo
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculoESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculo
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculoPAULO RICARDO FERREIRA
 
As Parábolas de Jesus parte 1/2
As Parábolas de Jesus parte 1/2As Parábolas de Jesus parte 1/2
As Parábolas de Jesus parte 1/2Ney Bellas
 
Comentário: 32° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 32° Domingo do Tempo Comum - Ano BComentário: 32° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 32° Domingo do Tempo Comum - Ano BJosé Lima
 
A OVELHA PERDIDA E A MOEDA PERDIDA
A OVELHA PERDIDA E A MOEDA PERDIDAA OVELHA PERDIDA E A MOEDA PERDIDA
A OVELHA PERDIDA E A MOEDA PERDIDAEnerliz
 
Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7
Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7
Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7Natalino das Neves Neves
 
Apostila n.v.c.mundo
Apostila n.v.c.mundoApostila n.v.c.mundo
Apostila n.v.c.mundoLuiz Nélson
 
37 1 e 2 tessalonicenses
37  1 e 2 tessalonicenses37  1 e 2 tessalonicenses
37 1 e 2 tessalonicensesPIB Penha
 
Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus ipbmorrinhos
 
44 1, 2 e 3 joão
44  1, 2 e 3 joão44  1, 2 e 3 joão
44 1, 2 e 3 joãoPIB Penha
 
Slides Epistola aos Efesios
Slides   Epistola aos EfesiosSlides   Epistola aos Efesios
Slides Epistola aos EfesiosAbdias Barreto
 
Aula prática Estudo de caso 2 - Apocalipse 12 - A batalha dos séculos
Aula prática   Estudo de caso 2 - Apocalipse 12 - A batalha dos séculosAula prática   Estudo de caso 2 - Apocalipse 12 - A batalha dos séculos
Aula prática Estudo de caso 2 - Apocalipse 12 - A batalha dos séculosIpabr Limesp
 
Panorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - HebreusPanorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - HebreusRespirando Deus
 
5 epístolas gerais tiago
5 epístolas gerais tiago5 epístolas gerais tiago
5 epístolas gerais tiagoJosé Santos
 
Comentário Bíblico: 3° domingo do advento - Ano A
Comentário Bíblico: 3° domingo do advento - Ano AComentário Bíblico: 3° domingo do advento - Ano A
Comentário Bíblico: 3° domingo do advento - Ano AJosé Lima
 
Comentário: 3° Domingo da Quaresma - Ano C
Comentário: 3° Domingo da Quaresma - Ano CComentário: 3° Domingo da Quaresma - Ano C
Comentário: 3° Domingo da Quaresma - Ano CJosé Lima
 

Mais procurados (20)

ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculo
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculoESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculo
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculo
 
As Parábolas de Jesus parte 1/2
As Parábolas de Jesus parte 1/2As Parábolas de Jesus parte 1/2
As Parábolas de Jesus parte 1/2
 
Comentário: 32° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 32° Domingo do Tempo Comum - Ano BComentário: 32° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 32° Domingo do Tempo Comum - Ano B
 
29 joão
29 joão29 joão
29 joão
 
A OVELHA PERDIDA E A MOEDA PERDIDA
A OVELHA PERDIDA E A MOEDA PERDIDAA OVELHA PERDIDA E A MOEDA PERDIDA
A OVELHA PERDIDA E A MOEDA PERDIDA
 
Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7
Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7
Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7
 
Apostila n.v.c.mundo
Apostila n.v.c.mundoApostila n.v.c.mundo
Apostila n.v.c.mundo
 
37 1 e 2 tessalonicenses
37  1 e 2 tessalonicenses37  1 e 2 tessalonicenses
37 1 e 2 tessalonicenses
 
Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus
 
44 1, 2 e 3 joão
44  1, 2 e 3 joão44  1, 2 e 3 joão
44 1, 2 e 3 joão
 
Slides Epistola aos Efesios
Slides   Epistola aos EfesiosSlides   Epistola aos Efesios
Slides Epistola aos Efesios
 
