Reforma protestante

720 visualizações

Publicada em

A Igreja Católica deixou de ser a única, organizaram-se outras que passaram a disputar os fiéis. Este processo ficou conhecido como REFORMA PROTESTANTE

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
720
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
331
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reforma protestante

  1. 1. O Cristianismo depois da reforma: Uma religião, várias igrejas.
  2. 2. As mudanças socioeconômicas na Europa chegam à religião. O Diversos aspectos da vida europeia vinham sofrendo mudanças desde a Baixa Idade Média. O Como economia, sociedade, política, cultura e as práticas religiosas também sofreram transformações. O A Igreja Católica deixou de ser a única, organizaram-se outras que passaram a disputar os fiéis. Este processo ficou conhecido como REFORMA PROTESTANTE.
  3. 3. Reforma Protestante O Em 1517 na Alemanha houve uma cisão na Igreja Católica que deu origem a primeira religião protestante da Europa. O Crise na Igreja Católica: O - Alto clero, atitudes não condizentes com os ensinamentos cristãos; vendas de títulos aos nobres, baixo clero sem formação alguns nem sabiam ler e não conheciam o evangelho e o celibato não era respeitado. O Abusos da Igreja: Venda de relíquias e de indulgencias
  4. 4. Venda de Indulgências
  5. 5. A Europa já não era a mesma O No contexto do Renascimento Cultural a população tornou-se mais crítica O A condenação da Igreja Católica em relação a usura prejudicava os comerciantes e banqueiros. O Discordância entre rei e o Papa no processo de centralização de poder O Invenção da Imprensa aumento do número de Bíblias em circulação. O Atividade 1 e 2 – págs. 126 e 127
  6. 6. A Reforma protestante na Alemanha O A Alemanha no século XVI era um conjunto de territórios autônomos conhecido como Sacro Império Romano- Germânico. O Dominado por um imperador escolhido pelos nobres e reconhecido papa. O Em 1517 o monge Johann Tetzel percorreu territórios para vender indulgências. O Lutero que era professor em Wittenberg não acreditava na salvação pelas obras...
  7. 7. O Só a fé salva os predestinados (escolhidos por Deus) O A venda do perdão dos pecados era inaceitável para Lutero. Ele prega as 95 teses.
  8. 8. O Ao saber das teses o papa requereu sua desculpa, Lutero se recusou e rompeu com a Igreja Católica, que quis puni-lo e recebeu protestos de nobres esse movimento ficou conhecido como Reforma Protestante O Muitos príncipes deram proteção à Lutero. O Ele traduziu a Bíblia e manteve apenas dois sacramentos – batismo e a eucaristia O Defendia que o governo deveria ser mais poderoso que a Igreja – interesse dos reis O Condenava as atividades comerciais.
  9. 9. O Os camponeses alemães se inspiraram nas críticas de Lutero para defender a divisão das terras e lutavam. Lutero os achava radicais O Atividade com documento 1 – pág. 131
  10. 10. João Calvino: uma nova reforma e o lucro abençoado O Em 1536 iniciou uma nova religião protestante: Calvinismo. O Esta rejeitava a autoridade do papa, o culto aos santos, e reconhecia dois sacramentos o batismo e a eucaristia. O Acreditava na predestinação, mas não significava que não Precisavam agradar a Deus.
  11. 11. O Calvino aprovava o trabalho e o lucro e dizia que a miséria era fonte do pecado O A burguesia se identificou com a nova religião, que não condenava o lucro... O Em 1541 Calvino se torna dirigente político e religioso em Genebra impondo uma rigorosa disciplina valorizando o trabalho e condenando a diversão – Consistório – órgão de controle.
  12. 12. O calvinismo difundiu-se em vários lugares onde o comércio era intenso... O França – huguenotes O Inglaterra – puritanos O Escócia – presbiterianos O Atividade 2 – pág. 133 O Em Casa – págs. 133, 134 e 135
  13. 13. A contrarreforma e os conflitos religiosos
  14. 14. Reação da Igreja Católica O A Reforma Protestante e o surgimento de várias igrejas deixou a Igreja Católica com seu poder enfraquecido, além da perda de fiéis O A Igreja Católica reagiu e buscou estratégias para conter novas igrejas esse movimento ficou conhecido como CONTRARREFORMA.
  15. 15. O Concílio de Trento - 1545 à 1563 O Com o objetivo de conter o avanço protestante o papa Paulo III, liderou reuniões – CONCÍLIO DE TRENTO O As decisões do concílio foram divididas entre dois grupos: O 1º - Seus integrantes não concordavam com os abusos da igreja e queriam formação para os padres O 2º - Seus integrantes declararam guerra aos protestantes que passaram a serem punidos e aumentou a vigilância dos católicos.
  16. 16. Medidas repressivas tomadas pelo Concílio de Trento O Intensificação da ação dos Tribunais da Inquisição O Criação do Índex – lista de livros proibidos O Estímulo à Companhia de Jesus – ordem religiosa – Ignácio de Loyola
  17. 17. Os conflitos religiosos se intensificam Respostas dos protestantes: • Criação dos tribunais para perseguir seus opositores; • Proibição de leitura de algumas obras • Formação de grupos missionários As Contrarreforma e a reação protestante diminuiu ações de inspiração renascentistas... muitos artistas foram perseguidos: Giordano Bruno e Miguel de Servet
  18. 18. Religião e Política O A Contrarreforma impediu que o protestantismo se alastrasse por países ainda católicos – Portugal e Espanha O Medidas de moralização reconquistaram os fiéis. O Naquela época a escolha da religião dependiam dos reis e os súditos tinha que seguir, senão eram perseguidos e mortos.
  19. 19. Os novos “infiéis” o conflito entre os semelhantes O Antes da Reforma os inimigos religiosos dos europeus eram os que professavam crenças diferentes como os muçulmanos e os judeus. O Depois da Reforma os cristãos da Europa dividiram-se em várias igrejas na qual o rei escolhia por razões políticas. O Intolerância religiosa entre os cristãos (católicos e protestantes)
  20. 20. Quando o monarca sucessor era de outra religião as coisas se complicavam. Atividades e o Em Casa – págs. 143 à 145

×