SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
VÁLVULAS DA INDÚSTRIA DO
PETRÓLEO
Interior de uma Válvula
Peças de Uma válvula
Castelo Transparente
Corpo transparente
Haste e sede
Válvulas Agulha
Válvula destinada a limitar a pressão na rede, regulando o
ponteiro do manômetro de acordo com as necessidades do
usuário.
Válvula Portinhola
Válvula Portinhola
• Normalmente apresenta como obturador um disco (portinhola)
• A obstrução do escoamento se dá quando o fluido não apresenta
pressão suficiente para manter a portinhola aberta
• Ou impedir a inversão no sentido de escoamento
• Retenção com portinhola é indicada para operar em linhas de líquidos,
gases, sujeitas a pequenas tendências de inversão de sentido do fluxo,
• Não se recomendam para fluxos pulsantes e/ou com alta velocidade de
escoamento.
Válvula Pistão - Retenção
Válvula Pistão - Retenção
• Causa elevada perda de carga, decorrente da brusca mudança que sofre o
fluido, e da necessidade de através da pressão do fluido elevar o
obturador e prover a abertura da válvula.
• O fechamento ocorre quando há necessidade de inversão de sentido do
fluxo, inexistindo pressão do fluido no sentido de fechamento,
acomodando-se sobre a sua sede.
•
Válvulas de retenção horizontal são utilizadas em linhas de alta velocidade
de escoamento, gases e líquidos.
• Para fluidos de alta viscosidade, como óleos e graxas,os obturadores de
esfera são os mais recomendáveis.
Válvula Globo
• São normalmente empregadas em serviços que requerem operações
freqüentes de abertura e fechamento, bem como controle de vazão em
qualquer graduação desejada.
• Vantagens :
Permite o controle parcial do fluxo
Abertura e fechamento mais rápido que da válvula de gaveta
As características construtivas da sede-obturador permitem
estanqueidade total
Manutenção favorecida pelo fácil acesso aos componentes internos, sem
remover a válvula da linha
Aplicável em ampla faixa de pressão/temperatura
• Desvantagens
Não admite fluxo nos dois sentidos
Perda de carga elevada
Válvula Gaveta
Válvula Globo
Válvula Gaveta
• A principal característica da válvula gaveta está na sua mínima obstrução a passagem de fluxo, quando
totalmente aberta, proporcionando baixa turbulência, com um diferencial de pressão quase insignificante.
• Isto é possível, porque o seu sistema de vedação (obturador) atua perpendicularmente a linha de fluxo.
Normalmente as válvulas gavetas são empregadas em processos onde não se necessitam operações
freqüentes de abertura e fechamento, pois o seu manuseio é mais lento quando comparado ao de outros
tipos de válvulas.
• Não são aconselháveis para uso em regulagens e estrangulamentos, pois os obturadores em posição
intermediária, como também as sedes, podem sofrer desgastes por erosão, em razão do brusco aumento
de velocidade do fluido nessas circunstâncias, proporcionando vibrações e ruídos indesejáveis.
Vantagens
Passagem totalmente desimpedida quando aberta
Estanque para quaisquer tipos de fluidos
Aplicável em ampla faixa de pressão/temperatura
Permite fluxo nos dois sentidos
Desvantagens
Não se aplica a regulagem e estrangulamento do fluxo
Ocupa grande volume devido ao movimento de translação do obturador
Válvula Esfera
Válvula Esfera
 Este tipo de válvula normalmente utilizada para bloqueio em linhas
de uso geral é caracterizada pela forma esférica do elemento de
vedação.
Caracteriza-se também pela sua rapidez na operação é necessário
apenas um quarto de volta para se operar este tipo de válvula.

Oferece ótima estanqueidade, mesmo em alta pressão e perda de
carga quase desprezível (quando construída em passagem plena).

