SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 97
EE
REVESTIMENTOREVESTIMENTO
CIMENTAÇÃOCIMENTAÇÃO
1 - O QUE É:
Posicionar pasta de cimento no anular revestimento
X poço.
2 - PORQUE?
Após pega da pasta, tem a obtenção de:
A- Integração revestimento formação
B- Proteção do revestimento
C- Isolamento e proteção das formações
CIMENTAÇÃO PRIMÁRIA
CIMENTAÇÃO DE REVESTIMENTO
1 - REVESTIMENTOS CONDUTORES E DE SUPERFÍCIE:
A: PRINCIPAL FUNÇÃO : Transmissão de peso dos outros
revestimentos às formações.
Necessidades de Boa Cimentação
( Excessos de 50% a 200% )
B: EM TERRA : Cimentados até a superfície
NO MAR : Cimentados até o “MUND-LINE”
* Condutores Cravados ou Jateados:
. Economia de tempo de sonda
. Prevenção de Erosão do Solo do Mar
C: BAIXAS TEMPERATURAS E PRESSÕES :
PASTAS LEVES E ACELERADAS
Aditivos: Extendedores : ↓ Peso
Viscosificantes : Ñ Decantação
Aceleradores : Reduzir T.pega.
D: STINGER :
O que é?
Coluna Inteira ( D.P. )
Funções :
. Diminuir Deslocamento
. Minimizar Contaminação
2 - CIMENTAÇÃO DE REVESTIMENTOS INTERMEDIÁRIOS
A: TOPO DO CIMENTO :
. Ñ há necessidades de atingir a superfície;
. Quando possível deve alcançar a sapata anterior;
. Deve cobrir o trecho sujeito a compressão.
l = p x L onde l = Trecho comprimido (M)
L= Comprimento da tubulação (M)
p= Peso da lama (PPG)
65.4
L
l
B: OPERAÇÃO :
. Pode ser realizada em 1 ou + estágios;
. Normalmente utilizan - se 2 pastas.
C: ADITIVOS :
. Extendedores
. Viscosificantes
. Retardadores : Aumentam T.pega.
. Dispersantes : Afinam a pasta
(MELHORES CONDIÇÕES DE MISTURA DE FLUXO)
3 - CIMENTAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE PRODUÇÃO
A: OPERAÇÃO :
. Maior rigor nos isolamentos;
. Qualidade da operação x avaliação e produtividade;
. 1 ou + pastas em 1 ou + estágios.
B: ADITIVOS :
. Já citados
. Controladores de filtrado: ↓ Perda de fluidos
Menor dano à formação
Menor desidratação da pasta
ETAPAS DE UMA OPERAÇÃO DE
CIMENTAÇÃO
1 . Circulação para condicionamento
2 . Teste de linhas / colchões
3 . Mistura da pasta
4 . Deslocamento da pasta
A: Pasta de Cimento : Cimento + água + aditivos;
B: Densidade da Pastas :
. Controla a proporção correta dos componentes da mistura.
. Característica das pastas são alteradas com a modificação (peso) :
3 - MISTURA E
BOMBEAMENTO DA PASTA :
Pasta + leve
+ Água
- Cimento
- Resistência
- Viscosa
+ Sedimentação
Pega + Demorada
- Controle Filtrado
Pasta + pesada
- Água
+ Cimento
+ Resistência
+ Viscosa
- Sedimentação
Pega - Demorada
+ Controle Filtrado
C: Método de Controle de Peso das Pastas :
. Balança de Lama Comum
- Necessidade de boa calibração
- Leitura < Real ( presença de ar )
. Balança Pressurizada
- Elimina efeito do ar
- Operação demorada
. Densitômetros Radioativo
tubo em “U”
- Acompanhamento contínuo
- Menos sensíveis à presença do ar
D: Esquema de Mistura das Pastas :
CIMENTO
ÁGUA
PASTA
E: Fatores que Influenciam o peso da Pasta :
. Altura de cimento no funil: ↑ H → ↑ p
. Jatos: ↓ Ø ( maior restrição ) → ↑ p
. By Pass: Controles de volume de água e cimento
. Pressão da Centrífuga: má operação → Bomba a Bomba
= ↑ P e ↓ V
1 - CONDICIONAMENTO DO POÇO / LAMA :
A: Porque Circular :
. Verificação circulação normal ( Vol.. Reves. + 20% )
. Ajustar propriedades da lama ( facilitar remoção )
. Resfriamento do poço ( 1 Bottom’s up )
Bottom’s up : Vol.......... Do anular até superfície
Ciclo : “Bottom’s up” + Vol................. Do revestimento
EXEMPLO: 9 5/8” - 47 # / Pé A 2.350 m
13 3/8” - 61 # / Pé A 1.100 m
Poço aberto 12 1/4” ( excesso 30% )
Vol. Revestimento = 0,0732 BBL/Pé x 2.350m x 3.281 =
= 564,4 BBL
Bottom’s up = ( 2,350 - 1,100 ) x 3,281 x 0,0558 BBL/Pé x
1,3 ) + 1.100 x 3,281 x 0,0622 = 522 BBL
Ciclo = 564,4 + 522 = 1086,4 BBL
2 - TESTE DE LINHAS E
BOMBEAMENTO DE COLCHÕES :
A: Porque Testar as Linhas? Vazamentos
B: Cuidados : . Ar tropeado
. Isolamento das bombas de lama
. Normalidade do retorno
. Bombeamento para o poço
C: Pressões dos Testes : . Normalmente 1.500 a 3.000 psi
. Plugs ssr ( flutuantes ) : 5.000 psi
D: Tempo : Aproximadamente 3 minutos
E: Teste Falho : Localização, reparo e novo teste
F: Porque Usar Colchões? . Turbulência
. Separação pasta x lama
. Remoção da lama
G: Que Colchão Utilizar?
Lama base água ou óleo
. Função de: Controle de filtrado ou não
Lavador ou espaçador
H: Quando Utilizar?
Hidrostática
Tempo de contato
. Função de
4 - DESLOCAMENTO DA PASTA
A: Liberação do Plug de Topo:
. Abrir válvula superior
. Retrair o pino trava
. Fechar válvula inferior
B: Deslocar com a unidade ou bomba de lama?
. Maior precisão X Maior vazão
* Bomba lama Retestar linhas:
C: Controle de Retorno :
D: Reduzir Vazão em Restrições e Antes do Plug Bater
E: Capacidade das Bombas :
. Triplex
C3 = 0,0002428D² x P onde C3 = BBL / STROKE
D = CAMISA (POL)
P = PISTÃO
. Duplex
C2 = 0,0001618(2D²-dh²) x P onde = Diâmetro haste (POL)
EFICIÊNCIA = 97%
hd
EFICIÊNCIA = 90%
PASTAS DE CIMENTO
1 - Pastas de cimento: Cimento + água + aditivos
2 - Aditivos :
A. Sólidos (%) : Peso em relação de cimento
. Exceção: Nacl Peso em relação peso de água
- Misturadas a Seco
- Pré - Hidratados
B. Líquidos (GPC): Volume em relação peso de cimento
3 - Volumes :
A. Bulk ar incorporado
Cimento: 94 LB/PE³
B. Absoluto imerso em água
Cimento: 26,17818 LB/GAL
Vabs < V Bulk ( sólidos )
Vabs = V Bulk ( líquidos )
ADITIVOS - TIPOS
- RETARDADORES
- ACELERADORES
- EXTENDEDORES
- DENSIFICADORES
- DISPERSANTES
- QUE PROMOVEM PROPRIEDADES TRIXOTROPICAS
- REDUTORES DE FILTRADO
- ANTIESPUMANTES ( PREVENTORES )
- ESPUMANTES
- ESTABILIZADORES CONTRA RETROGRESSÃO
- BLOQUEADORES DE GÁS
- “ COMBATEDORES DE PERDA ”
. COMO MISTURAR?
ÁGUA DOCE
1. ANTIESPUMANTE
- - - - - - - - - - - - - - - - - -
2. REDUTOR DE FILTRADO
3. DISPERSANTE
4. RETARDADOR
. AGITAÇÃO ANTES E DEPOIS
. QUEM VAI CUIDAR DA ÁGUA DE MISTURA
*SALINIDADE !!!!
BENTONITA
CLORETOS
CIMA C1 C2
L² CL
PREPARO DA ÁGUA DE
MISTURA
• ONDE PREPARAR?
• LIMPEZA
TANQUES
LINHAS
• QUANDO?
LIMPAR TANQUES
MISTURAR
• OPERADOR DA CIA. SERVIÇO DEVE ESTAR PRESENTE (VOCË TAMBÉM)
PORQUE USAR ADITIVOS ?
- A PASTA DE CIMENTO TEM QUE CHEGAR AO LUGAR CERTO
DENTRO DO POÇO
- SEM ENTRAR EM PEGA
- SEM SE MISTURAR COM OUTROS FLUIDOS NO POCO
- MANTENDO AS CARACTERISTICAS PRINCIPAIS DA PASTA.
(PESO, FLUIDEZ, CONTROLE DE FILTRADO)
óleo
Revestimento C
i
m
e
n
t
o
folhelho
água
gás
óleo
Canalização
Poço
Revestimento
CIMENTAÇÃO
EM DOIS
ÉSTÁGIOS
PROPRIEDADES DAS PASTAS
p ↑ p↓ M/p
FILTRADO < > MELHOR <
REOLOGIA > < ?
H2O LIVRE < > MELHOR <
BOMBEABILIDADE < > MELHOR >
RESIST. COMPR. > < MELHOR >
CUIDE DO PESO
CONDICIONAMENTO DA LAMA
PLUG DE FUNDO
COLCHÃO
PREPARO DA ÁGUA
CONTINUIDADE OPERACIONAL
4 - Propriedades das Pastas
A. Densidade da Pasta :
. Relação peso / volume
. Unidade usual: LB/GAL ( PPG)
. Indica a proporção de mistura
. Aditivos que alteram o peso:
- Extendedores :↑p ( EX: H2O, N2, MICRO-ESFERAS
* Viscosificantes atenuam o efeito da
sedimentação devido ao uso de
extendedores ( EX: BETONITA )
- Agentes de Peso : ↑p ( EX: BARITINA,
HEMATITA )
* ↓ H2O → ↑p ↑ VISCOSIDADE → DISPERSANTES
EXEMPLO: PASTA CIMENTO 44% H2O
p=?
Material
Cimento
Àgua
Peso
94 ( 1 PE³ ) x
44 x 94 = 41,36 x
135,36LB
Vol. Absoluto
0,0382
0,11995
Volume
= 3,5908
= 4,9611
8,5519 GAL
p = 135,36 = 15,83 LB/GAL
8,5519
D. Resistência à Compressão :
. Medida em PSI / HORAS ( PRENSA )
. Afetada pelo fator A / C : ↑ A / C → ↓ RESITÊNCIA
E. Bombeabilidade :
. Mede a facilidade com que certa pasta deixa-se
bombear.
. Depende de : - tempo decorrido após a mistura
- temperatura e pressão
- continuidade do bombeio
ACELERADORES
RETARDADORES
VISCOSIFICANTES
DISPERSANTES
. Consistômetro → Unidades de consistência (U.C)
- 100 uc = Tempo de espessamento (T.P)
- 50 uc = Limite de Bombeabilidade (T.P)
- aditivação da pasta
F. Perda D´Água :
. Mede a perda de fluido para um meio poroso
( Filtro Prensa → Filtrado )
. Depende de : - A/C
- temperatura e diferencial de pressão
- Aditivação da pasta →controladores
de filtrado.
G. Reologia :
. Grosseiramente traduz a viscosidade da pasta
