SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
ELEVAÇÃO
PROFESSOR ANDERSON PONTES
INTRODUÇÃO
• QUANDO A PRESSÃO DO RESERVATÓRIO É SUFICIENTEMENTE ELEVADA, OS
FLUIDOS NELE CONTIDOS ALCANÇAM LIVREMENTE A SUPERFÍCIE, DIZENDO
QUE SÃO PRODUZIDOS POR ELEVAÇÃO NATURAL. OS POÇOS QUE
PRODUZEM DESSA FORMA SÃO DENOMINADOS POÇOS SURGENTES.
• QUANDO O RESERVATÓRIO NÃO TEM PRESSÃO SUFICIENTE OU QUANDO O
POÇO SURGENTE ESTÁ NO FINAL DE SUA VIDA PRODUTIVA, TORNA-SE
NECESSÁRIO MÉTODOS ARTIFICIAIS PARA RETIRAR OS FLUIDOS.
MÉTODOS DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL MAIS
COMUNS
Elevação
artificial
Gas-lift
Bombeio centrífugo submerso
Bombeio mecânico por hastes
Bombeio por cavidades
progressivas
FATORES A SEREM CONSIDERADOS
• NÚMERO DE POÇOS
• DIÂMETRO DO REVESTIMENTO
• PRODUÇÃO DE AREIA
• RGO
• RGA
• VAZÃO
• PROFUNDIDADE DO
RESERVATÓRIO
• VISCOSIDADE DOS FLUIDOS
• MECANISMO DE PRODUÇÃO
DO RESERVATÓRIO
• DISPONIBILIDADE DE ENERGIA
• ACESSO AOS POÇOS
• CUSTO OPERACIONAL
• CONDIÇÕES FÍSICAS DO
ENTORNO DO POÇO
ELEVAÇÃO NATURAL
• NA ELEVAÇÃO NATURAL DO PETRÓLEO, O FLUXO DOS FLUIDOS
DESDE O RESERVATÓRIO ATÉ AS FACILIDADES DE PRODUÇÃO É
DEVIDO UNICAMENTE A ENERGIA DO RESERVATÓRIO.
• COMPARANDO-SE AOS POÇOS QUE PRODUZEM POR ELEVAÇÃO
ARTIFICIAL, OS SURGENTES PRODUZEM COM MENORES
PROBLEMAS OPERACIONAIS DEVIDO A SIMPLICIDADE DOS
EQUIPAMENTOS DE SUPERFÍCIE E SUBSUPERFÍCIE E CONSEQUENTE
MENOR CUSTO.
FATORES QUE INFLUENCIAM NA
PRODUÇÃO POR SURGÊNCIA
• PROPRIEDADES DO FLUIDO
• INDICIE DE PRODUTIVIDADE DO
POÇO
• MECANISMO DE PRODUÇÃO DO
RESERVATÓRIO
• DANO CAUSADO Á FORMAÇÃO
PRODUTORA
• APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE
ESTIMULAÇÃO
• ADEQUADO ISOLAMENTO DAS
ZONAS DE ÁGUA E GÁS.
• ADEQUADO CONTROLE DE
PRODUÇÃO DOS POÇOS ATRAVÉS
DE TESTES PERIÓDICOS DE
PRODUÇÃO.
• ESTUDO E ACOMPANHAMENTO DA
QUEDA DE PRESSÃO DO
RESERVATÓRIO
ETAPAS DE FLUXO
Fluxo na superfície
Fluxo na coluna de produção
Fluxo no meio poroso
REGULADOR DE FLUXO
• TEM POR OBJETIVO RESTRINGIR
A VAZÃO DO FLUIDO,
PERMITINDO-SE QUE SE
OBTENHA UMA PRODUÇÃO
COMPATÍVEL COM AS
CARACTERÍSTICAS DO
RESERVATÓRIO.
GAS-LIFT
• MÉTODO ARTIFICIAL DE ELEVAÇÃO QUE UTILIZA A ENERGIA
CONTIDA EM UM GÁS COMPRIMIDO PARA ELEVAR
FLUIDOS ATÉ A SUPERFÍCIE.
• MÉTODO VERSÁTIL EM TERMOS DE VAZÃO E DE
PROFUNDIDADE.
• É PROPÍCIO PARA RESERVATÓRIOS QUE POSSUEM ALTA
PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS E ELEVADA RGO.
TIPOS DE GAS-LIFT
GAS-LIFT CONTÍNUO
• Injeção contínua de gás a alta pressão na coluna de produção
com o objetivo de gaseificar o fluido desde o ponto de injeção
até a superfície. Isso faz com que aconteça um maior diferencial
de pressão e consequente aumento de vazão.
GAS-LIFT INTERMITENTE
