A reforma aula

6.319 visualizações

Publicada em

Reforma e contra - Reforma

professor Nuno Faustino

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.319
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
339
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Leitura e exploração do documento
  • Leitura da página 70 para encontrar estes princípios
  • A reforma aula

    1. 1. OS NOVOS VALORES EUROPEUS O tempo das reformas religiosas A crise religiosa do século XVI e a ruptura protestante A reacção Católica: Reforma Católica e Contra-Reforma
    2. 2. Já desde a Idade média que se sentia a necessidade de mudança na doutrina da Igreja e no comportamento dos papas e dos membros do alto clero. John Wyclif , na Inglaterra, Jan Huss , na actual República Checa, e o monge italiano Girolamo Savonarola foram alguns dos que criticavam a Igreja e faziam apelos à sua reforma. A CRISE RELIGIOSA DO SÉCULO XVI John Wyclif Jan Huss - aconselhava os padres a imitarem a simplicidade e a pobreza de Cristo Girolamo Savonarola - incitava os cristãos a inspirar-se no Evangelho e a praticar a caridade
    3. 3. Mas foi, no século XVI, que as críticas e os protestos dos humanistas , como por exemplo Tomas More e Erasmo de Roterdão, que defendiam a renovação da Igreja, aumentaram , pois os abusos do clero e o desprestígio da Igreja tornam-se mais evidentes . Mas porquê? Eis os soberanos Pontífices, os cardeais e os bispos (…). Hoje (…) estes pastores não fazem nada senão alimentar-se bem. Deixam o cuidado do rebanho ao próprio Cristo (…). Esquecem que o nome de bispo significa labor, vigilância (…). Estas qualidades servem-lhes para deitar mão ao dinheiro (…). Se os soberanos Pontífices, que estão no lugar de Cristo, se esforçassem por imitá-lo na sua pobreza, nos seus trabalhos, na sua sabedoria, na sua cruz e no desprezo da vida (…) não seriam os mais infelizes dos Homens? Erasmo de Roterdão, O Elogio da Loucura. Thomas More Erasmo de Roterdão e a sua obra “O Elogio da Loucura”
    4. 4. 1- A veracidade de alguns dos ensinamentos da Igreja é posta em causa , devido ao espírito crítico dos renascentistas (exemplo: Geocentrismo). 2- A corrupção e a imoralidade dos membros do alto clero eram frequentes: AS CAUSAS DA CRISE DA IGREJA NO SÉCULO XVI ▪ Os membros do alto clero, nomeadamente os papas, comportavam-se como príncipes (interferiam nos assuntos políticos) e levavam uma vida de luxo e ostentação. ▪ Muitos membros do clero prosseguiam uma vida imoral (vários tinham, aliás, mulher e filhos, contrariando o voto de celibato) e a sua formação religiosa era pobre. ▪ O acesso aos altos cargos eclesiásticos, devido aos elevados rendimentos que proporcionavam, era muitas vezes atribuído (e mesmo comprado) a familiares e a nobres ( simonia ). 3- A “Questão das Indulgências” : O Papa Leão X publicou, em 1513, a Bula das Indulgências , documento que concedia o perdão dos pecados aos cristãos que dessem esmolas para a construção da basílica de S. Pedro. Papa Leão X (1513-1521)
    5. 5. Esta prática, que permitia aos cristãos resgatar os seus pecados com dinheiro, foi uma das causas da ruptura de Lutero com a Igreja Católica. (Na imagem, vê-se o Papa Leão X a receber os bens obtidos com a venda das indulgências.)
