SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
15 de Outubro de 2023
Dia do Professor
Lição 3
Missões Transculturais no Antigo Testamento
TEXTO ÁUREO
“Disse mais: Pouco e que sejas o meu servo,
para restaurares as tribos de Jacó e tornares a
trazer os guardados de Israel; também te dei
para luz dos gentios, para seres a minha
salvação até a extremidade da terra.” (Is 49.6)
VERDADE PRÁTICA
O amor de Deus para com as nações deve ser
o mesmo objetivo de todos os que militam pela
salvação das almas perdidas.
LEITURA DIÁRIA
Segunda – Is 42.5-7; 43.10-13 - Os israelitas como servos e testemunhas de
Deus
Terça – Ez 22.1-5 - Os desvios, a desobediência, idolatrias e pecados morais
dos israelitas
Quarta – Jo 4.42 - Jesus: De Israel como o Salvador do Mundo
Quinta – Is 45.6,22; 49.6; 52.10 - Profecias de restauração que incluem as
nações entre os redimidos
Sexta – 1 Rs 17.8,9,23,24 - Deus em busca de uma pessoa estrangeira por
intermédio do profeta Elias
Sábado – Jn 1.1,2 - Deus em busca de uma nação por intermédio do profeta
Jonas
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
1 Reis 17.8,9,17-22; Jonas 1.1,2
1 Reis 17
8- Então, veio a ele a palavra do Senhor, dizendo:
9- Levanta-te, e vai a Sarepta, que é de Sidom, e habita ali; eis que eu
ordenei ali a uma mulher viúva que te sustente.
17 – E, depois destas coisas, sucedeu que adoeceu o filho desta mulher,
da dona da casa; e a sua doença se agravou muito, até que nele nenhum
fôlego ficou.
18 – Então, ela disse a Elias: Que tenho eu contigo, homem de Deus?
Vieste tu a mim para trazeres à memória a minha iniquidade e matares
meu filho?
19 – E ele lhe disse: Dá-me o teu filho. E ele o tomou do seu regaço, e o
levou para cima, ao quarto, onde ele mesmo habitava, e o deitou em sua
cama,
20- E clamou ao Senhor e disse: ó Senhor, meu Deus, também até a esta
viúva, com quem eu moro, afligiste, matando-lhe seu filho?
21 – Então, se mediu sobre o menino três vezes, e clamou ao Senhor, e
disse: ó Senhor, meu Deus, rogo-te que torne a alma deste menino a entrar
nele.
22- E o Senhor ouviu a voz de Elias; e a alma do menino tornou a entrar
nele, e reviveu.
Jonas 1
1- E veio a palavra do Senhor a Jonas, filho de Amitai, dizendo:
2 – Levanta-te, vai à grande cidade de Nínive e clama contra ela, porque a
sua malícia subiu até mim.
INTRODUÇÃO
Na lição anterior, vimos a natureza missionária de Deus por meio
de sua relação com Abraão. Esta lição tem o propósito de con-
siderar a nação de Israel como um povo escolhido, com um
propósito missionário, e tomar como exemplo desse movimento
missionário as narrativas bíblicas sobre Elias e a viúva de Sarepta,
e a ida do profeta Jonas a Nínive e, finalmente, analisar as alianças
de Deus com a humanidade a partir da nação de Israel, no Antigo
Testamento. Contudo, o conceito de “missão”, da forma como o
conhecemos hoje, não aparece com clareza no Antigo Testamento
em relação a nação de Israel como povo escolhido de Deus.
Palavra-Chave: ANTIGO TESTAMENTO
I – ISRAEL, UM POVO ESCOLHIDO PARA
UM PROPÓSITO MISSIONÁRIO
1. O plano de Deus. O Senhor nosso Deus planejou, desde os
tempos antigos, que o testemunho de Jesus Cristo fosse
proclamado a todos os habitantes da Terra (Gn 12.3; cf. Mt 24.14;
28.18- 20). Ou seja, a vontade divina era que todos os moradores
da terra tivessem conhecimento a respeito da pessoa de Jesus.
Nesse sentido, o meio planejado por Deus para o mundo
conhecer o seu Filho passava por uma nação. O Pai chamou a
nação de Israel para ser um povo missionário. Dessa forma, os
israelitas deveriam ser testemunhas de Deus (Is 42.5-7; 43.10-13).
2. A falha de Israel. Os israelitas se contaminaram com
as religiões pagãs dos povos vizinhos, além de se
preocuparem muito com a identidade racial e nacional,
deixando de lado a vocação de ser testemunhas para Deus.
Nesse aspecto, são muitos os relatos bíblicos que dão
conta dos desvios dos israelitas, da sua desobediência à
idolatria e pecados morais que relativizaram a aliança com
Deus (Ez 22.1-5). Entretanto, em meio a tudo isso, Israel
não deixou de ser bênção para outras nações.
3. A contribuição de Israel para o mundo. Apesar de
suas falhas, Deus tornou Israel uma bênção para as nações.
Por exemplo, os judeus receberam e preservaram o Antigo
Testamento, o traduziram em grego, a língua mais usada
naquele período; além de escribas judeus manterem viva a
ideia de que um dia os povos e as nações ouviriam a
Palavra de Deus e responderiam a ela. Nesse sentido, Jesus
Cristo, a Palavra encarnada, veio de Israel como o Salvador
do Mundo (Jo 4.42).
SINOPSE I
Embora Israel tenha falhado em sua
missão, a nação contribuiu na revelação do
plano de Deus ao mundo.
II – O AMOR DE DEUS PARA COM OUTRAS
NAÇÕES
1. Os olhos de Deus sobre todos os povos. Johannes Blauw, erudito
em Missiologia, que escreveu sobre os fundamentos do Antigo
Testamento para Missões, afirma que desde o início Deus mantinha
seus olhos em todas as nações e povos. Podemos perceber isso nos
capítulos 40 a 55 do livro do profeta Isaías, na ida do profeta Elias a
Sarepta e no livro do profeta Jonas. Nos livros proféticos
encontramos profecias de restauração, incluindo um dia futuro
no qual as nações estarão entre os redimidos (Is 45.6,22; 49.6;
52.10). Portanto, a preocupação de Deus para com as nações é clara
no Antigo Testamento.
Elijah and the widow of
Zarephath | painting by Jan
Victors (VICTORS, 1640).
2. A viúva de Sarepta e o profeta Elias. Sarepta é uma antiga cidade
fenícia, localizada próxima ao sul de Sidom. Quando Elias profetizou
a grande seca que haveria na terra e castigaria Israel, Deus o enviou
justamente a cidade de Sarepta, a casa de uma viúva que era muito
pobre. Quando Elias chegou, ela estava preparando a última comida
que tinha em casa, já convencida de que ela e seu filho morreriam
logo depois. Mas, quando a viúva obedeceu a palavra de Elias, foi
abençoada com o milagre da botija (a multiplicação da farinha e do
azeite). Em seguida, o filho dela adoeceu e morreu. Nesse momento,
Elias fez uma coisa maravilhosa que ela nunca esperaria. Pelo poder
de Deus, o profeta ressuscitou o menino e o restaurou a vida. A mãe
do menino falou: “Nisto conheço, agora, que tu és homem de Deus e
que a palavra do Senhor na tua boca é verdade” (1 Rs 17.24). Dessa
forma, Deus se tornou conhecido de uma estrangeira.
