05 artigo cientifico

6.512 visualizações

Publicada em

2 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Mais Monografia é uma empresa formada por profissionais especializados em todas as áreas de conhecimento. Nossa missão é elevar a escrita científica no Brasil oferecendo suporte, orientação e esclarecimentos para todo tipo de escrita intelectual sendo elas informativas ou científicas.
    Nossa assessoria é integral e abrange: livros, artigos científicos, monografias, TCC`s , projetos, dissertações, teses, revisão de normatização, revisão ortográfica, traduções, apresentação em slides, comunicação empresarial dentre outros, sempre mantendo os maiores padrões de ética.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • www.maismonografia.com.br
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.512
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
216
Comentários
2
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

05 artigo cientifico

  1. 1. FACULDADE DA AMAZÔNIA ARTIGO CIENTÍFICO Prof. Esp. João Carlos Sinott Balbi
  2. 2. ARTIGO CIENTÍFICO APRESENTAÇÃO
  3. 3. ARTIGO CIENTÍFICO DEFINIR ARTIGO CIENTÍFICO COMO UM ESPAÇO DE COMUNICAÇÃO QUE PRIORIZA À CIENTIFICIDADE. <ul><li>OBJETIVO ESPECÍFICO </li></ul>
  4. 4. ARTIGO CIENTÍFICO CONSTITUI UM ESPAÇO DE COMUNICAÇÃO SOBRE OS RESULTADOS DE UMA PESQUISA CONSIDERADA CIENTÍFICA, ISTO É, QUE SE VOLTA À QUESTÃO DA CIENTIFICIDADE .
  5. 5. ARTIGO CIENTÍFICO “ É PARTE DE UMA PUBLICAÇÃO COM AUTORIA DECLARADA, QUE APRESENTA E DISCUTE IDÉIAS, MÉTODOS, TÉCNICAS, PROCESSOS E RESULTADOS NAS DIVERSAS ÁREAS DO CONHECIMENTO”. <ul><li>CONCEITO DE ARTIGO CIENTÍFICO </li></ul>
  6. 6. ARTIGO CIENTÍFICO TRABALHOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS, ESCRITOS POR UM OU MAIS AUTORES, COM A FINALIDADE DE DIVULGAR A SÍNTESE ANALÍTICA DE ESTUDOS E RESULTADOS DE PESQUISAS. FORMAM A PARTE PRINCIPAL EM PERIÓDICOS ESPECIALIZADOS E DEVEM SEGUIR AS NORMAS EDITORIAIS DO PERIÓDICO A QUE SE DESTINAM. OS ARTIGOS PODEM SER DE DOIS TIPOS: a) originais, quando apresentam abordagens ou assuntos inéditos; b) de revisão, quando abordam, analisam ou resumem informações já publicadas”. DEFINIÇÃO DE ARTIGO DE PERIÓDICO
  7. 7. ARTIGO CIENTÍFICO DEFINIÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO <ul><li>O ESTILO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO É BASTANTE FORMULADO, COM A MAIORIA DAS PUBLICAÇÕES SEGUINDO ALGUMA VERSÃO DO PADRÃO SEQÜENCIAL DE INTRODUÇÃO, MÉTODOS, RESULTADOS E DISCUSSÃO. </li></ul><ul><li>O MAIS IMPORTANTE É QUE O EDITOR PRECISA ESTAR SATISFEITO COM O TEXTO, DE FORMA QUE CONTENHA INFORMAÇÃO SUFICIENTE PARA PERMITIR QUE O LEITOR AVALIE OS MÉRITOS DO TRABALHO E – TEORICAMENTE – POSSA REPETI-LO. </li></ul><ul><li>CLARO QUE OS TRABALHOS NÃO SÃO REPETÍVEIS, E EM TAIS CASOS O EDITOR PRECISA TER CERTEZA DE QUE OS DADOS SÃO SUFICIENTES PARA PERMITIR QUE OS LEITORES AVALIEM A EFICÁCIA DA INTERPRETAÇÃO DO AUTOR SOBRE OS RESULTADOS. </li></ul>