• Deslocamento de golfadas de fluido para a superfície através
da injeção de gás a alta pressão na base das golfadas. Essa
injeção possui tempos bem definidos e é controlada na
superfície.
SISTEMADEGAS-LIFT
TIPOSDEINSTALAÇÕES
DOGAS-LIFT
BOMBEIO CENTRIFUGO SUBMERSO (BCS)
• NESTE TIPO DE BOMBEIO, A ENERGIA É TRANSMITIDA PARA
O FUNDO DO POÇO DO POÇO ATRAVÉS DE UM CABO
ELÉTRICO. LÁ, A ENERGIA ELÉTRICA É TRANSFORMADA EM
ENERGIA MECÂNICA ATRAVÉS DE UM MOTOR DE
SUBSUPERFÍCIE, O QUAL ESTÁ DIRETAMENTE CONECTADO
A UMA BOMBA CENTRÍFUGA. ESTA TRANSMITE A ENERGIA
PARA O FLUIDO SOB A FORMA DE PRESSÃO, ELEVANDO-O
PARA A SUPERFÍCIE.
SISTEMADEBOMBEIO
CENTRIFUGO
SUBMERSO
BOMBEIO MECÂNICO POR HASTES
• NESTE MÉTODO DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL O MOVIMENTO
ROTATIVO DE UM MOTOR ELÉTRICO OU DE COMBUSTÃO INTERNA
É TRANSFORMADO EM MOVIMENTO ALTERNATIVO POR UMA
UNIDADE DE BOMBEIO LOCALIZADA PRÓXIMO A CABEÇA DO
POÇO. UMA COLUNA DE HASTES TRANSMITE O MOVIMENTO
ALTERNATIVO PARA O FUNDO DO POÇO, ACIONANDO UMA
BOMBA QUE ELEVA OS FLUIDOS PRODUZIDOS PELO RESERVATÓRIO
A SUPERFÍCIE.
SISTEMADEBOMBEIO
MECÂNICO
CICLO DE BOMBEIO
UPSTROKE
DOWNSTROKE
UPSTROKE
DOWNSTROKE
CICLO DE BOMBEIO
UPSTROKE
• O peso do fluido que está dentro da coluna de produção mantém
a válvula de passeio fechada. A baixa pressão criada na camisa
da bomba abaixo do pistão e acima da válvula de pé faz com
que esta se abra, permitindo a passagem do fluido que está no
anular para o interior da bomba. Todo o fluido que está acima do
pistão é elevado com as hastes e nos ciclos seguintes é levado aos
vasos separadores.
CICLO DE BOMBEIO
DOWNSTROKE
• Os fluidos que estão na camisa da bomba são comprimidos
fechando a válvula de pé. Como o pistão continua descendo, a
pressão acima e abaixo da válvula de passeio se igualam e esta
abre, permitindo a passagem de fluido para cima do pistão. Ao
atingir o final do curso descendente e iniciar o curso ascendente a
válvula de passeio fecha, e a de pé abre, iniciando um novo ciclo.
CICLODEBOMBEIO
UNIDADE DE BOMBEIO
• EQUIPAMENTO
QUE CONVERTE O
MOVIMENTO DE
ROTAÇÃO DO
MOTOR EM
MOVIMENTO
ALTERNATIVO DAS
HASTES.
BOMBEIO POR CAVIDADES PROGRESSIVAS
• NESTE TIPO DE BOMBEIO A TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA AO
FLUIDO É FEITA ATRAVÉS DE UMA BOMBA DE CAVIDADES
PROGRESSIVAS. É UMA BOMBA DE DESLOCAMENTO POSITIVO QUE
TRABALHA IMERSA EM UM POÇO DE PETRÓLEO, CONSTITUÍDA DE
UM ROTOR E UM ESTATOR.
• O ROTOR AO GIRAR NO INTERIOR DO ESTATOR ORIGINA UM
MOVIMENTO AXIAL DAS CAVIDADES, PROGRESSIVAMENTE, NO
SENTIDO DA SUCÇÃO PARA A DESCARGA, REALIZANDO A AÇÃO
DE BOMBEIO.
BOMBEIO POR CAVIDADES PROGRESSIVAS
SISTEMADEBCS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Completacao
CompletacaoCompletacao
Completacaoivopedro
 