Aula prática Estudo de caso 2 - Apocalipse 12 - A batalha dos séculos
Aula prática   Estudo de caso 2 - Apocalipse 12 - A batalha dos séculosAula prática   Estudo de caso 2 - Apocalipse 12 - A batalha dos séculos
Aula prática Estudo de caso 2 - Apocalipse 12 - A batalha dos séculos
 
Livro bibliologia novo testamento
Livro bibliologia novo testamento Livro bibliologia novo testamento
Livro bibliologia novo testamento
 
Panorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - HebreusPanorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - Hebreus
 
Rute em Destaque
Rute em DestaqueRute em Destaque
Rute em Destaque
 
5 epístolas gerais tiago
5 epístolas gerais tiago5 epístolas gerais tiago
5 epístolas gerais tiago
 
33 galatas
33 galatas33 galatas
33 galatas
 
1 pedro (moody)
1 pedro (moody)1 pedro (moody)
1 pedro (moody)
 
Comentário Bíblico: 3° domingo do advento - Ano A
Comentário Bíblico: 3° domingo do advento - Ano AComentário Bíblico: 3° domingo do advento - Ano A
Comentário Bíblico: 3° domingo do advento - Ano A
 
Comentário: 3° Domingo da Quaresma - Ano C
Comentário: 3° Domingo da Quaresma - Ano CComentário: 3° Domingo da Quaresma - Ano C
Comentário: 3° Domingo da Quaresma - Ano C
 

Semelhante a Comentário: 4° Domingo da Quaresma - Ano C

Comentário: 10° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 10° Domingo Tempo Comum - Ano CComentário: 10° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 10° Domingo Tempo Comum - Ano CJosé Lima
 
Comentário: 19° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 19° Domingo Tempo Comum - Ano C Comentário: 19° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 19° Domingo Tempo Comum - Ano C José Lima
 
Comentário Bíblico: 2° domingo da quaresma - Ano C
Comentário Bíblico: 2° domingo da quaresma - Ano CComentário Bíblico: 2° domingo da quaresma - Ano C
Comentário Bíblico: 2° domingo da quaresma - Ano CJosé Lima
 
Comentário: Ano Novo - 1° de janeiro
Comentário: Ano Novo - 1° de janeiroComentário: Ano Novo - 1° de janeiro
Comentário: Ano Novo - 1° de janeiroJosé Lima
 
Comentário: 1°-de-janeiro - Ano A, B e C
Comentário: 1°-de-janeiro - Ano A, B e CComentário: 1°-de-janeiro - Ano A, B e C
Comentário: 1°-de-janeiro - Ano A, B e CJosé Lima
 
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano C
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano CComentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano C
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano CJosé Lima
 
Romanos 11
Romanos 11Romanos 11
Romanos 11danykz
 
Escola Sabatina IASD Lição 3 Sacrifício
Escola Sabatina IASD Lição 3 SacrifícioEscola Sabatina IASD Lição 3 Sacrifício
Escola Sabatina IASD Lição 3 SacrifícioEdislanhe Lima
 
Comentário: 1º Domingo do Advento - Ano B
Comentário: 1º Domingo do Advento - Ano BComentário: 1º Domingo do Advento - Ano B
Comentário: 1º Domingo do Advento - Ano BJosé Lima
 
Comentário: O Batismo do Senhor - Ano C
Comentário: O Batismo do Senhor - Ano CComentário: O Batismo do Senhor - Ano C
Comentário: O Batismo do Senhor - Ano CJosé Lima
 
panorama velho testamento o inico de tudo.pptx
panorama velho testamento o inico de tudo.pptxpanorama velho testamento o inico de tudo.pptx
panorama velho testamento o inico de tudo.pptxMárcio Azevedo
 
Comentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano C Comentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano C José Lima
 
Comentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano AComentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano AJosé Lima
 
Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptx
Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptxLição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptx
Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptxCelso Napoleon
 
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano AComentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano AJosé Lima
 