    6. 6. <ul><li>Na Alemanha, mais do que em qualquer outra parte da Europa, era opinião corrente que a Igreja devia ser reformada. </li></ul><ul><li>Com efeito, os pesados impostos lançados aí por Roma e os escandalosos abusos do clero eram motivo de constantes queixas e críticas à Igreja Católica. </li></ul><ul><li>É neste contexto que, no primeiro quartel do século XVI, se desencadeia uma revolta contra o papado. </li></ul>
    7. 7. Neste documento, Lutero condenava a venda das indulgências a troco de dinheiro e demonstrava que a capacidade para conceder o perdão dos pecados não pertencia ao Papa, pois a absolvição passava pela prática de boas acções (só o poder de Deus pode perdoar os pecados). A RUPTURA COM A IGREJA: A REFORMA PROTESTANTE Indignado com a atitude da Igreja, Martinho Lutero , monge agostinho, denunciou publicamente a venda das indulgências através de uma proclamação, as 95 Teses Contra as Indulgências , que afixou nas portas da catedral de Vitemberga, em 1517 . Martinho Lutero (1483-1546)
    8. 8. Foi, por isto, perseguido e excomungado (expulso da Igreja) em 1521. Em sinal de revolta, Lutero queimou publicamente a bula de excomunhão. Esta atitude marca a ruptura com a Igreja Católica e o início da Reforma Protestante . As ideias de Lutero deram início a uma nova doutrina – O PROTESTANTISMO – que rapidamente se difundiu nos países do Norte da Europa , embora com algumas variantes doutrinárias .
    9. 9. AS IGREJAS PROTESTANTES ▪ Luteranismo (Igreja Luterana) : foi criado, na Alemanha, por Martinho Lutero e os seus princípios doutrinários, definidos na Confissão de Ausburgo , podem resumir-se aos seguintes: <ul><li>a salvação alcança-se unicamente pela fé e não pelas obras (fé é uma dádiva de Deus); </li></ul><ul><li>a Bíblia é a única fonte de fé e deve ser interpretada livremente por todos (Lutero traduziu a Bíblia em alemão) – não os concílios ou a tradição da igreja; </li></ul><ul><li>só existem dois sacramentos: o baptismo e a eucaristia; </li></ul><ul><li>recusa a autoridade do Papa, o culto dos santos e da Virgem e o celibato. </li></ul>Martinho Lutero (1483-1546)
    10. 10. <ul><li>Que princípios doutrinários defende o Protestantismo? </li></ul>
    11. 11. Após a ruptura com a Igreja Católica, Lutero estabeleceu os princípios de uma nova religião: o LUTERANISMO <ul><li>Bíblia como fonte de fé; </li></ul><ul><li>Salvação pela fé; </li></ul><ul><li>Celibato do clero não obrigatório; </li></ul><ul><li>Rejeição da autoridade do Papa; </li></ul><ul><li>Sacramentos: baptismo e Eucaristia; </li></ul><ul><li>Culto: leitura da Bíblia, Sermão e Eucaristia; </li></ul>
    12. 12. ▪ Calvinismo (Igreja Calvinista) : foi fundado, na Suiça, por João Calvino e assentava na teoria da predestinação , segundo a qual todo o Homem está destinado por Deus à salvação ou à condenação eterna. João Calvino (1509-1564) ▪ Anglicanismo (Igreja Anglicana) : foi fundado pelo rei Henrique VIII de Inglaterra , em 1534, através do Acto de Supremacia. Embora o chefe máximo passe a ser o rei inglês, esta Igreja manteve o cerimonial e a hierarquia da Igreja Católica. Henrique VIII (1509-1547)
    13. 13. Na Suíça , João Calvino fundou o CALVINISMO <ul><li>Bíblia como fonte de fé; </li></ul><ul><li>Salvaç ão pela fé e predestinação; </li></ul><ul><li>Celibato do clero não obrigatório; </li></ul><ul><li>Rejeição da autoridade do Papa; </li></ul><ul><li>Sacramentos: Baptismo e Eucaristia; </li></ul><ul><li>Culto: leitura da Bíblia, Sermão e Eucaristia. </li></ul>