. REÔMETRO → Leituras a 600 RPM, 300RPM, 200RPM ...
. Grande importância nas pastas de produção
→ Fluxos !
- PROBLEMAS USUAIS CAUSADOS POR :
Sedimentação e H2O livre
Poço Direcional
22
20.6
18.2
16
14.7
12.5
9.8
9
P= 15.8 LB/GAL
Poço Vertical
DESCIDA DE REVESTIMENTO
* VELOCIDADE DEPENDE DO PLANEJAMENTO
TÉCNICO DA GENPO
* DOIS OU MAIS TÉCNICOS
DEFINIR QUEM MANDA !
SEMPRE VERIFIQUE TUDO,
NÃO CONFIE EM NINGUÉM.
COLUNAS DE REVESTIMENTO
1 - O QUE É ?
Uma coluna de revestimento é constituída de
diversos tubos de aço unidos por conectores ou luvas
especiais, descidos num poço de petróleo, com a função
básica de sustentar as formações formadas pela broca.
2 - POR QUE USAMOS ?
- Evitar desmoronamento do poço;
- Evitar contaminação de aquíferos;
- Confinar a produção no interior do poço;
- Controlar pressões no poço;
- Permitir instalação dos equipamentos de superfície;
- Isolar intervalos portadores de fluidos diferentes.
A) QUANTO À FUNÇÃO
CLASSIFICAÇÃO
1 - CONDUTOR
2 - SUPERFÍCIE
3 - INTERMEDIÁRIO
4 - PRODUÇÃO
5 - LINER
1 - CONDUTOR
A - FINALIDADES:
* Evitar o solapamento (lavagem do pé da sonda);
* Suportar formações superficiais inconsolidadas;
* Isolar zonas de água doce.
B - CARACTERÍSTICAS:
* É o revestimento de maior diâmetro;
* Pode ser cravado, jateado ou cimentado;
* É cimentado em toda sua extensão.
C - DIÂMETROS USUAIS:
* 30” 20” 13 3/8”
2 - SUPERFÍCIE
A - FINALIDADES:
* Isolar zonas de água doce;
* Servir de base para a instalação
dos equipamentos de superfície;
* Suportar outras colunas de revestimento.
B - CARACTERÍSTICAS:
* É cimentado em toda sua extensão;
* Tem função estrutural.
C - DIÂMETROS USUAIS:
* 20” 18 5/8” 13 3/8”
10 3/4” 9 5/8”
3- INTERMEDIÁRIO
A - FINALIDADES:
* Isolar zonas de perda de circulação;
* Isolar zonas de pressões anormais;
* Isolar zonas de sal ou anidrita que
contaminam a lama;
* Isolar zonas de baixo gradiente de fratura.
B - CARACTERÍSTICAS:
* Pode existir mais de um revestimento intermediário;
* Pode ser programado ou não;
* Pode ser parcialmente recuperado
quando do abandono do poço.
C - DIÂMETROS USUAIS:
* 13 3/8” 10 3/4” 9 5/8”
(a)
(b)
(c)
(a) Revestimento Condutor
(b) Revestimento de Superfície
(c) Revestimento Intermediário
4 - PRODUÇÃO
A - FINALIDADES:
* Confinar a produção no interior do poço;
* Isolar zonas de água da zona produtora;
* Isolar reservatórios com fluidos ou
pressões diferentes.
B - CARACTERÍSTICAS:
* Alta resistência aos esforços;
* Exige boa qualidade da cimentação;
* Último revestimento a ser descido no poço;
* Pode ser cimentado em um ou dois estágios.
C - DIÂMETROS USUAIS:
* 9 5/8” 7” 5 1/2” 5”
LINER
DEFINIÇÃO: É uma coluna de revestimento que não chega até
a superfície. Fica suspenso no último revestimento descido.
A - FINALIDADES:
* Contornar limitações da cabeça do poço;
* Evitar coluna de perfuração muito fina para a fase
seguinte.
B - CARACTERÍSTICAS:
* Pode ser intermediário ou de produção;
* Pode ser, posteriormente, prolongado
até a superfície ( Tie back );
* Baixo custo.
C - DIÂMETROS USUAIS:
* 9 5/8”x13 3/8” 7”x9 5/8” 5”x7”
7 5/8”x9 5/8” 5 1/2”x7 5/8”
(a)
Revestimento
de Produção
(b)
Liner de
Produção
(c)
Tie Back
de Produção
MÉTODOS DE FABRICAÇÃO
Os tubos de revestimentos podem ser fabricados
segundo dois processos:
- COM COSTURA
- SEM COSTURA
Para os tubos sem costura temos dois processos utilizados
atualmente no Brasil:
- FORMAÇÃO U - O - E
- LINHA CONTÍNUA
REQUISITOS BÁSICOS DOS
TUBOS DE REVESTIMENTOS
* POSSUIREM RESISTÊNCIAS COMPATÍVEIS COM AS
SOLICITAÇÕES QUE LHE SERÃO IMPOSTAS;
* SEREM ESTANQUES;
* APRESENTAM FACILIDADES DE CONEXÃO;
* SEREM RESITENTES A CORROSÃO E A ABRASÃO
( INTERNAMENTE E EXTERNAMENTE)
* POSSUIREM PAREDES TÃO DELGADAS QUANTO
POSSÍVEL;
* MENOR CUSTO POSSÍVEL.
PADRONIZAÇÃO DO REVESTIMENTO
De acordo com o American Petroleum Institute ( API ) o
revestimento é padronizado em função de:
- DIÂMETRO EXTERNO
- EXPESSURA DA PAREDE
- PESO
- GRAU DO AÇO EMPREGADO NA FABRICAÇÃO
- COMPRIMENTO DO TUBO
- TIPO DE CONEXÃO
DIÂMETRO EXTERNO
Os diâmetros padronizados são:
4 1/2”
5”
5 1/2”
6 5/8”
7”
7 5/8”
8 5/8”
9 5/8”
10 3/4”
11 3/4”
13 3/8”
16”
18 5/8”
20”
GRAUS DE AÇO
PADRONIZADOS PELO API
Grau
H-40
J-55
K-55
C-75
L-80
N-80
C-90
C-95
P-110
Max.
40
55
55
75
80
80
90
95
110
Min.
80
80
80
90
95
110
105
110
140
60
75
95
95
95
100
100
105
125
Elongação
Mínima
(%)
29,5
24,0
19,5
19,5
19,5
18,5
18,5
18,0
15,0
Limite de
Escoamento
( x1000 psi )
Resist.
Tração
Min.
CONECTORES
ENGATE RÁPIDO
20”
ALT - EQP (VETCO)
ATL-2 - CMV (AG. PROF.)
30”
ST - EQP (VECTO)
ALT - EQP (VECTO)
ALT-2 -CMV (AG. PROF.)
CONECTORES
ROSQUEADOS
20”
LS - CMV
AR - EQP
RL-4 -CMV ???
LS-2 - CMV (AG. PROF.)
CM - EQP (AG. PROF.)
30”
DR - CMV (CRAVAÇÃO)
ER - EQP (CRAVAÇÃO)
PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS
DOS TIPOS DE CONEXÕES
1 - OITO FIOS POR POLEGADAS
- Baixa resistência à tração
2 - BUTTRESS
- Resistência à tração maior que o corpo do tubo
3 - EXTREME LINE
- Alta resistência da conexão
- Ótima resistência quanto à vazamentos
( mesmo sob altas pressões )
4 - HYDRILL
- Semelhante a Extreme Line
( diferenciando-se pelo perfil )
PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS
DOS TIPOS DE CONEXÕES
5 - CONECTORES VECTO DE ENCAIXE RÁPIDO
( ST E ALT)
- Eliminam as dificuldades de enrroscamento em
tubos de grande diâmetro
6 - CONECTORES VECTO ( C, L, LX )
- Rápido enrroscamento ( 4 a 5 voltas )
- Dificuldade para “montar” rosca
- Alta resistência a tração
TIPOS DE CONEXÃO
O API estabeleceu especificações para os seguintes
tipos de conexões:
- LUVA CURTA OITO FIOS
- LUVA LONGA OITO FIOS
- BUTTRESS
- EXTREME LINE
COMPRIMENTO DO TUBO
As normas API estabelecem três comprimentos para os
tubos, como pode ser visto na tabela que segue. No Brasil,
empregam-se tubos do range 3.
COMPRIMENTO DOS RANGES
DE REVESTIMENTO
Range
1
2
3
Comprimento do Range
( pé )
16 - 25
25 - 34
> 34
PESO TUBO
O peso Nomial, segundo a API, é igual ao
peso por pé teórico calculado para um tubo com 20
pés de comprimento, possuindo as extremidades
rosqueadas e com uma luva conectada, esse valor é
expresso em Ib/pé.
20 pés
FATORES CONSIDERADOS NO
CRITÉRIO PETROBRÁS
- PRESSÃO INTERNA
- PRESSÃO EXTERNA
- TRAÇÃO
- DOBRAMENTO
- DESGASTE
- GÁS SULFÍDRICO
PADRONIZAÇÃO
CUSTO
SEGURANÇA
CRITÉRIOS PARA
DIMENSIONAMENTO
DE COLUNAS DE
REVESTIMENTO NA
PETROBRÁS
TABLE 4 - Acceptable API and ASSIM Spacifications for tubular Goods
All materials listed in tables 1 through 3 are accepttable.
Materials listed in this table are accepttable under environmental condition noted
For All Temperatures For 65C (150F) or Greater For 80C (175F) or Greater
Tubing and Casing Tubing and Casing Tubing and Casing
API Spec 5A Gr H-40, API Spec 5A Gr N-80 (Q&T) API Spec 5A Gr H-40 & N-80
J-55 & K-55 5 AC Gr C-95 X Gr P-105 & P-110
5AC Gr C-75 & L-80
Proprietary Grades per Proprietary Q&T Grades with Proprietary Q&T Grades
Paragraph 3.3.3 110 Ksi or less maximum yield to 140 Ksi maximum yield
strength. strength.
Pipe
API Spec 5L Gr A & B
5LS Gr X-43 thru X-65
5LX Gr X-42 thru X-65
ASTM A-53
A-106 Gr A, B, C
A-333 Gr 1 & 6
A-524 GR 1 & 2
A-381 Cl 1 Y65
Drill Stem Materials
API Spec 5a Gr D & E
5AX Gr X-95, G-105
S-135 ( See 11.2.1.1)
API Spec 7
Aluminium 2014-TB ( UNS A 92014 )
Operating Temperatura
(1)
(5)
(7)
(6)
(3)
(2)
(7)
(7)
(4)
(1) Impact resistance may be required by other standards and codes for low operating temperatures.
(2) Continuous minimum temperature; for lower temperatures, select from column 1
(3) 80 Ksi maximum yield strengh permissible (latest revisiom of API 5A includes this requirement).
(4) Welded grades must meet the requiramentes of Selections 3 through 8
(5) For user under controlled environments as defined in Paragraph 11.1.2
(6) Maximum drilling fluid pH = 10.5.
(7) Grades X-56 through X-65 and Y56 through Y65 shall have a maximum hardness of HRC 22.
ACESSÓRIOS DA COLUNAS
DE REVESTIMENTO
1 - SAPATA:
- GUIA
- GUIA C/ SAÍDAS LATERAIS
- CEGA
- FLUTUANTE
- FLUTUANTE C/ SAÍDAS LATERAIS
- DIFERENCIAL
- FLEXIFLOW
São todos os elementos descidos com a coluna