Fluidos de Perfuração
Fluidos de Perfuração Fluidos de Perfuração
Fluidos de Perfuração Anderson Pontes
 
Equipamentos de uma sonda de perfuração
Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoEquipamentos de uma sonda de perfuração
Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoAnderson Pontes
 
Procedimento de uma unidade de Bombeio
Procedimento de uma  unidade de BombeioProcedimento de uma  unidade de Bombeio
Procedimento de uma unidade de BombeioVictor Said
 
LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.
LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.
LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.LATEC - UFF
 
Dimensionamento do sistema de recirculação de lama e problemas de desenvolvim...
Dimensionamento do sistema de recirculação de lama e problemas de desenvolvim...Dimensionamento do sistema de recirculação de lama e problemas de desenvolvim...
Dimensionamento do sistema de recirculação de lama e problemas de desenvolvim...slides-mci
 
Curso de Bombeio Mecânico - Rutácio Costa
Curso de Bombeio Mecânico - Rutácio CostaCurso de Bombeio Mecânico - Rutácio Costa
Curso de Bombeio Mecânico - Rutácio CostaMeg Medeiros
 
Processamento de gas natural
Processamento de gas naturalProcessamento de gas natural
Processamento de gas naturalGabriel Costa
 
Lista de exercícios perfuração resolução
Lista de exercícios perfuração   resoluçãoLista de exercícios perfuração   resolução
Lista de exercícios perfuração resoluçãoPedro Monteiro
 
Prospecção de Petróleo
Prospecção de PetróleoProspecção de Petróleo
Prospecção de PetróleoAnderson Pontes
 
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...Sydney Dias
 
Recuperação suplementar
Recuperação suplementarRecuperação suplementar
Recuperação suplementaramanda_braun
 

Mais procurados (20)

RESERVATÓRIOS
RESERVATÓRIOSRESERVATÓRIOS
RESERVATÓRIOS
 
Completacao
CompletacaoCompletacao
Completacao
 
Aula rev
Aula revAula rev
Aula rev
 
Fluidos de Perfuração
Fluidos de Perfuração Fluidos de Perfuração
Fluidos de Perfuração
 
reservatórios
 reservatórios  reservatórios
reservatórios
 
Reservatórios aula 4
Reservatórios   aula 4Reservatórios   aula 4
Reservatórios aula 4
 
Equipamentos de uma sonda de perfuração
Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoEquipamentos de uma sonda de perfuração
Equipamentos de uma sonda de perfuração
 
Procedimento de uma unidade de Bombeio
Procedimento de uma  unidade de BombeioProcedimento de uma  unidade de Bombeio
Procedimento de uma unidade de Bombeio
 
Operações especiais de perfuração
Operações especiais de perfuraçãoOperações especiais de perfuração
Operações especiais de perfuração
 
LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.
LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.
LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.
 
Slides perfuracao05 unidade_ii[2]
Slides perfuracao05 unidade_ii[2]Slides perfuracao05 unidade_ii[2]
Slides perfuracao05 unidade_ii[2]
 
Análise reservatório poço
Análise reservatório   poçoAnálise reservatório   poço
Análise reservatório poço
 
Dimensionamento do sistema de recirculação de lama e problemas de desenvolvim...
Dimensionamento do sistema de recirculação de lama e problemas de desenvolvim...Dimensionamento do sistema de recirculação de lama e problemas de desenvolvim...
Dimensionamento do sistema de recirculação de lama e problemas de desenvolvim...
 