Raising of the son of the widow of
Zarephath | Painting by Louis Hersent
(HERSENT, 1819).
3. A Missão de Jonas em Nínive. Jonas foi um dos poucos
missionários bíblicos para os estrangeiros. Não é por acaso que o tema
do seu livro é “a misericórdia de Deus para com todos os homens” (Jn
1.2; 3.2; 4.4-11). Mesmo não tendo um conhecimento mais claro sobre
de que maneira Israel deveria abençoar as nações, Jonas recebeu a ordem
específica de ir a Nínive para advertir aquele povo sobre o juízo divino
que estava prestes a se abater sobre os ninivitas, como consequência de
seus muitos pecados. Nínive era a capital da Assíria, uma nação perversa,
cruel e imoral (Na 1.11; 2.12,13; 3.1,4,16,19). A Bíblia de Estudo
Pentecostal (CPAD), ao comentar o capítulo 3 do livro, destaca ter sido
um dos despertamentos espirituais mais notáveis da história, quando o
rei conclama a todos ao jejum e a oração e, por isso, o juízo não recaiu
sobre eles. Como a cidade não foi condenada, em razão do
arrependimento do povo, o profeta ficou profundamente indignado.
Todavia, o Senhor o fez ver que Ele ama a humanidade toda (Jn 4.11).
Monuments of Nineveh by Sir Austen Henry Layard, 1853
(LAYARD, 1853)
SINOPSE II
Por meio do relato da viúva de Sarepta e de
Jonas em Nínive, podemos testemunhar o amor
de Deus pelas nações no Antigo Testamento.
III – ALIANÇAS ENTRE DEUS E A
HUMANIDADE NO ANTIGO TESTAMENTO
1. Alianças de Deus. Com a queda do homem, toda a
criação ficou sujeita ao pecado (Gn 3.1-6; Rm 8.20).
Entretanto, Deus providenciou meios para redimir a
humanidade e restaurar a comunhão perdida (1 Pe 1.19,20).
Assim, Ele estabeleceu algumas alianças com o homem a fim
de tornar conhecida a sua glória entre as nações e receber
delas a legítima adoração. Por isso, há na Bíblia alianças
denominadas condicionais e incondicionais entre Deus e a
humanidade.
2. Aliança incondicional e condicional. A Aliança Incondicional
é uma disposição soberana de Deus, mediante a qual Ele estabelece
um contrato incondicional ou declarativo com o homem,
obrigando-se em graça, por um juramento irrestrito, a conceder, de
sua própria iniciativa, bênçãos para aqueles com quem compactua
(Gn 12.1-4). A Aliança Condicional e uma proposta de Deus, em
que, num contrato condicional e mútuo com o ser humano,
segundo condições preestabelecidas, Ele promete conceder
bênçãos especiais ao indivíduo, desde que este cumpra
perfeitamente certas condições, bem como executar punições
precisas em caso de não cumprimento (Dt 28). Assim, por meio de
suas alianças, Deus firmou um compromisso com o rei Davi de
alcance mundial, que resultou no advento do Senhor Jesus como
Salvador, enviado por Deus ao mundo (Gl 4.4).
SINOPSE III
Há alianças condicionais e incondicionais
na Bíblia que tornam conhecida a glória
de Deus entre as nações.
CONCLUSÃO
Vimos que o plano de Deus abrange toda a humanidade.
Seu alvo é revelar a sua glória a todos os povos. Por diversas
vezes, Israel foi advertido pelos profetas para não guardar a
mensagem de salvação somente para si, mas proclama-la
“entre as nações a sua glória, entre todos os povos, as suas
maravilhas” (Sl 96-3). Essa é uma raiz muito importante do
Antigo Testamento para entender as missões no Novo,
tema da próxima lição
REVISANDO O CONTEÚDO
1. Para que Deus chamou o povo de Israel?
O Pai chamou a nação de Israel para ser um povo
missionário. Dessa forma, os israelitas deveriam ser servos e
testemunhas de Deus (Is 42.5-7; 43.10- 13).
2. Em que Deus tornou Israel diante de outras nações?
Deus tornou Israel uma bênção para as nações.
3. Quais os dois exemplos bíblicos, de acordo com a lição,
que mostram Deus interessado em pessoas e nações
estrangeiras?
O relato da viúva de Sarepta e ode Jonas em Nínive.
4. O que são as alianças incondicional e condicional?
A aliança incondicional é a disposição soberana de Deus
em estabelecer um contrato incondicional ou declarativa
e irrestrita pela sua própria iniciativa; a aliança
condicional é um contrato condicional e mutuo com o
ser humano.
5. O que Deus estabeleceu com o homem e qual foi o
propósito disso?
Por meio de suas alianças, Deus firmou um
compromisso com o rei Davi de alcance mundial, que
resultou no advento do Senhor Jesus como Salvador.
REFERÊNCIAS
CPAD. Até os Confins da Terra: pregando o Evangelho a todos os povos até a Volta de Cristo.
Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD), 2023. (Lições Bíblicas,
Adultos CPAD).
HERSENT, L. Raising of the son of the widow of Zarephath. [S. l.], 1819. oil on canvas, height:
134 cm (52.7 in) Edit this at Wikidata; width: 144 cm (56.6 in).Musée des Beaux-Arts d’Angers.
Disponível em:
https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Raising_of_the_son_of_the_widow_of_Zarephat
h&oldid=1118843682. Acesso em: 8 out. 2023.
LAYARD, A. H. The Monuments of Nineveh. [S. l.], 1853. Illustrations of Nineveh, 1,960 ×
1,153.British Museum. Disponível em:
https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Artist%E2%80%99s_impression_of_Assyrian_pala
ces_from_The_Monuments_of_Nineveh_by_Sir_Austen_Henry_Layard,_1853.jpg.
VICTORS, J. Elijah and the widow of Zarephath (Museum of John Paul II Collection): Art in
the Christian Tradition. [S. l.], 1640. oil on canvas, 645 × 599 pixels.Nashville, TN.
Disponível em: https://diglib.library.vanderbilt.edu//act-imagelink.pl?RC=56669. Acesso em:
8 out. 2023.
SOCIEDADE BÍBLICA DO BRASIL (org.). Bíblia De Estudo Plenitude Revista E Atualizada.
Barueri, SP: SBB, 2005.
EBD | 4° Trimestre De 2023 | CPAD Adultos | Tema: Até os
Confins da Terra – Pregando o Evangelho a todos os Povos até
a Volta de Cristo | Escola Bíblica Dominical | Lição 3 –
Missões Transculturais no Antigo Testamento
Slides elaborados por Celso Napoleon
LIÇÕES:
1. A Grande Comissão: Um Enfoque Etnocêntrico
2. Missões Transculturais: À sua Origem na Natureza de Deus
3. Missões Transculturais no Antigo Testamento
4. Missões Transculturais no Novo Testamento
5. Uma Perspectiva Pentecostal de Missões
6. Orando, Contribuindo e Fazendo Missões
7. A Responsabilidade da Igreja com os Missionários
8. Missionários Fazedores de Tendas
9. A Igreja e o Sustento Missionário
10. O Desafio da Janela 10/40
11. Missões e a Igreja Perseguida
12. O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia
13. O Propósito de Missões
14. Missões e a Volta do Senhor Jesus