de revestimento e cujas posições obedecem a uma
programação antecipada. A maioria destes acessórios
irão atuar como elementos de cimentação.
ACESSÓRIOS DA COLUNA
DE REVESTIMENTO
2 - COLAR:
- RETENTOR
- CEGO
- FLUTUANTE
- DIFERENCIAL
- FLEXIFLOW
- INSERTO
SAPATAS E COLARES
INSERTO
FLUTUANTE
TIPO FLAPPER
COLAR FLUTUANTE
COM SAÍDA LATERAL
SAPATA FLUTUANTE
COM SAÍDA LATERAL
INSERTO
FLUTUANTE
TIPO ESFERA
COLAR FLUTUANTE
TIPO POPET VALVE
COLAR FLUTUANTE
TIPO ESFERA
SAPATA FLUTUANTE
TIPO ESFERA
SAPATA FLUTUANTE
TIPO POPET VALVE
SAPATAS E COLARES
COLAR FLUTUANTE
TIPO FLAPPER
COLAR RETENTORSAPATA GUIA
SAPATAS E COLARES
SAPATA GUIA COM
SAÍDA LATERAL
SAPATAS E COLARES
SAPATA STAB-IN COM
VÁLVULA FLUTUANTE
SAPATA STAB-IN COM
LATCH DOWN PLUG
ACESSÓRIOS DA COLUNAS
DE REVESTIMENTO
3 - TAMPÕES:
FUNDO: Seque à frente da pasta com a finalidade
de remover a película de lama da parede interna do
revestimento. Possui uma película que se rompe quando
este atinge o colar, permitindo a continuidade do fluxo.
TOPO: Seque atrás da pasta com a finalidade de
separá-la da lama de deslocamento. Ao topar sobre o
tampão de fundo, o final do deslocamento será indicado.
PLUG DE TOPOPLUG DE FUNDO
PLUGS DE CIMENTAÇÃO
Top Releasing
Plug
Cap
Cement Inlet
D.V. Extension
Plug Container
Plug Release
Plunger
Assembly
Ball Release
Mechanism
Drill Pipe
Instalation
Tool
Pressume
Equelizer
Top Plug
Bottom Plug
Super Seal
Float Shoe
or Float
Collar
Bottom Plug
1 1/4
Weighted
Ball
Subsea
Head
Cemet
Latch-Down
Fluid
Displacing Fluid
Latch-Down
Plug
Top Plug
FIGURE 1 FIGURE 2
DISPLACING CEMENT
FIGURE 3
TOP PLUG LANDED
PLUG SSR
CENTRALIZADOR TIPO M
STOP RING
CENTRALIZADORES E STOP RINGS
ARRANHADORES
ARRANHADORES ROTATIVOS
ARRANHADORES DE RECIPROCAÇÃO
ACESSÓRIOS DA COLUNAS
DE REVESTIMENTO
4 - CENTRALIZADORES:
Centralizam o revestimento no poço, diminuindo a
canalização da pasta de cimento.
5 - ARRANHADORES (em desuso):
- VERTICAL
- ROTATIVO
6 - CESTA DE CIMENTAÇÃO
São equipamentos que impedem a queda da pasta de
cimento no anular.
CESTA DE CIMENTAÇÃO
ACESSÓRIOS DE COLUNAS
DE REVESTIMENTO
7 - COLAR DE ESTÁGIO:
É o equipamento que permite comunicar o interior
do revestimento com o anular em um ponto
pré-determinado e no momento desejado.
8- EXTERNAL CASING PACKER
(E.C.P.)
É o equipamento que permite promover uma
vedação perfeita entre a parede externa do
revestimento e o poço.
SEGUÊNCIA OPERACIONAL DE
UMA OPERAÇÃO EM 2 ESTÁGIOS
DEPER
MANUAL DE REVESTIMENTO
E CIMENTAÇÃO
CLOSING
PLUG
PLUG DE FECHAMENTO
FLEXI-PLUG DE TOPO DO 1º ESTÁGIO
BOMBA DE ABERTURA
SHUT-OFF BAFFLE
BYPASS
PLUG
FLEXI-PLUG DE FUNDO DO 1º ESTÁGIO
BYPASS
BAFFLE
14.09.84 5/7
EMISSÃO FOLHA
Fig.2
SEÇÃO CAPITULO UNIDADE
001 003 002
Opening
Bomb
Closing
Plug
Float
Shoe
Float
Colar
First
Stage
Sealing
Plug
1 2 3 4 5
DAVIS
Seal assembly
Expandable steel
back-up sleeve
Uninflated, Rum-in Size
Resilient rubber cover
Flexible steel
reiforcing vulcanized
into rubbler
Mandrel
( joint of casing )
Inflated Size
Inner tube
Expandable steel
back - up sleeve
Inflate limit valve
Check valve
Locking shut-off valve or opti_
onal delayed-opening valve
Optional break-off rod
Valva collar
EXTERNAL CASING PACKER
ECP
VALVE COLLAR
CHECK VALVE
OPTIONAL BREK-OFF ROD
LOCKING SHUT-OFFOR OPTIONAL
DELAYED-OPENIG VALVE
INFLATE LIMIT VALVE
UNINFLATE RUN-IN SIZE
RESILIENTE RUBBER COVER
FLEXIBLE STEEL REIFORCING
VULCANIZED INTO RUBBER
MANDREL ( JOINT OF CASING )
INTO TUBE
E.C.P
(INFLADO)
SHEAR PIN
(Pino de
Lizamento)
SHEAR PIN
FEHADA ABERTA TRAVADA
PROTETOR PLÁSTICO
ECP
ANNULUS CASING PACKER
ACP
VALVE BODY
COLLAR
SEE FIGURES 1-4
FOR VALVE SYSTEM DETAILS
VALVE SYSTEM
KNOCK-OFF PIN
INFLATABLE ELEMENT
SEAL ASSEMBLY
SIMGLE PIECE MANDREL
ANNULUS CASING PACKER
DETAIL “B”
VALVE EXTENSIOM
ALING LARGE HOLE IN
RETAINER AND EXTENSION
OPENING VALVE SHEAR PIN
RETAINER
ACP
DETAIL “A”
DETAIL “A”
DETAIL “B”
CLOSING VALVE
CLOSING VALVE
SHEAR PIN
SHEAR RING
VALVE RENOVALTOOL
RECEBIMENTO DA TUBULAÇÃO
ACESSÓRIOS
- COMPATIBILIDADE
. CONEXÃO
. PESO
. GRAU
- Nº SÉRIE, FABRICANTE, ETC.
- SAPATAS E COLARES FLUTUANTES
- COLAR DE ESTÁGIO
- ECP
- ACESSÓRIOS P/ LINER
- CENTRALIZADORES / STOP RING
- CABEÇA DE REVESTIMENTO
- OBS
- PLUGS DE CIIMENTAÇÃO
- RETIRAR PROTETORES CAIXA E PINO
- LIMPAR E INSPECIONAR CONEXÕES
- MEDIÇÃO E NUMERAÇÃO
- GABARITAR
- TER CERTEZA ABSOLUTA DO Nº DE TUBOS DA SONDA
EQUIPAMENTO DE DESCIDA
DE REVESTIMENTO
UNIDADE UTILIZADA TON CURTA
= 2.000 LIBRAS !!
•ELEVADOR AUXILIAR
• “ ‘’ SIDE DOOR
•CUNHAS MANUAIS
•CHAVE HIDRÁULICA
• “ ‘’ FLUTUANTE
•SENSOR/TORQUIMETRO
•CORDAS
•ELEVADORES/CUNHAS TIPO SPIDER
•COLAR DE SEGURANÇA
•PROTETORES NEOPRENE
•GRAXA
•RABICHO
•SISTEMA DE ABASTECIMENTO
•INSERT BOWL OU SPIDER
•MESA AUXILIAR
•CABEÇAS DE CIRCULAÇÃO
•ESCOVAS DE AÇO
•ARALBITE/ESPATULA
PROGRAMÇÃO DA COLUNA
E DA OPERAÇÃO
- SEGUIR O PROGRAMA DO POÇO
- CONVENIÊNCIA OPERACIONAL
STICK.UP PEQUENO
RAT HOLE ADEQUADO
CHECAR FUNDO
EVITAR TUBOS CURTOS
ÚLTIMO TUBO DRIFT
JUNTAS CURTAS P/ OBS E ECP
EVITAR PULAR TUBOS
- CÁLCULOS EXTRAS
•PESO DA COLUNA E GRÁFICO
•PREVISÃO DE PRESSÕES
•GANHO DE LAMA
- PROGRAMA DESCRITIVO COMPLETO
FISCAL
ENCARREGADO
SONDADOR
O.M.C
- REUNIÃO NTES DA OPERAÇÃO
COISAS QUE PODEM SER ADIANTADAS
1. SOLDA DE JUNTAS GRAU DO AÇO)
2. LIMPEZA ROSCAS A SEREM COLADAS
3. PRÉ ENROSCAMENTO DE ACESSÓRIOS
.SAPATA
.ECP
.OBS
.COLAR
.LINER
4. PASSAR GRAXA NA CAIXA DOS TUBOS
5. RETIRAR TUBOS QUE NÃO SERÃO USADOS
6. DEIXAR EQTO. DE DESCIDA À MÃO
- CONHEÇA O POÇO QUE VOÇÊ
VAI REVESTIR
LEIA E RELEIA!
BDP BRCT BDG
CONVERSE E PERGUNTE, ENCHA O .....
ENCARREGADO, ATF, ATG, FISCAL, SONDADOR
DESCIDA DO REVEST.
- PESCAR BUCHA (GABARITO)
- PREPARAR PLATAFORMA
- COMEÇO DE DESCIDA
- CHECAGEM FLUT
- SONDAS SS/NS
- DESCIDA
- ABASTEC.
- TORQUE (ESPELHO ?)
- CUIDADO ! NÃO INDUZA PERDAS
- SAIBA APROVEITAR AS PARADAS
- NÃO DEIXE A COLUNA PARAR EM POÇO ABERTO
- CONECTE CABEÇAS C/PLUG (SE POSSÍVEL)
- LINHAS PRONTAS COM ´Y ´
- PRONTO, ACABOU? ENTÃO CIRCULE
CÁLCULOS OPERACIONAIS
REVESTIMENTOS
1. PESO DE COLUNA
2. GANHO DE LAMA
3. POSIÇÃO DE LINHA NEUTRA
4. ELONGAÇÃO
CIMENTAÇÃO
1. GANHO NOS TANQUES
2. PREPARO DE CONCENTRADOS
3. MUDANÇA DE PASTA
4. VOLUME REAL MISTURADO
5. PRESSÃO MÁXIMA SOBRE PLUG
6. FLUTUAÇÃO
DESLOCAMENTO
+ VAZÃO TAMPÃO
LAMINAR
TURBULENTO
+ ONDE ESTÃO OS FLUIDOS AGORA
+ CONTROLE DE RETORNO
+ NÃO TESTE O REVESTIMENTO COM O PLUG !!!
B.RENDIMENTO :
. VOLUME DE PASTA OBTIDO/VOLUME “BULK” DO CIMENTO
EXEMPLO: RENDIMENTO DO EXEMPLO ANTERIOR?
O EXEMPLO ANTERIOR FOI CALCULADO PARA O VOLUME
BULK DO CIMENTO ____ 94 LB = 1 PE³
R = 8,5519 GAL / 1 PE³
EM UNIDADES USUAIS:
R = 1,143 PE³ / PE³ = 1,143
C.FATOR ÁGUA DE MISTURA:
EXEMPLO: FAM DO EXERCÍCIO ANTERIOR?
FAM = 4,9611 GPC
OBS.: NUNCA SE ESQUEÇA QUE QUANDO SE DIZ X% DE ÁGUA, QUER SE DIZER
VOLUME DE LÍQUIDO CORRESPONDENTE AO VOLUME DE ÁGUA À
TAXA DE X% EM RELAÇÃO AO CIMENTO.
MOVIMENTAÇÃO COLUNA
ROTAÇÃO - + EFICIENTE
* RECIPROCAÇÃO - + VIAVEL
*PODE SER FEITO DURANTE CIRCULAÇÃO TAMBÉM
CENTRALIZAÇÃO
* ZONAS DE PESQUISA ISOLAMENTO
CONTINUIDADE OPERACIONAL
• EVITAR PARADAS!!
GELEFICAÇÃO
LAMA - PASTA
• DEPENDE PLANEJAMENTO ADEQUADO
COLCHÕES
ESPAÇADOR - densidade ajustavel
LAVADOR - densidade água
*TEMPO CONTACTO ( 5 MIN OU +)
*REDUÇÃO HIDROSTÁTICA (INFLUXO DE HC)
*RELAÇÃO BENEFÍCIO/CUSTO
PREPARO DA ÁGUA DE MISTURA
*LIMPEZA TANQUE/LINHAS
*CUBAGEM DO TANQUE
*USO ÁGUA ADEQUADA
*NÃO MINIMIZAR VOLUME MORTO
*ORDEM DE ADIÇÃO DOS PRODUTOS
*BOTAR CÃO DE GUARDA
MOVIMENTAÇÃO DE COLUNA
DESLOCAMENTO
CENTRALIZAÇÃO
CONDICIONAMENTO DA LAMA
• TORNAR A LAMA MAIS SUSCETÍVEL À REMOÇÃO
• LIMITE DE ESCOAMENTO
• GÉIS
• TEMPERATURA
• MOVER TODA A LAMA NO POÇO
PLUG DE FUNDO
• LIMPAR O FILME DE LAMA
• PRESERVAR O COLCHÃO
• CUIDADO OPERACIONAL
AULA ÚNICA:
• NUNCA CONFIAR - SEMPRE VERIFICAR
• NUNCA ESTIMAR - SEMPRE CALCULAR
• CONTROLE DE QUALIDADE : UM DEVER
• RESPONSABILIDADE : UMA OBRIGAÇÃO
Termina
Apresentação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Métodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aulaMétodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aula
PublicaTUDO
 