Curso de Bombeio Mecânico - Rutácio Costa
Curso de Bombeio Mecânico - Rutácio CostaCurso de Bombeio Mecânico - Rutácio Costa
Curso de Bombeio Mecânico - Rutácio Costa
 
Bombas industriais
Bombas industriaisBombas industriais
Bombas industriais
 
Processamento de gas natural
Processamento de gas naturalProcessamento de gas natural
Processamento de gas natural
 
Lista de exercícios perfuração resolução
Lista de exercícios perfuração   resoluçãoLista de exercícios perfuração   resolução
Lista de exercícios perfuração resolução
 
Prospecção de Petróleo
Prospecção de PetróleoProspecção de Petróleo
Prospecção de Petróleo
 
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
 
Recuperação suplementar
Recuperação suplementarRecuperação suplementar
Recuperação suplementar
 

Destaque

Trabalho recuperaçao do petroleo
Trabalho recuperaçao do petroleoTrabalho recuperaçao do petroleo
Trabalho recuperaçao do petroleoEvanice Medeiros
 
Motores de Indução - Parte 5
Motores de Indução - Parte 5Motores de Indução - Parte 5
Motores de Indução - Parte 5Jim Naturesa
 
Tcc rubenia bruna do nascimento siqueira
Tcc   rubenia bruna do nascimento siqueiraTcc   rubenia bruna do nascimento siqueira
Tcc rubenia bruna do nascimento siqueirakkk468401681
 

Destaque (7)

Trabalho recuperaçao do petroleo
Trabalho recuperaçao do petroleoTrabalho recuperaçao do petroleo
Trabalho recuperaçao do petroleo
 
Motores de Indução - Parte 5
Motores de Indução - Parte 5Motores de Indução - Parte 5
Motores de Indução - Parte 5
 
História da minha vida
História da minha vidaHistória da minha vida
História da minha vida
 
Tcc rubenia bruna do nascimento siqueira
Tcc   rubenia bruna do nascimento siqueiraTcc   rubenia bruna do nascimento siqueira
Tcc rubenia bruna do nascimento siqueira
 
Oil and-gas-production-handbook
Oil and-gas-production-handbookOil and-gas-production-handbook
Oil and-gas-production-handbook
 
Gas Natural
Gas NaturalGas Natural
Gas Natural
 
Gás natural
Gás naturalGás natural
Gás natural
 

Semelhante a Elevação de Petróleo e Gás

Aula_18_Bombeio Centrífugo submerso.pdf
Aula_18_Bombeio Centrífugo submerso.pdfAula_18_Bombeio Centrífugo submerso.pdf
Aula_18_Bombeio Centrífugo submerso.pdfRebekaDeAquino
 
9_DISPOSITIVOS.pdf
9_DISPOSITIVOS.pdf9_DISPOSITIVOS.pdf
9_DISPOSITIVOS.pdfcasemods
 
APRESENTAÇÃO - BOMBAS DE DESL. POSITIVO - ALTERNATIVAS (branco).pptx
APRESENTAÇÃO - BOMBAS DE DESL. POSITIVO - ALTERNATIVAS (branco).pptxAPRESENTAÇÃO - BOMBAS DE DESL. POSITIVO - ALTERNATIVAS (branco).pptx
APRESENTAÇÃO - BOMBAS DE DESL. POSITIVO - ALTERNATIVAS (branco).pptxStephanieChristine2
 
Catalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdf
Catalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdfCatalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdf
Catalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdfDiegoINB
 
Aula compressores 2 s 2015
Aula compressores 2 s 2015Aula compressores 2 s 2015
Aula compressores 2 s 2015Vanessa Gröber
 
Aula 05 - Bombas Hidraulicas.pptxhsuige78wyg
Aula 05 - Bombas Hidraulicas.pptxhsuige78wygAula 05 - Bombas Hidraulicas.pptxhsuige78wyg
Aula 05 - Bombas Hidraulicas.pptxhsuige78wygcunhadealmeidap
 