A válvula esfera não é recomendada para serviços de regulagem de
fluxo, devido a geometria do seu obturador esfera.
Válvula Esfera
Vantagens
Abertura e fechamento rápidos
As características construtivas do conjunto-sede, bem como os materiais
utilizados neste conjunto, garantem acionamento suave e estanqueidade
total.
Baixa perda de carga, quando construída em passagem plena.
Aplicáveis em ampla gama de pressões.
Desvantagens
A necessidade de utilização de materiais resilientes nas sedes, limita a
gama de temperatura de utilização deste tipo de válvula.
Não é indicada sua utilização em fluidos que possuam camadas sólidas em
suspensão.
Não são recomendadas para controles de vazão parciais.
Válvula Solenóide
Válvula Solenoide
• A corrente elétrica aciona o êmbolo, abrindo ou fechando a válvula.
O corpo da válvula contém um dispositivo que permite a passagem
ou não do fluido, quando a haste é acionada pela força
eletromagnética da bobina. O pino é “puxado” para o centro da
bobina por esta força, permitindo assim a passagem do liquido.
Válvula Borboleta
Válvula Borboleta
A válvula borboleta tem por função a regulagem e o
bloqueio do fluxo em uma canalização. É utilizada
principalmente em sistemas de água doce bruta ou
tratada, e em estações de tratamento de água e de
esgotos. A água não deve exceder a temperatura de
60° C e a pressão interna de 1,6 BAR.
Arvore de Natal
A arvore de Natal fica no
fundo do mar.
Ela serve para controlar a
saída de óleo do poço
É uma valvula do tipo gaveta
É regulada pelo ROV o mini
submarino que é comandado
por operadores na plataforma
Manifolds
O manifold é um
equipamento de
passagem e de
manobra da
produção, onde o
óleo é agrupado em
um mesmo coletor
Manifolds
Manifold para instalação do PIG
PIG é o elemento de limpeza da
tubulação
Manifolds
Manifold na entrada da
plataforma
Manifolds
Válvulas do tipo
Gaveta
Manifolds
Manifolds são estruturas de tubulações e válvulas que servem para
controlar a entrada de petróleo na Plataforma.
Na entrada da plataforma pode acontecer de haver um aumento súbito
de pressão, por causa de gás no poço ou excesso do fluido de
lubrificação da broca ou excesso de pressão da água de injeção no
poço.
Se acontecer esse aumento de pressão, o petróleo é desviado para uma
tubulação que fecha a entrada por precaução.
Essa válvula chama-se B.O.P. (Blow Out Preventer) Prevenção de
Explosão
São um conjunto de válvulas do tipo gaveta que fecha e estanqueiam o
poço.
Válvula BOP
É uma válvula do tipo Gaveta, que fecha a entrada de Óleo
na Plataforma
Questionário
• 1 – Quais os tipos de válvulas?
• 2 – Quais as válvulas usadas pelo BOP?
• 3 – Qual o tipo de válvula usada no tratamento da água de
injeção?
• 4 – Qual o tipo de válvula para impedir retorno de fluxo?
• 5 – O que é manifold?
• 6 – O que é arvore de Natal?
• 7 – Que tipo de válvula existe na arvore de Natal?
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 09 tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04
Aula 09   tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04Aula 09   tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04
Aula 09 tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula pre sal 4 perfuração de poços
Aula pre sal 4 perfuração de poçosAula pre sal 4 perfuração de poços
Aula pre sal 4 perfuração de poçosAugusto Junior
 
Módulo2 ppt-estática-dinâmicadefluidos
Módulo2 ppt-estática-dinâmicadefluidosMódulo2 ppt-estática-dinâmicadefluidos
Módulo2 ppt-estática-dinâmicadefluidosFersay
 
Introdução à perfilagem de poços
Introdução à perfilagem de poçosIntrodução à perfilagem de poços
Introdução à perfilagem de poçosSydney Dias
 
Escoamento Laminar e turbulento
Escoamento Laminar e turbulentoEscoamento Laminar e turbulento
Escoamento Laminar e turbulentoDiego Henrique
 
2 absorçãodegases-tecnologiaquimica
2 absorçãodegases-tecnologiaquimica2 absorçãodegases-tecnologiaquimica
2 absorçãodegases-tecnologiaquimicaFersay
 
10 Processamento
10 Processamento10 Processamento
10 ProcessamentoAlvaro
 
Apostila valvulas-industriais-visao-geral
Apostila valvulas-industriais-visao-geralApostila valvulas-industriais-visao-geral
Apostila valvulas-industriais-visao-geralRosivaldo Bandeira
 
Aula pre sal 5 completação de poços
Aula pre sal 5 completação de poçosAula pre sal 5 completação de poços
Aula pre sal 5 completação de poçosAugusto Junior
 
07 coluna de perfuração portugues 90
07 coluna de perfuração portugues 9007 coluna de perfuração portugues 90
07 coluna de perfuração portugues 90Igor Cencic :.
 