    14. 14. Em Inglaterra, o rei Henrique VIII fundou o ANGLICANISMO - <ul><li>Bíblia como fonte de fé; </li></ul><ul><li>Salvação pela fé e predestinação; </li></ul><ul><li>celibato do clero não obrigatório; </li></ul><ul><li>Rejeição da autoridade do Papa ( o rei é o chefe da igreja); </li></ul><ul><li>Sacramentos: Baptismo e Eucaristia; </li></ul><ul><li>Culto: supressão da missa mas mantendo a pomposidade das cerimónias. </li></ul>
    15. 15. Princípios <ul><li>CATOLICISMO </li></ul><ul><li>Salvação pela fé e boas obras </li></ul><ul><li>Obediência ao Papa </li></ul><ul><li>Sete sacramentos </li></ul><ul><li>Celibato dos padres </li></ul><ul><li>Culto: missa com comunhão dos fiéis através da hóstia </li></ul><ul><li>Bíblia e tradição: fontes de doutrina </li></ul><ul><li>PROTESTANTISMO </li></ul><ul><li>Salvação pela fé </li></ul>ACTIVIDADE
    16. 16. Princípios <ul><li>CATOLICISMO </li></ul><ul><li>Salvação pela fé e boas obras </li></ul><ul><li>Obediência ao Papa </li></ul><ul><li>Sete sacramentos </li></ul><ul><li>Celibato dos padres </li></ul><ul><li>Culto: missa com comunhão dos fiéis através da hóstia </li></ul><ul><li>Bíblia e tradição: fontes de doutrina </li></ul><ul><li>PROTESTANTISMO </li></ul><ul><li>Salvação pela fé predestinação </li></ul><ul><li>Igrejas nacionais </li></ul><ul><li>Dois sacramentos: Baptismo e Eucaristia </li></ul><ul><li>Celibato não obrigatório </li></ul><ul><li>Culto: Leitura da Bíblia orientada por um pastor e Cântico de hinos </li></ul><ul><li>Bíblia traduzida como fonte de doutrina </li></ul>
    17. 17. A RÁPIDA EXPANSÃO DA REFORMA PROTESTANTE ▪ Muitos príncipes e nobres aderiram à Reforma com o objectivo de se apoderarem dos bens materiais da Igreja Católica. ▪ Os camponeses esperavam livrar-se dos impostos que pagavam ao clero. Em finais do século XVI, a Europa encontrava-se dividida: o Norte era maioritariamente protestante e o Sul católico. Mas que razões explicam esta expansão do protestantismo ?
    18. 18. Às críticas dos humanistas e avanços do protestantismo respondeu a Igreja Católica com um movimento que foi simultaneamente de renovação interna ( Reforma Católica ) e de combate à expansão do protestantismo ( Contra-Reforma ) . A REACÇÃO CATÓLICA: REFORMA CATÓLICA E CONTRA-REFORMA REFORMA CATÓLICA: Movimento de renovação interna que redefiniu a doutrina oficial da Igreja e reestruturou o clero , de forma a melhorar a sua formação e a sua conduta. Este processo de renovação interna da Igreja foi desencadeado a partir do Concílio de Trento (1545-1563), convocado e presidido pelo Papa Paulo III , no qual foram tomadas decisões relacionadas com a fé e a disciplina do clero. Papa Paulo III (1534-1549)
    19. 20. <ul><li>A realização deste concílio teve como principais objectivos: </li></ul><ul><li>Reafirmação da doutrina cristã </li></ul><ul><li>Moralização da vida religiosa </li></ul>
    20. 21. Principais decisões do Concílio de Trento: ▪ Reafirmação da doutrina oficial da Igreja posta em causa pelos protestantes. ▪ Reestruturação do clero, impondo uma disciplina mais severa para combater a ignorância, a falta de formação e os abusos dos membros do clero: <ul><li>criação de seminários como centros de formação dos padres; </li></ul><ul><li>proibição da acumulação de cargos; </li></ul><ul><li>proibição da ordenação sacerdotal antes dos 25 anos; </li></ul><ul><li>manutenção do celibato. </li></ul>Concílio de Trento (1545-1563) Foi o mais longo concílio da história da Igreja. Teve uma duração real de 8 anos divididos por três períodos: 1545-1549, 1551-1552 e 1562-1563. Foi presidido pelos papas Paulo III, Júlio III, Marcelo II e Pio IV.