APRESENTAÇÃO CURSO BALANÇO TÉRMICO- INSTALAÇÕES EVAPORAÇÃO AQUECEDORES APRESE...
APRESENTAÇÃO CURSO BALANÇO TÉRMICO- INSTALAÇÕES EVAPORAÇÃO AQUECEDORES APRESE...APRESENTAÇÃO CURSO BALANÇO TÉRMICO- INSTALAÇÕES EVAPORAÇÃO AQUECEDORES APRESE...
APRESENTAÇÃO CURSO BALANÇO TÉRMICO- INSTALAÇÕES EVAPORAÇÃO AQUECEDORES APRESE...LeonardoBuranello
 
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1endysarkis
 
Aula 04 - Ejetores INDUSTRIAIS , DEFINIÇÃO
Aula 04 - Ejetores INDUSTRIAIS , DEFINIÇÃOAula 04 - Ejetores INDUSTRIAIS , DEFINIÇÃO
Aula 04 - Ejetores INDUSTRIAIS , DEFINIÇÃOcunhadealmeidap
 
ground-school-c150-152-ano-2020-rev08.pdf
ground-school-c150-152-ano-2020-rev08.pdfground-school-c150-152-ano-2020-rev08.pdf
ground-school-c150-152-ano-2020-rev08.pdfAdriano605881
 
Bombas 01 introducao_dimensionamento.pdf
Bombas 01 introducao_dimensionamento.pdfBombas 01 introducao_dimensionamento.pdf
Bombas 01 introducao_dimensionamento.pdfPhillipe Leon
 
Reciclagem 4 - linhas de vapor
Reciclagem   4 - linhas de vaporReciclagem   4 - linhas de vapor
Reciclagem 4 - linhas de vaporconfidencial
 

Semelhante a Elevação de Petróleo e Gás (20)

Aula_18_Bombeio Centrífugo submerso.pdf
Aula_18_Bombeio Centrífugo submerso.pdfAula_18_Bombeio Centrífugo submerso.pdf
Aula_18_Bombeio Centrífugo submerso.pdf
 
9_DISPOSITIVOS.pdf
9_DISPOSITIVOS.pdf9_DISPOSITIVOS.pdf
9_DISPOSITIVOS.pdf
 
APRESENTAÇÃO - BOMBAS DE DESL. POSITIVO - ALTERNATIVAS (branco).pptx
APRESENTAÇÃO - BOMBAS DE DESL. POSITIVO - ALTERNATIVAS (branco).pptxAPRESENTAÇÃO - BOMBAS DE DESL. POSITIVO - ALTERNATIVAS (branco).pptx
APRESENTAÇÃO - BOMBAS DE DESL. POSITIVO - ALTERNATIVAS (branco).pptx
 
Caldeiras.ppt
Caldeiras.pptCaldeiras.ppt
Caldeiras.ppt
 
02 ciclo saturado simples
02 ciclo saturado simples02 ciclo saturado simples
02 ciclo saturado simples
 
Catalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdf
Catalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdfCatalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdf
Catalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdf
 
Aula compressores 2 s 2015
Aula compressores 2 s 2015Aula compressores 2 s 2015
Aula compressores 2 s 2015
 
Aula 05 - Bombas Hidraulicas.pptxhsuige78wyg
Aula 05 - Bombas Hidraulicas.pptxhsuige78wygAula 05 - Bombas Hidraulicas.pptxhsuige78wyg
Aula 05 - Bombas Hidraulicas.pptxhsuige78wyg
 
APRESENTAÇÃO CURSO BALANÇO TÉRMICO- INSTALAÇÕES EVAPORAÇÃO AQUECEDORES APRESE...
APRESENTAÇÃO CURSO BALANÇO TÉRMICO- INSTALAÇÕES EVAPORAÇÃO AQUECEDORES APRESE...APRESENTAÇÃO CURSO BALANÇO TÉRMICO- INSTALAÇÕES EVAPORAÇÃO AQUECEDORES APRESE...
APRESENTAÇÃO CURSO BALANÇO TÉRMICO- INSTALAÇÕES EVAPORAÇÃO AQUECEDORES APRESE...
 