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Sydney Dias
 
Tecnicas de Perfuração Off Shore
Tecnicas de Perfuração Off ShoreTecnicas de Perfuração Off Shore
Tecnicas de Perfuração Off Shore
André Jesus
 
Caderno de exercícios controle de poço
Caderno de exercícios   controle de poçoCaderno de exercícios   controle de poço
Caderno de exercícios controle de poço
Márcio Moreira
 
Lista de exercícios perfuração resolução
Lista de exercícios perfuração   resoluçãoLista de exercícios perfuração   resolução
Lista de exercícios perfuração resolução
Pedro Monteiro
 
15 aula torres de perfuração e equipamentos
15 aula torres de perfuração e equipamentos15 aula torres de perfuração e equipamentos
15 aula torres de perfuração e equipamentos
Homero Alves de Lima
 

Mais procurados (20)

Operações especiais de perfuração
Operações especiais de perfuraçãoOperações especiais de perfuração
Operações especiais de perfuração
 
Completação de Petróleo e Gás
Completação de Petróleo e GásCompletação de Petróleo e Gás
Completação de Petróleo e Gás
 
Métodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aulaMétodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aula
 
Equipamentos de uma sonda de perfuração
Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoEquipamentos de uma sonda de perfuração
Equipamentos de uma sonda de perfuração
 
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
 
subnível-sublevel
subnível-sublevelsubnível-sublevel
subnível-sublevel
 
Elevação de Petróleo e Gás
Elevação de Petróleo e GásElevação de Petróleo e Gás
Elevação de Petróleo e Gás
 
Tecnicas de Perfuração Off Shore
Tecnicas de Perfuração Off ShoreTecnicas de Perfuração Off Shore
Tecnicas de Perfuração Off Shore
 
07 coluna de perfuração portugues 90
07 coluna de perfuração portugues 9007 coluna de perfuração portugues 90
07 coluna de perfuração portugues 90
 
Caderno de exercícios controle de poço
Caderno de exercícios   controle de poçoCaderno de exercícios   controle de poço
Caderno de exercícios controle de poço
 
Lista de exercícios perfuração resolução
Lista de exercícios perfuração   resoluçãoLista de exercícios perfuração   resolução
Lista de exercícios perfuração resolução
 
reservatórios
 reservatórios  reservatórios
reservatórios
 
09 seleccion y evaluacion de barrenas
09 seleccion y evaluacion de barrenas09 seleccion y evaluacion de barrenas
09 seleccion y evaluacion de barrenas
 
Reservatórios aula 4
Reservatórios   aula 4Reservatórios   aula 4
Reservatórios aula 4
 