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
Aula 2   caracterização qualitativa esgotoAula 2   caracterização qualitativa esgoto
Aula 2 caracterização qualitativa esgotoGiovanna Ortiz
 
Procedimento de uma unidade de Bombeio
Procedimento de uma  unidade de BombeioProcedimento de uma  unidade de Bombeio
Procedimento de uma unidade de BombeioVictor Said
 
Perfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e Gás
Perfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e GásPerfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e Gás
Perfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e GásAnderson Pontes
 
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradasAula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradasGiovanna Ortiz
 

Mais procurados (20)

Aula 09 tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04
Aula 09   tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04Aula 09   tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04
Aula 09 tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04
 
Aula pre sal 4 perfuração de poços
Aula pre sal 4 perfuração de poçosAula pre sal 4 perfuração de poços
Aula pre sal 4 perfuração de poços
 
Tipos de válvulas
Tipos de válvulasTipos de válvulas
Tipos de válvulas
 
Módulo2 ppt-estática-dinâmicadefluidos
Módulo2 ppt-estática-dinâmicadefluidosMódulo2 ppt-estática-dinâmicadefluidos
Módulo2 ppt-estática-dinâmicadefluidos
 
Introdução à perfilagem de poços
Introdução à perfilagem de poçosIntrodução à perfilagem de poços
Introdução à perfilagem de poços
 
Escoamento Laminar e turbulento
Escoamento Laminar e turbulentoEscoamento Laminar e turbulento
Escoamento Laminar e turbulento
 
2 absorçãodegases-tecnologiaquimica
2 absorçãodegases-tecnologiaquimica2 absorçãodegases-tecnologiaquimica
2 absorçãodegases-tecnologiaquimica
 
10 Processamento
10 Processamento10 Processamento
10 Processamento
 
Apostila valvulas-industriais-visao-geral
Apostila valvulas-industriais-visao-geralApostila valvulas-industriais-visao-geral
Apostila valvulas-industriais-visao-geral
 
Aula pre sal 5 completação de poços
Aula pre sal 5 completação de poçosAula pre sal 5 completação de poços
Aula pre sal 5 completação de poços
 
Aula rev
Aula revAula rev
Aula rev
 
07 coluna de perfuração portugues 90
07 coluna de perfuração portugues 9007 coluna de perfuração portugues 90
07 coluna de perfuração portugues 90
 
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
Aula 2   caracterização qualitativa esgotoAula 2   caracterização qualitativa esgoto
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
 
Procedimento de uma unidade de Bombeio
Procedimento de uma  unidade de BombeioProcedimento de uma  unidade de Bombeio
Procedimento de uma unidade de Bombeio
 
Reynolds
Reynolds Reynolds
Reynolds
 
Apostila de operações unitárias
Apostila de operações unitáriasApostila de operações unitárias
Apostila de operações unitárias
 
Perfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e Gás
Perfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e GásPerfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e Gás
Perfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e Gás
 
16 aula cimentação de poços
16 aula cimentação de poços16 aula cimentação de poços
16 aula cimentação de poços
 
03 linguagem ladder instrucoes de bit
03 linguagem ladder instrucoes de bit03 linguagem ladder instrucoes de bit
03 linguagem ladder instrucoes de bit
 
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradasAula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
 

Destaque

Caderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redaçãoCaderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redaçãoHomero Alves de Lima
 
15 aula torres de perfuração e equipamentos
15 aula torres de perfuração e equipamentos15 aula torres de perfuração e equipamentos
15 aula torres de perfuração e equipamentosHomero Alves de Lima
 