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
 
Bombas hidráulicas
Bombas hidráulicasBombas hidráulicas
Bombas hidráulicas
 
Aula 04 - Ejetores INDUSTRIAIS , DEFINIÇÃO
Aula 04 - Ejetores INDUSTRIAIS , DEFINIÇÃOAula 04 - Ejetores INDUSTRIAIS , DEFINIÇÃO
Aula 04 - Ejetores INDUSTRIAIS , DEFINIÇÃO
 
ground-school-c150-152-ano-2020-rev08.pdf
ground-school-c150-152-ano-2020-rev08.pdfground-school-c150-152-ano-2020-rev08.pdf
ground-school-c150-152-ano-2020-rev08.pdf
 
spray_evapo2019.pdf
spray_evapo2019.pdfspray_evapo2019.pdf
spray_evapo2019.pdf
 
Gv 08 purgadores
Gv 08 purgadoresGv 08 purgadores
Gv 08 purgadores
 
Curso Tubulaes de Vapor.pdf
Curso Tubulaes de Vapor.pdfCurso Tubulaes de Vapor.pdf
Curso Tubulaes de Vapor.pdf
 
4 seleção de bombas e defeitos 2021
4   seleção de bombas e defeitos 20214   seleção de bombas e defeitos 2021
4 seleção de bombas e defeitos 2021
 
Bombas 01 introducao_dimensionamento.pdf
Bombas 01 introducao_dimensionamento.pdfBombas 01 introducao_dimensionamento.pdf
Bombas 01 introducao_dimensionamento.pdf
 
03 TIPOS DE COMPRESSORES.ppt
03 TIPOS DE COMPRESSORES.ppt03 TIPOS DE COMPRESSORES.ppt
03 TIPOS DE COMPRESSORES.ppt
 
Reciclagem 4 - linhas de vapor
Reciclagem   4 - linhas de vaporReciclagem   4 - linhas de vapor
Reciclagem 4 - linhas de vapor
 

Mais de Anderson Pontes

Pneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosPneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosAnderson Pontes
 
Manual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglêsManual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglêsAnderson Pontes
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoAnderson Pontes
 
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA IFerramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA IAnderson Pontes
 
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoGestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoAnderson Pontes
 
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoGestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoAnderson Pontes
 
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAOGestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAOAnderson Pontes
 
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇAGestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇAAnderson Pontes
 
Inglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e PronomesInglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e PronomesAnderson Pontes
 
TEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to scienceTEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to scienceAnderson Pontes
 
Análise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em MáquinasAnálise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em MáquinasAnderson Pontes
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosAnderson Pontes
 
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e GásIntrodução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e GásAnderson Pontes
 
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude OilTEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude OilAnderson Pontes
 
Inglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of TextsInglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of TextsAnderson Pontes
 
Inglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand ToolsInglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand ToolsAnderson Pontes
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoAnderson Pontes
 
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual Anderson Pontes
 

Mais de Anderson Pontes (20)

Pneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosPneumática - Principios
Pneumática - Principios
 
Manual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglêsManual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglês
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
 
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA IFerramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
 
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoGestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
 
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoGestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
 
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAOGestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAO
 
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇAGestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
 
Inglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e PronomesInglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
 
TEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to scienceTEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to science
 
Análise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em MáquinasAnálise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em Máquinas
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
 
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e GásIntrodução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
 
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude OilTEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
 
TEXTO - Hand Tools
TEXTO - Hand ToolsTEXTO - Hand Tools
TEXTO - Hand Tools
 
Inglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of TextsInglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of Texts
 
Inglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand ToolsInglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand Tools
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
 
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
 
Lubrificantes III
Lubrificantes IIILubrificantes III
Lubrificantes III
 

Último

Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfGisellySobral
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 