A necessidade do novo nascimento
A necessidade do novo nascimentoA necessidade do novo nascimento
A necessidade do novo nascimentoHamilton Souza
 
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano AComentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano AJosé Lima
 
Lição 07 a necessidade do novo nasc.-13-08-2017
Lição 07 a necessidade do novo nasc.-13-08-2017Lição 07 a necessidade do novo nasc.-13-08-2017
Lição 07 a necessidade do novo nasc.-13-08-2017Marcio de Medeiros
 

Semelhante a Comentário: 4° Domingo da Quaresma - Ano C (20)

Comentário: 10° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 10° Domingo Tempo Comum - Ano CComentário: 10° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 10° Domingo Tempo Comum - Ano C
 
Comentário: 19° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 19° Domingo Tempo Comum - Ano C Comentário: 19° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 19° Domingo Tempo Comum - Ano C
 
Comentário Bíblico: 2° domingo da quaresma - Ano C
Comentário Bíblico: 2° domingo da quaresma - Ano CComentário Bíblico: 2° domingo da quaresma - Ano C
Comentário Bíblico: 2° domingo da quaresma - Ano C
 
Comentário: Ano Novo - 1° de janeiro
Comentário: Ano Novo - 1° de janeiroComentário: Ano Novo - 1° de janeiro
Comentário: Ano Novo - 1° de janeiro
 
Comentário: 1°-de-janeiro - Ano A, B e C
Comentário: 1°-de-janeiro - Ano A, B e CComentário: 1°-de-janeiro - Ano A, B e C
Comentário: 1°-de-janeiro - Ano A, B e C
 
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano C
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano CComentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano C
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano C
 
Romanos 11
Romanos 11Romanos 11
Romanos 11
 
Escola Sabatina IASD Lição 3 Sacrifício
Escola Sabatina IASD Lição 3 SacrifícioEscola Sabatina IASD Lição 3 Sacrifício
Escola Sabatina IASD Lição 3 Sacrifício
 
Comentário: 1º Domingo do Advento - Ano B
Comentário: 1º Domingo do Advento - Ano BComentário: 1º Domingo do Advento - Ano B
Comentário: 1º Domingo do Advento - Ano B
 
Comentário: O Batismo do Senhor - Ano C
Comentário: O Batismo do Senhor - Ano CComentário: O Batismo do Senhor - Ano C
Comentário: O Batismo do Senhor - Ano C
 
panorama velho testamento o inico de tudo.pptx
panorama velho testamento o inico de tudo.pptxpanorama velho testamento o inico de tudo.pptx
panorama velho testamento o inico de tudo.pptx
 
Comentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano C Comentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano C
 
Comentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano AComentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano A
 
Lição 5 Hebreus
Lição 5   Hebreus Lição 5   Hebreus
Lição 5 Hebreus
 
Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptx
Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptxLição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptx
Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptx
 
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano AComentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano A
 
A necessidade do novo nascimento
A necessidade do novo nascimentoA necessidade do novo nascimento
A necessidade do novo nascimento
 
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano AComentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
 
Espiritualidade bíblica
Espiritualidade bíblicaEspiritualidade bíblica
Espiritualidade bíblica
 
Lição 07 a necessidade do novo nasc.-13-08-2017
Lição 07 a necessidade do novo nasc.-13-08-2017Lição 07 a necessidade do novo nasc.-13-08-2017
Lição 07 a necessidade do novo nasc.-13-08-2017
 

Último

Novena A Santo Inácio De Loyola
Novena A Santo Inácio De Loyola Novena A Santo Inácio De Loyola
Novena A Santo Inácio De Loyola Nilson Almeida
 
Apresentação da Campanha da Fraternidade 2024.pdf
Apresentação da Campanha da Fraternidade 2024.pdfApresentação da Campanha da Fraternidade 2024.pdf
Apresentação da Campanha da Fraternidade 2024.pdfengrobertomourafilho
 