Perfuração de poços de petróleo - artigo
Perfuração de poços de petróleo - artigoPerfuração de poços de petróleo - artigo
Perfuração de poços de petróleo - artigoalbertopsouza
 
Aula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotelAula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotelHomero Alves de Lima
 
Manutencao de valvulas
Manutencao de valvulasManutencao de valvulas
Manutencao de valvulascerqueira10
 
Gerenciamento digital campos petroleo dof
Gerenciamento digital campos petroleo dofGerenciamento digital campos petroleo dof
Gerenciamento digital campos petroleo dofFlavio Fonte, PMP, ITIL
 
Automação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria PetroquímicaAutomação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria PetroquímicaAnderson Formiga
 
Controle de Poço - Well Control - Introdutório
Controle de Poço - Well Control - IntrodutórioControle de Poço - Well Control - Introdutório
Controle de Poço - Well Control - IntrodutórioSQC_Group
 
Manutenção de uma válvula de controle direcional 1
Manutenção de uma válvula de controle direcional   1Manutenção de uma válvula de controle direcional   1
Manutenção de uma válvula de controle direcional 1Beatriz Nonato
 
Engenharia de petroleo offshore3
Engenharia de petroleo offshore3Engenharia de petroleo offshore3
Engenharia de petroleo offshore3Cristian Nunes
 
Vazao pressão fluídos
Vazao pressão fluídosVazao pressão fluídos
Vazao pressão fluídosCleber Costa
 
Maual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3o
Maual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3oMaual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3o
Maual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3ohomertc
 
Pré-sal: folheto
Pré-sal: folhetoPré-sal: folheto
Pré-sal: folhetoFatoseDados
 
Delcídio do Amaral - 2010 Assembléia Legislativa - Campo Grande - Divisão dos...
Delcídio do Amaral - 2010 Assembléia Legislativa - Campo Grande - Divisão dos...Delcídio do Amaral - 2010 Assembléia Legislativa - Campo Grande - Divisão dos...
Delcídio do Amaral - 2010 Assembléia Legislativa - Campo Grande - Divisão dos...Delcídio do Amaral
 
01 Aula a História do Petróleo no Brasil
01 Aula a História do Petróleo no Brasil01 Aula a História do Petróleo no Brasil
01 Aula a História do Petróleo no BrasilHomero Alves de Lima
 
Mineração e DNPM (The Brazilian Mining Sector and The Mineral Agency)
Mineração e DNPM (The Brazilian Mining Sector and The Mineral Agency)Mineração e DNPM (The Brazilian Mining Sector and The Mineral Agency)
Mineração e DNPM (The Brazilian Mining Sector and The Mineral Agency)Saulo Melo
 
Museu da Escola de Lavra
Museu da Escola de LavraMuseu da Escola de Lavra
Museu da Escola de LavraMargarida Mota
 

Destaque (20)

Caderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redaçãoCaderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redação
 
15 aula torres de perfuração e equipamentos
15 aula torres de perfuração e equipamentos15 aula torres de perfuração e equipamentos
15 aula torres de perfuração e equipamentos
 
Perfuração de poços de petróleo - artigo
Perfuração de poços de petróleo - artigoPerfuração de poços de petróleo - artigo
Perfuração de poços de petróleo - artigo
 
Aula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotelAula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotel
 
Manutencao de valvulas
Manutencao de valvulasManutencao de valvulas
Manutencao de valvulas
 
Gerenciamento digital campos petroleo dof
Gerenciamento digital campos petroleo dofGerenciamento digital campos petroleo dof
Gerenciamento digital campos petroleo dof
 
Automação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria PetroquímicaAutomação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria Petroquímica
 
Controle de Poço - Well Control - Introdutório
Controle de Poço - Well Control - IntrodutórioControle de Poço - Well Control - Introdutório
Controle de Poço - Well Control - Introdutório
 
Manutenção de uma válvula de controle direcional 1
Manutenção de uma válvula de controle direcional   1Manutenção de uma válvula de controle direcional   1
Manutenção de uma válvula de controle direcional 1
 