Elevação de Petróleo e Gás

  • 2. INTRODUÇÃO • QUANDO A PRESSÃO DO RESERVATÓRIO É SUFICIENTEMENTE ELEVADA, OS FLUIDOS NELE CONTIDOS ALCANÇAM LIVREMENTE A SUPERFÍCIE, DIZENDO QUE SÃO PRODUZIDOS POR ELEVAÇÃO NATURAL. OS POÇOS QUE PRODUZEM DESSA FORMA SÃO DENOMINADOS POÇOS SURGENTES. • QUANDO O RESERVATÓRIO NÃO TEM PRESSÃO SUFICIENTE OU QUANDO O POÇO SURGENTE ESTÁ NO FINAL DE SUA VIDA PRODUTIVA, TORNA-SE NECESSÁRIO MÉTODOS ARTIFICIAIS PARA RETIRAR OS FLUIDOS.
  • 3. MÉTODOS DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL MAIS COMUNS Elevação artificial Gas-lift Bombeio centrífugo submerso Bombeio mecânico por hastes Bombeio por cavidades progressivas
  • 4. FATORES A SEREM CONSIDERADOS • NÚMERO DE POÇOS • DIÂMETRO DO REVESTIMENTO • PRODUÇÃO DE AREIA • RGO • RGA • VAZÃO • PROFUNDIDADE DO RESERVATÓRIO • VISCOSIDADE DOS FLUIDOS • MECANISMO DE PRODUÇÃO DO RESERVATÓRIO • DISPONIBILIDADE DE ENERGIA • ACESSO AOS POÇOS • CUSTO OPERACIONAL • CONDIÇÕES FÍSICAS DO ENTORNO DO POÇO
  • 5. ELEVAÇÃO NATURAL • NA ELEVAÇÃO NATURAL DO PETRÓLEO, O FLUXO DOS FLUIDOS DESDE O RESERVATÓRIO ATÉ AS FACILIDADES DE PRODUÇÃO É DEVIDO UNICAMENTE A ENERGIA DO RESERVATÓRIO. • COMPARANDO-SE AOS POÇOS QUE PRODUZEM POR ELEVAÇÃO ARTIFICIAL, OS SURGENTES PRODUZEM COM MENORES PROBLEMAS OPERACIONAIS DEVIDO A SIMPLICIDADE DOS EQUIPAMENTOS DE SUPERFÍCIE E SUBSUPERFÍCIE E CONSEQUENTE MENOR CUSTO.
  • 6. FATORES QUE INFLUENCIAM NA PRODUÇÃO POR SURGÊNCIA • PROPRIEDADES DO FLUIDO • INDICIE DE PRODUTIVIDADE DO POÇO • MECANISMO DE PRODUÇÃO DO RESERVATÓRIO • DANO CAUSADO Á FORMAÇÃO PRODUTORA • APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE ESTIMULAÇÃO • ADEQUADO ISOLAMENTO DAS ZONAS DE ÁGUA E GÁS. • ADEQUADO CONTROLE DE PRODUÇÃO DOS POÇOS ATRAVÉS DE TESTES PERIÓDICOS DE PRODUÇÃO. • ESTUDO E ACOMPANHAMENTO DA QUEDA DE PRESSÃO DO RESERVATÓRIO
  • 7. ETAPAS DE FLUXO Fluxo na superfície Fluxo na coluna de produção Fluxo no meio poroso
  • 8. REGULADOR DE FLUXO • TEM POR OBJETIVO RESTRINGIR A VAZÃO DO FLUIDO, PERMITINDO-SE QUE SE OBTENHA UMA PRODUÇÃO COMPATÍVEL COM AS CARACTERÍSTICAS DO RESERVATÓRIO.
  • 9. GAS-LIFT • MÉTODO ARTIFICIAL DE ELEVAÇÃO QUE UTILIZA A ENERGIA CONTIDA EM UM GÁS COMPRIMIDO PARA ELEVAR FLUIDOS ATÉ A SUPERFÍCIE. • MÉTODO VERSÁTIL EM TERMOS DE VAZÃO E DE PROFUNDIDADE. • É PROPÍCIO PARA RESERVATÓRIOS QUE POSSUEM ALTA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS E ELEVADA RGO.