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 4 O Ministério Avivado de Jesus.pptx
Lição 4 O Ministério Avivado de Jesus.pptxLição 4 O Ministério Avivado de Jesus.pptx
Lição 4 O Ministério Avivado de Jesus.pptxCelso Napoleon
 
Lição 13: Aviva, Ó Senhor, a Tua Obra.pptx
Lição 13: Aviva, Ó Senhor, a Tua Obra.pptxLição 13: Aviva, Ó Senhor, a Tua Obra.pptx
Lição 13: Aviva, Ó Senhor, a Tua Obra.pptxCelso Napoleon
 
Lição 10 - A renovação Cotidiana do Homem Interior.pptx
Lição 10 - A renovação Cotidiana do Homem Interior.pptxLição 10 - A renovação Cotidiana do Homem Interior.pptx
Lição 10 - A renovação Cotidiana do Homem Interior.pptxCelso Napoleon
 
Lição 01: Quando a Família Age por Conta Própria.pptx
Lição 01: Quando a Família Age por Conta Própria.pptxLição 01: Quando a Família Age por Conta Própria.pptx
Lição 01: Quando a Família Age por Conta Própria.pptxCelso Napoleon
 
Lição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
Lição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptxLição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
Lição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptxCelso Napoleon
 
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptxLição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptxCelso Napoleon
 
Lição 9 – A Igreja e o Sustento Missionário.pptx
Lição 9 – A Igreja e o Sustento Missionário.pptxLição 9 – A Igreja e o Sustento Missionário.pptx
Lição 9 – A Igreja e o Sustento Missionário.pptxCelso Napoleon
 
Slides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptx
Slides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptxSlides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptx
Slides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Lição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptx
Lição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptxLição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptx
Lição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptxCelso Napoleon
 

Mais procurados (20)

Lição 4 O Ministério Avivado de Jesus.pptx
Lição 4 O Ministério Avivado de Jesus.pptxLição 4 O Ministério Avivado de Jesus.pptx
Lição 4 O Ministério Avivado de Jesus.pptx
 
Lição 13: Aviva, Ó Senhor, a Tua Obra.pptx
Lição 13: Aviva, Ó Senhor, a Tua Obra.pptxLição 13: Aviva, Ó Senhor, a Tua Obra.pptx
Lição 13: Aviva, Ó Senhor, a Tua Obra.pptx
 
Lição 10 - A renovação Cotidiana do Homem Interior.pptx
Lição 10 - A renovação Cotidiana do Homem Interior.pptxLição 10 - A renovação Cotidiana do Homem Interior.pptx
Lição 10 - A renovação Cotidiana do Homem Interior.pptx
 
Slides Licao 1, O Avivamento Espiritual, 1Tr23, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Licao 1, O Avivamento Espiritual, 1Tr23, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Licao 1, O Avivamento Espiritual, 1Tr23, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Licao 1, O Avivamento Espiritual, 1Tr23, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
 
Lição 01: Quando a Família Age por Conta Própria.pptx
Lição 01: Quando a Família Age por Conta Própria.pptxLição 01: Quando a Família Age por Conta Própria.pptx
Lição 01: Quando a Família Age por Conta Própria.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
Slides Lição 7, CPAD, A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptxSlides Lição 7, CPAD, A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
Slides Lição 7, CPAD, A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, Os Prejuízos da Mentira na Família, 2Tr23, Pr Henrique...
Slides Lição 11, CPAD, Os Prejuízos da Mentira na Família, 2Tr23, Pr Henrique...Slides Lição 11, CPAD, Os Prejuízos da Mentira na Família, 2Tr23, Pr Henrique...
Slides Lição 11, CPAD, Os Prejuízos da Mentira na Família, 2Tr23, Pr Henrique...
 
Slides Licao 6, CPAD, O Avivamento no Ministerio de Pedro, 1Tr23, Pr Henrique...
Slides Licao 6, CPAD, O Avivamento no Ministerio de Pedro, 1Tr23, Pr Henrique...Slides Licao 6, CPAD, O Avivamento no Ministerio de Pedro, 1Tr23, Pr Henrique...
Slides Licao 6, CPAD, O Avivamento no Ministerio de Pedro, 1Tr23, Pr Henrique...
 