Engenharia de petroleo offshore3
Engenharia de petroleo offshore3Engenharia de petroleo offshore3
Engenharia de petroleo offshore3
 
Vazao pressão fluídos
Vazao pressão fluídosVazao pressão fluídos
Vazao pressão fluídos
 
Maual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3o
Maual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3oMaual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3o
Maual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3o
 
Pré-sal: folheto
Pré-sal: folhetoPré-sal: folheto
Pré-sal: folheto
 
Petróleo pps
Petróleo ppsPetróleo pps
Petróleo pps
 
Delcídio do Amaral - 2010 Assembléia Legislativa - Campo Grande - Divisão dos...
Delcídio do Amaral - 2010 Assembléia Legislativa - Campo Grande - Divisão dos...Delcídio do Amaral - 2010 Assembléia Legislativa - Campo Grande - Divisão dos...
Delcídio do Amaral - 2010 Assembléia Legislativa - Campo Grande - Divisão dos...
 
02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento
 
01 Aula a História do Petróleo no Brasil
01 Aula a História do Petróleo no Brasil01 Aula a História do Petróleo no Brasil
01 Aula a História do Petróleo no Brasil
 
02 aula industria do petróleo
02 aula industria do petróleo02 aula industria do petróleo
02 aula industria do petróleo
 
Mineração e DNPM (The Brazilian Mining Sector and The Mineral Agency)
Mineração e DNPM (The Brazilian Mining Sector and The Mineral Agency)Mineração e DNPM (The Brazilian Mining Sector and The Mineral Agency)
Mineração e DNPM (The Brazilian Mining Sector and The Mineral Agency)
 
Museu da Escola de Lavra
Museu da Escola de LavraMuseu da Escola de Lavra
Museu da Escola de Lavra
 

Semelhante a 09 aula valvulas da industria de petroleo

Valvulas de controle
Valvulas de controleValvulas de controle
Valvulas de controleestados4464
 
AULA03_VALVULAS_Lucas_Portilho_da_Cunha_-_Copiar_-_Copiar.pptx
AULA03_VALVULAS_Lucas_Portilho_da_Cunha_-_Copiar_-_Copiar.pptxAULA03_VALVULAS_Lucas_Portilho_da_Cunha_-_Copiar_-_Copiar.pptx
AULA03_VALVULAS_Lucas_Portilho_da_Cunha_-_Copiar_-_Copiar.pptxLucasPortilhodaCunha1
 
EBO de Válvulas - Gaveta, Esfera, borboleta e etc.
EBO de Válvulas - Gaveta, Esfera, borboleta e etc.EBO de Válvulas - Gaveta, Esfera, borboleta e etc.
EBO de Válvulas - Gaveta, Esfera, borboleta e etc.ssuser8cb4ce
 
Apresentação Hidraulica - Válvulas - 2018-1.pdf
Apresentação Hidraulica - Válvulas - 2018-1.pdfApresentação Hidraulica - Válvulas - 2018-1.pdf
Apresentação Hidraulica - Válvulas - 2018-1.pdfMateusFormolo3
 
07a - Válvulas - V2017a.pdf
07a - Válvulas - V2017a.pdf07a - Válvulas - V2017a.pdf
07a - Válvulas - V2017a.pdfssuserce2058
 
Docsity sistemas-fluidomecanicos-1
Docsity sistemas-fluidomecanicos-1Docsity sistemas-fluidomecanicos-1
Docsity sistemas-fluidomecanicos-1Fernando Felipe
 
Aula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptx
Aula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptxAula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptx
Aula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptxJooVitorSantosSilva5
 
Equipamentos Para ManutençãO
Equipamentos Para ManutençãOEquipamentos Para ManutençãO
Equipamentos Para ManutençãO123marcao123
 
Apostila de-valvulas-industriais-petrobras
Apostila de-valvulas-industriais-petrobrasApostila de-valvulas-industriais-petrobras
Apostila de-valvulas-industriais-petrobrasMarcio Parente
 
Valvulas industriais (2)
Valvulas industriais (2)Valvulas industriais (2)
Valvulas industriais (2)Jupira Silva
 