  • 10. TIPOS DE GAS-LIFT GAS-LIFT CONTÍNUO • Injeção contínua de gás a alta pressão na coluna de produção com o objetivo de gaseificar o fluido desde o ponto de injeção até a superfície. Isso faz com que aconteça um maior diferencial de pressão e consequente aumento de vazão. GAS-LIFT INTERMITENTE • Deslocamento de golfadas de fluido para a superfície através da injeção de gás a alta pressão na base das golfadas. Essa injeção possui tempos bem definidos e é controlada na superfície.
  • 13. BOMBEIO CENTRIFUGO SUBMERSO (BCS) • NESTE TIPO DE BOMBEIO, A ENERGIA É TRANSMITIDA PARA O FUNDO DO POÇO DO POÇO ATRAVÉS DE UM CABO ELÉTRICO. LÁ, A ENERGIA ELÉTRICA É TRANSFORMADA EM ENERGIA MECÂNICA ATRAVÉS DE UM MOTOR DE SUBSUPERFÍCIE, O QUAL ESTÁ DIRETAMENTE CONECTADO A UMA BOMBA CENTRÍFUGA. ESTA TRANSMITE A ENERGIA PARA O FLUIDO SOB A FORMA DE PRESSÃO, ELEVANDO-O PARA A SUPERFÍCIE.
  • 15. BOMBEIO MECÂNICO POR HASTES • NESTE MÉTODO DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL O MOVIMENTO ROTATIVO DE UM MOTOR ELÉTRICO OU DE COMBUSTÃO INTERNA É TRANSFORMADO EM MOVIMENTO ALTERNATIVO POR UMA UNIDADE DE BOMBEIO LOCALIZADA PRÓXIMO A CABEÇA DO POÇO. UMA COLUNA DE HASTES TRANSMITE O MOVIMENTO ALTERNATIVO PARA O FUNDO DO POÇO, ACIONANDO UMA BOMBA QUE ELEVA OS FLUIDOS PRODUZIDOS PELO RESERVATÓRIO A SUPERFÍCIE.
  • 18. CICLO DE BOMBEIO UPSTROKE • O peso do fluido que está dentro da coluna de produção mantém a válvula de passeio fechada. A baixa pressão criada na camisa da bomba abaixo do pistão e acima da válvula de pé faz com que esta se abra, permitindo a passagem do fluido que está no anular para o interior da bomba. Todo o fluido que está acima do pistão é elevado com as hastes e nos ciclos seguintes é levado aos vasos separadores.
  • 19. CICLO DE BOMBEIO DOWNSTROKE • Os fluidos que estão na camisa da bomba são comprimidos fechando a válvula de pé. Como o pistão continua descendo, a pressão acima e abaixo da válvula de passeio se igualam e esta abre, permitindo a passagem de fluido para cima do pistão. Ao atingir o final do curso descendente e iniciar o curso ascendente a válvula de passeio fecha, e a de pé abre, iniciando um novo ciclo.
  • 21. UNIDADE DE BOMBEIO • EQUIPAMENTO QUE CONVERTE O MOVIMENTO DE ROTAÇÃO DO MOTOR EM MOVIMENTO ALTERNATIVO DAS HASTES.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27. BOMBEIO POR CAVIDADES PROGRESSIVAS • NESTE TIPO DE BOMBEIO A TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA AO FLUIDO É FEITA ATRAVÉS DE UMA BOMBA DE CAVIDADES PROGRESSIVAS. É UMA BOMBA DE DESLOCAMENTO POSITIVO QUE TRABALHA IMERSA EM UM POÇO DE PETRÓLEO, CONSTITUÍDA DE UM ROTOR E UM ESTATOR. • O ROTOR AO GIRAR NO INTERIOR DO ESTATOR ORIGINA UM MOVIMENTO AXIAL DAS CAVIDADES, PROGRESSIVAMENTE, NO SENTIDO DA SUCÇÃO PARA A DESCARGA, REALIZANDO A AÇÃO DE BOMBEIO.
  • 28. BOMBEIO POR CAVIDADES PROGRESSIVAS