Lição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
Lição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptxLição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
Lição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
 
Slides Licao 11, CPAD, O Avivamento e a Missao da Igreja.pptx
Slides Licao 11, CPAD, O Avivamento e a Missao da Igreja.pptxSlides Licao 11, CPAD, O Avivamento e a Missao da Igreja.pptx
Slides Licao 11, CPAD, O Avivamento e a Missao da Igreja.pptx
 
Slides Lição 2, CPAD, Missões Transculturais 4tR23.pptx
Slides Lição 2, CPAD, Missões Transculturais 4tR23.pptxSlides Lição 2, CPAD, Missões Transculturais 4tR23.pptx
Slides Lição 2, CPAD, Missões Transculturais 4tR23.pptx
 
Slides Licao 5, CPAD, O Avivamento na Vida da Igreja, 1Tr23, Pr Henrique.pptx
Slides Licao 5, CPAD, O Avivamento na Vida da Igreja, 1Tr23, Pr Henrique.pptxSlides Licao 5, CPAD, O Avivamento na Vida da Igreja, 1Tr23, Pr Henrique.pptx
Slides Licao 5, CPAD, O Avivamento na Vida da Igreja, 1Tr23, Pr Henrique.pptx
 
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptxLição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
 
Lição 9 – A Igreja e o Sustento Missionário.pptx
Lição 9 – A Igreja e o Sustento Missionário.pptxLição 9 – A Igreja e o Sustento Missionário.pptx
Lição 9 – A Igreja e o Sustento Missionário.pptx
 
Slides Lição 1 - A Igreja diante do Espírito da Babilônia.pptx
Slides Lição 1 - A Igreja diante do Espírito da Babilônia.pptxSlides Lição 1 - A Igreja diante do Espírito da Babilônia.pptx
Slides Lição 1 - A Igreja diante do Espírito da Babilônia.pptx
 
Slides Lição 2, CPAD, A Predileção dos Pais por um dos Filhos.pptx
Slides Lição 2, CPAD, A Predileção dos Pais por um dos Filhos.pptxSlides Lição 2, CPAD, A Predileção dos Pais por um dos Filhos.pptx
Slides Lição 2, CPAD, A Predileção dos Pais por um dos Filhos.pptx
 
Slides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptx
Slides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptxSlides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptx
Slides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 6, A Desconstrução da Masculinidade Bíblica.pptx
Slides Lição 6, A Desconstrução da Masculinidade Bíblica.pptxSlides Lição 6, A Desconstrução da Masculinidade Bíblica.pptx
Slides Lição 6, A Desconstrução da Masculinidade Bíblica.pptx
 
Lição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptx
Lição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptxLição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptx
Lição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptx
 
Slideshare Lição 1, O Sermão Do Monte, O Caráter Do Reino De DEUS, 2Tr22, Pr ...
Slideshare Lição 1, O Sermão Do Monte, O Caráter Do Reino De DEUS, 2Tr22, Pr ...Slideshare Lição 1, O Sermão Do Monte, O Caráter Do Reino De DEUS, 2Tr22, Pr ...
Slideshare Lição 1, O Sermão Do Monte, O Caráter Do Reino De DEUS, 2Tr22, Pr ...
 

Semelhante a Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptx

Lição 03 Missões Transculturais no Antigo Testamento 4° Trimestre de 2023 ...
Lição 03  Missões Transculturais no Antigo Testamento  4° Trimestre de 2023  ...Lição 03  Missões Transculturais no Antigo Testamento  4° Trimestre de 2023  ...
Lição 03 Missões Transculturais no Antigo Testamento 4° Trimestre de 2023 ...JOSELAURINDODASILVA
 
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo TestamentoLição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo TestamentoErberson Pinheiro
 
Missões no Antigo Testamento
Missões no Antigo TestamentoMissões no Antigo Testamento
Missões no Antigo TestamentoAlberto Simonton
 
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo TestamentoLição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo TestamentoÉder Tomé
 
Lição 6 - Atos simbólicos + textos_GGR
Lição 6 - Atos simbólicos + textos_GGRLição 6 - Atos simbólicos + textos_GGR
Lição 6 - Atos simbólicos + textos_GGRGerson G. Ramos
 
2016 3 TRI LBA LIÇÃO 2 - Deus, o primeiro evangelista
2016 3 TRI LBA LIÇÃO 2 - Deus, o primeiro evangelista2016 3 TRI LBA LIÇÃO 2 - Deus, o primeiro evangelista
2016 3 TRI LBA LIÇÃO 2 - Deus, o primeiro evangelistaNatalino das Neves Neves
 
Lição 02 - Missões Transculturais - A Origem na Natureza de Deus.pptx
Lição 02 - Missões Transculturais - A Origem na Natureza de Deus.pptxLição 02 - Missões Transculturais - A Origem na Natureza de Deus.pptx
Lição 02 - Missões Transculturais - A Origem na Natureza de Deus.pptxHumbertoRodrigoOlive
 
Aula Jonatas 62: Que lavrador sou eu
Aula Jonatas 62: Que lavrador sou euAula Jonatas 62: Que lavrador sou eu
Aula Jonatas 62: Que lavrador sou euAndre Nascimento
 
2016 3 TRI LIÇÃO 12 - PROFECIAS DE SALVAÇÃO E ESPERANÇA
2016 3 TRI LIÇÃO 12 - PROFECIAS DE SALVAÇÃO E ESPERANÇA2016 3 TRI LIÇÃO 12 - PROFECIAS DE SALVAÇÃO E ESPERANÇA
2016 3 TRI LIÇÃO 12 - PROFECIAS DE SALVAÇÃO E ESPERANÇANatalino das Neves Neves
 
LBJ LIÇAÕ 5 - A separação de um povo para adoração exclusiva
LBJ LIÇAÕ 5 - A separação de um povo para adoração exclusivaLBJ LIÇAÕ 5 - A separação de um povo para adoração exclusiva
LBJ LIÇAÕ 5 - A separação de um povo para adoração exclusivaNatalino das Neves Neves
 
2021 1º trimestre jovens lição 06
2021 1º trimestre jovens lição 062021 1º trimestre jovens lição 06
2021 1º trimestre jovens lição 06Joel Silva
 
242197604-Manual-da-Profecia-Biblica-Abraao-de-Almeida-pdf.pdf
242197604-Manual-da-Profecia-Biblica-Abraao-de-Almeida-pdf.pdf242197604-Manual-da-Profecia-Biblica-Abraao-de-Almeida-pdf.pdf
242197604-Manual-da-Profecia-Biblica-Abraao-de-Almeida-pdf.pdfleviduyu
 