    21. 22. <ul><li>Face ao avanço do Protestantismo, a Igreja Católica iniciou um movimento de reorganização : </li></ul><ul><li>- REFORMA CATÓLICA : iniciou-se no Concílio de Trento (1545-1563); </li></ul><ul><li>- CONTRA-REFORMA : combate todas as formas de heresia. </li></ul>
    22. 23. <ul><li>Como reagiu a Igreja Católica ao avanço da Reforma Protestante? </li></ul>
    23. 24. REFORMA CATÓLICA Crise religiosa: abusos e degradação dos costumes Avanço do Protestantismo CONTRA-REFORMA +
    24. 25. REFORMA CATÓLICA Crise religiosa: abusos e degradação dos costumes ACÇÃO REFORMADORA Avanço do Protestantismo ACÇÃO REPRESSIVA CONTRA-REFORMA +
    25. 26. <ul><li>Que meios utilizou a Igreja Católica para combater o avanço protestante? </li></ul>
    26. 27. CONTRA-REFORMA: Movimento da Igreja Católica de prevenção e combate ao avanço do Protestantismo , por meio do recurso à Companhia de Jesus , à Inquisição e ao Índex .  A Companhia de Jesus. Santo Inácio de Loyola (1491-1556) Foi criada em 1539, pelo nobre espanhol Inácio de Loyola . Caracterizava-se por uma disciplina muito rigorosa e os seus membros, os Jesuítas , destacaram-se no ensino e na evangelização dos povos. Inácio de Loyola entrega ao papa Paulo III as regras da Companhia de Jesus
    27. 28. COMPANHIA DE JESUS
    28. 29.  A Inquisição (Tribunal do Santo Ofício/Santa Inquisição). Tribunal eclesiástico destinado a “defender a fé católica e os bons costumes” , com poderes para prender, torturar e condenar, geralmente à morte na fogueira, os suspeitos de praticarem bruxaria ou outras religiões, especialmente o Luteranismo e o Judaísmo . Em Portugal, a Inquisição foi introduzida em 1536, no reinado de D. João III , e as suas principais vítimas foram os cristãos-novos , isto é, os descendentes dos judeus convertidos ao Cristianismo durante o reinado de D. Manuel I. Auto-de-fé: execução pública de condenados pela inquisição.
    29. 30.  O Índex (Congregação do Índex). Fundado em 1543, era uma lista dos livros considerados perigosos para a fé e cuja impressão, venda e leitura era proibida, sob pena de excomunhão. Em muitos casos as perseguições e as condenações não eram motivadas por razões religiosas, mas sim por razões económicas. É que os bens dos condenados passavam a pertencer à Inquisição e muitos cristãos-novos eram ricos burgueses.
    30. 39. INQUISIÇÃO O “ interrogatório ”
    31. 40. A tortura
    32. 43. A “procissão” até ao local da execução
    33. 44. O “auto-de-fé”
    34. 45. ÍNDEX - Lista dos livros proibidos pela Igreja
    35. 46. OBJECTIVO: prevenir a leitura de livros considerados imorais pela Igreja ou de obras que contivessem desvios teológicos e deste modo &quot; prevenir a corrupção dos fiéis &quot;.
    36. 47. Em síntese...
    37. 48. Perante o avanço do Protestantismo, a Igreja iniciou um movimento de reorganização : REFORMA CATÓLICA CONTRA-REFORMA - Reafirmação da doutrina tradicional - Moralização dos costumes do Clero Concílio de Trento - Combate a todas as formas de heresia Inquisição Índex Companhia de Jesus
    38. 49. <ul><li>FIM </li></ul>

    ×