Poesia A arvore boa do livro Evangelho em quadrinhos
Poesia A arvore boa do livro Evangelho em quadrinhosPoesia A arvore boa do livro Evangelho em quadrinhos
Poesia A arvore boa do livro Evangelho em quadrinhosMiraSandre2
 
ordem nova ordem irmandade e fraternidade
ordem nova ordem irmandade e fraternidadeordem nova ordem irmandade e fraternidade
ordem nova ordem irmandade e fraternidadececilcavalcanti
 
Novena De Santo Onofre
Novena De Santo OnofreNovena De Santo Onofre
Novena De Santo OnofreNilson Almeida
 
Novena Da Imaculada Conceição
Novena Da Imaculada ConceiçãoNovena Da Imaculada Conceição
Novena Da Imaculada ConceiçãoNilson Almeida
 
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptxLição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptxCelso Napoleon
 
Orações Cristãs Diárias
Orações Cristãs DiáriasOrações Cristãs Diárias
Orações Cristãs DiáriasNilson Almeida
 
Novena Do Seguimento De Cristo
Novena Do Seguimento De CristoNovena Do Seguimento De Cristo
Novena Do Seguimento De CristoNilson Almeida
 
DIZIMOS - Também é para nós cristãos?.docx
DIZIMOS  - Também é  para nós cristãos?.docxDIZIMOS  - Também é  para nós cristãos?.docx
DIZIMOS - Também é para nós cristãos?.docxJose Moraes
 
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptxSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptxjoseciceroroberto197
 
Oração Pedindo Sabedoria E Discernimento
Oração Pedindo Sabedoria E DiscernimentoOração Pedindo Sabedoria E Discernimento
Oração Pedindo Sabedoria E DiscernimentoNilson Almeida
 
Limpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo Miguel
Limpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo MiguelLimpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo Miguel
Limpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo MiguelNilson Almeida
 
Oração da Campanha da Fraternidade 2024 - Fraternidade e Amizade Social
Oração da Campanha da Fraternidade 2024 - Fraternidade e Amizade SocialOração da Campanha da Fraternidade 2024 - Fraternidade e Amizade Social
Oração da Campanha da Fraternidade 2024 - Fraternidade e Amizade SocialJuniorCavecchia
 
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxjoseciceroroberto197
 

Último (20)

Novena A Santo Inácio De Loyola
Novena A Santo Inácio De Loyola Novena A Santo Inácio De Loyola
Novena A Santo Inácio De Loyola
 
Apresentação da Campanha da Fraternidade 2024.pdf
Apresentação da Campanha da Fraternidade 2024.pdfApresentação da Campanha da Fraternidade 2024.pdf
Apresentação da Campanha da Fraternidade 2024.pdf
 
Poesia A arvore boa do livro Evangelho em quadrinhos
Poesia A arvore boa do livro Evangelho em quadrinhosPoesia A arvore boa do livro Evangelho em quadrinhos
Poesia A arvore boa do livro Evangelho em quadrinhos
 
Carta da Quaresma 2024 Reflexão para grupos Parte 2
Carta da Quaresma 2024 Reflexão para grupos Parte 2Carta da Quaresma 2024 Reflexão para grupos Parte 2
Carta da Quaresma 2024 Reflexão para grupos Parte 2
 
ordem nova ordem irmandade e fraternidade
ordem nova ordem irmandade e fraternidadeordem nova ordem irmandade e fraternidade
ordem nova ordem irmandade e fraternidade
 
Novena De Santo Onofre
Novena De Santo OnofreNovena De Santo Onofre
Novena De Santo Onofre
 
Novena Da Imaculada Conceição
Novena Da Imaculada ConceiçãoNovena Da Imaculada Conceição
Novena Da Imaculada Conceição
 
Carta da Quaresma 2024 Reflexão para grupos Parte 4
Carta da Quaresma 2024 Reflexão para grupos Parte 4Carta da Quaresma 2024 Reflexão para grupos Parte 4
Carta da Quaresma 2024 Reflexão para grupos Parte 4
 