Métodos de elevação de petróleo
Métodos de elevação de petróleoMétodos de elevação de petróleo
Métodos de elevação de petróleo
 
Aula pre sal 4 perfuração de poços
Aula pre sal 4 perfuração de poçosAula pre sal 4 perfuração de poços
Aula pre sal 4 perfuração de poços
 
Reservatórios de Petróelo
Reservatórios de PetróeloReservatórios de Petróelo
Reservatórios de Petróelo
 
18 aula brocas
18 aula brocas18 aula brocas
18 aula brocas
 
Trabalho controlo de produção de areia em poços de petróleo
Trabalho controlo de produção de areia em poços de petróleoTrabalho controlo de produção de areia em poços de petróleo
Trabalho controlo de produção de areia em poços de petróleo
 
15 aula torres de perfuração e equipamentos
15 aula torres de perfuração e equipamentos15 aula torres de perfuração e equipamentos
15 aula torres de perfuração e equipamentos
 

Semelhante a Apresentação revestimento e cimentação

04 agregadosparaconcreto-150903171847-lva1-app6892
04 agregadosparaconcreto-150903171847-lva1-app689204 agregadosparaconcreto-150903171847-lva1-app6892
04 agregadosparaconcreto-150903171847-lva1-app6892
samira Ghanam Taha
 
2 absorçãodegases-tecnologiaquimica
2 absorçãodegases-tecnologiaquimica2 absorçãodegases-tecnologiaquimica
2 absorçãodegases-tecnologiaquimica
Fersay
 

Semelhante a Apresentação revestimento e cimentação (20)

Agregados
AgregadosAgregados
Agregados
 
04 agregadosparaconcreto-150903171847-lva1-app6892
04 agregadosparaconcreto-150903171847-lva1-app689204 agregadosparaconcreto-150903171847-lva1-app6892
04 agregadosparaconcreto-150903171847-lva1-app6892
 
tratamento de efluentes 2022 - primário - parte 2.pdf
tratamento de efluentes 2022 - primário - parte 2.pdftratamento de efluentes 2022 - primário - parte 2.pdf
tratamento de efluentes 2022 - primário - parte 2.pdf
 
Apresentacao ctoc
Apresentacao ctocApresentacao ctoc
Apresentacao ctoc
 
Fluidos de perfuração e completação_aula 1.pdf
Fluidos de perfuração e completação_aula 1.pdfFluidos de perfuração e completação_aula 1.pdf
Fluidos de perfuração e completação_aula 1.pdf
 
Concreto: Introdução
Concreto: IntroduçãoConcreto: Introdução
Concreto: Introdução
 
Tabelas concretos e_argamassas
Tabelas concretos e_argamassasTabelas concretos e_argamassas
Tabelas concretos e_argamassas
 
Concreto au adensavel folhetos
Concreto au adensavel folhetosConcreto au adensavel folhetos
Concreto au adensavel folhetos
 
Aula10
Aula10Aula10
Aula10
 
dimentub.ppt
dimentub.pptdimentub.ppt
dimentub.ppt
 
Flotação
FlotaçãoFlotação
Flotação
 
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBRCasos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
 
Decantação
DecantaçãoDecantação
Decantação
 
Sedimentação.pdf
Sedimentação.pdfSedimentação.pdf
Sedimentação.pdf
 
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
 
Cad Arq
Cad ArqCad Arq
Cad Arq
 
Aula 8 - Sedimentação - 2021 - ETAS.pptx
Aula 8 - Sedimentação - 2021 - ETAS.pptxAula 8 - Sedimentação - 2021 - ETAS.pptx
Aula 8 - Sedimentação - 2021 - ETAS.pptx
 
2 absorçãodegases-tecnologiaquimica
2 absorçãodegases-tecnologiaquimica2 absorçãodegases-tecnologiaquimica
2 absorçãodegases-tecnologiaquimica
 
GUIA_APEB.pdf
GUIA_APEB.pdfGUIA_APEB.pdf
GUIA_APEB.pdf
 
concreto e argamassas
concreto e argamassasconcreto e argamassas
concreto e argamassas
 

Último (6)

Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptxProposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
treinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticatreinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plástica
 