  8. 8. ARTIGO CIENTÍFICO <ul><li>UM TEXTO DE REVISÃO TEM UMA PALAVRA DE ORDEM MAIS DIFUSA DO QUE UM TRABALHO INÉDITO DE PESQUISA: DOCUMENTAR E INTERPRETAR O DESENVOLVIMENTO E A TECNOLOGIA DE PONTA DE UMA DETERMINADA ÁREA. </li></ul><ul><li>O PÚBLICO PARA UMA REVISÃO É MAIOR DO QUE AQUELE PARA OS ARTIGOS CIENTÍFICOS E IRÁ TIPICAMENTE ABRANGER VASTA FAMILIARIDADE COM A ÁREA – DO INICIANTE OU INTERESSADO OBSERVADOR DE FORA AO ESPECIALISTA. </li></ul><ul><li>O ESTILO DE UMA REVISÃO É MENOS FORMULADO, E OS EDITORES TÊM DEBATES ACALORADOS ENTRE SI E TAMBÉM COM OS AUTORES, SOBRE O QUE CONSTITUI MATERIAL ANALÍTICO LEGÍTIMO. </li></ul><ul><li>O ÚNICO CONSENSO PARECE SER QUE UMA REVISÃO É DEFINIDA POR AQUILO QUE NÃO CONTÉM: NOTADAMENTE, PESQUISA INÉDITA E NOVOS RESULTADOS. </li></ul><ul><li>O EDITOR ESCOLHEU UM TÓPICO INTERESSANTE E UM AUTOR DE QUEM SE PODE ESPERAR UM ARTIGO DE AUTORIDADE. </li></ul>DEFINIÇÃO DE ARTIGO DE PERIÓDICO
  9. 9. ARTIGO CIENTÍFICO <ul><li>COMUNICAR OS RESULTADOS DE PESQUISA, IDÉIAS E DEBATES DE UMA MANEIRA CLARA, CONCISA E FIDEDIGNA. </li></ul><ul><li>SERVIR DE MEDIDA DA PRODUTIVIDADE (QUALITATIVA E QUANTITATIVA) INDIVIDUAL DOS AUTORES E DAS INSTITUIÇÕES A QUAL SERVEM. </li></ul><ul><li>SERVIR DE MEDIDA NAS DECISÕES REFERENTES À CONTRATAÇÃO, PROMOÇÃO E ESTABILIDADE NO EMPREGO. </li></ul><ul><li>REFLETIR A ANÁLISE DE UM DADO ASSUNTO, NUM CERTO PERÍODO DE TEMPO. </li></ul>FINALIDADES DO ARTIGO CIENTÍFICO
  10. 10. ARTIGO CIENTÍFICO <ul><li>SERVIR DE MEIO DE COMUNICAÇÃO E DE INTERCÂMBIO DE IDÉIAS ENTRE CIENTISTAS DA SUA ÁREA DE ATUAÇÃO. </li></ul><ul><li>LEVAR OS TESTE DE UMA HIPÓTESE, PROVAR UMA TEORIA (TESE, TRABALHO CIENTÍFICO). </li></ul><ul><li>REGISTRAR E TRANSMITIR ALGUMAS OBSERVAÇÕES ORIGINAIS. </li></ul><ul><li>SERVIR PARA REVER O ESTADO DE UM DADO CAMPO DE PESQUISA.” </li></ul>FINALIDADES DO ARTIGO CIENTÍFICO
  11. 11. ARTIGO CIENTÍFICO CONCEITO DE TRIANGULAÇÃO ESTRATÉGIA QUE COMBINA A APLICAÇÃO DE METODOLOGIA QUANTITATIVA E QUALITATIVA, UMA VEZ QUE AMBAS METODOLOGIAS NÃO SÃO CONCEBIDAS COMO OPOSTAS, MAS SIM, COMO COMPLEMENTARES.
  12. 12. ARTIGO CIENTÍFICO TOMADA DE DECISÃO <ul><li>ESCREVER UM ARTIGO CIENTÍFICO (OU TESE, DISSERTAÇÃO, MONOGRAFIA) É UMA TOMADA DE DECISÃO E IMPLICA NO CRESCIMENTO DO PROFISSIONAL E DE MELHORES OPORTUNIDADES NA CARREIRA. </li></ul><ul><li>ENVOLVE ASPECTOS METODOLÓGICOS, LEGAIS E ÉTICOS DE REDAÇÃO, DE CRIATIVIDADE E TAMBÉM DE CUSTO E GERENCIAMENTO DE TEMPO. </li></ul>
  13. 13. ARTIGO CIENTÍFICO REDAÇÃO DO ARTIGO <ul><li>AQUELE QUE SABE O QUÊ E COMO , PROVAVELMENTE, ESCREVE UM BOM TRABALHO, MAS AQUELE QUE SABE O PORQUÊ NÃO SÓ ESCREVE UM ÓTIMO ARTIGO, COMO TAMBÉM SABE CORRIGIR O PRÓPRIO TRABALHO E O DOS OUTROS AUTORES. </li></ul>MOTIVAÇÕES DO AUTOR
  14. 14. ARTIGO CIENTÍFICO O DOMÍNIO PELO PESQUISADOR DOS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS OU DA ESTRUTURA DE UMA PESQUISA POSSIBILITA À ELABORAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO COM MAIOR FLUÊNCIA. ARTIGO CIENTÍFICO
  15. 15. ARTIGO CIENTÍFICO ARTIGO CIENTÍFICO OBJETIVO PARA QUÊ FINALIDADE JUSTIFICATIVA POR QUÊ ARGUMENTOS PROBLEMA O QUÊ PERGUNTA(S) METODOLOGIA COMO MODO DE REALIZAR REFERÊNCIA LIVROS, ARTIGOS, DOCTOS HIPÓTESE DIRETRIZ DE RESPOSTA PROBLEMÁTICA CONTEXTO DO PROBLEMA ELEMENTOS DE APOIO ILUSTRAÇÕES, APÊNDICES E ANEXOS