Carta de Cuaresma 2024 reflexion grupo 3 PT.pdf
Carta de Cuaresma 2024 reflexion grupo 3 PT.pdfCarta de Cuaresma 2024 reflexion grupo 3 PT.pdf
Carta de Cuaresma 2024 reflexion grupo 3 PT.pdf
 
Novena De Santa Marta
Novena De Santa MartaNovena De Santa Marta
Novena De Santa Marta
 
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptxLição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
 
Orações Cristãs Diárias
Orações Cristãs DiáriasOrações Cristãs Diárias
Orações Cristãs Diárias
 
Novena Do Seguimento De Cristo
Novena Do Seguimento De CristoNovena Do Seguimento De Cristo
Novena Do Seguimento De Cristo
 
DIZIMOS - Também é para nós cristãos?.docx
DIZIMOS  - Também é  para nós cristãos?.docxDIZIMOS  - Também é  para nós cristãos?.docx
DIZIMOS - Também é para nós cristãos?.docx
 
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptxSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
 
Invocação À Luz
Invocação À LuzInvocação À Luz
Invocação À Luz
 
Oração Pedindo Sabedoria E Discernimento
Oração Pedindo Sabedoria E DiscernimentoOração Pedindo Sabedoria E Discernimento
Oração Pedindo Sabedoria E Discernimento
 
Limpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo Miguel
Limpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo MiguelLimpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo Miguel
Limpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo Miguel
 
Oração da Campanha da Fraternidade 2024 - Fraternidade e Amizade Social
Oração da Campanha da Fraternidade 2024 - Fraternidade e Amizade SocialOração da Campanha da Fraternidade 2024 - Fraternidade e Amizade Social
Oração da Campanha da Fraternidade 2024 - Fraternidade e Amizade Social
 