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
 

Apresentação revestimento e cimentação

  • 2. 1 - O QUE É: Posicionar pasta de cimento no anular revestimento X poço. 2 - PORQUE? Após pega da pasta, tem a obtenção de: A- Integração revestimento formação B- Proteção do revestimento C- Isolamento e proteção das formações CIMENTAÇÃO PRIMÁRIA
  • 3. CIMENTAÇÃO DE REVESTIMENTO 1 - REVESTIMENTOS CONDUTORES E DE SUPERFÍCIE: A: PRINCIPAL FUNÇÃO : Transmissão de peso dos outros revestimentos às formações. Necessidades de Boa Cimentação ( Excessos de 50% a 200% ) B: EM TERRA : Cimentados até a superfície NO MAR : Cimentados até o “MUND-LINE” * Condutores Cravados ou Jateados: . Economia de tempo de sonda . Prevenção de Erosão do Solo do Mar
  • 4. C: BAIXAS TEMPERATURAS E PRESSÕES : PASTAS LEVES E ACELERADAS Aditivos: Extendedores : ↓ Peso Viscosificantes : Ñ Decantação Aceleradores : Reduzir T.pega. D: STINGER : O que é? Coluna Inteira ( D.P. ) Funções : . Diminuir Deslocamento . Minimizar Contaminação
  • 5. 2 - CIMENTAÇÃO DE REVESTIMENTOS INTERMEDIÁRIOS A: TOPO DO CIMENTO : . Ñ há necessidades de atingir a superfície; . Quando possível deve alcançar a sapata anterior; . Deve cobrir o trecho sujeito a compressão. l = p x L onde l = Trecho comprimido (M) L= Comprimento da tubulação (M) p= Peso da lama (PPG) 65.4 L l
  • 6. B: OPERAÇÃO : . Pode ser realizada em 1 ou + estágios; . Normalmente utilizan - se 2 pastas. C: ADITIVOS : . Extendedores . Viscosificantes . Retardadores : Aumentam T.pega. . Dispersantes : Afinam a pasta (MELHORES CONDIÇÕES DE MISTURA DE FLUXO)
  • 7. 3 - CIMENTAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE PRODUÇÃO A: OPERAÇÃO : . Maior rigor nos isolamentos; . Qualidade da operação x avaliação e produtividade; . 1 ou + pastas em 1 ou + estágios. B: ADITIVOS : . Já citados . Controladores de filtrado: ↓ Perda de fluidos Menor dano à formação Menor desidratação da pasta
  • 8. ETAPAS DE UMA OPERAÇÃO DE CIMENTAÇÃO 1 . Circulação para condicionamento 2 . Teste de linhas / colchões 3 . Mistura da pasta 4 . Deslocamento da pasta
  • 9. A: Pasta de Cimento : Cimento + água + aditivos; B: Densidade da Pastas : . Controla a proporção correta dos componentes da mistura. . Característica das pastas são alteradas com a modificação (peso) : 3 - MISTURA E BOMBEAMENTO DA PASTA : Pasta + leve + Água - Cimento - Resistência - Viscosa + Sedimentação Pega + Demorada - Controle Filtrado Pasta + pesada - Água + Cimento + Resistência + Viscosa - Sedimentação Pega - Demorada + Controle Filtrado
  • 10. C: Método de Controle de Peso das Pastas : . Balança de Lama Comum - Necessidade de boa calibração - Leitura < Real ( presença de ar ) . Balança Pressurizada - Elimina efeito do ar - Operação demorada . Densitômetros Radioativo tubo em “U” - Acompanhamento contínuo - Menos sensíveis à presença do ar
  • 11. D: Esquema de Mistura das Pastas : CIMENTO ÁGUA PASTA E: Fatores que Influenciam o peso da Pasta : . Altura de cimento no funil: ↑ H → ↑ p . Jatos: ↓ Ø ( maior restrição ) → ↑ p . By Pass: Controles de volume de água e cimento . Pressão da Centrífuga: má operação → Bomba a Bomba = ↑ P e ↓ V
  • 12. 1 - CONDICIONAMENTO DO POÇO / LAMA : A: Porque Circular : . Verificação circulação normal ( Vol.. Reves. + 20% ) . Ajustar propriedades da lama ( facilitar remoção ) . Resfriamento do poço ( 1 Bottom’s up ) Bottom’s up : Vol.......... Do anular até superfície Ciclo : “Bottom’s up” + Vol................. Do revestimento EXEMPLO: 9 5/8” - 47 # / Pé A 2.350 m 13 3/8” - 61 # / Pé A 1.100 m Poço aberto 12 1/4” ( excesso 30% ) Vol. Revestimento = 0,0732 BBL/Pé x 2.350m x 3.281 = = 564,4 BBL Bottom’s up = ( 2,350 - 1,100 ) x 3,281 x 0,0558 BBL/Pé x 1,3 ) + 1.100 x 3,281 x 0,0622 = 522 BBL Ciclo = 564,4 + 522 = 1086,4 BBL
  • 13. 2 - TESTE DE LINHAS E BOMBEAMENTO DE COLCHÕES : A: Porque Testar as Linhas? Vazamentos B: Cuidados : . Ar tropeado . Isolamento das bombas de lama . Normalidade do retorno . Bombeamento para o poço C: Pressões dos Testes : . Normalmente 1.500 a 3.000 psi . Plugs ssr ( flutuantes ) : 5.000 psi D: Tempo : Aproximadamente 3 minutos E: Teste Falho : Localização, reparo e novo teste F: Porque Usar Colchões? . Turbulência . Separação pasta x lama . Remoção da lama G: Que Colchão Utilizar? Lama base água ou óleo . Função de: Controle de filtrado ou não Lavador ou espaçador H: Quando Utilizar? Hidrostática Tempo de contato . Função de
  • 14. 4 - DESLOCAMENTO DA PASTA A: Liberação do Plug de Topo: . Abrir válvula superior . Retrair o pino trava . Fechar válvula inferior B: Deslocar com a unidade ou bomba de lama? . Maior precisão X Maior vazão * Bomba lama Retestar linhas: C: Controle de Retorno : D: Reduzir Vazão em Restrições e Antes do Plug Bater E: Capacidade das Bombas : . Triplex C3 = 0,0002428D² x P onde C3 = BBL / STROKE D = CAMISA (POL) P = PISTÃO . Duplex C2 = 0,0001618(2D²-dh²) x P onde = Diâmetro haste (POL) EFICIÊNCIA = 97% hd EFICIÊNCIA = 90%
  • 15. PASTAS DE CIMENTO 1 - Pastas de cimento: Cimento + água + aditivos 2 - Aditivos : A. Sólidos (%) : Peso em relação de cimento . Exceção: Nacl Peso em relação peso de água - Misturadas a Seco - Pré - Hidratados B. Líquidos (GPC): Volume em relação peso de cimento 3 - Volumes : A. Bulk ar incorporado Cimento: 94 LB/PE³ B. Absoluto imerso em água Cimento: 26,17818 LB/GAL Vabs < V Bulk ( sólidos ) Vabs = V Bulk ( líquidos )
  • 16. ADITIVOS - TIPOS - RETARDADORES - ACELERADORES - EXTENDEDORES - DENSIFICADORES - DISPERSANTES - QUE PROMOVEM PROPRIEDADES TRIXOTROPICAS - REDUTORES DE FILTRADO - ANTIESPUMANTES ( PREVENTORES ) - ESPUMANTES - ESTABILIZADORES CONTRA RETROGRESSÃO - BLOQUEADORES DE GÁS - “ COMBATEDORES DE PERDA ”
  • 17. . COMO MISTURAR? ÁGUA DOCE 1. ANTIESPUMANTE - - - - - - - - - - - - - - - - - - 2. REDUTOR DE FILTRADO 3. DISPERSANTE 4. RETARDADOR . AGITAÇÃO ANTES E DEPOIS . QUEM VAI CUIDAR DA ÁGUA DE MISTURA *SALINIDADE !!!! BENTONITA CLORETOS CIMA C1 C2 L² CL
  • 18. PREPARO DA ÁGUA DE MISTURA • ONDE PREPARAR? • LIMPEZA TANQUES LINHAS • QUANDO? LIMPAR TANQUES MISTURAR • OPERADOR DA CIA. SERVIÇO DEVE ESTAR PRESENTE (VOCË TAMBÉM)
  • 19. PORQUE USAR ADITIVOS ? - A PASTA DE CIMENTO TEM QUE CHEGAR AO LUGAR CERTO DENTRO DO POÇO - SEM ENTRAR EM PEGA - SEM SE MISTURAR COM OUTROS FLUIDOS NO POCO - MANTENDO AS CARACTERISTICAS PRINCIPAIS DA PASTA. (PESO, FLUIDEZ, CONTROLE DE FILTRADO)
  • 22. PROPRIEDADES DAS PASTAS p ↑ p↓ M/p FILTRADO < > MELHOR < REOLOGIA > < ? H2O LIVRE < > MELHOR < BOMBEABILIDADE < > MELHOR > RESIST. COMPR. > < MELHOR > CUIDE DO PESO CONDICIONAMENTO DA LAMA PLUG DE FUNDO COLCHÃO PREPARO DA ÁGUA CONTINUIDADE OPERACIONAL
  • 23. 4 - Propriedades das Pastas A. Densidade da Pasta : . Relação peso / volume . Unidade usual: LB/GAL ( PPG) . Indica a proporção de mistura . Aditivos que alteram o peso: - Extendedores :↑p ( EX: H2O, N2, MICRO-ESFERAS * Viscosificantes atenuam o efeito da sedimentação devido ao uso de extendedores ( EX: BETONITA ) - Agentes de Peso : ↑p ( EX: BARITINA, HEMATITA ) * ↓ H2O → ↑p ↑ VISCOSIDADE → DISPERSANTES EXEMPLO: PASTA CIMENTO 44% H2O p=?
  • 24. Material Cimento Àgua Peso 94 ( 1 PE³ ) x 44 x 94 = 41,36 x 135,36LB Vol. Absoluto 0,0382 0,11995 Volume = 3,5908 = 4,9611 8,5519 GAL p = 135,36 = 15,83 LB/GAL 8,5519
  • 25. D. Resistência à Compressão : . Medida em PSI / HORAS ( PRENSA ) . Afetada pelo fator A / C : ↑ A / C → ↓ RESITÊNCIA E. Bombeabilidade : . Mede a facilidade com que certa pasta deixa-se bombear. . Depende de : - tempo decorrido após a mistura - temperatura e pressão - continuidade do bombeio ACELERADORES RETARDADORES VISCOSIFICANTES DISPERSANTES . Consistômetro → Unidades de consistência (U.C) - 100 uc = Tempo de espessamento (T.P) - 50 uc = Limite de Bombeabilidade (T.P) - aditivação da pasta
  • 26. F. Perda D´Água : . Mede a perda de fluido para um meio poroso ( Filtro Prensa → Filtrado ) . Depende de : - A/C - temperatura e diferencial de pressão - Aditivação da pasta →controladores de filtrado. G. Reologia : . Grosseiramente traduz a viscosidade da pasta . REÔMETRO → Leituras a 600 RPM, 300RPM, 200RPM ... . Grande importância nas pastas de produção → Fluxos !