  16. 16. ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS DO ARTIGO CIENTÍFICO <ul><li>IDENTIFICAR OS ELEMENTOS DA ESTRUTURA DE UM ARTIGO CIENTÍFICO: </li></ul><ul><li>PRÉ-TEXTUAIS </li></ul><ul><li>TEXTUAIS, DE APOIO AO TEXTO </li></ul><ul><li>PÓS-TEXTUAIS </li></ul>
  17. 17. ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS DO ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS PRÉ-TEXTUAIS <ul><li>TÍTULO E SUBTÍTULO (SE HOUVER) </li></ul><ul><li>NOME DO(S) AUTOR(ES) </li></ul><ul><li>CRÉDITO(S) DO(S) AUTOR(ES) </li></ul><ul><li>AGRADECIMENTO (OPCIONAL) </li></ul><ul><li>RESUMO (NO IDIOMA DO PAÍS) </li></ul><ul><li>PALAVRAS-CHAVE OU DESCRITORES </li></ul>
  18. 18. ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS TÍTULO – ESTRATÉGICO E CRIATIVO O TÍTULO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO É COMO UMA ETIQUETA, POIS VISA ATRAIR O LEITOR NA SELEÇÃO DO QUE LHE INTERESSA. ASSIM, O TRABALHO SERÁ LIDO, DISCUTIDO E CITADO, E DESTA FORMA, IRÁ CONTRIBUIR PARA O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA.
  19. 19. ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS TÍTULO DEVE SER REDIGIDO COM EXATIDÃO, REVELANDO OBJETIVAMENTE O QUE O RESTANTE DO TEXTO ESTÁ TRAZENDO. APESAR DA ESPECIFICIDADE QUE DEVE TER, NÃO DEVE SER LONGO A PONTO DE TORNAR-SE CONFUSO, UTILIZANDO-SE TANTO QUANTO POSSÍVEL DE TERMOS SIMPLES, NUMA ORDEM EM QUE A ABORDAGEM TEMÁTICA PRINCIPAL SEJA FACILMENTE CAPTADA. O SUBTÍTULO É OPCIONAL E DEVE COMPLEMENTAR O TÍTULO COM INFORMAÇÕES RELEVANTES, NECESSÁRIAS, SOMENTE QUANDO FOR PARA MELHORAR A COMPREENSÃO DO TEMA .
  20. 20. ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS O QUE DEVE SER EVITADO GÍRIA, NEOLOGISMOS, ABREVIATURAS, SIGLAS, NOMES COMERCIAIS E FÓRMULAS. O USO DO GERÚNDIO TAMBÉM NÃO É ACONSELHÁVEL E SE JUSTIFICA APENAS EM PESQUISAS FENOMENOLÓGICAS, POIS SÃO FEITAS DESCRIÇÕES DOS FENÔMENOS ENQUANTO ESTÃO OCORRENDO .
  21. 21. ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS RESUMO <ul><li>DEVE SER ESCRITO NO IDIOMA DO PAÍS </li></ul><ul><li>DEVE CONTER ATÉ 250 PALAVRAS. </li></ul><ul><li>É IMPORTANTE INFORMAR AO LEITOR: </li></ul><ul><li>OBJETIVO DO ESTUDO </li></ul><ul><li>METODOLOGIA UTILIZADA </li></ul><ul><li>QUESTÃO CHAVE </li></ul><ul><li>OS PRINCIPAIS CONCEITOS </li></ul><ul><li>AS PRINCIPAIS CONCLUSÕES OU RESULTADOS OBTIDOS. </li></ul>
  22. 22. ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS PALAVRAS-CHAVE <ul><li>DEVEM SER ESCRITAS NO IDIOMA DO PAÍS. </li></ul><ul><li>VOCÁBULOS MAIS RECORRENTES NA PESQUISA. </li></ul><ul><li>REPRESENTATIVIDADE NO SISTEMA DE INDEXAÇÃO DAS BIBLIOTECAS (CNPQ OU CAPES). </li></ul>
  23. 23. ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS DO ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS TEXTUAIS TEXTUAIS <ul><li>INTRODUÇÃO </li></ul><ul><li>TEMA </li></ul><ul><li>OBJETIVO </li></ul><ul><li>RELEVÂNCIA </li></ul><ul><li>DESENVOLVIMENTO: </li></ul><ul><li>METODOLOGIA </li></ul><ul><li>RESULTADOS E DISCUSSÃO </li></ul><ul><li>ARGUMENTAÇÃO OU FUNDAMENTO LÓGICO </li></ul><ul><li>CONCLUSÃO </li></ul>
  24. 24. ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS TEXTUAIS ESTRUTURA LÓGICA E CONSTRUÇÃO DO CORPO DO TEXTO INTERAÇÃO REAL ENTRE MÉTODOS DA ÁREA DA DESCOBERTA (DE PESQUISA) E OS DA ÁREA DE JUSTIFICAÇÃO (DE EXPOSIÇÃO).