LIÇÃO 2 - DEUS, O PRIMEIRO EVANGELISTA
LIÇÃO 2 - DEUS, O PRIMEIRO EVANGELISTALIÇÃO 2 - DEUS, O PRIMEIRO EVANGELISTA
LIÇÃO 2 - DEUS, O PRIMEIRO EVANGELISTALourinaldo Serafim
 
A necessidade do novo nascimento
A necessidade do novo nascimentoA necessidade do novo nascimento
A necessidade do novo nascimentoHamilton Souza
 
Lições do santuário_Resumo_442013
Lições do santuário_Resumo_442013Lições do santuário_Resumo_442013
Lições do santuário_Resumo_442013Gerson G. Ramos
 
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano AComentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano AJosé Lima
 
A Necessidade do Novo Nascimento.
A Necessidade do Novo Nascimento.A Necessidade do Novo Nascimento.
A Necessidade do Novo Nascimento.Márcio Martins
 

Semelhante a Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptx (20)

Lição 03 Missões Transculturais no Antigo Testamento 4° Trimestre de 2023 ...
Lição 03  Missões Transculturais no Antigo Testamento  4° Trimestre de 2023  ...Lição 03  Missões Transculturais no Antigo Testamento  4° Trimestre de 2023  ...
Lição 03 Missões Transculturais no Antigo Testamento 4° Trimestre de 2023 ...
 
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo TestamentoLição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
 
Missões no Antigo Testamento
Missões no Antigo TestamentoMissões no Antigo Testamento
Missões no Antigo Testamento
 
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo TestamentoLição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
 
Lição 6 - Atos simbólicos + textos_GGR
Lição 6 - Atos simbólicos + textos_GGRLição 6 - Atos simbólicos + textos_GGR
Lição 6 - Atos simbólicos + textos_GGR
 
2016 3 TRI LBA LIÇÃO 2 - Deus, o primeiro evangelista
2016 3 TRI LBA LIÇÃO 2 - Deus, o primeiro evangelista2016 3 TRI LBA LIÇÃO 2 - Deus, o primeiro evangelista
2016 3 TRI LBA LIÇÃO 2 - Deus, o primeiro evangelista
 
Lição 02 - Missões Transculturais - A Origem na Natureza de Deus.pptx
Lição 02 - Missões Transculturais - A Origem na Natureza de Deus.pptxLição 02 - Missões Transculturais - A Origem na Natureza de Deus.pptx
Lição 02 - Missões Transculturais - A Origem na Natureza de Deus.pptx
 
Aula Jonatas 62: Que lavrador sou eu
Aula Jonatas 62: Que lavrador sou euAula Jonatas 62: Que lavrador sou eu
Aula Jonatas 62: Que lavrador sou eu
 
28. Introdução aos Profetas
28. Introdução aos Profetas28. Introdução aos Profetas
28. Introdução aos Profetas
 
2016 3 TRI LIÇÃO 12 - PROFECIAS DE SALVAÇÃO E ESPERANÇA
2016 3 TRI LIÇÃO 12 - PROFECIAS DE SALVAÇÃO E ESPERANÇA2016 3 TRI LIÇÃO 12 - PROFECIAS DE SALVAÇÃO E ESPERANÇA
2016 3 TRI LIÇÃO 12 - PROFECIAS DE SALVAÇÃO E ESPERANÇA
 
LBJ LIÇAÕ 5 - A separação de um povo para adoração exclusiva
LBJ LIÇAÕ 5 - A separação de um povo para adoração exclusivaLBJ LIÇAÕ 5 - A separação de um povo para adoração exclusiva
LBJ LIÇAÕ 5 - A separação de um povo para adoração exclusiva
 
Ide e pregai
Ide e pregaiIde e pregai
Ide e pregai
 
Escatologia do antigo testamento
Escatologia do antigo testamentoEscatologia do antigo testamento
Escatologia do antigo testamento
 
2021 1º trimestre jovens lição 06
2021 1º trimestre jovens lição 062021 1º trimestre jovens lição 06
2021 1º trimestre jovens lição 06
 
242197604-Manual-da-Profecia-Biblica-Abraao-de-Almeida-pdf.pdf
242197604-Manual-da-Profecia-Biblica-Abraao-de-Almeida-pdf.pdf242197604-Manual-da-Profecia-Biblica-Abraao-de-Almeida-pdf.pdf
242197604-Manual-da-Profecia-Biblica-Abraao-de-Almeida-pdf.pdf
 
LIÇÃO 2 - DEUS, O PRIMEIRO EVANGELISTA
LIÇÃO 2 - DEUS, O PRIMEIRO EVANGELISTALIÇÃO 2 - DEUS, O PRIMEIRO EVANGELISTA
LIÇÃO 2 - DEUS, O PRIMEIRO EVANGELISTA
 
A necessidade do novo nascimento
A necessidade do novo nascimentoA necessidade do novo nascimento
A necessidade do novo nascimento
 
Lições do santuário_Resumo_442013
Lições do santuário_Resumo_442013Lições do santuário_Resumo_442013
Lições do santuário_Resumo_442013
 
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano AComentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
 
A Necessidade do Novo Nascimento.
A Necessidade do Novo Nascimento.A Necessidade do Novo Nascimento.
A Necessidade do Novo Nascimento.
 

Mais de Celso Napoleon

Lesson 7 - The Danger of Murmuring - SBS.pptx
Lesson 7 - The Danger of Murmuring - SBS.pptxLesson 7 - The Danger of Murmuring - SBS.pptx
Lesson 7 - The Danger of Murmuring - SBS.pptxCelso Napoleon
 
Lição 7 - O Perigo da Murmuração - EBD.pptx
Lição 7 - O Perigo da Murmuração - EBD.pptxLição 7 - O Perigo da Murmuração - EBD.pptx
Lição 7 - O Perigo da Murmuração - EBD.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 6 - Our Spiritual Weapons - SBS.pptx
Lesson 6 - Our Spiritual Weapons - SBS.pptxLesson 6 - Our Spiritual Weapons - SBS.pptx
Lesson 6 - Our Spiritual Weapons - SBS.pptxCelso Napoleon
 