  • 27. - PROBLEMAS USUAIS CAUSADOS POR : Sedimentação e H2O livre Poço Direcional 22 20.6 18.2 16 14.7 12.5 9.8 9 P= 15.8 LB/GAL Poço Vertical
  • 28.
  • 29. DESCIDA DE REVESTIMENTO * VELOCIDADE DEPENDE DO PLANEJAMENTO TÉCNICO DA GENPO * DOIS OU MAIS TÉCNICOS DEFINIR QUEM MANDA ! SEMPRE VERIFIQUE TUDO, NÃO CONFIE EM NINGUÉM.
  • 30. COLUNAS DE REVESTIMENTO 1 - O QUE É ? Uma coluna de revestimento é constituída de diversos tubos de aço unidos por conectores ou luvas especiais, descidos num poço de petróleo, com a função básica de sustentar as formações formadas pela broca. 2 - POR QUE USAMOS ? - Evitar desmoronamento do poço; - Evitar contaminação de aquíferos; - Confinar a produção no interior do poço; - Controlar pressões no poço; - Permitir instalação dos equipamentos de superfície; - Isolar intervalos portadores de fluidos diferentes.
  • 31. A) QUANTO À FUNÇÃO CLASSIFICAÇÃO 1 - CONDUTOR 2 - SUPERFÍCIE 3 - INTERMEDIÁRIO 4 - PRODUÇÃO 5 - LINER
  • 32. 1 - CONDUTOR A - FINALIDADES: * Evitar o solapamento (lavagem do pé da sonda); * Suportar formações superficiais inconsolidadas; * Isolar zonas de água doce. B - CARACTERÍSTICAS: * É o revestimento de maior diâmetro; * Pode ser cravado, jateado ou cimentado; * É cimentado em toda sua extensão. C - DIÂMETROS USUAIS: * 30” 20” 13 3/8”
  • 33.
  • 34. 2 - SUPERFÍCIE A - FINALIDADES: * Isolar zonas de água doce; * Servir de base para a instalação dos equipamentos de superfície; * Suportar outras colunas de revestimento. B - CARACTERÍSTICAS: * É cimentado em toda sua extensão; * Tem função estrutural. C - DIÂMETROS USUAIS: * 20” 18 5/8” 13 3/8” 10 3/4” 9 5/8”
  • 35.
  • 36. 3- INTERMEDIÁRIO A - FINALIDADES: * Isolar zonas de perda de circulação; * Isolar zonas de pressões anormais; * Isolar zonas de sal ou anidrita que contaminam a lama; * Isolar zonas de baixo gradiente de fratura. B - CARACTERÍSTICAS: * Pode existir mais de um revestimento intermediário; * Pode ser programado ou não; * Pode ser parcialmente recuperado quando do abandono do poço. C - DIÂMETROS USUAIS: * 13 3/8” 10 3/4” 9 5/8”
  • 37. (a) (b) (c) (a) Revestimento Condutor (b) Revestimento de Superfície (c) Revestimento Intermediário
  • 38. 4 - PRODUÇÃO A - FINALIDADES: * Confinar a produção no interior do poço; * Isolar zonas de água da zona produtora; * Isolar reservatórios com fluidos ou pressões diferentes. B - CARACTERÍSTICAS: * Alta resistência aos esforços; * Exige boa qualidade da cimentação; * Último revestimento a ser descido no poço; * Pode ser cimentado em um ou dois estágios. C - DIÂMETROS USUAIS: * 9 5/8” 7” 5 1/2” 5”
  • 39. LINER DEFINIÇÃO: É uma coluna de revestimento que não chega até a superfície. Fica suspenso no último revestimento descido. A - FINALIDADES: * Contornar limitações da cabeça do poço; * Evitar coluna de perfuração muito fina para a fase seguinte. B - CARACTERÍSTICAS: * Pode ser intermediário ou de produção; * Pode ser, posteriormente, prolongado até a superfície ( Tie back ); * Baixo custo. C - DIÂMETROS USUAIS: * 9 5/8”x13 3/8” 7”x9 5/8” 5”x7” 7 5/8”x9 5/8” 5 1/2”x7 5/8”
  • 41. MÉTODOS DE FABRICAÇÃO Os tubos de revestimentos podem ser fabricados segundo dois processos: - COM COSTURA - SEM COSTURA Para os tubos sem costura temos dois processos utilizados atualmente no Brasil: - FORMAÇÃO U - O - E - LINHA CONTÍNUA
  • 42. REQUISITOS BÁSICOS DOS TUBOS DE REVESTIMENTOS * POSSUIREM RESISTÊNCIAS COMPATÍVEIS COM AS SOLICITAÇÕES QUE LHE SERÃO IMPOSTAS; * SEREM ESTANQUES; * APRESENTAM FACILIDADES DE CONEXÃO; * SEREM RESITENTES A CORROSÃO E A ABRASÃO ( INTERNAMENTE E EXTERNAMENTE) * POSSUIREM PAREDES TÃO DELGADAS QUANTO POSSÍVEL; * MENOR CUSTO POSSÍVEL.
  • 43. PADRONIZAÇÃO DO REVESTIMENTO De acordo com o American Petroleum Institute ( API ) o revestimento é padronizado em função de: - DIÂMETRO EXTERNO - EXPESSURA DA PAREDE - PESO - GRAU DO AÇO EMPREGADO NA FABRICAÇÃO - COMPRIMENTO DO TUBO - TIPO DE CONEXÃO
  • 44. DIÂMETRO EXTERNO Os diâmetros padronizados são: 4 1/2” 5” 5 1/2” 6 5/8” 7” 7 5/8” 8 5/8” 9 5/8” 10 3/4” 11 3/4” 13 3/8” 16” 18 5/8” 20”
  • 45. GRAUS DE AÇO PADRONIZADOS PELO API Grau H-40 J-55 K-55 C-75 L-80 N-80 C-90 C-95 P-110 Max. 40 55 55 75 80 80 90 95 110 Min. 80 80 80 90 95 110 105 110 140 60 75 95 95 95 100 100 105 125 Elongação Mínima (%) 29,5 24,0 19,5 19,5 19,5 18,5 18,5 18,0 15,0 Limite de Escoamento ( x1000 psi ) Resist. Tração Min.
  • 46. CONECTORES ENGATE RÁPIDO 20” ALT - EQP (VETCO) ATL-2 - CMV (AG. PROF.) 30” ST - EQP (VECTO) ALT - EQP (VECTO) ALT-2 -CMV (AG. PROF.)
  • 47. CONECTORES ROSQUEADOS 20” LS - CMV AR - EQP RL-4 -CMV ??? LS-2 - CMV (AG. PROF.) CM - EQP (AG. PROF.) 30” DR - CMV (CRAVAÇÃO) ER - EQP (CRAVAÇÃO)
  • 48. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS TIPOS DE CONEXÕES 1 - OITO FIOS POR POLEGADAS - Baixa resistência à tração 2 - BUTTRESS - Resistência à tração maior que o corpo do tubo 3 - EXTREME LINE - Alta resistência da conexão - Ótima resistência quanto à vazamentos ( mesmo sob altas pressões ) 4 - HYDRILL - Semelhante a Extreme Line ( diferenciando-se pelo perfil )
  • 49. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS TIPOS DE CONEXÕES 5 - CONECTORES VECTO DE ENCAIXE RÁPIDO ( ST E ALT) - Eliminam as dificuldades de enrroscamento em tubos de grande diâmetro 6 - CONECTORES VECTO ( C, L, LX ) - Rápido enrroscamento ( 4 a 5 voltas ) - Dificuldade para “montar” rosca - Alta resistência a tração
  • 50. TIPOS DE CONEXÃO O API estabeleceu especificações para os seguintes tipos de conexões: - LUVA CURTA OITO FIOS - LUVA LONGA OITO FIOS - BUTTRESS - EXTREME LINE
  • 51. COMPRIMENTO DO TUBO As normas API estabelecem três comprimentos para os tubos, como pode ser visto na tabela que segue. No Brasil, empregam-se tubos do range 3. COMPRIMENTO DOS RANGES DE REVESTIMENTO Range 1 2 3 Comprimento do Range ( pé ) 16 - 25 25 - 34 > 34
  • 52. PESO TUBO O peso Nomial, segundo a API, é igual ao peso por pé teórico calculado para um tubo com 20 pés de comprimento, possuindo as extremidades rosqueadas e com uma luva conectada, esse valor é expresso em Ib/pé. 20 pés
  • 53. FATORES CONSIDERADOS NO CRITÉRIO PETROBRÁS - PRESSÃO INTERNA - PRESSÃO EXTERNA - TRAÇÃO - DOBRAMENTO - DESGASTE - GÁS SULFÍDRICO
  • 55. CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO DE COLUNAS DE REVESTIMENTO NA PETROBRÁS
  • 56. TABLE 4 - Acceptable API and ASSIM Spacifications for tubular Goods All materials listed in tables 1 through 3 are accepttable. Materials listed in this table are accepttable under environmental condition noted For All Temperatures For 65C (150F) or Greater For 80C (175F) or Greater Tubing and Casing Tubing and Casing Tubing and Casing API Spec 5A Gr H-40, API Spec 5A Gr N-80 (Q&T) API Spec 5A Gr H-40 & N-80 J-55 & K-55 5 AC Gr C-95 X Gr P-105 & P-110 5AC Gr C-75 & L-80 Proprietary Grades per Proprietary Q&T Grades with Proprietary Q&T Grades Paragraph 3.3.3 110 Ksi or less maximum yield to 140 Ksi maximum yield strength. strength. Pipe API Spec 5L Gr A & B 5LS Gr X-43 thru X-65 5LX Gr X-42 thru X-65 ASTM A-53 A-106 Gr A, B, C A-333 Gr 1 & 6 A-524 GR 1 & 2 A-381 Cl 1 Y65 Drill Stem Materials API Spec 5a Gr D & E 5AX Gr X-95, G-105 S-135 ( See 11.2.1.1) API Spec 7 Aluminium 2014-TB ( UNS A 92014 ) Operating Temperatura (1) (5) (7) (6) (3) (2) (7) (7) (4) (1) Impact resistance may be required by other standards and codes for low operating temperatures. (2) Continuous minimum temperature; for lower temperatures, select from column 1 (3) 80 Ksi maximum yield strengh permissible (latest revisiom of API 5A includes this requirement). (4) Welded grades must meet the requiramentes of Selections 3 through 8 (5) For user under controlled environments as defined in Paragraph 11.1.2 (6) Maximum drilling fluid pH = 10.5. (7) Grades X-56 through X-65 and Y56 through Y65 shall have a maximum hardness of HRC 22.