Valvulas industriais
Valvulas industriaisValvulas industriais
Valvulas industriaisJupira Silva
 
ValvSegurança.ppt
ValvSegurança.pptValvSegurança.ppt
ValvSegurança.pptLino216312
 
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1endysarkis
 
Aula 12 atuadores e elementos finais
Aula 12   atuadores e elementos finaisAula 12   atuadores e elementos finais
Aula 12 atuadores e elementos finaisJoao Pedro Turibio
 

Semelhante a 09 aula valvulas da industria de petroleo (20)

Valvulas de controle
Valvulas de controleValvulas de controle
Valvulas de controle
 
AULA03_VALVULAS_Lucas_Portilho_da_Cunha_-_Copiar_-_Copiar.pptx
AULA03_VALVULAS_Lucas_Portilho_da_Cunha_-_Copiar_-_Copiar.pptxAULA03_VALVULAS_Lucas_Portilho_da_Cunha_-_Copiar_-_Copiar.pptx
AULA03_VALVULAS_Lucas_Portilho_da_Cunha_-_Copiar_-_Copiar.pptx
 
EBO de Válvulas - Gaveta, Esfera, borboleta e etc.
EBO de Válvulas - Gaveta, Esfera, borboleta e etc.EBO de Válvulas - Gaveta, Esfera, borboleta e etc.
EBO de Válvulas - Gaveta, Esfera, borboleta e etc.
 
Apresentação Hidraulica - Válvulas - 2018-1.pdf
Apresentação Hidraulica - Válvulas - 2018-1.pdfApresentação Hidraulica - Válvulas - 2018-1.pdf
Apresentação Hidraulica - Válvulas - 2018-1.pdf
 
Válvulas - Seminário.pptx
Válvulas - Seminário.pptxVálvulas - Seminário.pptx
Válvulas - Seminário.pptx
 
Válvulas
VálvulasVálvulas
Válvulas
 
07a - Válvulas - V2017a.pdf
07a - Válvulas - V2017a.pdf07a - Válvulas - V2017a.pdf
07a - Válvulas - V2017a.pdf
 
Valvcont.pptx
Valvcont.pptxValvcont.pptx
Valvcont.pptx
 
Docsity sistemas-fluidomecanicos-1
Docsity sistemas-fluidomecanicos-1Docsity sistemas-fluidomecanicos-1
Docsity sistemas-fluidomecanicos-1
 
Aula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptx
Aula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptxAula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptx
Aula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptx
 
Valvulas
ValvulasValvulas
Valvulas
 
Equipamentos Para ManutençãO
Equipamentos Para ManutençãOEquipamentos Para ManutençãO
Equipamentos Para ManutençãO
 
Apostila de-valvulas-industriais-petrobras
Apostila de-valvulas-industriais-petrobrasApostila de-valvulas-industriais-petrobras
Apostila de-valvulas-industriais-petrobras
 
Valvulas industriais (2)
Valvulas industriais (2)Valvulas industriais (2)
Valvulas industriais (2)
 
Valvulas industriais
Valvulas industriaisValvulas industriais
Valvulas industriais
 
Bombas industriais
Bombas industriaisBombas industriais
Bombas industriais
 
ValvSegurança.ppt
ValvSegurança.pptValvSegurança.ppt
ValvSegurança.ppt
 
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
 
Bomba hidráulica
Bomba hidráulicaBomba hidráulica
Bomba hidráulica
 
Aula 12 atuadores e elementos finais
Aula 12   atuadores e elementos finaisAula 12   atuadores e elementos finais
Aula 12 atuadores e elementos finais
 

Mais de Homero Alves de Lima

Livro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresaLivro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresaHomero Alves de Lima
 
Simulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologiasSimulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologiasSimulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 
Simulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologiasSimulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologiasSimulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologiasCaderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 
Aula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologiasAula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 
Aula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologiasAula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 
Aula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologiasAula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 
Aula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologiasAula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 
Aula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologiasAula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 
Aula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologiasAula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 
Aula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologiasAula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 
Aula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologiasAula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 
Aula 01 de matemática e suas tecnologias
Aula 01 de matemática e suas tecnologiasAula 01 de matemática e suas tecnologias
Aula 01 de matemática e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 
Conteúdo programático matemática e suas tecnologias
Conteúdo programático matemática e suas tecnologiasConteúdo programático matemática e suas tecnologias
Conteúdo programático matemática e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 