Lição 6 - As nossas Armas Espirituais.pptx
Lição 6 - As nossas Armas Espirituais.pptxLição 6 - As nossas Armas Espirituais.pptx
Lição 6 - As nossas Armas Espirituais.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 5 - The Enemies of the Christian.pptx
Lesson 5 - The Enemies of the Christian.pptxLesson 5 - The Enemies of the Christian.pptx
Lesson 5 - The Enemies of the Christian.pptxCelso Napoleon
 
Lição 5 - Os Inimigos do Cristão - EBD.pptx
Lição 5 - Os Inimigos do Cristão - EBD.pptxLição 5 - Os Inimigos do Cristão - EBD.pptx
Lição 5 - Os Inimigos do Cristão - EBD.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 4 - How to Conduct Yourself on a Walk.pptx
Lesson 4 - How to Conduct Yourself on a Walk.pptxLesson 4 - How to Conduct Yourself on a Walk.pptx
Lesson 4 - How to Conduct Yourself on a Walk.pptxCelso Napoleon
 
Lição 4 - Como se Conduzir na Caminhada.pptx
Lição 4 - Como se Conduzir na Caminhada.pptxLição 4 - Como se Conduzir na Caminhada.pptx
Lição 4 - Como se Conduzir na Caminhada.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 3 - Heaven - the Christian's Destiny.pptx
Lesson 3 - Heaven - the Christian's Destiny.pptxLesson 3 - Heaven - the Christian's Destiny.pptx
Lesson 3 - Heaven - the Christian's Destiny.pptxCelso Napoleon
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptxLesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptxCelso Napoleon
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptxLesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptxCelso Napoleon
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptxLição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptxLesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptxCelso Napoleon
 
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptxLição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptxLesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptxCelso Napoleon
 
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxLição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptxLesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptxCelso Napoleon
 

Mais de Celso Napoleon (20)

Lesson 7 - The Danger of Murmuring - SBS.pptx
Lesson 7 - The Danger of Murmuring - SBS.pptxLesson 7 - The Danger of Murmuring - SBS.pptx
Lesson 7 - The Danger of Murmuring - SBS.pptx
 
Lição 7 - O Perigo da Murmuração - EBD.pptx
Lição 7 - O Perigo da Murmuração - EBD.pptxLição 7 - O Perigo da Murmuração - EBD.pptx
Lição 7 - O Perigo da Murmuração - EBD.pptx
 
Lesson 6 - Our Spiritual Weapons - SBS.pptx
Lesson 6 - Our Spiritual Weapons - SBS.pptxLesson 6 - Our Spiritual Weapons - SBS.pptx
Lesson 6 - Our Spiritual Weapons - SBS.pptx
 
Lição 6 - As nossas Armas Espirituais.pptx
Lição 6 - As nossas Armas Espirituais.pptxLição 6 - As nossas Armas Espirituais.pptx
Lição 6 - As nossas Armas Espirituais.pptx
 
Lesson 5 - The Enemies of the Christian.pptx
Lesson 5 - The Enemies of the Christian.pptxLesson 5 - The Enemies of the Christian.pptx
Lesson 5 - The Enemies of the Christian.pptx
 
Lição 5 - Os Inimigos do Cristão - EBD.pptx
Lição 5 - Os Inimigos do Cristão - EBD.pptxLição 5 - Os Inimigos do Cristão - EBD.pptx
Lição 5 - Os Inimigos do Cristão - EBD.pptx
 
Lesson 4 - How to Conduct Yourself on a Walk.pptx
Lesson 4 - How to Conduct Yourself on a Walk.pptxLesson 4 - How to Conduct Yourself on a Walk.pptx
Lesson 4 - How to Conduct Yourself on a Walk.pptx
 
Lição 4 - Como se Conduzir na Caminhada.pptx
Lição 4 - Como se Conduzir na Caminhada.pptxLição 4 - Como se Conduzir na Caminhada.pptx
Lição 4 - Como se Conduzir na Caminhada.pptx
 
Lesson 3 - Heaven - the Christian's Destiny.pptx
Lesson 3 - Heaven - the Christian's Destiny.pptxLesson 3 - Heaven - the Christian's Destiny.pptx
Lesson 3 - Heaven - the Christian's Destiny.pptx
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
 
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptxLesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptxLesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptxLição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
 
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptxLesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
 
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptxLição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
 
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptxLesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
 
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxLição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
 
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptxLesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
 

Último

ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfDaddizinhaRodrigues
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaRicardo Azevedo
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxManoel Candido Pires Junior
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfFrancisco Baptista
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 

Último (7)

ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 

Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptx

  • 1. 15 de Outubro de 2023 Dia do Professor Lição 3 Missões Transculturais no Antigo Testamento
  • 2. TEXTO ÁUREO “Disse mais: Pouco e que sejas o meu servo, para restaurares as tribos de Jacó e tornares a trazer os guardados de Israel; também te dei para luz dos gentios, para seres a minha salvação até a extremidade da terra.” (Is 49.6)
  • 3. VERDADE PRÁTICA O amor de Deus para com as nações deve ser o mesmo objetivo de todos os que militam pela salvação das almas perdidas.
  • 4. LEITURA DIÁRIA Segunda – Is 42.5-7; 43.10-13 - Os israelitas como servos e testemunhas de Deus Terça – Ez 22.1-5 - Os desvios, a desobediência, idolatrias e pecados morais dos israelitas Quarta – Jo 4.42 - Jesus: De Israel como o Salvador do Mundo Quinta – Is 45.6,22; 49.6; 52.10 - Profecias de restauração que incluem as nações entre os redimidos Sexta – 1 Rs 17.8,9,23,24 - Deus em busca de uma pessoa estrangeira por intermédio do profeta Elias Sábado – Jn 1.1,2 - Deus em busca de uma nação por intermédio do profeta Jonas
  • 5. LEITURA BÍBLICA EM CLASSE 1 Reis 17.8,9,17-22; Jonas 1.1,2 1 Reis 17 8- Então, veio a ele a palavra do Senhor, dizendo: 9- Levanta-te, e vai a Sarepta, que é de Sidom, e habita ali; eis que eu ordenei ali a uma mulher viúva que te sustente. 17 – E, depois destas coisas, sucedeu que adoeceu o filho desta mulher, da dona da casa; e a sua doença se agravou muito, até que nele nenhum fôlego ficou. 18 – Então, ela disse a Elias: Que tenho eu contigo, homem de Deus? Vieste tu a mim para trazeres à memória a minha iniquidade e matares meu filho?
  • 6. 19 – E ele lhe disse: Dá-me o teu filho. E ele o tomou do seu regaço, e o levou para cima, ao quarto, onde ele mesmo habitava, e o deitou em sua cama, 20- E clamou ao Senhor e disse: ó Senhor, meu Deus, também até a esta viúva, com quem eu moro, afligiste, matando-lhe seu filho? 21 – Então, se mediu sobre o menino três vezes, e clamou ao Senhor, e disse: ó Senhor, meu Deus, rogo-te que torne a alma deste menino a entrar nele. 22- E o Senhor ouviu a voz de Elias; e a alma do menino tornou a entrar nele, e reviveu. Jonas 1 1- E veio a palavra do Senhor a Jonas, filho de Amitai, dizendo: 2 – Levanta-te, vai à grande cidade de Nínive e clama contra ela, porque a sua malícia subiu até mim.
  • 7. INTRODUÇÃO Na lição anterior, vimos a natureza missionária de Deus por meio de sua relação com Abraão. Esta lição tem o propósito de con- siderar a nação de Israel como um povo escolhido, com um propósito missionário, e tomar como exemplo desse movimento missionário as narrativas bíblicas sobre Elias e a viúva de Sarepta, e a ida do profeta Jonas a Nínive e, finalmente, analisar as alianças de Deus com a humanidade a partir da nação de Israel, no Antigo Testamento. Contudo, o conceito de “missão”, da forma como o conhecemos hoje, não aparece com clareza no Antigo Testamento em relação a nação de Israel como povo escolhido de Deus. Palavra-Chave: ANTIGO TESTAMENTO
  • 8. I – ISRAEL, UM POVO ESCOLHIDO PARA UM PROPÓSITO MISSIONÁRIO 1. O plano de Deus. O Senhor nosso Deus planejou, desde os tempos antigos, que o testemunho de Jesus Cristo fosse proclamado a todos os habitantes da Terra (Gn 12.3; cf. Mt 24.14; 28.18- 20). Ou seja, a vontade divina era que todos os moradores da terra tivessem conhecimento a respeito da pessoa de Jesus. Nesse sentido, o meio planejado por Deus para o mundo conhecer o seu Filho passava por uma nação. O Pai chamou a nação de Israel para ser um povo missionário. Dessa forma, os israelitas deveriam ser testemunhas de Deus (Is 42.5-7; 43.10-13).
  • 9. 2. A falha de Israel. Os israelitas se contaminaram com as religiões pagãs dos povos vizinhos, além de se preocuparem muito com a identidade racial e nacional, deixando de lado a vocação de ser testemunhas para Deus. Nesse aspecto, são muitos os relatos bíblicos que dão conta dos desvios dos israelitas, da sua desobediência à idolatria e pecados morais que relativizaram a aliança com Deus (Ez 22.1-5). Entretanto, em meio a tudo isso, Israel não deixou de ser bênção para outras nações.
  • 10. 3. A contribuição de Israel para o mundo. Apesar de suas falhas, Deus tornou Israel uma bênção para as nações. Por exemplo, os judeus receberam e preservaram o Antigo Testamento, o traduziram em grego, a língua mais usada naquele período; além de escribas judeus manterem viva a ideia de que um dia os povos e as nações ouviriam a Palavra de Deus e responderiam a ela. Nesse sentido, Jesus Cristo, a Palavra encarnada, veio de Israel como o Salvador do Mundo (Jo 4.42).
  • 11. SINOPSE I Embora Israel tenha falhado em sua missão, a nação contribuiu na revelação do plano de Deus ao mundo.
  • 12. II – O AMOR DE DEUS PARA COM OUTRAS NAÇÕES 1. Os olhos de Deus sobre todos os povos. Johannes Blauw, erudito em Missiologia, que escreveu sobre os fundamentos do Antigo Testamento para Missões, afirma que desde o início Deus mantinha seus olhos em todas as nações e povos. Podemos perceber isso nos capítulos 40 a 55 do livro do profeta Isaías, na ida do profeta Elias a Sarepta e no livro do profeta Jonas. Nos livros proféticos encontramos profecias de restauração, incluindo um dia futuro no qual as nações estarão entre os redimidos (Is 45.6,22; 49.6; 52.10). Portanto, a preocupação de Deus para com as nações é clara no Antigo Testamento.
  • 13. Elijah and the widow of Zarephath | painting by Jan Victors (VICTORS, 1640).
  • 14. 2. A viúva de Sarepta e o profeta Elias. Sarepta é uma antiga cidade fenícia, localizada próxima ao sul de Sidom. Quando Elias profetizou a grande seca que haveria na terra e castigaria Israel, Deus o enviou justamente a cidade de Sarepta, a casa de uma viúva que era muito pobre. Quando Elias chegou, ela estava preparando a última comida que tinha em casa, já convencida de que ela e seu filho morreriam logo depois. Mas, quando a viúva obedeceu a palavra de Elias, foi abençoada com o milagre da botija (a multiplicação da farinha e do azeite). Em seguida, o filho dela adoeceu e morreu. Nesse momento, Elias fez uma coisa maravilhosa que ela nunca esperaria. Pelo poder de Deus, o profeta ressuscitou o menino e o restaurou a vida. A mãe do menino falou: “Nisto conheço, agora, que tu és homem de Deus e que a palavra do Senhor na tua boca é verdade” (1 Rs 17.24). Dessa forma, Deus se tornou conhecido de uma estrangeira.