  25. 25. ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS TEXTUAIS PERGUNTAS SOBRE O ATO DE ESCREVER O TEXTO <ul><li>QUEM ESCREVE? </li></ul><ul><li>O QUE ESCREVER? </li></ul><ul><li>A QUEM ESCREVER? </li></ul><ul><li>COMO ESCREVER? </li></ul><ul><li>QUANDO ESCREVER? </li></ul><ul><li>POR QUE ESCREVER? </li></ul>
  26. 26. ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS DO ARTIGO CIENTÍFICO APOIO AO TEXTO DE APOIO AO TEXTO <ul><li>CITAÇÕES </li></ul><ul><li>NOTAS DE RODAPÉ </li></ul><ul><li>ILUSTRAÇÕES </li></ul><ul><li>TABELAS </li></ul><ul><li>QUADROS </li></ul><ul><li>FIGURAS </li></ul>
  27. 27. ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS DO ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS PÓS-TEXTUAIS <ul><li>REFERÊNCIAS </li></ul><ul><li>APÊNDICES </li></ul><ul><li>ELABORADOS PELO AUTOR </li></ul><ul><li>ANEXOS </li></ul><ul><li>DOCUMENTOS </li></ul><ul><li>TRADUÇÃO DO RESUMO </li></ul><ul><li>DATA </li></ul>
  28. 28. ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS DO ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS <ul><li>SIGLAS </li></ul><ul><li>ILUSTRAÇÕES </li></ul><ul><li>TABELAS </li></ul><ul><li>REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO </li></ul>
  29. 29. ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS SIGLAS QUANDO APARECEREM PELA PRIMEIRA VEZ, A FORMA COMPLETA DO NOME PRECEDE A SIGLA EXEMPLO : DE ACORDO COM A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT) .
  30. 30. ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS ILUSTRAÇÕES DESENHOS, ESQUEMAS, FOTOGRAFIAS, QUADROS, MAPAS, GRÁFICOS, ENTRE OUTROS IDENTIFICAÇÃO NA PARTE INFERIOR, PRECEDIDA DO NOME, SEGUIDA DO NÚMERO DE ORDEM DE OCORRÊNCIA NO TEXTO E FONTE DEVE SER INSERIDA O MAIS PRÓXIMO POSSÍVEL DO TRECHO A QUE SE REFERE.
  31. 31. Foto1 - Sede do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF) - SAIN Bloco C Asa Norte - Brasília - DF Fonte: Brasília (2005). Identificação seqüencial por tipo de ilustração Identificação da fonte semelhante à citação dentro do texto Modelo de ilustração (foto)
  32. 32. Citação mais de 3 autores Tabelas recebem numeração seqüencial. Títulos são indicados acima da tabela. TABELA CITAÇÃO
  33. 33. Título centralizado Espaçamento simples na referência Espaçamento duplo entre as referências As referências são apresentadas em ordem alfabética de autor REFERÊNCIAS
  34. 34. <ul><li>Numeração Progressiva </li></ul><ul><li>NBR 6024/maio 200 3 </li></ul><ul><li>Seção Formatação </li></ul><ul><li>1 SEÇÃO PRIMÁRIA Maiúsculas com negrito </li></ul><ul><li>1.1 SEÇÃO SECUNDÁRIA Maiúsculas sem negrito </li></ul><ul><li>1.1.1 Seção terciária Inicial maiúscula sem negrito </li></ul><ul><li>1.1.1.1 Seção quaternária Inicial maiúscula sem negrito </li></ul><ul><li>1.1.1.1.1 Seção quinária Inicial maiúscula sem negrito </li></ul><ul><li>A numeração é separada do título apenas por um espaço. Não se deve utilizar ponto ou hífen após a numeração. </li></ul>

×