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 

Comentário: 4° Domingo da Quaresma - Ano C

  • 1. RECONCILIAÇÃO: MATURIDADE DOS FILHOS DE DEUS Pe. José Bortolini – Roteiros Homiléticos Anos A, B, C Festas e Solenidades – Paulus, 2007 * LIÇÃO DA SÉRIE: LECIONÁRIO DOMINICAL * ANO: C – TEMPO LITÚRGICO: 4° DOMINGO DA QUARESMA – COR: ROXO I. INTRODUÇÃO GERAL 1. A história da humanidade é marcada continuamente pela violência, exploração e ódio. O que a Palavra de Deus tem a dizer a esse respeito? 2. O povo de Israel, amargando o exílio na Babilônia, toma consciência de que o ideal a ser atingido é o de uma sociedade reconciliada (cf. 1ª leitura Js 5,9a.10-12). 3. Ser filho de Deus é deixar de lado os rancores e aceitar o irmão de volta, pois a reconciliação é a prova de maturidade de que os seres humanos são filhos do Pai misericordioso (cf. Evangelho Lc 15,1-3.11-32). 4. Em Jesus, e somente nele, as pessoas se reconciliam com Deus. O cristão, seguindo o exemplo de Paulo, é proclamador dessa nova realidade, colocando-se, espontânea e generosa- mente, a serviço dela (cf. 2ª leitura 2Cor 5,17-21). II. COMENTÁRIO DOS TEXTOS BÍBLICOS 1ª leitura (Js 5,9a.10-12): Criancice ou maturidade respon- sável? 5. O livro de Josué não pretende contar como os fatos acon- teceram. Ele é uma tentativa de jogar luz sobre os aconteci- mentos catastróficos, detectar as raízes do mal e apresentar soluções para mudanças radicais. Destinava-se aos exilados na Babilônia, a fim de que tomassem consciência e percebessem por que chegaram a tal situação, sem terra, escravizados e explorados. Para mostrar que Israel se comportou infantilmen- te é que o autor do livro de Josué recordou os fatos passados. 6. Os israelitas já haviam atravessado o rio Jordão (caps. 3- 4) e preparavam-se para conquistar a terra. Antes, porém, Josué promove a circuncisão de todos os hebreus, requisito indispensável para a festa da Páscoa que será celebrada a seguir. A circuncisão era um sinal na carne. Tinha o objetivo de selar a identidade de Israel enquanto povo da Aliança. Em outras palavras, era o sinal da maturidade de um povo para viver em harmonia e na liberdade responsável. 7. De que tipo de maturidade se trata? Javé declara: “Hoje eu retirei de cima de vocês o opróbrio (vexame) do Egito” (v. 9a). O opróbrio é, sem dúvida, a incircuncisão, não somente enquanto ausência do sinal na carne, mas sobretudo enquanto símbolo de nação opressora, antifraterna e devoradora de vidas humanas, como era o Egito. A circuncisão era, pois, um sinal de ruptura com o sistema opressor, a fim de abraçar um novo modo de vida, na fraternidade, liberdade e maturidade. 8. Os israelitas deram àquele lugar o nome Gilgal (Guilgal), que em hebraico faz assonância com gallôti (= tirei) e, talvez, com gulah (= exilar). Portanto, Gilgal não é um lugar geográ- fico somente, mas um lugar teológico: é onde se remove todo sistema escravista e injusto, para assumir comportamentos maduros e fraternos. É bem provável que este texto, lido aos exilados na Babilônia — o novo Egito —, fizesse brotar espe- ranças de vida nova e fraterna, num clima tão desejado de liberdade. Certamente o exílio soava como a grande prova da imaturidade de Israel, que não soube ser responsável, carre- gando agora novo opróbrio. 9. O texto continua, relatando a Páscoa que se celebrou nas planícies de Jericó, recordando a Páscoa do Egito (Ex 12,17- 41). O sentido pode ser este: quando o povo atinge a maturi- dade responsável, é capaz de estabelecer comunhão perfeita com Deus. O texto se aproxima, quanto ao sentido, a Gn 1,26- 31, em que o homem é criado no sexto dia, às vésperas do shabbat, a grande festa do encontro com Deus. Foi criado para celebrar a vida. Como terão reagido os exilados diante disso? 10. Terminada a festa da Páscoa, os israelitas comem dos frutos que a terra generosamente lhes oferece, sem que eles a tenham cultivado. É a realização da promessa, o início da vida nova. O maná cessa de cair. Reinicia o tempo da fraternidade, da posse da terra, da partilha, na liberdade e responsabilidade. 