  • 57. ACESSÓRIOS DA COLUNAS DE REVESTIMENTO 1 - SAPATA: - GUIA - GUIA C/ SAÍDAS LATERAIS - CEGA - FLUTUANTE - FLUTUANTE C/ SAÍDAS LATERAIS - DIFERENCIAL - FLEXIFLOW São todos os elementos descidos com a coluna de revestimento e cujas posições obedecem a uma programação antecipada. A maioria destes acessórios irão atuar como elementos de cimentação.
  • 58. ACESSÓRIOS DA COLUNA DE REVESTIMENTO 2 - COLAR: - RETENTOR - CEGO - FLUTUANTE - DIFERENCIAL - FLEXIFLOW - INSERTO
  • 59. SAPATAS E COLARES INSERTO FLUTUANTE TIPO FLAPPER COLAR FLUTUANTE COM SAÍDA LATERAL SAPATA FLUTUANTE COM SAÍDA LATERAL INSERTO FLUTUANTE TIPO ESFERA
  • 60. COLAR FLUTUANTE TIPO POPET VALVE COLAR FLUTUANTE TIPO ESFERA SAPATA FLUTUANTE TIPO ESFERA SAPATA FLUTUANTE TIPO POPET VALVE SAPATAS E COLARES
  • 61. COLAR FLUTUANTE TIPO FLAPPER COLAR RETENTORSAPATA GUIA SAPATAS E COLARES SAPATA GUIA COM SAÍDA LATERAL
  • 62. SAPATAS E COLARES SAPATA STAB-IN COM VÁLVULA FLUTUANTE SAPATA STAB-IN COM LATCH DOWN PLUG
  • 63. ACESSÓRIOS DA COLUNAS DE REVESTIMENTO 3 - TAMPÕES: FUNDO: Seque à frente da pasta com a finalidade de remover a película de lama da parede interna do revestimento. Possui uma película que se rompe quando este atinge o colar, permitindo a continuidade do fluxo. TOPO: Seque atrás da pasta com a finalidade de separá-la da lama de deslocamento. Ao topar sobre o tampão de fundo, o final do deslocamento será indicado.
  • 64. PLUG DE TOPOPLUG DE FUNDO PLUGS DE CIMENTAÇÃO
  • 65. Top Releasing Plug Cap Cement Inlet D.V. Extension Plug Container Plug Release Plunger Assembly Ball Release Mechanism Drill Pipe Instalation Tool Pressume Equelizer Top Plug Bottom Plug Super Seal Float Shoe or Float Collar Bottom Plug 1 1/4 Weighted Ball Subsea Head Cemet Latch-Down Fluid Displacing Fluid Latch-Down Plug Top Plug FIGURE 1 FIGURE 2 DISPLACING CEMENT FIGURE 3 TOP PLUG LANDED PLUG SSR
  • 66. CENTRALIZADOR TIPO M STOP RING CENTRALIZADORES E STOP RINGS
  • 68. ACESSÓRIOS DA COLUNAS DE REVESTIMENTO 4 - CENTRALIZADORES: Centralizam o revestimento no poço, diminuindo a canalização da pasta de cimento. 5 - ARRANHADORES (em desuso): - VERTICAL - ROTATIVO 6 - CESTA DE CIMENTAÇÃO São equipamentos que impedem a queda da pasta de cimento no anular.
  • 70. ACESSÓRIOS DE COLUNAS DE REVESTIMENTO 7 - COLAR DE ESTÁGIO: É o equipamento que permite comunicar o interior do revestimento com o anular em um ponto pré-determinado e no momento desejado. 8- EXTERNAL CASING PACKER (E.C.P.) É o equipamento que permite promover uma vedação perfeita entre a parede externa do revestimento e o poço.
  • 71.
  • 72. SEGUÊNCIA OPERACIONAL DE UMA OPERAÇÃO EM 2 ESTÁGIOS
  • 73.
  • 74. DEPER MANUAL DE REVESTIMENTO E CIMENTAÇÃO CLOSING PLUG PLUG DE FECHAMENTO FLEXI-PLUG DE TOPO DO 1º ESTÁGIO BOMBA DE ABERTURA SHUT-OFF BAFFLE BYPASS PLUG FLEXI-PLUG DE FUNDO DO 1º ESTÁGIO BYPASS BAFFLE 14.09.84 5/7 EMISSÃO FOLHA Fig.2 SEÇÃO CAPITULO UNIDADE 001 003 002
  • 76. DAVIS
  • 77. Seal assembly Expandable steel back-up sleeve Uninflated, Rum-in Size Resilient rubber cover Flexible steel reiforcing vulcanized into rubbler Mandrel ( joint of casing ) Inflated Size Inner tube Expandable steel back - up sleeve Inflate limit valve Check valve Locking shut-off valve or opti_ onal delayed-opening valve Optional break-off rod Valva collar
  • 78.
  • 79.
  • 80. EXTERNAL CASING PACKER ECP VALVE COLLAR CHECK VALVE OPTIONAL BREK-OFF ROD LOCKING SHUT-OFFOR OPTIONAL DELAYED-OPENIG VALVE INFLATE LIMIT VALVE UNINFLATE RUN-IN SIZE RESILIENTE RUBBER COVER FLEXIBLE STEEL REIFORCING VULCANIZED INTO RUBBER MANDREL ( JOINT OF CASING ) INTO TUBE
  • 81.
  • 82. E.C.P (INFLADO) SHEAR PIN (Pino de Lizamento) SHEAR PIN FEHADA ABERTA TRAVADA PROTETOR PLÁSTICO
  • 83. ECP
  • 84. ANNULUS CASING PACKER ACP VALVE BODY COLLAR SEE FIGURES 1-4 FOR VALVE SYSTEM DETAILS VALVE SYSTEM KNOCK-OFF PIN INFLATABLE ELEMENT SEAL ASSEMBLY SIMGLE PIECE MANDREL
  • 85. ANNULUS CASING PACKER DETAIL “B” VALVE EXTENSIOM ALING LARGE HOLE IN RETAINER AND EXTENSION OPENING VALVE SHEAR PIN RETAINER ACP DETAIL “A” DETAIL “A” DETAIL “B” CLOSING VALVE CLOSING VALVE SHEAR PIN SHEAR RING VALVE RENOVALTOOL
  • 86. RECEBIMENTO DA TUBULAÇÃO ACESSÓRIOS - COMPATIBILIDADE . CONEXÃO . PESO . GRAU - Nº SÉRIE, FABRICANTE, ETC. - SAPATAS E COLARES FLUTUANTES - COLAR DE ESTÁGIO - ECP - ACESSÓRIOS P/ LINER - CENTRALIZADORES / STOP RING - CABEÇA DE REVESTIMENTO - OBS - PLUGS DE CIIMENTAÇÃO - RETIRAR PROTETORES CAIXA E PINO - LIMPAR E INSPECIONAR CONEXÕES - MEDIÇÃO E NUMERAÇÃO - GABARITAR - TER CERTEZA ABSOLUTA DO Nº DE TUBOS DA SONDA
  • 87. EQUIPAMENTO DE DESCIDA DE REVESTIMENTO UNIDADE UTILIZADA TON CURTA = 2.000 LIBRAS !! •ELEVADOR AUXILIAR • “ ‘’ SIDE DOOR •CUNHAS MANUAIS •CHAVE HIDRÁULICA • “ ‘’ FLUTUANTE •SENSOR/TORQUIMETRO •CORDAS •ELEVADORES/CUNHAS TIPO SPIDER •COLAR DE SEGURANÇA •PROTETORES NEOPRENE •GRAXA •RABICHO •SISTEMA DE ABASTECIMENTO •INSERT BOWL OU SPIDER •MESA AUXILIAR •CABEÇAS DE CIRCULAÇÃO •ESCOVAS DE AÇO •ARALBITE/ESPATULA
  • 88. PROGRAMÇÃO DA COLUNA E DA OPERAÇÃO - SEGUIR O PROGRAMA DO POÇO - CONVENIÊNCIA OPERACIONAL STICK.UP PEQUENO RAT HOLE ADEQUADO CHECAR FUNDO EVITAR TUBOS CURTOS ÚLTIMO TUBO DRIFT JUNTAS CURTAS P/ OBS E ECP EVITAR PULAR TUBOS - CÁLCULOS EXTRAS •PESO DA COLUNA E GRÁFICO •PREVISÃO DE PRESSÕES •GANHO DE LAMA - PROGRAMA DESCRITIVO COMPLETO FISCAL ENCARREGADO SONDADOR O.M.C - REUNIÃO NTES DA OPERAÇÃO
  • 89. COISAS QUE PODEM SER ADIANTADAS 1. SOLDA DE JUNTAS GRAU DO AÇO) 2. LIMPEZA ROSCAS A SEREM COLADAS 3. PRÉ ENROSCAMENTO DE ACESSÓRIOS .SAPATA .ECP .OBS .COLAR .LINER 4. PASSAR GRAXA NA CAIXA DOS TUBOS 5. RETIRAR TUBOS QUE NÃO SERÃO USADOS 6. DEIXAR EQTO. DE DESCIDA À MÃO - CONHEÇA O POÇO QUE VOÇÊ VAI REVESTIR LEIA E RELEIA! BDP BRCT BDG CONVERSE E PERGUNTE, ENCHA O ..... ENCARREGADO, ATF, ATG, FISCAL, SONDADOR
  • 90. DESCIDA DO REVEST. - PESCAR BUCHA (GABARITO) - PREPARAR PLATAFORMA - COMEÇO DE DESCIDA - CHECAGEM FLUT - SONDAS SS/NS - DESCIDA - ABASTEC. - TORQUE (ESPELHO ?) - CUIDADO ! NÃO INDUZA PERDAS - SAIBA APROVEITAR AS PARADAS - NÃO DEIXE A COLUNA PARAR EM POÇO ABERTO - CONECTE CABEÇAS C/PLUG (SE POSSÍVEL) - LINHAS PRONTAS COM ´Y ´ - PRONTO, ACABOU? ENTÃO CIRCULE
  • 91. CÁLCULOS OPERACIONAIS REVESTIMENTOS 1. PESO DE COLUNA 2. GANHO DE LAMA 3. POSIÇÃO DE LINHA NEUTRA 4. ELONGAÇÃO CIMENTAÇÃO 1. GANHO NOS TANQUES 2. PREPARO DE CONCENTRADOS 3. MUDANÇA DE PASTA 4. VOLUME REAL MISTURADO 5. PRESSÃO MÁXIMA SOBRE PLUG 6. FLUTUAÇÃO
  • 92. DESLOCAMENTO + VAZÃO TAMPÃO LAMINAR TURBULENTO + ONDE ESTÃO OS FLUIDOS AGORA + CONTROLE DE RETORNO + NÃO TESTE O REVESTIMENTO COM O PLUG !!!
  • 93. B.RENDIMENTO : . VOLUME DE PASTA OBTIDO/VOLUME “BULK” DO CIMENTO EXEMPLO: RENDIMENTO DO EXEMPLO ANTERIOR? O EXEMPLO ANTERIOR FOI CALCULADO PARA O VOLUME BULK DO CIMENTO ____ 94 LB = 1 PE³ R = 8,5519 GAL / 1 PE³ EM UNIDADES USUAIS: R = 1,143 PE³ / PE³ = 1,143 C.FATOR ÁGUA DE MISTURA: EXEMPLO: FAM DO EXERCÍCIO ANTERIOR? FAM = 4,9611 GPC OBS.: NUNCA SE ESQUEÇA QUE QUANDO SE DIZ X% DE ÁGUA, QUER SE DIZER VOLUME DE LÍQUIDO CORRESPONDENTE AO VOLUME DE ÁGUA À TAXA DE X% EM RELAÇÃO AO CIMENTO.
  • 94. MOVIMENTAÇÃO COLUNA ROTAÇÃO - + EFICIENTE * RECIPROCAÇÃO - + VIAVEL *PODE SER FEITO DURANTE CIRCULAÇÃO TAMBÉM CENTRALIZAÇÃO * ZONAS DE PESQUISA ISOLAMENTO CONTINUIDADE OPERACIONAL • EVITAR PARADAS!! GELEFICAÇÃO LAMA - PASTA • DEPENDE PLANEJAMENTO ADEQUADO
  • 95. COLCHÕES ESPAÇADOR - densidade ajustavel LAVADOR - densidade água *TEMPO CONTACTO ( 5 MIN OU +) *REDUÇÃO HIDROSTÁTICA (INFLUXO DE HC) *RELAÇÃO BENEFÍCIO/CUSTO PREPARO DA ÁGUA DE MISTURA *LIMPEZA TANQUE/LINHAS *CUBAGEM DO TANQUE *USO ÁGUA ADEQUADA *NÃO MINIMIZAR VOLUME MORTO *ORDEM DE ADIÇÃO DOS PRODUTOS *BOTAR CÃO DE GUARDA
  • 96. MOVIMENTAÇÃO DE COLUNA DESLOCAMENTO CENTRALIZAÇÃO CONDICIONAMENTO DA LAMA • TORNAR A LAMA MAIS SUSCETÍVEL À REMOÇÃO • LIMITE DE ESCOAMENTO • GÉIS • TEMPERATURA • MOVER TODA A LAMA NO POÇO PLUG DE FUNDO • LIMPAR O FILME DE LAMA • PRESERVAR O COLCHÃO • CUIDADO OPERACIONAL
  • 97. AULA ÚNICA: • NUNCA CONFIAR - SEMPRE VERIFICAR • NUNCA ESTIMAR - SEMPRE CALCULAR • CONTROLE DE QUALIDADE : UM DEVER • RESPONSABILIDADE : UMA OBRIGAÇÃO Termina Apresentação