  • 15. Raising of the son of the widow of Zarephath | Painting by Louis Hersent (HERSENT, 1819).
  • 16. 3. A Missão de Jonas em Nínive. Jonas foi um dos poucos missionários bíblicos para os estrangeiros. Não é por acaso que o tema do seu livro é “a misericórdia de Deus para com todos os homens” (Jn 1.2; 3.2; 4.4-11). Mesmo não tendo um conhecimento mais claro sobre de que maneira Israel deveria abençoar as nações, Jonas recebeu a ordem específica de ir a Nínive para advertir aquele povo sobre o juízo divino que estava prestes a se abater sobre os ninivitas, como consequência de seus muitos pecados. Nínive era a capital da Assíria, uma nação perversa, cruel e imoral (Na 1.11; 2.12,13; 3.1,4,16,19). A Bíblia de Estudo Pentecostal (CPAD), ao comentar o capítulo 3 do livro, destaca ter sido um dos despertamentos espirituais mais notáveis da história, quando o rei conclama a todos ao jejum e a oração e, por isso, o juízo não recaiu sobre eles. Como a cidade não foi condenada, em razão do arrependimento do povo, o profeta ficou profundamente indignado. Todavia, o Senhor o fez ver que Ele ama a humanidade toda (Jn 4.11).
  • 17. Monuments of Nineveh by Sir Austen Henry Layard, 1853 (LAYARD, 1853)
  • 18. SINOPSE II Por meio do relato da viúva de Sarepta e de Jonas em Nínive, podemos testemunhar o amor de Deus pelas nações no Antigo Testamento.
  • 19. III – ALIANÇAS ENTRE DEUS E A HUMANIDADE NO ANTIGO TESTAMENTO 1. Alianças de Deus. Com a queda do homem, toda a criação ficou sujeita ao pecado (Gn 3.1-6; Rm 8.20). Entretanto, Deus providenciou meios para redimir a humanidade e restaurar a comunhão perdida (1 Pe 1.19,20). Assim, Ele estabeleceu algumas alianças com o homem a fim de tornar conhecida a sua glória entre as nações e receber delas a legítima adoração. Por isso, há na Bíblia alianças denominadas condicionais e incondicionais entre Deus e a humanidade.
  • 20. 2. Aliança incondicional e condicional. A Aliança Incondicional é uma disposição soberana de Deus, mediante a qual Ele estabelece um contrato incondicional ou declarativo com o homem, obrigando-se em graça, por um juramento irrestrito, a conceder, de sua própria iniciativa, bênçãos para aqueles com quem compactua (Gn 12.1-4). A Aliança Condicional e uma proposta de Deus, em que, num contrato condicional e mútuo com o ser humano, segundo condições preestabelecidas, Ele promete conceder bênçãos especiais ao indivíduo, desde que este cumpra perfeitamente certas condições, bem como executar punições precisas em caso de não cumprimento (Dt 28). Assim, por meio de suas alianças, Deus firmou um compromisso com o rei Davi de alcance mundial, que resultou no advento do Senhor Jesus como Salvador, enviado por Deus ao mundo (Gl 4.4).
  • 21. SINOPSE III Há alianças condicionais e incondicionais na Bíblia que tornam conhecida a glória de Deus entre as nações.
  • 22. CONCLUSÃO Vimos que o plano de Deus abrange toda a humanidade. Seu alvo é revelar a sua glória a todos os povos. Por diversas vezes, Israel foi advertido pelos profetas para não guardar a mensagem de salvação somente para si, mas proclama-la “entre as nações a sua glória, entre todos os povos, as suas maravilhas” (Sl 96-3). Essa é uma raiz muito importante do Antigo Testamento para entender as missões no Novo, tema da próxima lição
  • 23. REVISANDO O CONTEÚDO 1. Para que Deus chamou o povo de Israel? O Pai chamou a nação de Israel para ser um povo missionário. Dessa forma, os israelitas deveriam ser servos e testemunhas de Deus (Is 42.5-7; 43.10- 13). 2. Em que Deus tornou Israel diante de outras nações? Deus tornou Israel uma bênção para as nações. 3. Quais os dois exemplos bíblicos, de acordo com a lição, que mostram Deus interessado em pessoas e nações estrangeiras? O relato da viúva de Sarepta e ode Jonas em Nínive.
  • 24. 4. O que são as alianças incondicional e condicional? A aliança incondicional é a disposição soberana de Deus em estabelecer um contrato incondicional ou declarativa e irrestrita pela sua própria iniciativa; a aliança condicional é um contrato condicional e mutuo com o ser humano. 5. O que Deus estabeleceu com o homem e qual foi o propósito disso? Por meio de suas alianças, Deus firmou um compromisso com o rei Davi de alcance mundial, que resultou no advento do Senhor Jesus como Salvador.
  • 25. REFERÊNCIAS CPAD. Até os Confins da Terra: pregando o Evangelho a todos os povos até a Volta de Cristo. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD), 2023. (Lições Bíblicas, Adultos CPAD). HERSENT, L. Raising of the son of the widow of Zarephath. [S. l.], 1819. oil on canvas, height: 134 cm (52.7 in) Edit this at Wikidata; width: 144 cm (56.6 in).Musée des Beaux-Arts d’Angers. Disponível em: https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Raising_of_the_son_of_the_widow_of_Zarephat h&oldid=1118843682. Acesso em: 8 out. 2023. LAYARD, A. H. The Monuments of Nineveh. [S. l.], 1853. Illustrations of Nineveh, 1,960 × 1,153.British Museum. Disponível em: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Artist%E2%80%99s_impression_of_Assyrian_pala ces_from_The_Monuments_of_Nineveh_by_Sir_Austen_Henry_Layard,_1853.jpg. VICTORS, J. Elijah and the widow of Zarephath (Museum of John Paul II Collection): Art in the Christian Tradition. [S. l.], 1640. oil on canvas, 645 × 599 pixels.Nashville, TN. Disponível em: https://diglib.library.vanderbilt.edu//act-imagelink.pl?RC=56669. Acesso em: 8 out. 2023. SOCIEDADE BÍBLICA DO BRASIL (org.). Bíblia De Estudo Plenitude Revista E Atualizada. Barueri, SP: SBB, 2005.
  • 26. EBD | 4° Trimestre De 2023 | CPAD Adultos | Tema: Até os Confins da Terra – Pregando o Evangelho a todos os Povos até a Volta de Cristo | Escola Bíblica Dominical | Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento Slides elaborados por Celso Napoleon
  • 27. LIÇÕES: 1. A Grande Comissão: Um Enfoque Etnocêntrico 2. Missões Transculturais: À sua Origem na Natureza de Deus 3. Missões Transculturais no Antigo Testamento 4. Missões Transculturais no Novo Testamento 5. Uma Perspectiva Pentecostal de Missões 6. Orando, Contribuindo e Fazendo Missões 7. A Responsabilidade da Igreja com os Missionários 8. Missionários Fazedores de Tendas 9. A Igreja e o Sustento Missionário 10. O Desafio da Janela 10/40 11. Missões e a Igreja Perseguida 12. O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia 13. O Propósito de Missões 14. Missões e a Volta do Senhor Jesus