11. Será que Israel foi responsável? Por que, então, está no exílio, sem terra? A resposta pode ser encontrada além, em outro texto exílico (Lv 26,34-35): “…Então a terra cumprirá seus sábados, durante todos os dias de sua desolação, enquan- to vocês estiverem na terra de seus inimigos. Então a terra repousará e poderá cumprir seus sábados…”. Não, Israel não se comportou como povo maduro. Na terra da qual tomou posse comportou-se irresponsavelmente, repetindo as opres- sões do Egito. Evangelho (Lc 15,1-3.11-32): A fraternidade é fruto da maturidade dos filhos de Deus 12. O capítulo 15 é o coração do evangelho de Lucas. Situado no meio da viagem de Jesus a Jerusalém (cf. comentário ao evangelho do domingo passado), revela o ser de Deus mani- festado nas palavras e ações de Jesus. Revela também quem são os autênticos filhos de Deus: os que aderem a Jesus, sem manias de superioridade e sem preconceitos em relação aos outros. 13. O que provocou as parábolas do cap. 15 de Lucas? Uma informação importante vem dos vv. 1-2: cobradores de impos- tos e pecadores (os marginalizados daquele tempo) se aproxi- mam de Jesus. Os fariseus e os doutores da Lei contestam essa solidariedade manifestada no ato de acolhê-los e de ter em comum com eles inclusive as refeições (nas quais todos enfia- vam as mãos na mesma panela em que estava a comida), cor- rendo o risco de contaminação ritual e má fama. Outra infor- mação pode ser deduzida da prática pastoral de Lucas, acom- panhando Paulo em meio aos pagãos. Os judeus, longe de se alegrar com a adesão dos pagãos, procuram infernizar a vida dos missionários. 14. Por meio dessas duas informações já podemos identificar as personagens da parábola do pai misericordioso: o pai é Deus, que manifesta seu amor na prática de Jesus; o filho mais velho é Israel, os que se julgam “irrepreensíveis” por praticar os mandamentos. Entre eles, na primeira fila, estão os fariseus (= separados) e os doutores da Lei (especializados no rigoris- mo da Lei e na sua aplicação); o filho mais novo são os mar- ginalizados, pecadores, cobradores de impostos e os pagãos convertidos. 15. Vamos dividir a parábola em quatro cenas: a. O pai e o filho mais novo (v. 12); b. O filho mais novo (vv.13-19); c. O pai e o filho mais novo (vv. 20-24); d. O pai e o filho mais velho (vv. 25-32). a. O pai e o filho mais novo (v. 12): Imparcialidade 16. A cena é muito breve. Num gesto ousado, contrariando as regras do jogo, o filho mais novo pede sua parte na herança. (A divisão da herança era feita normalmente após a morte do pai. Faltando este, o primogênito assumia a gestão dos bens, cabendo-lhe dupla porção.) Aqui o pai não reage e consente,
  • 2. dando a entender que para ele todos os filhos são iguais e têm os mesmos direitos. b. O filho mais novo (vv. 13-19): Irresponsabilidade 17. Longe dos cuidados paternos, a vida do filho se torna extremamente ambígua. Está pagando o preço de sua imaturi- dade. Estranho em terra estranha, passa a viver a condição de servo: deixa de ser filho para ser escravo. Sua condição é extremamente humilhante, pois cuida de porcos (animais impuros por excelência para os judeus) e quer disputar com eles um bocado de comida (v. 16. A comida desses porcos era, provavelmente o fruto adocicado de algumas azinheiras). 18. Atingindo o fundo da humilhação (excluído da macabra “mesa comum” com os porcos), planeja a possibilidade de retorno: seu discurso de apresentação constará de três partes: reconhecimento do pecado; reconhecimento da perda da filia- ção; pedido para ser admitido como servo (vv. 18-19). c. O pai e o filho mais novo (vv. 20-24): Filiação reconquis- tada 19. Tem-se a impressão de que o pai jamais desistira da idéia de que o filho não voltasse. Vendo-o ainda longe, encheu-se de compaixão. Este verbo (splagchnizomai, em grego) é, nos evangelhos, atribuído sempre a Jesus. Somente o bom samari- tano (Lc 10,33) é capaz de tal ação (por isso pode-se dizer que é uma ação divina). É a compaixão de Deus para com o sofri- mento e a humilhação humanos (cf. Mt 9,36; 14,14; 15,32; 18,27; 20,34; Mc 1,41; 6,34; 8,2; 9,22; Lc 7,13). 