Mais de Homero Alves de Lima (20)

Livro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresaLivro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresa
 
Sumulando uma prova do enem
Sumulando uma prova do enemSumulando uma prova do enem
Sumulando uma prova do enem
 
Simulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologiasSimulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologias
 
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologiasSimulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
 
Simulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologiasSimulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologias
 
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologiasSimulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologias
 
Aula 02 redação
Aula 02 redaçãoAula 02 redação
Aula 02 redação
 
Aula 01 redação
Aula 01 redaçãoAula 01 redação
Aula 01 redação
 
Conteúdo programático redação
Conteúdo programático redaçãoConteúdo programático redação
Conteúdo programático redação
 
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologiasCaderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
 
Aula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologiasAula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologiasAula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologiasAula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologiasAula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologiasAula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologiasAula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologiasAula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologiasAula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 01 de matemática e suas tecnologias
Aula 01 de matemática e suas tecnologiasAula 01 de matemática e suas tecnologias
Aula 01 de matemática e suas tecnologias
 
Conteúdo programático matemática e suas tecnologias
Conteúdo programático matemática e suas tecnologiasConteúdo programático matemática e suas tecnologias
Conteúdo programático matemática e suas tecnologias
 

Último

BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 

Último (20)

BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 

09 aula valvulas da industria de petroleo

  • 1. VÁLVULAS DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO
  • 2. Interior de uma Válvula
  • 3. Peças de Uma válvula
  • 7. Válvulas Agulha Válvula destinada a limitar a pressão na rede, regulando o ponteiro do manômetro de acordo com as necessidades do usuário.
  • 9. Válvula Portinhola • Normalmente apresenta como obturador um disco (portinhola) • A obstrução do escoamento se dá quando o fluido não apresenta pressão suficiente para manter a portinhola aberta • Ou impedir a inversão no sentido de escoamento • Retenção com portinhola é indicada para operar em linhas de líquidos, gases, sujeitas a pequenas tendências de inversão de sentido do fluxo, • Não se recomendam para fluxos pulsantes e/ou com alta velocidade de escoamento.
  • 10. Válvula Pistão - Retenção
  • 11. Válvula Pistão - Retenção • Causa elevada perda de carga, decorrente da brusca mudança que sofre o fluido, e da necessidade de através da pressão do fluido elevar o obturador e prover a abertura da válvula. • O fechamento ocorre quando há necessidade de inversão de sentido do fluxo, inexistindo pressão do fluido no sentido de fechamento, acomodando-se sobre a sua sede. • Válvulas de retenção horizontal são utilizadas em linhas de alta velocidade de escoamento, gases e líquidos. • Para fluidos de alta viscosidade, como óleos e graxas,os obturadores de esfera são os mais recomendáveis.
  • 12. Válvula Globo • São normalmente empregadas em serviços que requerem operações freqüentes de abertura e fechamento, bem como controle de vazão em qualquer graduação desejada. • Vantagens : Permite o controle parcial do fluxo Abertura e fechamento mais rápido que da válvula de gaveta As características construtivas da sede-obturador permitem estanqueidade total Manutenção favorecida pelo fácil acesso aos componentes internos, sem remover a válvula da linha Aplicável em ampla faixa de pressão/temperatura • Desvantagens Não admite fluxo nos dois sentidos Perda de carga elevada
  • 15. Válvula Gaveta • A principal característica da válvula gaveta está na sua mínima obstrução a passagem de fluxo, quando totalmente aberta, proporcionando baixa turbulência, com um diferencial de pressão quase insignificante. • Isto é possível, porque o seu sistema de vedação (obturador) atua perpendicularmente a linha de fluxo. Normalmente as válvulas gavetas são empregadas em processos onde não se necessitam operações freqüentes de abertura e fechamento, pois o seu manuseio é mais lento quando comparado ao de outros tipos de válvulas. • Não são aconselháveis para uso em regulagens e estrangulamentos, pois os obturadores em posição intermediária, como também as sedes, podem sofrer desgastes por erosão, em razão do brusco aumento de velocidade do fluido nessas circunstâncias, proporcionando vibrações e ruídos indesejáveis. Vantagens Passagem totalmente desimpedida quando aberta Estanque para quaisquer tipos de fluidos Aplicável em ampla faixa de pressão/temperatura Permite fluxo nos dois sentidos Desvantagens Não se aplica a regulagem e estrangulamento do fluxo Ocupa grande volume devido ao movimento de translação do obturador
  • 17. Válvula Esfera  Este tipo de válvula normalmente utilizada para bloqueio em linhas de uso geral é caracterizada pela forma esférica do elemento de vedação. Caracteriza-se também pela sua rapidez na operação é necessário apenas um quarto de volta para se operar este tipo de válvula.  Oferece ótima estanqueidade, mesmo em alta pressão e perda de carga quase desprezível (quando construída em passagem plena).  A válvula esfera não é recomendada para serviços de regulagem de fluxo, devido a geometria do seu obturador esfera.
  • 18. Válvula Esfera Vantagens Abertura e fechamento rápidos As características construtivas do conjunto-sede, bem como os materiais utilizados neste conjunto, garantem acionamento suave e estanqueidade total. Baixa perda de carga, quando construída em passagem plena. Aplicáveis em ampla gama de pressões. Desvantagens A necessidade de utilização de materiais resilientes nas sedes, limita a gama de temperatura de utilização deste tipo de válvula. Não é indicada sua utilização em fluidos que possuam camadas sólidas em suspensão. Não são recomendadas para controles de vazão parciais.
  • 20. Válvula Solenoide • A corrente elétrica aciona o êmbolo, abrindo ou fechando a válvula. O corpo da válvula contém um dispositivo que permite a passagem ou não do fluido, quando a haste é acionada pela força eletromagnética da bobina. O pino é “puxado” para o centro da bobina por esta força, permitindo assim a passagem do liquido.
  • 22. Válvula Borboleta A válvula borboleta tem por função a regulagem e o bloqueio do fluxo em uma canalização. É utilizada principalmente em sistemas de água doce bruta ou tratada, e em estações de tratamento de água e de esgotos. A água não deve exceder a temperatura de 60° C e a pressão interna de 1,6 BAR.
  • 23. Arvore de Natal A arvore de Natal fica no fundo do mar. Ela serve para controlar a saída de óleo do poço É uma valvula do tipo gaveta É regulada pelo ROV o mini submarino que é comandado por operadores na plataforma
  • 24. Manifolds O manifold é um equipamento de passagem e de manobra da produção, onde o óleo é agrupado em um mesmo coletor
  • 25. Manifolds Manifold para instalação do PIG PIG é o elemento de limpeza da tubulação
  • 28. Manifolds Manifolds são estruturas de tubulações e válvulas que servem para controlar a entrada de petróleo na Plataforma. Na entrada da plataforma pode acontecer de haver um aumento súbito de pressão, por causa de gás no poço ou excesso do fluido de lubrificação da broca ou excesso de pressão da água de injeção no poço. Se acontecer esse aumento de pressão, o petróleo é desviado para uma tubulação que fecha a entrada por precaução. Essa válvula chama-se B.O.P. (Blow Out Preventer) Prevenção de Explosão São um conjunto de válvulas do tipo gaveta que fecha e estanqueiam o poço.
  • 29. Válvula BOP É uma válvula do tipo Gaveta, que fecha a entrada de Óleo na Plataforma
  • 30. Questionário • 1 – Quais os tipos de válvulas? • 2 – Quais as válvulas usadas pelo BOP? • 3 – Qual o tipo de válvula usada no tratamento da água de injeção? • 4 – Qual o tipo de válvula para impedir retorno de fluxo? • 5 – O que é manifold? • 6 – O que é arvore de Natal? • 7 – Que tipo de válvula existe na arvore de Natal?
  • 31. FIM