20. A ação do pai visa restabelecer plenamente o filho perdi- do. Seu primeiro gesto é não deixar que o filho repita o discur- so de apresentação, e sobretudo evita que faça o pedido de ser tratado como servo. Imediatamente os servos são chamados para vestir o filho, devolvendo-lhe a dignidade e tornando-o hóspede importante. Ordena que lhe ponham o anel, conferin- do-lhe plenos poderes (talvez o anel fosse o sinete da família, com o qual o portador podia dispor livremente dos bens da mesma), e que o façam calçar sandálias, sinal da liberdade adquirida. Por fim, manda matar o boi de engorda, pois a data era extremamente importante: ele havia recuperado o seu filho (em grego, com o artigo, dando a impressão de que fosse o único filho que possuía). Trata-se de verdadeira ressurreição. Por duas vezes o filho dissera: “Vou-me levantar” (em grego, anastás, vv. 18.20, termo que faz referência à ressurreição, anástasis), e o pai, por duas vezes, o havia considerado morto (vv. 24.32). d. O pai e o filho mais velho (vv. 25-32): Convite à reconcili- ação 21. O filho mais velho estivera, até agora, fora de cena. Ti- nha-se a impressão de que fosse bonzinho, verdadeiro ideal de filho. Mas suas declarações o condenam. Sua irresponsabili- dade fundamental é não querer se reconciliar, não aderir ao projeto do pai (v. 28). E nas palavras que dirige ao pai dá a conhecer quem ele é: “Há tantos anos que te sirvo” (v. 29). Em outras palavras, não pauta sua vida no relacionamento pai- filho, mas no de patrão-servo; até agora ele se comportou como um dos empregados do v. 22. É ainda mais radical em relação ao irmão mais novo: calunia-o de ter devorado os bens do pai com prostitutas (v. 30; cf. v. 13) e não admite chamá-lo de irmão. Limita-se a dizer “esse teu filho” (v. 30). O pai tenta suscitar a reconciliação: “Meu filho… esse teu irmão estava morto e voltou a viver” (vv. 31-32). O verdadeiro pai quer autênticos filhos, e essa autenticidade requer a reconciliação, custe o que custar. 22. A parábola não diz se o filho mais velho assumiu a recon- ciliação para “entrar em casa”, ou se preferiu “ficar fora da festa”. A resposta é o cristão quem, com sua prática em favor dos excluídos, deverá dar. 2ª leitura (2Cor 5,17-21): “Vocês devem se reconciliar com Deus” 23. A segunda carta aos Coríntios é uma coletânea de textos que Paulo escreveu à comunidade em ocasiões diferentes e respondendo a questões diferentes. 24. Paulo teve de escrever aos coríntios, comunidade por ele fundada, para contestar a atitude dos falsos missionários que nela se haviam infiltrado, pregando um evangelho diferente, ao sabor de seus interesses. Eram missionários exibicionistas, com cartas de apresentação, utilitaristas e interesseiros. Visa- vam ao lucro e à promoção pessoal. Faziam-se sustentar pela comunidade. Minavam a ação de Paulo, ridicularizavam-no e punham em perigo a essência do Evangelho: agarravam-se à Lei, esvaziando a paixão, morte e ressurreição de Jesus. 25. No texto em questão, Paulo reforça que “quem está unido a Cristo é uma criatura nova. As coisas antigas passaram, agora existe uma realidade nova!” (v. 17). O cerne do ser cristão é reconhecer a novidade de Jesus, realizada na sua vida, morte e ressurreição. É o grande gesto com que Deus se reconcilia com a humanidade, não levando em conta seus pecados. Para realizar essa reconciliação, Deus tratou Jesus como vítima responsável pelo pecado, visto que o ser humano, por si só, não se justifica (v. 21). 26. Paulo sente a responsabilidade de levar à frente esse pro- jeto. Ele chama seu trabalho apostólico de diakonia, serviço gratuito (v. 18). Ele exerce a função de representante legítimo (embaixador), e suas palavras são as próprias palavras de Cristo: “Vocês devem se reconciliar com Deus” (v. 20). Sem a adesão a Cristo morto e ressuscitado não há reconciliação. E sem o anúncio desapegado, espontâneo, verdadeiro serviço da Palavra, os que pretendem falar em nome de Deus mal conse- guem promover a si próprios, obstruindo o projeto de Deus.. III. PISTAS PARA REFLEXÃO 27. Aprofundar o sentido de reconciliação como processo que leva à plena realização do ser humano em Deus e com os irmãos entre si. Os excluídos de hoje, também os que não dispõem de água de qualidade, têm chances de plena realização? 28. Levar a comunidade a assumir o projeto de Deus, tal como é apresentado no evange- lho, como sinal de maturidade cristã. O que dizer e o que fazer diante dos que estão excluí- dos? Nossas comunidades têm coragem de se reconciliar com os excluídos? Em que con- sistiria essa reconciliação? 29. À luz da diakonia de Paulo, questionar a atitude de pastores e fiéis enquanto ministros da reconciliação de Deus com as pessoas e destas entre si.